of 36/36
Lesões Corporais Energias causadoras de lesões: - Energias de ordem mecânicas - Energias de ordem física - Energias de ordem química - Energias de ordem físico-química - Energias de ordem bioquímica - Energias de ordem biodinâmica - Energias de ordem mista

Lesões Corporais Energias causadoras de lesões: -Energias de ordem mecânicas -Energias de ordem física -Energias de ordem química -Energias de ordem físico-química

  • View
    267

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of Lesões Corporais Energias causadoras de lesões: -Energias de ordem mecânicas -Energias de ordem...

  • Leses CorporaisEnergias causadoras de leses:Energias de ordem mecnicasEnergias de ordem fsicaEnergias de ordem qumicaEnergias de ordem fsico-qumicaEnergias de ordem bioqumicaEnergias de ordem biodinmicaEnergias de ordem mista

  • Leses CorporaisEnergias de ordem mecnicaInstrumento/meio----ferida:Perfurante---------------puntiforme/outrasCortante-----------------cortante/incisaContundente-----------contusaPrfuro-cortante-------prfuro-cortantePrfuro-contundente--prfuro-contusaCorto-contundente----corto-contusa

  • Leses CorporaisInstrumentos contundentes: objetos com superfcie romba agindo por presso, deslizamento, exploso, distenso, toro,etc... - Produzem as feridas contusas que so: rubefao, escoriao, equimose,hematoma, bossa sangunea, a ruptura de vsceras, alm das feridas abertas e fraturas.

  • Leses CorporaisFeridas contusas:Rubefao: a vermelhido (hiperemia) passageira. Ocorre por dilatao dos vasos da pele. Pode estar ou no acompanhado de edema.Ex: um soco, marca de dedos num tapa.

  • Leses CorporaisEscoriao: o arrancamento da camada superficial da pele (epiderme) deixando a derme mostra.Na escoriao em vida, h a presena de serosidade que, ao ressecar, forma a crosta.A escoriao ps mortem no forma a crosta. A derme se apresenta branca e no h presena de serosidade. Quando ressecada tem o aspecto de couro (apergaminhada).

  • Leses CorporaisEquimose:Quando um instrumento contundente atinge o corpo vivo, os vasos se rompem e o sangue extravasa, ficando coagulado nas malhas do tecido. uma prova de reao vital. Recebe nomes especiais de acordo com sua forma: sufuses, sugilaes, petquias, vbices.

  • Leses CorporaisEspectro equimtico de Legrand: No incio avermelhada, por volta do 2 ou 3 dia torna-se violcea, do 3 ao 6 dia fica azulada, do 7 ao 10 dia esverdeada, tornando-se amarelada por volta do 12 dia at desaparecer (de 15 a 20 dias).A equimose da conjuntiva no muda de cor.- A equimose no cadver tambm no muda de cor ( a no ser devido a putrefao)

  • Leses CorporaisHematoma: uma coleo sangunea formando uma verdadeira cavidade. palpvel.

  • Leses CorporaisFeridas abertas: forma e bordas irregulares, presena de pontes de tecido ntegro com retrao das bordas da ferida.- Obs: a presena de retrao das bordas da ferida indica reao vital.

  • Leses CorporaisFratura: a soluo de continuidade do osso. Pode ser fechada ou aberta (fratura exposta).

  • Leses CorporaisInstrumentos corto-contundentes: so instrumentos que mesmo com gume, so influenciados pela ao contundente. Causam feridas graves, inclusive amputaes e fraturas. So leses levemente escoriadas e equimosadas, sem traves de tecidos.- Exs: machado, rodas de um trem, foice, dentes.

  • Leses CorporaisInstrumentos prfuro-cortantes: so instrumentos de ponta e gume.- Exs: faca, canivete, espada, tesoura...

  • Leses CorporaisInstrumentos cortantes: agem por deslizamento de seu gume. A sada uma cauda de escoriao. As bordas da leso so regulares e possuem todos os planos seccionados. Ausncia de equimose nas bordas da ferida.

  • Leses CorporaisInstrumentos prfuro-contundentes: Projetil de arma de fogo, artefato de bombas, a ponta de um guarda-chuva...

  • Leses CorporaisEnergias de ordem fsica: presso atmosfrica, temperatura, radioatividade, luz e som, eletricidade.

  • Leses CorporaisPRESSO ATMOSFRICA:- Diminuio da presso atmosfrica: h diminuio do oxignio (rarefao do ar), alterando a hematose. Tais perturbaes recebem o nome de MAL DAS MONTANHAS. comum em altitudes acima de 2500metros, ocorrendo cefalia, dispnia, anorexia, fadiga, insnia, vmitos e tonturas, consequentes da hipxia cerebral.

  • Leses CorporaisAumento da presso atmosfrica (hiperbarismo-barotrauma): ocorrem em mergulhadores, escanfandristas. chamado de MAL DOS CAIXES. O dano pode ocorrer durante a compresso causando perfurao timpnica, hemorragias ou durante a descompresso causando a embolia.

  • Leses CorporaisTEMPERATURA: ao do calor (termonoses, queimaduras) ou frio (hipotermia,geladura).

    #Ao do calor:

    1)Termonoses: ao do calor difuso sobre o corpo.-Insolao: quando a fonte de calor o sol

    - Intermao: quando a fonte de calor artificial (caldeira, fornalha)

  • Leses Corporais 2)Queimaduras: - 1 grau: atinge somente a epiderme causando vermelhido, dor, calor local e s vezes edema.- 2 grau: chega derme superficial causando bolha (flictena-sinal vital).3 grau: atinge camadas mais profundas.4 grau: carbonizao.OBS: a gravidade da queimadura depende da superfcie corporal queimada, dos locais queimados e do grau da queimadura.

  • Leses Corporais#Ao do frio:

    1) Hipotermia: vai desde a vasoconstrio at o comprometimento da at o comprometimento da atividade bulbar.2) Geladuras: levam vasoconstrio-isquemia-necrose tecidual.

  • Leses Corporais CARBONIZADOS

  • Leses Corporais CARBONIZADOS

  • Leses CorporaisRADIOATIVIDADE: As leses so conhecidas como radiodermites. Ex: RXLUZ E SOM: a luz pode causar leses na pele e cegueiras. O som causa perturbaes como a epilepsia acustognica, labirintites e a perda auditiva induzida pelo rudo, leso timpnica.

  • Leses CorporaisEletricidade:A leso por eletricidade natural chamada fulgurao e quando causa a morte chama-se fulminao. Deixa o sinal de Lichtenberg mostrando o caminho percorrido pela eletricidade.- A leso por eletricidade artificial (industrial) chamada de eletroplesso e deixa a marca de Jellinek que consiste numa leso de consistncia endurecida com bordas elevadas que pode apresentar a forma do condutor.

  • Leses CorporaisEnergias de ordem qumica: castico, venenos.-- As leses produzidas por custicos so chamadas de vitriolagem.- Na necrpsia dos envenenados deve-se colher o estmago com contedo, as vsceras, sangue, urina,e outros tecidos como pele, gordura...para exame toxicolgico.

  • Leses CorporaisEnergia de ordem fsico-qumica: as asfixias.

    - Sinais externos de asfixia em geral: congesto da face, cianose, equimose nas mucosas e pele, projeo da lngua, exoftalmia, cogumelo de espuma (geralmente nos afogados), e, no pescoo, o sulco do enforcamento, do estrangulamento e as marcas da esganadura.

  • Leses CorporaisSinais internos da asfixia: sangue escuro e fluido nas asfixias em geral, vermelho carmim nas asfixias por monxido de carbono e diludo nos afogamentos, equimoses ou petquias viscerais (manchas de TARDIEU), manchas maiores no pulmo nos afogamentos (manchas de PALTAUF), congesto visceral (sinal de TIENNE MARTIN) e mscara equimtica de Morestin nas asfixias por compresses externas.

  • Leses CorporaisAsfixias por confinamento: Ocorre quando um ou mais indivduos num ambiente restrito ou fechado, sem condio de renovao do ar, consome o oxignio pouco a pouco e o gs carbnico acumula-se gradativamente.O confinamento geralmente acidental, podendo ser homicida ou suicida.A vtima pode apresentar leses de desespero como escoriaes na face e pescoo, desgaste das unhas e eroso das extremidades dos dedos.

  • Leses CorporaisAsfixia por monxido de carbono: uma forma de asfixia tissular. No normalmente considerado causador de morte por intoxicao. constante como forma de suicdio e mais raramente acidental e homicida.Ocorre rigidez cadavrica mais tardia, pouco intensa, de menor durao e tonalidade rsea da face (como de vida), hipostase clara, rgos de tom carmim, com sangue fluido e rseo.

  • Leses CorporaisAsfixia por sufocao direta: as modalidades so: -Por ocluso da boca e das fossa nasais: quase sempre de carter criminoso com desproporo entre de foras entre a vtima e o autor. uma prtica muito comum no infanticdio. O autor pode usar as mos, sacos plsticos, travesseiros, dentre outros.-Sufocao direta por ocluso das vias respiratrias: geralmente acidental. Ocorre quando corpos estranhos impedem a passagem do ar para os pulmes. Nos afogamentos temos como sinal o cogumelo de espuma na boca.-Sufocao posicional: ocorre pela posio em que o indivduo se encontra no momento da morte.

  • Leses CorporaisSufocao indireta: a compresso do trax e abdome, impedindo os movimentos respiratrios. sempre acidental ou criminosa. Conhecida como congesto compressiva de Perthes. Um sinal clssico a mscara equimtica de Morestin ou congesto cefalocervical em que h arroxeamento da face e pescoo.

  • Leses CorporaisSufocao posicional: ocorre devido a posio do indivduo no momento da morte. Pode ser considerada um tipo de sufocao indireta. Exs: posio de crucificao com posicionamento demorado do indivduo de cabea para baixo.

  • Leses CorporaisNo estrangulamento, o sulco pode ser nico ou mltiplo, contnuo, por baixo da cartilagem tireidea, horizontal.Na esganadura, pode haver marcas dos dedos e escoriaes das unhas do agressor.- As leses internas nos casos de constrico mecnica do pescoo consistem em leses vasculares e na laringe, alm de leses da inervao.

  • Leses CorporaisNo enforcamento: H, alm dos sinais de asfixia em geral, o sinal do sulco tpico do enforcamento que nico, oblquo, ascendente, interrompido ao nvel do n, acima da cartilagem tireidea, com fundo apergaminhado.

  • Leses CorporaisOUTROS SINAIS IMPORTANTES NO ENFORCAMENTO1)Sinal de Ambroise Par: Pele enrugada no fundo do sulco. Luxao da 2 vrtebra cervical.2)Sinal de Amussat: seco da tnica ntima da artria cartida comum nas proximidades de sua bifurcao.

  • Leses Corporais3) Sinal de Friedberg: sufuso hemorrgica da tnica externa da cartida comum.4) Sinal de Thoinot: zona violcea ao nvel das bordas do sulco.5) Sinal de Neyding: infiltraes hemorrgicas puntiformes no fundo do sulco