of 24/24
Língua Portuguesa e Literaturas 2ª Fase

Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa

  • View
    303

  • Download
    8

Embed Size (px)

Text of Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa

  • Lngua Portuguesa e Literaturas2 Fase

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    INTRODUO A prova de Lngua Portuguesa e Literaturas de Lngua Portuguesa avaliou tanto a capacidade do candidato em analisar a forma e o funcionamento de estruturas lingusticas quanto a leitura e a interpretao das obras literrias constantes da relao de livros para o exame Vestibular Nacional Unicamp 2012. As questes de 01 a 06 exigiam a identificao de recursos elaborados em diferentes nveis lingusticos (fonolgico, morfolgico, sinttico, semntico, lexical) na organizao dos enunciados e na composio de textos. Na formulao das suas respostas, o candidato deveria mostrar consistncia argumentativa e domnio dos recursos necessrios elaborao de descries, explicaes, anlises, comentrios, exemplificaes, comparaes, sugestes, justificativas, etc. Nas questes de 07 a 12, o candidato deveria demonstrar conhecimento de uma parte representativa dos textos literrios em lngua portuguesa. A formulao das respostas exigia no apenas a leitura prvia de livros, mas uma experincia acumulada em nossa cultura literria, por meio do contato com textos narrativos, lricos e dramticos. Nas pginas que se seguem, apresentamos as questes da prova de 2012, acompanhadas das respostas esperadas e de dois exemplos de resolues um que obteve nota abaixo da mdia e outro que recebeu nota acima da mdia , com os comentrios da banca elaboradora. Esperamos que o candidato, tendo acesso a esse material, possa fazer uma anlise minuciosa da prova e tenha uma compreenso mais profunda dos critrios de correo que regem uma prova dissertativa como a da Unicamp. Pretendemos tambm mostrar que a correo, embora norteada por critrios preestabelecidos, busca contemplar diversas formulaes das respostas esperadas. A grade de correo proposta pela banca elaboradora no se pretende definitiva. Ela flexvel, de modo a incluir respostas que, embora no previstas inicialmente, se mostrem adequadas aos objetivos propostos pelas questes.

    Questo 1 H notcias que so de interesse pblico e h notcias que so de interesse do pblico. Se a

    celebridade "x" est saindo com o ator "y", isso no tem nenhum interesse pblico. Mas, dependendo de quem sejam "x" e "y", de enorme interesse do pblico, ou de um certo pblico (numeroso), pelo menos.

    As decises do Banco Central para conter a inflao tm bvio interesse pblico. Mas quase no despertam interesse, a no ser dos entendidos.

    O jornalismo transita entre essas duas exigncias, desafiado a atender s demandas de uma sociedade ao mesmo tempo massificada e segmentada, de um leitor que gravita cada vez mais apenas em torno de seus interesses particulares.

    (Fernando Barros e Silva, O jornalista e o assassino. Folha de So Paulo (verso on line), 18/04/2011. Acessado em 20/12/2011.) a) A palavra pblico empregada no texto ora como substantivo, ora como adjetivo. Exemplifique cada um desses empregos com passagens do prprio texto e apresente o critrio que voc utilizou para fazer a distino. b) Qual , no texto, a diferena entre o que chamado de interesse pblico e o que chamado de interesse do pblico?

    Resposta Esperada Espera-se que o candidato apresente uma passagem em que pblico um substantivo (como em h notcias que so de interesse do pblico) e uma passagem em que pblico um adjetivo (como em ...tm bvio interesse pblico). O candidato tambm deve explicitar o critrio lingustico empregado para distinguir um caso do outro. Esse critrio pode ser de base sinttica ou morfossinttica (por exemplo, o emprego do artigo antes de pblico em sua ocorrncia como substantivo; a funo sinttica assumida pelo termo ncleo de um sintagma nominal quando substantivo e modificador/adjunto adnominal quando adjetivo; concordncia de pblico com interesse quando o primeiro funciona como um adjetivo) ou, ainda, de base semntica (por exemplo, no caso em que empregado para designar ou nomear, pblico um substantivo; quando empregado para caracterizar ou qualificar, pblico um adjetivo). Tambm se espera que o candidato diga qual a diferena, no texto, entre interesse pblico e interesse do pblico: o primeiro diz respeito a fatos que devem ser, de direito e dever, do conhecimento de toda a sociedade; j o segundo diz respeito a fatos sobre os quais as pessoas procuram se informar em funo de interesses particulares, independentemente de tais fatos afetarem ou no a sociedade como um todo.

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    Exemplo Acima da Mdia

    Exemplo Abaixo da Mdia

    Comentrios a) A maioria dos candidatos conseguiu exemplificar as ocorrncias de pblico como substantivo e adjetivo, embora uma boa parte tenha mostrado dificuldade para delinear o(s) critrio(s) empregado(s) na distino entre as duas classes. Na resposta acima da mdia, vemos a apresentao de dois critrios adequados um de ordem sinttica (presena do artigo no caso do substantivo) e um de ordem semntico-discursiva (atribuio de qualidade). J na resposta abaixo da mdia, o candidato apresenta critrios que no esto embasados em nenhum nvel de anlise lingustica, embora as duas classes de palavras sejam indicadas corretamente.

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    b) Muitos candidatos tiveram dificuldade para formular textualmente a diferena, mesmo quando davam sinais de ter entendido a diferena entre interesse pblico e interesse do pblico. No caso da resposta acima da mdia, o candidato menciona apropriadamente a oposio entre dizer respeito a toda a populao, mas no necessariamente despertar o interesse em todas as pessoas e interesse que tal assunto desperta no pblico, deixando claro que tal oposio est na base da diferena entre interesse pblico e interesse do pblico. A resposta abaixo da mdia se reduz a uma distino difusa, que no evidencia se o candidato compreendeu adequadamente que, no caso do interesse pblico, nem todas as pessoas se interessam pelo assunto relevante, embora tal assunto afete toda a sociedade.

    Questo 2 Os enunciados abaixo so parte de uma pea publicitria que anuncia um carro produzido por uma conhecida montadora de automveis.

    UM CARRO QUE AT A ORGANIZAO MUNDIAL DA SADE APROVARIA: ANDA MAIS E BEBE MENOS. ELE CABE NA SUA VIDA. SUA VIDA CABE NELE.

    (Adaptado de Superinteressante, jun. 2009, p. 9.)

    a) A meno Organizao Mundial da Sade na pea publicitria justificada pela apresentao de uma das caractersticas do produto anunciado. Qual essa caracterstica? Explique por que o modo como a caracterstica apresentada sustenta a referncia Organizao Mundial da Sade. b) A pea publicitria apresenta duas oraes com o verbo caber. Contraste essas oraes quanto organizao sinttica. Que efeito produzido por meio delas?

    Resposta Esperada Espera-se que o candidato destaque a caracterstica que, dado o modo como apresentada na pea publicitria, justifica a meno Organizao Mundial da Sade: a de ser um carro econmico. O candidato deve mostrar que essa meno possvel porque a afirmao de que o carro anda mais e bebe menos (ou seja, econmico) evoca um discurso voltado a conselhos para manter a boa sade, como praticar exerccios fsicos e evitar o consumo de bebidas alcolicas. O candidato dever ainda observar que os termos ele e a sua vida mudam de posio nos enunciados que trazem o verbo caber: o termo ele, que o sujeito no primeiro enunciado, funciona como um complemento verbal preposicionado* no segundo enunciado; o termo sua vida, que, no primeiro enunciado, funciona como um complemento verbal preposicionado, passa a funcionar como sujeito no segundo enunciado. Finalmente, o candidato dever mostrar que essa inverso na posio sinttica dos termos promove uma identificao entre o leitor da propaganda e o produto anunciado, com o carro sendo apresentado como um objeto que atender a diferentes expectativas (financeira, familiar, social, profissional, de lazer, etc.) de quem o comprar. * Pelo fato de a Nomenclatura Gramatical Brasileira no propor uma designao para a funo sinttica exercida por complementos verbais com interpretao locativa (que, a rigor, no podem ser analisados como objetos indiretos), termos preposicionados que servem complementao de verbos como caber costumam ser includos entre os adjuntos adverbiais.

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    Exemplo Acima da Mdia

    Exemplo Abaixo da Mdia

    Comentrios a) A principal dificuldade mostrada pelos candidatos na elaborao da resposta foi a de traduzir, sem recorrer ao plano figurado, a caracterstica que justifica a meno OMS (ou seja, a de dizer que se trata de um carro

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    econmico, em vez de simplesmente transcrever a afirmao de que o produto anunciado anda mais e bebe menos). O problema fica evidente quando comparamos a resposta acima da mdia com aquela abaixo da mdia: enquanto nesta o candidato se limita a reproduzir um trecho do principal enunciado da propaganda, naquela o candidato sai do plano figurado para explicitar que a caracterstica relevante o fato de o carro se locomover em distncias maiores com menor consumo de combustvel. O contraste entre a qualidade das duas respostas tambm fica claro na explicao sobre a meno OMS: a resposta abaixo da mdia traz uma interpretao que no capta o efeito esperado pela propaganda, ao passo que a resposta acima da mdia aborda apropriadamente esse efeito, ressaltando que a possibilidade de meno OMS est relacionada a uma jogada de publicidade, a partir da qual foi possvel associar a caracterstica do produto anunciado (consumir pouco combustvel) ao discurso que costuma caracterizar as campanhas da OMS para estimular a boa sade. b) De um modo geral, os candidatos no mostraram dificuldade para reconhecer que, na comparao entre as duas oraes com caber, h uma inverso na colocao dos termos, com o sujeito de uma correspondendo a um termo preposicionado interno ao predicado da outra. A maior dificuldade residiu na tentativa de explicitar o efeito produzido (ou que a propaganda esperava produzir) por essa inverso. Enquanto a resposta abaixo da mdia nem sequer faz essa explicitao, a resposta acima da mdia formula apropriadamente uma resposta para caracterizar o efeito, concluindo que a ideia por trs da estratgia est relacionada tentativa de caracterizar o produto anunciado como algo acessvel ao consumidor e perfeitamente adequado s suas necessidades.

    Questo 3 TEXTO I

    Entre 1995 e 2008, 12,8 milhes de pessoas saram da condio de pobreza absoluta (rendimento mdio domiciliar per capita at meio salrio mnimo mensal), permitindo que a taxa nacional dessa categoria de pobreza casse 33,6%, passando de 43,4% para 28,8%. No caso da taxa de pobreza extrema (rendimento mdio domiciliar per capita de at um quarto de salrio mnimo mensal), observa-se um contingente de 13,1 milhes de brasileiros a superar essa condio, o que possibilitou reduzir em 49,8% a taxa nacional dessa categoria de pobreza, de 20,9%, em 1995, para 10,5%, em 2008.

    (Dimenso, evoluo e projeo da pobreza por regio e por estado no Brasil, Comunicados do IPEA, 13/07/2010, p. 3.)

    TEXTO II

    (BENETT, chargesdobenett.zip.net. Acessado em 21/10/2011.)

    a) Podemos relacionar os termos misria e pobreza, presentes no TEXTO II, a dois conceitos que so abordados no TEXTO I. Identifique esses conceitos e explique por que eles podem ser relacionados s noes de misria e pobreza. b) Que crtica apresentada no TEXTO II? Mostre como a charge constri essa crtica.

    Resposta Esperada O candidato deve indicar que os termos misria e pobreza do texto II podem ser relacionados, respectivamente, a pobreza extrema e pobreza absoluta do texto I, explicando que o conceito de pobreza extrema (renda per capita de at 1/4 do salrio mnimo) indica uma situao pior que a apontada pelo conceito de pobreza absoluta (renda per capita de at 1/2 salrio mnimo). O candidato deve ainda mostrar que a crtica construda pela charge relativa aos critrios que so usados para estabelecer a distino entre misria e pobreza. Finalmente, espera-se que o candidato destaque elementos verbais e no verbais da charge que evidenciam a crtica, tais como: o contedo do dilogo entre as personagens, que sugere uma diviso entre pobreza e misria e, ao mesmo tempo, a impossibilidade de estabelecer concretamente essa diviso; e o cenrio desenhado, que mostra

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    dois lados de uma favela, divididos por um esgoto a cu aberto, sem que haja qualquer sinal, no cenrio em questo, que permita distinguir a misria da pobreza.

    Exemplo Acima da Mdia

    Exemplo Abaixo da Mdia

    Comentrios a) Muitos candidatos no conseguiram justificar apropriadamente por que os dois conceitos apresentados no texto I (pobreza absoluta e pobreza extrema) podem ser relacionados, respectivamente, s noes de pobreza e misria, que aparecem no texto II. Essa dificuldade fica evidente na resposta abaixo da mdia, na qual o

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    candidato se limitou a afirmar que as duas noes referem-se a pssimas condies de vida de uma parcela da populao, sem identificar a relao que pode ser estabelecida com as definies apresentadas no texto I para os dois tipos de pobreza. b) Foram poucos os candidatos que conseguiram destacar o foco da crtica: a tentativa de estabelecer uma distino precisa entre misria e pobreza. Na resposta acima da mdia, notamos que esse destaque feito de modo indireto, quando o candidato reconhece que, segundo a charge, tanto a pobreza quanto a misria so marcadas pelas mesmas condies de precariedade. J a resposta abaixo da mdia afirma que a crtica recai sobre a falta de infraestrutura para aqueles que vivem na misria e na pobreza; o candidato, porm, contrariamente ao esperado, no menciona a tentativa de estabelecer uma diferena entre misria e pobreza. Tambm foram poucos os candidatos que, como o autor do texto acima da mdia, fizeram meno tanto a elementos verbais quanto a no verbais na construo da crtica.

    Questo 4 Os verbetes apresentados em (II) a seguir trazem significados possveis para algumas palavras que ocorrem no texto intitulado Bicho Gramtico, apresentado em (I). I II

    BICHO GRAMTICO Vicente Matheus (1908-1997) foi um dos personagens mais controversos do futebol brasileiro. Esteve frente do paulista Corinthians em vrias ocasies entre 1959 e 1990. Voluntarioso e falastro, o uso que fazia da lngua portuguesa nem sempre era aquele reconhecido pelos livros. Uma vez, querendo deixar bem claro que o craque do Timo no seria vendido ou emprestado para outro clube, afirmou que o Scrates invendvel e imprestvel. Em outro momento, exaltando a versatilidade dos atletas, criou uma prola da lingustica e da zoologia: Jogador tem que ser completo como o pato, que um bicho aqutico e gramtico.

    (Adaptado de Revista de Histria da Biblioteca Nacional, jul. 2011, p. 85.)

    Invendvel: que no se pode vender ou que no se vende com facilidade.

    Imprestvel: que no tem serventia; intil.

    Aqutico: que vive na gua ou sua superfcie.

    Gramtico: que ou o que apresenta melhor rendimento nas corridas em pista de grama (diz-se de cavalo).

    (Dicionrio HOUAISS (verso digital on line), houaiss.uol.com.br)

    a) Descreva o processo de formao das palavras invendvel e imprestvel e justifique a afirmao segundo a qual o uso que Vicente Matheus fazia da lngua portuguesa nem sempre era aquele reconhecido pelos livros.

    b) Explique por que o texto destaca que Vicente Matheus criou uma prola da lingustica e da zoologia.

    Resposta Esperada Espera-se que o candidato descreva o processo de formao das palavras invendvel e imprestvel e faa referncia ao significado assumido pela palavra imprestvel na fala atribuda a Vicente Matheus. Tanto invendvel quanto imprestvel so formadas por derivao sufixal (por meio da afixao de -vel a um radical verbal) seguida de derivao prefixal (por meio da afixao de in(m)- ao resultado da sufixao). Para justificar a afirmao segunda a qual o uso que Vicente Matheus fazia da lngua portuguesa nem sempre era aquele reconhecido pelos livros, o candidato deve observar que imprestvel assume, na fala do ex-presidente do Corinthians, no o seu sentido esperado (o de algo intil ou que no presta), mas o de algo que no se pode emprestar. Tambm se espera que o candidato comente a afirmao de que Vicente Matheus teria criado uma prola da lingustica e da zoologia. No tocante lingustica, o candidato deve reconhecer o sentido inusitado da palavra gramtico, chamando a ateno para o fato de ela estar sendo empregada no para designar aquele que especialista na gramtica de uma lngua, mas sim como um atributo que reporta ao significado de que ou o que apresenta melhor rendimento nas corridas em pista de grama. No que tange zoologia, o candidato deve destacar uma caracterstica inusitada conferida a pato (por exemplo, o de ser gramtico, caracterstica comumente atribuda a cavalos, ou de ser um bicho ao mesmo tempo aqutico e gramtico, condio que no costuma ser atribuda aos patos).

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    Exemplo Acima da Mdia

    Exemplo Abaixo da Mdia

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    Comentrios a) A principal dificuldade enfrentada pela maior parte dos candidatos no est relacionada descrio do processo de formao de invendvel e imprestvel, mas justificativa para a afirmao de que Vicente Matheus no usava a lngua em conformidade com o reconhecido pelos livros. Muitos candidatos afirmaram equivocadamente, por exemplo, que invendvel um neologismo, apesar de a questo trazer o significado atribudo pelo Dicionrio Houaiss a essa palavra. Ao contrrio do que se observa na resposta acima da mdia, a resposta abaixo da mdia no sustenta a justificativa que apresenta, limitando-se afirmao de que os termos lingusticos empregados por Vicente Matheus poderiam causar ambiguidade, considerando a norma culta da Lngua Portuguesa. b) A maior parte dos candidatos tambm mostrou dificuldades para formular um comentrio sobre a afirmao de que Vicente Matheus teria criado uma prola da lingustica e da zoologia. Embora a maioria tenha chamado a ateno para o estranhamento provocado pelo modo como a palavra gramtico foi empregada, no foram muitos os candidatos que, como o autor do texto acima da mdia, chamaram a ateno para o fato de o referido vocbulo, quando na acepo listada em II, ser empregado para fazer referncia a cavalo, e no a pato. No texto abaixo da mdia, o candidato faz uma afirmao genrica a respeito do uso zoolgico da palavra, sem explicitar por que esse uso causa estranhamento.

    Questo 5 O texto abaixo parte de uma campanha promovida pela ANER (Associao Nacional de Editores de Revistas).

    Surfamos a Internet, Nadamos em revistas A Internet empolga. Revistas envolvem. A Internet agarra. Revistas abraam. A Internet passageira. Revistas so permanentes. E essas duas mdias esto crescendo. Um dado que passou quase despercebido em meio ao barulho da Internet foi o fato de que a circulao de revistas aumentou nos ltimos cinco anos. Mesmo na era da Internet, o apelo das revistas segue crescendo. Pense nisto: o Google existe h 12 anos. Durante esse perodo, o nmero de ttulos de revistas no Brasil cresceu 234%. Isso demonstra que uma mdia nova no substitui uma mdia que j existe. Uma mdia estabelecida tem a capacidade de seguir prosperando, ao oferecer uma experincia nica. por isso que as pessoas no deixam de nadar s porque gostam de surfar.

    (Adaptado de Imprensa, n. 267, maio 2011, p. 17.)

    a) O verbo surfar pode ser usado como transitivo ou intransitivo. Exemplifique cada um desses usos com enunciados que aparecem no texto da campanha. Indique, justificando, em qual desses usos o verbo assume um sentido necessariamente figurado. b) Que relao pode ser estabelecida entre o ttulo da campanha e o trecho reproduzido a seguir? Como essa relao sustentada dentro da campanha?

    A Internet empolga. Revistas envolvem. A Internet agarra. Revistas abraam. A Internet passageira. Revistas so permanentes.

    Resposta Esperada Espera-se que o candidato exemplifique o emprego de surfar como transitivo (Surfamos a internet) e como intransitivo (porque gostam de surfar), indicando que o uso necessariamente figurado aparece na ocorrncia do verbo como transitivo. Ao justificar esse uso, o candidato deve explicitar o sentido assumido por surfar (por exemplo, acessar informaes por meio de hipertextos, visitar vrias pginas da internet ao mesmo tempo, etc). Na segunda parte da questo, o candidato deve associar o ttulo da campanha ao trecho citado, relacionando os sentidos de empolgar, agarrar e passageira ao de surfar, e os de envolver, abraar e permanente ao de nadar. Ao fazer isso, pode, por exemplo, associar a internet a uma onda (algo empolgante, impactante, fugaz) e as revistas, ao mar (algo envolvente, acolhedor, perene). O candidato deve,

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    finalmente, mostrar como essa relao sustentada no restante da campanha. Para tanto, deve lanar mo das informaes apresentadas no segundo pargrafo, que indicam a vitalidade das revistas (seu crescimento, sua existncia duradoura, o fato de no terem sido substitudas por outras mdias) frente popularizao da internet.

    Exemplo Acima da Mdia

    Exemplo Abaixo da Mdia

    Comentrios a) A maioria dos candidatos no teve dificuldade para distinguir os dois usos (transitivo e intransitivo) de surfar. A principal dificuldade recaiu sobre a formulao da justificativa para o uso em que o verbo assume um sentido necessariamente figurado. Grande parte dos candidatos se limitou, como se v no texto abaixo da mdia, a reconhecer em qual dos usos se d o sentido figurado, sem apresentar uma justificativa para a sua concluso. b) Como ocorreu na questo 2, grande parte dos candidatos no conseguiu sair do plano figurado ao desenvolver sua resposta. Muitos se restringiram, como na resposta abaixo da mdia, a reproduzir os verbos e adjetivos que aparecem no trecho destacado, sem associ-los ao efeito que a campanha pretende gerar em relao ao que defende (que as revistas no foram substitudas pela internet). Tambm foram poucas as respostas que fizeram meno ao modo como a relao entre o ttulo da campanha e o trecho destacado sustentada. Nem mesmo a resposta acima da mdia faz essa meno, o que revela, por parte da maioria dos

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    candidatos, alguma dificuldade em depreender o papel das informaes constantes da companha na construo do sentido global do texto.

    Questo 6 O pargrafo reproduzido abaixo introduz a crnica intitulada Tragdia concretista, de Lus Martins.

    O poeta concretista acordou inspirado. Sonhara a noite toda com a namorada. E pensou: lbio, lbia. O lbio em que pensou era o da namorada, a lbia era a prpria. Em todo o caso, na pior das hipteses, j tinha um bom comeo de poema. Todavia, cada vez mais obcecado pela lembrana daqueles lbios, achou que podia aproveitar a sua lbia e, provisoriamente desinteressado da poesia pura, resolveu telefonar criatura amada, na esperana de maiores intimidades e vantagens. At os poetas concretistas podem ser homens prticos.

    (Lus Martins, Tragdia concretista, em As cem melhores crnicas brasileiras. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007, p. 132.) a) Compare lbio e lbia quanto forma e ao significado. Considerando a especificidade do poeta, justifique a ocorrncia dessas duas palavras dentro da crnica.

    b) Explique por que a palavra todavia (linha 3) usada para introduzir um dos enunciados da crnica.

    Resposta Esperada Na comparao das duas palavras, espera-se que o candidato destaque que lbio e lbia so semelhantes quanto forma (por exemplo, diferem apenas na terminao, contrastam apenas quanto ao gnero gramatical, so invariveis quanto marca de gnero, etc.), mas diferentes quanto ao significado (lbio cada uma das duas partes externas da boca e lbia habilidade na argumentao, na persuaso, no convencimento). O candidato deve ainda observar que o fato de o poeta ser concretista e, como tal, pertencer a um movimento que explora ao mximo a relao entre forma e significado justifica a ocorrncia de lbio e lbia na crnica. Finalmente, o candidato deve explicar que a palavra todavia usada para sinalizar uma quebra de expectativa: em lugar de fazer um poema com as palavras lbio e lbia, o poeta decide telefonar a sua amada na tentativa de conseguir intimidades e vantagens.

    Exemplo Acima da Mdia

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    Exemplo Abaixo da Mdia

    Comentrios a) A principal dificuldade demonstrada pelos candidatos na elaborao da resposta foi associar a ocorrncia de lbio e lbia dentro da crnica especificidade do poeta, que , no texto, caracterizado como concretista. A resposta acima da mdia estabeleceu adequadamente a associao, destacando que a poesia concreta investe no jogo de sonoridade e significado entre as palavras. Em contraste, no texto abaixo da mdia, o candidato no leva em conta a especificidade do poeta ao apresentar sua justificativa, bem como sugere um significado equivocado para a palavra lbia. b) Grande parte dos candidatos no conseguiu explicar por que a palavra todavia foi usada para introduzir um dos enunciados da crnica, provavelmente por desconhecer o valor semntico-discursivo dessa conjuno. A resposta abaixo da mdia, por exemplo, nem sequer faz meno ideia de adversidade (que costuma ser atrelada ao sentido de todavia nas gramticas tradicionais e livros didticos de lngua portuguesa), embora o candidato reconhea que o poeta se torna mais prtico e objetivo do que em sua inteno inicial.

    Questo 7 O excerto abaixo foi extrado do poema Balada Feroz, de Vincius de Moraes.

    (...) Lana o teu poema inocente sobre o rio venreo engolindo as cidades Sobre os casebres onde os escorpies se matam viso dos amores miserveis Deita a tua alma sobre a podrido das latrinas e das fossas Por onde passou a misria da condio dos escravos e dos gnios. (...) Amarra-te aos ps das garas e solta-as para que te levem E quando a decomposio dos campos de guerra te ferir as narinas, lana-te sobre a cidade morturia Cava a terra por entre as tumefaes e se encontrares um velho canho soterrado, volta E vem atirar sobre as borboletas cintilando cores que comem as fezes verdes das estradas. (...) Suga aos cnicos o cinismo, aos covardes o medo, aos avaros o ouro E para que apodream como porcos, injeta-os de pureza! E com todo esse pus, faz um poema puro E deixa-o ir, armado cavaleiro, pela vida E ri e canta dos que pasmados o abrigarem E dos que por medo dele te derem em troca a mulher e o po. Canta! canta, porque cantar a misso do poeta E dana, porque danar o destino da pureza Faz para os cemitrios e para os lares o teu grande gesto obsceno Carne morta ou carne viva toma! Agora falo eu que sou um!

    (Vincius de Moraes, Antologia Potica. So Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 51-53.)

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    a) Como prprio do modernismo potico, os versos acima contrariam a linguagem mais depurada e as imagens mais elevadas da lrica tradicional. Como podemos definir as imagens predominantes em Balada feroz? A que se referem tais imagens?

    b) Qual o papel da poesia e do poeta diante da realidade representada?

    Resposta Esperada Espera-se que o candidato associe as imagens predominantes no poema Balada feroz s ideias de violncia, doena e morte, reconhecendo elementos que fazem referncia, por exemplo, putrefao (a podrido das latrinas e das fossas, a decomposio dos campos de guerra te ferir as narinas, apodream como corpos) e sujeira ou escatologia (cores que comem as fezes verdes das estradas). O candidato tambm deve mostrar que essas imagens se referem a um cenrio de guerras ou, ao menos, de misria e devastao. J em relao ao papel da poesia e do poeta, o candidato deve abordar o misto de pureza e contundncia: a poesia caracterizada no apenas pela pureza, em contraste com o mundo degradado, pelo qual no se deixa corromper ou contaminar, mas tambm pela contundncia com que arremete violentamente contra esse mundo, no sentido de denunci-lo criticamente.

    Exemplo Acima da Mdia

    Exemplo Abaixo da Mdia

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    Comentrios a) Na resposta acima da mdia, o candidato identifica corretamente o contraste que os versos do poema Balada feroz estabelece com as imagens elevadas e a linguagem depurada da lrica tradicional. Embora, entre os adjetivos utilizados para caracterizar as imagens do poema de Vincius de Moraes, degeneradas no seja uma escolha feliz, pode-se considerar que o candidato cumpriu bem a tarefa, estabelecendo tambm a relao esperada entre o poema e seu contexto. O mesmo no se pode dizer da resposta abaixo da mdia, que, se tambm caracteriza satisfatoriamente as imagens, ao relacion-las a todos os defeitos do ser humano, d uma resposta demasiadamente genrica, que no chega a contextualizar o poema. b) Do mesmo modo que no item anterior, a reposta abaixo da mdia se manteve na generalidade, ao atribuir ao poeta e poesia o papel de mudar a realidade apresentada, incluindo a a purificao dos pecadores, que no se encontra no texto. A resposta acima da mdia, ao contrrio, identifica corretamente o aparente paradoxo da poesia, que capaz de extrair pureza da realidade mais degradada.

    Questo 8 Os animais desempenham um papel simblico no romance Iracema. Dentre eles, destacam-se o co Japi e a jandaia (ou ar), que aparecem nos excertos abaixo.

    Poti voltou de perseguir o inimigo. (...) O co fiel o seguia de perto, lambendo ainda nos pelos do focinho a marugem do sangue tabajara, de que se fartara; o senhor o

    acariciava satisfeito de sua coragem e dedicao. Fora ele quem salvara Martim (...). Os maus espritos da floresta podem separar outra vez o guerreiro branco de seu irmo pitiguara. O co te seguir daqui em

    diante, para que mesmo de longe Poti acuda a teu chamado. Mas o co teu companheiro e amigo fiel. Mais amigo e companheiro ser de Poti, servindo a seu irmo que a ele. Tu o chamars Japi; e ele ser o p ligeiro com que de

    longe corramos um para o outro. (...) Tanto que os dois guerreiros tocaram as margens do rio, ouviram o latir do co, que os chamava, e o grito da ar, que se lamentava.

    A ar, pousada no jirau fronteiro, alonga para sua formosa senhora os verdes tristes olhos. Desde que o guerreiro branco pisou a terra dos tabajaras, Iracema a esqueceu. (...)

    Iracema lembrou-se que tinha sido ingrata para a jandaia esquecendo-a no tempo da felicidade; e agora ela vinha para a consolar no tempo da desventura. (...)

    Na seguinte alvorada foi a voz da jandaia que a despertou. A linda ave no deixou mais sua senhora (). A jandaia pousada no olho da palmeira repetia tristemente: Iracema! Desde ento os guerreiros pitiguaras, que passavam perto da cabana abandonada e ouviam ressoar a voz plangente da ave amiga,

    se afastavam, com a alma cheia de tristeza, do coqueiro onde cantava a jandaia. E foi assim que um dia veio a chamar-se Cear o rio onde crescia o coqueiro, e os campos onde serpeja o rio.

    (Jos de Alencar, Iracema. So Paulo: tica, 1992, p. 52 e p. 80.)

    a) Explique o papel simblico desempenhado pelo co.

    b) Explique o papel simblico desempenhado pela jandaia ou ar.

    Resposta Esperada O candidato deve explicitar que, conforme o primeiro excerto, o co Japi representa a fidelidade ou submisso. Sendo um presente dado por Poti a Martim, simboliza a fidelidade do colonizado ao colonizador, do qual se mostra aliado. , portanto, smbolo da sujeio do nativo ao colonizador. J a jandaia ou ar smbolo das tradies locais, americanas, ameaadas pela presena branca, europeia. Embora se mostre feliz quando se encontra sozinha com Iracema, a presena de Martim a faz recuar e se afastar da ndia, revelando a ameaa representada pelo homem branco. O candidato deve analisar a tristeza da jandaia como um prenncio da desgraa que se abater sobre Iracema e os seus.

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    Exemplo Acima da Mdia

    Exemplo Abaixo da Mdia

    Comentrios a) A resposta abaixo da mdia pode ser considerada incompleta, pois embora aponte corretamente o papel simblico do co como protetor, amigo e companheiro, ignora quase totalmente o romance de Alencar, atribuindo ao co caractersticas que se referem antes ao senso comum a respeito desse animal. A resposta acima da mdia, por sua vez, no perde de vista o contexto do romance, relacionando o co amizade entre Poti e Martim, e tirando da a concluso de que tal relao implica submisso do ndio ao branco.

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    b) Nesse item tambm se pode afirmar que a resposta acima da mdia contemplou todos os aspectos esperados, no s relacionando a jandaia s tradies indgenas, como tambm vendo nela uma premonio da tragdia que seria para os nativos o encontro com o colonizador portugus. O nico reparo a ser feito a essa resposta o descuido com a concordncia na passagem que se refere ao desrespeito com que seria tratada as tradies e rituais dos ndios. J a resposta abaixo da mdia estabeleceu corretamente a relao entre a ave e as tradies, mas no tirou da nenhuma concluso mais abrangente.

    Questo 9 Os excertos abaixo foram extrados do Auto da barca do inferno, de Gil Vicente.

    (...) FIDALGO: Que leixo na outra vida quem reze sempre por mi. DIABO: (...) E tu viveste a teu prazer, cuidando c guarecer por que rezem l por ti!...(...) ANJO: Que quers? FIDALGO: Que me digais, pois parti to sem aviso, se a barca do paraso esta em que navegais. ANJO: Esta ; que me demandais? FIDALGO: Que me leixs embarcar. s fidalgo de solar, bem que me recolhais. ANJO: No se embarca tirania neste batel divinal. FIDALGO: No sei por que haveis por mal Que entra minha senhoria.

    ANJO: Pera vossa fantesia mui estreita esta barca. FIDALGO: Pera senhor de tal marca nom h aqui mais cortesia? (...) ANJO: No vindes vs de maneira pera ir neste navio. Essoutro vai mais vazio: a cadeira entrar e o rabo caber e todo vosso senhorio. Vs irs mais espaoso com fumosa senhoria, cuidando na tirania do pobre povo queixoso; e porque, de generoso, desprezastes os pequenos, achar-vos-eis tanto menos quanto mais fostes fumoso. ()

    SAPATEIRO: (...) E pera onde a viagem? DIABO: Pera o lago dos danados. SAPATEIRO: Os que morrem confessados, onde tm sua passagem? DIABO: Nom cures de mais linguagem! Esta a tua barca, esta! (...) E tu morreste excomungado: no o quiseste dizer. Esperavas de viver, calaste dous mil enganos... tu roubaste bem trint'anos o povo com teu mester. (...) SAPATEIRO: Pois digo-te que no quero! DIABO: Que te ps, hs-de ir, si, si! SAPATEIRO: Quantas missas eu ouvi, no me ho elas de prestar? DIABO: Ouvir missa, ento roubar, caminho per'aqui.

    (Gil Vicente, Auto da barca do inferno, em Cleonice Berardinelli (org.), Antologia do teatro de Gil Vicente. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; Braslia: INL, 1984, p. 57-59 e 68-69.)

    a) Por que razo especfica o fidalgo condenado a seguir na barca do inferno? E o sapateiro?

    b) Alm das faltas especficas desses personagens, h uma outra, comum a ambos e bastante praticada poca, que Gil Vicente condena. Identifique essa falta e indique de que modo ela aparece em cada um dos personagens

    Resposta Esperada Como razo da condenao do fidalgo, espera-se que o candidato identifique a soberba, a arrogncia, a presuno, a reivindicao de prerrogativas para os de sua classe ou a tirania exercida sobre o pobre povo queixoso. O sapateiro, por sua vez, acusado de enganar e roubar o povo por meio de seu ofcio (mester). O candidato deve ainda identificar como falta comum aos dois personagens a prtica v da religio. No caso do fidalgo, essa prtica se evidencia no fato de ele mandar que outras pessoas rezem em seu lugar. J o sapateiro alega ter ouvido missas e se confessado antes de morrer, escondendo que morrera excomungado.

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    Exemplo Acima da Mdia

    Exemplo Abaixo da Mdia

    Comentrios a) A resposta abaixo da mdia acertou apenas precariamente a resposta a este item, pois aponta como motivo da condenao do fidalgo a luxria, que o candidato aparentemente confunde com luxo, pois cita como

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    exemplo a explorao de outros. Tendo identificado corretamente a falta atribuda ao sapateiro, o candidato respondeu apenas em parte a este item da questo. A resposta acima da mdia identifica corretamente as faltas do fidalgo e do sapateiro, alm de sustentar com passagens do texto a argumento exposto. b) Neste item, o candidato do exemplo abaixo da mdia no respondeu corretamente questo proposta, pois atribui tanto ao fidalgo quanto ao sapateiro a explorao de sua condio social, que, por ser desigual, no pode servir para aproxim-los. Tambm neste caso a resposta acima da mdia no apenas identifica corretamente a hipocrisia religiosa como falta comum aos dois, como tambm fundamenta o argumento apresentado com exemplos tirados do prprio texto citado.

    Questo 10 Os trechos a seguir foram extrados de Memrias de um sargento de milcias e Vidas secas, respectivamente.

    O som daquela voz que dissera abra a porta lanara entre eles, como dissemos, o espanto e o medo. E no foi sem razo; era ela o anncio de um grande aperto, de que por certo no poderiam escapar. Nesse tempo ainda no estava organizada a polcia da cidade, ou antes estava-o de um modo em harmonia com as tendncias e ideias da poca. O major Vidigal era o rei absoluto, o rbitro supremo de tudo o que dizia respeito a esse ramo de administrao; era o juiz que julgava e distribua a pena, e ao mesmo tempo o guarda que dava caa aos criminosos; nas causas da sua imensa alada no haviam testemunhas, nem provas, nem razes, nem processo; ele resumia tudo em si; a sua justia era infalvel; no havia apelao das sentenas que dava, fazia o que queria, ningum lhe tomava contas. Exercia enfim uma espcie de inquirio policial. Entretanto, faamos-lhe justia, dados os descontos necessrios s ideias do tempo, em verdade no abusava ele muito de seu poder, e o empregava em certos casos muito bem empregado.

    (Manuel Antnio de Almeida, Memrias de um sargento de milcias. Rio de Janeiro: Livros Tcnicos e Cientficos, 1978, p. 21.)

    Nesse ponto um soldado amarelo aproximou-se e bateu familiarmente no ombro de Fabiano: Como , camarada? Vamos jogar um trinta-e-um l dentro? Fabiano atentou na farda com respeito e gaguejou, procurando as palavras de seu Toms da bolandeira: Isto . Vamos e no vamos. Quer dizer. Enfim, contanto, etc. conforme. Levantou-se e caminhou atrs do amarelo, que era autoridade e mandava. Fabiano sempre havia obedecido. Tinha muque e

    substncia, mas pensava pouco, desejava pouco e obedecia. (Graciliano Ramos, Vidas secas. Rio de Janeiro: Record, 2007, p. 28.)

    a) Que semelhanas e diferenas podem ser apontadas entre o Major Vidigal, de Memrias de um sargento de milcias, e o soldado amarelo, de Vidas secas?

    b) Como essas semelhanas e diferenas se relacionam com as caractersticas de cada uma das obras?

    Resposta Esperada O candidato deve explicitar que o major Vidigal e o soldado amarelo se assemelham por representarem a autoridade, que eles exercem com arbitrariedade. Quanto s diferenas, o candidato pode apontar, em primeiro lugar, a posio hierrquica de cada um: o major o representante supremo da lei, enquanto o soldado amarelo apenas um membro subalterno da polcia. Este, no entanto, se caracteriza por uma arbitrariedade escancarada e pela brutalidade com que trata os desvalidos diante da lei, ao passo que o major Vidigal exerce a autoridade com uma bonomia paternalista. O candidato tambm deve indicar que tais diferenas se devem s caractersticas especficas das obras: Memrias de um sargento de milcias um romance de costumes do romantismo, que, fazendo uso do humor e da caricatura, conduz a um desfecho conciliador, em que as faltas das personagens so contempladas com benevolncia maliciosa; Vidas secas, por sua vez, representante do romance social da dcada de 1930, que contm uma denncia da opresso, excluindo a possibilidade de conciliao entre a autoridade arbitrria e as personagens vtimas da opresso por ela exercida.

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    Exemplo Acima da Mdia

    Exemplo Abaixo da Mdia

    Comentrios a) A resposta acima da mdia faz tanto a aproximao quanto a diferenciao esperadas entre as personagens. Identifica corretamente que o exerccio da autoridade pelo soldado amarelo mais escancaradamente arbitrria que a do Major Vidigal. Na resposta abaixo da mdia, embora tambm estabelea corretamente essas distines, o candidato compra ingenuamente a afirmao do narrador de que o Major no abusava de seu poder.

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    b) Na resposta acima da mdia o candidato relaciona corretamente as semelhanas e diferenas s caractersticas das obras, isto , o carter de denncia social de Vidas secas e o humor prprio de um romance de costumes como Memrias de um sargento de milcias. Na resposta abaixo da mdia, mesmo percebendo essa diferena, o candidato no consegue tirar da uma concluso a respeito das caractersticas e intenes de cada uma das obras, e assim no consegue ir alm das semelhanas e diferenas superficiais entre elas.

    Questo 11 Os trechos a seguir foram extrados de A cidade e as serras, de Ea de Queirs.

    Mas dentro, no peristilo, logo me surpreendeu um elevador instalado por Jacinto apesar do 202 ter somente dois andares, e ligados por uma escadaria to doce que nunca ofendera a asma da Sr. D. Angelina! Espaoso, tapetado, ele oferecia, para aquela jornada de sete segundos, confortos numerosos, um div, uma pele de urso, um roteiro das ruas de Paris, prateleiras gradeadas com charutos e livros. Na antecmera, onde desembarcamos, encontrei a temperatura macia e tpida duma tarde de Maio, em Guies. Um criado, mais atento ao termmetro que um piloto agulha, regulava destramente a boca dourada do calorfero. E perfumadores entre palmeiras, como num terrao santo de Benares, esparziam um vapor, aromatizando e salutarmente umedecendo aquele ar delicado e superfino.

    Eu murmurei, nas profundidades do meu assombrado ser: Eis a Civilizao!

    Meus amigos, h uma desgraa... Dornan pulou na cadeira: Fogo? No, no era fogo. Fora o elevador dos pratos que inesperadamente, ao subir o peixe de S. Alteza, se desarranjara, e no se

    movia, encalhado! (...) O Gro-Duque l estava, debruado sobre o poo escuro do elevador, onde mergulhara uma vela que lhe avermelhava mais a

    face esbraseada. Espreitei, por sobre o seu ombro real. Em baixo, na treva, sobre uma larga prancha, o peixe precioso alvejava, deitado na travessa, ainda fumegando, entre rodelas de limo. Jacinto, branco como a gravata, torturava desesperadamente a mola complicada do ascensor. Depois foi o Gro-Duque que, com os pulsos cabeludos, atirou um empuxo tremendo aos cabos em que ele rolava. Debalde! O aparelho enrijara numa inrcia de bronze eterno.

    (Ea de Queirs, A cidade e as serras. So Paulo: Companhia Editora Nacional, 2006, p. 28, p. 63.)

    a) Levando em considerao os dois trechos, explique qual o significado do enguio do elevador.

    b) Como o desfecho do romance se relaciona com esse episdio?

    Resposta Esperada Espera-se que o candidato identifique o elevador como um smbolo dos exageros e da futilidade a que pode chegar o culto da civilizao e da modernidade. O enguio do elevador coloca em xeque, assim, a infalibilidade da tecnologia. A partir dessa constatao, o candidato deve concluir que a cena antecipa o desfecho do romance, no qual o protagonista abandonar suas iluses em relao metrpole para iniciar uma nova vida na terra dos seus antepassados, que ele se dedicar a transformar, afastando-se do culto frvolo da modernidade para explorar seu potencial humanizador.

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    Exemplo Acima da Mdia

    Exemplo Abaixo da Mdia

    Comentrios a) Embora um pouco claudicante quanto redao, a resposta acima da mdia mostra que o candidato compreendeu bem o carter simblico do elevador como prodgio da civilizao, e seu enguio como indcio de que ela no est livre de falhas. A mesma compreenso pode ser encontrada na resposta abaixo da mdia, mas de maneira mais vaga e genrica. b) Tanto a resposta considerada acima da mdia como a considerada abaixo da mdia estabelecem uma relao correta do episdio com o desfecho do romance, mas enquanto a primeira detalha melhor essa relao, estando, portanto, melhor fundamentada, a segunda o faz novamente de maneira vaga e genrica.

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    Questo 12 Os trechos abaixo foram extrados de Dom Casmurro, de Machado de Assis.

    Eu, leitor amigo, aceito a teoria do meu velho Marcolini, no s pela verossimilhana, que muita vez toda a verdade, mas porque a minha vida se casa bem definio. Cantei um duo ternssimo, depois um trio, depois um quatuor...

    Nada se emenda bem nos livros confusos, mas tudo se pode meter nos livros omissos. Eu, quando leio algum desta outra casta, no me aflijo nunca. O que fao, em chegando ao fim, cerrar os olhos e evocar todas as cousas que no achei nele. Quantas ideias finas me acodem ento! Que de reflexes profundas! Os rios, as montanhas, as igrejas que no vi nas folhas lidas, todos me aparecem agora com as suas guas, as suas rvores, os seus altares, e os generais sacam das espadas que tinham ficado na bainha, e os clarins soltam as notas que dormiam no metal, e tudo marcha com uma alma imprevista.

    que tudo se acha fora de um livro falho, leitor amigo. Assim preencho as lacunas alheias; assim podes tambm preencher as minhas.

    (Machado de Assis, Dom Casmurro. Cotia: Ateli Editorial, 2008, p. 213.)

    a) Como a narrativa de Bento Santiago pode ser relacionada com a afirmao de que a verossimilhana muita vez toda a verdade? b) Considerando essa relao, explicite o desafio que o segundo trecho prope ao leitor.

    Resposta Esperada O candidato deve explicitar que Bento Santiago acusa a mulher, Capitu, de o haver trado com seu amigo Escobar, tendo por base apenas indcios, mas nenhuma prova concreta. Assim, basta ser verossmil a suspeita de que Capitu o traiu para que a tome por verdadeira. Tambm se espera que o candidato constate que o livro de Bento Santiago , segundo suas prprias palavras, omisso. Nesse sentido, o segundo trecho no apenas desafia o leitor a tirar suas prprias concluses a respeito dos fatos narrados, como tambm o adverte de que, quaisquer que sejam essas concluses, elas sero apenas conjeturas que procuram completar as lacunas do livro e, por isso mesmo, podem levar diferentes leitores a concluses opostas.

    Exemplo Acima da Mdia

  • LNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS

    Provas Comentadas Lngua Portuguesa e Literaturas 2 Fase

    Exemplo Abaixo da Mdia

    Comentrios a) A resposta abaixo da mdia, apesar de identificar corretamente a origem do problema no ponto de vista pelo qual o romance narrado, no consegue estabelecer satisfatoriamente a relao entre verdade e verossimilhana para cumprir plenamente a tarefa proposta. Essa relao aparece claramente explicada na resposta acima da mdia, que tambm demonstra a percepo de que a tomada do verossmil pelo verdadeiro perpassa toda a narrativa, no se limitando semelhana entre Ezequiel e Escobar. b) A resposta acima da mdia tambm constata corretamente que a aluso a lacunas na narrativa serve de alerta para o leitor de que a interpretao final dos fatos narrados fica por sua conta. J a resposta abaixo da mdia a toma por uma advertncia genrica, como se todos os livros fossem escritos maneira de Dom Casmurro.

    Pgina 1