APH - Trauma de Abdome e Pelve - Apresenta§£o

  • View
    1.075

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of APH - Trauma de Abdome e Pelve - Apresenta§£o

TRAUMA ABDOMINAL

Alunos: Al CFS BM 27 Rafaelle Al CFS BM 46 Valdemir Disciplina: Atendimento Pr-Hospitalar Instrutor: Maj BM Marconni Curso de Formao de Sargentos

Objetivo geral:Avaliar e identificar traumas de abdome para realizar devidamente o atendimento pr-hospitalar.

Objetivos especficos:- Relacionar os sinais externos de trauma abdominal com possibilidade de leso e inferir os efeitos fisiopatolgicos do trauma fechado e dos ferimentos penetrantes do abdome. - Usar avaliao de cena e reconhecer achados do exame secundrio que podem indicar leso abdominal. - Identificar adequada interveno e transporte no que se refere a trauma abdominal.

2

pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

IntroduoO Abdome a parte do corpo onde mais difcil fazer o diagnstico correto de leses traumticas que necessitem intervenes cirrgicas. Quando no reconhecido, o trauma abdominal uma das principais causas de morte nos pacientes traumatizados. Devido dificuldade do diagnstico correto no trauma abdominal, a melhor conduta transportar os pacientes com suspeita de leso abdominal para o hospital apropriado mais prximo. No pr-hospitalar tambm pode ser difcil de determinar a extenso do trauma abdominal. A morte pode ocorrer por perda intensa de sangue tanto em decorrncia de ferimentos penetrantes quanto de trauma fechado, sendo este mais difcil de ser detectado tendo maior risco de vida.3pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

Fisiologia do AbdomeO abdome contm os principais rgos do sistema digestivo e os principais vasos do sistema respiratrio. Est localizado abaixo do diafragma, os seus limites so a parede anterior do abdome, os ossos da bacia, a coluna vertebral e os msculos do abdome e dos flancos. A parte superior do abdome protegida anteriormente pelas costelas e posteriormente pela coluna vertebral. Esta regio contm o fgado, a vescula biliar, o bao, o estmago e o diafragma, que podem ser lesados em decorrncia de fratura de costela ou leso de esterno. Os rgos mais comumente lesados quando h fraturas de costelas so o bao e o fgado. A parte inferior do abdome protegida por todos os lados pela pelve. Esta rea contm o reto, a maior parte do intestino, a bexiga, os ureteres e os rgos do sistema reprodutor feminino.4pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

O abdome dividido em dois espaos: o peritonial e o retroperitonial - O espao retroperitonial (verdadeira cavidade abdominal) inclui a poro do abdome atrs do peritnio que contm os intestinos grosso e delgado, bao fgado, estomago, vescula biliar e rgos do sistema reprodutor feminino. - O espao peritonial (espao virtual atrs da verdadeira cavidade abdominal) contm os rins, uretra, bexiga, rgos do sistema reprodutor, a cava O espao retroperitonial inclui a poro do abdome atrs inferior, a aorta abdominal, o do peritnio, os rgos no entram em contato com a pncreas, e parte do duodeno, cavidade peritonial. Leses de rgos nessa rea no clon e reto. causam necessariamente peritonite.pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

5

Para fins de avaliao do paciente a superfcie abdominal dividida em quatro quadrantes. O conhecimento das referncias anatmicas importante devido a grande correlao entre o rgo acometido e a dor. O quadrante superior direito (QSD) contm o fgado e a vescula biliar o quadrante superior esquerdo (QSE) contm o bao e o estomago, o quadrante inferior esquerdo (QIE) e direito (QID) contm basicamente o intestino. - Quanto aos rgos abdominais eles podem ser slidos e vasculares (quando lesados sangram) exemplos: fgado, bao, aorta e cava, ou podem ser ocos (quando lesados podem derramar seu contedo na cavidade peritonial ou espao retroperitonial) exemplos: intestino, vescula biliar e bexiga. - O derramamento pode causar a peritonite (inflamao) e/ou sangramento intraabdominal. O tratamento pr-hospitalar consiste em iniciar rapidamente o tratamento do choque e controlar a hemorragia.6pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

Classificao do TraumaTrauma abdominal aberto: So leses abdominais que podem ser causadas por ferimentos penetrantes ou perfurantes. Penetrantes: quando ocorre soluo de continuidade, ou seja, a penetrao da parede abdominal por objetos, projteis, armas brancas, ou a ruptura da parede abdominal provocada por esmagamentos. A penetrao limita-se parede do abdmen sem provocar leses internas. Perfurantes: Quando h envolvimento visceral (de vscera oca ou macia). quando o objeto que penetrar na cavidade abdominal atingir alguma vscera , lesando rgos e estruturas.pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

7

Classificao do Trauma

Trauma abdominal aberto com exposio visceral

Trauma abdominal causado por objeto penetrante8pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

Classificao do TraumaTrauma abdominal fechado: Tambm denominado contuso abdominal, a pele neste caso se mantm ntegra. Eles podem ser: Diretos: Impacto direto com objetos, por exemplo, s leses por impacto contra o cinto de segurana nos acidentes. Indiretos: So de especial consequncia s leses por mecanismo de acelerao/desacelerao tambm nos acidentes de trnsito. Este tipo de trauma, tambm conhecido como contuso do abdmen, ocorre quando h transferncia de energia cintica, atravs da parede do abdmen, para os rgos internos, lesando-os.pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

9

Classificao do Trauma

Abdome com leses causadas por cinto de segurana

Impacto direto em abdome10pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

Principais Causas de Traumas de AbdomeOs traumas abdominais ainda so pouco quantificados em relao a outros tipos de trauma, porm, a ttulo de conhecimento podemos nos basear em artigos de estudo disponveis na internet. Esses dados foram retirados do site da ABCD (Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva So Paulo) e o artigo se refere a Trauma abdominal: estudo das leses mais frequentes do sistema digestrio e suas causas.11pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

Principais Causas de Traumas de AbdomeForam selecionados 34 pacientes do Sistema nico de Sade com diagnstico de trauma abdominal, atendidos no perodo de janeiro de 2005 a setembro de 2005 no Hospital Universitrio Evanglico de Curitiba.

Trauma7% 6% 44% 56% Aberto Fechado

Trauma Abdominal AbertoAcidentes Aut. Golpes

17% 70%

Quedas Outros

12pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

Principais Causas de Traumas de AbdomeLeses por contuses, as vsceras mais atingidas 6% 6% 17% 60% 11%Bao Figado Rim Pancreas Outros

Vsceras mais atingidas no trauma abdominal abertoInt. Dealgado

23%

31%

Fgado Clon

23% 23%

Rim

13pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

Avaliao da VtimaA avaliao da vtima deve levar em considerao: Deve ser baseada no mecanismo do trauma e nos achados do exame fsico; Suspeitar de sangramento quando houver escoriaes externas ou distenso; Alertar para sinais sutis da vtima como ansiedade, agitao e dispneia; O indicador mais confivel de sangramento intra-abdominal a presena de choque no explicado; Os sintomas podem ser mascarados por uso de lcool ou drogas; A cavidade abdominal do adulto pode conter at 1,5l de lquido sem apresentar sinais de distenso;

14

pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

Avaliao da VtimaAlguns indicadores seguros para suspeitar da presena de leso abdominal: Mecanismo de leso ou estrago no carro (volante torto); Sinais externos de trauma; Choque de causa no explicada; Choque mais grave do que o explicado por outras leses; Presena de rigidez abdominal, defesa ou distenso (raramente encontrado).15pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

Avaliao da VtimaA avaliao da vtima com suspeita de trauma abdominal deve incluir: 1. Inspeo: O abdome deve ser exposto e examinado, procurando-se distenso, contuses, abrases, ferimentos penetrantes, eviscerao, objetos encravados e/ou sangramento evidente. 2. Palpao: Pode indicar defeitos na parede abdominal ou provocar dor na rea palpada, defesa involuntria ou voluntria, rigidez e/ou compresso ou descompresso brusca e dolorosa podem indicar lacerao, inflamao ou hemorragia. Evitar a palpao profunda quando h evidncia da leso.

16

pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

Atendimento Pr-Hospitalar PrMedidas a serem tomadas pelos socorristas para minimizar os danos do estado de choque em decorrncia do trauma abdominal: Desobstruir as vias areas permitindo boa ventilao; Ministrar oxignio a 12 ou 15 litros por minuto; Elevar os membros inferiores (posio de choque); Aquecer a vtima evitando a hipotermia, que agrava o estado de choque; Controlar hemorragias externas de ferimentos ou imobilizar fraturas de ossos longos, como fmur e mero, da maneira mais rpida possvel, sem retardar o transporte, para minimizar perdas adicionais de sangue.

17

pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

Atendimento Pr-Hospitalar PrObjetos encravados: Pode causar leses graves e a ponta distal do objeto pode estar tamponando o sangramento sendo contra indicado a sua remoo em ambiente pr-hospitalar; O socorrista deve estabilizar o objeto mecanicamente ou manualmente, se houver sangramento volta deste objeto deve ser feita presso direta a volta do ferimento com a palma da mo em torno do objeto; Apoio psicolgico a vtima fundamental, nesse caso o abdome no deve ser palpado.18pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

Atendimento Pr-Hospitalar PrEviscerao: Ocorre quando um segmento do intestino ou outro rgo abdominal passa atravs de uma ferida ficando fora da cavidade abdominal; No se deve tentar colocar o rgo de volta a cavidade abdominal; Se um destes rgos ficar a seco pode haver morte celular; O contedo eviscerado deve ser coberto com compressas estreis umedecidas com soluo salina estril (soro fisiolgico); Estas compressas devem ser periodicamente reumedecidas para evitar que fiquem secas.

19

pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

Atendimento Pr-Hospitalar PrAplicao de curativo em eviscerao

20pepeav.upe@cbm.pe.gov.br

Referncias Comit do PHTLS da National Association of Emergency Medical Technicians em cooperao com