Desenvolvimento craniofacial

  • View
    198

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Desenvolvimento craniofacial

DEFINIES

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO CRANIOFACIAL

Cre scimento: a seqncia de modificaes somticas que sofre um organismo, de sde a fecundao at a maturidade. De senvolvimento: a difere nciao dos compone ntes de um orga nismo, que conduz maturao das div ersas funes fsicas e psquicas.

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO So programados geneticamente e bastante influenciados por fatores ambientais. So mecanismos biolgicos praticamente inseparv eis, razo pela qual so comumente definidos conj untamente.

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO CELULARO aumento da massa celular no ilimitado, pois enquanto o volume cresce com o cubo, a superfcie cresce ao quadrado. A superfcie absorvente no sendo suficiente para as suas necessidades, torna a clula madura e pronta para se dividir. (Lei de Spencer)

1

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO CELULAR

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO DOS TECIDOSPROCESSOS DE CRESCIMENTO:HIPERPLASIA; HIPERTROFIA; HIPERTROFOPLASIA.

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO DOS TECIDOSPROCESSOS DE CRESCIMENTO:A HIPERPLASIA consiste no aumento do nmero de clulas; a HIPERTROFIA no aumento do tamanho da clula ou da massa de substncia intercelular por ela produzida; e a HIPERTROFOPLASIA na ao conjunta e coordenada dos dois processos .

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO DOS TECIDOSPROCESSOS DE CRESCIMENTO: INTERSTICIAL; APOSICIONAL; INTERSTICIOAPOSICIONAL.

2

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO DOS TECIDOSPROCESSOS DE CRESCIMENTO: INTERSTICIAL: consiste na anexao de novos elementos celulares nos interstcios dos j existentes. A maioria dos tecidos cresce desta maneira. EX: tec. Epitelial.

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO DOS TECIDOSPROCESSOS DE CRESCIMENTO: APOSICIONAL: consiste na anexao de novos elementos em camadas superpostas aos j existentes. Ex: tec. sseo.

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO DOS TECIDOSPROCESSOS DE CRESCIMENTO: APOSICIONAL

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO DOS TECIDOSPROCESSOS DE CRESCIMENTO: INTERSTICIOAPOSICIONAL: o crescimento intersticial e o aposicional funcionam coordenadamente entre si. Ex: cartilagens.

3

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO DOS TECIDOSPROCESSOS DE CRESCIMENTO: O tecido cartilagneo, por ter a possibilidade de crescimento aposicional e intersticional, tem sua velocidade de crescimento maior que o tec. sseo, por isso situa-se nas reas denominadas de ajuste incremental.

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTOVELOCIDADE DE CRESCIMENTOAs diferentes partes do corpo humano crescem com diferentes velocidades. Estas se modificam com a idade. As propores so obtidas porque os tecidos e rgos crescem com diferentes ritmos e em diferentes pocas. Embora o crescimento seja ordenado, h momentos em que ele se intensifica e outros de relativa estabilidade.

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTOCRESCIMENTO DIFERENCIAL Scammon e colaboradores mostraram, no grfico, o crescimento diferencial dos diversos tecidos orgnicos, agrupados em quatro padres distintos: padro geral, padro neural, padro linftico e padro genital.

4

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO DIFERENCIAL

CRESCIMENTO DIFERENCIAL

PADRO GERAL: engloba os ossos, msculos e vsceras que crescem mantendo uma certa proporcionalidade com o crescimento das dimenses externas e massa corprea.

PADRO NEURAL: crebro, medula espinhal, bulbos oculares, parte do ouvido interno e neurocrnio, os quais crescem muito rapidamente antes do nascimento e durante os primeiros anos de vida.

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO DIFERENCIALPADRO LINFTICO: timo, linfonodos, tonsilas e tecidos linfides do tubo digestivo. Todas essas estruturas so proeminentes do recm-nascido, crescem rapidamente durante o perodo da infncia e atingem o tamanho mximo um pouco antes da puberdade. O timo e as tonsilas, aps a puberdade, entram em involuo. PADRO GENITAL: os ovrios, testculos, rgos reprodutores acessrios e a genitlia externa crescem lentamente durante a infncia e rapidamente no perodo da puberdade.

CRESCIMENTO DIFERENCIAL

5

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTOCRESCIMENTO DIFERENCIALSegundo Graber, o neurocrnio se ajusta ao quadro de crescimento neural; o esplancnocrnio( face) ao padro geral. A base do crnio, pela sua complexidade, pode assumir fatores genticos intrnsecos assim como um padro de crescimento geral semelhante ao da face.

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTOCRESCIMENTO DIFERENCIAL

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO

FATORES DE CRESCIMENTO

FATORES DE CRESCIMENTO PRIMRIOS: relacionados a hereditariedade que provoca o embalo evolutivo inicial. Os fatores genticos atuam sobre o metabolismo das clulas em multiplicao.

PRIMRIOS SECUNDRIOS

6

CRESCIMENTO & DESENVOLVIMENTO

EMBRIOGNESE

FATORES DE CRESCIMENTO SECUNDRIOS:Con stituio(fator gentico); Temperatura; Nutrio; Fatores Hormonais;... Hormnio do crescimento(somatotrofina, elaborada pela adeno-hipfise), hormnio tireideo e os Hormnios gonadais.V

1. Processo 2. Processo 3. Processo 4. Processo 5. Processo

frontal nasal medial nasal lateral maxilar mandibular

EMBRIOGNESEV

EMBRIOGNESE

V

I Arco Branquial: bifurca-se originando-se os processos MAXILAR e MANDIBULAR, que junto com o processo FRONT AL formam a cavidade oral, lbios, bochechas e cavidade nasal. Um embrio de 4 semanas: sua boca esta limitada superiormente pelo processo frontal, lateralmente pelo processo maxilar, inferiormente pelo processo mandibular e ao fundo pela membrana bucofarngica.

O palato se origina, em sua maior extenso por proliferao dos processos MAXILARES, exceto na regio anterior, formada pelo processo NASAL MEDIAL, que se constitui na pr-maxila. O septo nasal surge como expanso caudal da eminncia FRONTAL a qual se funde posteriormente aos processos PALATINOS.(Separa-se deste modo a cavidade nasal da cavidade oral).

7

EMBRIOGNESEV

OSTEOGNESE

Mecanismo de f ormao do tecido sseo.O processo MANDIBULAR origina a lngua que se acomoda de maneira a permitir a fuso dos processos PALATINOS e a conseqente separao da cavidade oral e nasal. A falta de coalescncia ou fuso entre estes vrios processos dar origem as ms formaes congnitas (lbio leporino, fenda palatina, fissura facial oblqua) com profundas influncias no posicionamento dos dentes, na esttica facial e no psquico do paciente.

Pode ocorrer de duas maneiras: Ossif icao intramembranosa. Ossif icao endocondral.

OSSIFICAO INTRAMEMBRANOSA

iniciada sobre um modeloOSSIFICAO INTRAMEMBRANOSA

conjuntivo, por meio da diferenciao celular, onde osteoblastos sintetizam matriz osteide, que posteriormente sofre mineralizao progressiva.

8

OSSIFICAO INTRAMEMBRANOSA

OSSIFICAO INTRAMEMBRANOSA

clula mesenquimal indiferenciada

diferenciao em osteoblasto

Osteoblastos sintetizam matriz osteide.

vaso sangneo

OSSIFICAO INTRAMEMBRANOSA

OSSIFICAO INTRAMEMBRANOSA

Matriz engloba os osteoblastos, ilhandoos. Matriz mineraliza-se. Os osteoblastos aprisionados no macio sseo transformam-se em ostecitos.

9

OSSIFICAO INTRAMEMBRANOSA

OSSIFICAO INTRAMEMBRANOSA

Frontal Parietais Temporais (parte superior) Occipital (parte superior) Complexo Nasomaxilar (exceto septo nasal) Ossos do Tmpano Mandbula (exceto cabea da mandbula e snfise)

OSSIFICAO ENDOCONDRAL

OSSIFICAO ENDOCONDRAL

iniciada sobre um modelo cartilaginoso, que autodestrudo gradualmente e substitudo por tecido sseo, formado por clulas mesenquimais indiferenciadas advindas do tecido conjuntivo adjacente.

10

OSSIFICAO ENDOCONDRAL

OSSIFICAO ENDOCONDRAL

Cartilagem sof re modif icaes, ocorrendo hipertrof ia dos condrcitos.

Cartilagem sof re modif icaes, ocorrendo hipertrof ia dos condrcitos.

OSSIFICAO ENDOCONDRAL Morte dos condrcitos, deixando cavidades separadas por finos tabiques de matriz cartilaginosa.

OSSIFICAO ENDOCONDRAL Morte dos condrcitos, deixando cavidades separadas por finos tabiques de matriz cartilaginosa.

11

OSSIFICAO ENDOCONDRAL

OSSIFICAO ENDOCONDRAL

Cavidades so invadidas por capilares sangneos...Mineralizao dos tabiques de matriz cartilaginosa.

OSSIFICAO ENDOCONDRAL ...e em seguida por clulas indiferenciadas provenientes do tecido conjuntivo adjacente.

OSSIFICAO ENDOCONDRAL Algumas destas clulas se diferenciam em osteoblastos...

12

OSSIFICAO ENDOCONDRAL

OSSIFICAO ENDOCONDRALOBSERVAES IMPORTANTES

...que sintetizam matriz osteide, utilizando como arcabouo os restos de matriz cartilaginosa mineralizada.

O osso endocondral no formado diretamente a partir da cartilagem, mas sim preenchendo o espao anteriormente ocupado por esta. uma adaptao morfogentica, proporcionando uma produo contnua de tecido sseo em regies especiais que envolvem nveis de compresso relativamente altos. Esse tipo de ossificao est associado s articulaes mveis e maior parte da base craniana.

OSSIFICAO ENDOCONDRAL

OSSIFICAO ENDOCONDRAL

Occipital (parte inferior) Temporais (parte inferior) Esfenide Etmide Septo Nasal Cabea da Mandbula Snfise

Occipital (parte inferior) Temporais (parte inferior) Esfenide Etmide Septo Nasal Cndilos Snfise

13

OSSIFICAO ENDOCONDRALOccipital (parte inferior) Temporais (parte inferior) Esfenide Etmide Septo Nasal Cabea da Mandbula Snfise

OSSIFI