Click here to load reader

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SOLOS DE EMPREENDIMENTOS … · grãos de solo argiloso como oriundos da rocha sedimentar argilito. Em tempos de chuva, os solos argilosos geralmente encontram-se

  • View
    2

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SOLOS DE EMPREENDIMENTOS … · grãos de solo argiloso como oriundos da...

  • 1

    ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SOLOS DE EMPREENDIMENTOS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE (RMR) E O SOLO DO CONDOMÍNIO ANÊMONA

    EM UBATUBA-SP

    Silvandro Ferreira de Siqueira Júnior 1 Diwlay Cardoso Maia 2

    RESUMO

    O presente artigo tem por objetivo apresentar a influência de uma perfeita

    análise do estudo dos solos como fator determinante no êxito de uma obra de

    construção civil. Conhecimentos prévios acerca dos principais tipos de solos e suas

    propriedades, junto com os principais métodos de investigações geotécnicas serão

    abordados ao longo do artigo, tendo em vista que os referidos assuntos são

    essenciais para o pleno entendimento do conteúdo aqui tratado.

    Segundo Queiroz (2009), a investigação do subsolo tem por objetivo permitir

    que sejam identificados os tipos de solos e/ou rochas, além das condições

    geológicas e geotécnicas, dentre vários outros fatores como a espessura de

    camadas, elementos estruturais e a posição do nível de água com a finalidade de

    estudar a viabilidade do projeto com a consequente construção de obras civis.

    Neste estudo comparativo, será explanado um caso no qual a negligência na

    análise do estudo dos solos antes da construção do projeto interferiu diretamente em

    grandes prejuízos causados graças a ruptura de estacas que gerou o desabamento

    de um dos blocos de um condomínio localizado em Ubatuba-SP. Em seguida, serão

    realizadas análises comparativas com sondagens de terrenos localizados na Região

    Metropolitana do Recife com o objetivo de verificar a possibilidade de ocorrência de

    desabamento da estrutura, ou parte dela, em caso de negligência na etapa de

    dimensionamento da fundação a partir da análise dos estudos dos solos.

    Esta análise comparativa também possui a seguinte finalidade: impedir o

    retrabalho necessário para o ajuste da estrutura devido a patologias geradas após o

    término da construção, além do aumento dos dispêndios financeiros para os

    responsáveis.

  • 2

    PALAVRAS-CHAVE: Solos, Construção Civil, Geotecnia, Investigação e Fundação.

    1

    ABSTRACT

    The present article aims to present the influence of a perfect analysis of the

    study of soils as a determining factor in the success of a civil construction work.

    Previous knowledge about the main types of soils and their properties, together with

    the main methods of geotechnical investigations will be addressed throughout the

    article, considering that the mentioned subjects are essential for the full

    understanding of the content here treated.

    According to Queiroz (2009), the subsoil investigations aims to identify soil

    and / or rock types, as well as geological and geotechnical conditions, among several

    other factors such as layer thickness, structural elements and level position of water

    with the purpose of studying the feasibility of the project with the consequent

    construction of civil works.

    In this comparative study, a case will be explained in which negligence in the

    analysis of the study of soils before the construction of the project directly interfered

    in great damages caused by rupture of stakes that caused the collapse of one of the

    blocks of a condominium located in Ubatuba-SP. Then, comparative analyzes will be

    carried out with surveys of land located in the Metropolitan Region of Recife in order

    to verify the possibility of occurrence of collapse of the structure, or part of it, in case

    of negligence in the dimensioning step of the foundation from the analysis of the soil

    studies.

    This comparative analysis also has the following purpose: to prevent the

    necessary rework for the adjustment of the structure due to pathologies generated

    after the end of the construction, besides the increase of the financial expenses for

    those responsible

    Keywords: Soil, Civil Construction, Geotechnics, Investigation and Foundation.

    1 SIQUEIRA Jr., Silvandro Ferreira; Engenheiro Civil, Centro Universitário dos Guararapes, UNIFG, Brasil.

    ² MAIA, Diwlay Cardoso; Bacharela em Ciências Aeronáuticas pela UNINASSAU e Especialista em

    Planejamento e Gestão Organizacional pela Universidade de Pernambuco (UPE), Brasil.

  • 3

    INTRODUÇÃO

    Atualmente, diante da necessidade de se executar construções com o

    máximo de segurança possível, preservando o meio ambiente e,

    concomitantemente, economizando recursos, encontramos o estudo dos solos como

    um dos fatores que, se negligenciado, coloca em risco a vida de pessoas, causa

    catástrofes ambientais e gera altos custos devido a valores com manutenção das

    estruturas que venham a sofrer manifestações patológicas pós construção.

    De acordo com Milititsky (2015), as patologias que ocorrem nas fundações se

    devem a cinco fatores, sendo eles: a caracterização do comportamento do solo;

    análise e projeto de fundações; execução das fundações; eventos pós conclusão

    das fundações e degradação dos materiais constituintes das fundações.

    Com ênfase na caracterização do comportamento do solo e na análise dos

    projetos de fundações, este trabalho apresenta os tipos de solos mais comuns no

    território brasileiro além dos principais métodos de perfuração do solo com a

    finalidade de obtenção de dados importantes para a realização do projeto de

    fundações.

    Em seguida, será apresentado um caso de desabamento causado por falhas

    nas duas vertentes acima destacadas que poderiam ter sido evitadas caso fossem

    realizados por profissionais capacitados da área e diante das condições

    estabelecidas pela NBR 6122 (Projeto e execução de fundações) de 1996,

    legislação vigente à época.

    Ainda de acordo com Milititsky (2015), em situações comuns, a etapa de

    fundação de uma obra chega a custar entre 3 e 6% do seu valor total. Em caso de

    existência de patologia onde seja necessário um reforço da fundação, o custo da

    obra pode chegar a muitas vezes o valor inicial planejado, sem contar com o

    prejuízo para a imagem dos profissionais envolvidos, além do desgaste para a

    identificação das causas e responsabilidades, necessidade de evacuação de

    edifícios para a interdição das estruturas entre outras complicações como até a

    falência da empresa construtora.

  • 4

    Diante de todas as consequências acima descritas, este artigo é direcionado

    aos profissionais de engenharia civil, geotecnia, agrimensores, topógrafos, dentre

    outros que possuem influência nessa fase crucial da construção que é a fundação.

    Por sua vez, o objetivo deste trabalho é conscientizar os referidos profissionais do

    grau de importância dos seus trabalhos que podem, se negligenciados, acarretar em

    prejuízos financeiros, psicológicos e até catástrofes no pior dos casos.

    2. ESTUDO DOS SOLOS E SUAS PROPRIEDADES

    Conforme MELHADO et al (2002), alguns fatores são essenciais para se

    escolher a fundação mais adequada em um projeto, são eles: os esforços atuantes

    sobre a edificação, as características do solo, além das características dos

    elementos estruturais que compõem as fundações.

    Tendo em vista que a caracterização do solo é um dos fatores que tem

    influência sobre a decisão acerca de qual fundação será escolhida no projeto, faz-se

    necessário o estudo de alguns tipos de solos mais comuns em nosso território.

    De acordo com NEVES et al (2010, p. 6, grifo nosso), entre as formas de

    classificação do solo, são três as possibilidades: classificação genética; classificação

    granulométrica e classificação pedológica.

    Dentro da classificação granulométrica, ainda conforme NEVES et al (2010,

    p.6), se encontram os solos arenosos, argilosos e siltosos.

    Segundo CAMPOS (2018), o terreno é essencial para uma construção, pois é

    ele quem garante a sustentação as cargas existentes, além de ser fator

    determinante, no projeto, para a escolha do perfil e de algumas características

    físicas como a localização, elevação e drenagem.

    Ainda conforme CAMPOS (2018), se faz necessário, em uma construção,

    conhecer o comportamento esperado de um solo quando este é exposto a esforços.

  • 5

    2.1 Solos Arenosos

    F

    Tabela 01 – Dimensões dos grãos.

    Fonte: Adaptado de CAMPOS, 2018.

    Ao se analisar a tabela acima, é possível ter uma noção entre as dimensões

    do tamanho dos grãos dos três tipos de solo que serão analisados.

    Dentre eles, a areia é a que possui uma maior amplitude dimensional que

    varia de 0,05mm até 4,8mm e, conforme CAMPOS (2018), é a mais palpável e

    visível a olho nu quando comparada com a argila e o silte.

    Ela também é conhecida como “solo leve” que é encontrado em grande

    escala na região nordeste do Brasil. Sua composição mineralógica apresenta uma

    variação considerável, pois ela depende do tipo de rocha existente na superfície da

    crosta terrestre. Nas regiões praieiras, conforme TOMAZOLLI et al (2007) A Ilmenita

    é um mineral que se apresenta em grande concentração nas areias de praia.

    Conforme CAMPOS (2018), geralmente, em terrenos de solo arenoso que

    possuem o nível de lençol freático elevado, é possível verificar a presença de trincas

    e rachaduras nas estruturas construídas sobre eles após algum tempo, graças ao

    fato de o solo arenoso possuir duas características: a porosidade e a

    permeabilidade.

    Figura 01 – Rachaduras provenientes da relação entre solo arenoso e lençol freático próximo a

    superfície.

    Fonte: CAMPOS, 2018.

    Tipo de solo: Argila Silte Areia fina Areia

    média

    Areia

    Grossa

    Diâm. Grãos

    (mm):

    Até

    0,005

    0,005 a

    0,05

    0,05 a

    0,15

    0,15 a

    0,84

    0,84 a 4,8

  • 6

    Ainda conforme CAMPOS (2018), de forma a exemplificar, temos as

    construções de edifícios na cidade de Santos-SP. Uma cidade praieira, localizada a

    140 Km de Ubatuba-SP, onde o solo predominante é o arenoso. Graças às

    fundações superficiais executadas nos prédios próximos a beira mar, temos hoje a

    incidência de vários recalques que causam trincas e rachaduras nos edifícios das

    redondezas da orla. Alguns dos edifícios próximos a praia, chegam a apresentar

    inclinação.

    Podem ser consideradas como características dos solos arenosos, as que se

    seguem:

    Porosidade e permeabilidade;

    Baixa umidade;

    Secagem rápida;

    Alta susceptibilidade à erosão;

    Consistência granulosa (grãos grossos, médios e finos);

    Dificuldade de sobrevivência de plantas e organismos;

    Pobre em água e nutrientes.

    Figura 02 – Solo arenoso.

    Fonte: https://www.todamateria.com.br/solo-arenoso/

    Conforme GODOY (1972, apud MARANGON, 2018, p. 85) existe uma relação

    direta entre o peso específico e a consistência do solo arenoso, conforme pode ser

    visualizado na tabela abaixo:

    https://www.todamateria.com.br/solo-arenoso/

  • 7

    Tabela 02 – Relação Peso específico/Consistência (Solo Arenoso)

    Fonte: GODOY (1972, apud MARANGON, 2018, p. 85).

    2.2 Solos Argilosos

    Por sua vez, conforme BRANCO (2014), o solo argiloso é caracterizado por

    uma pobre aeração e riqueza em óxidos e hidróxidos de alumínio em ferro. Ao se

    analisar a tabela 01, percebe-se que ele apresenta dimensões imperceptíveis a olho

    nu quando isolado.

    Graças a isso, o solo argiloso também é conhecido como solo pesado, devido

    a sua composição que é de argila, alumínio e ferro. A NBR 6502 (1995) classifica os

    grãos de solo argiloso como oriundos da rocha sedimentar argilito. Em tempos de

    chuva, os solos argilosos geralmente encontram-se encharcados, pois eles realizam

    a absorção da água. Em contrapartida, nos tempos secos, o solo argiloso forma uma

    espécie de camada endurecida e pouco arejada na superfície do terreno.

    Assim como no caso do solo arenoso, conforme GODOY (1972, apud

    MARANGON, 2018, p. 85) existe uma relação direta entre o peso específico e a

    consistência do solo argiloso, conforme pode ser visualizado na tabela abaixo:

  • 8

    Tabela 03 – Relação Peso específico/Consistência (Solo Argiloso)

    Fonte: GODOY (1972, apud MARANGON, 2018, p. 85).

    Conforme os dados contidos na figura acima, é possível constatar que os

    solos argilosos possuem uma boa resistência à coesão. Além disso, ele possui

    características como: alta permeabilidade; baixa acidez; alta concentração de

    nutrientes; grãos muito pequenos e compactos e grande retenção de água.

    Fazendo-se a comparação entre os dois solos abordados até aqui, pode-se

    dizer que o argiloso é completamente o oposto do arenoso. Graças a sua elevada

    plasticidade aliada a sua grande capacidade de aglutinação, o solo argiloso é muito

    utilizado desde os tempos antigos como argamassa de revestimento e

    assentamento, além de serem úteis na fabricação de tijolos.

    Outrossim, segundo HRADILEK, Peter et al (2002), devido a sua alta

    impermeabilidade, o solo argiloso é comumente o solo escolhido na construção de

    barragens de terra, ao ser devidamente compactado.

    2.3 Solos Siltosos

    Pode-se considerar o silte como um tipo de solo intermediário, pois suas

    partículas são mais finas que um grão de areia e maiores que partículas de argila. A

    partir da observação, é muito difícil diferenciar um silte de uma argila, porém através

    da análise da plasticidade, é possível distinguir um do outro, pois o silte quase não

    possui plasticidade.

  • 9

    O solo siltoso, como seu próprio nome remete, é formado em sua maior parte

    por silte, o que o torna passível de erosão. Diferentemente da argila, o silte não se

    mistura, tendo em vista o seu tamanho reduzido e a sua leveza.

    Em caso de necessidade de construção de estrada sobre solo siltoso, é

    interessante salientar que, devido às características do silte, em tempo seco há

    muito pó sobre a estrada e em tempo de chuva há a formação de barro.

    Outrossim, tendo em vista a inexistência de estabilidade prolongada em

    cortes realizados em terreno siltoso, é necessária uma maior manutenção e

    cuidados para aumentar a estabilidade e reduzir a possibilidade de erosão e

    desagregação natural que pode ocorrer.

    3. PRINCIPAIS MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO DOS SUBSOLOS

    Diante da grande variedade de tipos de solos existentes, faz-se necessária a

    investigação dos subsolos antes da construção de qualquer estrutura.

    Conforme Queiroz (2009), há dois tipos principais de investigação dos

    subsolos, são eles: diretos e indiretos. Dentre os métodos indiretos que também são

    conhecidos como geofísicos temos o Ground Penetrating Radar (GPR), o método

    sísmico e a eletrorresistividade. Estes dois últimos métodos são, inclusive, muito

    utilizados em geologia e engenharia de minas com a finalidade de realizar a

    prospecção do petróleo, água subterrânea e minérios. Tendo em vista que os

    métodos indiretos não são muito eficazes no que se refere ao fornecimento de

    informações detalhadas do subsolo, serão enfatizados os principais métodos diretos

    utilizados na investigação geotécnica dos solos.

    3.1 Métodos diretos

    Por sua vez, os métodos diretos têm por objetivo a coleta de amostras de

    solos ou rochas por meio de perfurações ou através dos resultados de

    equipamentos mecânicos/eletrônicos introduzidos no subsolo.

  • 10

    Ainda de acordo com Queiroz (2009), os métodos diretos podem ser

    utilizados como complemento dos métodos indiretos na engenharia civil, pois com o

    estudo direto por meio de sondagens e coleta de amostras para uma análise mais

    minuciosa é possível quantificar os esforços que serão transmitidos.

    Dentre os métodos diretos, encontramos dois tipos: métodos diretos manuais

    e métodos diretos mecânicos.

    Através da utilização dos métodos manuais, as amostras são coletadas com o

    auxílio direto de ferramentas comuns, apenas escavando-se o solo e extraindo do

    mesmo uma quantidade suficiente para remessa ao laboratório para análise. Dentre

    os principais métodos manuais temos: coletas de amostras deformadas; coletas de

    amostras indeformadas e a sondagem a trado manual.

    Conforme Queiroz (2009), existe uma grande variedade, por sua vez, de

    métodos mecânicos. Eles têm por objetivo a obtenção de informações qualitativas

    e/ou quantitativas através de equipamentos que atravessam as camadas do solo

    com a finalidade de obter amostras ou dados que são utilizados para a obtenção de

    parâmetros geotécnicos que serão úteis para os dimensionamentos de projetos em

    Engenharia Civil.

    Outrossim, para a realização de sondagens, por intermédio de métodos

    mecânicos, faz-se necessário o uso de equipamentos mecanizados com os

    instrumentos para a coleta de amostras ou dados geotécnicos das camadas de solo

    ou rochas atravessadas do local.

    Dentre as sondagens mecânicas se destacam a Standard Penetration Test

    (SPT) e a sondagem rotativa.

    A sondagem SPT, que como o seu próprio nome denota, é o teste de

    perfuração padrão cujo objetivo é justamente o reconhecimento do solo, auxiliando

    os seus usuários com informações relevantes para o dimensionamento da fundação.

    De acordo com Queiroz (2009), no Brasil, o SPT é utilizado em

    aproximadamente 90% das sondagens no subsolo em projetos de fundações

    profundas. Através do SPT é possível coletar informações acerca de solos

    atravessados, com a obtenção de amostras deformadas a cada metro de

  • 11

    profundidade, que, logo após, são remetidas para laboratório com a finalidade de se

    obter informações mais precisas acerca do solo.

    Ainda conforme Queiroz (2009), Para cada metro de profundidade, são

    coletados também o número (Nspt) juntamente com a posição do nível d’água. A

    sondagem SPT consiste na cravação de um barrilete no solo por meio de impactos

    aplicados por um equipamento chamado “martelo” sobre um sistema de hastes de

    aço.

    A seguir, a figura 03 apresenta o conjunto das peças que compõem o

    equipamento que realiza a sondagem SPT.

    Dentre os equipamentos necessários para a realização da sondagem SPT,

    temos: martelo, roldana, corda, tripé, hastes, coxin de impacto, barrilete amostrador,

    guincho, bomba, tubos flexíveis, depósito de lama e ferramentas perfurantes.

    A sondagem rotativa, por sua vez, é essencial em obras de grande porte,

    pois permite a investigação e reconhecimento de rochas e solos permitindo a

    retirada de amostras da rocha atravessada, além de atingir grandes profundidades.

    Conforme DAS, BRAJA M (2011), quando executada junto com a sondagem

    SPT, ela é chamada de sondagem mista. Uma das situações em que a sondagem

    rotativa é utilizada de forma “mista” é quando uma sondagem SPT atinge um

    obstáculo intransponível ao seu amostrador ou trépano de lavagem, pois o

    Figura 03 – Equipamento para sondagem SPT Fonte: https://www.escolaengenharia.com.br/tipos-de-sondagem/

    https://www.escolaengenharia.com.br/tipos-de-sondagem/

  • 12

    equipamento a percussão não possui tecnologia para definir a natureza da

    obstrução. A natureza, inclusive, pode ser um solo concrecionado, um matacão,

    bloco de rocha, dentre outros, sendo necessária a realização da sondagem rotativa

    para a identificação.

    4. ESTUDO DE CASO (CONDOMÍNIO ANÊMONA)

    Após breve explanação acerca de alguns tipos de solos e métodos de

    investigação do subsolo, será apresentado neste tópico a ruptura de estacas que

    acarretou no colapso de um dos blocos do condomínio anêmona que, de acordo

    com DE SOUZA (2003), ocorreu graças as espessas camadas de solo que não

    possuíam a mínima capacidade de suporte e extrema compressibilidade.

    Consequentemente, outros solos ao longo do território nacional possuem

    características semelhantes ao encontrado na cidade de Ubatuba-SP, onde estava

    localizado o edifício anêmona, o que realça a importância de estudos comparativos

    entre solos de diferentes regiões tomando por base um solo onde já ocorrera um

    acidente.

    As figuras 04, 05 e 06, a seguir, apresentam as sondagens realizadas no

    subsolo do Condomínio Anêmona de forma a obter o perfil geológico do terreno,

    figura 07:

  • Figura 04 – Sondagem SP 02 Fonte: Túzzolo Engenharia, apud DE

    SOUZA (2003).

    Figura 05 – Sondagem SP 03 Fonte: Túzzolo Engenharia, apud DE

    SOUZA (2003).

  • 14

    Figura 06 – Sondagem SP 05

    Fonte: Túzzolo Engenharia, apud

    DE SOUZA (2003).

  • 15

    A partir da análise das sondagens (SPT) acima, em especial a do furo

    05, que está próxima ao local exato de onde ocorreu a ruptura da base de

    sustentação (fundo do terreno), é possível inferir que, em um mesmo terreno

    onde se constrói um empreendimento, é possível encontrar perfis geológicos

    diferentes, o que deve servir de alerta para os construtores, pois uma parte do

    terreno pode ser propícia a construção enquanto outra parte não.

    Conforme apresentado na imagem acima, o que já fora explanado nas

    sondagens anteriormente, o solo onde foi realizada a sondagem SPT 05 foi o

    mais impróprio para a construção, de acordo com DE SOUZA (2003), sendo a

    razão pela qual somente o bloco B do condomínio anêmona desabou.

    Através de uma minuciosa análise das sondagens e do perfil geológico

    acima expostos, torna-se viável a percepção do perigo que envolve a

    construção sobre esse tipo de solo, o que deveria ser objeto de preocupação

    de quem construiu o empreendimento, à época, e deve ser motivo de

    Figura 07 – Vista em corte do

    subsolo

    Fonte: Túzzolo Engenharia, apud

    DE SOUZA (2003).

  • 16

    preocupação para aqueles que constroem sobre solo com características

    semelhantes.

    Dentre as diversas recomendações contidas na NBR 6122 (Projeto e

    execução de fundações), destaca-se a que trata acerca da realização, por

    profissional perito, de uma vistoria geológica in loco. A mesma também

    recomenda que nessa vistoria devem ser complementada com estudos

    geológicos, através da consulta das seguintes fontes:

    Mapas geológicos;

    Bibliografia especializada; e

    Fotografias aéreas comuns ou multiespectrais, dentre outros.

    Ou seja, faz-se necessário um profissional ou até mesmo uma equipe de

    profissionais com plena capacidade para a execução dessa etapa da obra

    (fundação), cujos conhecimentos geológicos aliados aos estudos adicionais

    garantirão o êxito na conclusão dessa fase da obra.

    Ao analisar algumas sondagens de alguns empreendimentos localizados

    na Região Metropolitana do Recife, foi possível constatar que alguns possuem

    um perfil geológico semelhante ao do edifício Anêmona, conforme podemos

    observar nas figuras a seguir:

  • 17

    Figura 08 – Sondagem SP 001 Fonte: Geosolo Tecnologia do Solo,

    Sondagens e Absorções Ltda.

    Figura 09 – Sondagem SP 002 Fonte: Geosolo Tecnologia do Solo, Sondagens e Absorções

    Ltda.

    Figura 10 – Sondagem SP 003 Fonte: Geosolo Tecnologia do Solo,

    Sondagens e Absorções Ltda.

  • 18

    Através da análise das sondagens do terreno sobre o qual foram

    construídas instalações da empresa acima, algumas observações saltam a

    vista como o fato do nível d’água que se encontra a aproximadamente 3,70m

    de profundidade no terreno, assim como a presença de silte argiloso muito

    mole e areia fofa em algumas camadas do perfil geológico apresentado. O que

    pode acarretar em diversas manifestações patológicas devido a recalques das

    fundações ou até mesmo devido ao “Efeito Tschebotarioff” que requisitará a

    necessidade de constantes manutenções nas estruturas ao longo dos anos.

    As imagens a seguir são três sondagens realizadas pela empresa

    ENSOLO, na Zona Industrial em Suape para para a construção de galpões:

    Figura 11 – Sondagem SP 01 Fonte: Engenharia e Consultoria

    de Solos e Fundações Ltda

    Figura 12 – Sondagem SP 02 Fonte: Engenharia e Consultoria

    de Solos e Fundações Ltda

  • 19

    Figura 13 – Sondagem SP 03

    Fonte: Engenharia e Consultoria de Solos e Fundações Ltda

  • 20

    Diante das sondagens apresentadas acima, na cidade de Cabo de Santo

    Agostinho-PE, é possível constatar que o nível d’água varia de acordo com a

    localização do furo, assim como as suas camadas geológicas não são lineares,

    o que nos leva a inferir que, aos mesmos moldes do terreno do condomínio

    Anêmona, esse solo pode ser propício para a construção em alguns locais e

    em outros não.

    De uma maneira geral, este terreno apresenta, até o seu leito rochoso,

    as seguintes camadas: silte muito argiloso com areia fina de consistência mole

    a média mole; areias médias, finas, grossas pouco compacta a compacta;

    aterro de pó com pedra brita, turfa pouco argilosa, dentre outros. O que

    demandará do projetista de fundação um estudo minucioso para atender o

    perfil geológico encontrado.

    A figura a seguir, apresenta uma sondagem do Instituto Ricardo

    Brennand:

    Figura 14 – Sondagem SP 01 Fonte: Master Solos Engenharia

  • 21

    Por sua vez, a sondagem do Instituto Ricardo Brennand localizado em

    Recife-PE apresenta em seu perfil geológico uma argila siltosa mole a partir da

    profundidade de 3,72 m. Desta forma, aos mesmos moldes dos solos

    anteriores, é interessante o estudo para o correto dimensionamento da

    fundação em obras cujo perfil geológico do terreno seja semelhante ao

    apresentado na presente sondagem.

    5. CONCLUSÃO

    No presente artigo foram abordados os principais tipos de solos,

    juntamente com as suas características predominantes. Este tópico foi

    elaborado com a finalidade de conferir conhecimentos essenciais para os

    próximos tópicos do trabalho que foram os métodos de investigação do subsolo

    utilizados na construção civil e a análise de sondagens de empreendimentos

    localizados nas cidades de Recife, Jaboatão dos Guararapes e Cabo de Santo

    Agostinho, todos localizados em Pernambuco, comparando-os com a

    sondagem do terreno de Ubatuba-SP, onde ocorreu o desabamento do bloco B

    do Condomínio Anêmona.

    Após a averiguação de tudo o que foi exposto até o momento, resta

    concluir que a análise do estudo dos solos ou o reconhecimento geotécnico de

    um terreno, é um fator que deve ser alvo de muita atenção por parte dos

    profissionais envolvidos no planejamento e na execução da fundação e,

    consequentemente, daqueles responsáveis pela obra como um todo.

    A negligência ou até mesmo a falta de experiência no momento da

    elaboração do projeto de fundação de uma obra pode ser considerado o início

    de um efeito cascata, tendo em vista que qualquer erro mínimo de

    dimensionamento nesta etapa poderá ser o gerador de transtornos futuros

    graças a patologias que surgirão com o transcorrer do tempo, seja em um

    edifício, galpão, museu ou outro empreendimento. A fase de planejamento e

  • 22

    execução da fundação é crucial, assim como todas as demais etapas, na

    construção de qualquer empreendimento, devendo ser revestida da devida

    importância, sendo acompanhada por profissionais não apenas habilitados,

    mas de preferência com a experiência necessária de forma a entregar a

    excelência ao contratante.

    Consequentemente, fazem-se necessários novos estudos comparativos

    ao longo do território nacional de forma a complementar a pequena gama de

    dados até aqui existentes sobre o assunto e com vista a prevenir os transtornos

    supracitados.

    Dessa maneira, será possível acumular uma grande gama de

    informações de forma a auxiliar os profissionais diretamente envolvidos nessa

    importante fase da obra.

    REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

    ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 6122

    Projeto e Execução de Fundações (1996). Disponível em:

    https://docente.ifrn.edu.br/valtencirgomes/disciplinas/construcao-de-

    edificios/nbr-06122-1996-projeto-e-execucao-de-fundacoes. Acesso em 12 de

    abril de 2019.

    ABNT. NBR 6502 Rochas e solos (1995). Disponível em:

    https://www.ebah.com.br/content/ABAAAgskgAG/nbr-6502-1995-rochas-solos.

    Acesso em 25 de abril de 2019.

    BRAJA, M. Das. Fundamentos de Engenharia Geotécnica. 7a Edição – Cengage Learning, São Paulo. SP. 2011. BRANCO, P.M. Os solos. (2014). Disponível em: http://www.cprm.gov.br/publique/Redes-Institucionais/Rede-de-Bibliotecas---Rede-Ametista/Canal-Escola/Os-Solos-2620.html. Acesso em 23 de maio de 2019. CAMPOS, I.M. Conheça os três principais tipos de solos: areia, silte e argila. (2018). Disponível em: http://www.forumdaconstrucao.com.br/conteudo. php?a=9&Cod=59. Acesso em 23 de abril de 2019. HRADILEK, Peter et al. Avaliação de pequenas barragens. Brasília: Bureau of Reclamation, United States Department of Interior, 2002. 74 p. il. [Manual de Irrigação, v.6}

  • 23

    MARANGON, M. Geotecnia de fundações. Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora – MG (2018). Disponível em: http://www.ufjf.br/nugeo/files/2009/11/GF03-Par%C3%A2metros-dos-Solos-para-C%C3%A1lculo-de-Funda%C3%A7%C3%B5es.pdf. Acesso em 19 de junho de 2019. MELHADO et al (2002). Fundações. Disponível em: https://www.ebah.com.br/content/ABAAAAAoIAA/fundacoes. Acesso em 26 de abril de 2019. MILITITSKY, Jarbas; CONSOLI, Nilo S.; SCHNAID, Fernando; Patologia das Fundações. 2ª Edição – Oficina de Textos. São Paulo. 2015. NEVES, Célia Maria Martins; FARIA, Obede Borges; ROTONDARO, Rodolfo; CEVALLOS, Patricio S.; HOFFMANN, Márcio Vieira. (2010). Seleção de solos e métodos de controle na construção com terra – práticas de campo. Rede Ibero-americana PROTERRA. Disponível em http://www.redproterra.org. Acessado em 12 de abril de 2019. PEREIRA, Caio. Tipos de Sondagem de Solo. Escola Engenharia, 2015.

    Disponível em: https://www.escolaengenharia.com.br/tipos-de-sondagem/.

    Acesso em: 12 de abril de 2019.

    QUEIROZ, Rudney. C. Geologia e Geotecnia Básica para Engenharia Civil. Rima, São Carlos. SP. 2009. TODA MATERIA. Solo Arenoso. (2018). Disponível em: < https://www.todamateria.com.br/solo-arenoso/ >. Acesso em 08 abril de 2019. TODA MATERIA. Solo Argiloso. (2018). Disponível em: < https://www.todamateria.com.br/solo-argiloso/ >. Acesso em 09 de abril de 2019. TOMAZZOLI et al. Proveniência dos minerais de óxidos de Fe-Ti nas areias da praia do Pântano do Sul, ilha de Santa Catarina (SC), sul do Brasil. Revista Brasileira de Geofísica, Volume 25. São Paulo. (2007). Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-261X2007000500006. Acesso em 13 de junho de 2019. SONDAGENS. Sondagens a Percursão. Disponível em:

    . Acesso em 13 de abril de 2019.

    SOUZA, Eduardo G. Colapso de edifício por ruptura de estacas: estudo das causas e da recuperação. Dissertação de Mestrado: Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Estruturas: Universidade de São Paulo. São Carlos. SP. 2003.