Click here to load reader

2015 | Catálogo CLOVIS

  • View
    228

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Galeria Estação | Exposição CLOVIS | Curadoria Ricardo Resende e Germana Monte-Mór | De 5 de novembro a 15 de dezembro de 2015

Text of 2015 | Catálogo CLOVIS

  • CLOV

    IS G

    ALERIA

    ESTA

    O

    2015

    CLOVIS

    capaClovis2015.indd 1 9/29/15 4:20 PM

  • capaClovis2015.indd 2 9/29/15 4:21 PM

  • abertura 05 de novembro 19h

    Clovis

    curadoria Germana Monte-Mr e Ricardo Resende

    So Paulo 2015

    Clovis 2015.indd 1 9/29/15 4:23 PM

  • Sem ttulo, 2014Acrlico e guache sobre papel kraft56 x 76,5 cm

    2

    Clovis 2015.indd 2 9/29/15 4:23 PM

  • 3Clovis Vilma Eid

    Eu o conheo pouco. Na verdade, depois de eu ter ouvido muito falar dele, a Flavia

    Corpas me levou para conhec-lo. Ele trabalha no Ateli Gaia, dentro do Museu Bispo

    do Rosrio, dirigido e cuidado pela instituio. Criou para si um ateli dentro daquele

    que abriga todos os artistas que passam o dia ali trabalhando. particular, excntrico,

    prprio. Os materiais acumulam-se, trabalhos acabados com outros inacabados, telas,

    tintas... Pouco falante, Clovis nos recebeu com um meio sorriso. Logo que viu nosso

    interesse pela arte, e pela dele em particular, aos poucos comeou a abrir-se.

    Esse homem simples, um andarilho nascido no interior do estado de So Paulo,

    um artista com um currculo a ser levado em considerao. Participou destas expo-

    sies coletivas: Ao rs-do-cho, Livre Galeria, Rio de Janeiro, 2015; Construo de um

    novo percurso: Ateli Gaia, Museu Bispo do Rosrio Arte Contempornea, Rio de Janeiro,

    2014/15; Ressuscita-me, Museu Bispo do Rosrio Arte Contempornea, Rio de Janeiro,

    2013; Prxima parada, Museu Bispo do Rosrio Arte Contempornea, Rio de Janeiro,

    2007; Cologne in Colnia, Museu Bispo do Rosrio Arte Contempornea, Rio de Janeiro,

    2006; O que normal?, ECCO Espao Cultural Contemporneo, Braslia, 2006; Puzzle-

    plis II, 26 Bienal de So Paulo, 2004 (com a artista plstica Livia Flores); Matria prima,

    Novo Museu de Curitiba, Curitiba, 2002; Puzzleplis, Espao Cultural Sergio Porto, Rio

    de Janeiro 2002.

    Clvis chegou a ser comparado a Bispo do Rosrio, de quem foi contemporneo, por

    realizar seus trabalhos com materiais reciclados, agrupando-os por vezes tambm de

    maneira obsessiva. Eu acredito que o talento o trao que os aproxima.

    Estou entusiasmada e espero que vocs tambm fiquem.

    Clovis 2015.indd 3 9/29/15 4:23 PM

  • 4Sem ttulo, 2014Acrlico sobre tela50 x 40 cm

    Clovis 2015.indd 4 9/29/15 4:23 PM

  • 5Clovis Ricardo Resende

    estou sempre indo

    no sei pra onde

    mas eu vou1

    Clovis Aparecido dos Santos gosta de andar, andarilho, caminha, vaga de um lado

    para outro na beira das estradas urbanas, na beira das grandes avenidas como a Linha

    Amarela, no Rio de Janeiro, que liga Jacarepagu, na Zona Oeste, passando por Madu-

    reira, ao centro do Rio de Janeiro. Diz que quando caminha no pensa em nada, apenas

    compe msicas e canta.

    Um dia desses, j final de tarde quente carioca, retornando pela Linha Amarela da

    Colnia Juliano Moreira, onde ficam o Museu Bispo do Rosrio e o Ateli Gaia, Clovis

    foi avistado altivo e com olhar reto sua frente. Caminhava com passos largos e rpidos

    em direo Taquara, bairro onde localiza-se a colnia. Ao seu lado os carros em velo-

    cidade passavam deslocando o ar com suas sombras alongadas e os zunidos do motor,

    deixando como passagem no tempo uma mancha esticada, como aquelas vistas na pin-

    tura do alemo Gerhard Richter.

    A histria humana, desde a mais remota, a do homem ereto, de deslocamentos.

    De ir de um lugar a outro. Atrs de comida ou de gua, procura de lugares mais segu-

    ros para procriar ou, por que no?, atrs de outras paisagens para morar. O ser humano

    vem de uma natureza vagante.

    Clovis 2015.indd 5 9/29/15 4:23 PM

  • 6Em 2004, o artista participou de uma exposio, PuzzlePlis II, com curadoria de

    Lvia Flores, dentro da 26 Bienal de So Paulo, com 58 trabalhos. A professora e artista

    criou uma miragem fantasmagrica de cidade com suas peas. Clovis cria fantasmas

    com suas formas estranhas, seres desformes e de colorido intenso que habitam o nosso

    inconsciente.

    O artista contou um pouco de sua histria para que eu escrevesse este texto sobre

    sua obra.

    Nasceu em Avar, interior do estado de So Paulo. Filho mais velho, ouviu de sua

    me poca, ainda muito jovem, que, se no tinha condies de ajudar na manuteno

    da famlia, deveria ento procurar o prprio sustento. Foi a chance para ele pegar a es-

    trada e seguir adiante, sempre em frente at chegar rodovia que une os dois estados,

    So Paulo e Rio de Janeiro, a Via Dutra. Estrada em que comum ver andarilhos e

    peregrinos nas suas margens.

    De Avar, que fica quase no centro do estado de So Paulo, Clovis passou por vrias

    estradas at cair no Rio de Janeiro, catou rebarbas do lixo nas ruas quando puxava uma

    carroa. Tinha a conscincia de estar fazendo o bem ao reciclar. Ainda uma prtica sua

    coletar. No perdeu o desejo da busca e da caminhada. Recolhe os mesmos materiais

    hoje para reciclagem, como o papelo, as garrafas PET, brinquedos aos pedaos feitos

    de plstico e as lonas vinlicas residuais das propagandas polticas que persistem na

    paisagem das periferias da cidade, mesmo depois do perodo eleitoral. Agora no coleta

    mais para vender como antes, e sim usa o material como suporte para sua obra de arte.

    Fala pouco, mas sempre com um sorriso nos lbios. De frases curtas mas certeiras,

    deixa a dvida se est ali por algum distrbio mental. O que parece que encontrou abri-

    go nessa nova fase da Colnia Juliano Moreira, que, depois das mudanas manicomiais

    implantadas desde a dcada de 1990, no mais hostil. Talvez seja por isso que l ficou.

    Clovis 2015.indd 6 9/29/15 4:23 PM

  • Sem ttulo, 2015Acrlico sobre metal e madeira 114 x 78 x 63 cm

    Clovis 2015.indd 7 9/29/15 4:23 PM

  • Sem ttulo, 2014Acrlico sobre papel, cola e cimento35 x 68 x 60 cm

    Clovis 2015.indd 8 9/29/15 4:23 PM

  • 9Discordando dos que ainda dizem que o que o Clovis faz no seria arte, pois, pela

    condio mental, no teria condies de ter a inteno de fazer arte, ele, pelo contr-

    rio, tem a clareza de que o que faz arte.

    O artista frequenta o Ateli Gaia h mais de dez anos. O que o prende ali a pos-

    sibilidade de desenvolver o seu trabalho plstico, a tranquilidade para fazer os seus

    desenhos, as suas pinturas e as esculturas estranhas na forma de carros sob o olhar dos

    outros colegas de ateli.

    So estranhas estas formas que lembram a figura humana, de animais, vegetais e de

    carros. Fazem recordar seres de um filme pr-histrico da humanidade, mas tambm

    um mundo inspito que parece que ainda vai existir daqui a milhares de anos.

    Os desenhos, as pinturas e as esculturas do Clovis so de seres indefinidos e de

    carros toscos e engraados. Quando esculturas, so feitos de uma mistura de restos de

    brinquedos e outras partes que ele constri feitas de restos de ferro de construo civil,

    pedaos de madeira e arame. Uma mistura que tem como base a massa da tcnica do

    papel mach. No lugar da cola, usa o cimento misturado ao papel de jornal e revistas.

    Modela essa massa na forma desses veculos que poderiam passar por brinquedos em

    outra poca.

    Nos desenhos e pinturas, que o que predomina nesta primeira exposio apre-

    sentada pela Galeria Estao, com cocuradoria de Germana Monte-Mr, essas mesmas

    formas surgem ainda mais abstratas. Ora lembram a sombra de animais, ora lembram

    as formas dos prprios carros que Clovis inventa sobre papel e telas. Algumas cores

    predominam e esto mais para a vibrao dos tons amarelos, dos verdes-abacate, do

    oliva e dos ctricos. Surgem as cores terrosas, como o marrom, o cinza, os vermelhos,

    os azuis, o rosa de fundo para uma figura disforme esverdeada. A cor da terra vulcnica,

    o branco e o amarelo combinados. uma mirade de cores inusitadas.

    Clovis 2015.indd 9 9/29/15 4:23 PM

  • Sem ttulo, 2015Acrlico sobre eucatex50 x 63 cm

    10

    Clovis 2015.indd 10 9/29/15 4:23 PM

  • 11

    Essas escolhas podem ter apenas o sentido da precariedade em que o artista cria.

    Poucos recursos, o uso de materiais pobres e poucas cores de tinta disposio. Mas a

    combinao inventiva e provocativa ao criar um padro de cores e formas que lem-

    bram arabescos e smbolos decorativos com cores ora combinadas, ora inesperadas e

    destoantes. Em alguns trabalhos reconhecemos e no reconhecemos o que ele desenha

    ou pinta. Quando no caem no abstrato completo, as figuras sugerem seres viventes

    com olhos esbugalhados ou, ainda, animais como peixes, o elefante em noite estrela-

    da, plantas, folhas e flores. Em um ncleo de desenhos pintados, aparece uma escrita

    indecifrvel e compulsiva. Mais para um texto pintado que lembra os smbolos de uma

    escrita com traos.

    Fiz ao Clovis uma pergunta para no deixar dvida de como se dava sua criao. Per-

    guntei-lhe o que pensava enquanto criava. Simples assim, respondeu: No sei. Tudo

    que fao vem das minhas mos. Passa pelas minhas mos. E me mostrou as mos

    grandes de quem trabalha com a fora fsica e sujas de tinta.

    Ao observar a serenidade do a