ENTEROPATIA PROLIFERATIVA SUNA

  • View
    66

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of ENTEROPATIA PROLIFERATIVA SUNA

Apresentao do PowerPoint

ENTEROPATIA PROLIFERATIVA SUNAGrupo: Carla Lopes CaixetaMarcela Muriel Fabrcio Moreira

Forma crnica: animais de crescimento entre 6 e 20 semanas de idade e caracterizada por anorexia, diarreia e reduo do ganho de peso.

Aguda: tambm conhecida como enteropatia proliferativa hemorrgica, acomete animais mais velhos de 4 a 12 meses e caracterizada por fezes enegrecidas (melena) e morte sbita.

Subclnica: em que no se observam sinais clnicos, mas tem grande importncia epidemiolgica pela possibilidade de ocorrer a disseminao silenciosa do agente.ENTEROPATIA PROLIFERATIVA SUNAA Lawsonia intracellularis uma bactria gram negativa, intracelular obrigatria, microaerfila.

distribuio mundial

afeta uma variedade de animais

infeco ocorre por via fecal-oral

A presena de bacilos curvos ou retos no citoplasma apical dos entercitos das criptas proliferadas caracterstica constanteENTEROPATIA PROLIFERATIVA SUNAdiagnsticoO diagnostico da enterite proliferativa suna inclui o histrico da propriedade, sinais clnicos, avaliao macro e microscpicas das leses.

Exame histolgico.: necropisiar animais que apresentem morte sbita, diarria sanguinolenta e ou retardo no crescimento, enviar ao laboratrio fragmentos do leo, ceco e clon com cerca de 10 centmetros de comprimento fixados em formol 10%.

Deteco do agente atravs do PCR.: enviar cerca de 20 gr. De fezes armazenadas em frascos bem fechados e mantidos sob congelamento - 20 C (Freezer ).

tratamentoTestes realizados por diferentes autores indicam que macroldeos, clortetraciclina, tiamulina so eficazes no tratamento e preveno da EPS (ilete ).

O tratamento ou preveno da EPS pode ser realizado sob forma de choque em animais da faixa etria afetada, com tiamulin ( 150 ppm ), ou tilosina ( 100 ppm ), ou ainda clortetraciclina ( 400 ppm ), durante 14 dias por via oral, adicionado rao.

Animais submetidos ao stress de transporte, agrupamentos, introduzidos na propriedade com histrico de EPS ou oriundos de planteis contaminados, tambm devem receber o tratamento acima descritoA mucosa se apresenta com pregas evidentes e contedo hemorrgico pode ser observado no lmen intestinal.

J a forma crnica, consiste em edema de mesentrio, aspecto cerebride da serosa intestinal, espessamento da mucosa intestinal e presena de membrana necrtica aderida a mucosa.

Uma distino que caracteriza a forma aguda a observao de acentuada hiperemia da mucosa e acmulo de sangue no lmen intestinal.

Em linhas gerais o aspecto histolgico de ambas as formas tem as mesmas caractersticas.

Pode ocorrer proliferao dos entercitos das criptas no intestino delgado e, s vezes, presena da bactria no pice dos entercitos quando se utiliza tcnicas especiais de colorao como a prata.

As vilosidades se apresentam atrofiadas com reduzido nmero de clulas caliciformes e a presena de clulas inflamatrias no observada com frequncia.

Macroscopicamente, as leses caractersticas da enteropatia proliferativa so usualmente encontradas no leo embora, com menor frequncia, possam ser encontradas no ceco, coln e jejuno.

Na forma aguda as leses so caracterizadas por edema e hiperemia do mesentrio e espessamento da parede intestinal.

J a forma crnica, consiste em edema de mesentrio, aspecto cerebride da serosa intestinal, espessamento da mucosa intestinal e presena de membrana necrtica aderida a mucosa.

LESES

Fragmentos intestinais fixados em formol para colorao de rotina (H&E), coloraes especiais (impregnao pela prata) e imuno-histoqumica permitem chegar ao diagnstico definitivo.

Podem ser usadas outras tcnicas diagnsticas ante mortem, para isso torna-se necessrio amostras de fezes ou soro, a serem avaliados pela PCR e IPMA (do ingls, Immunoperoxidase monolayer assay). Tratam-se de testes altamente especficos para deteco de regies especificas presente no genoma da bactria e de anticorpos IgG contra L. intracellularis.Testes laboratoriaisBIBLIOGRAFIADiagnstico histoqumico e imunoistoqumico da enteropatia proliferativa (Lawsonia intracellularis) em sunosG.S. FacciniI; R.M.C. GuedesII; C.A. PescadorI; C.E.F. CruzI; D. DriemeierIEscola de Veterinria - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

COMPLEXO ENTRICO SUNO_TECSADica baseada na palestra do Dr. Guillermo Ramis, PorkExpo 2010.

V e t e r i n a r i a n D o c s Sanidade Suinadisponvel em www.veterinariandocs.com.br