Click here to load reader

Aula Ecologia 2º2013

  • View
    8

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Aula de ecologia

Text of Aula Ecologia 2º2013

  • 29/09/2013

    1

    APRESENTAO DO CONTEDO

    e

    SISTEMA DE AVALIAO

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    CINCIAS DO

    AMBIENTE

    C i nci as d o A m b i e nte

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    Objetivos da disciplina: 1) Fornecer noes bsicas conceituais relacionadas a ecologia e o funcionamento

    dos sistemas ambientais;

    2) Introduzir conceitos bsicos sobre poluio, seus tipos (Solo, gua e Ar), ocorrncias e implicaes nos sistemas ambientais enfatizando as alteraes ocasionadas pelas atividades da construo civil e os resduos slidos urbanos;

    3) Apresentar as principais fontes de poluio que ocorrem no solo, na gua e no ar atmosfrico e suas implicaes nos sistemas ambientais;

    4) Apresentar a legislao brasileira e os rgos ambientais competentes que normatizam, regulamentam e fiscalizam as leis ambientais nas esferas Federais, Estaduais e Municipais;

    5) Apresentar conceitos bsicos Avaliao de Impactos Ambientais (EIA/RIMA) e tcnicas de anlise. Enfatizando a anlise do meio fsico e o impactos das atividades da construo civil.

    6) Apresentar noes bsicas do Sistema de Gesto Ambiental e Auditoria Ambiental, bem como a norma (srie ISO 14000) que regulamenta a temtica.

  • 29/09/2013

    2

    CRITRIOS DE AVALIAO

    Sero realizadas 3 (trs) avaliaes tericas ao longo do curso (AV1, AV2 e AV3).

    BIBLIOGRAFIA DO CURSO: Bibliografia Bsica:

    1) Introduo Engenharia Ambiental

    BRAGA, B. et al., Prentice Hall, SP, 2002.

    2) Introduo ao controle de poluio ambiental.

    DERSIO, J. C., 2 Ed., SP, 2000.

    C i nci as d o A m b i e nte

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    Bibliografia Complementar:

    1) Tratamento de gua: tecnologia atualizada.

    AZEVEDO NETTO, J. M. D.; RICHTER, C. A., Edgard Blcher, SP, 2000.

    2) Princpios do tratamento biolgico de guas residurias: introduo qualidade das guas e ao tratamento de esgotos.

    SPERLING, M. V., Departamento de Engenharia Sanitria e Ambiental, UFMG, Belo Horizonte, 1996.

    3) Tratamento de lixo.

    LIMA, M. Q., SP: Hemus, 1991.

    4) Administrao e Controle da Qualidade Ambiental

    SEWELL, G. H., Cetesb, SP, 1978.

    5) Introduo a qualidade das guas e ao tratamento de esgotos.

    SPERLING, M. V., UFMG, 2005.

    C i nci as d o A m b i e nte

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

  • 29/09/2013

    3

    Aula:

    Ecologia:

    Conceito

    Fatores ecolgicos

    Nveis trficos

    Fluxo de energia e materiais

    C i nci as d o A m b i e nte

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    C i nci as d o A m b i e nte

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    PLANETA TERRA

    BIOSFERA ( a parte da Terra

    onde se encontram os

    seres vivos. Estuda

    do seres vivos e sua

    distribuio pela

    superfcie terrestre.)

    ATMOSFERA (composta basicamente

    por gases e poeira,

    retidos pela ao da fora

    da gravidade)

    HIDROSFERA (corresponde a toda parte

    lquida contida no

    planeta.)

    LITOSFERA (constituda por rochas e solo

    de nveis variados e

    composta por grande

    quantidade de minerais.)

  • 29/09/2013

    4

    O mundo moderno enfrenta contradies e problemas novos de diversos impactos ambientais:

    superpopulao; pobreza; aquecimento global; poluio; Desertificao (transformao de reas vegetais em solos infrteis e desrticos; mau uso do

    solo, desmatamento, queimadas sucessivas e por fatores naturais como as chuvas, eroso e o ressecamento climtico).

    crises econmicas; comprometimento da biodiversidade.

    Ao do homem paradigma de desenvolvimento equivocado. Especialistas e autoridades: reviso do modelo surgindo o desenvolvimento sustentvel.

    C i nci as d o A m b i e nte

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    Ecologia: parte da Biologia que estuda os seres vivos no seu relacionamento entre si e com o meio ambiente onde vivem.

    Origem do nome: grego oikos, casa, ambiente, e logos, estudo. o estudo dos ecossistemas.

    Ecossistema: complexo sistema de relaes mtuas, com transferncia de matria e energia, entre o meio ambiente (luz, calor, pH, etc.) e os seres vivos de determinada regio.

    C i nci as d o A m b i e nte

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    uma floresta, uma campina (campo extenso, plano, sem arvoredo), uma faixa mais

    profunda ou mais superficial do mar, rio, lagoa, um aqurio ou at mesmo uma poa

    de gua.

  • 29/09/2013

    5

    Ecossistema

    Fatores Ecolgicos

    Relacionados aos seres vivos: animais e vegetais

    Abiticos Biticos

    Relacionados s condies do meio ambiente: luz, calor, pH,

    salinidade, variaes de presso da gua e do ar, etc.

    C i nci as d o A m b i e nte

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    FATORES ECOLGICOS o conjunto de fatores biolgicos e fsicos que atuam sobre o

    desenvolvimento de uma comunidade.

    Cincias do Ambiente

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    FATORES BITICOS

    Para satisfazer suas necessidades de alimentao, proteo, transporte e reproduo, os seres vivos associam-se com outros seres vivos, surgindo as relaes ecolgicas.

    So todos os efeitos causados pelos organismos em um ecossistema condicionando as populaes que o formam.

    Bio = Vida

  • 29/09/2013

    6

    Cincias do Ambiente

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    RELAES ECOLGICAS

    Indivduos da mesma espcie. INTRAESPECFICA

    Indivduos de espcies diferentes. INTERESPECFICA

    Nenhum organismo prejudicado. HARMNICA

    Pelo menos um sai prejudicado. DESARMNICA

    Cincias do Ambiente

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    Quais seriam essas relaes?

    Relaes

    Intraespecficas

    Harmnicas -Colnias

    -Sociedades

    Desarmnicas -Canibalismo

    -Competio

    Relaes Interespecficas

    Harmnicas

    -Mutualismo

    -Comensalismo

    -Inquilinismo

    Desarmnicas -Parasitismo

    -Predatismo

  • 29/09/2013

    7

    Cincias do Ambiente

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    Intraespecfica RELAES HARMNICAS

    Organismos da mesma espcie que se mantm anatomicamente unidos entre si formando um conjunto funcional (interdependncia), sendo-lhes impossvel a vida quando isolados dos conjuntos, podendo ou no ocorrer diviso do trabalho.

    COLNIAS

    Cincias do Ambiente

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    Curiosidade

    A caravela no um animal isolado. uma colnia de vrios plipos transparentes que, como um todo, ficam flutuando sobre a gua do mar. Na colnia, grupos diferentes de plipos desempenham funes diferentes. Uns so responsveis pela digesto dos alimentos, outros pela reproduo, outros pela proteo de toda a colnia, e assim por diante.

    Seus tentculos so capazes de provocar srias leses (grande irritao e intensa dor) e ter uma ao neurotxica causando sintomas como ansiedade, dor nas costas, cimbras, nuseas, vmitos, desmaios, convulses, arritmias cardacas e problemas respiratrios. Alguns destes acidentes podem ser fatais devido ao choque e consequente afogamento.

  • 29/09/2013

    8

    Cincias do Ambiente

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    RELAES HARMNICAS

    Associao de indivduos da mesma espcie que tm plena capacidade de vida isolada mas preferem viver na coletividade. Os indivduos de uma sociedade tm independncia fsica uns dos outros. Pode ocorre, entretanto, um certo grau de diferenciao de formas entre eles e de diviso de trabalho, como sucede com as formigas, as abelhas ou os cupins.que no esto unidos, mas formam uma organizao social.

    SOCIEDADE

    Intraespecfica

    Cincias do Ambiente

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    Curiosidade

    Colmia das abelhas Apis millifera: H trs castas (nvel hierrquico): a rainha, o zango e as operrias.

    -RAINHA: recebeu alimentao diferenciada das outras larvas (gelia real) e por isso frtil. Funo: reproduo, originando novos indivduos para a colmia. -OPERRIAS: fmeas infrteis e tem vrias funes. Durante a fase larval so alimentadas com mel e plen. Funo: produzir favos e mel, limpar e guardar a colmia e buscar nctar e plen nas flores, etc. Zanges: morrem logo aps a cpula.

  • 29/09/2013

    9

    Cincias do Ambiente

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    RELAES HARMNICAS

    Associao ntimas com benefcios mtuos. necessria sobrevivncia das espcies.

    MUTUALISMO

    Interespecfica

    Crocodilo e o pssaro-palito (se alimenta de vermes)

    Gado e ave Anu (se alimenta de carrapatos)

    Cincias do Ambiente

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    Curiosidade

    Algumas espcies de formigas vivem dentro dos troncos de rvores, que lhes fornecem abrigo e alimento em troca de proteo contra insetos desfolhadores

  • 29/09/2013

    10

    Cincias do Ambiente

    P ro f a . D ra . J a c i n ete L i m a d o s S a n t o s

    RELAES HARMNICAS

    uma associao em que uma das espcies (comensal: aquele que come em casa alheia