Folheto 3TK28_p_052005

  • View
    321

  • Download
    10

Embed Size (px)

Text of Folheto 3TK28_p_052005

siriusRels de segurana 3TK28

Captulo 11

SIRIUS Safety IntegratedTcnica de seguranaSIRIUS Rels de segurana

1 2 3 4 5 6

3TK2821 28 3TK2830 3TK2834 + 35

Rels de segurana Mdulo de expanso Automao de prensas

Para superviso de botes de parada de emergncia, portas de proteo e automao de prensas em tcnica a rel para um ou dois canais Pg. Tabela de escolha Acessrios 11/6 11/7

7 8 9 10 11

Descrio Panorama da linha Dados tcnicos Dimenses Circuitos de ligao

11/2 11/5 11/8 11/13 11/17

SIRIUS Rels eletrnicos de segurana

3TK2841 45 3TK2850 57

Rels eletrnicos de segurana Com contatores de contatos de abertura positiva

Para superviso de botes de parada de emergncia e portas de proteo Pg. Tabela de escolha11/10

Descrio Panorama da linha Dados tcnicos Dimenses Circuitos de ligao

11/2 11/9 11/11 11/14 11/23

Siemens LV 10 2004

11/1

SIRIUS Safety IntegratedSIRIUS Rels de seguranaRels de segurana 3TK28ProjetoClassificao de uma mquina em categorias conforme EN 954-1/NBR 14153* Conforme as diretrizes de mquinas europia nr. 98/37/EG e o cdigo de defesa do consumidor brasileiro, toda mquina dever atender as diretrizes e normas pertinentes. Devero ser tomadas precaues para reduzir os riscos pessoas em nveis aceitveis. Em uma primeira etapa, o projetista dever executar uma avaliao de risco conforme a norma EN 1050 / NBR 14009*, Apreciao de risco. Assim, devero ser consideradas, por ex., as caractersticas do local de instalao da mquina. Em seguida, dever ser avaliado um eventual risco global do sistema. Esta avaliao dever ser feita de forma que seja possvel uma comprovao do procedimento adotado e dos resultados obtidos. Esta avaliao dever determinar os riscos e as medidas adotadas para reduo de riscos. Aps a avaliao do grau de risco da instalao, feita a determinao da categoria de risco do sistema, com o auxlio da EN 954-1/NBR14153*, Partes de sistemas de controle relacionadas segurana, segundo a qual sero executados os circuitos de segurana. A categoria de risco determinar as exigncias tcnicas para a escolha dos dispositivos de segurana da mquina. Existem cinco categorias (B, 1, 2, 3 e 4), onde a categoria B (para Categoria de Base) representa o menor risco e, com isso, determina as exigncias mais brandas para o sistema de controle da mquina.

Possibilidades de escolha de categorias de risco segundo a EN 954-1/NBR 14153*Ponto de partida para a avaliao de risco das partes relacionadas segurana do sistema de controle S Grau de leso S1 Leso leve (normalmente reversvel) F Freqncia e/ou durao da exposio ao risco F1 Raro, at relativamente freqente e/ou exposio de curta durao P Possibilidade de se evitar o risco P1 Possvel, sob determinadas circunstncias P2 Praticamente impossvel

S2 Leso grave F2 Freqente, at exposio (normalmente irreversvel), permanente e/ou de incluindo morte longa durao

Escolha das categorias B, 1 a 4: Categorias de circuitos de controle relacionados segurana do sistema

Categorias possveis,

que exigem medidas adicionais,

Medidas que podero sersobredimensionadas, em funo do risco a que se relacionam.

Categorias principais parapontos de referncia,

Resumo das exigncias por categorias de risco, de acordo com a EN 954-1/NBR 14153*Categoria1) B Resumo das exigncias Tanto as partes dos sistemas de controle relacionadas segurana e/ou seus dispositivos de segurana, bem como seus componentes, devero ser dispostos, fabricados, escolhidos, montados e combinados conforme as normas pertinentes, de forma que possam suportar as influncias previstas para o sistema. As exigncias da categoria B devero ser preenchidas. Devero ser utilizados componentes e princpios de segurana comprovados. 2 As exigncias da categoria B e a utilizao de componentes e princpios de segurana comprovados devero ser preenchidas. A funo de segurana dever ser verificada em intervalos adequados, pelo sistema de controle da mquina. 3 As exigncias da categoria B e a utilizao de componentes e princpios de segurana comprovados devero ser preenchidas. Os componentes relativos segurana devero ser escolhidos de forma que: um defeito nico em cada uma destas partes no poder conduzir perda da funo de segurana, e sempre que possvel, o defeito dever ser detectvel. As exigncias da categoria B e a utilizao de componentes e princpios de segurana comprovados devero ser preenchidas. Comportamento do sistema2) O surgimento de um defeito poder conduzir perda da funo de segurana. Princpios para atingir a segurana Principalmente caracterizado pela seleo de componentes

1

O surgimento de um defeito poder conduzir perda da funo de segurana, mas a probabilidade de ocorrncia menor do que na categoria B. O surgimento de um defeito poder conduzir perda da funo de segurana, no intervalo entre as verificaes. A perda da funo de segurana detectada pela verificao do sistema de controle. Quando o defeito nico ocorrer, a funo de segurana permanecer sempre ativa. Alguns (nem todos) os defeitos sero detectados. Um acmulo de defeitos desconhecidos poder conduzir perda da funo de segurana. Quando defeitos ocorrerem, a funo de segurana permanecer sempre ativa. Os defeitos sero detectados oportunamente, para evitar a perda da funo de segurana.

Principalmente caracterizado pela seleo de componentes

Principalmente caracterizado pela estrutura

Principalmente caracterizado pela estrutura

4

Principalmente caracterizado pela estrutura

Os componentes relativos segurana devero ser escolhidos de forma que: um defeito em cada uma destas partes no poder conduzir perda da funo de segurana, e o defeito ser detectado durante ou antes do prximo passo da funo de segurana, ou, se isto no for possvel, um acmulo de defeitos desconhecidos no poder conduzir perda da funo de segurana. 1) As categorias no foram concebidas para serem utilizadas em uma seqncia especfica ou em um arranjo hierrquico qualquer, relativos segurana do sistema.* Norma brasileira correspondente

2) Em funo da avaliao de risco determina-se se a perda total ou parcial da(s) funo(es) de segurana, causada por defeitos na instalao, permissvel ou no.

11/2

Siemens LV 10 2004

SIRIUS Safety IntegratedSIRIUS Rels de seguranaRels de segurana 3TK28Caractersticas principaisSituaes de risco em uma mquina devem ser eliminadas o mais rpido possvel. Para movimentos que possam representar riscos s pessoas, o estado parado geralmente o estado seguro da mquina. Todos os rels de segurana SIRIUS desligam a corrente dos circuitos em casos de risco ou de defeito, ou seja, conduzem os motores ao estado parado. A norma EN 60204 exige que toda mquina possua funo de parada de categoria 0. Funes de parada de categorias 1 e/ou 2 devero ser previstas para os casos em que a mquina exija funes de segurana ou operacionais relativas a estas categorias. Existem 3 categorias de funes de parada: Categoria 0: Parada pelo desligamento imediato da alimentao dos motores da mquina. Categoria 1: Parada controlada, mantendo-se a alimentao dos motores, que ocasionaro a parada da mquina, a interrupo da alimentao dos motores somente ocorrer quando a parada da mquina for atingida (desenergizao temporarizada). Categoria 2: Parada controlada, com manuteno da alimentao dos motores da mquina. Conforme o modelo escolhido, o rel de segurana pode executar partida automtica ou partida supervisionada. Partida automtica O rel de segurana estar ativo quando o circuito do dispositivo de segurana a ele associado (p.ex.: boto de emergncia, chave fim-de-curso, etc...) estiver liberado. O circuito de rearme do rel de segurana poder possuir um boto de LIGA, porm neste caso no haver superviso de curto-circuito e circuito cruzado no circuito de rearmar. No h exigncia de superviso de curtocircuito e circuito cruzado para as categorias B, 1, 2 e 3, conforme a norma EN 954-1 / NBR 14153*. Para atingir categoria 4 conforme EN954-1 / NBR 14153*, utilizando um rel de segurana com partida automtica em circuito de parada de emergncia, o usurio dever proteger o circuito do boto de LIGA contra falhas (por ex., atravs do roteamento seguro dos condutores e proteo mecnica dos elementos). Partida supervisionada A partida de um rel de segurana aps a queda de tenso ou aps um desligamento de segurana feita apenas pelo boto de LIGA. Para categoria 4, conforme a norma EN 954-1 / NBR 14153*, necessrio que o circuito de LIGA/Rearme possua superviso de curto-circuito e circuito cruzado. O boto de LIGA deve ser acionado aps liberao do dispositivo de segurana a ele associado. Parada de emergncia Componentes de comando de parada de emergncia devero ter prioridade perante todas as outras funes da mquina. No advento da atuao dos mesmos a alimentao dos acionamentos da mquina, que possam ocasionar situaes de risco, dever ser desligada. O circuito de emergncia dever ocasionar uma parada de categoria 0 ou 1. O rearme de um componente de comando de parada de emergncia somente poder ser feito de forma manual, no prprio componente. O rearme no componente de comando de emergncia no poder ocasionar uma nova partida (necessrio o uso de boto de LIGA no circuito de rearme do rel de segurana para categoria 4 utilizar rel de segurana com partida supervisionada). A nova partida da mquina no poder ser possvel at que todos os componentes de emergncia tenham sido rearmados, de forma manual e consciente (EN 418 / NBR 13759*, Segurana de mquinas, Equipamentos de parada de emergncia, aspectos funcionais, Princpios para projeto). Os rels de segurana SIRIUS podem ser utilizados em circuitos de emergncia at categoria de segurana 4, conforme a norma EN 954-1 / NBR 14153*. Para se atingir a categoria de segurana desejada, alm da correta especificao do rel de segurana, deve-se observar o design da instalao eltrica do sistema. Monitor