of 16/16

Apostila Aprovar Ano05 Fascículo12 Bio Mat

  • View
    2.582

  • Download
    13

Embed Size (px)

Text of Apostila Aprovar Ano05 Fascículo12 Bio Mat

Guia de ProfissesHistriaHistria o estudo do homem no tempo, concomitante anlise de processos e eventos ocorridos no passado. Por metonmia, o conjunto desses processos e eventos. A palavra Histria tem sua origem nas investigaes de Herdoto, cujo termo em Grego antigo (Histria). Todavia ser Tucdides o primeiro a aplicar mtodos crticos, como o cruzamento de dados e fontes diferentes. O estudo histrico comea quando os homens encontram os elementos de sua existncia nas realizaes dos seus antepassados. Esse estudo, do ponto de vista europeu, divide-se em dois grandes perodos: Pr-Histria e Histria. Os eventos anteriores aos registros escritos pertencem Pr-Histria, e as sociedades que coexistem com aquelas que j conheciam a escrita ( o caso, por exemplo, dos povos celtas da cultura de La Tne) pertencem Proto-Histria.

A

Em sua evoluo, a Histria se apresentou pelo menos de trs formas. Do simples registro analise cientfica, houve um longo processo. Histria Narrativa ou Episdica O narrador contenta-se em apresentar os acontecimentos sem preocupao com as causas, com os resultados ou com a prpria veraidade. Tambm no emprega qualquer processo metodolgico. Histria Pragmtica Expe os acontecimentos com visvel preocupao didtica. O historiador quer mudar os costumes polticos, corrigir os contemporneos, e o caminho que utiliza o de mostrar os erros do passado. Os gregos Herdoto e Tucdides e o romano Ccero ("A Histria a mestra da vida") representam essa concepo. Histria Cientfica Agora h uma preocupao com a verdade, com o mtodo, com a anlise crtica de causas e de conseqncias, tempo e espao. Essa concepo se define a partir da mentalidade oriunda das idias filosficas que nortearam a Revoluo Francesa de 1789. Toma corpo com a discusso dialtica (de Hegel e Karl Marx) do sculo XIX e se consolida com as teses de Leopold Von Ranke, criador do Rankeanismo, o qual contesta o chamado "Positivismo Histrico" (que no relacionado ao positivismo poltico de Augusto Comte) e, posteriormente, com o surgimento da Escola dos Annales, no comeo do sculo XX. Histria dos Annales Pensadores franceses fundaram, em 1929, uma revista de estudos, a "Revue des Annales", com a qual rompiam, decididamente, com o culto aos heris e com a atribuio da ao histrica aos chamados homens ilustres, representantes das elites. Para esses estudiosos, o cotidiano, a arte, os afazeres do povo e a psicologia social so elementos fundamentais para a compreenso das transformaes empreendidas pela humanidade. Ainda no sculo XIX, surgiu a discusso em torno da natureza dos fenmenos histricos. A que espcie de preponderncia estariam ligados? Aos agentes de ordem espiritual ou aos de ordem material? Antes disso, a fundamental Teologia fez uma festa na mente cordata do povo. O curso de Histria, opo licenciatura, visa formao de professores para o magistrio dos ensinos fundamental e mdio atravs de uma formao generalista. A opo bacharelado visa formao de pesquisadores adequados ao redimensionamento do mercado de trabalho, que nos oferece um leque cada vez mais amplo de atividades ligadas preservao da memria e da cultura, do resgate e da preservao documental para a composio de acervos que viabilizem a pesquisa histrica. A formao de tais profissionais visa a atender, de igual modo, demanda de docentes para o ensino universitrio. O curso na UEA Baseado no trip ensino, pesquisa e extenso, o curso de Licenciatura Plena em Histria forma profissionais para atuar no Magistrio dos ensinos fundamental e mdio. O curso oferecido nos Centros de Estudos Superiores da UEA em Tef e em Parintins. Durante o curso, o acadmico ter o domnio de contedos bsicos que so objetos do ensino-aprendizagem e de mtodos e prticas pedaggicas que permitam a transmisso de conhecimento para os diferentes nveis do ensino. Desse modo, com uma formao generalista, os professores formados pela UEA sero capazes de se posicionar de modo crtico frente ao processo educacional, disseminando conhecimentos e experincias que possibilitem ao aluno a compreenso dos vrios domnios da vida social, em nvel local, regional e global. O regime acadmico do curso, que tem durao de quatro anos, de oito perodos em sistemas de crditos. O perodo de realizao de, no mnimo, trs e de, no mximo, oito anos. O currculo pleno contempla disciplinas como Antropologia Cultural, Didtica Geral, Psicologia da Educao, Estrutura e Funcionamento do Ensino Bsico, Teoria e Prtica de Investigao, alm de Estgio Supervisionado. Alm dos conhecimentos tericos, os estudantes da UEA tm a oportunidade de observar, na prtica, as informaes adquiridas em sala de aula. o caso dos acadmicos de Parintins, que esto recuperando documentos histricos do municpio, encontrados, atravs de uma pesquisa de campo, nos arquivos da Prefeitura. Entre os documentos, que chegam a datar o incio do sculo passado, os estudantes encontraram registros de reunies, decretos-lei e at fotografias que resgatam o passado do municpio.

ndiceHISTRIAA Revoluo Industrial e a Revoluo Francesa ................................... Pg.(aula 67)

03

BIOLOGIAGentica do grupo sangneo ................................................... Pg.(aula 68)

05

MATEMTICAReviso de lgebra I ................ Pg.(aula 69)

07

QUMICAFunes inorgnicas II ................................................... Pg.(aula 70)

09

LITERATURARegncia verbal III ................... Pg.(aula 71)

11

HISTRIABrasil Imprio 1. parte ....... Pg.(aula 72)

13 15

Referncias bibliogrficas ...... Pg.

2

HistriaProfessor Francisco MELO de Souza Aula 67

A Revoluo Industrial e a Revoluo FrancesaConsistiu num conjunto de transformaes tcnico-cientficas que revolucionaram a produo de mercadorias, transformando a humanidade, a partir do sculo XVIII, e prolongando-se pelo sculo XIX. Transformaes no setor da produo A produo para o mercado transformou o processo produtivo no decorrer da Idade Moderna. As mudanas econmicas que, at hoje, geram novas transformaes, durante o Antigo Regime, passaram por vrias etapas, tais como: 1. Produo artesanal Processo produtivo mais antigo, sem diviso social do trabalho, sendo o produtor dono das ferramentas e do resultado da produo, a mercadoria. Nessa poca, o mercado era restrito, e a produo era feita na casa do arteso. 2. Produo manufatureira Com o renascimento comercial e urbano, que possibilitou a expanso do comrcio em escala internacional, fez-se necessrio aumentar a produo. Dessa forma, ocorreu a diviso social do trabalho, ou seja, a concentrao de trabalhadores num mesmo local sob a direo de um mestre. A produo era feita por etapas, obrigando a especializao do trabalhador por setor. O resultado foi o aumento da produo. 3. Produo maquinofatureira Considerado o apogeu do Capitalismo, esse perodo marca a mecanizao da produo. A oficina foi substituda pela fbrica, e as mquinas, a matria-prima, o combustvel e os produtos passaram a pertencer ao proprietrio dos meios de produo. Na fbrica, concentravam-se centenas de trabalhadores assalariados sob uma rgida diviso social do trabalho. Revoluo Industrial na Inglaterra Principais fatores: 1. Acumulao primitiva de capitais Lucros provenientes do comrcio colonial com os pases ibricos. 2. Supremacia martima A partir dos Atos de Navegao, a Inglaterra dominou o comrcio martimo e expandiu sua dominao colonial, conquistando novas fontes de matrias-primas e novos mercados consumidores, que estimularam a produo industrial. 3. Reservas minerais Presena abundante de jazidas minerais de carvo e ferro. 4. Enclousures Cercamentos dos campos e definio da propriedade privada dos meios de produo, a terra. Era a expanso do capitalismo na produo agropastoril voltada para o mercado. Foi dessa forma que a populao camponesa foi expulsa do campo, tornando-se mo-de-obra barata nas cidades. 5. Sistema de crdito A criao do Banco da Inglaterra, no sculo XVII, ampliou o sistema de crditos para investimentos no setor industrial e na produo tcnico-cientfica. 6. O crescimento demogrfico O crescimento populacional foi fruto de uma srie de fatores, entre eles o controle de epidemias e o aumento da produo agrcola. 7. Revoluo Gloriosa Revoluo burguesa que transformou o parlamento ingls num rgo dirigente do Estado. Dessa forma, o Parlamento passou a utilizar o liberalismo como mote para o desenvolvimento econmico. Ligado a essas transformaes, o desenvolvimento tcnico-cientfico foi decisivo para a industrializao inglesa. As primeiras transformaes foram:

a) Inveno da mquina a vapor, em 1712, por Newcomem, que servia para bombear gua das minas de carvo. b) Produo de ferro com carvo coque, em 1735. c) Desenvolvimento da mquina de fiar, a Spinng Jenny, por James Hargreaves, em 1767. d) Aperfeioamento da mquina a vapor por James Watt. A utilizao dessa nova energia nas mquinas de fiar e tecer, por Richard Arkwiright, em 1769. e) Tear mecnico, por Richard Arkwiright, em 1785. Conseqncias O trabalho nas fbricas era realizado em pssimas condies, e os trabalhadores no possuam instrumentos de reivindicaes (sindicatos) nem leis trabalhistas. Os trabalhadores respiravam poeira, o barulho era intenso, e a jornada de trabalho era de 14 a 16 horas dirias. No havia descanso semanal remunerado nem frias. Havia explorao do trabalho infantil e do da mulher. Indepedncia dos Estados Unidos A Independncia dos Estados Unidos tornou-se um marco no processo que levou ao fim do Antigo Regime. Nas colnias do norte e do centro, desenvolveuse um modelo de colonizao de povoamento: os colonos exerciam um trabalho livre, num sistema de produo que estava baseado na pequena propriedade. No sul, onde prevaleceram as colnias de explorao, desenvolveu-se um sistema de produo baseada na grande propriedade monocultora e no trabalho escravo negro. Em meados do sculo XVIII, quando se iniciou a Revoluo Industrial, a Inglaterra comeou a mudar seu comportamento em relao a suas colnias americanas, intensificando a poltica econmica mercantilista e restabelecendo o pacto colonial, para acabar com a concorrncia das colnias. Guerra de Independncia Causas maiores A Guerra de Independncia dos Estados Unidos teve como causas mais profundas as restries mercantilistas impostas pela Inglaterra a suas colnias americanas e a influncia das idias liberais dos filsofos iluministas, divulgadas na Amrica do Norte. Causas menores Como causas menores e mais imediatas, podemos citar a Guerra dos Sete Anos, o Massacre de Boston e os Atos Intolerveis. No mesmo ano (1774), todas as colnias, com exceo da Gergia, enviaram representantes para o Primeiro Congresso Continental de Filadlfia. Nesse congresso, os colonos, ainda no dispostos separao, resolveram enviar ao governo ingls um pedido para que fossem retirados os Atos Intolerveis. A Inglaterra no atendeu s reivindicaes e acirrou a represso, causando a morte de alguns americanos. Os colonos reuniram-se no Segundo Congresso Continental de Filadlfia, em 1775. As principais medidas adotadas no Congresso foram: a) Declarao de Independncia dos Estados Unidos. b) Declarao de Guerra Inglaterra. A Declarao de Independncia, que continha a Declarao dos Direitos do Homem, foi aprovada em 4 de julho de 1776, afirmando que as Colnias esto isentas de toda e qualquer obedincia Coroa Britnica. Na Declarao de Independncia, os colonos norte-americanos defendiam a tese de que o homem tem o direito natural liberdade e felicidade, bem como afirmavam que o poder se origina do povo e que o cidado tem o direito de substituir o governo que no respeitar seus direitos naturais. Os Estados Unidos foram o primeiro pas a se tornar independente e tambm o primeiro a proclamar uma repblica federativa.

01. (Faap) A crise do antigo sistema colonial, ocorrida na segunda metade do sculo XVIII, foi provocada por fatores endgenos, particularmente as contradies do prprio sistema. Afinal, embora o objetivo da colonizao fosse a explorao econmica da colnia em benefcio da metrpole, era impossvel explorar sem desenvolver. O texto trata da desintegrao do antigo colonialismo que se operou numa conjuntura de crises mais global, marcada por vrias revolues, como:a) a Revoluo Russa; b) a Revoluo Industrial; c) a Revoluo Praieira; d) a Guerra de Secesso; e) a Revoluo Puritana.

02. (Puccamp) Dentre as conseqncias sociais forjadas pela Revoluo Industrial, pode-se mencionar:a) o desenvolvimento de uma camada social de trabalhadores, que, destitudos dos meios de produo, passaram a sobreviver apenas da venda de sua fora de trabalho; b) a melhoria das condies de habitao e de sobrevivncia para o operariado, proporcionada pelo surto de desenvolvimento econmico; c) a ascenso social dos artesos, que reuniram seus capitais e suas ferramentas em oficinas ou em domiclios rurais dispersos, aumentando os ncleos domsticos de produo; d) a criao do Banco da Inglaterra, com o objetivo de financiar a monarquia e ser tambm uma instituio geradora de empregos; e) o desenvolvimento de indstrias petroqumicas, favorecendo a organizao do mercado de trabalho, de maneira a assegurar emprego a todos os assalariados.

03. (UFMG) Todas as alternativas apresentam mudanas que caracterizam a Revoluo Industrial na Inglaterra do sculo XIX, EXCETO:a) a aplicao sistemtica e generalizada do moderno conhecimento cientfico ao processo de produo para o mercado. b) a consolidao de novas classes sociais e ocupacionais, determinada pela propriedade de novos fatores de produo. c) a especializao da atividade econmica, dirigida para a produo e para o consumo paroquial e familiar. d) a expanso e a despersonalizao da unidade tpica de produo, at ento baseada, principalmente, nas corporaes de ofcio. e) o redirecionamento da fora de trabalho das atividades relacionadas produo de bens primrios para a de bens manufaturados e servios.

3

Revoluo Francesa Fatores determinantes 1. Fatores econmicos e sociais A Frana, em fins do sculo XVIII, era ainda uma nao essencialmente agrria, com uma produo agrcola estruturada no modelo feudal, enquanto a Inglaterra, sua grande rival, desenvolvia o processo de Revoluo Industrial, transformandose na maior nao capitalista. A sociedade francesa estava dividida em trs Estados: Primeiro Estado Formado pelo alto e baixo cleros. Os membros do alto clero (bispos e abades) pertenciam nobreza; os do baixo clero (padres e monges) tinham origem no 3. Estado. Segundo Estado Constitudo pela nobreza, que detinha, juntamente com o rei, o poder poltico do pas. Estava dividida em alta e baixa nobreza. Parte dela vivia na corte (nobreza cortes), gozando dos privilgios concedidos pelo rei e aproveitando-se do dinheiro pblico; outra parte vivia explorando os camponeses no campo. Terceiro Estado Tinha composio bem heterognea: abrangia os camponeses, a massa pobre da cidade, a pequena, mdia e alta burguesia. 2. Fatores polticos A Revoluo Francesa foi conseqncia imediata do absolutismo de Lus XVI. No seu governo, a economia francesa passava por uma crise aguda, que, em parte, aumentou em funo da participao da Frana na Guerra de Independncia dos Estados Unidos. A situao econmica exigia reformas urgentes e gerava uma aguda crise poltica. Foram vrios os ministros das finanas francesas, tais como Turgot, Necker e Calonne, que pretenderam forar a nobreza e o clero a pagarem impostos, mas o rei demitiu-os, porque tambm sofria presso do Primeiro e do Segundo Estados. A burguesia, na reunio dos Estados Gerais, fez duas grandes exigncias: primeira, que o Terceiro Estado tivesse um nmero de deputados igual ao dos dois outros Estados; segundo, que o voto, na Assemblia, fosse individual. A primeira exigncia foi atendida, mas a segunda foi obstaculizada pelos outros dois Estados. O rei anunciou, na abertura dos trabalhos, em maio de 1789, que a finalidade daquele encontro poltico era resolver somente problemas financeiros, e o processo de votao dos projetos seria por Estado. O Terceiro Estado, com apoio de membros do baixo clero e da nobreza de toga (nobreza que comprou o seu ttulo), declarou-se Assemblia Nacional Constituinte. O rei reagiu, mandando fechar o Congresso Nacional e prender os deputados. Primeira jornada revolucionria O rei mobilizou tropas militares para reprimir as manifestaes burguesas e populares. Mas a burguesia organizou milcias populares para enfrentar as tropas reais. No dia 14 de julho de 1789, a populao parisiense tomou a Bastilha (priso poltica, smbolo do autoritarismo e das arbitrariedades do rei). A Tomada da Bastilha foi um marco da exploso popular. Depois dela, a agitao revolucionria espalhou-se por toda a Frana. O medo de a revoluo camponesa espalhar-se e atingir tambm as propriedades burguesas levou extino dos direitos feudais, em agosto de 1789. No dia 26 de agosto de 1789, a Assemblia Nacional proclamou a clebre Declarao dos Direitos do Homem e do Cidado. Em 1790, a Assemblia Constituinte confiscou vrias propriedades da Igreja e subordinou o clero autoridade do Estado (chamada de Constituio Civil do Clero). Os religiosos e a nobreza, descontentes, fugiram da Frana e, no exterior, organizaram exrcitos para reagir Revoluo Francesa. Monarquia Constitucional Em 1791, aps a elaborao da Carta Constitu-

01. (Unitau) O capitalismo, com base na transformao tcnica, atinge seu processo especfico de produo, caracterizado pela produo em larga escala, onde h uma radical separao entre o trabalho e o capital. Essa afirmativa est tratando:a) da separao entre capitalismo e socialismo; b) da Revoluo Industrial; c) do advento do Mercantilismo; d) da Revoluo comunista na Rssia; e) do plano Marshall, aps a Segunda Guerra Mundial.

cional, a Frana tornou-se uma Monarquia Constitucional, dominada pela burguesia, cujos pontos principais so: 1. Igualdade jurdica de todos os cidados franceses (mas permanecia a escravido nas colnias). 2. Completa liberdade de produo e de comrcio, com proibio das greves dos trabalhadores. 3. Liberdade de crena religiosa e separao entre Estado e religio. 4. Estado dividido em trs poderes: legislativo, executivo e judicirio. Nas eleies, foi institudo o voto censitrio. Frana foi invadida O rei Lus XVI no aceitou a perda do poder e conspirou contra a revoluo. Fez contato com os reis da ustria e da Prssia com o objetivo de formar um exrcito e invadir a Frana para restabelecer o Absolutismo. Em julho de 1791, o rei tentou fugir da Frana, mas foi preso sob a acusao de traio. No mesmo ms, o exrcito austro-prussiano invadiu a Frana, contando com o apoio secreto da famlia real, que fornecia segredos militares s tropas invasoras. O pas foi defendido pelo exrcito composto pelos sans-cullottes (pequenos negociantes, artesos e operrios) sob a liderana de Danton e Marat. Em 20 de setembro, o exrcito estrangeiro foi expulso da Frana. Conveno A partir desse momento, foi proclamada a Repblica Francesa, que passou a ser governada pela Assemblia Nacional, chamada de Conveno. Nesse perodo, as mais importantes foras polticas do pas eram as seguintes: Partido Feuillants: composto por representantes da burguesia financeira; defensores da monarquia constitucional. Partido Girondino: composto por representantes da burguesia comercial e industrial; defensores da Repblica. Partido Jacobino: composto pela pequena burguesia; defendia a execuo do rei e a instaurao da Repblica. Cordeliers: composto por representantes das camadas populares; defendia a execuo do rei e a instaurao da Repblica. Partido da Plancie: uma parte representava a burguesia financeira; a outra, a burguesia industrial. O rei foi julgado na Conveno, acusado por Robbespierre e condenado como traidor execuo por guilhotina. Foi executado em 21 de janeiro de 1793. Repblica dos Jacobinos A execuo do rei provocou revoltas internas e uma reorganizao das foras absolutistas estrangeiras. Para enfrentar a ameaa, os jacobinos criaram uma srie de rgos encarregados da defesa da revoluo. Entre esses rgos, destacam-se: 1. Comit de Salvao Pblica. 2. Tribunal Revolucionrio. Nessa poca, instalou-se uma verdadeira ditadura dos jacobinos, sob a liderana de Robbespierre, o qual, para governar, procurava equilibrar-se entre as diversas tendncias polticas, umas mais identificadas com a alta burguesia e outras mais prximas das aspiraes das camadas populares. Robbespierre, tentando sustentar-se no poder, eliminando as oposies dentro do governo, condenou morte alguns membros da prpria Conveno, que discordavam de suas prticas radicais, dentre os quais Danton. Os Girondinos e a Plancie uniram foras contra o governo de Robbespierre, que, por sua vez, perdeu o apoio popular. O resultado foi a priso e a execuo, por guilhotina, de Robbespierre. Golpe do Nove Termidor Aps a morte de Robbespierre, a Conveno passou a ser controlada pelos representantes da alta burguesia, que elaboraram uma nova Constituio.

02. (FGV) A Constituio da Frana de 1791, a partir dos princpios preconizados por Montesquieu, consagrou, como fundamento do novo regime,a) a subordinao do Judicirio ao Legislativo, que passou a exercer um poder fiscalizador sobre os tribunais; b) a identificao da figura do monarca com a do Estado, que, a partir desse momento, se tornou inviolvel; c) a supremacia do Poder Legislativo, deixando de ser o rei investido de poder moderador; d) o poder de veto monrquico, que se restringiu a assuntos fiscais, limitando, assim, a soberania popular; e) a separao dos poderes at ento concentrados, teoricamente, na pessoa do soberano.

03. (Fuvest) Do ponto de vista social, pode-se afirmar, sobre a Revoluo Francesa, que:a) teve resultados efmeros, pois foi iniciada, dirigida e apropriada por uma s classe social, a burguesia, nica beneficiria da nova ordem; b) fracassou, pois, apesar do terror e da violncia, no conseguiu impedir o retorno das foras sociopolticas do Antigo Regime; c) nela coexistiram trs revolues sociais distintas: uma revoluo burguesa, uma camponesa e uma popular urbana, a dos chamados sans-culottes; d) foi um fracasso, apesar do sucesso poltico, pois, ao garantir as pequenas propriedades aos camponeses, atrasou, em mais de um sculo, o progresso econmico da Frana; e) abortou, pois a nobreza, sendo uma classe coesa, tanto do ponto de vista da riqueza, quanto do ponto de vista poltico, impediu que a burguesia a conclusse.

4

BiologiaProfessor GUALTER Beltro Aula 68

o alelo P dominante sobre o alelo i; os alelos IA e IB no tm relao de dominncia entre si; o alelo i recessivo em relao aos alelos IA e IB. 3. Antgeno e anticorpo Toda substncia estranha injetada no nosso organismo denomina-se antgeno. Recebendo um antgeno, o organismo defende-se produzindo uma protena, chamada anticorpo, que reage com o antgeno. Um dos tipos de reao entre antgeno e anticorpo a aglutinao, ou seja, a formao de aglomerados ou grumos. Quando ocorre esse tipo de reao, o antgeno tambm chamado aglutinognio, e o anticorpo, aglutinina.

Gentica do grupo sangneoOs grupos sangneos no homem podem ser classificados de acordo com trs sistemas: o sistema ABO, o sistema Rh e o sistema MN. Esses trs sistemas transmitem-se independentemente, pois os pares de genes para cada um deles se localizam em cromossomos no-homlogos. O estudo da herana desses trs sistemas , portanto, um caso particular de triibridismo. Alm disso, rene os principais mecanismos de herana que voc j aprendeu at agora: o sistema ABO um caso de polialelia ou alelos mltiplos; o sistema Rh um caso de dominncia completa entre dois alelos; o sistema MN um caso de ausncia de dominncia entre dois alelos. Vamos analisar cada um deles separadamente e, depois, resolver problemas que envolvem a herana dos trs sistemas ao mesmo tempo. 2. A herana dos grupos sangneos do sistema ABO Existem quatro grupos sangneos do sistema ABO, que so determinados geneticamente. Na manifestao desses grupos sanguneos, esto envolvidos trs alelos, que ocorrem dois a dois. Os alelos envolvidos so IA, IB e i. A representao dos alelos atravs da letra I deve-se palavra isoaglutinao, que se refere aglutinao do sangue ocorrida na transfuso entre indivduos de uma mesma espcie com tipos de sangue diferentes. Dependendo do tipo de relao entre os alelos dos pares formados, so obtidos os diferentes tipos de grupos sangneos: grupo A, grupo B, grupo AB e grupo O. A seguir, apresentamos os gentipos e os respectivos fentipos para o carter grupo sangneo:

01. Uma criana de grupo sangneo A Rh positivo recebeu uma transfuso sangnea do seu pai. Sabendo-se que a me do grupo AB Rh negativo, os gentipos do pai e da criana podem ser, respectivamente:a) I I Rr; I I Rr. B A b) I i rr; I i Rr. A AA c) I i Rr; I I Rr. B A d) I i Rr; I i Rr. A e) ii rr; I Rr.AB AA

4. Transfuso de sangue Numa transfuso de sangue, importante que o antgeno do doador seja compatvel com o anticorpo do receptor. Assim, por exemplo, se o doador tiver o antgeno A, s poder doar para um receptor que no tenha anticorpo anti-A no plasma, ou seja, indivduos dos grupos A e AB. Se a doao for feita para uma pessoa dos grupos B ou O, ocorrer aglutinao, pois, nesse caso, h o anticorpo anti-A no plasma do receptor: o antgeno A estranho ao sangue dessas pessoas, provocando a aglutinao. A ilustrao seguinte mostra todas as possibilidades de doao:

02. (CESGRANRIO) O esquema abaixo representa as possveis transfuses entre indivduos dos grupos sangneos do sistema ABO. A partir dele, podemos concluir que:

a) b) c) d) e)

B tem aglutinognio A e aglutinina B; A tem aglutinognio A e aglutinina A; O tem aglutinognio A e B; AB no tm nenhum dos aglutinognios; AB no tem nenhuma das aglutininas.

03. (UFPA) Um casal tem grupos sangneos ABO diferentes entre si. Todos os seus filhos tm o mesmo grupo sangneo e no podem doar sangue para os seus pais. Os grupos sangneos dos pais e dos filhos so, respectivamente:a) pais A e B (heterozigotos); filhos O; b) pai A (heterozigoto) e me O; filhos O; c) pai A (heterozigoto) e me B (homozigoto); filhos B; d) pai A (homozigoto) e me B (heterozigoto); filhos A; e) pais A e B (homozigotos); filhos AB.

O indivduo do grupo O doador universal: pode doar para todos os grupos, pois seu sangue no possui nenhum dos dois antgenos (A e B). Os indivduos do grupo AB so receptores universais: podem receber de todos os grupos, pois no possuem nenhum dos dois anticorpos no plasma. Como o alelo i s se manifesta em dose dupla, ele recessivo em relao aos seus alelos IA e IB. Portanto um indivduo do grupo sangneo O homozigoto recessivo (ii). Quando os genes IA e IB esto presentes em um mesmo indivduo, o fentipo apresentado o grupo sangneo AB. Nesse caso, dois alelos diferentes esto presentes em um mesmo indivduo, e ambos se manifestam. Trata-se, portanto, de um caso de ausncia de dominncia. Resumindo as interaes entre os trs alelos, temos que: o alelo P dominante sobre o alelo i; Os conceitos de doador e receptor universais so, no entanto, muito relativos, O ideal que a transfuso seja feita entre pessoas do mesmo grupo. 5. A herana do grupo sangneo do sistema Rh Nas hemcias humanas, ocorre outro antgeno, que conhecido como fator Rh. Atualmente, sabe-se que no se trata de um nico fator, mas de um grupo de fatores, razo pela qual se costuma falar em sistema Rh. A expresso Rh foi tirada das duas primeiras letras do gnero de macacos onde esse fator foi inicialmente estudado: Rhesus.

04. Uma mulher casou-se com uma pessoa do grupo sangneo A, filho de pais AB, e tiveram um filho com grupo sangneo tipo A, o qual, por sua vez, tem uma filha do tipo O. A mulher filha de pai e me do tipo B, com avs paternos AB e A e avs maternos do tipo AB. Com relao a esses dados, assinale a alternativa correta:a) A mulher pertence ao tipo B e no pode receber transfuso com sangue do marido; b) A mulher pertence ao tipo A e pode receber transfuso com sangue do marido; c) A mulher pertence ao tipo B e pode receber transfuso com sangue do marido; d) A mulher pertence ao tipo O e no pode receber transfuso com sangue do marido; e) A mulher pertence ao tipo AB e pode receber transfuso com sangue do marido.

5

A ocorrncia do fator Rh no obrigatria. Sendo assim, algumas pessoas possuem esse fator e outras no. As que o possuem so chamadas Rh positivo (Rh+) e as que no o possuem so chamadas Rh negativo (Rh). A ocorrncia ou no do fator Rh condicionada geneticamente. A herana do sistema Rh complexa, mas, de modo simplificado, pode-se atribu-la a um par de alelos com relao de dominncia completa. Os indivduos Rh so homozigotos recessivos, e os indivduos Rh+ podem ser heterozigotos ou, ento, homozigotos dominantes. No sistema Rh, no existe o anticorpo anti-Rh j pronto no plasma. Esse anticorpo s produzido se uma pessoa Rh receber sangue de uma pessoa Rh+. A presena do fator Rh nas hemcias do sangue do doador estimula a produo de anticorpos anti-Rh no indivduo receptor. As transfuses de sangue Para a realizao de transfuses, leva-se em conta apenas o efeito do soro do receptor sobre as hemcias do doador. A ao contrria, entre as hemcias do receptor e o soro do doador, pode ser desprezada, atendendo-se ao pequeno volume de sangue do doador em relao ao do receptor, ou seja, sua diluio.

a) b) c) d) e)

A, Rh , MN B, Rh , N + O, Rh , N AB, Rh , N O, Rh , MN

+

02.

01. O av materno de uma mulher pertence ao grupo sangneo AB, enquanto todos os demais avs so do grupo O. Qual a probabilidade de essa mulher ser do grupo A, B, AB e O? (Considere, aqui, o esquema ABO clssico).a) zero, zero, 1/2, 1/2; b) 1/2, 1/2, zero, 1/4; c) 1/2, 1/2, 1/4, 1/4; d)1/4, 1/4, zero, 1/2; e) 1/8, 1/8, 1/4, 1/4.

Os gentipos dos indivduos de nmeros 1 e 2 so, respectivamente:a) b) c) d) e) I I e I i; B A I i e I i; B AA I ieI I BB AA I I eI I B I e iiBB A

02. (VUNESP) Foram perdidas as identificaes de trs crianas nascidas em uma maternidade. As caractersticas dessas crianas, quanto aos grupos sangneos ABO e MN, so as seguintes: Crianas Criana X Criana Y Criana Z grupos sangneos A, MN B, M AB, N

03.

Os possveis pais possuem a seguinte constituio: Casais marido mulher Casal H AB, MN A, MN Casal I A, N B, MN Casal J O, M AB, M Com base nesses dados, assinale a afirmativa correta:a) b) c) d) a criana Z filha do casal H; a criana Z filha do casal I; a criana Z filha do casal J; no possvel identificar os pais da criana X e Z; e) no possvel identificar nenhuma das crianas.

Tendo por base o efeito acima, construiremos o quadro geral das aglutinaes:

A possibilidade de o indivduo III-1 ser O e Rh :a) b) c) d) e) zero; 1/2; 1/4; 1/8; 1.

+ indica aglutinao, e indica no-aglutinao O esquema a seguir mostra todas as possibilidades de doao e recepo de sangue dos diversos grupos.

03.

04. Dados os gentipos de cinco mes e de seus respectivos filhos, selecione a seqncia correta entre as proposies abaixo, de acordo com os fentipos dos pais:a) b) c) d) e) Me AB M N I I L L Rr AB M N I I L L rr M N iiL L Rr AB M M l l L L RR M N iiL L rr Filho M N iiL L Rr A M M I il L Rr B M N l iL L Rr A M N l iL L RR M M iiL L Rr Pai ABMNRh + ABMRh + BMNRh ABMRh ONRh+

Considerando o heredograma, onde consta o grupo sangneo do sistema ABO de cada indivduo, responda: Qual a probabilidade de o primognito do casal 9 x 10 ser do grupo O e do sexo feminino?a) 1/2 d) 1/6 b) 1/4 e) 1/8 c) 1/16

Conclui-se que o indivduo AB, cujo soro no contm aglutinas, pode receber sangue de todos os tipos, mas s pode doar para outro do mesmo tipo; o chamado receptor universal ou tipo egostico. J o indivduo do tipo O, cujos glbulos no contm aglutinognios, pode doar para todos, mas s pode receber de outro tipo O; o chamado doador universal ou tipo altrustico.

05. (PUC) Na genealogia abaixo, esto representados os grupos sangneos dos sistemas ABO, Rh e MN para quatro indivduos:

Exercicos01. Ermengarda pertence ao grupo sangneo A, RH+, M e teve uma criana do grupo sangneo O, Rh, MN. Qual dos indivduos, cujos grupos sangneos esto relacionados abaixo, pode ser includo como pai dessa criana? Qual a possibilidade de o indivduo n. 5 ser O RhMN?a) b) c) d) e) 1/16 1/8 1/4 1/32 1/64

04. Uma pessoa de sangue tipo A morreu ao receber sangue de um doador. A causa foi a aglutinao das hemcias do doador, o que provocou a obstruo de um vaso. Portanto pode-se afirmar que o doador possui sangue do tipo:a) AB ou O d) A ou B b) B ou AB c) A ou O e) O

6

MatemticaProfessor CLCIO Freire Aula 69

Reviso de lgebra IFuno ou aplicao 2 01. Dada as duas funes f(x) = x e g(x) = 2x 1, calcule f(g(x)) e g(g(x)). Soluo: a) f(g(x)) = (2x 1) 2 f(g(x)) = (2x) 2 + 2 . 2x . (1) + (-1) 2 f(g(x)) = 4x 2 4x + 1 b)g(g(x)) = 2(2x 1) 1 g(g(x)) = 4x 2 1 g(g(x)) = 4x 3 02. Sendo f e g duas funes, tais que: f(x) = ax + b e g(x) = cx + d . Podemos afirmar que a igualdade gof(x) = fog(x) ocorrer se, e somente se, : a) b(1 c) = d(1 a) b) a(1 b) = d(1 c) c) ab = cd d) ad = bc e) a = bc Soluo: Teremos: fog(x) = f[g(x)] = f(cx + d) = a(cx + d) + b fog(x) = acx + ad + b gof(x) = g[f(x)] = g(ax + b) = c(ax + b) + d gof(x) = cax + cb + d Como o problema exige que gof = fog, fica: acx + ad + b = cax + cb + d Simplificando, vem: ad + b = cb + d ad d = cb b \ d(a 1) = b(c 1), que equivalente a ad(a 1) = b(c 1), o que nos leva a concluir que a alternativa correta a letra A. 03. Sendo f e g duas funes, tais que fog(x) = 2x + 1 e g(x) = 2 x, ento f(x) : a) 2 2x b) 3 3x c) 2x 5 d) 5 2x e) uma funo par. Soluo: Sendo fog(x) = 2x + 1, temos: f[g(x)] = 2x + 1 Substituindo g(x) pelo seu valor, fica: f(2 x) = 2x + 1 Fazendo uma mudana de varivel, podemos escrever 2 x = u, sendo u a nova varivel. Portanto x = 2 u. Substituindo, fica: f(u) =2(2 u)+1\f(u)= 5 2u Portanto f(x) = 5 2x, o que nos leva alternativa D. Funo do 1grau 01. Construir o grfico de f: lR lR definida por f(x) = 2x +3 Soluo: (1) A reta corta o eixo Oy no ponto de ordenada 3. (2) Clculo da raiz de f(x) f(x) = 0 2 +3 = 0 x = 5/2 A reta corta o eixo Ox no ponto de abscissa 5/2 Marcamos os pontos (0, 1) e (1/3,0) no plano cartesiano e ligamos os dois com uma reta. Funo do 2. grau 01. Determine o ponto de mximo da funo g(x) = -x2 6x + 11 Soluo: Como a < 0, a funo g possui um ponto de mximo. = 62 4 . (1) . (11) = 8 g(x)mx = g(x)mx = 2 4a O valor de x para o qual g(x) mximo : b x = x = 3 a 2 02. A soma das razes da equao : + x1 1 = 2 x2 a) 2 b) 3/2 c) 9/2 d) 2/3 e) 2 O m.m.c (x1).(x2), logo 2.(x2) + (x1) = 2.(x1).(x2) 2x4 + x1 = 2x2 6x +4 2x2 9x +9 = 0 A soma das razes dada por b/a=(9)/2=9/2 Portanto a alternativa correta a letra C. 03. Para que valores de m a funo y = x2 m.x +1 tangencia o eixo das abscissas? a) m =2 b) m = 2 c) m = 0 d) m = 2 ou m = 2 e) n.d.a. Ento, nesse caso, D = 0; (-m)2 4.1.1 = 0 m2 = 4 m = 2 Funo exponencial 01. Resolver a equao 23x1 = 322x. Soluo: 23x1 = 322x 23x1 = (25)2x 23x1 = 210x. Da 3x1=10, de onde x=1/7. 02. Resolva a equao 32x6.3x27=0. Soluo: Vamos resolver esta equao atravs de uma transformao: 32x6.3x27=0 (3x)26.3x27=0 Fazendo 3 =y, obtemos: y 6y 27=0 ; aplicando Bhaskara, encontramos y=3 e y=9 Para achar o x, devemos voltar os valores para a equao auxiliar 3x=y: (1) y=3 3x = 3 no existe x, pois a potncia de base positiva positiva (2) y=9 3x = 9 3x = 32 x=2 Portanto a soluo x=2 03. Calcule o conjunto verdade da equao a) b) c) d) e) 02. Construir o grfico da funo y = 3x 1. Soluo: Como o grfico uma reta, basta obter dois de seus pontos e lig-los com o auxlio de uma rgua: a) Para x = 0, temos y = 3 0 1 = 1; portanto um ponto (0, 1). b)Para y = 0, temos 0 = 3x 1; e outro ponto . Logo o conjunto verdade dado por V = {3} 05. Determine o conjunto soluo da equao 32x + 52x 15x =0. Soluo: Vamos dividir ambos os membros por 15x 32x 52x 3 5 + 1 = 0 ()x + ()x 1 = 0 15x 15x 5 3 Faa (5/3)x = y a) b) c) d) e)x 2

01. (ESAL-MG) Se f (x)=x2 + 1 ento f (f(x) ) igual a:a) x4 + 2x2 + 2 b) x4 + 2 c) x4 + 1 d) x + 1 e) 1

02. (INATELMG) Sendo f(x) = x2+2x e g(x) = 3x + 4 a funo fog :a) 9x2+ 20x+24 b) x2+30x+24 c) 9x2+ 30x + 24 d) x2+ 20x + 24 e) n.d.a.

03. (FISSMG) Se f(x) = 2x 1 ento f(f(x)) igual a:a) 4x 3 d) 4x21 b) 4x 2 c) 4x2+ 1 2 e) 4x 4x + 1

04. Considere os conjuntos A={1, 2, 3, 4}, B = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 9, 16} e as relaes a seguir definidas: R1 = {(x, y) A x B; y = x + 1} R2 = {(x, y) A x B; y = 2x} R3 = {(x, y) A x B; y = x2} R4 = {(x, y) A x B; y > x} R5 = {(x, y) A x B; y = 7} Destas relaes, quais delas representam funes de A em B?a) b) c) d) e) Apenas Apenas Apenas Apenas Apenas R1, R2 e R3 R1, R3 e R5 R1 R1 e R3 R3

05. Dados os conjuntos A = {1; 0; 1; 2} e B = {0; 1; 2; 3; 4}, qual, entre as relaes seguintes, representa uma funo de A em B?a) b) c) d) e) {(1; 0), {(1; 1), {(0; 1), {(1; 1), {(1; 1), (0; (0; (1; (0; (0; 1), 1), 0), 0), 2), (1; (1; (2; (1; (0; 2), 0), 1), 1), 3), (1; 3), (2;4)} (1; 2)}(X) (4;2)} (2; 4)} (1; 4), (2; 4)}

06. Se f(x1) = x2, ento o valor de f(2) :a) 1 d) 9 b) 4 e) n.d.a. c) 6

07. Seja f uma funo, tal que f(x2 + 3) = x2 + 1 para todo x real. Ento f(x) igual a:a) x 2 b) 10 3x d) x2 6x + 10 c) 3x2 + 16x 20 e) x2 + 6x 16

08. (FEISP) O domnio da funo :1 < x 3 ou x 4 1 < x < 3 ou x < 4 1 < x 3 ou x 4 x < 1 ou x 4 1 x 3 ou x > 4

09. (CEFETPR) O domnio da funo :1 x 2 ou x 1/2 1 x 2 e x 1/2 x 1/2 e x 1 e x 2 x 1 e x 2 x < 1 ou 1/2 x < 2

7

QumicaProfessor Pedro CAMPELO Aula 70

quais convivemos so: ferrugem (xido de ferro III), gs carbnico (xido de carbono IV ou dixido de carbono), cal (xido de clcio). Nos xidos, o elemento mais eletronegativo deve ser o oxignio. Os compostos OF2 ou O2F2 no so xidos, pois o flor mais eletronegativo que o oxignio. Estes compostos so chamados fluoretos de oxignio. 5. XIDOS BSICOS So xidos em que o elemento ligado ao oxignio um metal com baixo nmero de oxidao (+1, +2 e +3). Os xidos de carter mais bsico so os xidos de metais alcalinos e alcalino-terrosos. Os xidos bsicos possuem estrutura inica devido diferena de eletronegatividade entre o metal (que baixa) e o oxignio (que alta). Por terem esse carter inico, apresentam estado fsico slido. Alguns exemplos: Na2O xido de sdio CaO xido de clcio (cal viva) BaO xido de brio (barita) CuO xido de cobre(II) (xido cprico) Cu2O xido de cobre(I) (xido cuproso/cuprita) FeO xido de ferro(II) (xido ferroso) Fe2O3 xido de ferro(III) (xido frrico) Reaes Reagem com a gua, formando uma base, e com cidos, formando sal e gua (neutralizando o cido). Exemplos: Na2O + H2O 2NaOH K2O + H2O 2KOH CaO + H2O Ca(OH)2 FeO + H2O Fe(OH)2 Na2O + 2HNO3 2NaNO3 + H2O Cu2O + 2HCl 2CuCl + H2O CaO + H2SO4 CaSO4 + H2O 3FeO + 2H3PO4 Fe3(PO4)2 + 3H2O 6. XIDOS CIDOS OU ANIDRIDOS So xidos em que o elemento ligado ao oxignio um ametal ou metal com alto nmero de oxidao (nox +5 +6 +7). Possuem estrutura molecular, pois a diferena de eletronegatividade entre o oxignio e o outro elemento no to grande. Resultam da desidratao dos cidos e, por isso, so chamados anidridos de cidos. Alguns exemplos: CO2 xido de carbono IV ou dixido de (mono)carbono ou anidrido carbnico SO2 xido de enxofre IV ou dixido de (mono)enxofre ou anidrido sulfuroso. SO3 xido de enxofre VI ou trixido de (mono)enxofre ou anidrido sulfrico. Cl2O xido de cloro I ou monxido de dicloro ou anidrido hipocloroso. Cl2O7 xido de cloro VII ou heptxido de dicloro ou anidrido perclrico. SiO2 xido de silcio ou dixido de (mono)silcio ou anidrido silcico. MnO3 xido de mangans VI ou trixido de (mono)mangans Mn2O7 xido de mangans VII ou heptxido de dimangans ou anidrido permangnico. Reaes Reagem com gua, formando um cido oxigenado, e com bases, formando sal e gua (neutralizando a base). Exemplos: SO2 + H2O H2SO3 P2O5 + 3H2O 2H3PO4 N2O3 + H2O 2HNO2 CO2 + H2O H2CO3 SO2 + 2KOH K2SO3 + H2O P2O5 + 6LiOH 2Li3PO4 + 3H2O N2O3 + Ba(OH)2 Ba(NO2)2 + H2O CO2 + Ca(OH)2 CaCO3 + H2O

Funes inorgnicas II1. SAL Em Qumica, um sal um composto inico, ou seja, formado por ctions e nions. Eles so tipicamente o produto de uma reao qumica entre uma base e um cido: forma-se um sal e gua. Por exemplo: NaOH + H2SO4 Na2SO4 + 2H2O Um metal e um cido: forma-se um sal e hidrognio. Por exemplo: Mg + H2SO4 MgSO4 + H2 Um xido cido e um xido bsico: forma-se um sal. Por exemplo: CO2 + CaO CaCO3 Os ons que formam os sais podem ser monoatmicos (como o nion fluoreto, F, ou o ction clcio, Ca2+) ou poliatmicos (como o nion sulfato, SO42). Podem ainda ser inorgnicos (como o j referido sulfato) ou orgnicos (como o nion acetato, CHCOO). Em geral, os sais formam cristais. So freqentemente solveis em gua, onde os dois ons se separam. Os sais, em geral, tm um alto ponto de fuso, reduzida dureza e pouca compressibilidade. Se fundidos ou dissolvidos em gua, conduzem electricidade, pois dissociam-se nos seus ons constituintes, passando estes a funcionar como electrlitos. O sal mais popularmente conhecido o cloreto de sdio, vulgarmente conhecido como "sal comum" ou "sal da cozinha", por ser largamente utilizado na alimentao humana. A neutralizao dos cidos pelas bases pode ser total ou parcial, dando origem a sais cidos ou bsicos. 2. FORMULAO E NOMENCLATURA A frmula qumica de um sal sempre representada usando em primeiro lugar o ction e, depois, o nion que o compem. Um sal designado juntando o nome do nion e o nome do ction que o constituem, nessa ordem. O nion toma um nome de acordo com a terminao do nome do cido que lhe d origem:

01. Qual das alternativas apresenta o nome do composto de frmula CaSO4?a) b) c) d) e) Carbonato de clcio Sulfeto de clcio Sulfito de clcio Sulfato de clcio Carbonato de enxofre

02. O nitrito de sdio derivado do cido:a) b) c) d) e) Ntrico Nitroso Amonaco Ciandrico Sulfdrico

03. Qual a substncia que apresenta oxignio na sua composio?a) b) c) d) e) cido ciandrico cido sulfdrico Cloreto de fsforo Fluoreto de zinco Nitrato de potssio

04. Assinalar a frmula do pirofosfato frrico.a) b) c) d) e) Fe4(P2O7)3 Fe3(P2O7)4 FePO4 FeP2O7 Fe(PO3)3

05. Na reao do HBr com o KOH, o sal formado o:a) b) c) d) e) Brometo de clcio Bromato de clcio Brometo de potssio Bromato de potssio Bromito de potssio

06. Qual dos sais a seguir um sal cido?a) b) c) d) e) CaOHCl CaSO4 NaHCO3 Na2HPO3 NaH2PO2

07. Assinale a afirmao incorreta.a) b) c) d) e) CO2 um xido cido. CaO um xido bsico. CO um xido neutro. SO3 chamado de anidrido. N2O5 um xido neutro.

Usando a regra do nmero de oxidao, a terminao do nome do nion depende do nmero de oxidao do seu tomo central:

08. Qual das substncias seguintes neutraliza o HCl?a) SO3 d) CO2 b) Na2O e) N2O c) CO

4. XIDO Um xido um composto qumico binrio formado por tomos de oxignio com outros elementos. Os xidos constituem um grande grupo na Qumica, pois a maioria dos elementos qumicos forma xidos. Alguns exemplos de xidos com os

09. Um xido que tanto reage com cido sulfrico como com hidrxido de sdio originando diferentes sais pode ser o:a) Al2O3 d) Na2O b) Cl2O5 e) P2O3 c) K2O

9

7. XIDOS ANFTEROS So xidos de metais de transio e semimetais, capazes de reagir tanto com cidos quanto com bases, fornecendo sal e gua. Por possurem propriedades intermedirias entre os xidos cidos e os xidos bsicos, podem comportar-se como xidos cidos e como bsicos. Dependendo do metal ligado ao oxignio, pode haver predominncia do carter cido ou bsico. O carter cido do xido aumenta medida que seu elemento formador aproxima-se, na tabela peridica, dos no-metais. O carter bsico do xido aumenta medida que o elemento formador se aproxima dos metais alcalinos e alcalino-terrosos. A estrutura dos xidos anfteros pode ser inica ou molecular. Alguns exemplos: SnO xido de estanho II SnO2 xido de estanho IV Fe2O3 xido de ferro III ZnO xido de zinco Al2O3 xido de alumnio Reaes Reagem com cidos, formando sal e gua (o metal do xido torna-se o ction do sal), e com bases, formando sal e gua tambm (neste caso, o metal formador do xido torna-se o nion do sal). Exemplos: ZnO + H2SO4 ZnSO4 + H2O ZnO + 2KOH K2ZnO2 + H2O Al2O3 + 6HCl 2AlCl3 + 3H2O Al2O3 + 2NaOH 2NaAlO2 + H2O 8. XIDOS NEUTROS So xidos que no apresentam caractersticas cidas nem bsicas. No reagem com gua, nem com cidos, nem com bases. O fato de no apresentarem carter cido ou bsico no significa que sejam inertes. So formados por no-metais ligados ao oxignio e, geralmente, apresentam-se no estado fsico gasoso. Alguns exemplos: CO xido de carbono II NO xido de nitrognio II N2O xido de nitrognio I veja xido nitroso 9. XIDOS DUPLOS, SALINOS OU MISTOS So aqueles que originam dois xidos ao serem aquecidos. Quando se reage um xido duplo com um cido, o produto formado composto de dois sais de mesmo ction, mas com nox diferentes, e mais gua. Alguns exemplos: Fe3O4, Pb3O4, Mn3O4 Exemplo de reao: Fe3O4 +8 HCl 2FeCl3 + FeCl2 + 4H2O 10. PERXIDOS So os xidos formados por ctions das famlias dos metais alcalinos (1A) e metais alcalinos-terrosos (2A) e pelo oxignio com nox igual a 1. Um exemplo o perxido de hidrognio (H2O2), componente da gua oxigenada. Sua aplicao se d em cortes e em feridas que correm o risco de causar infeco bacteriana. A degradao do perxido de hidrognio pela enzima catalase libera oxignio (O2), o que causa a morte de bactrias anaerbicas. Exemplos: Na2O2 e BaO2 11. SUPERXIDOS So associaes de uma molcula de O2 (oxignio atmico) com uma de O22 (perxido). Assim, o oxignio tem nox igual a 1/2. Os nions superxidos so altamente reativos e tm capacidade de cindir outras molculas medida que entram em contato. Normalmente as mitocndrias tm esses nions sob controle. Se algum sai para o citoplasma celular, h uma quantidade de reaes qumicas protetoras que podem ser ativadas para absorv-los e prevenir algum dano celular.

12. NOMENCLATURA xidos de Metais xido de [Nome do Metal], caso o ction apresente somente uma carga Na2O xido de sdio ZnO xido de zinco Al2O3 xido de alumnio Caso o elemento apresente mais de uma carga, poderemos utilizar xido de [nome do elemento] + carga do elemento. Fe2O3 xido de ferro III SnO2 xido de estanho IV Pode-se tambm fazer uso dos sufixos ico (maior Nox) e oso (menor Nox), para o caso de o elemento apresentar duas cargas. Fe2O3 xido frrico FeO xido ferroso Cu2O xido cuproso CuO xido cprico SnO xido estanoso SnO2 xido estnico xidos de Ametais [Mono, Di, Tri...] + xido de [(Mono), Di, Tri] + [Nome do Ametal] SO3 Trixido de (Mono) Enxofre N2O5 Pentxido de Dinitrognio xidos cidos ou Anidridos Anidrido [Nome do Elemento] + se nox = (+1 e +2) prefixo HIPO + sulfixo OSO Exemplo: Anidrido Hipoiodoso I2O NOX do Iodo = +1 Anidrido [Nome do Elemento] + se nox = (+3 e +4) + sulfixo OSO Exemplo: Anidrido Iodoso I2O3 NOX do Iodo = +3 Anidrido [Nome do Elemento] + se nox = (+5 e +6) + sulfixo ICO Exemplo: Anidrido Idico I2O5 NOX do Iodo = +5 Anidrido [Nome do Elemento] + se nox = (+7) prefixo HIPER/PER + sulfixo ICO Exemplo: Anidrido Peridico I2O7 NOX do Iodo = +7 SO3 Anidrido Sulfrico SO2 Anidrido Sulfuroso Exceo: CO2 dixido de carbono ou Anidrido Carbnico

01. Qual dos seguintes xidos convm ser encarado como composto de adio de dois xidos diferentes?a) b) c) d) e) Al2O3 Fe2O3 Pb3O4 FeO P2O3

02. Qual a frmula do xido de prata?a) b) c) d) e) PtO PtO2 Ag2O AgO Ag2O3

03. Qual das alternativas apresenta um perxido?a) CaO d) H2O b) ZnO e) OF c) Na2O

04. Reagindo um mol de cido sulfrico com um mol de hidrxido de sdio, iremos obter:a) b) c) d) e) Bissulfato de sdio Sulfato de sdio Sulfito de sdio Sulfeto de sdio Sulfato dicido de sdio

05. Qual das frmulas a do xido cprico?a) K2O d) CuO b) K2O e) CO2 c) Cu2O

06. (Faap 96) Os elementos carbono e alumnio podem combinar-se com o oxignio, originando os compostos:a) C2O3, Al2O3 b) CO2, Al3O4 c) CO, AlO d) CO2, Al2O3 e) CO2, AlO

Exerccios01. (FGV 95) Uma soluo obtida pela adio de sulfato de alumnio e nitrato de amnio slidos em gua contm os ons NH4+(aq), Al3+(aq), SO42(aq) e NO3(aq). As citadas substncias podem ser representadas pelas frmulasa) AlSO4 e (NH4)3NO3 b) Al2SO4 e (NH4)3NO c) Al2(SO4)3 e NH4NO3 d) Al3SO4 e NH4NO3 e) Al3(SO4)2 e NH4(NO3)2

07. (Fei 94) O "leite de magnsia" o resultado da mistura de sulfato de magnsio com hidrxido de sdio e gua destilada, aquecida ao fogo e submetida a vrias lavagens. usado como anticido e laxante. No combate acidez estomacal, o "leite de magnsia" reage produzindo:a) MgSO4 d) Mg(OH)2 b) Na2SO4 c) NaCl e) MgCl2

08. (Fei 94) O composto NaHCO3 (carbonato cido de sdio ou bicarbonato de sdio) usado em fermentos para bolo, em anticidos estomacais e em alguns extintores de incndio. Na produo do HNO3 (cido ntrico) pela reao do salitre do Chile NaNO3 (nitrato de sdio) com excesso de H2SO4 (cido sulfrico concentrado), forma-se, tambm, bissulfato de sdio, de frmula:a) Na2SO4 d) NaHSO3 b) NaHSO4 c) Na2SO3 e) Na2SO3

02. (Fuvest 91) A respirao de um astronauta numa nave espacial causa o aumento da concentrao de dixido de carbono na cabine. O dixido de carbono continuamente eliminado atravs da reao qumica com reagente apropriado. Qual dos reagentes a seguir o mais indicado para retirar o dixido de carbono da atmosfera da cabine?a) b) c) d) e) cido sulfrico concentrado. hidrxido de ltio. cido actico concentrado. gua destilada. fenol.

10

LiteraturaProfessor Joo BATISTA Gomes Aula 71

3. PREPOSIO OBRIGATRIAO verbo intransitivo pode exigir preposio. Nesse caso, convm no confundir intransitivo com transitivo indireto. Tente perceber a diferena pelos exemplos. a) Ela nasceu em Itacoatiara. Funo de em Itacoatiara: adjunto adverbial de lugar. Regncia de nascer: verbo intransitivo. b) Ela nasceu de pais separados. Funo de de pais separados: objeto indireto. Regncia de nascer: verbo transitivo indireto.

TextoLivre pra viverLetra: Cludio Zoli e Bernardo Vilhena Intrprete: Pedro Mariano Viver bom demais Ningum vai me prender Eu no me escravizei, Nem me entreguei a voc. Sou livre pra amar, Louco pra viver esse amor. Sou livre pra voar, No me importa o cu azul, ou blue. Sou livre pra pensar, Eu no devo nada a ningum, E a liberdade, tudo que sonhei, Eu vou viver, eu juro.

Caiu no vestibular01. (FGV) Assinale a alternativa em que a grafia de todas as palavras seja prestigiada pela norma culta.a) Auto-falante, bandeija, degladiar, eletrecista. b) Advogado, frustado, estrupo, desinteria. c) Embigo, mendingo, meretssimo, salchicha. d) Estouro, cataclismo, prazeiroso, privilgio. e) Aterrissagem, babadouro, lagarto, manteigueira.

4. PREDICATIVO DO SUJEITODepois do verbo intransitivo, a presena do predicativo do sujeito normal, formando o predicado verbo-nominal. Nesse caso, convm no confundir predicativo (termo varivel) com adjunto adverbial de modo (termo ou expresso invarivel). Sinta a diferena nos exemplos seguintes. a) Ela voou para casa. Funo de para casa: adjunto adverbial de lugar. Regncia de voar: verbo intransitivo. Predicado: verbal. b) Ela vou para casa, cansada. Funo de para casa: adjunto adverbial de lugar. Funo de cansada: predicativo do sujeito. Regncia de voar: verbo intransitivo. Predicado: verbo-nominal. c) Quando juntas, elas falam alto. Funo de alto: adjunto adverbial de modo. Regncia de falar: verbo intransitivo. Predicado: verbal.

Regncia Verbal IIIVERBOS INTRANSITIVOS 1. DEFINIOIntransitivo o verbo que no precisa de complemento. Observe as frases: a) O homem deve viver. b) O homem deve viver um grande amor. Na primeira, no h complemento para o verbo viver. Por isso, ele classificado de intransitivo. Na segunda, a expresso um grande amor completa o sentido do verbo viver. Por isso, ele classificado de transitivo direto. Em sntese, os verbos mudam de classificao quanto regncia de acordo com o contexto.

Arapuca02. (FGV) Observe: O diretor perguntou: Onde esto os estagirios? Mandaramnos sair? Esto no andar de cima? O pronome sublinhado pertence:a) b) c) d) e) terceira pessoa do plural. segunda pessoa do singular. terceira pessoa do singular. primeira pessoa do plural. segunda pessoa do plural.

VERBOS DE LIGAO 1. DEFINIOAquele que, juntamente com o predicativo, constitui o predicado nominal. assim denominado porque tem funo precpua de ligar o sujeito ao predicativo. Sinnimos: verbo copulativo, verbo predicativo.

03. (FGV) Assinale a alternativa em que a palavra sublinhada NO tem valor de adjetivo.a) A malha azul estava molhada. b) O sol desbotou o verde da bandeira. c) Tinha os cabelos branco-amarelados. d) As nuvens tornavam-se cinzentas. e) O mendigo carregava um fardo amarelado.

2. DEPENDNCIA DO SENTIDOA classificao do verbo depende da frase. Peguemos o verbo votar, reconhecidamente transitivo indireto (a idia lgica votar em algum). Analisemos as frases seguintes. a) Ele votou em Eduardo. Funo de em Eduardo: objeto indireto. Regncia de votar: transitivo indireto. b) Ele votou em Manacapuru. Funo de em Manacapuru: adjunto adverbial de lugar. Regncia de votar: verbo intransitivo. Agora, peguemos o verbo amar, reconhecidamente transitivo direto (a idia lgica amar algum). Analisemos as frases seguintes. a) Sou livre para amar a vida. Funo de a vida: objeto direto. Regncia de amar: transitivo direto. b) Sou livre para amar. Regncia de amar: verbo intransitivo. c) Sou livre para amar sem preconceito. Funo de sem preconceito: adjunto adverbial de modo. Regncia de amar: verbo intransitivo.

2. PRINCIPAIS VERBOS DE LIGAOOs principais verbos de ligao so: ser, estar, parecer, permanecer, continuar, ficar. Mas ateno: mesmo esses verbos podem apresentar-se como intransitivos, e outros verbos, tidos como transitivos, podem tornarse de ligao. Veja exemplos analisados: a) Ela vive feliz. Funo de feliz: predicativo do sujeito. Regncia de viver: verbo de ligao. Predicado: nominal. b) Ela vive no exterior. Funo de no exterior: adjunto adverbial de lugar. Regncia de viver: verbo intransitivo. Predicado: verbal. c) Ela est receosa. Funo de receosa: predicativo do sujeito. Regncia de estar: verbo de ligao. Predicado: nominal.

04. (FGV) Assinale a alternativa correta quanto relao grafia/significado.a) Para sonhar, basta serrar os olhos. b) Receba meus comprimentos por seu aniversrio. c) A secretria agiu com muita discrio. d) Seus gastos foram vultuosos. e) Tinha ainda conhecimentos insipientes de Matemtica.

05. Assinale a alternativa correta quanto relao grafia/significado.a) Todos o consideram iminente mdico. b) Cassaram o mandato do presidente. c) No se devem infligir as leis de trnsito. d) Sua beleza fragrante. e) Nos momentos de grande teno, reflita muito antes de agir.

11

d) Ela est em casa. Funo de em casa: adjunto adverbial de lugar. Regncia de estar: verbo intransitivo. Predicado: verbal.

conselhadas para crianas. (errado) 6. As cenas a que vamos assistir so desaconselhadas para crianas. (certo) 7. O debate cujo incio assistimos tendia para a vulgaridade. (errado) 8. O debate a cujo incio assistimos tendia para a vulgaridade. (certo) 9. Ao filme de ontem, assisti-lhe pela TV. (errado) b) Assistir = caber 1. transitivo indireto; exige complemento regido pela preposio a. 2. Admite construo com o pronome lhe(s). 3. No admite voz passiva. Veja construes certas e erradas: 1. Assiste os alunos o direito de exigir eficincia dos professores. (errado) 2. Assiste aos alunos o direito de exigir eficincia dos professores. (certo) 3. Poucos benefcios assistem os ribeirinhos que vivem da pesca. (errado) 4. Poucos benefcios assistem aos ribeirinhos que vivem da pesca. (certo) 5. No o assiste o direito de humilhar os mais fracos. (errado) 6. No lhe assiste o direito de humilhar os mais fracos. (certo) 7. No assiste a voc o direito de humilhar os mais fracos. (certo) c) Assistir = ajudar, prestar conforto material ou moral 1. transitivo direto; pede complemento sem preposio. 2. No aceita para complemento lhe(s). 3. Aceita para complemento os pronomes o, a, os, as e suas variaes. 4. Admite voz passiva. Veja construes certas e erradas: 1. Na crise poltica, os ministros pouco assistiram ao presidente. (errado) 2. Na crise poltica, os ministros pouco assistiram o presidente. (certo) 3. Os mdicos assistiram s vtimas do desastre areo. (errado) 4. Os mdicos assistiram as vtimas do desastre areo. (certo) 5. A enfermeira Helosa assistiu aos acidentados. (errado) 6. A enfermeira Helosa assistiu os acidentados. (certo) 7. Aos acidentados, os paramdicos assistiram-lhes. (errado) 8. Aos acidentados, os paramdicos assistiram-nos. (certo) d) Assistir = morar, estar presente 1. verbo intransitivo; vem acompanhado de adjunto adverbial de lugar, regido pela preposio em. Veja construes certas e erradas: 1. Depois de viver um ano na Itlia, ele assiste agora em Fortaleza. (certo) 2. Por dois anos, ela assistiu Rua Marechal Deodoro. (errado) 3. Por dois anos, ela assistiu na Rua Marechal Deodoro. (certo)

3. SEMNTICAOs verbos de ligao podem indicar: a) Estado permanente: Joo estudioso. Tatiane vive cansada. b) Estado passageiro: Voc agora est estudiosa. Depois do fracasso da Seleo, o povo anda triste. c) Continuidade de estado: Pedro continua deprimido. A crise passou, mas ela permanece calada. d) Mudana de estado: Danielle ficou estudiosa. Com o casamento, a vida tornou-se insuportvel. A lagarta virou borboleta. e) Aparncia: Esta garota parece comportada. Ela parece esnobe, mas pessoa bem simples.

PARECERQuando o sentido de parecer dar a impresso, seguido de infinitivo, admite duas construes: a) Parecer no plural e infinitivo no singular A concordncia normal. Nesse caso, parecer verbo auxiliar. 1. Os ribeirinhos pareciam temer as conseqncias da cheia. Pareciam = verbo auxiliar. Temer = verbo principal. Perodo simples (orao absoluta). b) Parecer no singular e infinitivo no plural Construo incomum, mas a concordncia verbal correta. Nesse caso, parecer no verbo auxiliar: sozinho, constitui a orao principal do perodo. Veja construes analisadas. 1. Perodo com orao reduzida: Os ribeirinhos parecia temerem as conseqncias da cheia. Perodo composto por subordinao (duas oraes). Orao principal: parecia. Orao subordinada substantiva subjetiva reduzida de infinitivo: Os ribeirinhos temerem as conseqncias da cheia. 2. Perodo com orao desenvolvida: Parecia que os ribeirinhos temiam as conseqncias da cheia. Perodo composto por subordinao (duas oraes). Orao principal: Parecia. Orao subordinada substantiva subjetiva: que os ribeirinhos temiam as conseqncias da cheia. 3. Perodo com orao reduzida: Com a tempestade, as paredes da casa parecia tremerem. Perodo composto por subordinao (duas oraes). Orao principal: parecia. Orao subordinada substantiva subjetiva reduzida de infinitivo: As paredes da casa tremerem com a tempestade. 4. Perodo com orao desenvolvida: Com a tempestade, parecia que as paredes da casa tremiam. Perodo composto por subordinao (duas oraes). Orao principal: parecia. Orao subordinada substantiva subjetiva reduzida de infinitivo: que as paredes da casa tremiam com a tempestade.

Aplicao 101. Em qual construo o termo em negrito predicativo?a) Quando voltamos fazenda, a casa tinha sido destruda. b) Fizeram tudo para ocultar o cadver, mas o crime foi descoberto. c) Durante muito tempo, nossa vida foi investigada. d) Chegamos tarde: todos os livros estavam queimados. e) De repente, a cidade estava sendo invadida, e o povo sem entender nada.

Verbos especiaisNo mbito da regncia, especiais so os verbos que admitem mais de uma predicao, quase sempre em funo da mudana de sentido.

1. ASSISTIR usado em quatro sentidos. a) Assistir = ver 1. verbo transitivo indireto; exige complemento regido pela preposio a. 2. Rejeita o pronome lhe(s) para complemento. 3. No admite voz passiva. Veja construes certas e erradas: 1. Nos ltimos anos, jamais assistimos crimes to brbaros. (errado) 2. Nos ltimos anos, jamais assistimos a crimes to brbaros. (certo) 3. Algumas famlias assistiam assustadas o espetculo. (errado) 4. Algumas famlias assistiam assustadas ao espetculo. (certo) 5. As cenas que vamos assistir so desa-

12

HistriaProfessor DILTON Lima Aula 72

O movimento pregava uma idia separatista e visava proclamar a Repblica do Equador. Causas da Revolta: a) Crise econmica e financeira. b) Dissoluo da Assemblia Constituinte. c) Outorgao da Constituio de 1824. Os rebeldes pretendiam seguir o modelo da Constituio colombiana. Houve forte represso governamental. Vrios rebeldes foram executados, entre eles o Frei Joaquim Rabelo do Amor Divino e Caneca, o frei Caneca, que foi fuzilado em Recife. Alm de dominar o movimento em Pernambuco, a Paraba, o Rio Grande do Norte e o Cear foram tambm dominados pelas foras imperiais e dos mercenrios estrangeiros, principalmente os ingleses. Abdicao de D. Pedro I (1831) Vrios fatores contriburam para aumentar a impopularidade do Imperador D. Pedro I. Os principais, que provocaram a crise e a conseqente abdicao do imperador, foram: a) Dissoluo da Assemblia Constituinte (1823). b) Outorgao da Constituio de 1824. c) O Imperador D. Pedro I era autoritrio, transformando seu governo num carter absolutista. d) Morte do lder da Confederao do Equador. O carrasco negara-se a enforcar frei Caneca. O Imperador D. Pedro I, autoritariamente, mandou, ento, fuzil-lo. e) Gastos desnecessrios com os nacionalistas da Provncia Cisplatina. Essa regio ficou independente e passou a chamar-se Repblica Oriental do Uruguai (1828). f) Assassinato do jornalista Libero Badar, do jornal O Observador Constitucional, que criticava o governo autoritrio e intransigente de D. Pedro I (1830). g) Conflito envolvendo os comerciantes portugueses e os grupos agrrios brasileiros. Esse episdio ficou conhecido como a Noite das Garrafadas. (1831). h) Deposio do Ministrio dos Brasileiros, formado por polticos ligados aos grupos agrrios, e a nomeao do Ministrio dos Marqueses, cujos comerciantes portugueses apoiavam o imperador D. Pedro I (5/4/1831) Fim do Primeiro Reinado (1831) D. Pedro I abdicou ao trono brasileiro em 7 de abril de 1831, em favor de seu filho Pedro de Alcntara (futuro D. Pedro II), que ainda iria completar cinco anos de idade, com as seguintes palavras: Abdico mui voluntariamente em favor de mui amado filho Pedro de Alcntara. PERODO REGENCIAL (18311840) O perodo compreendido entre 1831 e 1840 foi um dos mais agitados da nossa histria. Iniciadp pela abdicao de D. Pedro I em favor de seu filho de apenas cinco anos de idade, determinou a escolha de uma regncia para governar o Pas, em funo de D. Pedro de Alcntara (futuro D. Pedro II) ser de menor. Foi um perodo marcado por: a) agitaes sociais. b) turbulncias polticas. c) instabilidade imperial. d) intranqilidade nas provncias.

Brasil Imprio 1. partea

PRIMEIRO REINADO (18221831) ASSEMBLIA COONSTITUINTE (1823) Foi convocada pelo prncipe-regente D. Pedro (futuro D. Pedro I), no dia 3 de junho de 1822, para elaborar a primeira Constituio brasileira. Os trabalhos dos deputados constituintes se iniciaram em maio de 1823. O imperador D. Pedro I declarou que respeitaria essa carta constitucional caso ela fosse digna do Pas e do imperador. Anteprojeto: Tinha como ttulo Constituio da Mandioca, pois, para ser eleitor ou candidato aos cargos legislativos, era preciso possuir determinada renda, baseada em alqueires de mandioca. O anteprojeto constitucional defendia, entre outras propostas, as seguintes: a) O voto seria censitrio, ou seja, baseado na renda do cidado. b) O povo seria afastado de qualquer deciso poltica. c) Os poderes do imperador D. Pedro I seriam limitados. Observao: No dia 12 de novembro de 1823, o imperador D. Pedro I, no aceitando ter poderes limitados dissolveu a Assemblia Constituinte. Esse acontecimento ficou conhecido como a Noite da Agonia. O imperador D. Pedro I nomeou o Conselho de Estado, que elaborou a primeira Constituio brasileira. Constituio de 18224 Pontos principais: a) Foi outorgada pelo Imperador D. Pedro I. b) Adotou eleies indiretas. c) Imps o voto censitrio (baseado na renda do cidado). d) Declarou o catolicismo a religio oficial do Imprio. A igreja ficava subordinada ao Estado, pelo regime de padroado e beneplcito. e) Tirou a autonomia das provncias. O Estado Unitrio. f) Instituiu a formao do Conselho de Estado, composto de conselheiros vitalcios, nomeados pelo imperador. g) Adotou a diviso em quatro poderes: Executivo: exercido pelo imperador e por seus ministros de Estado. Legislativo: formado pela Assemblia Geral: Deputados (eleitos por um mandato de quatro anos) e Senadores (mandato vitalcio). Judicirio: composto por juzes e por tribunais. Seu rgo mximo era o Supremo Tribunal de Justia. Moderador: exclusivo do imperador. Esse poder seria a chave da vida poltica do Pas. Confederao do Equador (1824) Rebelio no Nordeste do Pas que envolveu as seguintes regies: Pernambuco, Rio Grande do Norte, Paraba e Cear. Os lderes foram Manuel Pais de Andrade e frei Caneca, que foi o idealizador do movimento.

01. (PUCMG) O reconhecimento da nossa independncia poltica enfrentou srias dificuldades nas negociaes entre Brasil e Portugal, as quais s conseguiram ser sanadas com o apoio da Inglaterra, que exigiu em troca:a) a revogao do decreto de D. Joo VI que permitira a instalao de fbricas e manufaturas no Pas desde 1808. b) a manuteno de tarifas alfandegrias preferenciais para os produtos portugueses nos portos brasileiros. c) a renovao dos tratados de 1810 e a promessa brasileira de extinguir o trfico negreiro. d) a abolio imediata da escravido africana no Imprio sem a devida indenizao elite rural brasileira. e) a atitude do governo brasileiro em abrir os portos s naes amigas.

02. (FGV) A Constituio Brasileira de 1824:a) Foi elaborada e aprovada pela Assemblia Geral Constituinte e estabeleceu a organizao do Estado a partir da diviso em trs poderes: Legislativo, Judicirio e Moderador. b) Ficou conhecida como a Constituio da Mandioca, em razo da adoo de um sistema censitrio que definia pelo critrio de renda e bens aqueles que poderiam votar e ser votados nas eleies gerais. c) Foi elaborada pelo Conselho de Estado, aps a dissoluo da Constituinte, e garantia forte autonomia s Provncias, apesar da implementao do Poder Moderador, a ser exercido pelo monarca brasileiro. d) Foi elaborada pelo Conselho de Estado, aps a dissoluo da Constituinte, e, alm dos poderes Legislativo, Executivo e Judicirio, estabelecia o Poder Moderador, a ser exercido pelo monarca brasileiro. e) Foi elaborada pela Assemblia Geral Constituinte e caracterizou-se pela adoo dos princpios liberais, pela garantia da defesa dos direitos fundamentais do homem e pela adoo dos princpios federativos.

03. (MACKENZIE) A Carta Constitucional de 1824 representava uma vitria do Executivo sobre o Legislativo, do Imperador sobre as oligarquias. A oposio ao Imperador foi mais forte nas provncias do norte, as mais afetadas pelo forte centralismo que caracterizava a Carta.Carlos Guilherme Mota. 1822 - Dimenses

A oposio de que fala o texto resultou em srio movimento revolucionrio que teve, entre seus lderes, Frei Caneca. Identifique-o.a) b) c) d) e) Farroupilha Cabanage Sabinada Balaiada Confederao do Equador

13

Regncias que governaram o Pas: a) Trina Provisria (1831) b) Trina Permanente (1831 1834) c) Una de Diogo Feij (1834 1837) d) Uma de Arajo de Lima (1837 1840) Guarda Nacional Foi criada pela Regncia Trina Permanente, em 1831, para manter a paz e dar a segurana pblica de que as elites necessitavam para governar. E quem poderia trazer a intranqilidade e a desordem? Na viso das elites, eram as camadas mais populares. Assim, a Guarda Nacional era um instrumento das elites para punir os populares que poderiam causar distrbios ao governo. Grupos polticos a) Moderados Eram os situacionistas. Desejavam manter a estrutura agrria (exportadora e escravocrata). No visavam a mudanas radicais na Constituio. Participavam desse grupo as elites agrrias do Sul e do Nordeste. Ficaram conhecidos como chimangos. b) Exaltados Lutavam pela autonomia das provncias. Alguns desejavam a Repblica. Participavam desse grupo as camadas mdias urbanas e as oligarquias perifricas. Ficaram conhecidos como farroupilhas. c) Restauradores Defendiam a volta de D. Pedro I ao governo brasileiro. Assim, os Restauradores poderiam voltar ao poder. Participavam desse grupo os comerciantes portugueses. Ficaram conhecidos como caramurus. Ato Adicional de 1834 a) Autonomia para as provncias, com a criao das Assemblias Legislativas Provinciais. b) Criao do Municpio Neutro do Rio de Janeiro. c) Extino do Conselho de Estado. d) Transformao da Regncia Trina em Una. O regente teria mandato de 4 anos e seria escolhido por eleio nacional. Rebelies Regenciais Cabanagem Gro Par (1834 1840) Cabanos: populao pobre que morava em cabanas, na mais completa misria. Participao de elementos das camadas mdias e alta. a) Padre Batista Campos. b) Jornalista Lavor Papagaio. c) Latifundirio Feliz Malcher. Meta da Cabanagem: mudar o quadro social de que eram vtimas os cabanos. Governos cabanos: a) Flix Malcher b) Francisco Vinagre c) Eduardo Angelim Observao: ela um dos mais, seno o mais, notvel movimento popular do Brasil. o nico em que as camadas mais inferiores da populao conseguem ocupar o poder de toda uma provncia com certa estabilidade... Apesar da falta de continuidade que a caracteriza, fica-lhe, contudo, a glria de ter sido a primeira insurreio popular que passou da simples agitao para uma tomada efetiva do poder. (Adaptado de Caio Prado Jr.) Farroupilha Rio Grande do Sul (1835 1840) Longa guerra civil comandada pela elite gacha, produtora de charque. Reclamao dos farroupilhas: concorrncia do charque platino. Reivindicao dos farroupilhas: elevao dos impostos sobre o charque platino (protecionismo). Defendiam o ideal separatista. Os farroupilhas proclamavam as seguintes repblicas: a) Rio grandense, com sede em Piratini (RS). b) Juliana (SC).

Os destaques dessa revolta foram: Bento Gonalves, Davi Canabarro e Garibaldi. Em 1845, o governo imperial realizou um acordo com os farroupilhas. Os rebeldes assinaram a paz, mas exigiram: a) Aumento das tarifas alfandegrias sobre o charque platino. b) Anistia poltica. c) Indenizao dos prejuzos sofridos com a guerra. d) Direitos para soldados farroupilhas de ingressar para as tropas imperiais, ocupando os mesmos cargos. Sabinada Bahia (18371838) Movimento de curta durao, comandado por elementos das camadas mdias. Lder: o mdico Francisco Sabino (por isso ficou conhecida como Sabinada). O objetivo dos rebeldes era proclamar a Repblica baiense durante a menoridade de D. Pedro de Alcntara. Balaiada Maranho (18381841) Contou com ampla participao da populao pobre: negros escravos, negros livres, vaqueiros e fazedores de balaios. Principais lderes: Raimundo Gomes, Manuel Francisco dos Anjos e o Preto Cosme. O movimento era desorganizado e no possua objetivos de assumir o governo. Os rebeldes lutavam para mudar o quadro social de que eram vtimas. Golpe da maioridade (1840) Jogada poltica dos liberais, que contaram com apoio dos conservadores para antecipar a maioridade de Pedro de Alcntara. O Pas passava por agitaes sociais. Naquele momento, seria a alternativa para colocar um basta na intranqilidade. Assim, o imperador, fortalecido pelas elites dominantes, poderia governar tranqilo a Nao.

01. (FGV) A Revolta dos Mals:a) Foi comandada por escravos e libertos muulmanos que controlaram Salvador por alguns dias. b) Foi iniciada por setores da elite maranhense contra as medidas centralizadoras adotadas pelo governo sediado no Rio de Janeiro. c) Foi liderada por comerciantes paulistas contrrios presena dos portugueses na regio das minas. d) Foi articulada pelo setor aucareiro da elite baiana descontente com a falta de investimentos do governo imperial. e) Estabeleceu uma ampla rede de quilombos em Pernambuco, desafiando a dominao holandesa.

02. (UFC) Entre 1835 e 1840, ocorreu, no Par, uma revolta chamada de "Cabanagem". Com relao a essa rebelio, correto afirmar:a) os "cabanos" representavam o grupo mais radical do perodo da Regncia, lutando por uma Repblica sem escravos e sem grandes proprietrios rurais. b) o governo central ignorou o movimento em funo das tmidas propostas de reforma social divulgadas pelos "cabanos", evitando a represso. c) os lderes "cabanos" eram grandes proprietrios de terras, enriquecidos com o ciclo da borracha e insatisfeitos com a poltica de centralizao do governo regencial. d) o movimento marcou, exclusivamente, uma luta em prol das causas sociais, pois maltratavam os rebeldes, apelidados de "cabanos", na maioria caboclos e Tapuios. e) os "cabanos" propunham a manuteno da estrutura social vigente, apesar de as tropas rebeldes serem compostas de negros, mestios e ndios.

Atividades01. (Fuvest) Qual o papel conferido ao Imperador pela Constituio de 1824?a) Subordinao ao poder legislativo. b) Instrumento da descentralizao polticoadministrativa. c) Chave de toda a organizao poltica. d) Articulador da extino do Padroado. e) Liderana do Partido Liberal.

03. (Unirio) A consolidao do Imprio foi marcada por vrias rebelies, que, representando grupos, regies e interesses diversificados, ameaaram o Estado Imperial. Assinale a opo que associa uma dessas rebelies ocorridas durante o Imprio com o que foi afirmado acima.a) A Cabanagem, no Gro-Par, expressou a reao dos comerciantes locais contra o monoplio do comrcio. b) A Praieira, em Pernambuco, foi a mais importante manifestao do Partido Restaurador. c) A Sabinada, na Bahia, teve origem na mais importante rebelio popular e de escravos do perodo. d) A Balaiada, no Maranho, apesar de sua fidelidade monrquica, representou o ideal federal da oligarquia. e) A Farroupilha, no Rio Grande do Sul, foi a mais longa rebelio republicana e federalista, expressando ideais dos proprietrios gachos.

02. (Cesgranrio) Usando do direito que a Constituio me concede, declaro que hei de muito voluntariamente abdicado na pessoa de meu mui amado e prezado filho, o Sr. D. Pedro de Alcntara. Boa Vista 7 de abril de 1831, dcimo da Independncia e do Imprio D. Pedro I. Nesses termos, D. Pedro I abdicou ao trono brasileiro no culminar de uma profunda crise, que NO se caracterizou por:a) antagonismo entre o Imperador e parte da aristocracia rural brasileira; b) emprstimos externos para cobrir o dficit pblico gerado, em grande parte, pelo aparelhamento das foras militares; c) aumento do custo de vida, diminuio das exportaes e aumento das importaes; d) presso das elites coloniais, que queriam o fim do Imprio e a implantao de uma Repblica nos moldes dos Estados Unidos; e) conflitos entre o Partido Brasileiro e o Partido Portugus e medo da recolonizao.

14

Gabarito do nmero anteriorAprovar n. 11

Calendrio 2008

DESAFIO LITERRIO (p. 3) 01. D; 02. C; DESAFIO QUMICO (p. 5) 01. E; 02. C; 03. D; 04. E; 05. A; 06. A; 07. C; 08. A; 09. A; 10. A; 11. D; DESAFIO QUMICO (p. 6) 01. B 02. A; 03. C 04. B; 05. E; 06. B; 07. E; 08. B; 09. C; DESAFIO GEOGRFICO (p. 7) 01. D 02. C; 03. E DESAFIO GEOGRFICO (p. 8) 01. B; 02. A; 03. A DESAFIO MATEMTICO (p. 9) 01. A; 02. C; 03. B; 04. D; 05. 4; 06. 90; 07. E; 08. B; 09. a) 34=81; b) 102=0,001; c) 91/4= 10. V, F, F e V; 11.

Aulas 127 a 155

Caro vestibulando, Faltam duas semanas para o vestibular da UEA. No dia 22, a Fundao Getlio Vargas (FGV/Isae-AM) aplica as provas da primeira etapa em todo o Estado do Amazonas. hora de testar seus conhecimentos. Nesta tera, dia 17, a partir das 19 horas, o Aprovar realiza mais um Simulado. Na capital, o teste ser aplicado na Arena Amadeu Teixeira, avenida Constantino Nery, ao lado do Vivaldo. A entrada gratuita. No interior, o Simulado ser aplicado no dia 21, sbado, a partir das 17 horas, nos centros e ncleos da UEA e nas escolas que recebem normalmente as aulas do Aprovar. A prova elaborada nos mesmos moldes do vestibular, com 70 questes: 10 de Histria, 10 de geografia, 10 de Matemtica, 10 de Fsica, 10 de Biologia, 10 de Qumica e 10 de Lngua Portuguesa e Literatura. Todas as questes sero analisadas pelos professores das respectivas disciplinas, e as respostas exibidas nos teles instalados nos locais de prova. No se esquea de levar a ficha de informaes (abaixo) impressa na apostila. Ela o seu ingresso nos locais de prova. Participe! Boa sorte!!

12.

; 13. a) x; b) x1;

DESAFIO FSICO (p. 11) 01. B; 02. C; 03. C; 04. E; DESAFIO GRAMATICAL (p. 13) 01. E; 02. A; 03. B; 04. C; 05. B;

LNGUA PORTUGUESA ALMEIDA, Napoleo Mendes de. Dicionrio de questes vernculas. 3. ed. So Paulo: tica, 1996. BECHARA, Evanildo. Lies de portugus pela anlise sinttica. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1960. CEGALLA, Domingos Paschoal. Dicionrio de dvidas da lngua portuguesa. 2. impr. So Paulo: Nova Fronteira, 1996. CUNHA, Celso; CYNTRA, Lindley. Nova gramtica do portugus contemporneo 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. GARCIA, Othon M. Comunicao em prosa moderna. 13. ed. Rio de Janeiro: Fundao Getlio Vargas, 1986. HOLANDA, Aurlio Buarque de. Novo dicionrio da lngua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. HOUAISS, Antnio. Pequeno dicionrio enciclopdico Koogan Larousse. 2. ed. Rio de Janeiro: Larousse do Brasil, 1979. HISTRIA ACUA, Cristbal de. Informes de jesutas en el amazonas: 16601684. Iquitos-Peru, 1986. ______ Novo Descobrimento do Grande Rio das Amazonas. Rio de Janeiro: Agir, 1994. CARDOSO, Ciro Flamarion S. Amrica pr-colombiana. So Paulo: Brasiliense, 1986 (Col. Tudo Histria). CARVAJAL, Gaspar de. Descobrimento do rio de Orellana. So Paulo: Nacional, 1941. FERREIRA, Alexandre Rodrigues. (1974) Viagem Filosfica pelas capitanias do Gro-Par, Rio Negro, Mato Grosso e Cuiab. Conselho Federal de Cultura, Memrias. Antropologia. MATEMTICA BIANCHINI, Edwaldo e PACCOLA, Herval. Matemtica. 2.a ed. So Paulo: Moderna, 1996. DANTE, Luiz Roberto. Matemtica: contexto e aplicaes. So Paulo: tica, 2000. GIOVANNI, Jos Ruy et al. Matemtica. So Paulo: FTD, 1995. QUMICA COVRE, Geraldo Jos. Qumica Geral: o homem e a natureza. So Paulo: FTD, 2000. FELTRE, Ricardo. Qumica: fsico-qumica. Vol. 2. So Paulo: Moderna, 2000. LEMBO, Antnio. Qumica Geral: realidade e contexto. So Paulo: tica, 2000.

REIS, Martha. Completamente Qumica: fsico-qumica. So Paulo: FTD, 2001. SARDELLA, Antnio. Curso de Qumica: fsico-qumica. So Paulo: tica, 2000. BIOLOGIA AMABIS, Jos Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Conceitos de Biologia das clulas: origem da vida. So Paulo: Moderna, 2001. CARVALHO, Wanderley. Biologia em foco. Vol. nico. So Paulo: FTD, 2002. LEVINE, Robert Paul. Gentica. So Paulo: Livraria Pioneira, 1973. LOPES, Snia Godoy Bueno. Bio. Vol. nico. 11.a ed. So Paulo: Saraiva. 2000. MARCONDES, Ayton Csar; LAMMOGLIA, Domingos ngelo. Biologia: cincia da vida. So Paulo: Atual, 1994. FSICA ALVARENGA, Beatriz et al. Curso de Fsica. So Paulo: Harbra, 1979, 3v. LVARES, Beatriz A. et al. Curso de Fsica. So Paulo: Scipicione, 1999, vol. 3. BONJORNO, Jos et al. Fsica 3: de olho no vestibular. So Paulo: FTD, 1993. CARRON, Wilson et al. As Faces da Fsica. So Paulo: Moderna, 2002. Grupo de Reelaborao do Ensino de Fsica (GREF). Fsica 3: eletromagnetismo. 2.a ed. So Paulo: Edusp, 1998. PARAN, Djalma Nunes. Fsica. Srie Novo Ensino Mdio. 4.a ed. So Paulo: tica, 2002. RAMALHO Jr., Francisco et alii. Os Fundamentos da Fsica. 8.a ed. So Paulo: Moderna, 2003. TIPLER, Paul A. A Fsica. Rio de Janeiro: Livros Tcnicos e Cientficos, 2000, 3v.