ESTUDOS PRELIMINARES

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Estudos básicos para o desenvolvimento do projeto

Text of ESTUDOS PRELIMINARES

  • ESTUDOS PRELIMINARES ABIOLA YAYI E JOO PEDRO FERREIRA GOMES

  • VIAS PRINCIPAIS DE LIGAO DO BAIRRO CIDADE

  • VISUALISAO AMPLA NO BAIRRO

  • QUADRA LOCALIZADA

  • TERRENO ESCOLHIDO

  • FOTOGRAFIAS DO LUGAR

  • FOTOGRAFIAS DO LUGAR

  • FOTOGRAFIAS DO LUGAR

  • Mapa de Uso e Ocupao do Solo

  • Levantamento Topogrfico planta e corte topogrfico

  • ESTUDO DO LUGAR LOCALIZAO E ENTORNO IMEDIATO(MAPA 1)

  • MAPA 2

  • ANLISE DO ENTORNO O bairro est localizado entre o bairro Jardim das Palmeiras e o bairro Jardim

    Cana.(Mapa 1)

    O terreno escolhido fica na Rua Jos Salvador da Silva no bairro Jardim Holanda na cidade de Uberlndia.

    Os bairros vizinhos ao Jardim Holanda tm forte significado para este, pelo fato de agregarem infraestrutura pblica ao seu espao. No so observadas no local escolas, nem mesmo postos de sade ou praas, o que obriga aos referidos moradores a tirarem proveito das instalaes pblicas dos bairros prximos. interessante mencionar a presena de somente um posto de policiamento para o atendimento das trs reas.

    Faz-se necessria a imediao com o bairro Cana, visto que a escola mais prxima situa-se a um raio de mais de 1 km - distncia esta penosa no caso de pedestres com idade avanada terem de percorre-la.

    O nico ponto digno de planejamento a variedade de postos de sade presentes na regio fronteiria entre o Cana e o Jardim Holanda. A avenida Jardim Holanda, considerada a principal do bairro e que o corta por inteiro, tem final na entrada do bairro Cana, a 6 quadras do nosso terreno. Logo, em caso de emergncia o lugar ser acessado facilmente, ou do contrrio proporcionar uma rpida sada.

  • CONDIES SOCIOCULTURAIS PERFIL SOCIAL Sustentabilidade Urbana; Acessibilidade; Implantao adequada; Interesse social;

    Polticas Pblicas Municipais; Qualidade de Vida. Os planejamentos habitacionais de cunho social representam a produo massiva de

    habitaes padronizadas, de modo a poupar-se escala, uma vez que o alvo central so as famlias de baixo poder aquisitivo. Dessa forma, experincias pontuais que tornam praticvel a distino das habitaes entre si so de modo geral, caracterizadas pela ausncia de alguns detalhes, muitas vezes essenciais, que acabam por onerar a famlia contemplada.

    Os conceitos adotados para o projeto da habitao popular denotam o centro da cidade como foco para a concretizao do ideal sustentvel. preciso desestimular a ocupao desigual das reas adjacentes aos grandes centros urbanos. O incentivo comunicao e a sociabilidade entre usurios de diferentes reas, que h tempos vem sido perdido, alm de significar a integrao saudvel do contexto urbanstico, enfatiza os efeitos de homogeneizao da paisagem e encontro de aes e propostas de interveno requalificadora.

    Os habitantes, propriamente ditos, em suas mltiplas organizaes, formas de sociabilidade, estilos de vida, conflitos, etc., constituem o que de fato vitaliza a cidade.

    O projeto final haver de comportar vrios nveis de abrangncia, incluindo acesso rpido a pontos de transporte pblico, policiamento, escolas e atendimento emergencial de sade. A disposio do conjunto se dar de forma a confluir tais elementos, sinalizando a reduo de gastos por deslocamento e reconhecimento daquela rea para a futura instalao de mercados e abertura de vagas para empregabilidade local.

  • Esquema grfico dos conceitos a serem abordados

  • CONDIES SOCIOCULTURAIS

    Perfil Econmico

    Indicadores sociais mais recentes divulgam a crise oriunda do dficit habitacional pelo qual vive o Brasil, principalmente reflexivo nas amostras populacionais menos privilegiadas economicamente. No mbito de Uberlndia, esse quadro notvel de forma genrica. Com o crescimento da cidade, a questo da moradia ganha maiores propores, uma vez que no existem casas suficientes para a classe popular urbana.

    A organizao espacial do Bairro em questo projeta s avessas o ideal de um bairro completo, com habitaes merc de alteraes crveis e relativamente prximas aos postos comerciais e de primeira necessidade. Porm tal imagem, na verdade um tanto que distorcida da real situao, tem forte efeito sobre aqueles que buscam habitar com economia.

    As moradias ali presenciadas, caractersticas das classes C e D, ilustram o processo de urbanizao abrupto, originrio da industrializao na modernidade. A proliferao destes conjuntos habitacionais com padro de qualidade questionvel materializa o mito da casa prpria e contribui, por sua vez, com a fragmentao scio-espacial que d forma s periferias to visveis na cidade.

  • CONDIES SOCIOCULTURAIS

    Perfil Cultural Os habitantes do Bairro, na maioria, tendem a designar suas tarefas

    do dia fora da habitao. A regio, praticamente deserta, no traz motivos extraordinrios que atraiam o usurio local, e nem menos o visitante. Por mais que haja ncleos unifamiliares que uniram a residncia ao trabalho manicures, cabeleireiros, padeiros, etc. no so observadas rotinas to assentadas que possam ser chamadas de cultura. Existe, porm, uma forma de apropriao quando se trata dessa regio enquanto ponto de referncia para um nmero mais diversificado de frequentadores. Sua base fsica mais ampla, e permite a circulao de pessoas vindas de vrias procedncias e sem o estabelecimento de laos mais estreitos entre si.

    A rea marcadamente residencial, no abrigando qualquer modalidade de lazer at ento desfrutvel por todos.

  • RESTRIES MUNICIPAIS

    Dados coletados do documento Anexo IX Parmetros Urbansticos para a Zona Rural e Zona de Expanso Urbana disponvel pelo site da Prefeitura Municipal de Uberlndia.

    Usos conforme os ndices pertinentes Zona Residencial 2 ZR2

    Taxa de ocupao: 60%

    Coeficiente de Aproveitamento: 2,5 / Mximo: 2,75

    Afastamento Frontal Mnimo: 3,00 m

    Afastamento Lateral e Fundo Mnimo: 1,5 (conforme Art. 28)

    Testada Mnima do Lote: 10,00 m

    rea Mnima do Lote: 250,00 m

  • DADOS CLIMATOLGICOS Os dados climatolgicos necessrios para desempenhar esse trabalho foram obtidos na Estao

    Climatolgica de Uberlndia situada no Campus Santa Mnica, pertencente ao Instituto Nacional de Meteorologia.

    A cidade de Uberlndia se encontra na latitude de 18 55' 26''S e longitude de 48 17' 18''W. O clima da regio, de acordo com as categorias estabelecidas por Kppen, do tipo Aw, isto , tropical quente mido com inverno frio e seco. O total mdio de chuvas no ms mais seco gira em torno de 60 mm, e no ms mais chuvoso em torno de 250 mm. Os meses de vero so responsveis por aproximadamente 50% da precipitao anual da cidade. A temperatura mdia mensal durante o inverno alcana 18 C, enquanto que nos meses mais quentes a mdia de 23 C.

    O Bairro Jardim Holanda em estudo, constituinte da Zona Residencial 2 de Uberlndia, posiciona-se a Oeste e faz vizinhana com os Bairros Cana e Jardim das Palmeiras. Sem barreira alguma em seu permetro, expem-se as aberturas das casas presentes, submetendo os transeuntes a fortes ventos vindos principalmente de Leste, que apesar de refrescarem a sensao de calor nas horas mais quentes, carregam poeira dos arredores para o local do loteamento.

    Em relao insolao, os raios UV alcanam as habitaes intensamente durante todo o dia, nos horrios de baixa, mdia e alta altura solar. Do ponto de vista do posicionamento das ruas, as vias de maior fluxo coincidem com a direo leste-oeste, ocasionando certo ofuscamento nos horrios de nascimento e pr do sol na mo e contramo para os motoristas nessas ruas. O fato da arborizao mnima observada na regio tambm um agravante da exposio solar.

    As falhas em relao orientao solar e ventilao, assim como a arborizao - presente apenas em reas de preservao -, no includa no projeto do bairro, podem ser estendidas para todo o espao urbano local.

  • Croqui da orientao das quadras quanto insolao

  • FLUXO DE ATIVIDADES

  • Condies Conceituais

    Partidos Adotados A proposta de criao de uma obra arquitetnica que envolva contextos urbanos degradados e

    capaz de gerar incluso social no reside somente no implantar do projeto, mas na possibilidade de acionar novas formas de uso e apropriao do solo.

    A adequao ambiental traduz a qualidade do traado dos loteamentos no que se refere s condies de conforto oferecidas aos moradores e de humanizao do espao para o seu uso. A preocupao com o meio ambiente estende-se da concepo do projeto s tcnicas construtivas pra uma manuteno sustentvel.

    Para tanto, o mtodo da construo modular flexvel preferido. A tecnologia de montagem industrializada consiste na produo em srie de peas variadas, caracterizadas pela abordagem de estudos termolgicos, acsticos, sobre resistncia a intempries e estanqueidade relativa proteo do edifcio em perodos de chuva.

    A obra ser erguida com o mnimo de material possvel, pensando-se em uma estrutura sanduiche que associa placas cimentcias, como pele externa, madeira, para o remate interno, e l de rocha na composio intermediria da parede.

    A obteno mxima de energia solar permitida pela aplicao de algum recorte envidraado na cobertura, que trar ao interior uma distribuio melhor e mais equilibrada da radiao solar, complementada ainda com chapas fotovoltaicas que agregam ao projeto a captao e o armazenamento de energia.

    A altitude averiguada, de aproximados 851 m, e isolamento perifrico interferem na exposio da casa e circulao da ventilao natural. Resguardar a edificao do acmulo de calor e otimizar tal ventilao so as premissas fundamentais a serem seguidas para se obter uma arquitetura adequada ao clima uberlandense.

    Para contribuir com a reduo da condutividade trmica advinda da terra e conteno dosada d