Classificacao Universal Do Solo 24_10

  • View
    117

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of Classificacao Universal Do Solo 24_10

Curso: Engenharia Civil Disciplina: Mecnica dos Solos

Sistemas de classificao dos solos para fins rodovirios

Sistemas de classificao dos solos para fins rodovirios

Classificao USCS (Unified Soil Classification System) O Sistema Unificado de Classificao de Solos surgiu como uma evoluo do Airfield Classification System (classificao AC) Apresenta uma tabela de classificao onde se identificam trs principais divises de solos: solos de granulometria grossa solos de granulometria fina e solos altamente orgnicos

Essas trs divises so ainda subdivididas em 15 grupos bsicos Os parmetros determinantes para a classificao so granulometria e os limites de Atterberg

a

Os solos so classificados quanto ao tamanho das partculas em pedregulho, areia, silte ou argila. Os pedregulhos e as areias subdividem-se em bem graduados,

mal graduados, siltosos ou argilososOs siltes subdividem-se em siltes de baixa plasticidade, orgnicos

de baixa plasticidade, orgnicos de alta plasticidade ou elsticos

As argilas subdividem-se em pouco plsticas, orgnicas e de alta

plasticidade

Processo para classificao Inicialmente deve-se determinar se o solo orgnico, de

graduao grossa ou fina. Em seguida, com os dados de granulometria e com os limites

de Atterberg, define-se a que grupo pertence, consultando-se a Tabela de Classificao USCS. Para classificao da frao fina, utilizam-se os valores dos

limites de Atterberg e o chamado grfico de plasticidade.

O sistema SUCS (ou U.S.C.) o aperfeioamento da classificao de Casagrande para utilizao em aeroportos, adaptada para uso no laboratrio e no campo pelas agencias americanas "Bureau of Reclamation" e "U.S. Corps of Engenneers", com simplificaes que permitem a classificao sistemtica. Foi proposto por Arthur Casagrande no incio da dcada de 40. Pela primeira vez os solos orgnicos foram considerados como um grupo de caractersticas e comportamento prprio e diferente dos outros dois. As mais significativas mudanas e revises, da norma antiga, podem ser resumidas em 4 itens: A classificao de um solo feita atravs de um smbolo e de um nome; Os nomes dos grupos, simbolizados por um par de letras, foram normalizados; Argilas e siltes orgnicos foram redefinidas; Foi estabelecida uma classificao mais precisa.

Termos e smbolos utilizados SOLOSGROSSOS: G = gravel (pedregulho) S= sand (areia) W = well graded (bem graduado) P = poorly graded (mal graduado) C = clay (com argila) F = fine (com finos) SOLOS FINOS: L = low (baixa compressibilidade) H = high (alta compressibilidade) M = mo (silte em sueco) O = organic (silte ou argila, orgnicos) C = clay (argila inorgnica) TURFAS (Pt): Solos altamente orgnicos, geralmente fibrilares e muito compressveis.

Os solos esto distribudos em 6 grupos: pedregulhos (G), areias (S), siltes inorgnicos e areias finas (M), argilas inorgnicas (C), e siltes e argilas orgnicos (O).Cada grupo ento dividido em subgrupos de acordo com suas propriedades ndices mais significativos. Os pedregulhos e areias com pouco ou nenhum material fino so subdivididos de acordo com suas propriedades de distribuio granulomtrica como bem graduado (GW e SW) ou uniforme (GP e SP). Se o solo (grosso) contm mais que 12% de finos, suas propriedades devem ser levadas em conta na classificao. Como a frao fina nos solos pode ter influncia substancial no comportamento do solo, os pedregulhos e areias tm outras duas subdivises.

Se o solo (grosso) contm 5% a 12% de finos, dever ser representado por smbolo duplo: primeiro o do solo grosso (GW, GP, SW, SP), seguido pelo que descreve a frao fina: Aqueles com frao fina silte so GM ou SM. Se os finos contm argilas plsticas, os solos so GC ou SC. Se os finos so orgnicos, acrescentar com finos orgnicos. Se em pedregulho a areia >15%, acrescentar com areia. Se em areia o pedregulho ultrapassa 15%, acrescentar com pedregulho. Exemplos: GW-GM = pedregulho bem graduado com silte SP-SC = Areia mal graduada com argila GW com areia

CLASSIFICAO GERAL DOS SOLOS

SISTEMA UNIFICADO DE CLASSIFICAO DOS SOLOS SUCS

SISTEMA UNIFICADO DE CLASSIFICAO DOS SOLOS SUCS

Classificao HRB (Highway Research Board) a classificao tradicionalmente mais empregada na caracterizao de solos para uso em estradas. Critrios baseados na granulometria e plasticidade: Menos de 35% de material passando pela #200: solo classificado como material granular; compreendem os grupos A-1, A-2 e A-3. Mais de 35% de solos passando pela #200: solo classificado como material argiloso ou siltoso; compreendem os grupos A-4, A-5, A-6 e A-7. Para a classificao devem ser realizados os ensaios de granulometria por peneiramento e limites de liquidez e de plasticidade. Deve tambm ser determinado o ndice de grupo IG. De posse desses dados consulta-se a tabela de classificao HRB, sempre da esquerda para a direita.

NDICE DE GRUPO

IG um nmero inteiro variando de 0 a 20 e define a capacidade de suporte do terreno de fundao de um pavimento. Quanto menor IG melhor ser o solo. IG = 0 indica material excelente e IG = 20 indica pssimo material para subleito.

Tabela para classificao de solos HRB

Classificao Visual dos Solos (SUCS)O exame da granulometria, no campo, exige pacincia e mtodo. Secar a amostra do solo, espalhando-a sobre um papel branco. Com auxlio de uma lupa (lente de aumento), separar e avaliar a quantidade de gros individualmente visveis.

Se a maioria for visvel, o solo grosso, se no, fino.Separar ento, dentre os visveis, os gros maiores que 2 mm(dimetro). Se formarem mais da metade da frao de gros visveis, um solo pedregulhoso, se no, arenoso.

Com a parte fina, fazer os exames de Dilatncia (Dilao), Resistncia a seco e Rigidez.OBS. O termo dilatncia mal empregado, embora subscrito pelo costume. O correto DILAO, pois trata da rapidez ou demora (e nitidez) com que a gua aparece na superfcie ao ser sacudida horizontalmente a amostra, na mo.

Quanto mais rpido e ntido for essa manifestao, maior possibilidade a amostra tem de conter alta proporo de silte e/ou areia fina.O ensaio de dilao pouco utilizado, e pode ser substitudo pela observao da maneira como a amostra se fragmenta quando amassada entre os dedos, com objetivo de secagem, ao passar do estado plstico para o estado semi-slido: se ocorre uma pulverizao, provavelmente ter muito silte ou areia fina, se fragmentar-se em pequenos torres, argila.

No exame de RIGIDEZ, no campo, proceder de forma semelhante ao ensaio de plasticidade. Umedecida a amostra, formar um cilindro como o do exame mencionado, at que este comece a se romper. Neste momento, redobra-se a ateno, verificando sua rigidez e aspereza. A aspereza indica presena de areia. Quanto mais rija a massa, maior a presena e atividade da frao argilosa.

Completa-se a classificao visual do solo com a observao de seu estado indeformado, ao natural. Aos solos grossos acrescenta-se o julgamento de sua COMPACIDADE (densa ou fofa). Para os solos finos, interessa a CONSISTNCIA. Se uma amostra indeformada de solo fino pode ser amassada com os dedos, tem consistncia mole. Se no, rija ou dura. Os estados de compacidade e consistncia podem ser avaliados por correlao com o ndice de resistncia penetrao, obtido com o Standart Penetration Test (SPT) por exemplo. Areias e siltes arenosos so classificados por sua compacidade, argilas e siltes argilosos pela consistncia.

TABELA SOLOS

A SENSIBILIDADE de um solo argiloso pode ser avaliada depois de ser amolgada a amostra. Argilas sensveis so rijas ao natural, e ficam moles e pegajosas aps serem amassadas com os dedos.

A COR do solo (avaliada logo aps a coleta) deve ser descrita por cdigos numricos quando se dispe de tabela de cores (por exemplo, tabela de Munsell). Apesar do carter subjetivo, podem ser usadas as designaes: branco, cinza, preto, marrom, amarelo, vermelho, rosa, azul e verde, complementadas por claro e escuro. Podem ser usadas at duas designaes de cores. Havendo mais de duas cores, deve ser utilizado o termo variegado no lugar do relacionamento de cores.

Finalmente, deve-se observar a ORIGEM GEOLGICA do solo, isto , se porventura se trata de solo residual, coluvial, etc.Tambm deve ser observada a macroestrutura, sua provenincia, se teve evoluo pedognica (comum em solos porosos), e a existncia de furos de razes, formigueiros e fissuras. Todos estes fatores tm influncia e importncia na previso das propriedades estruturais de um solo, sob o ponto de vista geotcnico.

BOA NOITE

At a prxima aula...