Classificacao de Lischer

  • View
    624

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Classificacao de Lischer

1 THE DENTAL COSMOS THE DIAGNOSIS OF MALOCCLUSIONS By B. E. Lischer, D. M. D., St. Louis, Mo. (Read before the St. Louis Dental Society, November 1, 1910) The Dental Cosmos 1911 53 (1-6) pags. 412-422 / B. E. Lischer / The Diagnosis of Malocclusion

O DIAGNSTICO DA MALOCLUSOPor B. E. Lischer, D.M.D., St. Louis, Mo. (Exposto perante a Sociedade Dental de St. Louis, 1 de novembro de 1910) O axioma dental de que apenas uma dentadura normal pode desempenhar funes normais est cada vez mais aceito. Isso no somente implica a imunidade contra cries e a ausncia de diversas leses dos tecidos orais, mas tambm uma dentadura cuja forma arquitetnica se aproxima do ideal.

Fig. 1 - Macrognatismo mandibular, ou mandbula macrogntica Para poder desempenhar as funes complexas s quais os dentes se destinam, eles desenvolvem formas caractersticas e assumem posies anatmicas muito apropriadas. Um conhecimento detalhado dessas finas relaes

2 simtricas absolutamente essencial na prtica ortopdica, pois antes de corrigir qualquer malocluso, estamos confrontados com duas perguntas: (a) Qual a natureza e extenso da anormalidade a ser corrigida? e (b) Qual a condio que queremos estabelecer? No final, essas indagaes sempre nos levam a fazer as seguintes perguntas tambm: (c) Quais movimentos sero necessrios? e (d) Quais os mtodos de tratamento que melhor providenciam esses movimentos? O iniciante consideraria a seleo do remdio, ou a resposta pergunta (d), o ponto mais importante. Mas, um profissional com pouca experincia j consegue demonstrar que isso seria um erro e que a nica abordagem lgica para o nosso problema seguir a ordem na qual elas esto apresentadas aqui. A resposta nossa primeira pergunta (a) implica um diagnstico exato, uma interpretao da anormalidade com base na normalidade. E, uma vez que o objetivo de todo tratamento de estabelecer relaes normais, a significncia que constitui uma dentadura normal torna-se evidente. O arranjo dos dentes na forma de duas curvas parablicas dentro dos processos alveolares das mandbulas chamado alinhamento. Quando um dente desvia, na sua posio, dessa linha ideal, isso denominado um mau alinhamento ou mau posicionamento. Quando elas se juntam, durante a mastigao, os dentes alinhados de modo normal exibem um interalinhamento muito ntido. Essa relao ntima, que existe entre as cspides dos dentes inferiores no contato normal com os superiores, chamada de ocluso. uma funo primria dos dentes e depende de sua posio. Quando um dente ocupa uma posio anormal e, portanto, durante o fechamento, forma um contato anormal com seus antagonistas, isso chamado de malocluso. Trata-se de um termo genrico que designa coletivamente as vrias formas anormais da ocluso. s vezes, os dentes assumem ms posies to extremas que so formadas verdadeiras no- ocluses e os dentes no conseguem entrar em contato com seus antagonistas. (Fig. 6).

3

Fig. 2 - Viso da ocluso dos dentes da Fig. 1. A mesiocluso nada mais que um sintoma da deformao da mandbula. Histrico A malocluso dentria se apresenta em uma variedade quase infinita de formas e por muitos anos acreditava-se, em geral, que sua classificao era uma tarefa impossvel a ser realizada. Mas, felizmente, muitos pesquisadores no compartilhavam essa opinio e comearam a pr ordem nessa confuso aparente e detectar semelhanas nessa grande quantidade de desvios da normalidade. Eles descobriram que uma classificao completa era o maior problema na difcil arte do diagnstico e por isso criaram um sistema para essa finalidade. A primeira tentativa registrada foi a do dentista alemo Kneisel (1) que props os dois seguintes grupos: parcial e completo. O termo parcial designa a m posio do dente individual e o termo completo se refere aos relacionamentos anormais dos arcos dentrios. Entre os muitos outros mtodos propostos desde ento, podemos citar os dos seguintes autores como sendo os mais importantes: Carabelli (2), Magitot (3), Iszlai (4), Sternfeld (5), Angle (6), Welcker (7), Grevers (8), Herbst (9), Zsigmondy (10) e Villain (11). Esses esforos de estabelecer uma estenografia conceitual so, na sua maioria, incompletos e principalmente baseados nas manifestaes patolgicas.

4 Muitos outros desses mtodos que surgiam eram baseados em um determinado tratamento a ser institudo e revelaram possuir conceitos deturpados. Alm disso, algumas dessas teorias continham propostas de melhoramento da nossa nomenclatura e incluam sistemas de termos que, atravs da prpria etimologia, transmitiriam uma imagem das condies envolvidas. Mas, por mais desejveis que esses esforos possam ser, eles no conseguem resolver as nossas dificuldades e, at o momento da publicao desse artigo, nenhum deles foi aceito universalmente.

Fig. 3. - A, Relao do arco na mesiocluso bilateral. A linha b x indica sua relao normal e b y sua relao na distocluo. B, Diagrama de uma relao de arco normal. (Krbitz.) Definio do Diagnstico Quando interpretado de maneira mais ampla, cada diagnstico implica vrias condies gerais, por exemplo, a idade e a sade geral e oral do indivduo, o grau relativo de seu crescimento e desenvolvimento, o reconhecimento dos fatores causativos, etc. Porm, a praxe limita o uso do termo para diferenciar, entre si, as afeces que pertencem a um grupo de anormalidades com sintomas semelhantes. Portanto, na prtica ortodntica, ele inclui (a) a distino de uma forma de malocluso de outra, (b) a deteco de anomalias de dentio (e das mandbulas, e das estruturas relacionadas), com exceo daquelas de posio e ocluso e (c) o grau de deformidade facial associado a elas. A primeira vista, poderia parecer que para um problema prtico to essencial j existiria uma soluo satisfatria e que no deveria existir mais nenhum desacordo sobre um assunto to fundamental, pelo menos em termos gerais. Alm disso, a tendncia mais proeminente da prtica ortodntica atual enfatiza a preveno mais do que a cura e destaca a necessidade de um tratamento precoce o que por sua vez requer um diagnstico precoce. As formas severas de malocluso no se desenvolvem da noite para o dia: anos antes que os pais inteligentes consigam reconhecer a deformidade iminente, o

5 diagnosticador alerta pode recomendar maneiras e meios para preveni-la. Vamos perguntar, em primeiro lugar: Quais as condies da malocluso? A nossa resposta deve ser a seguinte: Existem apenas trs condies que levam malocluso elas so condies to fundamentais que a maioria dos autores j reconhece sua significncia bsica e cada uma dessas condies pode ser separada em divises elementares, independentemente de suas numerosas combinaes. De maneira resumida, essas trs condies so: (1) a malformao das mandbulas e de seus processos. (2) A m relao dos arcos dentrios. (3) A m posio dos dentes. Infelizmente, suas numerosas combinaes impedem para sempre a possibilidade de desenvolver um sistema de termos que possa responder a todas as exigncias e ainda assim ser prtico. Mas exatamente essa fase enigmtica do nosso problema que deu origem presente tentativa de soluo. Vamos rapidamente examinar essas trs condies na ordem de sua importncia. Malformao das mandbulas A malformao das mandbulas a condio mais sria com a qual ns nos deparamos e, s vezes, ela constitui uma deformidade to severa que a sua correlao foge da nossa rea. Portanto, quando um caso apresenta uma malformao pronunciada de uma ou de ambas as mandbulas, ela deve ser enfatizada e receber a primeira meno na denominao da deformidade (Fig. 1).

6

Fig. 4 - Distocluso bilateral Para fins de ilustrao, vamos supor que um mdico seja chamado para o leito de um paciente com apendicite e anuncie seu diagnstico famlia preocupada da seguinte maneira: "Ele est sofrendo da febre n. 3". Sabemos que a febre considerada um dos sintomas da apendicite, assim como uma dor forte na regio do ponto de McBurney representa um sintoma cardinal, ambos fazem parte do seu quadro clnico tpico. Mas, teria ele o direito de fugir dos fatos dessa maneira? De maneira semelhante, uma m relao mesial do arco inferior e o mau posicionamento labial dos incisivos e caninos inferiores so sintomas de um desenvolvimento excessivo da mandbula. Mas dizer, nesse caso, que o arco inferior est de mesial para normal, ou que os molares inferiores esto de ocluso mesial, ou que se trata de um caso de classe III, dizer apenas a metade da verdade e, com certeza, no toda a verdade. (Fig. 2). Se pudssemos remover todos os tecidos moles que cobrem a mandbula nesse caso, para exp-la inteiramente, ser que a deformao geral desse osso e no os dentes superpostos e suas ocluses - no atrairia a nossa ateno em primeiro lugar? E, ao analis-la, damo-nos conta da futilidade de todos os mtodos odontolgicos, especialmente quando ignoram esse fato fundamental. claro que

7 a idade do paciente um fator importante no tratamento de tais casos e os desenvolvimentos recentes da nossa arte estabeleceram o fato de que um tratamento precoce da malocluso (garantindo a funo dental normal) invariavelmente corrige a deformao iminente alm dos dentes e seus alvolos.

Fig. 5 - Distocluso unilateral Alm disso, bvio que as malformaes mandibulares se manifestam de vrias maneiras. Por isso, preciso enumerar os vrios tipos e adotar uma terminologia satisfatria. A literatura medicinal denomina, h anos, as deformidades congnitas das mandbulas com o termo geral de polignatismo. Ele inclui o epignatismo, agnatismo, hipognatismo, etc. e os autores europeus continentais usam o sufixo gnacia (que significa mandbula) com bastante facilidade, no sendo ele ento inteiramente novo na cincia dental. O autor sugere, portanto, que ele seja adotado nesse contexto. As deformaes das mandbulas podem se manifestar na forma de um desenvolvimento excessivo, designado pelo termo macrognatismo, ou na forma de um desenvolvimento interrompido, designado pelo termo micrognatismo. Quando ela se restringe mandbula superior, a deformao designada pela palavra maxilar e qu