Retinopatia hipertensiva. Relevância Uma das principais causas de retinopatia; É mais sensível que a hipertrofia ventricular esquerda no reconhecimento

  • View
    218

  • Download
    3

Embed Size (px)

Text of Retinopatia hipertensiva. Relevância Uma das principais causas de retinopatia; É mais sensível...

  • Retinopatia hipertensiva

  • RelevnciaUma das principais causas de retinopatia; mais sensvel que a hipertrofia ventricular esquerda no reconhecimento da leso de rgos-alvo da doena arterial hipertensiva sistmica, acometendo cerca de 15% dos pacientes.

  • ConceitoRepresenta uma leso de rgo-alvo da HAS;

    Classificao:Forma crnica: decorrente da elevao persistente da presso arterial sistmica;Forma aguda: secundria elevao abrupta da PAS.

  • FisiopatologiaFases:1- Vasoconstritora;2- Exsudativa;3- Esclertica;4- Complicaes da fase esclertica

  • 1- Fase vasoconstritoraVasoconstrio das arterolas retinianasMecanismos miognicosMecanismos metablicos

  • 1- Fase vasoconstritoraVasoconstrio das arterolas retinianasControle da PASDescontrole da PAS

  • Controle da PASDescontrole da PASDesaparecimento da vasoconstrioQuebra da barreiras hematoretinianas externa e interna

  • 2- ExsudativaExtravasamento de plasma e elementos figurados para a retina

  • 3- Esclertica

  • 4- Complicao da fase esclerticaProgresso da degeneraoHialinizao da parede dos vasosPerda de clulas muscularesRemodelagem vascularMicroaneurismasMacroaneurismasOcluso da veia ou artria central da retinaOcluso de ramo venularFormao de membrana epirretiniana

  • Fatores de riscoRaa negra;Idade acima de 60 anos;PA no controlada tm 2 vezes mais chance de desenvolver sinais de retinopatia (respondem por 25% dos casos).

  • Condies associadas

  • Manifestaes clnicas Forma crnicaAssintomtica;Queixas oculares - complicaes. Distrbios visuais RH maligna Cefalia Escotomas Diplopia Borramento visual Metamorfopsia Fotopsia

  • ClassificaesMuitas classificaes tm sido utilizadas para estagiar a retinopatia hipertensiva.Entretanto a descrio da fundoscopia mais importante que qualquer sistema de classificao.

  • DiagnsticoO diagnstico precoce da RH permite avaliar a gravidade da HAS e acompanhar a evoluo das leses orgnicas hipertensivas. Deve ser feito correlacionando achados caractersticos da fundoscopia com a presso arterial do paciente.

  • Diagnstico diferencial

  • CondutaNo h tratamento especfico. Normalizar a PA -> evitar progresso da doena e melhorar as queixas visuais. Medidas teraputicas:Mudana no estilo de vida;Uso de anti-hipertensivos.

  • CondutaAcompanhamento:Exames oftalmolgicos regulares com acuidade visual;Oftalmoscopia;Encaminhamento ao oftalmologista na presena de complicaes ou quando julgar necessrio.

  • CondutaRetinopatia Hipertensiva Maligna:A retinopatia hipertensiva maligna deve ser interpretada como um achado de uma emergncia mdica. Sem tratamento, a mortalidade atinge 50% em dois meses e at 90% em um ano.

  • ComplicaoPrincipais:ocluses venosas; aneurismas; hemorragias vtreas; descolamento de retina; atrofia de papila (secundria a edema prolongado).

  • Ocluso venosaComum, principalmente acima dos 50 anos;Pode ser de veia central (25%) ou de um de seus ramos (75%). HAS e arteriosclerose esto associados em 60% dos casos. Pode ser isqumica (30%), se a ocluso for total, com achados fundoscpicos mais exuberantes, ou no isqumica (70%), se a ocluso for parcial.

  • Ocluso venosaO paciente geralmente apresenta baixa visual sbita indolor unilateral. Podem ser notados hemorragias retinianas, exsudatos algodonosos, dilatao e tortuosidade venosa nos quatro quadrantes, e edemas de papila e mcula. A maioria das alteraes tm resoluo em 6-12 meses. Deve-se encaminhar o mais breve possvel ao oftalmologista para tratamento.

  • Referncias bibliogrficas1. KANSKI, J. J. Oftalmologia clnica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.2. REY, L. Dicionrio de Termos Tcnicos de Medicina e Sade. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.3. ROGERS, A. H. Hypertensive retinopathy. In: MYRON, Y.; DUKER, J. S. Ophthalmology. Saint Louis: Elsevier, 2009.4. YANOFF, M. Prtica oftalmolgica no dia-a-dia: Diagnstico e tratamento. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.5. JACOMINI, C. Z.; HANNOUCHE, R. Z. Retinopatia hipertensiva. Revista Brasileira de Hipertenso. Ribeiro Preto, v. 8, n. 3, 2001. Disponvel em . Acesso em 08 Nov. 2012.6. SAKATA, K. et al . Hipertenso e retinopatia hipertensiva. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, So Paulo, v. 65, n. 2, Mar. 2002. Disponvel em . Acesso em 08 Nov. 2012.7. SILVA, A. P. B.; SILVA, A. V. B.; HERKENHOFF, F. L. Retinopatia hipertensiva: reviso. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, So Paulo, v. 65, n. 4, Ago.2002. Disponvel em . Acesso em 08 Nov. 2012.8. OH, K. T.; MOINFAR, N. Ophthalmologic Manifestations of Hypertension. Medscape, 2012. Disponvel em . Acesso em 08 Nov. 2012.

    Apesar da nomenclatura, a coroide e o nervo ptico tambm podem ser acometidos, principalmente na forma aguda.*No apresentam inervao simptica*No apresentam inervao simptica*Externa epitlio pigmentar da retinaInterna- vasculatura retiniana*Manchas algodonosas so decorrentes da ocluso de arteriolas terminais resultando em isquemia focal*Remodelagem principalmente se PA controlada*A retinopatia hipertensiva crnica per se assintomticaQueixas oculares ocorrem apenas na vigncia de complicaes. Distrbios visuais so importante fator de risco para encefalopatia hipertensiva e edema agudo de pulmo), auxiliando a diferenci -la da forma crnica.

    *Alteraes na circulao retiniana na fase aguda da hipertenso primariamente envolve arterolas terminais e, em seguida, as arterolas retinianas principais (resposta hipertenso sistmica crnica).*Outras doenas tambm podem apresentar os achados observados no fundo de olho de pacientes com RH. Em virtude disso, deve-se sempre fazer diagnstico diferencial.*So as complicaes da RH as responsveis pela baixa visual nesses pacientes. *