Click here to load reader

Tabela 1. Características dos empreendimentos da CESP na ... Pesqueiro e... · PDF fileEmpreendimento UHE Três Irmãos UHE Ilha Solteira UHE Eng. Souza Dias ... Essa unidade é

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Tabela 1. Características dos empreendimentos da CESP na ... Pesqueiro e... · PDF...

  • 4

    Tabela 1. Caractersticas dos empreendimentos da CESP na bacia do Alto Paran.

    Empreendimento UHE Trs Irmos UHE Ilha Solteira UHE Eng. Souza Dias

    (Jupi)

    UHE Eng. Srgio Motta

    (Porto Primavera)

    Localizao Pereira Barreto, SP Ilha Solteira, SP

    Selvria, MS

    Castilho, SP

    Trs Lagoas, MS

    Rosana, SP

    Bataypor, MS

    Incio de construo 1980 1965 1961 1978

    Incio de operao 12 de maro de 1991 18 de julho de 1973 14 de abril de 1969 dezembro de 1998

    Turbinas 5 unidades Francis 20 unidades Francis 14 unidades Kaplan 18 unidades Kaplan *

    Potncia instalada 1.292 MW 3.230 MW 1.411,2 MW 1.814,40 MW *

    Comprimento da barragem 3.710 m 6.100 m 5.604 m 11.380 m

    Reservatrio

    rea 817 km2

    1.195 km2

    544 km2

    2.250 km2

    Permetro 1.400 km 1.513 km 482 km 1.385 km

    Volume 13.800 x 106

    m3

    21.060 x 106

    m3

    3.680. 106

    m3

    20.000 x 106

    m3

    Profundidade mdia 16,9 m 17,6 m 6,8 m 8,9 m

    Vazo mdia 733 m3

    .s-1

    5121 m3

    .s-1

    6158 m3

    .s-1

    6981 m3

    .s-1

    Tempo de residncia 217,9 dias 47,6 dias 6,9 dias 33,9 dias

    Nvel de gua mnimo 323,00 m 314,00 m 277,00 m 257,00 m

    Nvel de gua normal 328,00 m 328,00 m 280,00 m 259,00 m**

    Nvel de gua mximo 328,40 m 329,00 m 280,50 m 259,70 m

    * A UHE Engenheiro Srgio Motta est atualmente com 13 unidades geradoras em operao e uma em montagem.

    ** O reservatrio da UHE Engenheiro Srgio Motta est operando na cota 257 m.

    Observaes: Nvel de gua expresso em metros do nvel do mar, fonte CESP (1993).

  • 5

    Tabela 2. Caractersticas dos empreendimentos da CESP na bacia do rio Paraba do Sul.

    Empreendimento UHE Jaguari UHE Paraibuna

    Localizao Jacare, SP

    So Jos dos Campos, SP

    Paraibuna, SP

    Incio de construo 1963 1964

    Incio de operao 5 de maio de 1972 20 de abril de 1978

    Turbinas 2 unidades Francis 2 unidades Francis

    Potncia instalada 27,6 MW 86 MW

    Comprimento da barragem 435 m 2 x 585 m

    Reservatrio

    rea 69 km2

    206 km2

    Permetro 504 km 1.266 km

    Volume 1.350 m3

    .106

    4.740 m3

    .106

    Profundidade mdia 19,6 m 23,0 m

    Vazo mdia 46 m3

    .s-1

    111 m3

    .s-1

    Tempo de residncia 493,3 dias 784,6 dias

    Nvel de gua mnimo 603,20 m 694,60 m

    Nvel de gua normal 623,00 m 714,00 m

    Nvel de gua mximo 625,60 m 716,50 m

    Observaes: Nvel de gua expresso em metros do nvel do mar, fonte CESP (1993).

  • 6

    4 ESTRUTURAS DE MANEJO PESQUEIRO DA CESP

    Para apoiar seu Programa de Manejo Pesqueiro, a CESP dispe das Estaes de

    Hidrobiologia e Aquicultura de Jupi e de Paraibuna, e das estruturas de transposio de

    peixes da UHE Engenheiro Srgio Motta (elevador e escada para peixes). As estaes

    tm os objetivos de produzir alevinos de espcies nativas para estocagem dos

    reservatrios, desenvolver tcnicas de reproduo induzida para novas espcies da

    ictiofauna autctone, realizar levantamentos ictiolgicos e limnolgicos nos reservatrios

    e seus principais tributrios e efetuar salvamentos de peixes nas unidades geradoras das

    usinas, quando das paradas para manuteno e limpeza.

    Estao de Hidrobiologia e Aqicultura de Jupi

    Essa unidade dotada de 983,48 m2

    de edificaes (administrao, laboratrios,

    sanitrios, depsitos, garagem, reas de servio etc..), 70 tanques de 200 m2

    , 14 tanques

    de 1.000 m2

    e mais 70 tanques de 10 m2

    , totalizando 28.700 m2

    de espelho dgua (Figura

    8).

    Estao de Hidrobiologia e Aqicultura de Paraibuna

    Essa unidade dispe de 595 m2

    de edificaes de apoio (administrao, laboratrios,

    sanitrios, depsitos, garagem, reas de servio etc..), 16 tanques de 10 m2

    , 14 tanques

    circulares de 78 m2

    , 14 tanques de 200 m2

    , quatro tanques de 1.000 m2

    , cinco tanques

    com tamanhos mdio de 500 m2

    e trs lagos, sendo um com 3.400 m2

    , outro com 3.800

    m2

    , e o terceiro com 2.600 m2

    , totalizando 21.151 m2

    (Figura 9).

    Elevador para Peixes da UHE Engenheiro Srgio Motta (Porto Primavera)

    Esse dispositivo (Figura 10) iniciou operaes em novembro de 1999, e os resultados

    vm sendo reportados ao IBAMA em relatrios anuais especficos.

    Escada para Peixes da UHE Engenheiro Srgio Motta (Porto Primavera)

    Esse equipamento (Figura 11) iniciou operaes em novembro de 2001, e os resultados

    vm sendo reportados ao IBAMA em relatrios anuais especficos.

    Figura 8. Vista geral da Estao de

    Hidrobiologia e Aqicultura de Jupi.

    Figura 9. Vista geral da Estao de

    Hidrobiologia e Aqicultura de

    Paraibuna.

  • 7

    Figura 10. Vista geral do elevador para

    peixes da UHE Engenheiro Srgio

    Motta (Porto Primavera).

    Figura 11. Vista geral da escada para

    peixes da UHE Engenheiro Srgio

    Motta (Porto Primavera).

    5 ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MANEJO PESQUEIRO DA CESP

    O Programa de Manejo Pesqueiro da CESP vem sendo desenvolvido desde 1986, atravs

    de cinco subprogramas, e de atividades de produo de alevinos, estocagem

    (peixamento) de reservatrios, desenvolvimento de tecnologia de piscicultura de

    espcies autctones e monitoramento genticos dos plantis de reprodutores. Os

    subprogramas constituintes do Programa de Manejo Pesqueiro da CESP esto descritos

    a seguir, e sumarizados na Tabela 3. Todos os subprogramas esto sendo reportados em

    relatrios especficos, que so encaminhados ao IBAMA.

    So descritos a seguir os subprogramas que compem o Programa de Manejo Pesqueiro

    da CESP.

    5.1 Caracterizao limnolgica e monitoramento da qualidade da gua superficial

    Objetivos

    Conhecer a produtividade biolgica dos reservatrios atravs da avaliao das

    variaes temporais e espaciais das caractersticas fsicas, qumicas e biolgicas da

    gua.

    Subsidiar a definio, implantao e avaliao de tcnicas de manejo ambiental nos

    reservatrios.

    Variveis analisadas

    Esse subprograma abordado em dois nveis, definidos em funo da profundidade de

    estudos. No nvel 1 so analisadas variveis que possibilitam informaes rpidas sobre

    o estado trfico dos reservatrios e principais fontes de nutrientes. Essas variveis, com

    respectivas metodologias de anlise, so as seguintes:

  • 8

    Varivel Procedimento metodolgico

    Temperatura

    (ar e coluna d'gua)

    medidas por multianalisador HORIBA U-10

    Transparncia medida por desaparecimento de disco de Secchi

    Turbidez medidas por turbidmetro Hack

    PH medido por multianalisador HORIBA U-10

    Condutividade medido por multianalisador HORIBA U-10

    Fsforo total conforme STRICKLAND & PARSONS (1960)

    Nitrognio total segundo MACKERETH et al. (1978) e KOROLEFF (1976)

    Material em suspenso conforme descrito por HENRY (1993)

    Clorofila de acordo com GOLTERMAN & CLYMO (1969)

    Oxignio dissolvido medido por multianalisador HORIBA U-10

    No nvel 2 aborda-se tambm a composio e abundncia das comunidades aquticas e

    outras variveis de interesse CESP, conforme descrito abaixo.

    Varivel Procedimento metodolgico

    Cor Colormetro fotoeltrico

    Nitrognio

    (NO2,NO

    3, NH

    3)

    segundo MACKERETH et al. (1978) e KOROLEFF (1976)

    Fsforo (ortofosfato) conforme STRICKLAND & PARSONS (1960)

    Feofitina de acordo com GOLTERMAN & CLYMO (1969)

    5.2 Monitoramento da Ictiofauna e dinmica populacional

    Objetivos

    Conhecer a estrutura e a dinmica das comunidades de peixes dos reservatrios.

    Conhecer a biologia reprodutiva, dinmica alimentar e outras variveis de interesse

    pesqueiro.

    Subsidiar o ordenamento pesqueiro dos reservatrios estudados

    Avaliar o impacto da formao de reservatrios sobre a ictiofauna e propor medidas

    mitigadoras adequadas.

  • 9

    Variveis analisadas

    Composio taxonmica.

    Freqncia e constncia das espcies.

    Similaridade entre locais de coleta.

    Diversidade especfica.

    Equitatividade.

    Riqueza especfica.

    Captura Por Unidade de Esforo (CPUE)

    Dominncia.

    Em alguns reservatrios, as espcies dominantes e/ou de maior interesse econmico so

    analisadas tambm quanto atividade alimentar, e atividade reprodutiva (Relao

    Gonado-Somtica RGS e ndice de Atividade Reprodutiva - IAR).

    5.3 Levantamento da produo pesqueira

    Objetivos

    Conhecer a produo pesqueira total e por espcie dos reservatrios, e sua evoluo.

    Monitorar a contribuio dos programas de estocagem da CESP produo

    pesqueira.

    Subsidiar os sub-programas de caracterizao limnolgica, ictiologia e dinmica

    populacional das espcies de interesse.

    Avaliar o esforo de pesca e a captura por unidade de esforo (CPUE) por

    reservatrio.

    Envolver o pescador profissional nos programas de conservao da ictiofauna

    desenvolvidos pela CESP.

    Variveis analisadas

    O programa de levantamento de dados sobre o rendimento pesqueiro dos reservatrios

    inclui:

    Relao das espcies capturadas

    Quantidade pescada de cada uma

    Artes de pesca utilizadas para a captura

    Dados biolgicos das principais espcies

    Os dados so coletados bimestralmente junto a pescadores profissionais, atravs de

    fichas de controle de desembarque. Como incentivo ao preenchimento das fichas so

    distribudas camisetas de divulgao d