Click here to load reader

Madeiras FQ

  • View
    236

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Produção e Secagem

Text of Madeiras FQ

  • MadeirasProcessos de Produo FQ

  • inde

    x

  • inde

    x

    inde

    x

    1

    3

    5

    2

    4

    76

    introduo

    aglomerados

    balsa

    carvalho

    bano

    secagem

    bibliografia

  • intro

  • A escolha do material parte essencial do desenho deuma pea.Para poder desenhar a forma de um produto necessrio reconhecer no material a capacidade deaguentar essa mesma forma.

    Para alm disso necessrio que o material respondaa uma srie de requesitos tcnicos relacionados coma higiene, segurana e conforto.Entre outros aspectos dependem do material o peso,a durabilidade, resistncia e preo dos produtos.Depois de escolhidos os materias necessrio percebero processo de execuo dos produtos e os tipos deacabemento existentes.

    neste processo que o conhecimento da tecnologia e dosmaterias valioso. O domnio das propriedades dos materiais fundamental para o Design de Equipamento, uma vez queum produto s vivel se puder ser produzido.

    Este documento apresenta-se ento como umasntese/reflexo sobre a utilizao das madeiras no Designe processo de secagem.

    1

  • aglo

    mer

    ados

  • Os aglomerados so o resultado da compresso depequenos pedaos de madeira

    Os diferentes tipos de aglomerados distinguem-se pelotamanho, forma dos bocados de madeira que osconstituem, densidade e aderncia.Geralmente os pedaos de madeiras utilizados para ofabrico deste material so provenientes de rvores adultasdesvitalizadas ou de restos de madeira.

    Existem paineis de uma s camada e de vrias camadas.Este fenmeno permite que se utilizem aglomerados dediferentes tipos para diversas aplicaes ou que seconjuguem dois tipos de aglomerado diferentes paraconseguir um certo acabamento (por exemplo, usandoum aglomerado de madeiras finas na parte visvel de umequipamento e uma placa de aglomerado de madeirasbrutas para a estrutura).

    Geralmente o aglomerado vendido com um revestimento deMelamina o que permite a criao de superfcies lisas a umbaixo custo sem recorrer a lacagens.

    Ainda que seja um material pouco nobre cada vez maisutilizado no design e na arquitectura por se apresentar comouma soluo barata, sustentvel e fcil de aplicar empavimentos, paredes e at tectos.

    2ag

    lom

    erad

    os

  • bals

    a

  • bals

    a

    A Balsa uma das madeiras mais leves do mercado euma das mais claras tambm.

    Para alm de ser extremamente leve bastante maciae brilhante. pouco resistente a arranhes mas quandocortada perpendicularmente aos veios oferece granderecistncia.

    normalmente utilizada para isolamentos trmicos esonoros e para a produo de maquetas e prottipospor ser acessvel e fcil de trabalhar manualmente

    A sua densidade relativa varia entre 0.10 e 0.23 g/cm3.

    3

  • carv

    alho

  • carv

    alho

    O Carvalho um tipo de madeira nobre por ser bastanteresistente, durvel e prrpria para interior e exterior.

    Pode variar de cor entre o tom amarelado e o castanhoescuro. O sei veio bastante caracterstico e por isso uma madeira facilmente identificvel.

    bastante utilizada em parquet, estruturas, coberturas,e mobilirio de interior e exterior.

    A sua densidade varia entre 0.60 e 0.80 g/cm3.

    4

  • ban

    o

  • ban

    o

    O bano uma madeira altamente densa e resistenteque se distingue pelo contraste entre o veio amareladoe castanho escuro.

    As rvores de bano so de pequeno dimetro o queno permite a construo de moblia massissa a partirdeste material. Por isso normalmente utilizado para aproduo de pequenos objectos.

    geralmente empregue na construo de instrumentosmusicais, artigos de luxo e incrustados.

    A sua densidade relativa varia entre 1.05 e 1.25 g/cm3.

    5

  • seca

    gem

  • Uma rvore est, em tempo de vida, satuarda de gua,por vezes at 200%, variando de espcie para espciee de eco-sistema.

    Controlar o grau de humidade de uma madeira essencialpara a sua comercializao e utilizao.Na verdade qualquer madeira (quer esteja pronta a serprocessada, quer esteja j cortada ou quer tenha sidotransformada em qualquer pea de mobilrio) comporta-se como uma esponja na medida em que se contrai notempo seco e dilata com a humidade.Isto deve-se entre outros factores porosidade e ausncia de tratamento das superfcies.A secagem da madeira constiste ento na remoo dagua contida na madeira para melhor estabilizar o seucomportamento e as suas propriedades.Existem dois tipos de secagem: natural (ao ar, durantevrios meses ou vrios anos) ou artificial (numa mquinade secagem que, num sistema isolado, retira a humidadeda madeira e aquece-a, ou num forno controlado, poralguns dias).A secagem artificial a mais adequada porque garantea eliminao de fungos e pragas e previne fendas eempenos.Comercialmente a madeira considerada seca quandoo seu grau de humidade no excede os 22%.

    ver http://w3.ualg.pt/~ealmeida/Materiais%20de%20Construo/B&W/NP%20614_1.pdfseca

    gem

    6

    _H = m1-m2m1

    x 100m1- massa do provete hmidom2- massa do provete seco

  • bibl

    iogr

    afia

  • bibl

    iogr

    afia

    http://portaldamadeira.blogspot.com/2009/10/propriedades-fisicas-da-madeira.html

    http://repositorio.ipcb.pt/bitstream/10400.11/195/1/secagemSPCF.pdf

    http://portaldamadeira.blogspot.com/2009_10_01_archive.html

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Densidade

    http://w3.ualg.pt/~ealmeida/Materiais%20de%20Construo/B&W/NP%20614_1.pdf

    http://paginas.fe.up.pt/~jcouti/Madeiras%2099.pdf

    Materiology by MatrioDaniel Kula, Elodie Ternaux

    7

  • Design de EquipamentoLucas, n. 11, 12C1 FQMdulo II - 2010/2011

Search related