ENSP/FIOCRUZ - 24 setembro 2007

  • View
    20

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

ENSP/FIOCRUZ - 24 setembro 2007. Secretaria de Atenção à Saúde - MS. - A ampliação do acesso: 1,3 bi AB; 1,2 bi AE; 12 milhões de internações; 12 mil transplantes; 23 milhões ações de VISA..... Melhora nos indicadores de saúde: MI, MM, EV - PowerPoint PPT Presentation

Text of ENSP/FIOCRUZ - 24 setembro 2007

  • ENSP/FIOCRUZ - 24 setembro 2007

    Secretaria de Ateno Sade - MS

  • Acmulos do SUS- A ampliao do acesso: 1,3 bi AB; 1,2 bi AE; 12 milhes de internaes; 12 mil transplantes; 23 milhes aes de VISA.....Melhora nos indicadores de sade: MI, MM, EV - Reorientao do modelo: expanso da AB e a estratgia sade da famlia (novo paradigma)- PNI, Sade Mental, a DST-AIDS, o SAMU, Ateno Especializada (TRS, transplante, oncologia, neurocirurgia,etc)- Repasse $ Fundo a Fundo e - Controle Social

  • DESAFIOS PARA A INTEGRAO APS COM A REDE DE ASSISTENCIAL

    1. Sub - Financiamento:

    Receitas Correntes da Unio cresce de 1995 para 2004 de 19,7% do PIB para 26,7% e a relao do gasto do MS, cai de 8,12% para 7,2% das RC

    Per-capita federal entre 1995 2005 cai de 85,7 US$ para 77,4 e a soma do per-capita estadual e municipal cresce de 44,1 para 75,5 US$

    A contrapartida federal no financiamento do SUS cai de 63,8% para 49,6% entre 1995 2004 e estadual + a municipal cresce de 39,3% para 50,4%

  • DES-FINANCIAMENTO DECORRNCIAS:

    seletividade na oferta de procedimentos melhor remunerados rebaixamento na qualidade das aes

    freio na expanso e qualificao da ateno primria

    forte determinao na precarizao das condies e relaes de trabalho no SUS

  • Desafios Anlise dos Estados em relao aplicao mnima dos anos de 2003 e 2004Segundo a Resoluo CNS 3227 Estados aplicaram o mnimo conforme EC-29 tanto em 2003 como em 2004, sendo 5 da Regio Norte.Fonte: Nota Tcnica SIOPST 09/2005 para os dados de 2003 NT de 2006 sobre Aplicao de Recursos dos Governos Estaduais e Distrito Federal em Aes e Servios Pblicos de Sade, 2004 (sob anlise da Cmara Tcnica). 5 Estados aplicaram o mnimo em 2004, mas no o fizeram em 2003.4 Estados deixaram de aplicar o mnimo em 2004, ou seja, cumpriram o mnimo em 2003, mas no em 2004.11 Estados no aplicaram o % mnimo em 2003 e 2004.Financiamento da Sade

  • Desafios Situao dos Municpios em relao ao cumprimento da EC 29, 2003 a 2005Segundo a Resoluo CNS 322Fonte: SIOPS; posio 15/08/2006Nos anos de 2003 a 2005, cerca de 81% do total de Municpios existentes aplicaram o mnimo em gasto com aes em aes e servios de sade, conforme EC-29.200320042005Analisando os mapas, observa-se que a Regio Norte concentra a maior parte dos Municpios que no atingiram o limite consitucional (EC-29). Financiamento da Sade

  • 2. MELHORIA NOS DETERMINANTES SOCIAIS- Determinantes sociais de sade (DSS) so as condies sociais em que as pessoas vivem e trabalham ou "as caractersticas sociais dentro das quais a vida transcorre (Tarlov,1996)

  • 3. O DESAFIO DO PROTAGONISMO

    O SUJEITO COMO PRINCIPAL INSTRUMENTO HUMANO PARA CONHECER E INTERVIR NA PRODUO DE SADE (Campos; 2000)

    O CUIDADO DE SI MESMO, PROTAGONISMO INDIVIDUAL (MENNDEZ; 1982);

    A CAPACIDADE DE CUIDADO DOS COLETIVOS: FAMLIA, MOVIMENTOS SOCIAIS DE LUTA POR DIREITOS, ORGANIZAES DA SOCIEDADE, NORMAS E LEIS DE PROTEO VIDA, POLTICAS DE SADE E SOCIAIS (PROTAGONISMO COLETIVO)

    A EFETIVIDADE DAS AES DE PROMOO

    O COMBATE MERCANTILIZAO NA SADE

  • 3.PROTAGONISMO E O CONTEXTO POLTICO CULTURAL

    A SOCIEDADE DO SIMULACRO, DO CONSUMISMO, DO ANESTESIAMENTO, DO INDIVIDUALISMO, O OUTRO COMO OBJETO DO MEU DESEJO OU UM POTENCIAL AGRESSOR

    O JEITO DE ESTAR NOS VERBOS DA VIDA, A NOSSA NECESSIDADE DE ESTAR COM O OUTRO NO COMPARTILHAR DA SOBREVIVENCIA, NO CONVIVER

    OS INTERESSES E PROJETOS EM DISPUTA: PLANOS DE SADE, PRODUTORES DE INSUMOS, TEC/DURA

    A DESQUALIFICAO DO APS E DO SUS

  • 4. A EFETIVIDADE CLNICA DA APS E DAS REDES DE ATENOEsperana de Vida ao Nascer = 72 anos

  • FONTE: Schramm et alii (2004)

    4. A CARGA DAS DOENAS NO BRASIL, EM ANOS DE VIDA AJUSTADOS POR INCAPACIDADE (AVAIs) - 1998

    DOENA OU CONDIOAVAIs POR MIL HABITANTES%INFECCIOSAS, PARASITRIAS E DESNUTRIO3414,8CAUSAS EXTERNAS1910,2CONDIES MATERNAS E PERINATAIS218,8DOENAS NO TRANSMISSVEIS12466,2TOTAL232100

  • FONTE: WORLD HEALTH ORGANIZATION (2005) 4. A EFETIVIDADE CLNICA DA APS E DAS REDES DE ATENO

  • 5. GESTO E POLTICA PESSOALREVISO DO MODELO DE GESTO DE REDE E SERVIOS

    O SUS TAMBM TEM QUE SER TRABALHADOR DE SADE CENTRADO E SEM SEU ENCANTAMENTO, NO TEREMOS SUS

    REVISO DO PERFIL DE FORMAO DE ESPECIALISTAS NA SADE E A POLTICA DE REMUNERAO DOS PROFISSIONAIS

  • AGENDA PARA A INTEGRAO ATENO PRIMRIA COM A REDE DE ASSISTENCIAL ?1. DEFESA DA SADE NO PAC:Sade Desenvolvimento Social, O SUS, , a um s tempo, parte da poltica de proteo social e fonte de gerao de riqueza para o Pas

    Sade investimento em uma vasta cadeia produtiva de gerao de trabalho e renda

    REGULAMENTAO DA EC 29

  • INCLUIR NO PACTO PELA SADE ESTADUAL ESTRATGIA DE IMPLEMENTAO DE REDES REGIONALIZADAS E INTEGRADAS DE ATENO SADE (TEIAS)

    FORTALECER A ATENO PRIMARIA COMO GESTORA DOS PROJETOS TERAPUTICOS E ORDENADORA DAS LINHAS DE CUIDADO

    IMPLANTAR LINHAS DO CUIDADO: SADE DA CRIANA ( REDUO MORTALIDADE INFANTIL), SADE DA MULHER ( CNCER DE COLO E DE MAMA E REDUO MORTALIDADE MATERNA), SADE DO ADULTO E IDOSO ( HAS, DM, CA PRSTATA);

    AGENDA DO MS PARA A INTEGRAO ATENO PRIMRIA COM A REDE DE ATENO:

  • IMPLANTAR O COMPLEXO REGULADOR COM REVISO DA PPI NA LGICA DE REDE, NOVAS CONTRATUALIDADES

    REESTRUTURAO DOS SADT, DA ATENO ESPECIALIZADA E HOSPITALAR CONSIDERANDO: ACESSO, RESOLUTIVIDADE, RESPONSABILIZAO, CONTINUIDADE DO CUIDADO, ECONOMIA DE ESCALA

    QUALIFICAR O SUPORTE LOGSTICO: CARTO SUS, PRONTURIO ELETRNICO, SISTEMA DE TRANSPORTES, SUPRIMENTOS E MEDICAMENTOS, MANUTENO....

    ATUAR COM REDES INTERSETORIAIS QUE TRABALHAM SADE, DESENVOLVIMENTO E CIDADNIAAGENDA DO MS PARA A INTEGRAO ATENO PRIMRIA COM A REDE DE ATENO:

  • APRIMORAR A CO-GESTO DAS REDES: PLANOS REGIONAIS, PDI, AVALIAO E MONITORAMENTO, INCORPORAR A GESTO CLINICA, EPIDEMIOLGICA, DE CUSTOS, PROFISSIONALIZAR A GESTO DOS COLEGIADOS REGIONAIS E DE SUAS CMARAS TCNICAS

    REDUZIR AS INIQIDADES REGIONAIS (REVISO DOS MECANISMOS DE REPASSE $)

    IMPLEMENTAR PROCESSOS DE FORMAO PARA GESTORES E EQUIPES DAS SESs E SMSs

    IMPLEMENTAR O PROJETO QUALISUS-REDES MS/BM:tecnologia do cuidado, ferramentas de gesto, TI, avaliao de tecnologia, formao..

    AGENDA DO MS INTEGRAO ATENO PRIMRIA COM A REDE DE ATENO:

  • ESFNASFCEOCAPSUPAHOSPITALCOBERTURA2.500 / 4.000 hab160.000 hab35.000 / 40.000 habI 20.000/70.000 habII- 70.000/200.000 habIII- acima 200.000 hab80.000/100.000 hab200.000 hab I III I I I IIIIIOrganizao TEIAS por meio da ESF: integrare racionalizar o existente e completar o que falta

  • Adail de Almeida Rollo Diretor do Programa de Qualificao de Redes Assistenciais SAS/MS

    adail.almeida@saude.gov.brtel 61 3315-3196

    *