BARBOSA Classificacao

  • View
    76

  • Download
    12

Embed Size (px)

Text of BARBOSA Classificacao

  • CONSELHO NACIONAL DE PESQUISASINSTITUTO BRASILEIRO DE BIBLIOGRAFIA E DOCUMENTAO

    SERVIO DE INFORMAES TCNICO-CIENTlFICAS

    C U R SO S DE PESQ U ISAS BIBLIOGRFICAS

    CLASS IF ICACOiALICE PRNCIPE BARBOSA

    .a oAU * RIO DE JANEIRO

    1 Q 9* ^ vCP'

  • CLASSIFICAO DOS CONHECIMENTOS

    Definio

    Classificar dividir em grupos ou cla,s ses, coisas, idias ou seres que apresentem entre si certo grau de semelhana.

    A palavra vem do latim classis e o termo foi usado na antiga Roma, para dividir os c:L dadaos romanos segundo o grau de sua riqueza e im portncia.Classe portanto o agrupamento de coisas,idias ou sres que tm entre si certo ponto de semelhan a oClassificao; pois, o processo de reunir coi_ sas, idias ou sres, em grupos, de acordo com o seu grau de semelhana.Caracterstica: exatamente o ponto de semelhan a, pelo qual reunimos as coisas ou idias para formar a classe,, Ex.: Deus a caracterstica da classe Religio, na classificao decimal de Dew^r.Sistema ou esquema de classificao; a reunio da.s classes, de acordo com um princpio estabele_ eido.

  • - 2

    As primeiras classificaes foram pura mente filosficas, cientficas ou at metafsi cas e no serviam para serem aplicadas aos livros, pois a finalidade era apenas de dividir os conhe_ cimentos humanos.

    Portanto, quando falamos em classificao dos conhecimentos, estamos nos referindo classificao puramente terica e, quando falamos em classificao bibg.iogrfica, estamos nos refe_ rindo classificao prtica, isto , classificao dos conhecimentos adaptada forma material dos livros. Elas so absolutamente iguais em seus princpios, diferindo porm na aplicao.

    Histrico:Desde os tempos mais antigos j se ocu

    pavam os filsofos na diviso dos conhecimentos humanos.

    Essas classificaes puramente tericas e de bases filosficas da antigidade muito influram nos sistemas de classificaes bihliogr^ ficas hoje existentes Dentre os muitos filso - fos que delas se ocuparam destacaremos:

  • - 3 -

    PlatcTc? (428-347) Classificou os conhe_ a,c. cimentos humanos em:1) Fsica2) Etica3) Lgica

    Aristteles (348-322) Classificou os ca. c. nhecimentos huma

    nos em::> Economia1) Ihratico i Poltica

    Direito

    MatemticaFsicaTeologia

    3) Arte - Produtivq, ou Cr adora

    Pgef-frio (c305 d.c) Foi o primeiro fil_ sofo a classificar os conhecimentos humanos usan do o princpio da gradao, isto , de termos de grande extenso para pequena extenso. Seu siste_ ma ficou conhecido como "rvore de Porfrio" por que le deu sua classificao o aspecto de uma rvore, bifurcando cada assunto em dois. Foio pri_ meiro exemplo de uma classificao binria (*).($) SAYERS, Berwick - A manual of classification

    for librarians and bibliographers. London , Grafton. 1955 p24.

  • _ 4

    rvore de Porfrlo

    Substncia!

    ' [ __Corpofrea Incorporea

    Corpo

    Animaldo Inanimado Ser vivo

    Sensveli1 An:

    InsensvelLmal

    Raciojnal Irracional

    Homem,

    La (439 doC) Na suaN;/:

    Martinus Capei:Satyricon dividiu as artes liberais em 7 grupos:

    1) Gramtica ! 5) Astronomia2) Dialtica ! 6) Msica3) Ratrica I 7) Aritmtica4) Geometria jCassiodoro (C 550 dC) Um sculo depois

  • - 5 -

    de Capella, Cassiodoro usou a mesma diviso das artes liberais, reunindo-as em 2 grupos que fica ram conhecidos como: Trivium e Quatrivium (as se te artes liberais):

    Trivium(Scientiae Ser

    mocinalesT ou artes

    (gramti( ca (dialti(ca. t (retri ca

    Quatrivium

    (geometria (Scientiae (aritmtica reales) (astronomia

    (msica

    sse sistema de classificao foi usado nas escolas da Europa durante a Idade Mdia. Com variaes de formas influiu em muitas outras clas_ sificaes, principalmente na de Gessner.

    G-essner, Konrad (1516-65) Botnico e bi_ bligrfc* idealizou um sistema que foi chamado por muitos "o primeiro esquema de classificao bibliogrfica". Baseou-se no do "Trivium e Qua - trivium de Cassiodoro, tendo como base a Filosofia. Foi a primeira tentativa de relacionar os li_

    votou rZt> A nvros por ^-^shos de acordo com uso educacionale cientfico da poca

  • - 6 -

    rs, dos livros em latim, grego e hebraico o A se_ gunda parte chamada "Pandectarum sive partitio- rium Universalium", uma classificao por assunto dos livros mencionados na I parte0 Seusi tema foi, em muito, superior aos at ento exi:3 tentes c

    A seguinte tabela simplesmente a lista dos 21 livros do "Pandects": (&)

    Philospphia (artes et scientias) (Ver pgina anexa n^ 7a)

    (&) SAYERS, W.C. Berwick - An introduction tolibrary classification. 9th ed. London , Grafton, 1954- p. 82.

  • - 7 -

    (ver pgina 7a)

  • 8 -

    Bacon, Francis (1605) Idealizou um si,s tema tambm originrio no Trivium e Quatrivium de Gassiodoro e baseado nas faculdades humanas da Memria - Imaginao - Razo

  • Piiilosophia (artes et scientias)

    rNecessria

    Prparante si

    Ornantes -

    Substantiales - - -

    V

  • - 7a -

    Sermocinales

    Maaeiaaticas

    e Grammatica et Philologia e Dialtica o Retrca o Potisac Arithmtica o Geometria, Optica etc.o Msica 8 c Astronomia .9 Astrologiao De divinatione et magia . Geografia o Historia. De diversibus artibus illiteratis, mechanics etc (Arts, Crafts,Useful Arts)

    c De Naturali philosophia o De prima philosophia?sue metaphysica et theologie

    o De morali philosophia . De philosophia economica o De re politica, id et civili ac military

    o De Jurisprudentia c De re medica (Medicine) o De Theologia Christiana

  • - 9 -

    Muitos outros filsofos poderiam ser ci_ tados, mas, dentre eles, convm lembrar aindasU Conte, Augusto (1822) que estabeleceu oconceito moderno da hierarquia das cincias e o princpio da filiaao, pelo qual cada cincia de_ pende da precedente0 le adotou a ordem dos conhecimentos humanos,, como sendo uma ordem de generalidade decrescente e complexidade crescente Suas sries comeam com a Matemtica, progredindo em sentido decrescente para a Astronomia, F_ sica, Qumica* Biologia e Sociologia o*-

    jtt. f / " V

    Bibliografia Consultada

    BOA MORTE, Las - Catalogao e classificao , IBBDo 1959 (smulas de aulas)

    LENTINO, Noemia - Classificao decimal o Sao Pau lo, Leia? 1959o 295p*

    SAYERSj W.C. Berwick - An introduction to library \j classification, fheoretical, historical and

    practical with readings exercises and examinat ion paperso 9th edo London, G-rafton, 1954 320po

    V

    #

  • - 10 -

    ______ A manual of classification for librariesand bibliographers 3d ed London, Grafton , 1955. 346p0

    SHERA, 9Mo - Documentao e organizao biblio- grficao IBBDo 1957 (smulas de aulas)

    SOARES DE SOUZA, Jos - Classificao Sistema db classificao bibliogrfica 2.ed Sao Paulo , Liv. Martins fsodf] 148p0

  • \CLASSIFICAO DE LIVROS

    Definio:Classificar livros agrup-los em cla_s

    ses de assuntos, segundo um determinado sistema e, ao mesmo tempo, dar-lhes um lugar determinado nas estantes

    E muito antiga a preocupao dos biblio_ tearios em dar aos livros um lugar certo nas es tantes, mas, as primeiras classificaes usa das falharam nos seus objetivos, por terem sido feitas sob base filosfica visando apenas o agrupamento dos conhecimentos humanos

    Um livro pode tratar de um s assunto , de assuntos correlatos ou at de assuntos diver- sos, mas, nas est^ we&isir- das biblio,tecas, s deve estar num lugar.

    0 arranjo do livro nas estantes precisa ser flexvel, isto , deve permitir a insero denovos livros entre os j existentes na coleo etambm o seu deslocamento de prateleira para pra_ teleira, sem desarrumar a ordem natural dos mesmos.

    Os sistemas de classificaes podem ser

    - 11 -

  • - 12 -

    divididos em:fferais - quandG incluem todos os

    ramos do conhecimento hu mano;

    2) especiais - quando incluem apenas umramo do conhecimento humano o

    Segundo suas caractersticas; as classi_ ficaes bibliogrficas, que visam o arranjo dos livros nas estantes, podem ser grupadas em:

    1 ) naturais ou lgicas - quando o ponto de semelhana ou caracterstica fr

    inerente ao objeto ou coisa a ser classificado

  • - 13 -

    Como exemplos dste tipo, temos:a) alfabticas - feitas pelas letras

    do alfabeto, sendo o tipo mais c

  • - 14 -

    1 ) formato - tamanho dos livros, taisco_ mo in-folio, in quarto etc E o mais

    antigo9 mas ainda hoje usado em algumas bibliote_eas pela economia de espao;

    2) encadernao - feito pelos diieren - tes tipos, tais como couro pano,per

    gaminho etc;3 ) autor - ordem alfabtica dos autores

    nas estantes o Tambm ainda usado;4) lngua do livro - ordem alfabtca da

    lngua em que foi escrito o livro;5) pas de impresso - ordem alfabtica

    dos pases;6) gnero literrio - separao dos li

    vros em poesia, drama, romance etc Ainda muito usado dentro da classe literatura;

    7 ) data de impresso - feito pela ordem cronolgica das datas de publicao;

    8) cores - cada cr correspondendo a u- ma classe de assunto;

    9 ) assunto - feito pele assunto que con tm o livro, de acordo com as. -mto

    sistema

  • Esta classificao por assunto, deve ser a preferida nas bibliotecas modernas, pois facilita o uso do livro e permite a localizao rela tiva dos mesmos nas esta****-..-

    A localizao chamada relativa4 porque os livros no tm lugar fixo nas estantes, is to , os novos livros so inseridos nos grupos j existentes, sem prejudicar a ordem lgica da cias sificao, nem a localizao dos livros j existentes Os livros podem ser mudados de prateleira, d-ft estante para estante, sem alterar as suas classificaes o

    Sabendo ento que a classificao prefe_ rida deve ser a de assu