Click here to load reader

XVII COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE · PDF filemadeiras: escoras de eucalipto, madeiras de caixaria e itaúba; a argamassa ainda na escora que foi reutilizada; e a presença de

  • View
    217

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of XVII COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE · PDF filemadeiras: escoras de eucalipto, madeiras de...

  • 1

    XVII COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA D E

    AVALIAES E PERCIAS - IBAPE/SC - 2013

    M EXECUO DE OBRAS DE ENGENHARIA COM ESTUDO DE CA SOS

  • 2

    SUMRIO A - Consideraes preliminares...................................................................................4

    B Primeiro estudo de caso estrutura da cobertura de imvel ................................5

    C Segundo estudo de caso m execuo de obra em escola.............................12

    D Terceiro estudo de caso geminados ................................................................23

    K - Concluso final ....................................................................................................25

    Referncias Bibiliogrficas ........................................................................................26

  • 3

    RESUMO

    O presente trabalho teve como objeto apresentar a m execuo das obras em desrespeito as Normas Brasileira e a boa engenharia. Sero apresentados alguns estudos de casos vistoriados e que foram alvo de pericias. Apresentar casos prticos que ocorrem no dia-a dia.

    Estes erros oriundos da m execuo da obra acabam necessitando de adaptaes no previstas nos oramentos, em muitas situaes se faz necessrio at a demolio total da obra e a reconstruo completa da mesma.

    Nestes estudos de caso sero apresentados algumas fases de servios que foram constatados erros com maior nfase, no sendo possvel apresentar todas as fases da obra.

    de conhecimento que a mo-de-obra na construo civil em muitos casos no de boa qualidade e que o conhecimento e que o pessoal que nela trabalha possui conhecimento da prtica, mas que quando supervisionados por profissionais habilitados, aliados a detalhes de projeto, podem resultar em bons trabalhos.

    Nos casos citados tcnica adotada, assim como os servios e materiais no seguiram o que preconiza a Associao Brasileira de Normas Tcnica ABNT.

    PALAVRAS CHAVE: m execuo das obras de engenharia com estudo de casos.

  • 4

    A - CONSIDERAES PRELIMINARES a.1 - Informa a ABNT, esta que faz a normalizao em relao a problemas existentes ou potenciais, prescries destinadas utilizao comum e repetitiva com vistas obteno do grau timo de ordem em um dado contexto que a Normalizao contribui com:

    Economia: Proporcionar a reduo da crescente variedade de produtos e procedimentos. Comunicao: Proporcionar meios mais eficientes na troca de informao entre o fabricante e o cliente, melhorando a confiabilidade das relaes comerciais e de servios. Segurana: Proteger a vida humana e a sade Proteo do Consumidor: Prover a sociedade de meios eficazes para aferir a qualidade. dos produtos. Eliminao de Barreiras Tcnicas e Comerciais: Evitar a existncia de regulamentos conflitantes sobre produtos e servios em diferentes pases, facilitando assim, o intercmbio comercial

    . Cita ainda a ABNT que:

    Na prtica, a Normalizao est presente na fabricao dos produtos, na transferncia de tecnologia, na melhoria da qualidade de vida atravs de normas relativas sade, segurana e preservao do meio ambiente.

    Informa-se que o memorial descritivo indica o mnimo necessrio as quais

    devero obrigatoriamente atender s normas e especificaes da ABNT. Conforme a ABNT, o Memorial Descritivo um documento que deve estar presente na maioria dos tipos de projetos.

    Outra citao da ABNT de que projetos de engenharia, arquitetura ou de outras cincias devem conter em um documento todo o detalhamento do projeto realizado. Informa ainda a ABNT, na Norma 13.532 que a funo do memorial ser ento auxiliar toda a compreenso do projeto para todos os interessados no produto, com grifo acrescido por esta signatria. O memorial descritivo do projeto um documento textual, de recomendaes gerais. Em geral dentre inmeros outros tpicos, pode conter:

    conceituao do projeto normas adotadas para a realizao dos clculos premissas bsicas adotadas durante o projeto objetivos do projeto detalhamento de materiais empregados na obra ou no produto demais detalhes que pode ser importantes para o entendimento completo do projeto

    Informa-se que apresenta-se divergncias nos casos que sero apresentados tanto no que se refere a m execuo das obras, assim como com a relao ao solicitado no memorial descritivo e o executado em obra.

    Os trabalhos de campo nas vrias obras e imveis j concludos comearam com uma vistoria detalhada da rea, seguida de sucessivas visitas ao local; com posterior execuo de Laudo Tcnico. Seguem os estudos de casos:

  • 5

    B PRIMEIRO ESTUDO DE CASO ESTRUTURA DA COBERTUR A DE IMVEL

    O imvel em questo um prdio inacabado, de uso pblico, trreo, com cobertura com telhas de fibrocimento (foco do problema existente) e telhas cermicas em duas guas no vo central do prdio.

    Informa-se que foram reutilizadas pela Construtora, escoras de eucalipto e madeiras de caixaria que se encontram sujas e em pssimo estado, pelo fato de ter sido utilizadas como apoio (escoras) para a laje; alm de no possurem qualificaes para atuarem estruturalmente como estrutura da cobertura do edifcio onde foram utilizados as telhas de fibrocimento.

    possvel verificar a existncia de argamassa nas escoras. Informa-se que foram utilizadas madeiras de Itaba apenas como sarrafo para apoio das telhas de fibrocimento.

    Figura 1 - Fotografia executada onde possvel observar a estrutura da cobertura do imvel. Observar a e xistncia de madeira de caixaria, que serve como apoio para as escoras.

    . b.1 Normas

    Informa-se que este trabalho tcnico possui sua estrutura definida na Norma

    Brasileira NBR-13.752 da ABNT; que segundo a citada Norma exigida nas manifestaes escritas de trabalhos periciais de engenharia na construo civil. Informa-se que no foram seguidos os conceitos, mtodos e procedimentos gerais prescritos pela Associao Brasileira de Normas Tcnicas (ABNT), entre elas a Norma Tcnica NBR7190/97 Norma Brasileira de Regulamentao de madeira e Estruturas de Madeira.

    Segundo as disposies da NBR 13.752/96 da ABNT, observou-se que a complexidade e grau de deteriorao da estrutura de madeira da cobertura do imvel em questo determinaram o estado de urgncia da soluo da cobertura do imvel, que atualmente esta sendo utilizado de forma precria e inacabada.

  • 6

    b.2 Origem das patologias construtivas

    Constatou-se que a estrutura da cobertura, incluso a estrutura de madeira e a cobertura com telhas de fibrocimento possuem origem nos servios mal executados e no material fornecido pela Construtora podendo ser subdividido como: b.2.1 - Infiltrao de gua resultante de defeito d e construo da estrutura da madeira.

    Figura 2 - Observar a disposio das madeiras, sem nenhum critrio tcnico; a misturas de madeiras: escoras de eucalipto, madeiras de caixaria e itaba; a argamassa ainda na escora que foi reutilizada; e a presena de infiltrao de guas de chuva na madeira.

    b.2.2 - Apodrecimento de algumas madeiras.

    Figura 3 - Observar o apo drecimento da madeira. Referida desintegrao avanada da madeira devido infiltrao de gua de chuva e o tipo de madeira inapropriado para este fim. Observar tambm a disposio da madeira, sem nenhum critrio tcnico.

  • 7

    b.2.3 - Utilizao de madeiras inadequadas para est rutura de cobertura.

    Para a utilizao de peas de madeira empregadas em estruturas de telhados que so espcies de madeira serrada existem algumas bitolas comerciais, comuns de serem encontradas prontas no mercado, o que infelizmente no ocorreu no imvel objeto.

    Figura 4 - Observar a inexistncia de dimenses comerciais de madeira, e o reaproveitamento de madeiras destinadas a uso temporrio como escoramento e de caixaria.

    b.2.4 - Inexistncia de critrios tcnicos na exec uo da estrutura de madeira da cobertura.

    No houve parmetros relacionados com as posies de eixos de barras, ns,

    posio, dimenses da madeira. Para que uma ligao trabalhe com a resistncia definida pela norma

    brasileira necessrio que os elementos da ligao sejam distribudos adequadamente, respeitando-se os espaamentos entre os elementos e entre elementos, bordas, e extremidades.

    O que ocorreu na obra em questo, foi um reaproveitamento de madeiras inadequadas para a estrutura da cobertura.

  • 8

    Figura 5 - Observar as madeiras utilizadas, a pssima execuo do telhado, com a existncia de pedaos pequenos de madeira que servem como apoio na estrutura da cobertura; assim como a presena de gua na laje devido a infiltrao existente

    b.2.5 Falhas de Gerenciamento e execuo:

    Houve falhas no gerenciamento e na execuo da obra, assim como desobedincias s normas tcnicas, ausncia ou precariedade de controle tecnolgico, utilizao de mo de obra sem qualificao.

    As estruturas de madeira deveriam ser verificadas quanto segurana para o estado limite de utilizao. No h critrios tcnicos na execuo da estrutura de madeira da cobertura do imvel em questo.

    Figura 6 - Ine xistncia de critrios tcnicos na execuo da estrutura de madeira da cobertura em questo.

  • 9

    b.2.6 Deteriorao das Madeiras: Deteriorao das madeiras utilizadas na estrutura do telhado

    inadequadamente, tanto em funo do tipo da madeira como da forma que est executada a estrutura da cobertura.

    Figura 7 - Observar a deteriorao das madeiras

    b.3 O tipo de madeira utilizado

    Segundo a histria, a madeira um dos materiais de construo mais antigos

    utilizados pelo homem. A madeira um produto vegetal que provem do lenho dos

Search related