Click here to load reader

Futurismo marinetti

  • View
    2.772

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Apresentação sobre FuturismoAula de Comunicação, Cultura e ArteUniso - 02/04/12

Text of Futurismo marinetti

  • 1. Vanguarda Europia e Modernismo BrasileiroGilberto M. Telles

2. FUTURISMO Movimento artstico eliterrio Filippo Marinetti Publicao doManifesto Futuristaem 1909 3. Principais referncias Decadentes e simbolistas (precursores)Walt Whitman, Emilie Zola, Paul Adam Gicomo Balla, Apollinaire, Benedetto Croce DAlmeida Prado, Oswald DAndrade, AnitaMalfatti Khlebnikov e Maiakovski (Rssia) 4. Manifestos e obras de arte Liberdade para as palavras Mudana na tipografia erenovao das letras italianas Onomatopeias Tactilismo (comunicaoespiritual atravs daepiderme) 5. Fases do Futurismo 1905 a 1909 verso livre 1909 1914 manifestos e palavras emliberdade 1919 fundao do Fascismo (porta-vozoficial do partido) 6. Intensificai ascomunicaes e as fusesdos seres humanos. Destruas distncias e as barreirasque os separam no amor ena amizade. Dai plenitude ea beleza total a estas duasmanifestaes essenciais davida: o Amor e a AmizadeMarinetti 7. Culto da mquina e da velocidade Destruio do passado e da expresso literria(sintaxe) Beleza da velocidade Cubismo na FranaAs grandes multidesagitadas pelo trabalho,pelo prazer e pelarevolta. 8. Vamos meus amigos! disse eu. Partamos! Enfima Mitologia e o Ideal mstico esto ultrapassados.Vamos assistir ao nascimento do Centauro e veremos logo voarem os primeiros Anjos!Marinetti 9. Manifesto do Futurismo 1. Ns queremos cantar o amor ao perigo, o hbito da energiae da temeridade. 2. A coragem, a audcia, a rebelio sero elementosessenciais de nossa poesia. 3. A literatura exaltou at hoje a imobilidade pensativa, oxtase, o sono. Ns queremos exaltar o movimento agressivo,a insnia febril, o passo de corrida, o salto mortal, o bofeto eo soco. 4. Ns afirmamos que a magnificncia do mundo seenriqueceu de uma beleza nova: a beleza da velocidade. Umautomvel de corrida com o seu cofre enfeitado com tubosgrossos, semelhantes a serpentes de hlito explosivo umautomvel rugidor, que parece correr sobre a metralha, mais bonito que a Vitria de Samotrcia. 10. 5. Ns queremos glorificar o homem que segura o volante,cuja haste ideal atravessa a Terra, lanada tambm numacorrida sobre o circuito da sua rbita. 6. preciso que o poeta prodigalize com ardor, esforo eliberdade, para aumentar o entusistico fervor dos elementosprimordiais. 7. No h mais beleza, a no ser na luta. Nenhuma obra queno tenha um carcter agressivo pode ser uma obra-prima. Apoesia deve ser concebida como um violento assalto contraas foras desconhecidas, para obrig-las a prostrar-se diantedo homem. 11. 8. Ns estamos no promontrio extremo dos sculos! Porque haveramos de olhar para trs, se queremos arrombar asmisteriosas portas do Impossvel? O Tempo e o Espaomorreram ontem. J estamos vivendo no absoluto, pois jcriamos a eterna velocidade omnipotente. 9. Queremos glorificar a guerra nica higiene do mundo , omilitarismo, o patriotismo, o gesto destruidor dos libertrios,as belas ideias pelas quais se morre e o desprezo pela mulher. 10. Queremos destruir os museus, as bibliotecas, asacademias de toda a natureza, e combater o moralismo, ofeminismo e toda a vileza oportunista e utilitria. 12. 11.Cantaremos as grandes multides agitadas pelo trabalho,pelo prazer ou pela sublevao; cantaremos as marsmulticores e polifnicas das revolues nas capitaismodernas; cantaremos o vibrante fervor nocturno dosarsenais e dos estaleiros incendiados por violentas lutaselctricas; as estaes esganadas, devoradoras de serpentesque fumam; as fbricas penduradas nas nuvens pelos fioscontorcidos de suas fumaas; as pontes, semelhantes aginastas gigantes que cavalgam os rios, faiscantes ao sol comum luzir de facas; os pirscafos aventurosos que farejam ohorizonte, as locomotivas de largo peito, que pateiam sobreos trilhos, como enormes cavalos de ao enleados de carros; eo voo rasante dos avies, cuja hlice freme ao vento, comouma bandeira, e parece aplaudir como uma multidoentusiasta. 13. Manifesto Tcnico da LiteraturaFuturista Publicado em 1912Alguns trechos: preciso destruir a sintaxe, dispondo os substantivos aoacaso, como nascem. Deve-se usar o verbo no infinito () Deve-se abolir o adjetivo para que o substantivo desnudoconserve a sua cor essencial. O adjetivo incompatvel comnossa viso dinmica uma vez que supe uma parada, umameditao. Deve-se abolir o advrbio () 14. Cada substantivo deve ter o seu duplo. Exemplo: homem-torpedeiro, mulher-golfo, multido-ressaca, praa-funil Abolir tambm a pontuao () A poesia deve ser uma sequncia ininterrupta de imagensnovas () Destruir na literatura o eu Faamos corajosamente o feio em literatura e matemos dequalquer maneira a solenidade.

Search related