Click here to load reader

Imperialismo e Neocolonialismo - Escola Monteiro Lobato ... · PDF file IMPERIALISMO DOS E.U.A. -Após concluir a Marcha para o Oeste e a conquista de territórios do norte do México,

  • View
    1

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Imperialismo e Neocolonialismo - Escola Monteiro Lobato ... · PDF file IMPERIALISMO DOS...

  • Imperialismo e

    Neocolonialismo

    (1850-1945)

    Professor Bernardo Constant

  • IMPERIALISMO NA ÁFRICA

    Até a década de 1870, alguns países europeus possuíam acordos

    econômicos com reinos africanos ou controle parcial sobre certas

    regiões. No entanto, três situações marcaram uma maior presença

    europeia no continente:

    - O interesse do rei belga Leopoldo I (e principalmente de seu filho e

    sucessor, Leopoldo II), nos recursos da região do Congo levou o rei a

    fundar uma Associação para explorar o território.

    - Expedições portuguesas geraram a ocupação de territórios no

    interior de Moçambique.

    - A crescente presença francesa na Argélia, Egito, Tunísia e

    Madagáscar se fez notar a partir de 1830.

  • A PARTILHA DA ÁFRICA

    O sucesso dessas iniciativas gerou um grande

    interesse nas potências europeias por territórios

    africanos.

    As possibilidades de disputas pelo domínio das

    terras levaram os países europeus a organizarem

    a chamada Conferência de Berlim. Essa

    conferência, solicitada por Portugal, foi

    organizada pelo primeiro-ministro alemão Otto

    von Bismarck entre 1884-1885.

  • A CONFERÊNCIA DE BERLIM

    - No encontro, as potências européias negociaram a

    divisão e ocupação de territórios coloniais na África,

    definindo que região pertenceria a que império.

    - A conferência adotou o discurso de que a colonização

    seria uma missão civilizatória, o “fardo do homem branco”.

    - Por pressão do Reino Unido (com o Ultimato de 1890),

    foi estipulado que Portugal deveria abrir mão de suas

    demandas territoriais em relação a Angola e Moçambique.

  • LALALA

  • IMPERIALISMO NA ÁSIA

    - O principal país asiático a adotar políticas imperialistas foi o Japão, que a partir da modernização estimulada durante a Era Meiji, se

    tornou uma potência capitalista e industrial na região.

    - O império nipônico anexou a Coréia e regiões da China como a ilha de Formosa e a Manchúria. Para garantir o controle desses dois

    últimos territórios, entrou em guerra tanto com o império chinês

    (guerra Sino-japonesa, 1894-1895) quanto contra o russo (Guerra

    Russo-japonesa, 1904-1905), respectivamente.

  • IMPERIALISMO EUROPEU NA ÁSIA

    - No entanto, impérios europeus (principalmente o francês e o britânico) também controlaram vastas regiões no continente.

    - A Índia, colônia britânica, tinha papel-chave como fornecedora de chá e algodão – bem como de gigantesco mercado consumidor de

    bens industrializados.

    - As colônias britânicas na Índia eram controladas diretamente pela Companhia das Índias Orientais, uma empresa privada com ampla

    autonomia em suas atividades.

    - Posteriormente, a China também sofreu domínio colonial britânico, a partir da vitória inglesa na Guerra do Ópio em 1842.

  • IMPERIALISMO NA ÁSIA

  • IMPERIALISMO DOS E.U.A.

    - Após concluir a Marcha para o Oeste e a conquista de territórios do norte do México, os E.U.A. passaram a desejar exercer influência

    no resto das Américas e sobre a Ásia.

    - Os E.U.A. justificavam seu expansionismo sob o discurso do “destino manifesto”, que afirmava a superioridade da organização

    política e da raça branca anglo-saxã na América do Norte. Tinha

    notável semelhança ao discurso do “fardo do homem branco”.

    - Para além da influência militar, o domínio econômico das regiões onde os E.U.A interviram ficou a cargo da United Fruit Company e

    outras empresas transnacionais do ramo alimentício e agrícola.

  • POLÍTICA EXTERNA DOS E.U.A.

    - Sob a presidência de Theodore Roosevelt (1901-1909), se consolida a política externa que define o imperialismo americano.

    - A chamada Doutrina Monroe (elaborada inicialmente em 1820) foi o ponto central da política dos E.U.A. diante da Europa. Ela pregava

    “a América para os americanos” para rejeitar a intervenção

    (econômica, política, militar) dos impérios europeus no continente.

    - Já diante dos demais países das Américas, vigorou a ideologia do “Big Stick”, que diz: “fale mansamente e carregue um grande

    porrete”. Os E.U.A. começaram a se apresentar como a “polícia do

    mundo”.

  • IMPERIALISMO NAS AMÉRICAS

    - Nas Américas, seus alvos foram as últimas colônias espanholas : Cuba e Porto Rico.

    - Cuba caiu sob tutela dos E.U.A. ao aceitar ajuda militar no seu processo de independência – que se torna parte da Guerra

    Hispano-Americana (1898).

    - Como compensação, os americanos obrigaram os cubanos independentes a assinar a Emenda Platt (1901), que dava poderes

    de intervenção política e militar na ilha ao governo americano.

  • IMPERIALISMO AMERICANO NO ORIENTE

    - No Pacífico, os E.U.A exerceram influência sobre diversas ilhas entre a costa oeste do país e a Oceania.

    - O arquipélago do Havaí se tornou protetorado americano, eventualmente vindo a ser anexado ao território do país.

    - As Filipinas também foram alvo da interferência americana depois da Guerra Hispano-Americana.

  • O império

    britânico na

    década de

    1920.

  • O império

    francês na

    década de

    1910.

  • Expansão do

    império japonês

    entre 1870 e

    1942.

  • “Trem a vapor entre Tóquio e Yokohama”. – Utagawa Hiroshige III, 1875.

  • “Lugares famosos de Tóquio: Vista da Ponte Azuma e explosão distante de um torpedo” - Inoue Tankei, 1888.

  • Imperador Meiji Mutsuhito aos seus cinquenta anos.

  • O império

    britânico,

    liderado pela

    “Civilização”,

    combate o

    “Barbarismo”

    africano.

    Revista Puck,

    10 dez. 1902.

  • “Alguém tem que

    ceder” quando o

    “caminhão da

    civilização, comércio

    e progresso”

    encontra a horda de

    “400 milhões de

    bárbaros”.

    Revista Puck.

  • “Após muitos anos”,

    a velha Britânia

    recebe a jovem

    Colúmbia como um

    poder imperial.

    Revista Puck, 15 de

    junho de 1898.

  • “O Fardo do Homem

    Branco”, Revista

    Puck, 1º de abril de

    1899.

  • Menina do Congo

    diverte pessoas

    em zoológico humano

    em Bruxelas, Bélgica

  • Menina do Congo

    diverte pessoas

    em zoológico humano

    em Bruxelas, Bélgica.

Search related