Click here to load reader

Apostila-Identificacao de Madeiras

  • View
    206

  • Download
    3

Embed Size (px)

Text of Apostila-Identificacao de Madeiras

IDENTIFICAO MACROSCPICA DE MADEIRAS

Geraldo Jos Zenid Gregrio C. T. Ceccantini

Laboratrio de Madeira e Produtos Derivados Centro de Tecnologia de Recursos Florestais Instituto de Pesquisas Tecnolgicas do Estado de So Paulo - IPT Setembro de 2007

1IPT - Identificao Macroscpica de Madeiras Setembro de 2007

1 IntroduoDesde o princpio de sua histria, o homem busca ordenar os diversos organismos vivos no sentido de formar grupos com finalidade prtica e econmica. Assim, estabeleceu-se um conhecimento sobre grupos de vegetais que poderiam servir como alimento, medicamentos, material para construo de habitaes, obteno de energia etc. Do ponto de vista biolgico a classificao essencial. Os diversos cientistas que trabalham com plantas necessitam de um sistema de referncia para as mesmas, pois ligado a um nome existe uma srie de indivduos com caractersticas em comum. Quando um botnico, um eclogo ou um engenheiro florestal identifica uma rvore como sendo, por exemplo, Swietenia macrophylla King., o significado bsico dessa identificao de que, salvo erros e pequenas variaes, esta rvore a exemplo de outras rvores referidas como Swietenia macrophylla, em qualquer parte do mundo onde possam estar crescendo, sejam essencialmente semelhantes entre si, tanto em aspectos morfolgicos, como fisiolgicos, bioqumicos etc. Essa caracterstica da classificao biolgica pode ser denominada previsibilidade. Seu significado implica que um grupo de plantas reunidas numa categoria, por possurem caractersticas comuns, quando uma determinada caracterstica, no utilizada para criar essa categoria, for encontrada para um certo membro do grupo, haver uma grande possibilidade que os outros membros do grupo a possuam. Em tecnologia de madeiras, a identificao botnica da madeira permite o acesso s suas propriedades, geralmente disponveis em livros ou banco de dados, o que propicia um melhor conhecimento e aplicao do material. Dessa forma, a utilizao adequada das espcies de madeira depende de procedimentos que garantam a identificao das mesmas, quer seja como rvores, toras ou madeira serrada. Adicionalmente, pode-se dizer que a identificao til para o comrcio, onde propicia meios para se detectar enganos e fraudes. A identificao de um vegetal arbreo, matria-prima para a produo de madeira serrada, pode ser realizada, evidentemente com nveis de confiabilidade diferentes, atravs de processos cientficos ou de prticas populares.

2IPT - Identificao Macroscpica de Madeiras Setembro de 2007

2 Identificao de madeiras2.1 Identificao cientficaA classificao de uma rvore, matria-prima para a produo de madeira serrada, realizada considerando principalmente os seus rgos reprodutores (flores e frutos), como tambm outras caractersticas morfolgicas da rvore (casca, folhas etc.). A identificao de uma rvore depende, portanto, da disponibilidade dessas caractersticas morfolgicas. Ocorre que a presena dos rgos reprodutores da rvore efmera, o que dificulta, por exemplo, a sua identificao nos trabalhos de inventrio florestal. No processo de extrao e de transformao da rvore em madeira serrada, obviamente, as caractersticas morfolgicas do vegetal, necessrias para a identificao, so eliminadas. nesse contexto que anatomia de madeiras tem demonstrado ser uma excelente ferramenta alternativa para se obter uma identificao cientfica de uma madeira ou rvore, com bom grau de confiabilidade. A anatomia de madeiras tem sua origem assinalada no sculo XVI, com os estudos de Cordus e Caesalpino. No sculo seguinte so desenvolvidos alguns trabalhos por Leewnhoek e Duhanel. J no sculo XIX, encontramos os trabalhos realizados por Auguste Mathieu e Hermann Hodlinger, que so considerados os verdadeiros precursores desse ramo da anatomia vegetal (Chimelo, 1992). No final do sculo passado e nas primeiras dcadas deste, a anatomia de madeiras foi impulsionada pelo aperfeioamento do microscpio ptico e pela necessidade de identificao das madeiras cuja caracterizao tecnolgica (propriedades fsicas e mecnicas) vinha sendo realizada pelos laboratrios das escolas de engenharia e por institutos afins (Pereira, 1933; Chimelo, 1992). No Brasil, os primeiros estudos de anatomia de madeiras remontam a dcada de 20, no Jardim Botnico do Rio de Janeiro e no Laboratrio de Ensaios de Materiais da Escola Politcnica de So Paulo, hoje Instituto de Pesquisas Tecnolgicas do Estado de So Paulo - IPT (Chimelo, 1992). Atualmente o Pas dispe de vrios laboratrios de anatomia de madeiras, espalhados por diversos estados, que realizam diversos estudos relacionados ao assunto, inclusive com servio de identificao de madeiras. Nos estudos anatmicos de identificao de madeiras so utilizadas duas abordagens distintas, a macroscpica e a microscpica. Na identificao macroscpica so observadas caractersticas que requerem pouco ou nenhum aumento. Tais caractersticas so reunidas em dois grupos: as organolpticas e as anatmicas. As caractersticas organolpticas ou sensoriais englobam: cor, brilho, odor, gosto, gr, textura, densidade, dureza e desenhos. As caractersticas anatmicas, como camadas de crescimento, tipos de parnquima, poros (vasos) e raios; so observadas vista desarmada ou com auxlio de uma lupa de 10 vezes de aumento. Em conjunto, as observaes dessas caractersticas permitem identificar muitas das espcies comercializadas no Pas.

3IPT - Identificao Macroscpica de Madeiras Setembro de 2007

J na identificao microscpica so observadas as caractersticas dos tecidos (muito freqentemente j definidas no exame macroscpico) e das clulas constituintes do lenho, que no so distintas sem o uso de microscpio, tais como: tipos de pontoaes, ornamentaes da parede celular, composio celular dos raios, dimenses celulares, presena de cristais etc. O uso de um processo ou outro, ou o uso simultneo, depende da habilidade e treinamento do observador. Porm, para ambos tipos de identificao, de fundamental importncia que o observador disponha de uma coleo de madeiras, cujos exemplares sejam rastreveis s amostras-padro disponveis em laboratrios especializados. Nestes, na medida do possvel, as amostras devem provir de rvores identificadas botanicamente (com rastreabilidade) ou, ao menos, que tenham sido identificadas anatomicamente por um laboratrio idneo. A multiplicidade de espcies existentes faz da identificao anatmica de madeiras uma tarefa relativamente complicada. Na tentativa de diminuir as dificuldades, os anatomistas de madeira procuraram desenvolver mtodos auxiliares como: a publicao de manuais ilustrados, as chaves dicotmicas, os cartesperfurados e os bancos de dados eletrnicos. Alm dos estudos anatmicos do lenho, alguns trabalhos tm demonstrado a utilidade do estudo anatmico da casca na identificao de rvores e de madeiras. Esta tcnica demonstrou ser eficaz na diferenciao de 25 espcies de eucalipto plantadas no estado de So Paulo (Alfonso, 1987). Finalmente, cabe mencionar alguns mtodos no anatmicos que podem auxiliar na identificao de madeiras como: fluorescncia do extrato aquoso ou etlico, testes com cromoazurol e de saponina, e a espectroscopia do infravermelho prximo (NIR).

2.2 Identificao por prticas popularesA identificao de madeiras por prticas populares realizada levando em conta somente as caractersticas organolpticas. Por serem variveis e tambm devido semelhana das mesmas em diferentes madeiras, estas caractersticas, em muitos casos, no levam identificao correta da madeira, no devendo ser utilizadas separadas das anatmicas. Exemplo disso, a anlise dos resultados de identificao de madeiras amaznicas realizada pelo IBDF (1985), onde se verificou, que muitas madeiras foram identificadas erroneamente, por produtores ou consumidores, pelo fato delas apresentarem cor e densidade de massa semelhantes. Outra forma de se identificar madeira, infelizmente muito utilizada no meio tcnico, a busca na literatura do nome cientfico correspondente a um determinado nome popular. Como este muito varivel, freqentemente ocorrem erros, que podem at afetar a viabilidade de um empreendimento.

2.3 RecomendaesFace ao exposto, recomendvel que o consumidor ao escolher e ao adquirir madeira serrada adote os seguintes procedimentos: escolher a madeira correta para o uso pretendido, considerando quais so as propriedades e os respectivos nveis requeridos para que a madeira

4IPT - Identificao Macroscpica de Madeiras Setembro de 2007

possa ter um desempenho satisfatrio. Neste processo utilizar publicaes tcnicas, tais como, o livro Fichas de Caractersticas das Madeiras Brasileiras do IPT, ou site, www.ipt.br/areas/ctfloresta/lmpd/madeiras/; feita a escolha, usar o nome popular ou comercial associado ao respectivo nome cientfico ou botnico encontrado na pesquisa; no ato da compra, dada a ausncia de padronizao, especificar o nome comercial e o nome cientfico no contrato de compra ou na nota fiscal; ao receber o lote, realizar a identificao botnica das peas de madeira segundo os procedimentos que sero descritos mais adiante neste trabalho; em caso de dvidas, colher amostras da madeira e encaminhar a um laboratrio especializado em identificao de madeiras. A amostra pode ter 25 mm de largura, 50 mm de comprimento e 10 mm de espessura.

3 Caractersticas para a identificao macroscpicaAs caractersticas a seguir so uma adaptao das apresentadas por algumas publicaes especficas de identificao de madeiras. Outras informaes podem ser obtidas em MAINIERI, 1983; IAWA, 1989; e IBAMA, 1992.

3.1 Caractersticas organolpticasAs caractersticas organolpticas so aquelas determinveis pelos rgos dos sentidos, sem a necessidade do uso de instrumental ptico. As principais caractersticas observadas so: cor, odor, gosto, textura, brilho, gr e densidade aparente. Um aspecto importante a ser considerado ao analisar caractersticas organolpticas que existe subjetividade na sua avaliao devido s diferenas de sensibilidade entre os observadores.

Cor do cerneA cor da madeira deve se

Search related