Click here to load reader

Mais Preza - 06-01

  • View
    226

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Correio do Povo

Text of Mais Preza - 06-01

  • 2 5#

    Dilogossustentveis

    A partir de amanh, 7, o Porto Alegre Como Vamos vai promover encontros sempre no primeiro sbado do ms para falar sobre sustentabilidade. A reunio comea s 14h, na rua Comendador Coruja, 277.

    Saiba mais em: poacomovamos.org

    Vin

    ciu

    s R

    orat

    to

    Toms (E), Carlos, Marta, Carolina, Slvia e Igorfazem parte do grupo que se rene para discutir ideias e aes para melhorar Porto Alegre

    c o m p o r t a m e n t o m s i c a c u l t u r a i n t e r n e t c a r r e i r a c i n e m a m o d a a g i t o

    PORTO ALEGRE,SEXTA-FEIRA,6 de janeirode 2012

    Eles esto preocupadosPorto Alegre Como Vamos prope solues para a cidade

    Ainda na faculdade, os ento colegas e agora forma-dos Igor Oliveira, 23 anos, e Carolina Dalla Chiesa, 24, come-aram a discutir a ideia de implantar em Porto Alegre um projeto parecido com o que vinha sendo feito na capital da Colmbia, o Bogot Como Vamos. Mas a Carolina foi mo-rar fora do pas e o projeto ficou em modo espera por algum tempo. Quando ela voltou, reencontrou Igor e com mais alguns amigos eles criaram o Porto Alegre Como Vamos. A ideia desenvolver um modelo de movimento apartid-rio (mas no apoltico, como Carolina faz questo de res-saltar) e convidar a sociedade civil a participar ativamente da criao de uma agenda para a cidade e do acompanha-mento da gesto pblica. Os instrumentos de participao so muito difceis para o cidado comum. Se hoje eu quiser participar talvez eu tenha que ser delegado do oramento participativo, o que envolve ser eleito, gastar muito tem-po, e por isso as pessoas no participam tanto, diz Igor.

    Hoje, cerca de 50 pessoas fazem parte do que eles chamam de grupo impulsor. Esse grupo foi dividido em cinco sub-grupos de trabalho: Educao poltica, Transparncia & controle social, Monitoramento do desenvolvimento hu-mano, Comunicao & mobilizao e Governana & fi-nanciamento. Assim, cada um trabalha com o que realmen-te gosta e se identifica, explica Toms de Lara, administra-dor de 28 anos. Se a pessoa for formada em contabilidade, por exemplo, ela pode ajudar o grupo fazendo o que ela j entende, contribuindo na questo do acompanhamento do oramento, por exemplo. E isso vale para todas as outras profisses, diz Carlos Hoffmann, 29 anos.

    Cada um dos grupos de trabalho se rene quinze-nalmente para propor ideias e avaliar o que vem sendo feito. No s mais um debate ideolgico, o objetivo trazer algo novo para a cidade, diz Carlos. A sociloga Sl-via Kihara, 25 anos, diz que embora a maioria do grupo

    goste muito de discutir sobre poltica, quem no gosta tambm bem-vindo: Recebemos tambm muita gente que no gosta, mas quer colaborar mesmo assim. Temos conscincia de que para que esse movimento funcione, ele tem que alcanar bastante gente, completa Carolina. E no Porto Alegre Como Vamos no h espao para a hie-rarquia. Evitamos que o movimento tenha uma estrutura muito rgida para que no seja usado para autopromoo. Quanto maior for a distribuio de poder, melhor, explica Igor. E no podemos depender de uma pessoa s. Se ela se filia a algum partido, por exemplo, perdemos a credibilida-de. Ou ento se a pessoa for gremista, vo dizer que um movimento gremista, ri Toms. O prximo passo conse-guir verba para colocar as ideias em prtica. E a arrecadao, claro, ser feita via crowdfunding, o famoso financiamento coletivo. Tudo da maneira mais colaborativa possvel, en-cerra Igor.

  • 2 S e x t a - f e i r a , 6 d e j a n e i r o d e 2 0 1 2M

    auro

    Sch

    aefe

    r

    Os dois times posam com as crianas do projeto Campees no Esporte, Campees na Vida

    Pelada termina em 11x6Chuva de gols

    Guilherme Alf

    Eu queria ser o Michel Tel

    E voc? Uma boa parte da populao vai negar, mas esto todos morrendo de inveja (uns de inveja boa, outros da m) do alemozinho. Qual artista no gostaria que o Cristiano Ronaldo danasse a sua msica depois de marcar um gol pelo todo poderoso Real Madrid? Ok, caso no goste de futebol e seja um pouco mais intelectual, no negue que voc ficaria todo bobo caso o Rafael Nadal fosse at o cho dan-ando o seu hit aps ser campeo da Copa Davis. Eu acredito que o povo brasileiro tem tendncia a criti-car pelo simples sabor de criticar. Podemos colocar a culpa nos jornalistas, comunicadores, blogueiros, mas, me perdoem, no existe uma rodinha de chur-rasco em que algum no fale mal de caras como o Michel Tel! S queria entender o motivo. Por acaso todos esses que falam com desprezo so especialis-tas em msica? Alis, o caso do Ai, se eu te pego no uma questo musical e sim questo de entreteni-mento. muito mais que uma msica, quase um lifestyle.

    Outro fator que me chama ateno como o nvel de crticas msica cai consideravelmente quando ela toca em uma balada onde esto todos animados! Explico. Festa de fim de ano da empresa. Todo mundo danando, feliz, empolgado e embala-do pelos chopes cremosos. De repente, soa o refro Nossa, nossa, assim voc me mata, ai se eu te pego.... Alvoroo. Risadas. Danas desenfreadas. Todos sa-bem cantarolar. E agora, onde fica o preconceito e a crtica? Sim, amigos, todos danam o hit do garoto!

    No penso que o Michel Tel seja o supra-sumo da boa msica, nem gosto de msica sertaneja, mas, convenhamos, o cara alcanou um patamar em que muitos grandes msicos nunca vo chegar. como o caso do Restart, fale o que quiser, mas os caras so um case de como fazer sucesso e ganhar muito di-nheiro.

    E, por fim, me irrita demais os ataques pessoais ao cantor, seja ele quem for. Ningum obrigado a gostar de nada, mas devemos respeitar o trabalho de cada um. A msica que ele faz representa SIM uma boa parte da nossa populao, ele o espelho de milhes de brasileiros e se voc tem vergonha dele, desculpa, mas voc tem vergonha do seu prprio pas. Acordem, no apenas a MPB que representa o nosso povo. So as mulheres peladas no carnaval, so os artistas de sertanejo, pagode, samba, brega, ax!

    Vivemos em um territrio imenso e com tantas vertentes msicas que eu fico orgulhoso de ver um cara como o Tel ter a sua msica como uma das mais baixadas em vrios pases da toda poderosa Europa.

    Despedida!A partir dessa edio a Denise Rosa est nos dei-

    xando! Foram dez meses de uma convivncia muito bacana (vejam na foto ao lado). O jeito hype e cool dela trouxe novos leitores para o nosso caderno! Boa sorte a D, estaremos sempre torcendo por ti! Sema-na que vem apresentamos por aqui a nossa nova editora!

    InsistenteEu escrevi sobre isso nesta mesma coluna na

    semana passada e mesmo assim quando acordei no dia 1 de janeiro me deparei com o acidente horrvel da Estrada do Mar. At quando a galera vai ser est-pida, idiota e inconsequente e pegar o carro depois de beber? Chega, n?

    FALAMOS!

    Esse texto foi originalmente publicado no blog de Guilherme Alf (guilhermealf.com.br) e o seu contedo de responsabilidade do autor.

    Os dois times estavam a postos nas areias da Platafor-ma de Atlntida. De um lado, Marcelo Grohe, Danny Mo-rais, Filipe Machado, Guiazu, Taison, Carlos Eduardo, Ra-fael Porcellis e o centroavante Guilherme Alf (?). De outro, o goleiro Tchuck (?), Rver, Titi, Vitor Jnior, Edilson, Diego Assis, Luis Mrio e Pedro Carmona. Com essa legio de cra-ques (e quase craques) teve incio a Pelada 2011 do Mais Preza, com o comando do rbitro Fabrcio Neves Corra. Na beira do campo, os treinadores Mano Changes, do time ver-de, e Luis Carlos Reche, do amarelo, permaneciam agitados. Liderado por Vitor Junior e Pedro Carmona, o time verde terminou o primeiro tempo vencendo por 3x1.

    No intervalo, a bronca na equipe amarela ficou por conta do zagueiro Danny Morais, que cobrou mais em-penho dos companheiros. Carlos Eduardo entendeu o re-cado e comandou a virada do time amarelo, que acabou vencendo a partida pelo incrvel placar de 11 x 6. Mas no

    fim do jogo o que menos importou foi o placar. Ainda den-tro do campo, os jogadores aproveitaram para colocar o papo em dia e atender aos torcedores que assistiram ao jogo. Marcelo Grohe e Guiazu foram os mais assediados. Um dos organizadores, o atacante Rafael Porcellis, desta-cou a estrutura do evento: Esse ano contamos com uma estrutura muito melhor, o que valoriza muito o nosso projeto. Foi legal porque todos os jogadores que vieram elogiaram e com certeza vo voltar ano que vem. Danny Morais, que tambm colaborou na organizao, falou sobre a reunio dos amigos: S temos que agradecer a todos os jogadores que mesmo nas frias vm prestigiar a Pelada. bacana ver os caras que passaram o ano inteiro jogando vi-rem aqui e darem o mximo. Nunca ningum quer perder. E mal o jogo acabou, nosso Guilherme Alf j comeava os contatos para a Pelada 2012. Guia foi o primeiro intimado a comparecer e j confirmou presena.

    Edso

    n G

    ando

    lfi/

    Div

    ulga

    o/

    CP

    Ao fundo, o rbitro Fabrcio Neves Corra (E), Danny Morais, Guiazu, Taison, Filipe Machado, Leonel Alvim, Marcelo Grohe e o tcnico Luiz Carlos Reche. Na frente, Alf, Porcellis, Labarthe, Guiga S, Deives e Carlos Eduardo

    Edso

    n G

    ando

    lfi/

    Div

    ulga

    o/

    CP

    Ao fundo, Renan Ribeiro, Titi, Rgis, Rver, Mano Changes e Fabrcio mais uma vez. Na frente, Girlei, Vitor Jnior, Edlson, Lus Mrio, Diego Assis e Pedro Carmona

  • 3Div

    ulga

    o/

    CP

    O BairristaO melhor colunista do Rio Grande. E do mundo tambm!

    Reportagem especial: Um olhar bagual em Buenos Aires

    Div

    ulga

    o/

    CP

    O melhor DJdo mundo

    SET em dose dupla!

    Nesta sexta e sbado a SET, que tem sede em Miami e So Paulo, abre suas portas em Atlntida. Na primeira noite a pista ser comandada pelos residentes da Pink Diego Calefi e Dutra Vila, e tambm por Johnnie Pinton. No sbado, os DJs sero Juliano Bellenzier, Johnnie Pinton e o talentoso francs MITCH LJ, um dos mais requisitados D