Eucaliptos Gerson

  • View
    21

  • Download
    6

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Monocultura do eucalipto

Text of Eucaliptos Gerson

OS EUCALIPTOS NO BRASIL E NO VALE DO PARABA PAULISTA

A HISTRIA AMBIENTAL DOS EUCALIPTOS: AUSTRLIA, BRASIL E VALE DO PARABA PAULISTA

____________________________________________________________________________Prof. Msc. Gerson de Freitas Junior

Universidade de Taubat UNITAU & Faculdade de Tecnologia do Estado de So Paulo FATEC (Campus de Jacare).

gerson.freitas.junior@gmail.com

INTRODUO

OS EUCALIPTOS NA AUSTRLIA (aspectos geogrficos e ecolgicos)

Kookaburra sits in the old gum tree,

Eating all the gum drops he can see,

Stop, Kookaburra stop, Kookaburra,

Save some of those for me.

Este trabalho teve a colaborao inestimvel do permacultor Michael Corcorane, australiano de Brisbane e atualmente morador do municpio de Piquete-SP, Vale do Paraba paulista, que colaborou diretamente com informaes sobre os eucaliptos na Austrlia.

Figura 1. Kookaburra em floresta de eucaliptos.

A palavra Eucalipto (do grego, eu + ) significa verdadeira cobertura, e isso que as florestas de eucalipto significam para as paisagens Australianas. Contudo, o nome est relacionado estrutura protetora dos estames, conforme consta no site do Departamento de Agricultura, Pesca e Silvicultura do Governo Australiano DAFF (Department of Agriculture, Fisheries and Forestry).

Embora no seja exclusivo da Austrlia (seu centro de origem), pois ocorre naturalmente tambm na Nova Guin e na Indonsia (conforme fig. 2), foi nesta ilha que o gnero Eucalyptus desenvolveu a maior variedade de espcies (aproximadamente seiscentas) e formas de adaptao s diferentes condies geoecolgicas locais, resultado do processo de isolamento geogrfico insular.

De acordo com o DAFF, h onze tipos de florestas de eucaliptos, caracterizadas por espcies dominantes e pela estrutura, que pode ser aberta, fechada, mista e de outros tipos, ocupando 116 milhes de hectares no territrio australiano.

Figura 2. Distribuio natural do gnero Eucalyptus pelo globo (em verde).

As florestas de eucaliptos tambm so o habitat principal de muitos animais endmicos da Austrlia, entre os quais se destaca o coala (koala), Phascolarctos cinereus, cuja sobrevivncia depende diretamente da conservao das florestas de eucaliptos, pois a folha seu alimento bsico, e cuja distribuio natural est relacionada s florestas de eucaliptos, conforme fig. 3.

Figura 3. Distribuio natural dos coalas.Embora a biodiversidade das florestas nativas de eucaliptos no seja comparvel quela das florestas pluviais que ocorrem no Brasil (principalmente daquelas que cobriam praticamente toda a regio do Vale do Paraba paulista), em sua rea de ocorrncia natural h uma diversidade faunstica considervel, podendo ser encontrados muitos marsupiais, rpteis (principalmente cobras e lagartos), aves e outros animais.

Na grande ilha austral, os eucaliptos so o tipo de vegetao arbrea predominante, formando florestas heterogneas, com diferentes fisionomias e padres de distribuio, ocorrendo em uma faixa latitudinal de grande extenso, entre 7N at 4339S (LIMA, 1996, pg. 25). Mesmo quando apresentam certa homogeneidade e baixa biodiversidade em relao s florestas pluviais tropicais do Brasil, as florestas de eucaliptos nativas so muito diferentes dos cultivos de eucaliptos para fins comerciais.

Como afirma o professor Walter de Paula Lima (1996, p. 18), um dos maiores especialistas sobre o assunto, as condies em florestas naturais e plantaes florestais so diferentes. Na natureza, os eucaliptos atingem idades avanadas, assim como ocorre no Horto de Rio Claro-SP, com exigncias biolgicas de gua e nutrientes diferentes dos espcimes de cultivos comerciais, que, por serem jovens, tm grande exigncia de gua e nutrientes.

H florestas adaptadas a diferentes condies de solos, relevo (embora a mdia altitudinal australiana seja por volta dos 210 metros), ndices de precipitao, alm de eucaliptos de dimenses extraordinrias, alcanando mais de cem metros de altura, at eucaliptos diminutos, de fisionomia arbustiva, embora, em geral, estejam adaptados a solos que baixa disponibilidade de nutrientes e a chuvas de distribuio irregular. De acordo com Leo (2000, pg. 39), citando Shimper (1903), as florestas do gnero Eucalyptus so classificadas como latifoliadas temperadas ou subtropicais.

Formam mosaicos florestais, com faixas de transio (ectonos) entre as formaes, ora abruptas, ora graduais. Ocorrem em toda ilha, com destaque para a costa leste e as regies nordeste e sudeste, onde h grande concentrao e variedade de espcies (80% dos eucaliptos esto na regio Sudeste do pas), sendo interrompidos na regio central e no centro-oeste, em trechos significativos do Grande Deserto Outback (conforme fig. 4).

Algumas espcies, como, por exemplo, o E. grandis, que ocorre na costa leste australiana, zona de clima mido subtropical, se adaptou muito bem s condies geoecolgicas do Brasil.

(...) consideremos uma rea que se estende ao topo de uma colina at uma plancie, contendo 4 a 5 espcies. O E. robusta ocorre na baixada, em solos midos, hidromrficos; um pouco acima, em solos um pouco mais bem drenados, aparece o E. tereticornis; a medida que se sobe, aparecem o E. grandis e mais acima o E. saligna (PRYOR, 1971, pg. 56).

As espcies de interesse para o Brasil se distribuem na costa leste e nas ilhas ao norte da Austrlia (PRYOR, 1971, pg. 53).

Figura 4. Distribuio dos eucaliptos na Austrlia.

O E. saligna e o E. grandis (e o hbrido E. urograndis) so duas espcies com amplo cultivo no Brasil, principalmente nas terras altas da morraria e serranias do Vale do Paraba paulista e reas prximas, com clima tropical e alta pluviosidade. Alm disso, ainda o utilizado na regio paulista, o hbrido de E. camaldulensis e E. grandis.Embora o gnero apresente essa ampla distribuio no territrio australiano, algumas espcies ocorrem de forma mais restrita, enquanto outras possuem reas de ocorrncia mais extensa. As florestas de eucaliptos nativas esto sujeitas a ameaas muito semelhantes s que ocorrem com as florestas nativas do Brasil.

Alm do corte, que uma atividade tradicional para o uso da madeira, praticada desde o incio da colonizao, e das derrubadas para dar espao s pastagens, os incndios devido a perodos de seca, alm daqueles causados pelo uso indevido do fogo, so os principais problemas enfrentados pelos eucaliptos em reas naturais, fazendo com que muitas espcies de eucaliptos estejam em extino na Austrlia. Embora muitas espcies de eucaliptos tenham desenvolvido estratgias evolutivas de adaptao ocorrncia de fogo.

Assim como no Brasil, as autoridades da Austrlia tm criado Unidades de Conservao para proteger as florestas nativas e, logo, os ambientes e animais relacionados a elas, pois, no caso daquele pas, os eucaliptos so fundamentais para a conservao dos solos, da biodiversidade animal e dos recursos hdricos.Adaptados a praticamente a todas as condies climticas (fig. 5), os eucaliptos caracterizam a paisagem da Oceania de uma forma que no comparvel a qualquer outra espcie, noutro continente. Ocupando aproximadamente 13,6% do territrio australiano, ou 106 milhes de hectares (LIMA, 1984, pg. 11).

Figura 5. Climas da Austrlia.

De acordo com o permacultor Michael Corcorane, os solos da Austrlia so, em geral, pobres e secos, apresentando baixa disponibilidade de nutrientes. Esse um dos motivos pelos quais os australianos desenvolveram intensamente a permacultura e a jardinagem, pois precisam utilizar tcnicas produtivas que compensem a baixa disponibilidade hdrica e os solos bastante restritos agricultura.

Sendo assim, pode-se reafirmar a adaptao da maior diversidade de espcies de eucaliptos a condies pouco favorveis em relao disponibilidade de gua e nutrientes, bem como em relao ao clima, evidenciando-se a versatilidade do gnero quanto distribuio geogrfica.A CRTICA SOBRE OS EUCALIPTOS NO BRASIL

Nas pginas seguintes buscou-se refutar algumas informaes incompletas ou equivocadas sobre os eucaliptos, que so muito comuns no Brasil, pois crticas baseadas nestas informaes acabam sendo rapidamente derrubadas, mesmo quando esto relacionadas a reivindicaes sociais legtimas.

Alm disso, em muitas tradues, os eucaliptos, chamados na Austrlia de gum tree (literalmente rvore de goma), devido resina produzida pelas rvores, so designados erroneamente como seringueiras, o que tem influenciado negativamente na interpretao de textos sobre a espcie.

O Eucalipto uma rvore originria de regies midas da Austrlia (VIA CAMPESINA, 2006, pg. 6).

Em seu habitat de origem [do eucalipto] existe gua em abundncia, por isso ele est bem adaptado naquele meio onde a natureza o gerou (VIA CAMPESINA, 2006, pg. 6).

Nas citaes acima, encontram-se exemplos destes erros sobre caractersticas ecolgicas dos eucaliptos nos habitats naturais. Utilizando-se a fig. 5 como base e relacionando-a as fig. 6 a 9, pode-se afirmar que a maior parte do clima da Austrlia formada por zonas ridas e semi-ridas, nas quais tambm ocorrem eucaliptos, no sendo, portanto, regies midas. Figuras 6 e 7. Distribuio natural do Eucalyptus grandis e do Eucalyptus macrorhyncha.

Figuras 8 e 9. Distribuio natural de E. dumosa (vermelho), melliodora e blakelyi (verde).

Como exemplo pode-se citar o Eucalyptus dumosa, o Eucayiptus melliodora e o Eucalyptus blakelyi, espcies que ocorrem em zonas de clima rido, semirido e em zonas de transio entre climas mais secos e clima subtropical de seco a mido com influncia ocenica (conforme fig. 6-9).Embora a maior densidade de florestas de eucaliptos na Austrlia esteja nas reas com maior disponibilidade hdrica, prximas costa, nas quais ocorre E. grandis, por exemplo, no correto afirmar que ele originrio exclusivamente de regies midas daquele pas, conforme LIMA (1984, p. 11).Como visto neste item, os eucaliptos, em sua rea de