Click here to load reader

Tcc - Vanderlei 2013-Signed

  • View
    64

  • Download
    5

Embed Size (px)

Text of Tcc - Vanderlei 2013-Signed

  • INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAO TECNOLGICA DA PARABA

    DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DE ENSINO

    COORDENAO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM

    AGROECOLOGIA

    HORTA AGROECOLGICA: UMA FERRAMENTA PARA REINSERO DE

    PESSOAS COM SOFRIMENTO PSQUICO

    PICU PB 2013

  • VANDERLEI ARAJO DE LIMA

    HORTA AGROECOLGICA: UMA FERRAMENTA PARA REINSERO DE

    PESSOAS COM SOFRIMENTO PSQUICO

    Trabalho de Concluso de Curso apresentado ao

    Curso Superior de Tecnologia em Agroecologia do

    Instituto Federal de Educao, Cincia e Tecnologia

    da Paraba, campus Picu, em cumprimento s

    exigncias parciais para obteno do ttulo de

    Tecnlogo em Agroecologia.

    ORIENTADOR: Jandeilson Alves de Arruda

    PICU PB 2013

  • VANDERLEI ARAJO DE LIMA

    HORTA AGROECOLGICA: UMA FERRAMENTA PARA REINSERO DO

    USURIO COM SOFRIMENTO PSIQUICO

    Trabalho de Concluso de Curso apresentado ao

    Curso Superior de Tecnologia em Agroecologia do

    Instituto Federal de Educao, Cincia e Tecnologia

    da Paraba, campus Picu, em cumprimento s

    exigncias parciais para obteno do ttulo de

    Tecnlogo em Agroecologia.

    Aprovado em: 26/08/2013.

    BANCA EXAMINADORA

    __________________________________________________________

    Prof. MSc. Jandeilson Alves de Arruda

    Instituto de Educao, Cincia e Tecnologia da Paraba.

    _________________________________________________________

    Prof MSc. Maria das Graas Negreiros de Medeiros

    Instituto de Educao, Cincia e Tecnologia da Paraba.

    __________________________________________________________

    Esp. Martinho Sergio de Medeiros Casado

    Centro de Ateno Psicossocial, Picu Paraba.

    Vanderlei Arajo de Lima

  • Dedico esta monografia a minha famlia pela

    f e confiana demonstrada

    Aos meus amigos pelo apoio incondicional

    Aos professores pelo simples fato de estarem

    dispostos a ensinar

    Ao meu orientador pela pacincia

    demonstrada no decorrer do trabalho

    Enfim a todos que de alguma forma

    tornaram este caminho mais fcil de ser

    percorrido.

    Dedico!

  • AGRADECIMENTOS

    Agradeo em primeiro lugar a Deus que iluminou o meu caminho durante esta

    caminhada.

    minha esposa, Maria das Vitrias Cunha Lima, que de forma especial e carinhosa

    me deu amor, fora e coragem, me apoiando nos momentos de dificuldades, quero agradecer

    tambm.

    Aos meus filhos, Vagner Cunha Lima e Vlbia Cunha Lima, que compreenderam

    minha ausncia nas reunies familiar, mas iluminaram de maneira especial os meus

    pensamentos me levando a buscar novos conhecimentos. E no deixando de agradecer de

    forma grata e grandiosa.

    Aos meus pais, Sebastio Ramos de Lima (in memria) e Aurora Arajo de Lima, a

    quem eu rogo todas as noites a minha existncia.

    Aos meus irmos, Orlando Arajo de Lima, Renivaldo Arajo de Lima e Alberto

    Arajo de Lima, pelo incentivo desta conquista.

    Aos professores, que fazem parte da minha vida acadmica, meu muito obrigado, em

    especial as Professoras Talita Freitas Filgueira de S e Maria das Graas Negreiros de

    Medeiros, que juntos tivemos esta iniciativa e foi o primeiro projeto de extenso do IFPB,

    Campus Picu PB. Agradeo por todos os ensinamentos.

    Aos meus colegas da turma pioneira do Curso de Tecnologia em Agroecologia, pelo

    apoio, companheirismo, compreenso e amizade.

    Ao meu orientador e professor Jandeilson Alves de Arruda, por seu apoio e inspirao

    no amadurecimento dos meus conhecimentos e conceitos que me levaram a execuo e

    concluso deste TCC.

    Aos usurios do Centro de Ateno Psicossocial (CAPS) que me recebera de forma

    to cariosa e no mediram esforos para estar me ajudando sempre que eu solicitava.

    A todos servidores do CAPS e o Prefeito Accio Arajo Dantas pelo apoio e

    dedicao a esse Projeto.

  • Dados Internacionais de Catalogao

    Biblioteca IFPB, Campus Picu

    L732h Lima, Vanderlei Arajo de.

    Horta agroecolgica: uma ferramenta para reinsero de pessoas

    com sofrimento psquico / Vanderlei Arajo de Lima. Picu, 2013.

    108 f. 49: il.

    Monografia (Graduao Tecnologia em Agroecologia) Instituto Federal de Educao Tecnolgica da Paraba, IFPB Campus Picu/Coordenao de Tecnologia em Agroecologia, 2013.

    Orientador: MSc. Jandeilson Alves de Arruda

    1. Agroecologia. 2. Sade mental. 3. Reforma psiquitrica. 4. Oficina

    ocupacional. I. Ttulo

    CDU 631.95

  • RESUMO

    O sofrimento psquico uma condio que gera um efeito adverso no habitual das pessoas,

    com influncia direta na capacidade de exercer atividades da vida diria, como atividades de

    autocuidado, higiene, alimentao, lazer, alm de atingir no convvio familiar e social. Na

    reabilitao psicossocial a oficina ocupacional atravs de hortas agroecolgicas assume

    atitude de extrema importncia, pois produz formas de contribuir com a reinsero do usurio

    com sofrimento psquico, baseado nos ensinamentos da agroecologia, que vem trazendo

    avanos renovadores na cincia e tecnologia, principalmente no lado scio cultural da

    humanidade. Respeitando as limitaes de cada um e atravs das atividades exercidas neste

    projeto, temos a esperana de contribuir para que os usurios assistidos tenha oportunidade de

    fortalecer os laos familiares e sociais no tratamento alternativo que vem substituindo o

    modelo dos hospitais psiquitricos com recursos centrados na comunidade, a exemplo do

    Centro de Ateno Psicossocial I (CAPS I), que trabalha em uma perspectiva de

    desenvolvimento de autonomia e cidadania dos usurios, sendo assim CAPS e Agroecologia

    configura-se em novo paradigma no campo da sade mental. O presente trabalho fornece uma

    leitura desenvolvida em um trabalho de concluso de curso realizado no Centro de Ateno

    Psicossocial I do municpio de Picu - Paraba.

    Palavras-chave: Agroecologia, Sade mental, Reforma psiquitrica, Oficina ocupacional.

  • ABSTRACT

    The psychological suffering is a condition that causes an adverse effect on normal people,

    with direct influence on the ability to perform activities of daily living, such as self-care,

    hygiene, food, leisure, in addition to achieving the social and family life. Workshop on

    psychosocial rehabilitation through occupational agroecological gardens takes attitude of

    extreme importance because it produces ways to contribute to the reintegration of the user

    with psychological distress, based on the teachings of agroecology, which is bringing

    renovators advances in science and technology, especially on the social culture of humanity.

    Respecting the limitations of each, and through the activities carried out in this project, we

    hope to contribute to that users have watched an opportunity to strengthen family ties and

    social treatment alternative that is replacing the model of psychiatric hospitals with resources

    focused on community such as the Psychosocial Care Center I (CAPS I), working in a

    development perspective of autonomy and citizenship of users, so CAPS and Agroecology

    sets up a new paradigm in the field of mental health. This paper provides a reading developed

    into a work of completion held at the Center for Psychosocial I the municipality of Picu -

    Paraba.

    Keywords: Agroecology, Mental Health, Psychiatric reform, occupational workshop.

  • LISTA DE FIGURAS

    FIGURA 1 - Quadro funcional do CAPS I / Picu PB. ........................................................ 12

    FIGURA 2 - Percentual de usurios em atendimento, por modalidade: Intensivo, semi-

    intensivo e no intensivo. . ....................................................................................................... 13

    FIGURA 3 - Localizao da horta agroecolgica nas dependncias do CAPS I/Picu PB .. 14

    FIGURA 4 - Percentual de usurios em atendimento por sexo .............................................. 17

    FIGURA 5 - Perfil dos usurios em atendimento, por faixa etria ........................................ 17

    FIGURA 6 - Perfil socioeconmico dos usurios em atendimento ......................................... 18

    FIGURA 7 - Manifestaes iniciais dos sintomas do sofrimento mental .............................. 19

    FIGURA 8 - Avaliao dos usurios sobre o projeto horta agroecolgica no CAPS. ............ 19

    FIGURA 9 Bom Dia CAPS ................................................................................................. 20

    FIGURA 10 - Construo dos canteiros de bases agroecolgica A e B ................................. 20

    FIGURA 11- Escarificao de sementes, (A), Preparo do adubo (B), Semeadura (C), e

    Irrigao (D), realizado pelos usurios do CAPS I do municpio de Picu, PB. ..................... 21

    FIGURA 12 Cultura da cebola mulatinha na horta agroecolgica do CAPS ...................... 22

    FIGURA 13 Percentual de usurios que acharam proveitoso aprender a cultivar hortalias

    .................................................................................................................................................. 22

    FIGURA 14 Percentual de usurios que acharam satisfatria a insero de hortalias nas

    refeies oferecida no CAPS ................................................................................................... 23

    FIGURA 15 - Usurios e pedagoga com rabanete (A) colheita do coentro (B), hortalias

    produzidas na horta agroecolgica (C e D). ............................................................................. 23

    FIGURA 16 - Percentual de usurios que modificou o hbito alimentarem aps a participao

    no projeto ................................................................................................................................. 24

    FIGURA 17 - Percentual de usurios que comearam a cultivar hortalias em casa aps

    participao no projeto ............................................................................................................ 25

    FIGURA 18 - Percentual de familiares que aprovaram a realizao do projeto como oficina

    ocupacional para os usurios CAPS ......................................................................................... 26

    FIGURA 19 - Percentual de avaliaes dos profissionais do CAPS ...................................... 26

  • SUMRIO

    1 INTRODUO. .................................................................................................................... 1

    1.2 OBJETIVO .......................................................................................................................... 2

    1.2.1 Objetivo Geral ................................................................................................................... 2

    1.2.2 Objetivos Especficos ........................................................................................................ 2

    2 REFERENCIAL TERICO ............................................................................................... 4

    2.1 AGROECOLOGIA ........................................................................................................... 4

    2.2 Relaes Homem x Agroecologia x meio ambiente ............................................................ 4

    2.3 Pessoas com sofrimento psquico e excluso social ............................................................ 5

    2.4 Incluses sociais por meio da educao ambiental .............................................................. 6

    2.5 Hortas agroecolgica e incluso social ................................................................................. 7

    2.6 Centros de Ateno Psicossocial CAPS ............................................................................ 8

    2.6.1 As funes dos CAPS. ..................................................................................................... 10

    2.6.2 Centro de Ateno Psicossocial I (CAPS I) de Picu - Paraba. ...................................... 10

    2.6.3 Relao de nomes e cargos dos funcionrios do CAPS I de Picu - PB ......................... 11

    2.6.4 Tipos de atendimentos no Centro de Ateno Psicossocial I (CAPS I) de Picu PB .. 12

    3. MATERIAL E MTODOS ............................................................................................... 14

    3.1 LOCALIZAES DO ESPAO LABORAL: A HORTA OCUPACIONAL DE

    BASE AGROECOLGICA .................................................................................................. 14

    3.2 Pblico-participante ............................................................................................................ 15

    3.3 Desenvolvimentos das atividades ...................................................................................... 15

    3.4 Coletas de dados e anlise de dados .................................................................................. 16

    4. RESULTADOS ................................................................................................................... 17

    4.1 PERFIS DOS USURIOS DO CAPS I DE PICU - PB ............................................... 17

    4.2 Os sintomas iniciais dos sofrimentos psquico que acontecem aos usurios. .................... 18

    4.3 Efeitos das atividades laborais na hora sobre o comportamento e qualidade de vida dos

    usurios do CAPS. .................................................................................................................... 19

    4.4 Relatos dos familiares sobre a horta agroecolgica .......................................................... 26

    4.5 Vises dos profissionais do CAPS da utilizao da horta agroecolgica .......................... 26

    5. CONCLUSES. .................................................................................................................. 29

    REFERNCIAS. .................................................................................................................... 30

    APNDICES 34

    ANEXO 38

  • 1

    1 INTRODUO

    A humanidade marcada pela presena de diferenas entre os seres, seja de cor, etnia,

    sexo, ideologia religiosa, orientao sexual, dentre outros. Apesar disso, no decorrer da

    existncia das civilizaes, essas diferenas nunca foram vistas e entendidas como normais.

    Aqueles que no se enquadram nos padres de normalidade impostos pela sociedade

    geralmente so rotulados, discriminados e excludos, sendo tratados muitas vezes de maneiras

    agressiva, seja fsica, moral ou mentalmente.

    Nesse contexto encontram-se as pessoas com sofrimento psquico. O conceito de

    sofrimento psquico muito complexo, pois envolve discusses de cunho social e mdico,

    gerando controversas entre psiclogos e psiquiatras. A despeito disso, de maneira geral, se

    aceita a pessoa com sofrimento psquico que apresenta exagerado e duradouro desconforto

    emocional, angstia, tristeza, falta de expresso afetiva, esgotamento emocional, isolamento

    social entre outros sintomas.

    A reforma Psiquitrica no Brasil a ampla mudana do atendimento pblico em Sade

    Mental, que garante o acesso da populao aos servios e o respeito a seus direitos e

    liberdade. amparada pela lei 10.216/2001, conquista de uma luta social que durou 12 anos.

    Significa a mudana do modelo de tratamento: no lugar do isolamento, o convvio com

    a famlia e a comunidade. O atendimento feito em Centros de Ateno Psicossocial (CAPS),

    Residncias Teraputicas, Ambulatrios, Hospitais Gerais, Centros de Convivncia. As

    internaes, quando necessrias, so feitas em hospitais gerais ou nos CAPS/24 horas. Os

    hospitais psiquitricos de grande porte vo sendo progressivamente substitudos.

    Em conformidade nesta reforma, o municpio de Picu-Paraba adotou o CAPS I, no

    modelo renovador a sade mental por apresentar elevado nmero de pessoas com sofrimento

    psquico. Essas pessoas que antes eram consideradas invlidas pela sociedade, rotuladas como

    incapazes perigosas e que deveriam permanecer isoladas.

    O CAPS I de Picu, atualmente atende pessoas com sofrimento psquico do municpio

    e regio polarizada. Trabalha uma equipe multiprofissional que desenvolve atividades

    diversificadas como atendimentos individuais e/ou em grupo, acompanhamento em atividades

    externas, atendimento aos familiares dos usurios, oficinas teraputicas, atividades fsicas,

    ldicas, alm da assistncia medicamentosa, que antes era considerada a principal forma de

    tratamento. Eles recebem tambm atendimento psiquitrico, psicolgico e social.

  • 2

    A Terapia Ocupacional vem sendo utilizada de forma dinmica, que tem a relao aos

    princpios estabelecidos pela trilogia terapeutausurioatividades compe um campo

    transicional no qual possvel ao usurio, construir e reconstruir sua histria, tendo estes

    princpios servindo base para o seu funcionamento na reforma psiquitrica.

    Outros trabalhos realizados nas cidades de Uberlndia-Minas Gerais e Dracena-So

    Paulo com recursos naturais tm mostrado que o envolvimento de pessoas com sofrimento

    psquico com utilizao de recursos naturais resulta em melhoria da qualidade de vida dos

    mesmos. Uma das melhores maneiras de possibilitar isso tem sido por meio de oficinas

    ocupacionais, que alm de cumprir com esse propsito ainda contribui na qualidade vida das

    pessoas com sofrimento psquico.

    As oficinas ocupacionais se apresentam como mais uma ferramenta, que somada a

    outras colaboram para reabilitao psicossocial da pessoa com sofrimento psquico.

    Valorizando a histria de vida com suas caractersticas de forma que esta pessoa sinta-se

    acolhido, neste contexto, entende-se que as oficinas possibilitam esta ponte entre o sofrimento

    psquico e a lucidez, respeitando o compasso de cada um.

    Este trabalho visa construo de horta agroecolgica como uma ferramenta para a

    reinsero da pessoa com sofrimento psquico. Nela os usurios CAPS I, Picu PB

    participaro de oficinas ocupacionais ligadas s atividades laborais de conduo na horta

    estimulando sua percepo como componente do ambiente e estreitando as relaes sociais

    com membros familiares. Dessa forma espera-se que essas atividades possam contribuir para

    melhoria de vida dos usurios do CAPS com sofrimento psquico, seus familiares e ajudar a

    introduzir na reinsero social, porque esta uma das metas da agroecologia.

    1.2 OBJETIVO

    1.2.1 Objetivo Geral

    Utilizar de vivncias agroecolgica, atravs da produo de hortalias, como elemento

    de reinsero da pessoa com sofrimento psquico como atividade ocupacional auxiliando no

    tratamento.

    1.2.2 Objetivos Especficos

    I. Implantar uma horta diversificada de base agroecolgica no Centro de Ateno

    Psicossocial do municpio de Picu - PB;

  • 3

    II. Traar o perfil socioeconmico dos usurios que frequentam o CAPS I de Picu e

    identificar os principais sofrimentos psquicos que acometem os mesmos;

    III. Avaliar o efeito das atividades realizadas na horta no comportamento dos usurios do

    CAPS I de Picu;

    IV. Identificar o papel das aes desenvolvidas na horta como atividade ocupacional

    auxiliando no tratamento do sofrimento psquico;

    V. Identificar melhorias da qualidade de vida dos usurios do CAPS I de Picu e seus

    familiares em funo das atividades desenvolvidas na horta agroecolgica.

  • 4

    2 REFERENCIAL TERICO

    2.1 AGROECOLOGIA

    A agroecologia, segundo (ALTIERI,2002) a cincia ou disciplina que apresenta uma

    srie de princpios, conceitos e metodologias para estudar, analisar, dirigir, desenhar e avaliar

    agroecossistemas, com o propsito de permitir a implantao e o desenvolvimento de estilos

    de agricultura com maiores nveis de sustentabilidade. Ela nos reporta noo de agricultura

    menos agressiva ao meio ambiente promovendo a incluso social e proporcionando

    melhores condies econmicas para os agricultores; tem carter multidisciplinar e apresenta

    uma srie de princpios de natureza sustentvel.

    O conceito de agroecologia vem sendo muito utilizado para identificar a

    sustentabilidade no meio agrcola e como referncia s prticas agrcolas que buscam obter

    boa produtividade animal e vegetal, trabalho e moradias decentes, diversidade de alimentos,

    de tcnicas, de mtodos e de experincias criadas e desenvolvidas, utilizando tcnicas no

    degradantes aos meios fsico, atmosfrico e biolgico (TEDESCO, 2006).

    Como prtica, a agroecologia contempla o uso adequado dos recursos naturais. Porm,

    a agroecologia mais que isso, como cincia ela atua na modificao do meio ambiente e

    relaes sociais, fortalecendo o papel de todos como atores sociais ativos na sociedade; ela

    dignifica a pessoa humana quando valoriza o conhecimento emprico e modo de vida inerente

    de cada populao ou grupo social.

    Assim sendo, a agroecologia deve ser vista como uma cincia importante no s para

    o meio agrrio ou ligada ao campo; cada vez mais ela est presente no cotidiano de pessoas

    residentes em zonas urbanas e periurbanas, tornando-se um dos meios pelos quais grupos

    excludos ou marginalizados pela sociedade ganham fora e voz, tendo em vista os prprios

    fundamentos cientficos da agroecologia e a busca incessante pela sustentabilidade, aqui

    entendida em suas seis dimenses (ecolgica, econmica, cultural, social, poltica e tica)

    como bem explanaram (COSTABEBER E CARPORAL, 2003).

    2.2 Relaes Homem x Agroecologia x meio ambiente

    A forma de compreender o ambiente, a relao do agricultor (ser humano) com a

    produo e a sua qualidade de vida, a relao produo e venda a valorizao da cultura local,

    as organizaes da classe em torno de associaes, entre outros fatores, fazem da

    agroecologia muito mais que uma prtica agrcola diferenciada capaz de gerar inmeras

  • 5

    modificaes no espao gerado pelo agricultor familiar, tanto nas relaes diretas com o

    espao rural, quanto com a anuncia desse processo no espao urbano e na composio da

    totalidade do espao geogrfico (ALTIERI, 2002).

    A descrio dos conhecimentos e sentimentos da populao em relao ao ambiente

    em que vive no entendimento de (BEZERRA et. al. 2007), pode representar uma ferramenta

    estratgica para monitorar e fomentar mudanas de atitudes nos grupos socioculturais.

    A compreenso de que somos parte do meio ambiente, e como tal interagimos com

    diversos componentes (plantas e animais, solos, gua, ar, etc.) essencial para fortalecer

    nosso papel como membros ativos e atuantes da sociedade. Quando atingimos esse nvel de

    compreenso nos vemos como iguais a todas as outras pessoas, com os mesmos direitos e

    deveres na sociedade e na relao com o meio ambiente.

    2.3 Pessoas com sofrimento psquico e excluso social

    Durante muitos anos o sofrimento psquico foi tido como doena mental ou loucura.

    Essa viso acarretou e acarreta ainda hoje a excluso de pessoas com sofrimento psquico,

    tanto no mbito familiar como da comunidade que est inserida (REINALDO, 2012).

    Do ponto de vista psiquitrico, o sofrimento mental pode ser entendido, segundo Belo

    (1998), como aquilo que portam as pessoas enquadradas nos vrios rtulos ou nveis de

    desordem ou desabilidades dados pela quarta edio do Manual Diagnstico e Estatstico de

    Transtornos Mentais (DSM-IV). Nesses so includos:

    Eixo I: transtornos clnicos (transtornos mentais, bem como problemas do

    desenvolvimento e aprendizado);

    Eixo II: Transtornos de personalidade ou invasivos, bem como retardo mental;

    Eixo III: Condies mdicas agudas ou desordens fsicas;

    Eixo IV: Fatores ambientais ou psicossociais contribuindo para desordens;

    Eixo V: Avaliao Global das Funes.

    De modo geral, o sofrimento psquico pode ser caracterizado por um exagerado e

    duradouro desconforto emocional, angstia, tristeza, falta de expresso afetiva, esgotamento

    emocional, isolamento social entre outros sintomas.

    Essas caractersticas fazem com que os portadores de sofrimento mental no se

    enquadrem no perfil de normalidade tratado pela sociedade, resultando na excluso dessas

    pessoas do convvio social cotidiano.

  • 6

    Segundo (SZASZ 1978) esse processo de excluso foi efetivado pela hospitalizao

    em asilos; pelo surgimento da psiquiatria e dos psiquiatras, os quais passaram a serem os

    tutores dos considerados insanos e incapazes de convvio social. A lgica da excluso, para

    retirar o problema no caso a pessoa com sofrimento psquico sempre esteve presente nos

    espaos destinados ao referido tratamento, que em muitas vezes era na forma de correo,

    como o caso do chamado bero de conteno de loucos (AMARANTE, 2009).

    Porm, vlido ressaltar que, como bem afirmou (PAVEZI, 2010), a famlia

    geralmente a primeira a excluir a pessoa com sofrimento psquico ao isol-lo da sociedade.

    A autora lembra ainda que a mdia grande reforadora de esteretipos do portador, que

    levam os indivduos que esto sob esta influncia a criarem preconceitos sobre os mesmos.

    (GOFFMAN, 1982) referem que a discriminao e a excluso so estigmas, atributos

    profundamente depreciativos para muitas categorias de pessoas marcadas com algum sinal

    que as diferencie daquelas tidas como normais. Para (BADER, 2002) esse quadro fica mais

    preocupante quando h uma naturalizao da excluso social, ou seja, h aceitao do prprio

    excludo e da sociedade, gerando uma atmosfera social de conformismo, compreendendo a

    condio de excluso como fatalidade.

    Para (WANDERLEY, 1999) o processo de excluso, embora atingindo o sujeito e sua

    subjetividade, no pode ser visto como um processo individual de culpabilizao do sujeito,

    mas, numa perspectiva mais ampla, envolvendo as vrias formas de relaes econmicas,

    sociais, culturais e polticas da sociedade. Ela inclui no apenas a pobreza, mas tambm a

    discriminao, a subalternidade, a no equidade, a no acessibilidade e a no representao

    pblica.

    2.4 Incluses sociais por meio da educao ambiental

    A incluso um processo pelo qual a sociedade se adapta para poder incluir, em seus

    sistemas sociais, pessoas consideradas diferente da comunidade a que pertena (SASSAKI,

    1999). Ela ocorre num processo bilateral no qual as pessoas, ainda excludas e a sociedade

    buscam junta, equacionar problemas, discutir solues e equiparar oportunidades para todos

    (VERSSIMO, 2005).

    Segundo (STAINBACK e STAINBACK, 1999) a incluso uma atitude, uma

    convico. No uma ao ou um conjunto delas. um modo de vida, um modo de viver

    juntos fundados na convico que cada indivduo estimado e pertence a um grupo. Incluso

  • 7

    uma conscincia da comunidade, uma aceitao das diferenas e uma corresponsabilizao

    para obviar s necessidades dos outros.

    Incrementar a diversidade promover a igualdade de chances para que todos possam

    desenvolver seus potenciais (ETHOS, 2002). No caso das pessoas com sofrimento psquico

    devemos garantir-lhes os direitos de acesso aos bens da sociedade, entre estes, sade e o

    bem-estar.

    Segundo (REIGOTA, 1998), a educao ambiental aponta para propostas pedaggicas

    centradas na conscientizao, mudana de comportamento, desenvolvimento de

    competncias, capacidade de avaliao e participao dos envolvido. Para (JACOBI, 2003)

    pode ser entendida, num contexto mais amplo, como a educao para a cidadania,

    configurando-a como elemento determinante para a consolidao de sujeitos cidados,

    fortalecendo a cidadania para a populao como um todo, e no para um grupo restrito,

    concretizando-se pela possibilidade de cada pessoa ser portadora de direitos e deveres, e de se

    converter, portanto, em ator corresponsvel na defesa da qualidade de vida.

    O principal eixo de atuao da educao ambiental busca, acima de tudo, a

    solidariedade, a igualdade, a incluso social e o respeito, diminuindo a diferena atravs de

    formas democrticas de atuao baseadas em prticas interativas e dialgicas. Isto se

    concretiza no objetivo de criar novas atitudes e comportamentos diante do consumo na

    sociedade e de estimular a mudana de valores individuais e coletivos (JACOBI, 1997).

    (GRANDESSO, 2000) afirma que o restabelecimento da capacidade de negociao de

    novas formas de conceber o mundo e a si mesmo promotor de bem-estar psquico. Ela diz

    que o sujeito alcana este estado quando readquire a capacidade de autoria de suas prprias

    narrativas, entendendo autoria tanto como o fazer escolhas como a participao nas escolhas

    possveis, podendo ser entendida como ter voz e ser livre para us-la ou no..

    2.5 Hortas Agroecolgica e incluso social

    O desenvolvimento do ser humano se d pela interao com o outro, portanto a

    acentuao dos problemas decorrentes do sofrimento psquico pode ser analisada a partir das

    relaes que se do no meio social (PAVEZI, 2010).

    As relaes sociais benficas so essenciais para o bem-estar do portador de

    sofrimento mental, tendo em vista que o melhor "remdio" contra o sofrimento mental , e

    sempre ser, o contato humano (DITTRICH, 1998).

  • 8

    A Horta Agroecolgica e Educao Ambiental, em seu plano de ao, visam trabalhar

    a preservao ambiental e a incluso de pessoas com sofrimento psquico, tendo como polo

    irradiador percepo ambiental, o contato direto com a natureza, as relaes sociais de

    cooperao mtua, as vivncias do dia-a-dia e os reflexos da relao antrpica local,

    permitindo, dessa forma, a sensibilizao e as mudanas comportamentais necessrias para a

    busca constante de crescimento dos seres humanos, membros de um planeta vivo.

    Diferentes estudos tm mostrado que o contato com a natureza influencia na sade

    fsica e mental das pessoas, gerando uma maior capacidade de fantasiar, desenvolvendo uma

    maior coordenao motora e melhor capacidade de concentrao e diminuio do estresse

    (FUNDAO GAIA, 1995; GRAHAN, 1996).

    Ao realizarem oficinas teraputicas no projeto Hortas Teraputica, um projeto do

    Programa de educao Tutorial do curso de Agronomia da Universidade Federal de

    Uberlndia, (SILVEIRA et. al. 2005) identificaram os efeitos positivos das atividades sobre o

    comportamento e autoestima dos portadores de sofrimento psquico os usurios do CAPS-Sul

    no municpio de Uberlndia-MG. Os autores verificaram que 80% dos usurios se sentiam

    mal antes da realizao do projeto e que aps as atividades na horta todos os usurios ficam

    mais tranquilos e em paz em contato com a natureza, alm de terem melhorado sua

    alimentao. Metade dos usurios se sentia mais feliz em estar fora da sede do CAPS

    enquanto que a outra metade se sentia insegura. Alm disso, os usurios relataram sentirem-se

    teis ao participarem da oficina, esquecendo-se da doena por algumas horas e aprendendo

    coisas novas. Os autores verificaram ainda que metade dos usurios se dizia plenamente

    satisfeito com as atividades realizadas pelo projeto e a outra metade pediu para que fosse

    ampliada a horta e a frequncia semanal das atividades.

    Outro projeto desenvolvido pelo Ncleo de Operaes Sustentveis NOS, grupo de

    estudos em agroecologia formado por alunos e professores da UNESP, Campus de Dracena.

    A assistncia ao CAPS de Dracena consistiu de adequar e ampliar a horta que j existia no

    CAPS, assistindo no cultivo das hortalias e demais atividades agrcolas, com visitas

    semanais dos integrantes do NOS.

    Os autores tiveram os seguintes resultados com realizaes de palestras para os

    usurios do CAPS abordando temas como cultivar hortalias e quais so os benefcios

    oriundos da ingesto de produtos saudveis. Houve a participao dos pacientes, tanto nas

    palestras quanto no manejo dirio da horta orgnica. As atividades propostas contriburam

  • 9

    para o processo de reabilitao dos usurios do CAPS, inclusive na melhoria da qualidade dos

    alimentos consumidos pelo os mesmos, (CAMARGO et. al. 2011).

    2.6 Centro de Ateno Psicossocial - CAPS

    Seu objetivo oferecer atendimento populao, realizar o acompanhamento clnico e

    a reinsero social dos usurios pelo acesso ao trabalho, lazer, exerccio dos direitos civis e

    fortalecimento dos laos familiares e comunitrios.

    Os Centros de Ateno Psicossocial (CAPS), entre todos os dispositivos de ateno

    sade mental, tm valor estratgico para a Reforma Psiquitrica Brasileira. Com a criao

    desses centros, possibilita-se a organizao de uma rede substitutiva ao Hospital Psiquitrico

    no pas. Os CAPS so servios de sade municipais, abertos, comunitrios que oferecem

    atendimento dirio.

    Na Portaria do Ministrio da Sade n 336-02, em seu artigo 1 Estabelece que os

    Centros de Ateno Psicossocial podero constituir-se nas seguintes modalidades de servios:

    CAPS I, CAPS II, CAPS III, CAPSi e CAPSad definidos por ordem crescente de

    porte/complexidade e abrangncia populacional, conforme disposto nesta Portaria.

    Os CAPS I so os Centros de Ateno Psicossocial de menor porte, capazes de

    oferecer uma resposta efetiva s demandas de sade mental em municpios com populao

    entre 20.000 e 50.000 habitantes - cerca de 19% dos municpios brasileiros, onde residem por

    volta de 17% da populao do pas. Estes servios tm equipe mnima de 9 profissionais,

    entre profissionais de nvel mdio e nvel superior, e tm como clientela adultos com

    sofrimento psquico severos e persistentes e transtornos decorrentes do uso de lcool e outras

    drogas. Funcionam durante os cinco dias teis da semana, e tm capacidade para o

    acompanhamento de cerca de 240 pessoas por ms.

    Os CAPS II so servios de mdio porte, e do cobertura a municpios com mais de

    50.000 habitantes - cerca de 10% dos municpios brasileiros, onde residem cerca de 65% da

    populao brasileira. A clientela tpica destes servios de adultos com sofrimento psquico

    severos e persistentes. Os CAPS II tm equipe mnima de 12 profissionais, entre profissionais

    de nvel mdio e nvel superior, e capacidade para o acompanhamento de cerca de 360

    pessoas por ms. Funcionam durante os cinco dias teis da semana.

    Os CAPS III so os servios de maior porte da rede CAPS. Previstos para dar

    cobertura aos municpios com mais de 200.000 habitantes, os CAPS III esto presentes hoje,

    em sua maioria, nas grandes metrpoles brasileiras os municpios com mais de 500.000

  • 10

    habitantes representam apenas 0,63 % por cento dos municpios do pas, mas concentram boa

    parte da populao brasileira, cerca de 29% da populao total do pas. Os CAPS III so

    servios de grande complexidade, uma vez que funcionam durante 24 horas em todos os dias

    da semana e em feriados. Com no mximo cinco leitos, o CAPS III realiza, quando

    necessrio, acolhimento noturno (internaes curtas, de algumas horas a no mximo 7 dias).

    A equipe mnima para estes servios deve contar com 16 profissionais, entre os profissionais

    de nvel mdio e superior, alm de equipe noturna e de final de semana. Estes servios tm

    capacidade para realizar o acompanhamento de cerca de 450 pessoas por ms.

    Os CAPSi, especializados no atendimento de crianas e adolescentes com sofrimento

    psquico, so equipamentos geralmente necessrios para dar resposta demanda em sade

    mental em municpios com mais de 200.000 habitantes. Funcionam durante os cinco dias

    teis da semana, e tm capacidade para realizar o acompanhamento de cerca de 180 crianas e

    adolescentes por ms.A equipe mnima para estes servios de 11 profissionais de nvel

    mdio e superior.

    Os CAPSad, especializados no atendimento de pessoas que fazem uso prejudicial de

    lcool e outras drogas, so equipamentos previstos para cidades com mais de 200.000

    habitantes, ou cidades que, por sua localizao geogrfica (municpios de fronteira, ou parte

    de rota de trfico de drogas) ou cenrios epidemiolgicos importantes, necessitem deste

    servio para dar resposta efetiva s demandas de sade mental. Funcionam durante os cinco

    dias teis da semana, e tm capacidade para realizar o acompanhamento de cerca de 240

    pessoas por ms. A equipe mnima prevista para os CAPSad composta por 13 profissionais

    de nvel mdio e superior.

    O perfil populacional dos municpios sem dvida um dos principais critrios para o

    planejamento da rede de ateno sade mental nas cidades, e para a implantao de Centros

    de Ateno Psicossocial. O critrio populacional, no entanto, deve ser compreendido apenas

    como um orientador para o planejamento das aes de sade. De fato, o gestor local,

    articulado com as outras instncias de gesto do SUS, que ter as condies mais adequadas

    para definir os equipamentos que melhor respondem s demandas de sade mental de seu

    municpio.

    2.6.1 As funes dos CAPS.

    Prestar atendimento clnico em regime de ateno diria, evitando as internaes em

    hospitais psiquitricos;

  • 11

    Acolher e atender as pessoas com sofrimentos mentais severos e persistentes,

    procurando preservar e fortalecer os laos sociais do usurio em seu territrio;

    Promover a insero social das pessoas com sofrimentos mentais por meio de aes

    intersetoriais;

    Regular a porta de entrada da rede de assistncia em sade mental na sua rea de

    atuao;

    Dar suporte a ateno sade mental na rede bsica;

    Organizar a rede de ateno s pessoas com sofrimentos mentais no municpio;

    Articular estrategicamente a rede e a poltica de sade mental num determinado

    territrio;

    Promover a reinsero social do indivduo atravs do acesso ao trabalho, lazer,

    exerccio dos direitos civis e fortalecimento dos laos familiares e comunitrios.

    2.6.2 Centro de Ateno Psicossocial I (CAPS I) de Picu - Paraba

    O CAPS I de Picu - Paraba teve suas portas abertas para o pblico em 07 de julho de

    2009, na gesto do prefeito Rubns Germano Costa e da secretria de sade a Sra. Maria

    Lcia Dantas Xavier. Hoje dando seguimento na atual gesto do prefeito Accio Arajo

    Dantas, conforme preconiza a Lei 10.216 de janeiro de 2001. MS, Brasil, 2001.

    Como a criao do CAPS I, iniciou-se no municpio de Picu um servio de referncia

    ao tratamento para pessoas com sofrimento psquico, cuja gravidade e persistncia justificam-

    se seu atendimento em um local de cuidado intensivo, comunitrio, personalizado e que

    promove a qualidade de vida dos seus usurios.

    Formou-se uma equipe multidisciplinar composta por mdico psiquiatra, psiclogo,

    assistente social, terapeutas ocupacionais, enfermeiros e auxiliar de enfermagem, visando

    reinsero social, o fortalecimento dos laos familiares, comunitrios, lazer e exerccio dos

    direitos civis dos seus usurios. A equipe de profissionais acolhe, avalia e prope um projeto

    teraputico, intensivo, semi-intensivo e no intensivo em sade mental.

    2.6.3 Relao de nomes e cargos dos funcionrios do CAPS I de Picu PB.

    Para atender as pessoas com sofrimento psquico que so usurios do CAPS I de Picu,

    a Prefeitura Municipal designou vrios profissionais (Figura 1) que prestam servios de

    grande relevncia a estes seres humano que antes eram excludos da sociedade, considerados

    inteis e sem perspectiva de vida promissora, em surto eram internados em hospitais

  • 12

    psiquitricos distantes, ficando sem o convvio de seus familiares e amigos, mas com o

    trabalho desenvolvido por estes profissionais a realidade comeou a mudar quando suas

    portas foram abertas ao pblico. Com a formao desse corpo abriram-se novos horizontes na

    vida daquelas pessoas e hoje reconhecidos por toda populao Picuiense e regio, pelo avano

    na ateno da sade mental.

    Os CAPS entre todos os dispositivos de ateno sade mental tm valor estratgico

    para a Reforma Psiquitrica Brasileira. Com a criao desses centros, possibilita-se a

    organizao de uma rede substitutiva aos Hospitais Psiquitricos.

    Figura 1 - Quadro funcional do CAPS I / Picu PB.

    NOME CARGO

    Wellington Sousa Silva Mdico Generalista

    Flvia Serra Galdino Mdica Psiquiatra

    Adriana Rabelo Loureiro Costa Psicloga Clinica

    Ccera Gomes de Medeiros Oliveira Assistente Social (diretora)

    Maria das Graas Dantas Cavalcante Farmacutico

    Maria da Conceio Azevedo Dias Oficineira

    Maria Domarice Nogueira Bezerra Pedagoga

    Cludia Cirne Martins de Oliveira Educador Fsico

    Sabrina Gabriela Oliveira de Farias Auxiliar Administrativo

    Anna Paula Medeiros Souza Enfermeira

    Martinho Srgio de Medeiros Casado Enfermeiro

    Sarah Cristine Silva Macedo Terapeuta Ocupacional

    Francisco Verssimo da Silva Neto Agente de Segurana

    Marineu Nogueira da Silva Motorista

    Marilene dos Santos Oliveira Auxiliar de Servios Gerais

    Maria Cacilda de Souto Cozinheira

    Francisca Santos de Souza Auxiliar de Servios Gerais

    2.6.4 Tipos de atendimentos no Centro de Ateno Psicossocial I de Picu PB.

    O CAPS I de Picu oferece trs modalidades de tratamento subdivididos em intensivo,

    semi-intensivo e no intensivo, que varia de acordo com a necessidade do indivduo, sendo:

  • 13

    Figura 2 - Percentual de usurios em atendimento, por modalidade: Intensivo, semi-intensivo

    e no intensivo.

    - Atendimento intensivo: trata-se de atendimento em cinco turnos ou dois dias e meio

    oferecido quando a pessoa se encontra com grave sofrimento psquico, em situao de crise

    ou dificuldades intensas no convvio social e familiar, precisando de ateno contnua. Esse

    atendimento pode ser domiciliar, se necessrio;

    - Atendimento semi-intensivo: o usurio pode ser atendido at trs turnos ou um dia e

    meio, sendo que essa modalidade oferecida quando o sofrimento e a desestruturao

    psquica da pessoa diminuram, melhorando as possibilidades de relacionamento. Deve-se

    ressaltar, porm, que a pessoa ainda necessita de ateno direta da equipe do servio para se

    estruturar e recuperar sua autonomia;

    - Atendimento No intensivo: oferecido quando a pessoa no precisa de suporte da

    equipe para viver em seu territrio e realizar suas atividades na famlia e, ou, no trabalho,

    podendo ser atendido em um turno por semana.

  • 14

    3 MATERIAL E MTODOS

    3.1 LOCALIZAES DO ESPAO LABORAL: A HORTA OCUPACIONAL DE

    BASE AGROECOLGICA

    A horta de Base Agroecolgica foi implantada no Centro de Ateno Psicossocial,

    localizado na Rua So Sebastio, s/n, centro da cidade de Picu PB.

    Para confeco dos canteiros foi utilizada uma rea de aproximadamente 52 m. Nesta

    rea foram demarcados e confeccionados oito canteiros com dimenses teis de 1,0 m de

    largura e 2,0 m de comprimento. Foi confeccionada, ainda, sementeira vertical para produo

    de mudas de hortalias. As hortalias produzidas foram do grupo das folhosas, razes e

    tuberosas, e hortalias de fruto, tais como: alface, cebolinha, coentro, cenoura, beterraba,

    tomate, pimento. Alm destas hortalias, foram cultivadas, tambm, mudas do maracujazeiro

    com finalidade de barreira de conteno fsica.

    Figura 3 - Localizao da horta agroecolgica nas dependncias do CAPS I de Picu PB.

  • 15

    3.2 Pblico-participante

    O pblico-participante contemplado com as aes deste Projeto foi composto de 91

    usurios do CAPS I de Picu Paraba. Estes usurios recebem trs modalidades de

    atendimentos: Intensivo, semi-intensivo e no intensivo.

    3.3 Desenvolvimentos das atividades

    Inicialmente o projeto foi apresentado administrao do CAPS para discusso e

    planejamento didtico e operacional, tendo em vista que h outras atividades ocupacionais

    desenvolvidas pela equipe de acompanhamento da instituio. Foi traado o perfil dos

    usurios do CAPS, por meio da anlise de dados socioeconmicos e caracterizao do

    sofrimento mental dos usurios CAPS a fim de identificar limitaes e informaes que

    auxiliaram na conduo das atividades.

    No planejamento citado, ficaram definidos os dias e horrios das atividades laborais

    dinmicas na horta e de oficinas expositivas e participativas sobre temas de interesse para

    bom andamento das atividades. Na fase expositiva das oficinas, foram apresentadas temticas

    tericas sobre importncia alimentar das hortalias, principais hortalias, preparo de canteiros,

    adubos orgnicos, manejo de hortas, noes de pragas e doenas, colheita, rendimento,

    comercializao e conservao de hortalias. Estas oficinas foram preparadas em linguagem

    simples e clara, adaptada s limitaes dos diferentes grupos envolvidos nas atividades.

    Na fase prtica e participava das oficinas realizaram-se atividades de medio dos

    canteiros, incentivando a realizao de operaes matemticas simples e adaptao de

    unidades de medidas (p.ex. brao, passada, p, palmo, etc.), prticas de conhecimento de solo

    (dureza, reteno de gua, cor, etc.), sementes (formato, tamanho, etc.), gua (medidas de

    gua a ser aplicada), bem como de insumos de base agroecolgica, como adubos orgnicos,

    defensivos naturais, dentre outros.

    A construo dos canteiros, adubao e confeces da tela de proteo ficou a cargo

    do autor e dos usurios; j na semeadura houve participao do Professor Dr. Jos Lucnio de

    Oliveira Freitas e dos alunos matriculados na disciplina Olericultura e Plantas Medicinais, no

    semestre letivo 2013.1, do Curso Superior de Agroecologia do IFPB campus Picu, que na

    oportunidade tiveram aula prtica da referida disciplina.

    Aps implantao da horta, pelos usurios do CAPS com ajuda de um servidor da

    Prefeitura Municipal de Picu. Foram realizadas regas dirias alm de prticas de controle de

    vegetao espontnea, Escarificao da rea, dentre outras prticas. Quando as espcies

  • 16

    atingiram o ponto de colheita, as mesmas foram colhidas, incrementas nas refeies do CAPS

    e divididas entre os participantes para utilizao na alimentao dos mesmos e seus

    familiares.

    3.4 Coleta e anlise dos dados

    Alm dos dados referentes ao perfil por sexo, faixa etria, socioeconmico dos

    usurios e dos principais sofrimentos psquico que acompanham os usurios, foi realizada a

    aplicao de questionrios para 30 usurios, com 10 profissionais do CAPS e com 30

    familiares de usurios, para avaliar a efetividade das atividades desenvolvidas na horta como

    atividade ocupacional auxiliando no tratamento dos usurios. Essa coleta foi realizada 60 dias

    aps o incio das atividades. O espao amostral foi de 33% entre os usurios CAPS, familiares

    e com 58,% servidores membros da equipe tcnica daquela instituio.

    Foram realizados registros escritos, de udio e de imagens (fotografias e vdeos) para

    verificar alteraes no comportamento das pessoas de sofrimento psquico aps incio da

    realizao das atividades na horta.

    Aps coleta dos dados os mesmos foram tabulados, e posteriormente realizada anlise

    descritiva, com confeco de grficos e tabelas.

  • 17

    4 RESULTADOS

    4.1 PERFIS DOS USURIOS DO CAPS I DE PICU - PB

    O municpio de Picu - PB tem como base no atendimento de assistncia a sade

    mental o Centro de Ateno Psicossocial I, visando atender as pessoas com sofrimento

    psquico de ambos os sexos, faixa etria e nvel socioeconmico, que residam no municpio

    sede ou municpios vizinhos.

    Aps a coleta de dados constatou-se que em relao ao sexo dos usurios a maioria

    do sexo feminino representando 57 % dos usurios, enquanto o sexo masculino teve como

    representao 43 % (Figura 4).

    As estatsticas, de acordo com dados da Organizao Pan-Americana da Sade/

    Organizao Mundial da Sade (OPAS/OMS, 2008), indicam que o risco do homem adquirir

    sofrimento psquico 11 %, ao passo que na mulher pode chegar a 18,6 %.

    Figura 4 Percentual dos usurios em atendimento por sexo

    No que diz respeito faixa etria (Figura 5), constatou-se que a maior parte dos

    usurios do CAPS tem entre 31 e 40 anos (25 %), seguidos dos usurios com idade entre 51 e

    60 anos, (24 %), enquanto que os usurios com idades de 0 a 18 anos, 19 a 20, 41 a 50 anos e

    acima de 60 anos representaram 9 %, 14 %, 19 % e 9 % respectivamente.

    Figura 5 Percentual de usurios em atendimento, por faixa etria.

  • 18

    O quadro requer ateno e mostra-se preocupante, pois grande parcela de usurios

    encontra-se na faixa de idade produtiva (62 %), considerando a idade entre 19 e 60 anos. Piccoloto

    et al. (2003) afirma que os transtornos do humor, como a depresso, deixaram de ser exclusividade

    de populaes mais idosas surgindo, com grande incidncia, na populao mais jovem, constituindo

    assim, parcial ou total incapacidade de trabalho na faixa etria mais produtiva.

    Com relao ao perfil socioeconmico dos usurios em atendimento (Figura 6) a

    maioria dos usurios apresenta como renda aposentadoria, penso ou auxilio doena (46 %),

    seguido de agricultores (38 %), recursos recebidos por profisso autnimos (9%), dependentes

    dos pais (6 %) e servidor pblico (1 %).

    Figura 6 Perfil socioeconmico dos usurios em atendimento

    4.2 Os sintomas iniciais dos sofrimentos psquicos que acometem aos usurios

    As manifestaes psicopatolgicas podem ser classificadas de diversas maneiras, por

    etiologia a exemplo das orgnicas e psicolgicas por tipo de alterao a exemplo da neurose e

    psicose que considera a relao com a conscincia perda de contato com a realidade na

    concepo psicanaltica desta. A categoria de classificao possui fins estatsticos, ou seja, de

    tabulao de pronturios em servios de sade, atestados, declaraes de bito. Entre as mais

    conhecidas esto a CID (Classificao Internacional das Doenas e de Problemas relacionados

    Sade que est na 10 reviso e se iniciou em 1893) e o DSM (referente ao Manual

    Diagnstico e Estatstico de Transtornos Mentais, uma publicao da American Psychiatric

    Association, Washington D.C., sendo a sua 4 edio conhecida pela designao DSM-IV-

    TR6).

    Quanto s manifestaes iniciais dos sintomas do sofrimento psquico que ocasiona

    nos usurios do CAPS I de Picu, conforme dados coletados nos pronturios daquela unidade

    municipal so os seguintes: Ansiedade, nervosismo, inquietao e delrio. Posteriormente

  • 19

    analisados como mostra a figura 7. Foi verificado que 30% dos usurios iniciam-se com

    ansiedade, 28% nervosismo, 25% inquietao e 17% delrio, o quadro mais preocupante.

    Figura 7 - Manifestaes iniciais dos sintomas do sofrimento psquico

    4.3 Efeitos das atividades laborais na horta sobre o comportamento e qualidade de vida dos

    usurios do CAPS.

    Aps a tabulao dos dados coletados pela aplicao dos questionrios aos 33 % dos

    usurios, organizou-se a viso que os mesmos tiveram no envolvimento participativo em

    todas as atividades, ocupacionais, prticas e tericas, com a horta agroecolgica e melhorias

    no comportamento e qualidade de vida dos mesmos.

    Para 99 % dos usurios a participao nas atividades do projeto foi avaliada como

    tima e 1% como boa. (Figura 8). A realidade do cotidiano ocupacional foi modificada, pois

    eles passaram a ter contato com um ambiente CAPS, inovador. Exemplo do Bom dia CAPS

    (figura 8) que agora realizado ao ar livre. O bom dia CAPS o acolhimento dirio feito aos

    usurios, e tem como objetivo fazer com que os participantes externem suas necessidades,

    ansiedades e angstias.

    Figura 8 Avaliao dos usurios sobre o projeto horta agroecolgica no CAPS

  • 20

    O Bom Dia CAPS um acolhimento dirio feito aos usurios, e tem como objetivo

    esclarecer o funcionamento do CAPS e fazer com que os participantes expressem suas

    necessidades, ansiedades e angstias. O Bom Dia CAPS feito pela a equipe tcnica que

    obedecem a um cronograma determinado pela direo. Onde o projeto horta agroecolgica

    teve vrias participaes nas temticas.

    Esse acolhimento feito desde que o CAPS de Picu teve suas portas com os usurios

    de forma a proporcionar os mesmos um momento em que eles possam falar o que esto

    pensando, sentindo, o momento em que eles podem desabafar sem nenhum ressentimento.

    Figura 9 Bom Dia CAPS

    Os usurios tinham a percepo de que as plantas dependiam dos cuidados deles

    (Figura 10) para crescerem e se desenvolverem e que todo o resultado do Projeto estava sob

    suas imputaes.

    Figura 10 - Construo dos canteiros de bases agroecolgicos

    A B

  • 21

    Figura 11 - Escarificao de sementes (A), Preparo do adubo (B), Semeadura (C) e Irrigao

    dos canteiros (D), realizado pelos usurios do CAPS I do municpio de Picu, PB.

    A

    B

    C D

    Foi identificados que os usurios sentiam-se mais felizes e teis ao realizar as

    atividades dirias na horta (Figura 09 b e Figura 10). Esse foi um fato importante, pois quebra

    o estigma de que a pessoa com sofrimento psquico intil.

    Isso foi comprovado quando os usurios foram questionados se acharam importantes

    aprender a cultivas hortalias (figura 12). Os resultados mostraram 100% dos usurios achou

    proveitoso aprender a plantar hortalias, dominando os princpios bsicos de plantio e

    cuidados com as mesmas. O empenho dos usurios, que adotaram a causa com prudncia de

    responsabilidade.

    Foi realizado o manejo e o cultivo de diversas hortalias e vegetais como alface,

    rabanete, couve, cenoura, cebola de cabea, beterraba, tomate e algumas ervam medicinais:

    Caldo santo, hortel e mastruz. Entre essas hortalias teve como destaque o plantio da cebola

  • 22

    mulatinha para incentivar no resgate dessa hortalia que oriunda da agricultura familiar

    nordestina a qual estar em extino. A cebola mulatinha (Allium cepa) usada na culinria,

    tem uso fitoterpico e influncia econmica. O agricultor usa as folhas no seu consumo

    prprio e comercializa os frutos. Foram realizadas palestras para os usurios do CAPS

    abordando temas como cultivar hortalias e quais so os benefcios do consumo de produtos

    saudveis. Houve a participao dos usurios, tanto nas palestras quanto no manejo dirio da

    horta agroecolgica. As atividades propostas contriburam para o processo de reabilitao dos

    usurios do CAPS, inclusive na melhoria da qualidade dos alimentos consumidos.

    Figura 12 Cultura da cebola mulatinha na horta agroecolgica do CAPS

    Figura 13 Percentual de usurios que acharam proveitoso aprender a cultivar hortalias

    No que diz respeito contribuio na mudana dos hbitos alimentares dos usurios

    aps a participao no projeto os resultados foram satisfatrios.

    A produo de hortalias durante as atividades do projeto puderam ser utilizadas nas

    refeies do CAPS e tambm consumidas nas residncias dos mesmos. Para 98 % dos

    usurios a horta contribuiu para a melhoria das refeies que foram oferecidas pelo CAPS.

    (Figura 10) e apenas 2 % acharam que no. A diversificao de sabores das hortalias, bem

    como a contribuio que as mesmas tm no tocante nutrio, pode ser destacada nesse

  • 23

    ponto, pois favorece a elevao do status nutricional dos usurios que muitas vezes sofrem de

    outros problemas de sade como diabetes, hipertenso etc.

    O momento da colheita e do consumo das hortalias por parte dos usurios foram

    momentos em que se podia verificar na face dos usurios a felicidade de vivenciarem aquele

    momento e de terem a oportunidade de consumirem alimentos que ele mesmo tinha

    produzido.

    Figura 14 Percentual de usurios que acharam satisfatria a insero de hortalias nas

    refeies oferecida no CAPS

    Figura 15 - Usurios e pedagoga com rabanete (A) colheita do coentro (B), hortalias

    produzidas na horta agroecolgica (C e D).

    A B

    C D

  • 24

    Sobre a influncia exercida pelo Projeto na mudana de hbito alimentar (Figura 15),

    98 % dos entrevistados afirmaram sim e 2 % no se sensibilizaram com isso.

    Atribui-se ao Projeto um ponto positivo de influenciar o consumo de hortalias. Isto

    era o que almejava, haja vista que o contato dirio com a horta, as oficinas e os debates, alm

    da vivncia e da doutrina do trabalho, possibilitou a produo de hortalias para consumo no

    prprio CAPS e o excedente da produo foi distribudo para os usurios e servidores do

    CAPS consumirem em suas casas, juntos com seus familiares. Isso despertou o interesse nos

    mesmos em consumirem essas hortalias, favorecendo assim que seus familiares adotassem o

    consumo das mesmas em suas residncias.

    Figura 16 Percentual de usurios que modificou o hbito alimentarem aps a participao

    no projeto

    Com isso, supe-se que o Projeto colaborou para intensificar com a formao dos

    usurios no referente educao alimentar (figura 8 A, B, C e D), pois agora, com mais

    informaes, eles podero avaliar o que devem e precisam usar na alimentao para hbitos

    mais saudveis. O intuito de plantar hortalias no CAPS, alm de promover aos usurios o

    contato com o meio ambiente, a diversificao nas refeies, os ensinamentos sobre o valor

    nutricional das hortalias, promovendo a difuso da ideia para os participantes do CAPS a

    respeito de uma alimentao saudvel que ajuda tambm na sade, o excedente produzido

    possa ser comercializado gerando renda.

    O consumo mais frequente de hortalias e o aprendizado adquirido durante o projeto

    despertou o interesse de alguns em produzirem hortalias em suas prprias residncias. Dos

    33 usurios entrevistados, 32% responderam que plantaram hortalias em suas residncias

    aps o incio do projeto enquanto que 68 % no tiveram essa iniciativa (figura 16).

    Compreende-se que boa parte dos usurios reside na zona urbana e no tem um local

    favorvel para edificao de uma horta em sua residncia. Uma nova ao poder ser

  • 25

    desenvolvida com esses usurios estudando mtodos adaptados agricultura urbana, dando a

    esses usurios uma alternativa para que os mesmos possam produzir hortalias em pequenos

    espaos.

    Figura 17 Percentual de usurios que comearam a cultivar hortalias em casa aps

    participao no projeto

    Entrevista sobre a importncia do projeto na vida dos usurios segue abaixo a viso de

    um usurio quando foi perguntado a respeito do Projeto Horta agroecolgica, fizemos a

    seguinte pergunta: Queremos saber de voc, qual a importncia que este projeto teve para o

    desenvolvimento na sua sade?

    um projeto muito bom, que eu limpo a mente, cultivando as hortalias ou

    aguando, ou plantando seja como for, um projeto que eu recomendo a todas

    as prefeituras para apoiar esse projeto que esse projeto foi de essencial

    qualidade para a vida dos participantes dele.

    Erivan de Lima Dantas usurio do CAPS (informao verbal).

    Erivan de Lima Dantas (informao verbal) lembrou-se do incio do projeto sobre a

    criao da horta agroecolgica: para atender aos usurios do CAPS no que se refere

    ocupao dos mesmos, que a partir do ms de Junho de 2013 j estava sendo instalada no

    espao interno do CAPS, onde iniciou o processo de construo dos canteiros da horta, em

    sua recomendao ele fala que seja instalada outras hortas nos CAPS de outros municpios.

    (informao verbal).

    __________________________________

    Entrevista concedida por Erivan de Lima Dantas. Entrevista I. [ago. 2013]. Entrevistador: Vanderlei Arajo de Lima. Picu - PB, 2013. 1 arquivo. DVD (1 min.). A

    entrevista na ntegra encontra-se em anexo desta monografia.

  • 26

    4.4 Relatos dos familiares sobre a horta agroecolgica

    Nos questionamentos dos entrevistados, 95% consideraram tima a ideia da horta

    agroecolgica como ferramenta ocupacional relacionado produo agroecolgica de

    hortalias, enquanto 5% analisaram como boa a iniciativa. Nas reunies com familiares eles

    Confirmaram que seus entes tm mais prazer de ir ao CAPS para cuidar das hortas, e dar

    continuidade ao tratamento. Eles falam das atividades das hortas, chegam comentando o que

    foi realizado nas oficinas est que mudou o comportamento deles em nossos lares, vendo que

    esto mais serenos e fazem o pedido de verduras e legumes nas refeies, quando antes no

    era feita esta cobrana.

    Figura 18 Percentual de familiares que aprovaram a realizao do projeto como oficina

    ocupacional para os usurios CAPS

    4.5 Vises dos profissionais do CAPS da utilizao da horta agroecolgica

    Na opinio dos profissionais do CAPS entrevistados (oito profissionais) as

    realizaes das oficinas agroecolgica como oficina ocupacional auxiliaram aos tratamentos

    dos usurios e classificaram como uma importante ferramenta, (figura 18) visto que 100 %

    deles responderam que sim.

    Figura 19 Percentual de avaliaes dos profissionais do CAPS

  • 27

    Para Maria Domarice Nogueira Bezerra, Pedagoga do CAPS em sua concepo sobre

    a execuo do projeto.

    As hortas agroecolgica so constitudas com o objetivo ocupacional, isto ,

    rompendo com a terapia ocupacional tradicional, mas construindo efetivas

    responsabilidades sociais e ambientais. Por um lado, o trabalho na horta

    surge como construo real da reinsero social para pessoas com

    sofrimento psquico as quais o mundo possa ver com bons olhos e possam

    oferecer oportunidades. Surge como espao de construo de possibilidades

    subjetivas e objetivas, de validao e reproduo social dos sujeitos

    envolvidos neste projeto (depoimento verbal).

    (MORIN, 1999). Se nos fixarmos numa concepo determinista do ser humano, no

    existe possibilidade de liberdade e assim ela aparece como uma simples iluso. Se adotarmos

    uma viso espiritualista de liberdade, ela ser independente das condies fsicas, biolgicas,

    sociolgicas. Propomos conceber as possibilidades de liberdade humana nas e pelas

    dependncias ecolgicas, sociais, culturais, histricas. Tentamos ir alm do geneticismo, do

    culturalismo, do sociologismo, integrando o gene, a cultura, a sociedade.

    A agroecologia trilha nesse novo horizonte tratando-se, ento de reconhecer que

    estamos diante de uma realidade complexa, cujo entendimento requer um enfoque

    paradigmtico capaz de unir os conhecimentos de diferentes ideais profissionais, cientficos e

    tecnolgicos.

    Os profissionais afirmaram, unanimemente, que perceberam um melhor

    comportamento aps as atividades realizadas na horta. Os usurios s vezes se antecipavam

    da hora das atividades devido responsabilidade com os seus afazeres perguntando quando se

    era o dia deles trabalhar na horta, at porque uma forma nova de atividade e a horta tem

    espao fsico diferenciado, uma forma de sair de quatro paredes: Na horta onde o usurio

    se sente com mais liberdade, vejo isso todas s vezes que venho aqui com eles para contribuir

    com as atividades do projeto, afirmou Adriana Rabelo Loureiro Costa psicloga do CAPS.

    Foi perguntado aos profissionais se as oficinas ocupacionais trabalhadas com a

    temtica da horta contriburam para a recuperao dos usurios. Para 100% dos entrevistados,

    observou-se uma mudana comportamental com relao educao ambiental. As aes em

    outras oficinas haviam mudado at mesmo que no havia mais sujeiras no ptio interno do

    CAPS e sempre eles conversavam a respeito da necessidade de manter o ambiente limpo.

    Sem contar que as atividades das hortas despertou nos usurios o trabalho cooperado, com

    responsabilidade e percebendo que um dependia do outro para que o servio ficasse bem

    feito, afirmou um profissional. Essa ao reflete o que Lucena et. al. (1999) pontuaram que

  • 28

    o emprego de mtodos e ferramentas para o trabalho cooperativo chega tambm esfera

    educacional, tornando usuais as expresses trabalho cooperativo em educao ou aprendizado

    cooperativo como termos correntes e significando atividades similares. Recentemente, o

    termo aprendizado cooperativo tem sido bastante difundido.

    Questionados com os profissionais. Como voc v a produo de hortalias no CAPS,

    onde parte do pblico atendido agricultor ou filho de agricultores, 100 % aprovaram e

    achavam excelente a propagao dos ideais desse Projeto em outras instituies. Para eles,

    essa iniciativa, alm de ensinar os usurios a produzirem, estava demonstrando aos usurios a

    importncia da profisso dos pais deles, embora muitos no considerassem a agricultura como

    ofcio.

    Ao serem questionados se recomendariam esta modalidade de oficina ocupacional a

    outras instituies de recuperao de sade mental, 100 % deles responderam que sim. O

    depoimento abaixo reflete bem a impresso dos profissionais do CAPS sobre a importncia

    desse tipo de ao como auxiliar ao tratamento dos usurios do CAPS.

    Sou convicto ao afirmar que no contexto de uma concepo social o Projeto

    Horta agroecolgica surge como uma plataforma estratgica para

    intervenes renovadoras, de carter humanitrio, educativo ou teraputico.

    Martinho Srgio de Medeiros Casado- Enfermeiro do CAPS (depoimento

    verbal).

    Na coletnea das informaes contidas nos formulrios, os profissionais narraram

    que a atividade desenvolvida na horta melhorou expressivamente a qualidade de vida e o

    comportamento dos usurios, pelo crescente prazer em que os mesmos tinham em cuidar das

    hortas e que eles passaram a relacionar as demais atividades ocupacionais realizadas no CAPS

    com a horta agroecolgica.

  • 29

    5 CONCLUSES

    1. A horta diversificada de base agroecolgica foi implantada no Centro de Ateno

    Psicossocial I do municpio de Picu PB;

    2. Verificou-se que a maioria dos usurios mulher com idade entre 31-60 anos,

    aposentando, pensionista ou recebe auxlio doena e que estes usurios sofrem

    principalmente de ansiedade, inquietao delrio e nervosismo;

    3. A realizao de atividades ocupacionais em hortas agroecolgicas pode ser uma

    ferramenta efetiva na melhoria de qualidade de vida dos usurios, do seu

    comportamento e amenizador dos sofrimentos psquicos que os acompanha, alm

    de possibilitar melhoria na alimentao dos usurios e seus familiares.

  • 30

    REFERNCIAS

    1. ALTIERI, M. Agroecologia: bases cientficas para uma agricultura sustentvel. Guaba-

    RS: Agropecuria, 2002, 592 p.

    2. AMARANTE, P. Sade Mental e Ateno Psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007.

    3. AMARANTE, Paulo (org.). Loucos Pela Vida: A Trajetria da Reforma Psiquitrica no

    Brasil. Rio de Janeiro. Panorama/ENSP, 1995.

    4. AMARANTE, Paulo. Sade mental e ateno psicossocial. 2. ed. Rio de Janeiro, Ed.

    Fiocruz, 2008. 117 p.(Coord.). Sade mental, polticas e instituies: Programa de

    Educao a Distncia. Rio de Janeiro. Mdulo. 7. Fiotec/Fiocruz, EAD/Fiocruz. 2009. 90

    p. 7

    5. BEZERRA Filho, J. G., L. R. Pontes, L. Mina Dde e M. L. Barreto. [Infant mortality and

    sociodemographic conditions in Ceara, Brazil, 1991 and 2000]. Rev Saude Publica, 41, 6,

    10231031. 2007.11.

    6. BRASIL, http://portal.saude.gov.br/portal/saude/visualizar_texto.cfm?idtxt=33929.

    Acesso em 02 de agosto de 2013.

    7. BRASIL. MINISTRIO DA SADE. SECRETARIA DE ATENO SADE

    DEPARTAMENTO DE AES PROGRAMTICAS ESTRATGICAS. Sade Mental

    no SUS: Os Centros de Ateno Psicossocial. Braslia : Ministrio da Sade, 2004.

    8. BUELONI, C. S. S. Terapia Ocupacional e cotidiana: em busca da essncia. In: Temas

    So Paulo, v.24, n.47, p.114-22, 1994.

    9. Camargo Z, Rusilo LC, Madureira S. Evaluating speech samples designed for the Voice

    Profile Analysis Scheme for Brazilian Portuguese. In: Botinis A, editor. Proceedings of the

    Fourth ISCA Tutorial and Research Workshop on Experimental Linguistics. 2011 Mai 25-

    27; Paris. Paris: ISCA; 2011. p. 55-8.

    10. CAMARGO, Carolina Maria Olim Nbrega (Campus Experimental de Dracena, UNESP,

    Dracena), Willian Paulino Fernandes (Campus Experimental de Dracena, UNESP,

    Dracena), Aur Ferreira Martins (Campus Experimental de Dracena, UNESP, Dracena),

  • 31

    Juliana Andria de Oliveira (Campus Experimental de Dracena, UNESP, Dracena), Daniel

    Nicodemo (Campus Experimental de Dracena, UNESP, Dracena, 2011).

    11. CARVALHO, Rosita Edler. Temas em educao especial. Ed. 2. , R. de Janeiro, WVA

    Editora,1998. MINISTRIO DA SADE. Poltica nacional de alimentao e nutrio.

    Braslia, 1997.

    12. COSTABEBER, J. A.; CAPORAL, F. R. Possibilidades e alternativas do

    desenvolvimento rural sustentvel. In: VELA, H. (Org.). Agricultura Familiar e

    Desenvolvimento Rural Sustentvel no Mercosul. Santa Maria: Editora da UFSM/Pallotti,

    2003. p.157-194.

    13. DITTRICH, Alexandre. Psicologia, Direitos Humanos e Sofrimento Mental: Ao,

    Renovao e Libertao. In: Psicologia Cincia e Profisso. Ano 18, n 1, 1998. p. 38-55.

    14. E. MORIN, (1999). Antropologia da liberdade pag. 10, texto traduzido, La Mthode 4,

    Paris, Seuil, 1991. Em arquivo PDF.

    15. ETHOS, Instituto. O que as empresas podem fazer pela incluso das pessoas com

    deficincia. So Paulo: 2002.

    16. FERRARI, S. M. Indagaes sobre a concepo de cenrio em Terapia Ocupacional. In:

    Revista do Centro de Estudos de Terapia Ocupacional, n.4, p.6-10, set. 1999.

    17. GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulao da identidade deteriorada. 4.ed.

    Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

    18. GRANDESSO, M. A. (2000), Sobre a Reconstruo do significado: Uma Anlise

    Epistemolgica e Hermenutica da Prtica Clnica, So Paulo: Casa do Psiclogo.

    19. INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL,

    . Acesso em: ago. 2013.

    20. JACOBI, P. Educao e Pesquisa, So Paulo, v. 31, n. 2, p. 233-250, maio/ago. 2005

    21. JACOBI, P. Meio ambiente urbano e sustentabilidade: alguns elementos para a reflexo.

    In: CAVALCANTI, C. (Org.). Meio ambiente, desenvolvimento sustentvel e polticas

    pblicas. So desenvolvimento sustentvel e polticas pblicas. Paulo: Cortez Editora,

    1997.

  • 32

    22. MINISTRIO DA SADE. Poltica nacional de alimentao e nutrio. Braslia, 1997.

    23. OMS. So Paulo: BIREME / OPAS / OMS, Julho 2008. 150 p. 1.

    24. PAVEZI, caminho dos cantos: morar e intersetorialidade na saude mental. Fractal: Revista

    de Psicologia, vol.22, n.3, Rio de Janeiro, 2010.

    25. REIGOTA, M.A.S. (1991). O meio ambiente e suas representaes no ensino em So

    Paulo, Brasil. Uniambiente. Braslia, ano 2, 1, 27-30.

    26. REINALDO, A. M. S.; ROCHA, R. M. Visita domiciliar de enfermagem em sade

    mental: idias para hoje e amanh. Revista Eletrnica de Enfermagem. v. 4, n. 2, p. 36-41,

    2002.

    27. SASSAKI, Romeu Kazumi. Incluso construindo uma sociedade para todos.3 ed. Rio de

    Janeiro: WVA, 1999. 174p.

    28. SILVA, Reinaldo. Teorias da Administrao, 2002. p. 153.

    29. SILVEIRA, D. L. ; MORAIS, T. P. ; RUFINO, M. A. ; BORGES, M. ; GOUVEIA, R. ;

    LUZ, J. M. Q. . Atividade de horta teraputica no auxilio ao tratamento de pacientes

    portadores de sofrimento mental grave. In: 47 Congresso Brasileiro de Olericultura e IV

    Simpsio Brasileiro Sobre Cucurbitceas, 2007, Porto Seguro. Horticultura Brasileira,

    2007. v. 25.

    30. STAINBACK, S.; STAINBACK, W.; EAST, K.; SHEVIN, M. A incluso e o

    desenvolvimento de uma auto-identidade positiva em pessoas deficientes. In:

    STAINBACK, S.; STAINBACK, W. (Org.). Incluso: um guia para educadores. Porto

    alegre: Artes Mdicas Sul, 1999. pg. 407-413.

    31. SZASZ, T. 1978 "Contra o caso intervenes psiquitricas obrigatrias" The Lancet

    13/05/1978.

    32. TEDESCO Jos Carlos. Agrodiversidade, agroecologia e agricultura familiar: velhas e

    novas faces de um processo de desenvolvimento na regio de Passo Fundo Ps-anos 90.

    Porto Alegre: Editora da Universidade de Passo Fundo, 2006.

    33. VERSSIMO, Hildemar. (2005) Incluso: a educao da pessoa com necessidades

    educativas especiais velhos e novos paradigmas. Disponvel em:

  • 33

    http://200.156.28.7/Nucleus/media/common/Nossos_Meios_RBC_RevAbr2001_Artigo%

    202.rtf. Acesso em jul. de 2013.

    34. WANDERLEY, M. Refletindo sobre a noo de excluso. In: Sawaia, B. (Org.). As

    artimanhas da excluso - anlise psicossocial e tica da desigualdade social. Petrpolis:

    Vozes, 1999, pp.16-26

  • 34

    Apndices

  • 35

    INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAO, CINCIA

    E TECNOLOGIA DA PARABA - CAMPUS PICU.

    Projeto: Horta Agroecolgica: Uma ferramenta para

    reinsero do portador de sofrimento mental

    Apndice A: Questionrio para os usurios do CAPS

    Nome do usurio __________________________________ Idade ______

    1. O que voc achou do projeto horta agroecolgica?

    ( ) ruim ( ) regular ( ) bom ( ) timo

    2. Voc tem o hbito de consumir hortalias?

    ( ) sim ( ) no

    3. Voc passou a consumir mais hortalias depois dos ensinamentos nas

    oficinas sobre as propriedades dos mesmos?

    ( ) sim ( ) no

    4. Foi proveitoso para voc aprender a plantar hortalias?

    ( ) sim ( ) no

    5. Voc acha que a horta no CAPS contribui para a melhoria das

    refeies que so oferecidas para vocs?

    ( ) sim ( ) no

    6. Depois dos ensinamentos e da experincia vivenciada nas hortas, voc

    plantou hortalias em casa?

    ( ) sim ( ) no

  • 36

    INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAO, CINCIA

    E TECNOLOGIA DA PARABA - CAMPUS PICU

    Projeto: Horta Agroecolgica: Uma ferramenta para

    reinsero do portador de sofrimento mental

    Apndice B: Questionrio para os profissionais do CAPS

    Nome do Entrevistado (a)________________________________________

    Funo que exerce _____________________________________________

    01. Voc acha que as oficinas ocupacionais trabalhada com a temtica das

    hortas contriburam para a recuperao dos usurios?

    ( ) sim ( ) no

    02. Voc acha que a horta no CAPS contribuiu para a melhoria das

    refeies dos usurios?

    ( ) sim ( ) no

    03. Voc notou interesse dos usurios pelas oficinas na horta?

    ( ) sim ( ) no

    04. Voc acha que o projeto da horta ocupacional proporcionou uma

    conscientizao nos usurios no tocante ao meio ambiente?

    ( ) sim ( ) no

    05. Como voc v a produo de hortalias no CAPS, onde a maioria do

    pblico alvo so agricultores e filhos de agricultores?

    ( ) ruim ( ) boa ( ) tima

    06. Voc recomendaria esta modalidade de oficina ocupacional a outras

    instituies de recuperao de sade mental?

    ( ) sim ( ) talvez ( ) no

  • 37

    INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAO, CINCIA

    E TECNOLOGIA DA PARABA - CAMPUS PICU

    Projeto: Horta Agroecolgica: Uma ferramenta para

    reinsero do portador de sofrimento mental

    Apndice C: Questionrio para os familiares dos usurios do CAPS

    Nome do Entrevistado (a) ____________________________ Idade______

    01. Voc tem horta em Casa?

    ( ) sim ( ) no

    02. Como voc v a iniciativa da implantao de hortas no CAPS como ferramenta de

    ocupao para o seu familiar?

    ( ) ruim ( ) regular ( ) boa ( ) tima

    03. Voc notou alguma mudana no habito alimentar do seu familiar no que diz

    respeito ao consumo de hortalias?

    ( ) sim ( ) no

    04. Voc acha que consumir hortalias faz bem sade?

    ( ) sim ( ) no

    05. Com que frequncia consumida hortalias em sua casa?

    ( ) s vezes ( ) diariamente ( ) nunca

  • 38

    ANEXO

  • 39

    ESTADO DA PARABA PREFEITURA MUNICIPAL DE PICU/PB

    SECRETARIA DE SADE CNPJ 08.619.650/0001-21

    CAPS Centro de Ateno Psicossocial

    Anexo A: EXERCCIO TEORICO DA HORTA AGROECOLGICA

    Pedagoga: Maria Domarice Nogueira Bezerra

    Nome usurio: ____________________________________________________

    Data: ____/____/___________

    Tabela de conveno de medidas

    Braa 2,20 metros

    P 33 centmetro

    Palmo 22 centmetro

    1. Marque com um x as respostas corretas:

    Se o espao ocupado pela horta agroecolgica no terreno do CAPS tem 240 metros,

    quanta braas ela ocupa?

    ( ) 180 braas

    ( ) 310 braas

    ( ) 109 braas

    2. Os canteiros da horta tm 2 metro, quantos ps eles tem?

    ( ) 6,06 ps

    ( ) 10,03 ps

    ( ) 8, 04 ps

    3. Plantamos nas entre linhas dos canteiros 1 palmo, este espao ficou com quantos

    centmetros?

    ( ) 41 centmetros

    ( ) 28 centmetros

    ( ) 22 centmetros