PROVA OBJETIVA - 2013 - Prova 3...  O efeito de humor na situa§£o apresentada decorre do fato

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of PROVA OBJETIVA - 2013 - Prova 3...  O efeito de humor na situa§£o apresentada...

  • 2013

    PROVA OBJETIVA 3 SRIE - ENSINO MDIO

    Dia: 02/08 - Das 14h s 15h40min

    BIOLOGIA / GRAMTICA

  • 1

    1. Os macrfagos e os mastcitos, duas clulas de grande importncia nos mecanismos de defesa, so encontrados no seguinte tecido animal:

    a) epitelial. b) linftico. c) conjuntivo. d) nervoso. e) muscular. Gabarito: C 2. A atividade metablica de cada tecido depende diretamente das trocas feitas com os capilares

    sanguneos. Considerando os diferentes tecidos, assinale aquele que apresenta a menor taxa metablica.

    a) Derme b) Cartilagem. c) Tecido sseo. d) Tecido nervoso. e) Tecido muscular. Gabarito: B 3. O protozorio parasita cujo ciclo de vida est esquematizado a seguir

    a) o plasmdio, transmitido por um mosquito. b) a leishmnia, transmitida por um mosquito. c) o tripanossomo, transmitido pelo barbeiro. d) o esquistossomo, transmitido pelo barbeiro. e) a filria, transmitida por um mosquito. Gabarito: C 4. Dizemos que um determinado gene recessivo quando sua expresso (fentipo) a) s acontece em heterozigose. b) s ocorre quando em dose dupla. c) independe da presena de seu alelo. d) depende de caractersticas congnitas. e) reproduz uma caracterstica provocada pelo ambiente. Gabarito: B 5. A banana no tem sementes porque, na realidade, a) um pseudofruto, ou seja, no um fruto verdadeiro. b) um fruto mltiplo, que no foi polinizado. c) um fruto carnoso, partenocrpico. d) um fruto do tipo drupa. e) a banana no um fruto. Gabarito: C 6. Os tecidos de uma raiz desenvolvem-se a partir a) da coifa. b) da epiderme. c) dos parnquimas.

    d) dos meristemas. e) do sistema vascular primrio.

    Gabarito: D 7. Um determinado parasita causador de doenas na espcie humana aloja-se na glndula salivar do

    hospedeiro transmissor. A seguir, no ciclo de transmisso da doena para o homem, o parasita invade a corrente sangunea, depois o fgado, onde se multiplica, atingindo novamente a corrente sangunea.

    O parasita, o hospedeiro transmissor e a doena so, respectivamente, a) 'Plasmodium vivax' / 'Anopheles' / Malria b) 'Trypanosoma cruzi' / 'Triatoma infestans' / Doena de Chagas c) 'Wuchereria bancrofti' / 'Culex fatigans' / Filariose d) 'Trypanosoma gambiensis' / 'Glossina palpalis' / Doena do sono e) 'Leishmania brasiliensis' / 'Phlebotomus' / Leishmaniose Gabarito: A

    BIOLOGIA

  • 2

    8. Plasmodium falciparum', o principal causador da malria no ser humano. Paralelamente, a revista "Science" publicou a sequncia do genoma do mosquito 'Anopheles gambiae', transmissor do parasito. Ambas as publicaes esto agora disponveis comunidade cientfica, a qual poder acelerar pesquisas que desenvolvam vacinas ou drogas que impeam ou diminuam a transmisso desta doena, que afeta milhes de indivduos por ano.

    No homem, o referido parasito ataca a) leuccitos e fibroblastos. b) ostecitos e leuccitos. c) hemcias e hepatcitos. d) fibroblastos e neurnios. e) plaquetas e hepatcitos. Gabarito: C 9. Dentre as doenas humanas causadas por protozorios, esto a amebase e a giardase. Assinale a

    alternativa que mostra aspectos comuns a essas duas enfermidades. a) Tm como forma de contgio o uso de objetos contaminados. b) So causadas por protozorios do gnero 'Entamoeba'. c) Causam ulceraes graves da pele, principalmente no rosto, nos braos e nas pernas. d) Requerem, como medida preventiva, evitar o uso direto de sanitrios pblicos. e) Apresentam como sintomas: diarreias e leses na parede intestinal. Gabarito: E 10. Considere as afirmativas a seguir, sobre a obteno e armazenamento de energia nos seres vivos. I. Os animais adquirem energia para suas atividades atravs da alimentao. II. Nos vertebrados, parte dos carboidratos ingeridos convertida em glicognio. III. O glicognio armazenado no pncreas e no fgado. IV. O excesso de carboidratos transformado em amido. Esto corretas SOMENTE a) II, III e IV b) I, II e III c) III e IV d) II e IV e) I e II Gabarito: E 11.

    Acudiro. Nhola tinha nsia, tonteira, celerao, corpo largado, no via nada, nem a lampa da candeia. Dei ch de goiabeira. Esperei clare o dia, bandiei o corgo, fui na casa da Delria. A falei: Delria, me prouve um insonso de sal, Nhola t ruim... Delria me pruveu o sal. Eu fiz um engrossado de farinha de milho, Nhola comeu, descansou, miorou e falou: Nunca comi comesinho to bo. Louvado seja Deus.

    GRAMTICA

  • 3

    Nis demos gaitada... A correu mundo que Nhola teve vertige de fraqueza, falta de cum... A casa se encheu de vizinho. Cada um trazendo uma coisa pra nis. At pedao de capado e cuia de sal; caf pilado e acar branco. Nis fiquemo to contente... Nhola dava gaitada... virou uma infncia.

    CORALINA, Cora. Quadrinhos da vida. In: Estrias da casa velha da ponte. 13. ed. So Paulo: Global, 2006. p. 39-40.

    A temtica da pobreza a) abordada de maneira anloga nos dois textos, pois o primeiro sugere ajuda humanitria entre as

    classes sociais, e o segundo explicita um drama de ordem moral. b) tratada de modo igual em ambos os textos, uma vez que os problemas aos quais aludem no so

    minimizados por quaisquer aes governamentais. c) surge associada a um problema de impossvel soluo nos quadrinhos e a uma questo poltico-

    religiosa no excerto literrio. d) surge associada a uma questo poltico-social nos quadrinhos e a um entrave social suavizado pela

    caridade no texto de Cora Coralina. e) no abordada pelo texto. Gabarito: D Resoluo/comentrio: Os dois quadros que compem a charge mostram personagens que pertencem a duas classes distintas: os do primeiro celebram euforicamente o bom desempenho da economia brasileira com a abertura de uma garrafa de champanhe, enquanto que os do segundo ostentam a misria extrema de quem sobrevive dos resduos considerados descartveis e inteis pela sociedade de consumo. No texto de Cora Coralina, assiste-se ao das pessoas que acorrem em auxlio de Nhola, a qual s se recupera de um quadro clnico de desnutrio (vertige de fraqueza, falta de cum) pela interveno generosa dos vizinhos. Assim, correta a opo [D], pois a temtica da pobreza surge associada a uma questo poltico-social nos quadrinhos e a um entrave social suavizado pela caridade no texto de Cora Coralina. 12. Examine a tira.

    O efeito de humor na situao apresentada decorre do fato de a personagem, no segundo quadrinho, considerar que carinho e caro sejam vocbulos a) derivados de um mesmo verbo. b) hbridos. c) derivados de vocbulos distintos. d) cognatos. e) formados por composio. Gabarito: D Resoluo/comentrio: No ltimo quadro, a frase da personagem permite inferir que ela considerou carinho e caro como vocbulos cognatos, ou seja, apresentam um mesmo radical primrio (car), pertencendo a uma mesma famlia de significao: carinho apresenta noo de semntica de afeto, e caro, o que querido, estimado. Assim, correta a opo [D]. 13.

    Troque o verbo ou feche a boca Rita Lee cantava uma msica que dizia "o resto que se exploda, feito Bomba H". Ser que na lngua culta existe "exploda"? Explodir verbo defectivo, ou seja, no tem conjugao completa. No presente do indicativo, deve-se conjug-lo a partir da segunda pessoa do singular (tu explodes, ele explode etc.). Muita gente no sabe da existncia dos defectivos e os "conjuga" em todas as pessoas.

    (Pasquale Cipro Neto, http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1996/10/10/fovest/8.html)

    A alternativa que exemplifica o que foi expresso no ltimo perodo : a) Houveram dificuldades na resoluo da questo. b) Ficaremos felizes se vocs mantiverem a calma. c) preciso fazer contas para que a prestao caiba no oramento. d) Empresrio reav judicialmente a posse de seu imvel. e) Polcia deteu quase 60 torcedores nas imediaes do Morumbi.

  • 4

    Gabarito: D Resoluo/comentrio: A nica opo que apresenta frase com desvio gramatical por conjugao indevida

    de verbo defectivo [D], j que o verbo reaver tem conjugao semelhante a do verbo haver, mas sem as

    pessoas em que falta a letra v. Em [A] e [E], existem infraes s normas gramaticais, de concordncia e

    de conjugao verbal, respectivamente: o verbo haver, no sentido de existir, impessoal, por isso deve

    permanecer no singular (houve) e a terceira pessoa do singular do pretrito perfeito do verbo deter deteve

    e no deteu. As opes [B] e [C] apresentam frases perfeitamente corretas.

    14.

    O poder da vrgula

    Numa prova de portugus do ensino fundamental, ante a pergunta sobre qual era a funo do

    apstrofo, um aluno respondeu: "Apstrofos so os amigos de Jesus, que se juntaram naquela jantinha que

    o Leonardo fotografou".

    A frase, alm de alertar sobre os avanos que precisamos na excelncia da educao, didtica

    quanto aos cuidados no uso da lngua portuguesa, preciosidade que herdamos dos lusos, do galego e

    do latim.

    O erro gritante que o aluno cometeu ao confundir dois termos com sonoridade parecida foi agravado

    com a colocao da vrgula depois de "amigos de Jesus". (Josu Gomes da Silva, Folha de S. Paulo, 02/09/2012)

    A respeito da falha de pontuao cometida pelo aluno, correto afirmar que o emprego da vrgula

    a) revela o carter restritivo da expresso antecedente, indicando uma pausa desnecessria.

    b) permite subentender que os apstolos mencionados no eram os verdadeiros amigos de Jesus.

    c) produz uma informao incoerente, pois indica que os apstolos eram os nicos amigos de Jesus.

    d) expressa desrespeito figura religiosa, pois o aposto est associado a necessidades mundanas.

    e) provoca uma ambiguidade, pois o pronome relativo pode se