ARMAZENAMENTO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS EM LABORATÓRIOS

  • View
    724

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of ARMAZENAMENTO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS EM LABORATÓRIOS

ARMAZENAMENTO DE SUBSTNCIAS QUMICAS EM LABORATRIOS

1. OBJETIVODar orientaes bsicas sobre os aspectos de segurana envolvidos no armazenamento de produtos qumicos em laboratrio, incluindo cilindros de gases. Devido diversidade de laboratrios existentes no CENPES, esse padro no especifica uma metodologia de rotulagem ou sinalizao de risco comum a todos os laboratrios. As informaes descritas podem ser aplicadas a qualquer tipo de metodologia de acordo com as especificidades de cada gerncia. 2. APLICAO Este padro se aplica a todas as Unidades Organizacionais do CENPES que possuem laboratrios. 3. DOCUMENTOS DE REFERNCIA 3.1. Legislao Portaria 3214, de 08/06/78, NR 20 - Lquidos combustveis e inflamveis 3.2. ABNT NB 98 - Armazenamento e Manuseio de Lquidos Inflamveis e Combustveis 3.3. PETROBRAS N-2549 N-2790 N-2675 N-2540 3.4. CENPES Padro PP-1CA-00025 - Plano Gestor de Resduos. - Segurana em Laboratrio Qumico - Segurana em Laboratrios No Qumicos - Segurana em Projeto de Laboratrios - Rotulagem para Uso em Laboratrio

Padro PE-1CA-00034 - Programa de Coleta Seletiva Padro PE-1CA-00056 - Descarte de Resduos Qumicos 4. DEFINIES E SIGLAS 4.1. Definies Lquidos inflamveis Esta categoria engloba por definio: lquidos, mistura de lquidos ou lquidos contendo slidos em soluo ou em suspenso, que produzem vapores inflamveis a temperaturas de at 60,5 C em teste de vaso fechado. Via de regra, as substncias inflamveis so de origem orgnica, como por exemplo hidrocarbonetos, lcoois, aldedos e cetonas, entre outros. Ponto de Fulgor (Flash Point) --- a menor temperatura na qual uma substncia libera vapores em quantidades suficientes para que a mistura de vapor e ar logo acima de sua superfcie propague uma chama, a partir do contato com uma fonte de ignio. Limites de Inflamabilidade ---Para um gs ou vapor inflamvel queimar necessria que exista, alm da fonte de ignio, uma mistura chamada "ideal" entre o ar atmosfrico (oxignio) e o gs combustvel. A quantidade de oxignio no ar praticamente constante, em torno de 21 % em volume. J a quantidade de gs combustvel necessrio para a queima, varia para cada produto e est dimensionada atravs de duas constantes : o Limite Inferior de Inflamabilidade (ou explosividade) (LII) e o Limite Superior de Inflamabilidade (LSI). O LII a mnima concentrao de gs que, misturada ao ar atmosfrico, capaz de provocar a combusto do produto, a partir do contato com uma fonte de ignio. Concentraes de gs abaixo do LII no so combustveis pois, nesta condio, tem-se excesso de oxignio e pequena quantidade do produto para a queima. Esta condio chamada de "mistura pobre". J o LSI a mxima concentrao de gs que misturada ao ar atmosfrico capaz de provocar a combusto do produto, a partir de uma fonte de ignio. Concentraes de gs acima do LSI no so combustveis pois, nesta condio, tem-se excesso de produto e pequena quantidade de oxignio para que a combusto ocorra, a chamada "mistura rica". Pode-se ento concluir que os gases ou vapores combustveis s queimam quando sua percentagem em volume estiver entre os limites (inferior e superior) de inflamabilidade, que a "mistura ideal" para a combusto.

Liqudos criognicos Esse tipo de gs para ser liquefeito deve ser refrigerado a temperatura inferior a -150 C. Alguns exemplos destes gases encontram-se abaixo: Exemplos de gases criognicos e suas respectivas temperaturas de ebulio

SubstnciaTemperatura de ebulio (C) Hidrognio Oxignio Nitrognio-253,0 -183,0 -193,0 Substncias txicas So substncias capazes de provocar a morte ou danos sade humana se ingeridas, inaladas ou por contato com a pele, mesmo em pequenas quantidades. Substncias corrosivas So substncias que apresentam uma severa taxa de corroso ao ao. Evidentemente, tais materiais so capazes de provocar danos tambm aos tecidos humanos. Basicamente existem dois principais grupos de materiais que apresentam essa propriedade e so conhecidos por cidos e bases. Acidos so substncias que em contato com a gua liberam ons H+, provocando alteraes de pH para a faixa de 0 (zero) a 7 (sete). As bases so substncias que em contato com a gua, liberam ons OH-, provocando alteraes de pH para a faixa de 7 (sete) a 14 (quatorze). Como exemplo pode-se citar o cido sulfrico, cido clordrico, cido ntrico, hidrxido de sdio e hidrxido de potssio, entre outros. O contato desses produtos com a pele e os olhos pode causar severas queimaduras, motivo pelo qual devero ser utilizados equipamentos de proteo individual compatveis com o produto envolvido. 4.2. Siglas

ABNT

- Associao Brasileira de Normas Tcnicas

ANTT - Agncia nacional de Transportes Terrestres CONTEC- Comisso de Normatizao Tcnica MSDS - Material Safety Data Sheet MTE - Ministrio do Trabalho e Emprego NBR - Norma Tcnica SINPEP - Sistema Integrado de Padroniao Eletrnica da Petrobras UO - Unidade organizacional As abreviaturas referentes s Unidades Organizacionais do CENPES encontramse descritas no SINPEP / Administrao do SINPEP / rgos. (5) 5. RESPONSABILIDADE E AUTORIDADE Atividade Responsabilidade Solicitao, recebimento e guarda Supervisor e/ou de produtos qumicos no laboratrio tcnico qumico Avaliao da quantidade de Supervisor e/ou produtos qumicos armazenados tcnico qumico laboratrio Superviso da guarda dos produtos Tcnico do Laboratrio quanto incompatibilidade , integridade dos rtulos e manuteno das embalagens 6. INTRODUO A incompatibilidade entre produtos qumicos constitui um dos principais assuntos inerentes s atividades de laboratrio. Sendo assim, para que haja um armazenamento seguro, deve-se, antes de tudo, conhecer suas caractersticas e tentar organiz-los em grupos ou famlias de mesmo risco ou propriedades qumicas. Um dos problemas mais freqentes nos laboratrio consiste no armazenamento equivocado de substncias qumicas por ordem alfabtica, formando uma potencial "mistura fatal". Embora seja compreenssvel a inteno de facilitar a organizao do laboratrio, essa prtica leva a deixar prximos reagentes que so incompatveis quimicamente, o que pode causar srios acidentes: incndios, exploses, fumaa txica, etc. No entanto, a incompatibilidade est presente tambm sob outras formas, como por exemplo, em relao aos materiais utilizados na confeco de armrios e Autoridade Gerente da UO Gerente da UO

Supervisor e/ou responsvel pelo laboratrio

estantes ou em relao s condies locais de armazenamento: umidade, temperatura, etc. Muitas substncias quando entram em contato com materiais incompatveis reagem violentamente causando acidentes de grandes propores. o caso do cido perclrico em contato com papel ou madeira ou do oxignio em contato com graxa, assim como os produtos pirofricos em contato com o ar. No caso dos cilindros de gases, deve-se considerar o tipo de gs e o material usado na tubulao, vlvulas e outras partes. O acetileno incompatvel com cobre. Esses so alguns exemplos de tipos de incompatibilidade que devem ser consideradas tambm. Alm dos cuidados com o armazenamento de produtos qumicos, fundamental que, na etapa de projeto do laboratrio, as condies bsicas sejam atendidas em termos de layout, ventilao e sistemas de exausto, uso e avaliao de desempenho de capelas laboratrio, escolha do piso e materiais adequados, dimensionamento das reas de armazenamento e sistemas de segurana apropriados. 6.1 Recomendaes Gerais imprescindvel que todas as pessoas do laboratrio sejam informadas quanto aos riscos dos produtos qumicos que manuseiam ou aos quais esto expostas. Os supervisores de laboratrio devem implantar sistemtica de monitoramento permanente atravs de inspees rotineiras nos locais de armazenamento de produtos qumicos para verificao das condies de armazenamento dos produtos, integridade dos rtulos e manuteno das embalagens e as datas de validade dos mesmos. No caso de cilindros, observar a data do ltimo teste hidrosttico. Nota: A validade dos testes hidrostticos varia de acordo com o fabricante. Dessa forma, importante elaborar uma tabela com as datas de vencimento de cada cilindro. As Fichas de Informaes de Segurana de Produtos Qumicos (FISPQ`s ou MSDS`s - em ingls) devem estar disponveis para consulta em locais de fcil acesso. Atentar para a necessidade de traduo de fichas estrangeiras. Nota: Conforme a Norma CONTEC N-2549, todo laboratrio qumico deve manter, em meio fsico, as Fichas de Informao de Segurana dos Produtos Qumicos utilizados, preenchidas conforme Norma NBR 14725, independente da existncia desta informao em meio eletrnico. Sites para consulta sobre MSDS (Material Safety Data Sheet)

http://ecdin.etomep.net/ http://msds.pdc.cornell.edu/msds/hazcom/ http://www.ilpi.com/msds/index.chtml/ As fichas de informao devem sempre acompanhar os produtos. obrigao do fornecedor. No recebimento do produto, o tcnico do laboratrio deve solicitar a cpia da mesma. Os supervisores e tcnicos de laboratrios devem manter atualizado(s) o(s) inventrio(s) de produtos dos laboratrios com, no mnimo, as informaes sobre o nome do produto e local de armazenamento. Todos os membros da fora de trabalho que tenham ou possam vir a ter atividades no laboratrio que envolvam o contato com produtos qumicos nele armazenados, devem receber treinamento quanto ao armazenamento correto dos mesmos, precaues que devem ser tomadas no manuseio e as conseqncias/tratamentos no caso de acidentes; Caso sejam identificadas substncias deterioradas, fora do prazo de validade ou sem utilidade para o laboratrio, os mesmos devem ser descartados, conforme definido no Padro PE-1CA-00056 Descarte de Resduos Qumicos. No caso de embalagens vazias, seguir o padro PE-1CA-00034 -Coleta Seletiva. Devem ser utilizados os EPI's apropriados ao trabalho e s caractersticas qumicas dos produtos que sero manuseados, de acordo com o padro PP-1CA00046 - Gerenciamento de Equipamentos de Proteo Individual. Substncias que apresentarem ainda condies de uso e que estiverem prximas da data de vencimento devem ser disponibilizadas a tempo para que possam ser utilizadas, evitando o desperd

Search related