Click here to load reader

Mais Preza - 22-03

  • View
    215

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Correio do Povo

Text of Mais Preza - 22-03

  • 3 6#

    c o m p o r t a m e n t o m s i c a c u l t u r a i n t e r n e t c a r r e i r a c i n e m a m o d a a g i t o

    PORTO ALEGRE,SEXTA-FEIRA,23 de marode 2012

    Camilla Fernandes, 22 anos, formada em Publicidade e Propaganda. participou do Oasis Vila dos Pescadores em outubro do ano passado

    Quando

    se torna umajudarhobby

    Se pilhou?Gostou da ideia de tam-

    bm fazer a diferena? Uma boa oportunidade o Oasis Vila So Martin, que est acontecendo em So Sebas-tio do Ca, localizado a cerca de 60 quilmetros da Capital. Esse o quarto Oasis desen-volvido no Estado e o mais le-gal: a iniciativa partiu de um grupo de escoteiros da cida-de, composto por uma turma de, em mdia, 20 anos. O sonho a ser realizado, des-ta vez, a revitalizao de uma praa e a construo de um campinho de futebol. Os voluntrios j esto atrs de recursos e vo colocar a mo na massa pra valer no prxi-mo sbado, 31, quando est marcada a construo dos dois projetos.

    Se voc ficou curioso e quer aproveitar pra fazer parte deste Oasis que est em andamento, ainda tem tempo, basta querer. E vale todo tipo de ajuda, seja um tijolinho ou a sua boa von-tade. Pra fazer parte dessa rede s mandar um e-mail para [email protected] Esse apenas um exemplo das muitas formas de ajudar. E vale a dica, quem enga-jado em projetos sociais no tem dvida: o voluntrio sempre o mais beneficiado.

    Arq

    uivo

    Pes

    soal

    /CP

    Junte um grupo de amigos. Agora, em vez de irem tomar um chimas em mais uma tarde de domingo, imaginem que vocs podem ajudar a mudar a realidade de uma comunidade que precisa muito de apoio. Achou difcil, impossvel, ou um simples blablabl, que na prtica no exis-te? Pois esse tipo de trabalho voluntrio, assim, independente, usufruindo pura e simplesmente da boa vontade existe, sim, e j mudou a realidade de muitas pessoas

    em Porto Alegre e regio. A ideia vem de uma metodologia batizada como Oasis, criada em 2003 pelo Instituto Elos, forma-do na poca por um grupo de estudantes de Arquitetura de Santos (SP). Desde en-to, uma turma j se props a ajudar, criou e executou projetos, e se descobriu dentro de uma realidade que at ento no pas-savam nem perto.

    Mais ou menos como aconteceu com o estudante de Turismo da PUCRS, Felipe

    Denz, de 29 anos. Ele conheceu o projeto atravs de um inocente vdeo no YouTube. Ficou sabendo por uma amiga que estava rolando o Oasis em Porto Alegre, na Vila Bom Jesus. Aproveitou uma tarde do final de semana e foi l pra conferir de perto. A partir da, Felipe j coleciona histrias de surpreender e emocionar qualquer um. Eu moro muito perto da Bom Jesus e nunca tinha pensado em ir l. Se no fosse pelo Oasis, certamente eu nunca teria co-nhecido as pessoas legais, trabalhadoras e guerreiras que eu tive a honra de conviver. Sa de l vendo a comunidade com outros olhos, conta.

    O trabalho costuma durar em mdia um ms, mas o perodo estabelecido mesmo pelo tempo disponvel do grupo envolvido. Nada engessado. Na prtica, a galera se rene, escolhe uma comunida-de que quer ajudar e, a partir da, manda ver nas etapas propostas pelo Oasis. Os passos vo desde o primeiro contato com

    a localidade escolhida at a realizao do desejo em comum dos moradores, que pode ser a instalao de lixeiras seleti-vas ou a construo de um campinho de futebol, por exemplo. A rede de contatos dos voluntrios e os prprios moradores so os responsveis por angariar recursos financeiros, conseguir doaes de ma-teriais, incluindo a mo de obra. E esse um dos principais diferenciais do projeto, a comunidade ajuda, se envolve e acaba se tornando o principal agente de todo o trabalho. Sem falar na recompensa dos voluntrios que do pontap inicial nisso tudo. Para Felipe, o Oasis no s incentiva a fazer o bem de uma maneira muito sim-ples, mas tambm ajuda a quebrar muitos paradigmas e a acreditar na fora do tra-balho em equipe. At hoje nenhum pro-jeto deu errado, com dedicao e unio da galera tudo d certo.

    Leia mais na pgina 2

    FelipeDenz

    Arq

    uivo

    Pes

    soal

    /CP

  • 2 S e x t a - f e i r a , 2 3 d e m a r o d e 2 0 1 2

    A soluo? Educao.Parem as mquinas. Voltem das colinas. Co-

    memore, torcedor brasileiro. Abrace seu vizinho, pule com os seus amigos. Buzine, rena a famlia e fiquem orgulhosos do que eu vou contar para vocs. Venho fazendo uma anlise de todos os problemas do nosso pas. Sade, corrupo, vio-lncia, trnsito, desigualdade social e por a vai. Com oito letras, uma palavra pode mudar o rumo do nosso pas. EDUCAO. Um pas se faz com educao. a base de tudo. Um povo educado um povo mais evoludo, feliz e inteligente o su-ficiente para viver em paz. Isso s lgico para mim? No possvel que os nossos governantes no vejam (ou no queiram ver) isso.

    um processo demorado, uma mudana que levaria anos, talvez dcadas, mas que com certe-za iria dar um resultado e um pas melhor para as prximas geraes. O primeiro problema a enfrentar seria a questo dos professores. Valo-rizao salarial e da profisso, suporte, capacita-o. Eles so a base de tudo. E por favor, senhores governantes, no me venham com o papo de que no tem verba, que o oramento vai ficar compro-metido, porque dinheiro para roubar e fazer bes-teira sempre tem. Depois de realmente deixar o material humano mais importante na formao das pessoas, ou seja, os professores mais qualifi-cados, hora de cuidarmos das nossas escolas. Eu (acho que j contei isso) sou filho de professores e estudei em colgio pblico 95% do ensino funda-mental e mdio. Minha me at hoje d aula em uma escola da prefeitura. Ento, eu posso afirmar: tem muita escola que uma vergonha. Falta ma-terial, falta cadeira, classe, banheiro sujo. Enfim, por que as pessoas de menos condio financeira precisam ser educadas num ambiente assim? justo?

    Quando a gente ajeitar a base, professores e escolas, comearemos o processo de formar pes-soas melhores. Aos poucos isso vai comear a refletir no nosso dia a dia. Quando todas as crian-as, ricas e pobres, forem educadas da mesma maneira, repartirem os mesmos valores, tiverem as mesmas oportunidades, a desigualdade social tende a diminuir. Quando os jovens forem me-lhor educados, eles vo, finalmente, ver que beber e dirigir termina em morte. No futuro, quando es-sas crianas, que receberam uma boa educao, forem ocupar cargos polticos, elas vo realmente resolver os problemas no nosso sistema de sade. Os adultos dessa gerao no vo cruzar tantos os braos, muito menos sero to passivos (como somos a maioria) frente a casos nojentos de cor-rupo. Um povo educado no aceita desculpa esfarrapada e nem vende voto. Um povo educado no escolhe gente suja e sem carter para condu-zir o seu pas.

    Pode parecer uma ideia simples, e . Traba-lhosa? Muito! Mas no vejo outra sada, senhoras e senhores. Copa do Mundo, petrleo ou uma eco-nomia promissora no vo adiantar de nada se no formos um povo educado o suficiente para lidar com tudo isso e crescer como nao. J se tentou tantos caminhos nesse pas, a educao no merecia uma chance de verdade?

    Falamos!

    Esse texto foi originalmente publicado no blog de Guilherme Alf (guilhermealf.com.br) e o seu contedo de responsabilidade do autor.

    Guilherme [email protected]

    Arq

    uivo

    Pes

    soal

    /CPUm estudo recente

    sobre o futuro visto pelos olhos dos jovens brasileiros de 18 a 24 anos, feito pela agncia Box 1824, identificou uma curiosa caracterstica da gurizada de hoje em dia: a maioria muito sonhadora. Segundo a pesquisa, alm da vontade de contribuir com um pas melhor, a galera, de fato, tem se puxado pra isso. O objetivo deles no fazer grandes revolues pra mudar o mundo, mas sim realizar pequenos sonhos e as chamadas microrrevolues. Alm disso, outro ponto destacado pelo estudo foi o fato de que a gurizada anda cada vez menos individualista. Notcia boa, hein?!?

    Jovens sonhadoresFazer trabalho voluntrio na ONG Um Pequeno Desejo me faz muito bem! Sempre que entrego algum presente ou consigo realizar o sonho de uma criana sinto a felicidade dela. Fao bem a eles e, ao mesmo tempo, fao muito bem pra mim.Rafael Moraes, 24, estudante de Direito/PUCRS Voluntrio do projeto Um Pequeno Desejo

    Sempre militei no movimento estudantil defendendo valores de bem, e quando me

    convidaram pra participar do Vida eu percebi que tinha tudo a ver. Me identifiquei com a causa e

    com o formato. A gente fala de jovem pra jovem, em uma linguagem descontrada e cativante

    tentando levar a principal mensagem da fundao: o cuidado com a vida. Quando conversamos com

    a gurizada na festa, no parque ou na praia como se uma energia diferente tomasse conta da gente. Ser voluntrio, alm de contribuir e ser muito bom para o desenvolvimento da sociedade, a certeza

    de um crescimento pessoal e social enorme.Guiga Narcizo, 23, estudante de Relaes

    Pblicas/PUCRS Voluntrio da Fundao Vida Urgente

    Arq

    uivo

    Pes

    soal

    /CP

    Sua banda no Palco PUCRSVoc tem uma banda pronta com repertrio e tudo, mas falta um palco pra mostrar o talento? Ento te liga no Palco PUCRS que t recebendo inscries at o dia 9 de abril. Os alunos de graduao da universidade que esto a fim de entrar nessa devem apresentar um DVD com um videoclipe produzido pela prpria banda de, no mximo, 10 minutos, cpia do RG dos integrantes, comprovante de matrcula dos que estudam na PUCRS e a ficha de inscrio que est disponvel no site da universidade. Os vencedores vo poder gravar um videoclipe e usufruir da estrutura de um estdio profissional por 40 horas, alm de abrir o show de uma banda do Estado e (ufa!) ganhar 100 camisetas com o logotipo do grupo. Curtiu? Ento vai l na Pr-Reitoria de Assuntos Comunitrios, sala 109 do prdio 1 do Campus e te inscreve. Mais informaes: (51) 3320-3708.

    Campeonato de gameAmantes do vdeo-game tm encontro marcado no dia 31 de maro. q