Click here to load reader

Colaborante Ofeliz H60

  • View
    116

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of Colaborante Ofeliz H60

LAJE MISTAPERFIL H60

OUT2011

05 05

EMPRESA POLTICA DE QUALIDADE INTRODUO PERFIL H60 LAJES MISTAS TABELAS DE CLCULO EXEMPLO H60 | 0.7 mm H60 | 0.8 mm H60 | 1.0 mm H60 | 1.2 mm ASPECTOS CONSTRUTIVOS

06 07 08 10

12 13 16 19 22 25

EMPRESADe onde vimos, quem somos e o que fazemos.Sediada em Braga e com uma experincia no mercado superior a 6 dcadas, O FELIZ Metalomecnica uma empresa especializada em construo metlica, perfilagem de chapa, corte e quinagem de chapa, fabrico de colunas de iluminao e torres de comunicao, serralharia em ao inox e corte a laser. Atravs de uma poltica de investimento contnuo em equipamentos da mais avanada tecnologia e a aposta em colaboradores altamente qualificados e de elevada competncia, permite dispor de capacidade produtiva e de resposta imediata s exigncias e solicitaes do mercado, afirmandose como uma referncia nas reas onde actua. Com um portflio de obras e clientes de reconhecida notoriedade no mercado, dispe de conhecimento adquirido e meios capazes de servir num mercado escala global, oferecendo solues desde a concepo, projecto, fabrico e montagem final. Privilegiando a eficincia dos processos e com uma forte orientao para o mercado, tem conseguido afirmar-se de forma singular num sector extremamente competitivo, conquistando a confiana dos seus clientes, atravs da qualidade da soluo final e pela capacidade de resposta realizao de obras nos prazos exigidos. Com uma estratgia de crescimento via internacionalizao, exporta para diversos pases e dispe de uma unidade industrial em Angola com capacidade produtiva e oferta de solues capaz de responder s solicitaes do mercado.

POLTICA DE QUALIDADETer sucesso ser feliz.Perante um mercado extremamente competitivo, no qual os clientes se tornam cada vez mais exigentes, a Administrao do Grupo O FELIZ, assume que s com um envolvimento de facto, o reforo da orientao para o mercado, a optimizao de todos os recursos e a reduo das actividades que no acrescentem valor, assim como o rigoroso cumprimento dos requisitos legais e estatutrios aplicveis ao produto, possvel crescer de uma forma sustentada. Da nossa parte empenhar-nos-emos neste propsito, acreditando que em conjunto melhoraremos o desempenho da nossa organizao e nos assumiremos como uma empresa de referncia.

05

INTRODUODefinio de Laje Mista.Define-se por laje mista, uma laje na qual se utilizam chapas metlicas perfiladas como cofragem perdida, capazes de suportar o peso do beto fresco, as armaduras e sobrecargas de construo na fase construtiva. Posteriormente, as mesmas chapas combinam-se estruturalmente com o beto, constituindo uma parte, ou mesmo a totalidade da armadura de traco. A utilizao de lajes mistas em edifcios aumentou exponencialmente na Europa nos ltimos 20 anos. Este facto deve-se, em grande parte, ao elevado desempenho estrutural e economia da soluo, paralelamente com o desenvolvimento da normalizao europeia de apoio a projecto de estruturas mistas ao-beto. Sendo uma soluo relativamente recente, importante a definio de regras de projecto, construo e segurana de apoio sua implementao em edifcios. A facilidade de produo e montagem, bem como a dispensa das tradicionais cofragens assumem-se como as principais vantagens na utilizao desta soluo. O Feliz apresenta como soluo para aplicao em laje mista, o perfil H60. De forma a permitir o correcto dimensionamento de lajes com este perfil, foram desenvolvidos diversos estudos estticos e dinmicos que culminaram com o desenvolvimento de tabelas de clculo directo e o software H60 Calculator que se encontra disponvel gratuitamente para download no site www. ofeliz.pt. aposta da O Feliz, continuar a incentivar a investigao relacionada com o desenvolvimento deste tipo de soluo estrutural.

ENQUADRAMENTO NORMATIVOActualmente, o dimensionamento deste tipo de laje previsto na norma NP EN 1994-1-1: Projecto de Estruturas Mistas Ao-beto Regras Gerais e Regras Para Edifcios. Neste regulamento so apresentados modelos de clculo para a verificao da resistncia flexo, ao esforo transverso, ao punoamento, bem como para a verificao de condies de servio: deformaes, vibraes e fendilhao. Contudo, a verificao da resistncia ao corte longitudinal, o modo de rotura mais condicionante em vos correntes, carece da obteno por via experimental dos parmetros m e k. As verificaes de segurana do perfil H60 em fase construtiva foram realizadas de acordo com a norma EN 1993-1-3 Projecto de Estruturas de Ao Elementos e Chapas Finas Enformados a Frio. Nesta fase, a chapa metlica, eventualmente com alguns escoramentos provisrios, constitui o nico elemento resistente. Os ensaios para caracterizao da conexo ao-beto foram realizados de acordo com o Anexo B.3 da norma NP EN 1994-1-1, no Laboratrio de Ensaios de Materiais e Estruturas do Departamento de Engenharia Civil da Universidade de Coimbra, sob coordenao do Professor Doutor Rui Simes. Neste mbito, foi tambm avaliado o comportamento dinmico (vibraes) de lajes mistas com o perfil H60 com base em ensaios. Este trabalho foi desenvolvido na Faculdade de Cincias e Tecnologia da Universidade de Coimbra, sob coordenao do Professor Doutor Carlos Rebelo. Entende-se por estado limite de vibrao, a garantia de nveis de conforto compatveis com o tipo de utilizao do piso. As aces dinmicas consideradas nesta verificao so, exclusivamente, as aces resultantes da movimentao de pessoas durante o uso normal do pavimento. Na verificao do estado limite de vibrao seguiu-se a metodologia prevista em Design Guide for Floor Vibrations. Nesta metodologia utilizado o parmetro OS-RMS90 (One Step Root Mean Square) correspondente vibrao harmnica induzida no pavimento pelo passo representativo da circulao de pessoas.

06

PERFIL H60Caractersticas.O perfil H60 um perfil enformado a frio por perfilagem. produzido a partir de bobina de chapa galvanizada a zinco por imerso a quente classe S320GD+Z, de acordo com a norma EN 10346:2009. As propriedades do ao encontram-se no Quadro 1.Quadro 1 Propriedades do ao

Tenso de Cedncia Tenso de Rotura Alongamento Aps Rotura

fyb 320 N/mm2 fu 390 N/mm2 17%

A geometria do perfil H60 encontra-se representada na Figura 1 (dimenses em milmetros).820 205

60

145 Figura 1 Geometria do perfil H60

As caractersticas mecnicas do perfil H60 encontram-se no Quadro 2 (seco bruta) e no Quadro 3 (seco efectiva em flexo positiva).Quadro 2 Caractersticas mecnicas do perfil H60 - seco bruta

Espessura da chapa [mm] 0.7 0.8 1.0 1.2

Peso Prprio [kN/m2] 0.078 0.089 0.111 0.134

Anominal [cm2/m] 9.90 11.37 14.20 17.02

Ape [cm2/m] 9.17 10.59 13.34 16.15

h [mm] 60 60 60 60

yG [mm] 34 34 34 34

Ip [cm4/m] 56.10 64.59 81.61 98.59

Em que: Ape - rea equivalente, com a espessura reduzida das almas para ter em conta a reduo da tenso de cedncia nessas zonas; yG - centro de gravidade com referncia base da chapa perfilada; h - altura do perfil H60; Ip - momento de inrcia. Quadro 3 Caractersticas mecnicas do perfil H60 seco efectiva em flexo positiva

Espessura da chapa [mm] 0.7 0.8 1.0 1.2

Aef [cm2/m] 7.82 9.07 11.59 14.12

yG,ef [mm] 29.8 30.0 30.3 30.6

VRd,ef [kN/m] 48.09 63.77 101.75 132.18

Ief [cm4/m] 45.98 53.49 68.60 83.84

Wel,ef [cm3/m] 15.2 17.8 22.6 27.4

MRd,ef [kNm/m] 4.9 5.7 7.2 8.8

EIef [kNm2/m] 96.56 112.33 144.06 176.06

Em que: Aef, YG,ef, I ef e Wel,ef - rea efectiva, posio do centro de gravidade, o momento de inrcia e o mdulo elstico de flexo da seco efectiva em flexo positiva, respectivamente; V Rd,ef e M Rd,ef - esforo transverso e momento flector resistente da seco efectiva da chapa, respectivamente; EI ef - rigidez de flexo da seco efectiva em flexo positiva.

No Quadro 4 so apresentados os parmetros para avaliao da resistncia ao corte longitudinal obtidos experimentalmente.Quadro 4 Parmetros de corte longitudinal

m [N/mm2] k [N/mm2]

98.32 0.080

07

LAJES MISTASCaractersticas.

Perfil Metlico Perfil H60 Conectores Armadura de Distribuio Armadura de Continuidade Beto

Figura 2 Esquema de montagem de uma Laje Mista

No desenvolvimento deste documento foi considerada a utilizao de betes de acordo com a norma NP EN 206-1. As armaduras de reforo e as malhas electrossoldadas foram consideradas em ao do tipo S500, cujas propriedades verificam o preconizado na norma EN 10080. No Quadro 5 so apresentados os volumes e pesos prprios do beto armado por metro quadrado de laje, para as diferentes alturas, considerando beto = 25 kN/m3.Quadro 5 Volume e peso prprio do beto

ht [cm] Volume [m3/m2] Peso [kN/m2]

10 0.064

11 0.074

12 0.084

13 0.094

14 0.104

15 0.114

16 0.124

17 0.134

18 0.144

19 0.154

20 0.164

21 0.174

22 0.184

23 0.194

24 0.204

25 0.214

1.60

1.85

2.10

2.35

2.60

2.85

3.10

3.35

3.60

3.85

4.10

4.35

4.60

4.85

5.10

5.35

08

Nos Quadros 6 a 8 so indicados os valores dos momentos de inrcia, para efeitos de longo prazo, relevantes para as 3 classes de beto mais correntes: C20/25, C25/30 e C30/37. No clculo da inrcia para flexo negativa foi assumida uma armadura de continuidade composta por vares 10 mm afastados de 0.15 m, cerca de 5.24 cm2/m. Nesta rea, no se inclui a armadura de distribuio, pois esta, segundo a clusula 5.5.1 (6) da norma NP EN 1994-1-1, pode no possuir ductilidade suficiente, em particular quando constituda por rede electrossoldada lisa.Quadro 6 Momentos de inrcia de lajes mistas com chapa H60 e beto C20/25

Quadro 7 Momentos de inrcia de lajes mistas com chapa H60 e beto C25/30

Search related