Come§ando Grupos Familiares Pastorais - David Kornfield

  • View
    1.688

  • Download
    6

Embed Size (px)

Text of Come§ando Grupos Familiares Pastorais - David Kornfield

1

COMEANDO GRUPOS FAMILIARIES PASTORAISDAVID KORNFIELD Categoria: Grupos pequenos, discipulado, igreja em miniatura Primeira Edio: Fevereiro, 1999 Coordenao Editorial: Judith Ramos Reviso de Texto: Anglica Rodrigues Edison Mendes de Rosa Lus Francisco de Viveiros Capa: Douglas Lucas

Editora Sepal Caixa Postal 2029, So Paulo, SP, Cep. 01060-970 Telefone (011) 523-2544; FAX (011) 523-2201 E-mail: Editora Sepal@xc.org Todos os direitos reservados pela Editora Sepal; toda reproduo proibida, a no ser com permisso escrita da Editora Sepal. Como indicado, as citaes bblicas foram extradas da Bblia Viva (BV), da Bblia na Linguagem de Hoje (BLH), da Nova Verso Internacional (NVI) ou da Edio Revista e Atualizada (ERA).

3

NDICEIntroduo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 9

Retiro: Introduzindo a Viso dos Grupos Familiares Pastorais . 1. Nossos Testemunhos 2. Nossos Sonhos . . . . .

. 16 . 20 . 24 . 28 . 32

3. A Importncia das Casas no Ministrio de Jesus . 4. A Importncia das Casas na Igreja Primitiva .

5. O Perfil da Igreja Saudvel (Atos 2.42-47) - Parte 1

6. O Perfil da Igreja Saudvel (Atos 2.44, 45) - Parte 2 . 36 7. A Vida do Corpo (1 Corntios 12) . . . . . . . . 40 . 44 . 48 . 49 . 50

8. A Importncia do Amor (1 Corntios 13) . Dicas para os Lderes . Quebra-Gelos . Pedidos de Orao . . . . . . . . . . . . . .

Todos os dias, no templo e de casa em casa no deixavam de ensinar e de proclamar que Jesus o CristoAtos 5.42 - NVI

Voc gostaria que sua igreja experimentasse a qualidade de vida da Igreja do primeiro sculo? Quer vivenciar encontros divinos dessa poca, que deixavam as pessoas cheias de temor santo? Anseia ter o nvel de intimidade e relacionamentos comprometidos e saudveis que os primeiros captulos de Atos demonstra? Este livro levar voc de volta incrvel aventura da Igreja do primeiro sculo, uma Igreja que aps, o martrio de Estevo, reunindo-se somente nas casas, ficou trs sculos, experimentando muito poder, alegria e cresci-mento. Essa poca est sendo redescoberta entre ns restaurando o ministrio e a maravilha da igreja nas casas alm da dinmica normal nos templos. Estudando este livro com um grupo de 10 a 15 pessoas, voc se integrar ao grande mover do Esprito que est acontecendo em nossa gerao: a experincia da Igreja em miniatura, a Igreja que se rene nas casas para ter um encontro com Jesus e desfrutar de relacionamentos comprometidos e saudveis pelo fato de sermos uma famlia e estender o amor dEle para o mundo atravs do evangelismo pessoal. David Kornfield, missionrio da Sepal, lidera o MAPI (Ministrio de Apoio para Pastores e Igrejas). O MAPI oferece seminrios de treina-mento para pastores e lderes e para o pastoreio de pastores em diversas formas. Reside com sua esposa Dbora e quatro filhos na cidade de So Paulo.

5

INTRODUODeus est trazendo um novo mover de Seu Esprito Igreja brasileira no comeo deste novo milnio. Esse mover to grande que algumas pessoas o entendem como uma segunda Reforma. A primeira Reforma, que comeou com Martinho Lutero, tinha a ver com a justificao pela f e a salvao individual. A segunda Reforma celebra e desenvolve a alegria de sermos salvos a nvel coletivo para, reciprocamente, vivenciarmos a alegria da vida em Cristo. Sem querer parecer presunoso observo, pelo menos, cinco grandes expresses desta onda nos ltimos anos no Brasil. So elas: 1) O movimento de grupos familiares, iniciado por Paul Yonggi Cho; 2) Os movimentos de discipulado e de comunidades crists, despertados na dcada de 80, com forte influncia de Juan Carlos Ortiz, Jorge Himitian e outros lderes argentinos; 3) A Rede Ministerial, com nfase sobre equipes de ministrio na igreja, liderado por Armando Bispo e pela Primeira Igreja Batista Regular de Fortaleza; 4) A Igreja em Clulas, liderada por Roberto Lay e a Igreja Menonita de Curitiba; 5) A atuao da Sepal, especificamente atravs do MAPI (Ministrio de Apoio para Pastores e Igrejas), liderado por mim. Deus est agindo de forma sobrenatural para trazer Sua Igreja um avivamento nos relacionamentos, permitindo que ofereamos esperana a um mundo com relacionamentos cada vez mais quebrados, de famlias mais dispersas e casamentos frgeis e divididos. Com os valores da famlia em queda, com a perda de relacionamentos saudveis e a necessidade gritante de as pessoas redescobrirem o amor, Deus est promovendo essa segunda Reforma em Sua Amada Igreja por meio de grupos pequenos saudveis. Na minha viso, hoje, existem quatro tipos de igrejas:

A. A igreja sem grupos pequenos (clulas, grupos familiares pastorais, koinonias, igrejas nos lares). Este tipo de igreja - que no experimentou a segunda Reforma - continua baseando-se em programas. Nas palavras de Ed Ren Kivitz, mantm o paradigma do Antigo Testamento; o modelo do povo de Deus que se expressa principalmente no culto, no dia sagrado (domingo), no clero e no templo. B. A igreja com grupos pequenos, baseia-se ainda em programas, mas inclui os grupos pequenos como um desses programas; como uma boa opo entre muitas na mesa de self-service que os crentes podem desfrutar. C. A igreja em clulas. Este modelo baseia-se no desen-volvimento de clulas, sendo estas, o seu corao. Nesse caso, cada pessoa membro da igreja apenas se for membro de uma clula e todas as estruturas da igreja servem s clulas. D. A igreja de clulas. Eis uma igreja que encoraja e chama cada pessoa a ser membro de uma clula ou grupo pastoral, mas que entende que existem diferentes tipos de grupos pastorais para as diversas necessidades das pessoas. No MAPI indicamos trs tipos de grupos pastorais: 1) o grupo de discipulado, para o treinamento de liderana, 2) o grupo de apoio, para pessoas enfrentando dificuldades alm da sua capacidade de resolv-las e 3) o grupo familiar pastoral, a clula bsica para a maioria dos membros. Este livro indica como comear este ltimo tipo de clula e como ele funciona. Qual destes quatro modelos sua igreja adota? Voc sente o mover do Esprito nessa opo? Na sociedade urbana massificante, como na igreja dominada por programas, poucas pessoas experimentam relacionamentos profundos capazes de trazer alegria, significado e apoio para suas vidas. A alegria de estarem juntos e de compartilharem suas vidas eram caratersticas marcantes entre os integrantes da igreja primitiva. Todos os dias, continuavam a reunir-se no ptio do templo. Partiam o po em suas casas, e juntos participavam das refeies, com alegria e sinceridade de corao, louvando a Deus e tendo a simpatia de todo o povo. E o Senhor lhes acrescentava todos os dias os que iam sendo salvos (At 2.46, 47 NVI). Se vamos continuar oferecendo verdadeiramente Boas Novas ao mundo, precisamos redescobrir e restaurar esse estilo de vida.

7

Algumas pessoas podero estar se perguntando: Por que o David, est lanando esta srie de grupos familiares pastorais? Afinal Seus livretes para grupos familiares e o livro Implantando Grupos Familiares (Editora Sepal) no so mais vlidos? Sim, eles so! Esses livretes so muito importantes e teis para grupos familiares evangelsticos, grupos familiares opcionais (no estilo de igreja com grupos) e grupos familiares pastorais. Por que, ento, a nova srie pastoral? Porque os outros livretes no ensinam como formar um grupo familiar pastoral, ou uma igreja no lar. Diversas pessoas que procuraram desenvolver tal modelo usando o referido material ou simplesmente estudando o tema das pregaes nos domingos, ficaram perdidas quanto identidade e funo do grupo pastoral ou mini-igreja. A presente srie repara isso e permite que outros livretes, como tambm outros materiais produzidos por outros autores, sejam usados aps esse fundamento ser firmado. Os estudos a seguir nos ajudam a entender a natureza da igreja em miniatura, encorajando os participantes a experi-mentar essa realidade. Cada um dos livros desta srie comea com um retiro, seguido por oito encontros semanais. O retiro normalmente ocupa um sbado, sendo, a parte da manh, para um estudo de cerca de quatro horas e, a parte da tarde para lazer e o desfrutar das amizades que o Esprito est aprofundando. O retiro introduz a viso dos grupos familiares pastorais, ajudando-nos a refletir sobre o que uma igreja no lar, um grupo familiar pastoral e, mais especificamente, como funcionaria em nosso contexto. Os oito encontros demoraro mais de oito semanas, j que, s vezes, o grupo vai querer aprofundar algum tema e em outros momentos, o Esprito levar o grupo a tratar de assuntos que no tm muito a ver com o estudo daquela semana. Nesses casos, simplesmente deixamos o estudo para a semana seguinte. Os dois primeiros encontros aps o retiro quebram o gelo, convidando as pessoas a olhar para seu passado e depois para seu futuro. No primeiro encontro, como encontramos Jesus, e no

segundo, alguns de nossos sonhos, sejam estes, pessoais, para a famlia, para o grupo familiar ou para a igreja. Os terceiro e quarto encontros nos levam a ver a importncia das casas no ministrio de Jesus e, depois, na igreja primitiva. O Esprito Santo pode ministrar profundamente atravs desses dois estudos em relao ao uso de nossas casas e de nossas vidas e nos libera da dependncia do culto do domingo, do templo e do clero. No quinto e sexto encontros, mergulhamos na descrio de Atos 2.42-47, pedindo ao Esprito Santo que nos mostre como podemos nos aproximar dessa realidade to maravilhosa. No estudo, no pensamos sobre como a Igreja poderia mudar mas, sim como nosso pequeno grupo, de 10 a 12 pessoas, e sobre como Deus pode tornar-se vivo em nosso meio. Nos dois ltimos encontros, descobrimos mais sobre a vida do Corpo: o quanto cada um de ns importante (1 Corntios 12) e como podemos nos aproximar mais e sermos uma comunidade de amor (1 Corntios 13). Para estabelecermos o sentido de famlia, encorajamos que, no incio, o grupo familiar seja fechado. No final deste livro, aps ganhar um sentido de identidade como grupo familiar pastoral, como mini-