Click here to load reader

RELATORIA PNEB - CUIABÁ/MT 2012

  • View
    1.119

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of RELATORIA PNEB - CUIABÁ/MT 2012

  • 1. PLENRIA NACIONAL DE ENTIDADES DE BASE (PNEB Pscoa) 2012 Escola de Cuiab (Universidade Federal de Mato Grosso)Dia 05/04/12Espao de Anlise de ConjunturaDiego FEAB Anlise de Conjuntura faz-se para tomar decises; Traa-se para organizar ttica eestratgia;3 Fatores so importantes: 1) Situao e organizao da Classe Trabalhadora; 2) Situao e organizao da Classe Dominante; 3) Como se posicionam o Estado; Cenrio Mundial Crise mundial Vivemos num perodo de maior hegemonia do Capitalismo mundial; Disputa intercapitalista e disputa de pases socialista (Cuba) e China (Socialismo de mercado); Disputa intercapitalista divide em dois blocos. Grandes potencias esto mais afetadas pela crise e os BRICS deram uma segurada na crise. A China tem grande influncia na economia mundial e tem ameaado o poderio militar do EUA; Eleies dos EUA 2 partidos de direita; Democratas que o partido do Obama tem uma posio agressiva mais branda em relao a posio do partido republicano; Sob o ponto de vista dos Estados- Pauta do dia- Desenvolvimento sustentvel e economia verde- uso da terra para a agricultura gera renda, gera lucro, mas o mercado de terras tem que se manter constante; Eco-92 define que 8% so recursos naturais de uso coletivo; Perspectivas para a Rio +20 de 50%; Cenrio na Amrica Latina Vivemos em um dos momentos mais interessantes porque estamos em um processo decrescimento dos governos progressistas, mas no contexto de luta de classes no estoinfluenciando muito; Os governos progressistas no fazem questo de mexer nas reformasestruturantes e sim investem forte no assistencialismo. Os movimentos sociais tem avanado noponto de vista da articulao poltica com suas divergncias; Brasil
  • 2. Neoliberalismo clssico- grandes potenciais Social Neoliberalismo Neo Desenvolvimento momento em que vivemos Social Desenvolvimentismo Desenvolvimento Social Popular Setores progressistas, setores conservadores, Setores socialistas Vivemos em um momento em que a vida das pessoas tem melhorado e ao mesmo tempo aqualidade de vida das pessoas ainda no est boa; as pessoas esto no nvel de consumo muitoalto; 30 milhes de pessoas ascederam socialmente; Contexto dessa poltica econmica estchegando o limite; necessrio fazer reformas estruturantes; Vivemos em um momento ondeno conseguimos fazer reformas agrrias, reformas urbanas; Processo muito duro de dificuldades de organizar a classe trabalhadora; Alguns setores progressistas sindicais esto deixando de fazer a luta; Passamos por umprocesso de captao; Limites desse ltimo ano esto difcil para a classe trabalhadora: Cdigo florestal; Reforma Poltica no Brasil no passa de uma reforma do processo eleitoral; Estamos numa defensiva estratgica 3 elementos Educao Entrou num grande processo de mercantilizao e segue ocorrendo nessesltimos anos em menor medida; Proposta da Reforma Universitria pelo Tarso foi um caos ondeprevia cursos pagos nas universidades; Lei de Inovao Tecnolgica foi autoriza; Fundaes;Prouni e Reuni; Universidades privadas hoje fazem o que querem (represso). Por outro ladopermitiu o acesso da classe trabalhadora; REUNI: metas no padro da USP porque eraconsiderada uma universidade de excelncia relao de 18:1; Aceleramento de graduao e ps-graduao; Criao de cursos tecnolgicos para o mercado; PNE vai ser aprovado que temavanos em relao do analfabetismo funcional; Entrou muito coisa de Educao no campo; 7% do PIB pra Educao que vai jogar recursos para dentro das universidades pblicas. Metapara 2020. Juventude Vivemos um processo de proletarizao precria da juventude brasileira. De maneira geral,existe uma movimentao clara por parte da esquerda brasileira no sentido de se criarferramentas de organizao da juventude brasileira.Ax Relaes Pblicas do MST
  • 3. Elementos extrados do caderno 1 de formao do MST.Temos que fazer a anlise de conjuntura com olhar central no nosso inimigo, o capitalismo.Muitos intelectuais passam o seu tempo no exerccio terico de analisar, mas esquecem docentral, que o trabalho de base, a organizao do povo e fazer luta.Da composio do capitalismo, da violncia que este modelo traz para todos os Estados ondeest implantado. Onde os governantes destes Estados defendem o modelo em detrimento dadefesa de seu povo, criando inclusive as rinchas entre os povos dos pases perifricos.1 Caractersticas do Capitalismo decomposio do sistemaPra inicio da anlise, preciso conhecer o cho onde voc est pisando.2) - crise mundial- prioridade de capital no Brasil3) Contradio do agronegcioa) concentrao de terrab) condies ambientais ele de natureza degradantec) alimentao homognea no mundod) sade: no consegue produzir sem veneno, aumentando as doenas dos consumidoresprincipalmente o cncer.3) Dados da Fome:100 milhes de pessoas sem teto, 1 bilho de famintos, 1,1 bilhes na pobreza.Em Cuiab h comunidades que vivem nestas exatas condies, como em qualquer outra grandecidade. O governo passa a gerar empregos, mas a qualificao profissional para acessar estesempregos, essa gente no tem! Mesmo para empregos considerados mais simples, h filasenormes de concorrentes para as poucas vagas disponveis. 4) Como se encontra a Sociedade?Um dos piores e mais fortes valores construdos pelo capitalismo, o individualismo e oconsumismo, onde nada passa a satisfazer a ilusria sensao de necessidade. 5) Como tratam o que do povo?Os governantes atuam como os pees do agronegcio, os agentes a servio do capitalismo, ondeo resultado sempre o mesmo, quem rico cada vez fica mais rico, e o pobre cada vez maispobre. Estas experincias so notadas em qualquer lugar, como no MT o caso da Linha deFerro, que na materialidade vem a favorecer o escoamento das lavouras de soja do grupo Mage. 6) Muitas vezes quando se vai falar do Capital, camos na nfase da anlise do governo, mas independente do governante colocado, o modelo segue o mesmo. Temos que rever o objetivo da anlise, fugindo da busca rasa de um culpado primrio e voltar os olhos
  • 4. pro inimigo maior, real, o Capitalismo.7) E como esse modelo controla a classe trabalhadora: Se vermos quem ocupa os cargos de poder na sociedade (igreja, reitores, diretores, vereadores,....), estes em sua ampla maioria, atuam de forma a contriburem com a sustentao do atual modelo.8) Corrupo no Brasil. Brasil ocupa o 59 lugar no ranking de corrupo. Levantamento foi baseado na percepo de empresrios...9) Passamos por um longo perodo achando que a mudana viria, mas no mudou, num momento em que muitos dos principais militantes e quadros das organizaes populares entraram na institucionalidade. Outro processo que ocorreu foi de desmantelamento e desarticulao dos movimentos sociais, onde cada entidade/movimento/partido puxa pra um lado, inclusive com a dificuldade de construir lutas unitrias. Saem varias manifestaes sobre a mesma pauta ao mesmo tempo e que no dialogam. Com o avano da tecnologia, isso tem se agravado ainda mais, onde em qualquer casa h notebooks, dificultando ainda mais pra necessidade de reunir e organizar a juventude, por exemplo. Desafio de aglutinar e construir lutas unificadas e massivas.10) Nossas pautas continuam sendo as mesmas de muitos anos atrs, como a luta pelos Direitos Humanos, moradia, educao, sade, etc.11) A juventude no tem espao, o consumismo tomou conta, o capital imps uma poltica de consumo e a venda da fora de trabalho. Mas no tem trabalho, a eles se justificam que no h mo de obra qualificada.12) O capital tem roubado nossa cultura, o jovem j no tem mais identidade, sendo um poo de depsito de uma cultura externa.13) No governo Lula, o discurso poltico foi de esquerda, mas o projeto pouco teve apontado neste sentido.14) Econmico: passamos ainda por processo de concentrao de renda15) Nestes governos, muitos so os ministros que tem cado, e muitas so as pautas conservadoras que passam pelo aparato do Estado (congresso, senado, governo...)16) A reforma agrria no tem andado.17) Tem se aumentado o comercio de terra para estrangeiros, especialmente em reas de fronteira.18) No atual momento, especialmente na questo urbana, o foco do governo operar para os grandes eventos que sero sediados no Brasil, como o caso da Copa do Mundo, Olimpadas, etc. onde a pobreza e os pobres esto sendo removidos de seus lugares de vivncia, sendo escondidos da sociedade para a burguesia internacional no ver.19) Diante destes desafios, temos que estar organizados: - Formao ideolgica: formao de quadros, para atuarem nos MSPs; - Fazer lutas: com bandeiras unificadas, lutas massivas. - Ter pauta unificada - Priorizar o trabalho com a juventude - Priorizar o trabalho com as mulheres - Fazer trabalho de base - Construir meios de comunicao alternativos - Fortalecer a Via Campesina - Construir o Projeto Popular da Nao. Abertura para debate:
  • 5. Stela: alm da copa, o mundo se volta pra Rio + 20, momento de pautar e fortalecerainda mais a Economia Verde, totalmente voltada pra lgica do Capital. Onde nosdevemos dar ateno para a Cpula dos Povos, que ocorrer paralelamente na Rio + 20.Estima-se que cerca de 10 mil pessoas estaro passando pelo acampamento da Cpulados Povos, e cerca de 500 internacionalistas circularo por l.Tropeo: No mbito da formao profissional, pra quem est servindo a educao? no

Search related