of 173/173
Anexo I – Cartaz alusivo a uma festa popular 118

Anexo I – Cartaz alusivo a uma festa popularubibliorum.ubi.pt/bitstream/10400.6/2090/2/Anexos.pdf · Anexo IV – Planificação anual de Espanhol – 8.ºB 123 Contar un hecho;

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Anexo I – Cartaz alusivo a uma festa...

  • Anexo I Cartaz alusivo a uma festa popular

    118

  • Anexo II Planificao anual de Portugus 10. C

    119

  • Anexo II Planificao anual de Portugus 10. C

    120

  • Anexo III Manual Expresses 10. ano

    121

  • Anexo IV Planificao anual de Espanhol 8.B

    122

    Escola Secundria Campos Melo

    PLAN ANUAL ESPAOL 2 8. CURSO

    3 CLASES SEMANALES

    LIBRO DE TEXTO: Espaol 2, Porto Editora Profesores: Sandra Esprito Santo y Rui Dias

    2012 / 2013

    COMPETENCIAS

    COMUNICATIVAS

    CONTENIDOS

    ACTIVIDADES

    MATERIALES

    EVALUACIN

    TIEMPO

    SOCIOCULTURALES

    Y

    LXICOS

    GRAMATICALES

    Hablar de algunos

    aspectos culturales de

    los espaoles;

    Comparar costumbres

    espaolas y portuguesas.

    Describir y caracterizar

    a alguien;

    Expresar opinin;

    Expresar probabilidad;

    Defender y rechazar

    algo.

    Hablar de enfermedades;

    Describir sntomas y

    hablar de medicinas;

    Hablar del estado de

    salud;

    Contar un suceso;

    Aconsejar algo.

    Espaa: costumbres y cultura

    de los espaoles.

    Los falsos amigos;

    Expresiones idiomticas

    Adjetivos de caracterizacin

    fsica y psicolgica.

    Nombres de enfermedades;

    Sntomas y medicinas;

    Algn lxico relacionado

    con el hospital.

    Presente de indicativo de

    verbos regulares e

    irregulares (repaso);

    Reglas de acentuacin;

    Artculos determinados:

    presencia/ausencia del

    artculo;

    Preposiciones: algunas

    diferencias en relacin

    con el portugus.

    Presente de subjuntivo

    de verbos regulares e

    irregulares.

    Pretrito perfecto de

    indicativo;

    Marcadores temporales;

    Participios irregulares.

    Pretrito indefinido de

    verbos regulares e

    irregulares.

    Marcadores temporales.

    Exposicin del profesor.

    Interaccin oral

    profesor/alumno.

    Realizacin y correccin

    de una prueba de

    diagnstico.

    Fichas de repaso.

    Ejercicios de reflexin

    sobre la cultura espaola

    y la variedad cultural y

    lingstica que existe en

    Espaa;

    Ejercicios de

    comprensin oral y

    escrita relativos al tema

    de la unidad;

    Ejercicios de produccin

    oral y escrita

    relacionados con el tema

    de la unidad;

    Lectura e interpretacin

    Libro de texto adoptado:

    Espaol 2

    Libro de ejercicios del

    libro de texto;

    Cuaderno individual;

    Pizarra/rotulador;

    Ordenador y proyector;

    Grabaciones que

    acompaan el libro de

    texto;

    Diccionarios;

    Gramticas;

    Evaluacin de diagnosis;

    Evaluacin formativa y

    continua;

    Observacin directa;

    Fichas formativas

    realizadas en clase;

    Presentacin oral y

    escrita de trabajos en

    clase;

    Realizacin de los

    deberes;

    Utilizacin del material

    necesario;

    Primer trimestre

  • Anexo IV Planificao anual de Espanhol 8.B

    123

    Contar un hecho;

    Valorar algo o alguien;

    Expresar opinin.

    Expresar gustos y

    opiniones;

    Expresar la hiptesis;

    Aconsejar algo o

    alguien.

    Expresar la

    probabilidad;

    Expresar la hiptesis;

    Pedir y dar

    informaciones;

    Desenvolverse en un

    restaurante, bar, tienda,

    etc.

    Hablar de profesiones;

    Hablar de las

    caractersticas

    profesionales de alguien;

    Valorar el carcter de

    una persona;

    Presentarse a una

    entrevista;

    Hablar de su propio

    currculo.

    Hablar de horarios y

    rutinas;

    Comparar los sistemas

    Adjetivos de caracterizacin

    fsica y psicolgica..

    Las artes: lectura, msica y

    cine.

    Tiendas y productos;

    El restaurante.

    Profesiones.

    Caractersticas personales y

    profesionales;

    Currculum vitae.

    Horarios y rutinas;

    Sistema educativo espaol.

    Repaso de las reglas de

    acentuacin (tilde en los

    monoslabos);

    El condicional regular e

    irregular.

    Futuro imperfecto;

    Pronombres personales

    de objeto directo e

    indirecto.

    Estilo indirecto;

    Interrogativas indirectas.

    El gerundio.

    Oraciones subordinadas

    adverbiales de

    indicativo.

    Imperativo afirmativo y

    negativo;

    Colocacin de los

    pronombres personales

    con imperativo.

    Relaciones entre los

    tiempos de pasado.

    Adjetivos y pronombres

    posesivos.

    de diversos textos en

    espaol;

    Resolucin de fichas de

    trabajo;

    Resolucin de ejercicios

    del libro de texto;

    Simulacin escrita y oral

    de situaciones reales:

    dilogos, cartas,

    postales, guas, etc.;

    Juegos de roles;

    Audicin y explotacin

    de canciones/textos.

    Presentacin de

    PowerPoints y videos;

    Debates y trabajos sobre

    los contenidos

    socioculturales

    estudiados en clase;

    Visionado y explotacin

    de fragmentos de

    pelculas y anuncios

    publicitarios;

    Consulta de portales

    electrnicos.

    Visita de estudio a

    Salamanca.

    Crucigramas.

    Ejercicios de traduccin.

    Ejercicios de

    autoevaluacin.

    Pruebas.

    Fichas informativas;

    Fichas de trabajo;

    Revistas;

    Peridicos;

    Material audio;

    Material video;

    PowerPoints;

    Mapas;

    Postales;

    Canciones;

    Cmics;

    Fotos e imgenes;

    Tarjetas en cartulina;

    Juegos didcticos;

    Ordenador.

    Actitudes y valores

    (asiduidad, puntualidad,

    participacin, empeo,

    responsabilidad);

    Pruebas de comprensin

    oral y escrita;

    Pruebas de evaluacin.

    Segundo trimestre

    Tercer Trimestre

  • Anexo IV Planificao anual de Espanhol 8.B

    124

    educativos portugus y

    espaol.

    Desenvolverse en la

    ciudad;

    Identificar las seales

    informativas;

    Preparar una visita.

    Hablar de campaas de

    seguridad vial;

    Dar y recibir

    instrucciones en viaje;

    Contar un suceso.

    Pedir y dar informacin;

    Hablar de las ventajas e

    inconvenientes de los

    viajes;

    Elegir y justificar un

    local para pasar unas

    vacaciones;

    Ciudad;

    Seales informativas.

    Vocabulario relacionado con

    la seguridad vial.

    Objetos relacionados con los

    viajes y las vacaciones

    Covilh, septiembre de 2012

  • Anexo V Manual Espaol 2 Nivel Elemental II 8. ano

    125

  • Anexo VI Aula supervisionada de Espanhol 8.B

    126

    Escola Secundria Campos Melo

    Curso 2012/2013

    Espaol II 8. B

    Profesora orientadora: Sandra Esprito Santo

    Profesora en prcticas: Ana Rita Proena

    Unidad 4:

    Cmo te sientes?

    7 de noviembre de 2012

  • 2012/2013

    127

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Escola Secundria Campos Melo

    Curso 2012/2013

    Espaol II 8. B

    Plantilla de la clase

    Profesora orientadora: Sandra Esprito Santo

    Profesora en prcticas: Ana Rita Proena

    Unidad 4: Cmo te sientes? Lecciones n.: __/__

    Duracin: 90 minutos Fecha: 7 de noviembre de 2012

    Objetivos

    Contenidos Actividades/ Metodologas

    Tiempo

    90 min. Materiales Evaluacin

    Funcionales Lexicales Culturales Gramaticales

    Describir

    imgenes.

    Consolidar y

    repasar lxico

    relacionado

    con la salud.

    Repasar el

    pretrito

    Explicar los

    sntomas de una

    enfermedad:

    tener fiebre,

    estar con

    dolores,

    tener tos ().

    Vocabulario y

    expresiones

    relacionado

    con la salud:

    jarabe,

    pastillas,

    vacuna,

    aspirina,

    ().

    Construccin

    del verbo

    doler.

    Repaso de

    pretrito

    perfecto de

    indicativo.

    Correccin de los

    deberes: ficha de

    trabajo sobre la

    salud, sopa de letras

    (Anexo I).

    Visionado y

    explotacin del

    PowerPoint iniciado

    10 min.

    10 min.

    Ficha de trabajo

    sobre la salud,

    sopa de letras

    (Anexo I).

    Powerpoint

    sobre la salud y

    el pretrito

    perfecto (Anexo

    Puntualidad.

    Comportamiento.

    Inters y

    motivacin.

    Participacin.

    Empeo en las

  • 2012/2013

    128

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    perfecto de

    indicativo.

    Desarrollar la

    capacidad

    oral.

    Hablar de

    estados de

    salud.

    Utilizar

    expresiones

    relacionadas

    con la salud:

    guardar

    cama,

    farmacia de

    guardia,

    poner una

    vacuna,

    concertar una

    cita, pasar

    consulta ().

    Expresiones

    relacionadas

    con la salud:

    guardar

    cama,

    mdico de

    cabecera,

    farmacia de

    guardia,

    poner una

    vacuna,

    concertar

    una cita,

    pasar

    consulta ().

    en la clase anterior

    (Anexo II).

    Repaso del verbo

    doler.

    Repaso de los

    contenidos

    anteriormente

    estudiados (Ficha de

    trabajo, Anexo III).

    Estudio de algunas

    expresiones

    utilizadas en espaol

    para referirse a

    estados de salud

    (Ficha de trabajo,

    Anexo IV).

    Lectura del texto

    Me he puesto

    3 min.

    10 min.

    12 min.

    12 min.

    II y VI).

    Ficha de trabajo

    sobre

    enfermedades

    (Anexo III).

    Ficha de trabajo

    sobre

    expresiones

    utilizadas en

    espaol para

    referirse a

    estados de salud

    (Anexo IV).

    Texto Me he

    puesto

    enfermo

    (Anexo V).

    Libro de texto

    Espaol 2 -

    Nivel elemental

    actividades

    realizadas en

    clase.

    Realizacin de las

    tareas.

    Autonoma.

  • 2012/2013

    129

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    enfermo y

    resolucin de

    ejercicios (Anexo V).

    Repaso del tiempo

    verbal pretrito

    perfecto de

    indicativo:

    morfologa,

    irregularidades y

    marcadores

    temporales.

    Resolucin de

    ejercicios (Anexo VI

    y VII).

    Escritura del sumario

    de la leccin e

    indicacin de los

    deberes (Anexo VIII).

    30 min.

    3 min.

    Porto Editora,

    p. 42 (Anexo

    VII).

    Ficha de trabajo

    Deberes

    (Anexo VIII).

    Pizarra.

    Rotulador.

    Borrador.

    Cuaderno.

    Bolgrafo y

    lpiz.

  • 2012/2013

    130

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Sumario:

    Repaso de los contenidos estudiados en la clase anterior.

    Lectura y explotacin del texto Me he puesto enfermo.

    Repaso del pretrito perfecto de indicativo.

    Resolucin de ejercicios.

    Desarrollo de la clase:

    La profesora iniciar la clase saludando a los alumnos. Despus de pasar

    lista y corregir los deberes (Anexo I), continuar la presentacin del powerpoint

    iniciada en la clase anterior (Anexo II) y har un breve repaso del verbo doler

    puesto que presenta una construccin irregular. Los contenidos anteriormente

    estudiados sern repasados a travs de una ficha de trabajo en la que los

    alumnos tendrn que describir los sntomas y las enfermedades de seis

    personajes (Anexo III). Adems, tambin sern estudiadas algunas expresiones

    utilizadas en espaol para referirse a estados de salud (Anexo IV).

    Despus, la profesora repartir una ficha de trabajo (Anexo V) con el texto

    Me he puesto enfermo que servir como motivacin inicial para repasar el

    pretrito perfecto de indicativo. Concluida la lectura, resolvern un ejercicio de

    comprensin que se har oralmente y por escrito.

    Espaol II

    Profesora orientadora: Sandra Esprito Santo

    Profesora en prcticas: Ana Rita Proena

    Unidad 4: Cmo te sientes?

    Identificacin del grupo: 8.B

    Nmero de alumnos: 22

    Lecciones n.: __/__

    Fecha: 7 de noviembre de 2012 Duracin: 90 minutos

    10 min.

    13 min.

    10 min.

    12 min.

    12 min.

  • 2012/2013

    131

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    A continuacin, se repasar la morfologa del pretrito perfecto de

    indicativo, sus irregularidades y marcadores temporales a travs de una

    presentacin de powerpoint (Anexo VI). Para que los alumnos consoliden estos

    contenidos gramaticales se resolvern los ejercicios 2 y 3 de la pgina 42 del

    manual (Anexo VII).

    Para terminar, se distribuir una ficha con los deberes que los alumnos

    tienen que hacer para la prxima clase (Anexo VIII) y ser escrito el sumario.

    Bibliografa:

    30 min.

    3 min.

    Morgdez, Manuel del Pino, Moreira, Lusa, Meira, Suzana (2012). Abrapalabra Espanhol 6.ano, Porto

    Editora.

    Morgdez, Manuel del Pino, Moreira, Lusa, Meira, Suzana (2012). Espaol 2 Nivel Elemental II, Porto

    Editora.

  • 2012/2013

    132

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo I

    Espaol II Iniciacin

    Nombre: ______________________________________________________ N. ______ Grupo: _____

    Fecha: ____/____/____

    A practicar!

    Completa las frases siguientes con las palabras que encuentres en la sopa de letras.

    - Es necesario para evitar las enfermedades sexualmente transmisibles: 1 condn

    - Sirve para proteger heridas: 2 tirita

    - Se utiliza como analgsico para los dolores: 3 aspirina

    - Si no tienes voz es porque ests 4 afnico

    - Si estornudas en primavera es porque tienes 5 alergia

    - Si te duele todo el cuerpo y tienes fiebre es porque tienes 6 gripe

    - Es un mtodo anticonceptivo: 7 pldora

    - Sirve para prevenir virus, como la gripe: 8 vacuna

    - Se dice de quien no est bien de salud: 9 enfermo

    - Es lo que ocurre cuando comes demasiados dulces: 10 mareado

  • 2012/2013

    133

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo II

  • 2012/2013

    134

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo III

    Espaol II

    Nombre: ______________________________________________________ N. ______ Grupo: _____

    Fecha: ____/____/____

    1. Observa con atencin las imgenes que se siguen. Te parece que los personajes estn de buena

    salud? Describe lo que pasa con cada uno de ellos.

    Adaptado de

    http://brip.escolavirtual.pt/index.php/resources/2085320102489_ctz_p007_008p1_72dpi.html

    http://brip.escolavirtual.pt/index.php/resources/2085320102489_ctz_p007_008p1_72dpi.html

  • 2012/2013

    135

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo IV

    2. Lee con atencin las siguientes expresiones relacionadas con la salud. Intenta asociar cada una de

    ellas a su significado y despus completa las frases.

    Mi abuelo nunca ha estado enfermo, tiene 1_________________________.

    Concha 2_________________________ dentro de dos semanas.

    Tengo 3 ___________ por todas partes! Estuve todo el da de ayer jugando a la

    pelota.

    Atchs! Creo que he 4 _______________ de nuevo.

    En las ltimas semanas mi padre no ha estado muy bien. Est un poco 5__________.

    Desde marzo que 6_____________ a causa de mis dolores de cabeza. Estoy harta!

    Quiero volver al trabajo.

    Adaptado de http://www.pucrs.br/edipucrs/online/IXsemanadeletras/lin/Larissa_Pontes_Hubner.pdf

    1. Pescar un catarro

    2. Estar pachucho

    3. Tener agujetas

    4. Estar de baja

    5. Dar a luz

    6. Tener una salud de hierro

    a. Cuando una mujer tiene un hijo.

    b. No ir a trabajar a causa de una enfermedad.

    c. Tener muy buena salud.

    d. Tener dolores en el cuerpo despus de hacer ejercicio

    fsico.

    e. Coger un catarro.

    f. Tener una enfermedad leve.

    1. e

    2. f

    3. d

    4. b

    5. a

    6. c

    1. Una salud de hierro

    2. Da a luz

    3. Agujetas

    4. Pescado un catarro

    5. Pachucho

    6. Estoy de baja

    http://www.pucrs.br/edipucrs/online/IXsemanadeletras/lin/Larissa_Pontes_Hubner.pdf

  • 2012/2013

    136

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo V

    Espaol II Iniciacin

    Nombre: ______________________________________________________ N. ______ Grupo: _____

    Fecha: ____/____/____

    Me he puesto enfermo

  • 2012/2013

    137

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Adaptado de http://brip.escolavirtual.pt/page.php/resources/view_all?id=index_20853

    a) Encontrarse muy bien de salud.

    b) Sin motivo o razn.

    c) Mucho tiempo.

    d) Problemas, represiones severas.

    http://brip.escolavirtual.pt/page.php/resources/view_all?id=index_20853

  • 2012/2013

    138

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo VI

  • 2012/2013

    139

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo VII

    1. ha desayunado

    2. ha ido al trabajo

    3. ha hecho un

    informe

    4. ha vacunado

    5. ha visitado

    6. ha puesto

    7. ha salido

    8. ha visto.

    ha venido

    he podido

    ha tenido

    se ha puesto

    hemos ido

    he visto

    se ha dedicado

    ha llovido

    has llamado

  • 2012/2013

    140

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo VIII

    Espaol II

    Nombre: ______________________________________________________ N. ______ Grupo: _____

    Fecha: ____/____/____

    1. Completa los huecos con la forma correcta del pretrito perfecto:

    a) Mi padre nunca (estar) _______________ enfermo.

    b) ltimamente __________________ (sentirse, yo) un poco enfermo, voy a hacerme

    un chequeo.

    c) Esta maana (ir, yo) ________ al mdico.

    d) Mara (romper) _________ la pierna esta maana.

    2. Escribe las frases en pretrito perfecto de indicativo:

    a) nunca / mi abuelo / ir al mdico _____________________________________

    b) esta maana / ella / tener fiebre ___________________________________

    c) No / volver / al dentista _____________________________________

    Ejercicio 1

    a) Ha estado b) Me he sentido c) He ido

    d) Ha roto

    Ejercicio 2

    a) Mi abuela nunca ha ido al mdico. b) Esta maana ella ha tenido fiebre. c) No he vuelto al dentista.

  • Anexo VII Planificao global de Portugus 12.H

    141

    Objetivos gerais Contedos Materiais/Recursos Avaliao

    Mobilizar conhecimentos prvios. Antecipar contedos a partir de indcios vrios. Utilizar diferentes estratgias de escuta e de leitura. Apreender os sentidos dos textos. Distinguir factos de sentimentos, de atitudes e de opinies.

    Processuais

    Motivao inicial:

    Audio do poema

    Liberdade de Fernando

    Pessoa declamado por

    Ral Solnado, acompanhado pela exibio de um filme.

    Exerccio de interao

    oral.

    Leitura do poema

    Rstica de Florbela

    Espanca:

    Intertextualidades.

    Declarativos

    Fernando Pessoa

    Ortnimo:

    - Caractersticas da temtica a dor de pensar.

    Fernando Pessoa Heternimos: - Caractersticas da poesia de Alberto Caeiro.

    Manual Percursos

    Profissionais Portugus 3

    Fotocpias

    Computador

    PowerPoint

    Caderno Dirio

    Esferogrfica

    Lpis

    Quadro

    Marcador

    Ficha de verificao de

    leitura.

    Observao direta.

    Trabalhos realizados na

    aula.

    Escola Secundria Campos Melo

    Ano letivo 2012/2013

    Planificao das aulas de Portugus 12.H

    Mdulo de aprendizagem n9 Textos lricos (poemas de Fernando Pessoa ortnimo e heternimo)

    Professora orientadora: Maria Celeste Nunes

    Professora estagiria: Ana Rita Proena

    Aulas n. Datas: 3, 9, 10, 17, 19, 23 de outubro de 2012

  • Anexo VII Planificao global de Portugus 12.H

    142

    Reconhecer o valor expressivo e estilstico da pontuao. Reconhecer a dimenso esttica da lngua. Reconhecer o valor expressivo do modo imperativo Contactar com autores do Patrimnio Cultural Portugus. Programar a produo da escrita e da oralidade observando as fases de planificao, execuo e avaliao. Aplicar as regras de textualidade. Adequar o discurso situao comunicativa. Produzir textos de carcter expressivo e criativo.

    Leitura de um excerto da crnica Onde fala de gatos e de homens, de Manuel Vaz Pina.

    Visualizao de um sketch

    do programa Diz que

    uma espcie de magazine

    sobre os heternimos de

    Fernando Pessoa.

    Leitura:

    Pr-Leitura

    Jogo didtico para

    introduzir as caractersticas

    da temtica pessoana a

    dor de pensar.

    Clarificao do significado

    dos vocbulos

    heternimo e

    pseudnimo.

    Leitura de imagem fixa.

    Projeo de um poema de

    Alberto Caeiro atravs do

    qual os alunos extrairo as

    Noes de versificao:

    Estrofe

    Mtrica / Escanso

    Rima

    Recursos lingusticos:

    Comparao

    Anttese

    Paradoxo

    Pleonasmo

    Aliterao

    Apstrofe

    Personificao

    Modos e tempos verbais:

    Expressividade do modo

    Imperativo e Conjuntivo.

    Expressividade do tempo

    presente do indicativo.

    Pontuao:

    Expressividade da

    pontuao nos textos

    lricos de Fernando Pessoa.

  • Anexo VII Planificao global de Portugus 12.H

    143

    caractersticas dos seus

    textos lricos.

    Leitura

    Leitura do poema Ela

    canta, pobre ceifeira.

    Leitura do poema Gato

    que brincas na rua.

    Leitura do poema No

    sou um guardador de

    rebanhos.

    Ps Leitura

    Esclarecimento de

    dvidas.

    Realizao de exerccios.

    Escrita

    Elaborao de

    apontamentos no caderno

    dirio.

    Texto de reflexo.

  • Anexo VIII Aula supervisionada de Portugus -12.H (Ensino Profissional)

    144

    Fernando Pessoa ortnimo

    A dor de pensar

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    Ano Letivo 2012/2013

    Planificao das aulas de Portugus 12. H

    Mdulo de aprendizagem n9 Textos lricos (poemas de Fernando Pessoa Ortnimo)

    Professora Orientadora: Maria Celeste Nunes

    Professora Estagiria: Ana Rita Proena

    10 de outubro de 2012

  • 2012/2013

    145

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Objetivos:

    Conhecer a poesia de Fernando Pessoa Ortnimo.

    Reconhecer as caractersticas da temtica dor de pensar.

    Mobilizar conhecimentos prvios para a anlise de textos lricos.

    Apreender o sentido do texto que vai ser objeto de anlise.

    Identificar o valor expressivo dos tempos verbais.

    Apreciar a dimenso esttica da lngua.

    Produzir textos de carter expressivo e criativo, aplicando as regras de

    textualidade: planificao, execuo e avaliao.

    Contedos:

    Conhecer a poesia de Fernando Pessoa Ortnimo, nomeadamente os textos lricos

    cuja temtica a dor de pensar.

    Identificar as caractersticas desta temtica.

    Analisar o texto abordado na aula mobilizando os conhecimentos adquiridos

    anteriormente.

    Apreender o sentido do texto lrico, concretamente o que vai ser analisado no

    decorrer da aula.

    Competncias:

    Compreenso oral / Expresso oral

    Professora Orientadora: Maria Celeste Nunes

    Professora Estagiria: Ana Rita Proena

    Aula n Ano/ Turma:12H Tempo: 90 minutos

    Ano letivo 2012/2013

    Plano da aula de Portugus

    10 de outubro de 2012

  • 2012/2013

    146

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Material utilizado:

    Manual PerCursos Profissionais

    Portugus 3

    Computador

    Powerpoint

    Caderno dirio

    Esferogrfica

    Fotocpias

    Lpis

    Quadro

    Marcador

    Sumrio

    Continuao do estudo da lrica de Fernando Pessoa - Ortnimo.

    Leitura e anlise do poema Gato que brincas na rua: exerccios de compreenso

    e de expresso escrita.

    Conhecimento explcito da lngua: atos ilocutrios e sintaxe reviso e exerccios

    de compreenso.

    Plano da Aula

    Ao iniciar a aula, a professora cumprimentar os alunos. Depois de estarem

    distribudos pelos lugares previamente destinados, a docente far a chamada para

    verificar se todos os alunos esto presentes. Realizada esta ao, ser ditado o

    sumrio para que os mesmos tenham conhecimento dos contedos que sero

    abordados na aula (5 minutos).

    Como motivao inicial, ser pedido aos alunos que leiam o excerto de uma

    crnica de Manuel Antnio Pina intitulada Onde se fala de gatos e de homens, dado

    que apresenta a mesma temtica que os discentes encontraro no poema que ser

    analisado na aula, mais concretamente, no texto lrico Gato que brincas na rua, de

    Fernando Pessoa. Aps a leitura, os alunos resolvero duas questes atravs das quais

    se pretende que adquiram uma melhor compreenso do texto. Alm do mais,

    tambm serviro de preparao para o poema que ser analisado no decorrer da aula

    (10 minutos), (Anexo I).

  • 2012/2013

    147

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    De seguida, ser pedido a um aluno que sintetize as caractersticas da

    temtica pessoana a dor de pensar, para que possa ser avaliada a compreenso

    sobre esta matria. Aps esta breve reviso, proceder-se- leitura do texto lrico

    Gato que brincas na rua, primeiro de forma silenciosa por cada um dos alunos e

    depois em voz alta pela professora (Anexo II). Para que ampliem a sua viso sobre a

    poesia e para demonstrar que pode ser transformada numa atividade ldica, os

    alunos tero a oportunidade de ouvir o poema acima descrito cantado por Viviane

    (Anexo III). Aps este exerccio, o poema ser analisado com a colaborao dos

    alunos (20 minutos).

    Para que adquiram as competncias necessrias acerca deste poema e desta

    temtica, os alunos tero que resolver algumas questes diretamente relacionadas

    com este assunto (Anexo IV). Aps a sua concluso, as questes sero corrigidas

    oralmente sendo que sero escritas no quadro as respostas que tenham suscitado

    mais dvidas. Para o efeito, tambm ser pedida a colaborao dos discentes (15

    minutos).

    Considerando que a compreenso da gramtica essencial para uma boa

    dinmica da lngua portuguesa, aps a anlise do poema sero revistos alguns

    contedos gramaticais, mais concretamente, os atos ilocutrios e algumas funes

    sintticas (15 minutos), (Anexo V). Para que os alunos consolidem estes

    conhecimentos, tero que resolver trs exerccios que se situam na dinmica do

    poema acima nomeado (Anexo IV, questes 6-8). Aps a sua resoluo, os exerccios

    sero corrigidos no quadro (15 minutos).

    Sntese da lio:

    Desenvolver competncias de compreenso e expresso oral.

    Revisar os conhecimentos adquiridos sobre a temtica a dor de pensar.

    Mobilizar conhecimentos sobre a anlise de textos lricos.

    Consolidar vrias estruturas gramaticais, nomeadamente os atos ilocutrios e

    algumas funes sintticas.

  • 2012/2013

    148

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo I

    L o excerto de uma crnica de Manuel Antnio Pina.

    Aponta as razes avanadas pelo autor para:

    a. A felicidade dos gatos.

    b. A diferenciao entre os felinos e os homens.

    Onde se fala de gatos e de homens

    Os meus gatos dormem durante a maior parte do dia (e, obviamente, durante a

    noite toda). Suspeito que os gatos tm um segredo, que conhecem uma porta para um

    mundo coincidente e feliz, por onde s se passa sonhando. Um mundo criado como Deus

    ter criado o nosso humano mundo, sua desmesurada imagem. Porque os que sonham

    so deuses criadores. Os gatos sonham dormindo, os homens sonham fazendo perguntas

    e procurando respostas.

    Mas os meus gatos dormem e sonham porque no tm fome. Teriam, se

    precisassem de procurar comida, tempo para sonhar? Acontece talvez assim com os

    homens.

    PINA, Manuel Antnio, 2010. Por outras palavras & mais crnicas de jornal.

    Porto: Modo de Ler, Editores Livreiros

  • 2012/2013

    149

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo II

    L o poema seguinte e verifica de que modo a relao gato/ser humano

    tratada.

    Leitura

    Fernando Pessoa Ortnimo

    A dor de pensar

  • 2012/2013

    150

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo III

    Gato que brincas na rua

    Gato que brincas na rua

    Como se fosse na cama,

    Invejo a sorte que tua

    Porque nem sorte se chama.

    s feliz porque s assim,

    Todo o nada que s teu

    Eu vejo-me e estou sem mim,

    Conheo-me e no sou eu.

    Bom servo das leis fatais

    Que regem pedras e gentes,

    Que tens instintos gerais

    E sentes s o que sentes.

    s feliz porque s assim,

    Todo o nada que s teu

    Eu vejo-me e estou sem mim,

    Conheo-me e no sou eu.

    s feliz porque s assim,

    Todo o nada que s teu

    Eu vejo-me e estou sem mim,

    Conheo-me e no sou eu.

    s feliz porque s assim,

    Todo o nada que s teu

    Eu vejo-me e estou sem mim,

    Conheo-me e no sou eu.

  • 2012/2013

    151

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo IV

    1. O poema estabelece um dilogo do qual s se conhece a interveno do

    sujeito potico.

    1.1. Identifica o interlocutor do sujeito potico.

    1.2. Refere os elementos lingusticos comprovativos.

    2. Considera os versos que, na perspetiva do poeta, descrevem o gato: Bom

    servo das leis fatais (v.5) e sentes s o que sentes (v.8).

    2.1. Explica o sentido das duas expresses citadas.

    3. O sujeito potico relaciona o gato consigo prprio. Que tipo de relao

    estabelece entre os dois?

    3.1. O que os distingue? Justifica a tua resposta transcrevendo versos do

    poema.

    4. Que sentimento desperta no sujeito potico a vida do gato?

    4.1. Como justifica o sujeito potico esse sentimento?

    5. No poema Ela canta, pobre ceifeira, o sujeito potico declara que o que

    em mim sente st pensando; no poema Gato que brincas na rua, o eu

    lrico afirma acerca do gato sentes s o que sentes. Explica a diferena

    entre as proposies citadas.

    6. Classifica o ato ilocutrio realizado atravs do verso Invejo a sorte que

    tua (v.3).

    7. Identifica um enunciado que realize um ato ilocutrio assertivo.

    Compreender

  • 2012/2013

    152

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo V

    CONHECIMENTO EXPLCITO DA LNGUA

  • 2012/2013

    153

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

  • Anexo IX Aula supervisionada de Portugus 12. ano (Ensino Profissional)

    154

    Fernando Pessoa

    Heternimos Alberto Caeiro

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    Ano Letivo 2012/2013

    Planificao das aulas de Portugus 12. H

    Mdulo de aprendizagem n9 Textos lricos (poemas de Fernando Pessoa Heternimo)

    Professora Orientadora: Maria Celeste Nunes

    Professora Estagiria: Ana Rita Proena

    17 de outubro de 2012

  • 2012/2013

    155

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Objetivos:

    Conhecer as caractersticas pertencentes ao heternimo pessoano Alberto Caeiro.

    Mobilizar conhecimentos prvios acerca da anlise de textos lricos.

    Apreender os sentidos do texto que vai ser objeto de anlise.

    Delinear a produo da escrita e da oralidade tendo em considerao as fases

    seguintes: planificao, execuo e avaliao.

    Verificar a dimenso esttica da lngua.

    Contedos:

    Conhecer Alberto Caeiro, heternimo de Fernando Pessoa.

    Saber identificar as caractersticas pertencentes a este heternimo.

    Estratgias:

    Visualizao de um vdeo de modo a motivar os alunos para o estudo dos

    heternimos de Fernando Pessoa.

    Projeo de um poema que permitir fazer a explorao das caractersticas de

    Alberto Caeiro.

    Compreender os sentidos do texto que ser objeto de anlise.

    Resoluo de perguntas de compreenso e expresso escrita.

    Ano letivo 2012/2013

    Plano da aula de Portugus

    17 de outubro de 2012

    Professora Orientadora: Maria Celeste Nunes

    Professora Estagiria: Ana Rita Proena

    Aula n Ano/ Turma:12H Tempo: 90 minutos

  • 2012/2013

    156

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Competncias:

    Compreenso oral / Expresso oral

    Compreenso escrita / Expresso escrita

    Material utilizado:

    Manual PerCursos Profissionais Portugus 3

    Computador

    Caderno dirio

    Esferogrfica

    Lpis

    Marcador

    Quadro

    Sumrio:

    Visualizao de um sketch retirado do programa Diz que uma espcie de

    magazine.

    Introduo ao estudo do heternimo pessoano Alberto Caeiro.

    Leitura e anlise do poema Eu nunca guardei rebanhos resoluo de perguntas

    de compreenso e expresso escrita.

    Plano da Aula:

    Ao iniciar a aula, a professora cumprimentar os alunos. Depois de estarem

    distribudos pelos lugares previamente destinados, a docente far a chamada para verificar

    se todos os alunos esto presentes. Realizada esta ao, ser ditado o sumrio para que os

    mesmos tenham conhecimento dos contedos que sero abordados na aula. (5 minutos)

    Visto que nesta aula se introduziro os heternimos de Fernando Pessoa,

    concretamente Alberto Caeiro, como motivao inicial projetar-se- um pequeno vdeo

    retirado do programa Diz que uma espcie de magazine, emitido pela RTP1, cujos

    protagonistas interpretam diversas personalidades histricas portuguesas, entre as quais se

  • 2012/2013

    157

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    encontra Fernando Pessoa, e onde existe uma aluso humorstica aos seus heternimos. (2

    minutos). De seguida, ser feita uma breve introduo matria, na qual a docente dar a

    conhecer aos alunos a existncia de vrios heternimos, sendo que na presente aula ser

    apenas estudado um. Alm do mais, ser feita a distino entre heternimo e

    pseudnimo j que estes dois vocbulos so motivo de confuso por parte dos discentes

    e tambm porque importante para que os alunos assimilem de uma forma mais correta

    esta matria. (5 minutos)

    Aps esta atividade, a professora projetar no quadro um poema de Alberto Caeiro

    para que, atravs de uma anlise superficial dos seus versos, se possam observar e estudar

    algumas das caractersticas da sua poesia. (10 minutos) (Anexo I). Depois desta reflexo,

    ser pedido aos alunos que abram o manual na pgina 75 para que se conclua a anlise das

    caractersticas supracitadas (10 minutos) Concludo este exerccio, ser projetada uma

    tabela onde constam algumas palavras (Anexo II). O que se pretende que os alunos

    escolham e justifiquem as que se adequam a Alberto Caeiro. (7 minutos)

    Para que possam aplicar os conhecimentos que adquiriram, a docente pedir aos

    alunos que leiam o poema I, presente na pgina 53 do manual, pertencente coletnea O

    Guardador de Rebanhos (Anexo III). A leitura deste texto ser realizada, numa primeira

    fase, de forma silenciosa por parte dos alunos, sendo que depois ser feita uma leitura em

    voz alta por parte da docente. Para efeitos de anlise, sero consideradas apenas as

    estrofes 1 a 4, pois permitem que os alunos identifiquem algumas das caractersticas

    estudadas. (20 minutos)

    De modo a que adquiram as competncias necessrias acerca deste poema e deste

    heternimo, os alunos tero que resolver as questes de compreenso e expresso escrita

    presentes na pgina 54 do manual, para alm de algumas perguntas de conhecimento

    explcito da lngua (CEL) (Anexo IV). Aps a sua concluso, as questes sero corrigidas no

    quadro no s para que fiquem registadas no caderno dirio mas tambm para que os

    alunos consolidem melhor estes conhecimentos. Para o efeito, tambm ser pedida a

    colaborao dos discentes. (17 minutos).

    Sntese da aula:

    Desenvolver competncias de compreenso e expresso oral.

    Adquirir conhecimentos acerca de Alberto Caeiro, heternimo de Fernando Pessoa.

    Saber identificar as caractersticas de Alberto Caeiro.

  • 2012/2013

    158

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo I

  • 2012/2013

    159

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo II

  • 2012/2013

    160

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo III

  • 2012/2013

    161

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

  • 2012/2013

    162

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo IV

    1. Apresenta a(s) razo(es) por que o eu se identificou com um pastor.

    2. Retira do texto trs comparaes e explica a sua expressividade.

    3. Indica a conceo de paz na perspetiva do sujeito da enunciao.

    4. Prope uma explicao para a terceira estrofe, atendendo ao jogo de palavras que

    ela apresenta.

    5. Estabelece a relao entre o estado de esprito do sujeito potico e a Natureza.

    6. Apresenta dois aspetos que justificam um estilo discursivo muito prximo do

    registo oral.

    Conhecimento explcito da lngua

    1. Clarifica o valor lgico dos seguintes articuladores presentes no poema:

    a) Quando (v.11) b) Como (v.13) c) E (v.16) d) Porque

    (v.23)

    2. Identifica o tempo e o modo em que se encontra a forma verbal guardasse (v.2)

    e esclarece se ela traduz a realidade ou a possibilidade.

    3. Indica os antecedentes dos seguintes pronomes:

    a) os (v.2) b) isso (v.18)

  • 2012/2013

    163

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo IV Proposta de correo

    1. Apresenta a(s) razo(es) por que o eu se identificou com um pastor.

    Tal como um pastor, o eu conhece bem a Natureza (vv. 4-6).

    2. Retira do texto trs comparaes e explica a sua expressividade.

    vv. 3 e 13: tentativa de aproximao/identificao com a Natureza; v.26: realar

    a dor de pensar, comparando o incmodo que provoca com um dia de chuva.

    3. Indica a conceo de paz na perspetiva do sujeito da enunciao.

    A paz alcana-se em contato com a Natureza, mas sem gente, ou seja,

    despovoada de seres pensantes.

    4. Prope uma explicao para a terceira estrofe, atendendo ao jogo de palavras

    que ela apresenta.

    A felicidade plena s se daria com a ausncia total do pensamento.

    5. Estabelece a relao entre o estado de esprito do sujeito potico e a

    Natureza.

    Estado de esprito do sujeito potico explicado luz do ciclo natural de um dia: o

    pr do sol liga-se tristeza, talvez pela quase ausncia de luz solar que permite

    ativar a viso.

    6. Apresenta dois aspetos que justificam um estilo discursivo muito prximo do

    registo oral.

    Estilo discursivo muito prximo do registo oral, com marcas de coloquialidade;

    linguagem simples; prevalncia da comparao; despreocupao formal; ().

  • 2012/2013

    164

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Conhecimento explcito da lngua

    1. Clarifica o valor lgico dos seguintes articuladores presentes no poema:

    a) Quando (v.11) b) Como (v.13) c) E (v.16) d) Porque

    (v.23)

    a) Temporal b) Comparativo c) Aditivo d) Causal

    2. Identifica o tempo e o modo em que se encontra a forma verbal guardasse

    (v.2) e esclarece se ela traduz a realidade ou a possibilidade.

    A forma verbal guardasse encontra-se no pretrito imperfeito do conjuntivo e

    refere um ato hipottico no passado, portanto, a possibilidade.

    3. Indica os antecedentes dos seguintes pronomes:

    a)os (v.2) b) isso (v.18)

    a) os: rebanhos (v.1) b) isso: as mos colhem flores (v.18)

  • Anexo X Planificao global de Portugus 10.C

    165

    Objetivos gerais Contedos Materiais/Recursos Avaliao

    Mobilizar conhecimentos

    prvios.

    Antecipar contedos a

    partir de indcios vrios.

    Distinguir a matriz

    discursiva dos vrios tipos de

    texto.

    Apreender os sentidos dos

    textos.

    Identificar marcas de

    textos de carcter

    autobiogrfico.

    Processuais

    Motivao inicial:

    Leitura do poema O

    dirio, de Jos Rgio.

    Audio da cano O

    prometido devido, de Rui

    Veloso e explorao da

    mesma.

    Audio da cano Postal

    dos Correios, do grupo

    musical Rio Grande e anlise

    da mesma.

    Visualizao do trailer do

    Declarativos

    Textos autobiogrficos:

    Caractersticas dos textos

    diarsticos.

    Tipos de dirio.

    Caractersticas dos textos

    memorsticos.

    Caractersticas da carta:

    formal e informal.

    Estudo dos elementos que

    devem constar na elaborao

    de um retrato.

    Manual Expresses 10

    Portugus 10ano

    Fotocpias

    Computador

    Projetor

    PowerPoint

    Caderno Dirio

    Esferogrfica

    Lpis

    Quadro

    Marcador

    Observao direta.

    Participao.

    Trabalhos realizados na

    aula.

    Trabalhos realizados em

    casa.

    Escola Secundria Campos Melo

    Ano letivo 2012/2013

    Planificao das aulas de Portugus 10.C

    Unidade 3 Textos de carcter autobiogrfico: o dirio, a memria, a carta e o retrato

    Professora orientadora: Maria Celeste Nunes

    Professora estagiria: Ana Rita Proena

    Aulas n. Datas: 11, 15, 18 e 22 de janeiro de 2013

  • Anexo X Planificao global de Portugus 10.C

    166

    Contactar com autores do

    Patrimnio Cultural

    Portugus.

    Programar a produo da

    escrita e da oralidade

    observando as fases de

    planificao, execuo e

    avaliao.

    Descrever e interpretar

    imagens.

    Relatar vivncias e

    experincias.

    Refletir sobre o

    funcionamento da lngua.

    Aplicar as regras do

    funcionamento da lngua.

    Desenvolver textos de

    carcter autobiogrfico.

    Desenvolver o esprito

    crtico.

    filme A rapariga do brinco

    de prola.

    Exerccios de interao oral.

    Leitura de imagens.

    Leitura:

    Pr-Leitura

    Resoluo de exerccios do

    manual Expresses 10.

    Anlise oral do

    documentrio Viagem ao

    interior da memria, exibido

    pelo canal televisivo Odisseia.

    Ditado das definies de

    memria individual e

    memria coletiva.

    Leitura de imagem fixa.

    Leitura

    Leitura de um excerto do

    livro O Dirio de Anne Frank.

    Texto descritivo.

    Conhecimento Explcito da

    Lngua:

    Deixis: deixis pessoal,

    temporal e espacial.

    Coeso: frsica, interfrsica,

    temporal, referencial e

    lexical.

  • Anexo X Planificao global de Portugus 10.C

    167

    Leitura do texto Histria

    incompleta, de Isabel Ruth.

    Leitura de um texto de cariz

    epistolar.

    Leitura do texto O retrato

    de Mnica, de Sophia de

    Mello Breyner.

    Ps Leitura

    Anlise e explorao dos

    textos estudados.

    Resoluo de exerccios.

    Esclarecimento de dvidas.

    Escrita

    Elaborao de

    apontamentos no caderno

    dirio.

    Produo de textos de

    carcter autobiogrfico.

  • Anexo XI Aula supervisionada de Portugus 10.C

    168

    Textos de carcter autobiogrfico

    O dirio

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    Ano Letivo 2012/2013

    Planificao das aulas de Portugus 10. C

    Unidade 3 Textos de carcter autobiogrfico: o dirio

    Professora Orientadora: Maria Celeste Nunes

    Professora Estagiria: Ana Rita Proena

    11 de janeiro de 2013

  • 2012/2013

    169

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Objetivos:

    Mobilizar conhecimentos prvios.

    Antecipar conhecimentos a partir de indcios vrios.

    Distinguir a matriz discursiva dos vrios tipos de textos, concretamente do Dirio.

    Identificar marcas de textos de carcter autobiogrfico.

    Contactar com autores do Patrimnio Cultural Portugus.

    Refletir sobre o funcionamento da lngua e saber aplicar as respetivas regras.

    Desenvolver o esprito crtico.

    Contedos:

    Revisar os conhecimentos previamente adquiridos sobre os textos autobiogrficos.

    Conhecer e identificar as caractersticas pertencentes ao tipo de texto

    autobiogrfico, concretamente o Dirio.

    Analisar os textos abordados na aula utilizando para o efeito os conhecimentos

    adquiridos no decorrer da lio.

    Adquirir conhecimentos acerca de contedos gramaticais intrnsecos a este tipo de

    texto autobiogrfico os deticos.

    Competncias:

    Compreenso oral / Expresso oral

    Compreenso escrita / Expresso escrita

    Professora Orientadora: Maria Celeste Nunes

    Professora Estagiria: Ana Rita Proena

    Aula n Ano/ Turma:10C Tempo: 90 minutos

    Ano letivo 2012/2013

    Plano da aula de Portugus

    11 de janeiro de 2013

  • 2012/2013

    170

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Material utilizado:

    Manual Expresses 10 Portugus

    10.Ano

    Fotocpias

    Computador

    PowerPoint

    Caderno Dirio

    Esferogrfica

    Lpis

    Quadro

    Marcador

    Sumrio

    Continuao do estudo de textos de tipo autobiogrfico caractersticas do dirio.

    Leitura e anlise de um excerto de O dirio de Anne Frank.

    Conhecimento explcito da lngua: os deticos.

    Tipos de dirios: intimista, de bordo e de fico.

    Plano da Aula

    Ao iniciar a aula, a professora cumprimentar os alunos. Depois de estarem

    distribudos pelos lugares previamente destinados, a docente far a chamada para verificar

    se todos os alunos esto presentes. Realizada esta ao, ser ditado o sumrio para que os

    mesmos tenham conhecimento dos contedos que sero abordados durante a aula.

    Como motivao inicial, ser projetado um poema de Jos Rgio intitulado O

    dirio, presente da coletnea Poemas de Deus e do Diabo (Anexo I) cuja leitura servir

    no s para os alunos compreenderem o significado de dirio, mas tambm para que

    possam expor o seu ponto de vista acerca deste assunto. Para o efeito, os alunos

    resolvero os exerccios 1 e 1.1. da pgina 115 do manual (Anexo II), sendo este tambm

    um momento de pr-leitura que, ao mesmo tempo, permite a reviso de algumas noes

    estudadas no primeiro perodo (13 minutos).

    De seguida, introduzir-se- o estudo das caractersticas pertencentes a este tipo de

    texto autobiogrfico atravs da anlise de um excerto da clebre obra O Dirio de Anne

    Frank (Anexo III). Aps a leitura e a anlise do mesmo, sero estudadas as passagens do

    texto que melhor explicitam estas particularidades, sendo esta explicao acompanhada

  • 2012/2013

    171

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    pela apresentao de um powerpoint (Anexo IV) para que os discentes compreendam

    melhor a matria (15 minutos).

    Para que estes contedos sejam mais facilmente assimilados por parte dos alunos,

    ser efetuada a leitura do texto da pgina 117 do manual (Anexo V) sendo esta

    acompanhada pela projeo de um quadro-sntese (Anexo VI) onde se encontram todas as

    caractersticas mencionadas (12 minutos).

    Realizado este exerccio, e considerando que os alunos j possuem alguns

    conhecimentos sobre as caractersticas do dirio, introduzir-se- o estudo dos deticos

    visto que se trata de um contedo gramatical intrnseco a este gnero de textos

    autobiogrficos. Para o efeito, os alunos lero em voz alta a pgina 320 do manual na

    qual se explica detalhadamente este aspeto do conhecimento explcito da lngua sendo a

    leitura acompanhada por uma explicao por parte da docente (Anexo VII). Terminada

    esta ao, os alunos realizaro de forma oral alguns exerccios para consolidar

    conhecimentos (15 minutos).

    Uma vez que no decorrer da aula apenas sero lidos excertos de dirios de tipo

    intimista, ser tambm apresentado aos alunos um powerpoint onde constam alguns

    excertos de outros tipos de dirios, por exemplo, o dirio de bordo e o dirio de fico

    (Anexo VIII). O que se pretende que, atravs da leitura dos excertos acima referidos, os

    alunos possam inferir o tipo de dirio a que pertencem (10 minutos).

    Para finalizar a aula, os alunos lero o texto da pgina 118 do manual no qual tero

    de identificar as caractersticas estudadas anteriormente (Anexo IX) (20 minutos). Com

    este exerccio, o que se pretende que os discentes consolidem e comprovem os

    conhecimentos adquiridos ao longo da lio. No caso de no haver tempo de realizar este

    exerccio na sala de aula, ser indicado para trabalho de casa apenas a anlise do texto

    que dever ser entregue por escrito na aula seguinte.

    Sntese da lio:

    Desenvolvimento de competncias de expresso e compreenso oral.

    Aquisio de conhecimentos sobre o tipo de texto autobiogrfico dirio.

    Aprendizagem de novos contedos de conhecimento explcito da lngua os

    deticos.

  • 2012/2013

    172

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo I

  • 2012/2013

    173

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo II

    Proposta de correo

    1. Exemplo: O meu transporte dirio o autocarro (Adjetivo com o sentido de

    quotidiano).

    No meu dirio anoto todas as noites os acontecimentos mais marcantes do dia que

    terminou (Nome com significado de caderno ou livro em que se registam

    quotidianamente as situaes selecionadas pelo seu autor). Este exemplo e respetivo

    significado aquele que liga o dirio aos textos autobiogrficos, pela sua natureza

    ntima e pessoal dos registos e temas.

    1.1. Dirio adj. Que se faz ou que acontece todos os dias; quotidiano; n.m. 1 relao do

    que se faz ou sucede em cada dia; 2 livro onde, todos os dias, so registadas

    observaes e experiencias pessoais; 3 jornal que se publica todos os dias; 4 livro onde

    se lavram as notas de apresentao de todos os requerimentos ou ttulos para registos

    de prdios.

  • 2012/2013

    174

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    O Dirio de Anne Frank, Livros do Brasil

    Anexo III

  • 2012/2013

    175

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo IV

  • 2012/2013

    176

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo V

  • 2012/2013

    177

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo VI

    O DIRIO

    Quadro sntese

    Caractersticas

    Temticas

    Vivncias do eu;

    Confisses/confidncias;

    Relaes do eu com os outros;

    Testemunhos de situaes;

    Contexto histrico, poltico e social em que o eu se insere;

    Reflexo sobre as problemticas que o afetam, que afetam o seu

    pas e que afetam o mundo.

    Do discurso

    Marcas autobiogrficas;

    Presena de uma grande subjetividade;

    Presena de um tu (dirio personificado);

    Aes situadas num tempo:

    - fragmentado, descontnuo

    - presentificado em que o eu se situa;

    Linguagem informativa, emotiva e potica;

    Em prosa ou em verso;

    Referncias deticas pessoais (eu/tu), temporais (hoje,

    agora) e espaciais (aqui, ali, l).

  • 2012/2013

    178

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo VII

  • 2012/2013

    179

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo VIII

  • 2012/2013

    180

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo IX

  • Anexo XII Aula supervisionada de Portugus 10. C

    181

    Textos de carcter autobiogrfico

    A memria

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    Ano Letivo 2012/2013

    Planificao das aulas de Portugus 10. C

    Unidade 3 Textos de carcter autobiogrfico: a memria

    Professora Orientadora: Maria Celeste Nunes

    Professora Estagiria: Ana Rita Proena

    15 de janeiro de 2013

  • 2012/2013

    182

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Objetivos:

    Mobilizar conhecimentos prvios.

    Antecipar conhecimentos a partir de indcios vrios.

    Identificar marcas de textos de carcter autobiogrfico.

    Reconhecer a matriz discursiva dos vrios tipos de texto, concretamente dos textos

    memorsticos.

    Relatar vivncias e experincias.

    Contactar com autores do Patrimnio Cultural Portugus.

    Programar a produo da escrita e da oralidade observando as fases de planificao,

    execuo e avaliao.

    Desenvolver o esprito crtico.

    Contedos:

    Revisar os conhecimentos previamente adquiridos sobre os textos autobiogrficos.

    Conhecer e identificar as caractersticas pertencentes ao tipo de texto

    autobiogrfico, concretamente aos textos memorsticos.

    Analisar os textos abordados na aula utilizando para o efeito os conhecimentos

    adquiridos no decorrer da lio.

    Ano letivo 2012/2013

    Plano da aula de Portugus

    15 de janeiro de 2013

    Professora Orientadora: Maria Celeste Nunes

    Professora Estagiria: Ana Rita Proena

    Aula n Ano/ Turma:10C Tempo: 90 minutos

  • 2012/2013

    183

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Competncias:

    Compreenso oral / Expresso oral

    Compreenso escrita / Expresso escrita

    Material utilizado:

    Manual Expresses 10 Portugus 10

    ano

    Fotocopias

    Computador

    Powerpoint

    Caderno dirio

    Esferogrfica

    Lpis

    Quadro

    Marcador

    Sumrio:

    Continuao do estudo de textos de tipo autobiogrfico a memria.

    Leitura e anlise dos textos memorsticos Realidade durssima e Histria

    incompleta.

    Caractersticas dos textos memorsticos.

    Oficina de escrita.

    Plano da Aula:

    Ao iniciar a aula, a professora cumprimentar os alunos. Depois de estarem

    distribudos pelos lugares previamente destinados, a docente far a chamada para verificar

    se todos os alunos esto presentes. Realizada esta ao, ser ditado o sumrio para que os

    mesmos tenham conhecimento dos contedos que sero abordados durante a aula.

    Considerando o facto de na aula anterior terem sido abordados contedos

    gramaticais que, por escassez de tempo, no puderam ser bem trabalhados, esta lio ter

    incio com a resoluo de um exerccio de reviso sobre os deticos cujo objetivo

    comprovar se os alunos adquiriram efetivamente a matria abordada (Anexo I) (10 minutos).

    Concludo o exerccio mencionado anteriormente, dar-se- incio ao estudo da

    memria, outro tipo de texto autobiogrfico. Como motivao inicial, proceder-se-

  • 2012/2013

    184

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    audio da cano O prometido devido, de Rui Veloso, dado que uma msica que

    possui caractersticas memorsticas. Alm do mais, ser distribuda aos alunos uma ficha

    onde consta a letra da mesma para que depois de devidamente instrudos sublinhem as

    expresses que consideram caractersticas deste tipo de textos. Com este exerccio, o que

    se pretende que os alunos identifiquem o gnero de texto autobiogrfico que ser

    estudado ao longo da lio (Anexo II). (10 minutos)

    Seguidamente, os discentes visualizaro alguns excertos de um documentrio da BBC,

    exibido pelo canal televisivo Odisseia, intitulado Viagem ao interior da memria, cujo

    objetivo elucidar os alunos sobre a capacidade do crebro humano para guardar

    recordaes do passado (Anexo III). Aps a sua visualizao, a docente conversar com os

    alunos sobre o documentrio de forma a avaliar a sua compreenso e expresso oral. No

    decorrer da conversa, tambm ser proposto aos alunos que partilhem com a turma

    alguma memria de infncia que para eles tenha um significado especial. (7 minutos)

    Aps o exerccio descrito anteriormente, proceder-se- leitura do texto Histria

    incompleta, de Isabel Ruth, presente na pgina 122 do manual (Anexo IV) (3 minutos).

    Depois de analisado, sero introduzidas as caractersticas dos textos memorsticos sendo

    utilizado para o efeito um excerto deste mesmo texto (15 minutos). Para que os discentes

    adquiram com mais facilidade estes conhecimentos, ser projetado um powerpoint com o

    contedo acima mencionado (Anexo V).

    Considerando que os alunos j possuem os conhecimentos necessrios sobre esta

    temtica, sero resolvidas algumas questes de compreenso do texto, presentes na

    pgina 123 do manual (Anexo VI). Aps a sua resoluo, as questes sero corrigidas no

    quadro pelos alunos. (15 minutos)

    De seguida, e para que os alunos consolidem os contedos desenvolvidos ao longo da

    lio, ser-lhes- pedido que leiam silenciosamente o texto da pgina 124 (Anexo VII),

    intitulado Realidade durssima, de Jos Saramago, e que, em pares, comprovem que se

    trata de um texto memorstico utilizando as caractersticas estudadas na aula. Aquando da

    sua resoluo, ser solicitada a correo a alguns grupos, sendo o exerccio corrigido no

    quadro para que todos possam registar as caractersticas que lhe so subjacentes no

    caderno dirio. (12 minutos)

    Para terminar, os alunos tero que realizar uma oficina de escrita. Para o efeito, ser-

    lhes- pedido que resolvam o exerccio 1 da pgina 123 do manual (Anexo VIII) no qual

    tero de comentar uma frase presente no texto que foi lido anteriormente. Concludo o

    exerccio, a docente pedir a alguns alunos que apresentem o trabalho que desenvolveram.

    (15 minutos)

  • 2012/2013

    185

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Sntese da lio:

    Desenvolvimento de competncias de compreenso e expresso oral e de

    compreenso e expresso escrita.

    Aquisio de conhecimentos sobre o tipo de texto autobiogrfico memria.

    .

  • 2012/2013

    186

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo I

    1. Leia com ateno o excerto que se segue.

    Tondela, 15 de setembro de 20

    Estou de regresso. Trouxe-me a carreira noturna. Que extraordinria cidade

    esta! () A casa do meu padrinho no dista mais de meia dzia de passos da praa

    principal. Conheces o meu padrinho? Acho impossvel que nunca tenhas ouvido falar

    dele. Homem temperamental, mas sem energia. () Ainda antes de o conhecer,

    tinham-me chegado aos ouvidos numerosas histrias a seu respeito, diga-se de

    passagem que nem todas abonatrias. Que ele fez isto aqui e aquilo acol, que tem

    este feitio assim e assado, que uma pssima influncia, que um excntrico E

    assim por diante.

    Alexandre Andrade, Sonhos e responsabilidades em Tondela, (texto com supresses)

    1.1. Indique, justificando, as referncias deticas presentes.

    1.2. Explique de que modo os deticos pessoais comprovam o carcter

    autobiogrfico do texto.

    Proposta de correo:

    1.1. Deticos pessoais: Estou, me, meu (referem-se ao locutor eu);

    conheces, tenhas (referem-se ao interlocutor tu);

    Deticos temporais: nunca e tenhas (relativos ao tu), antes de

    (relativo ao eu)

    Deticos espaciais: isto (designa algo que se situa prximo do locutor), aqui

    (designa um lugar prximo do locutor), aquilo (designa algo que est

    afastado do locutor e do interlocutor), acol (designa um lugar afastado do

    locutor e do interlocutor).

    1.2. Os deticos pessoais, identificando a entidade enunciadora, mostram que se

    trata de algum que reflete e escreve sobre a sua prpria vida. Alm do mais,

    tambm revelam que o relato se dirige a um destinatrio fictcio.

  • 2012/2013

    187

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo II

    Atente na audio da msica. De seguida, sublinhe as marcas textuais que

    considere especficas do tipo de texto autobiogrfico a que pertence.

    O prometido devido, Rui Veloso

    Naquele trilho secreto

    Com palavras santo e senha

    Eu fui lngua e tu dialeto

    Eu fui lume e tu foste lenha

    Fomos guerras e alianas

    Tratados de paz e pssangas

    Fomos sardas pele e tranas

    Popeline seda e ganga

    Recordo aquele acordo

    Bem claro e assumido

    Eu trepava um eucalipto

    E tu tiravas o vestido

    Dessa vez tu no cumpriste

    E faltaste ao prometido

    Eu fiquei sentido e triste

    Olha que isso no se faz

    Disseste que se eu fosse audaz

    Tu tiravas o vestido

    O prometido devido

    Rompi eu as minhas calas

    Esfolei mos e joelhos

    E tu reduziste o acordo

    A um monto de cacos velhos

    Eu que vinha de to longe

    (do outro lado da rua)

    Fazia o que tu quisesses

    S para te poder ver nua

    Quero j os almanaques

    Do fantasma e do patinhas

    Os falces e os mandrakes

    To cedo no ters novas minhas.

  • 2012/2013

    188

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo III

    Transcrio do vdeo Viagem ao interior da memria

    Este programa ir lev-lo numa viagem caracterstica talvez mais notvel

    que possumos, mas na qual menos reparamos. uma capacidade que desenvolvemos

    na infncia e, para os poucos que no a desenvolvem, as consequncias so

    surpreendentes:

    - O facto de querer lembrar-me de algo no torna mais provvel que me

    lembre!

    Quando chegamos idade adulta tao fundamental que, se algo corre mal,

    podemos querer que desaparea E na velhice, a sua perda pode ser um penoso

    desenrolar em que o nosso prprio ser se desvanece:

    - H medida que o tempo passa vo caindo pequenos pedaos

    a nossa memria!

    - Lembrarmo-nos parece muito simples, acontece, como respirar! Tal como

    no sabemos como respiramos, no sabemos como nos lembramos. Mal comeamos a

    investigar, as complexidades assaltam-nos, mas se no refletirmos sobre isso, (e

    porque haveramos?), simplesmente acontece, o que fazemos, lembramo-nos!

    A nossa memria regista todos os pormenores da nossa vida, molda a nossa

    identidade. A nossa memria somos ns.

    Assim, a partir dos cinco anos, ao aperfeioarmos o modo como recordamos o

    passado, desenvolvemos tambm a capacidade para imaginar o futuro. Isto permite-

    nos criar na nossa mente uma linha temporal na qual viajamos para trs e para a

    frente quando queremos.

    - As viagens mentais no tempo referem-se capacidade do ser humano,

    presumivelmente nica, para se projetar no tempo. Podemos imaginar-nos no nosso

    passado pessoal ou imaginar situaes que podem ocorrer no futuro. Portanto,

    basicamente a partir do presente, podemos viajar no tempo em termos da nossa

    vivncia pessoal.

    Para as outras pessoas, a capacidade para viajar mentalmente no tempo

    estar perfeitamente desenvolvida aos nove anos, quando j temos uma clara noo

    das unidades temporais como semanas, meses e anos. Poder pensar que a principal

  • 2012/2013

    189

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    vantagem desta capacidade recordar o passado ou sonhar com o futuro. Se assim ,

    desengane-se.

    Na realidade, as viagens mentais no tempo esto no mago das nossas mais

    sofisticadas capacidades, aquelas que nos tornam humanos.

    A memria, tal como qualquer outra capacidade, melhora com a idade. A

    nossa memria s atinge o seu potencial mximo aos vinte e cinco anos. Nesse auge,

    o nosso crebro capaz de recordar mais de duzentos fragmentos de informao por

    segundo e controlar o nosso corpo ao mesmo tempo, muito mais eficiente do que

    qualquer computador.

    - O que fantstico no crebro que, embora os supercomputadores possam

    ser melhores em certas coisas, nem todos os supercomputadores do mundo juntos

    tm a flexibilidade de cada um de ns neste rgo com apenas alguns quilos de peso.

    Se fizermos a algum uma pergunta bastante vaga como O que aconteceu segunda-

    feira passada? a pessoa recorda muitos pormenores e tira concluses de aspetos

    mais relevantes, tudo num contexto muito rico.

    O facto de o nosso crebro no funcionar como um computador tem muitas

    consequncias. Uma delas lembrarmo-nos do que mais importante para ns.

    Outra diferena o facto de no podermos apagar da nossa memria os

    acontecimentos pretendidos, o que pode ter consequncias negativas porque, ao

    chegar idade adulta, quase 10% de ns ter vivido algo que preferiria esquecer.

    - Ns somos, a nossa identidade baseia-se nas nossas memrias, nas memrias

    do que nos aconteceu e preciso haver uma continuidade temporal em relao a

    quem somos e s experincias que vivemos, e tambm aprendemos com as nossas

    experincias. Por isso, apagar memrias no seria bom.

  • 2012/2013

    190

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo IV

  • 2012/2013

    191

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo V

  • 2012/2013

    192

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo VI

    Proposta de correo

    2. O tempo da infncia.

    3.1. Tempo da histria ontem (l.11). Tempo da escrita: agora; hoje (ll. 9-10).

    3.1.1. O advrbio ontem remete para acontecimentos de um passado que, apesar

    de distante, est vivo nas lembranas da narradora e que, por isso, parece ter

    acontecido simplesmente no dia anterior ao da recordao escrita.

    3.2. O tempo da escrita posterior ao dos acontecimentos narrados, que recupera.

    Corresponder a um presente que, pela memria, resgata situaes passadas.

    4. Resposta pessoal. Tpicos: a acumulao de experincias, vividas dia-a-dia, no

    presente dos acontecimentos, compe a histria e a vida de cada ser humano.

  • 2012/2013

    193

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo VII

  • 2012/2013

    194

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo VIII

  • Anexo XIII Planificao global de Lngua Portuguesa 8.C

    195

    Objetivos gerais Contedos Materiais/Recursos Avaliao

    Produzir textos de carter

    expressivo e criativo,

    aplicando as regras de

    textualidade.

    Mobilizar conhecimentos

    prvios acerca da anlise de

    textos lricos.

    Interpretar textos

    articulando os sentidos com

    a sua finalidade, os

    contextos e a inteno do

    autor.

    Processuais

    Motivao inicial:

    Leitura de imagens e

    posterior elaborao de um

    texto potico acerca da

    mesma.

    Jogo ldico para revisar as

    noes de versificao e

    figuras de estilo.

    Audio e explorao da

    cano Partida de Futebol,

    do grupo musical brasileiro

    Skank.

    Declarativos

    Textos lricos:

    Caractersticas dos textos

    poticos.

    Noes de versificao.

    Conhecimento Explcito da Lngua:

    Classe de palavras.

    Figuras de estilo: metfora,

    comparao, personificao,

    entre outras.

    Manual Expresses 10

    Portugus 10ano

    Fotocpias

    Computador

    Projetor

    PowerPoint

    Prezi

    Caderno Dirio

    Esferogrfica

    Lpis

    Quadro

    Marcador

    Observao direta.

    Participao.

    Autonomia.

    Trabalhos realizados na

    aula.

    Trabalhos realizados em

    casa.

    Escola Secundria Campos Melo

    Ano letivo 2012/2013

    Planificao das aulas de Portugus 8.C

    Unidade 3 Textos lricos

    Professora orientadora: Maria Celeste Nunes

    Professora estagiria: Ana Rita Proena

    Aulas n. Datas: 8 e 9 de abril de 2013

  • Anexo XIII Planificao global de Lngua Portuguesa 8.C

    196

    Antecipar conhecimentos a

    partir de indcios vrios.

    Analisar processos

    lingusticos e retricos

    utilizados pelo autor na

    construo de uma obra

    literria.

    Caracterizar os diferentes

    modos e gneros literrios.

    Contactar com autores

    portugueses e estrangeiros

    cuja lngua oficial o

    portugus.

    Refletir sobre o

    conhecimento explcito da

    lngua e saber aplicar as

    respetivas regras.

    Programar a produo da escrita e da oralidade

    observando as fases de

    planificao, execuo e

    avaliao.

    Desenvolver o esprito

    crtico.

    Exerccios de interao oral.

    Leitura:

    Pr-Leitura

    Anlise de um documentrio

    intitulado Identificao:

    poesia

    Leitura das pginas 202, 203

    e 144 do manual (Para)textos

    8.

    Estudo das noes de

    versificao e figuras de

    estilo.

    Apresentao de uma cesta

    pedaggica.

    Leitura

    Leitura do poema Lgrima

    de preta, de Antnio Gedeo.

    Leitura do poema Poema do

    fecho clair, de Antnio

    Gedeo.

    Leitura do poema Anjo das

    Coeso e coerncia.

  • Anexo XIII Planificao global de Lngua Portuguesa 8.C

    197

    pernas tortas, de Vinicius de

    Moraes.

    Ps Leitura

    Anlise e explorao dos

    textos estudados.

    Resoluo de exerccios.

    Estudo das caractersticas

    do soneto.

    Intertextualidade com um

    poema de Manuel Alegre

    sobre um jogador de futebol

    portugus.

    Esclarecimento de dvidas.

    Escrita

    Elaborao de

    apontamentos no caderno

    dirio.

    Produo de textos poticos

    e expositivos.

  • Anexo XIV Aula supervisionada de Lngua Portuguesa 8.C

    198

    Nas esferas da poesia

    ESCOLA SECUNDRIA CAMPOS MELO

    Ano Letivo 2012/2013

    Planificao das aulas de Lngua Portuguesa 8. C

    Unidade 3 Textos poticos

    Professora Orientadora: Maria Celeste Nunes

    Professora Estagiria: Ana Rita Proena

    8 de abril de 2013

  • 2012/2013

    199

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Objetivos:

    Produzir textos de carter expressivo e criativo, aplicando as regras de textualidade.

    Mobilizar conhecimentos prvios acerca da anlise de textos lricos.

    Interpretar textos com diferentes graus de complexidade, articulando os sentidos

    com a sua finalidade, os contextos e a inteno do autor.

    Analisar processos lingusticos e retricos utilizados pelo autor na construo de uma

    obra literria: analisar o valor expressivo dos recursos retricos.

    Caracterizar os diferentes modos e gneros literrios.

    Contactar com autores do Patrimnio Cultural Portugus.

    Refletir sobre o conhecimento explcito da lngua e saber aplicar as respetivas regras.

    Desenvolver o esprito crtico.

    Contedos:

    Produzir textos rimados e criativos a partir da leitura de imagens.

    Conhecer e identificar as caractersticas pertencentes aos textos lricos.

    Analisar os textos abordados na aula utilizando para o efeito os conhecimentos

    adquiridos no decorrer da lio.

    Apreender os sentidos dos textos lricos, principalmente os que vo ser motivo de

    anlise no decorrer da aula.

    Competncias:

    Compreenso oral / Expresso oral

    Compreenso escrita / Expresso escrita

    Ano letivo 2012/2013

    Plano da aula de Portugus

    8 de abril de 2013

    Professora Orientadora: Maria Celeste Nunes

    Professora Estagiria: Ana Rita Proena

    Aula n Ano/ Turma:8C Tempo: 90 minutos

  • 2012/2013

    200

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Material utilizado:

    Manual (Para)Textos 8 Lngua

    Portuguesa 8.Ano

    Fotocpias

    Computador

    PowerPoint

    Caderno Dirio

    Esferogrfica

    Lpis

    Quadro

    Marcador

    Sumrio

    Introduo ao estudo do texto potico: elaborao de um texto deste tipo.

    Visualizao e explorao de um documentrio intitulado Identificao: poesia.

    Estudo das caractersticas pertencentes a este tipo de textos.

    Leitura e anlise do poema Lgrima de Preta, de Antnio Gedeo.

    Resoluo de exerccios de verificao de leitura.

    Plano da Aula

    Ao iniciar a aula, a professora cumprimentar os alunos. Depois de estarem

    distribudos pelos lugares previamente destinados, a docente far a chamada para

    verificar se todos os alunos esto presentes (5 minutos).

    Considerando que na presente aula ser introduzido o estudo dos textos

    poticos, contedo que costuma resultar de difcil compreenso para os alunos, como

    motivao inicial sero projetadas trs imagens no poticas (Anexo I) sobre as quais

    os discentes tero de escrever pelo menos dois versos rimados, sendo que apenas

    escolhero uma para realizar o exerccio (15 minutos). Esta atividade, para alm de

    estimular a capacidade artstica e criativa de cada aluno, tambm lhes d a conhecer

    que possvel construir poesia com qualquer objeto e, acima de tudo, que todos so

    capazes de produzir textos deste carcter. Terminado e corrigido este exerccio,

    estabelecer-se- uma breve conversa com os alunos durante a qual se inquirir o que

    significa ser poeta, averiguando-se tambm se os mesmos conhecem algum poeta

    pertencente ao patrimnio cultural portugus (5 minutos).

  • 2012/2013

    201

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    De seguida, ser visualizado um documentrio intitulado Identificao:

    poesia (Anexo III) o qual, de uma forma ldica e interessante, aborda as principais

    caractersticas que pertencem a este gnero de textos. Ao mesmo tempo que

    visionam este documentrio, os alunos devem transcrever para o caderno os

    conceitos que consideram estar relacionados com a temtica em estudo. Aps uma

    breve anlise, sero estudadas de forma aprofundada as noes mencionadas no

    documentrio e que os alunos descobriram, nomeadamente o conceito de poesia,

    sujeito potico, verso, estrofe, mtrica e algumas figuras de estilo (metfora,

    personificao, comparao). Para que o seu estudo seja mais completo e

    eficiente, ser acompanhado pela leitura da pgina 202 do manual adotado (Anexo IV)

    e de uma apresentao de powerpoint (Anexo V) onde se encontram exemplos de

    poemas para que as noes acima mencionadas fiquem mais explcitas (25 minutos).

    Seguidamente, proceder-se- leitura e anlise do poema Lgrima de preta,

    de Antnio Gedeo, utilizando-se para tal uma ficha de trabalho (Anexo VI) onde os

    discentes praticaro os conhecimentos adquiridos anteriormente sendo que este

    exerccio ser realizado com o auxlio da professora. Alm do mais, esta composio

    potica tambm ser importante para que os alunos infiram a principal ocupao do

    poeta acima mencionado a qual ser confirmada pela leitura da sntese da sua

    biografia presente na pgina 198 do manual (Anexo VII) (35 minutos).

    Como trabalho de casa pedir-se- aos alunos que escrevam um poema sobre um

    objeto no potico.

    Para terminar a aula, ser escrito o sumrio (3 minutos).

    Sntese da lio:

    Desenvolvimento de competncias de expresso e compreenso oral e escrita.

    Aquisio e aplicao de conhecimentos sobre os textos lricos, nomeadamente as

    noes de versificao e as figuras de estilo mais importantes.

    Conhecer um importante autor do patrimnio cultural portugus.

  • 2012/2013

    202

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo I

  • 2012/2013

    203

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo II

    Transcrio do vdeo Identificao: poesia

    - A senhora foi detida porque recebemos vrias queixas contra si e tambm

    recolhemos alguns indcios incriminatrios. Para comear, diga-nos o seu nome, por

    favor.

    - Poesia, senhor inspetor. Chamo-me Poesia.

    - Ento, diga-me c, verdade que se mete na vida dos outros, que lhes entra pela

    casa dentro, que lhes invade a cabea, o corao, que fala de tudo e de todos, que

    tanto capaz de fazer sorrir os mais macambzios como de fazer chorar os mais

    empedernidos?

    - Eu sou de toda a gente e de todos os lugares mas s entro em casa de quem me

    quer receber. para isto que eu existo, senhor inspetor, para estar com as pessoas. E

    as pessoas j me reconhecem, converso com todos, sobre qualquer tema e as pessoas

    gostam de me ouvir, de me ler e at de me dizer.

    - Enviamos uma equipa de investigadores a sua casa para fazerem um exame rigoroso

    e tambm para descobrirem se afinal trabalha por conta prpria ou se para algum

    em particular. Mas no chegamos a nenhuma concluso

    - Senhor inspetor, verdade que eu sou criada pelo poeta ou pela poetisa, mas tenho

    o meu prprio eu! H quem lhe chame sujeito potico.

    - Tenho aqui a informao que, durante as buscas que fizemos, foram encontrados

    vestgios de versos e, por vezes tantos, que at formavam estrofe? Como explica

    isto?

    - Senhor inspetor, sem versos eu no sobreviveria, so as linhas por que me guio e,

    para que eu consiga organizar-me melhor, arrumo-os por grupos que so, afinal, as

    estrofes. As tais estrofes que os seus colegas encontraram! Ah! E j agora, por favor,

    pea-lhes para no as misturarem seno perco todo o sentido.

    - E rima? Tem licena de porte de rima?

    - Claro que sim, senhor inspetor, embora por vezes no a use, no costumo ir a lado

    nenhum sem rima. H poemas que no precisam de rima para nada mas existem

    outros que no passam sem ela.

    - A nossa equipa especial seguiu-a, sem a senhora saber, claro, e encontrou provas de

    que consome mtrica. No me diga que tambm tem uma explicao para isto?

  • 2012/2013

    204

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    - A mtrica, senhor inspetor, como se fosse a minha medida ou a medida dos meus

    versos, melhor dizendo. O senhor inspetor at pode calcular a minha mtrica

    utilizando os seus dedos.

    - Pron-to, pron-to, j per-ce-bi! Muito bem Na anlise pericial que foi feita aos seus

    objetos pessoais apareceram indcios de recursos, disseram-me expressivos Tem

    alguma coisa a dizer sobre o assunto?

    - Oh senhor inspetor, os recursos expressivos so a maneira de os poetas tornarem os

    seus poemas, como dizer, mais belos, mais intensos. L est, mais expressivos! O

    senhor no sabe mas o texto potico no tem comparao!

    - Bem, a senhora pode ir em liberdade. Parece-me, afinal, que no h matria para

    que permanea aqui detida. Ah, e j agora, no quer emprestar-me o seu livrinho

    de poesia para eu ir lendo? que fiquei curioso

  • 2012/2013

    205

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo III

  • 2012/2013

    206

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

  • 2012/2013

    207

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo IV

  • 2012/2013

    208

    Escola Secundria Campos Melo

    DIREO REGIONAL DE EDUCAO DO CENTRO

    Anexo V

    1. L com ateno o seguinte poema.

    ________________________

    1.1. Indica o tema do poema, justificando a tua resposta.

    1.2. Imagina que s o autor desta composio potica. Que ttulo lhe darias?

    Lngua Portuguesa 8. ano

    Nome: ______________________________________ N______ Turma: ___

    Data: ___/___/___

    Professora orientadora: M Celeste Nunes Professora Estagiria: Rita Proena

    Encontrei uma preta

    que estava a chorar,

    pedi-lhe uma lgrima

    para a analisar.

    Recolhi a lgrima

    com todo o cuidado

    num tubo de ensaio

    bem esterilizado.

    Olhei-a de um lado,

    do outro e de frente:

    tinha um ar de gota

    muito transparente.

    Mandei vir os cidos,

    as bases e os sais,

    as drogas usadas

    em casos que tais.

    Ensaiei a frio,

    experimentei ao lume,

    de todas as vezes

    deu-me o que costume:

    Nem sinais de negro,