TECENDO LITERATURA - .Ao escrever a história do Vira, vira, vira Lobisomem, mamãe falava um pouco

  • View
    339

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of TECENDO LITERATURA - .Ao escrever a história do Vira, vira, vira Lobisomem, mamãe falava um pouco

  • TECENDO LITERATURA:ENTRE VOZES E OLHARES

    OrganizadorasNelly Novaes CoelhoMaria Zilda da CunhaMaria Auxiliadora Fontana Baseio

  • TECENDO LITERATURA:

    ENTRE VOZES E OLHARES

  • UNIVERSIDADE DE SO PAULO

    REITOR

    Prof. Dr. Marco Antonio Zago

    VICE-REITOR

    Prof. Dr. Vahan Agopyan

    FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CINCIAS HUMANAS

    DIRETOR

    Prof. Dr. Srgio Frana Adorno de Abreu

    VICE-DIRETOR

    Prof. Dr. Jos Roberto Gomes de Faria

    PROGRAMA DE PS-GRADUAO EM ESTUDOS COMPARADOS DE LITERATURAS DE

    LNGUA PORTUGUESA (DLCV)

    COORDENADOR

    Prof. Dr. Helder Garmes

    VICE-COORDENADORA

    Pro Dr Rejane Vecchia Rocha e Silva

  • TECENDO LITERATURA:ENTRE VOZES E OLHARES

    OrganizadorasNelly Novaes CoelhoMaria Zilda da Cunha

    Maria Auxiliadora Fontana Baseio

    So Paulo, 2014

  • Copyright 2014.

    O contedo deste livro possui direitos reservados. Proibida a reproduo total ou

    parcial deste material sem autorizao dos autores, os devidos crditos de fonte e

    autor devem ser sempre citados. Antes de reproduzir qualquer texto deste livro,

    entre em contato pelo email: mzcl@usp.br.

    Catalogao na Publicao (CIP)Servio de Biblioteca e Documentao

    Faculdade de Filosofia, Letras e Cincias Humanas da Universidade de So Paulo

    T255 Tecendo literatura [recurso eletrnico]: entre vozes e olhares / organizadoras: Nelly Novaes Coelho, Maria Zilda da Cunha, Maria Auxiliadora Fontana Baseio. -- So Paulo : FFLCH-USP, 2014. 5347,38 kB ; PDF.

    ISBN 978-85-7506-210-4

    1. Literatura comparada. 2. Literatura brasileira. 3. Literatura portuguesa. 4. Literatura infanto-juvenil. I. Coelho, Nelly Novaes, coord. II. Cunha, Maria Zilda da, coord. III. Baseio, Maria Auxiliadora Fontana, coord. IV. Ges, Lcia Pimentel (Homenagem).

    CDD 809

    CapaAlice Goes

    ColaboradoresMaria Cristina Xavier de Oliveira

    Cristiano Camilo Lopes

    RevisoDaniela de Souza Garcia

    Reviso finalCristina Casagrande

    Projeto grficoDenis Bevenuto

    Editorao e emendasJoo Eduardo Watanabe Pinhata

    ApoioCELP - Centro de Estudos das Literaturas e Culturas de Lngua Portuguesa

  • Hoje, dia 03/08/2010, estvamos entrando na USP e mame disse: Estou com saudades deste lugar, todo dia eu vinha para c, sempre feliz e

    disposta. Este verde me faz um bem... Me, hoje voc ser homenageada! Eu preciso falar? Porque eu no preparei nada. No, me, hoje voc s vai assistir...Ela estava sempre pronta, qualquer trabalho, preparava-o com antecedncia, sem-

    pre estudando o que iria falar de forma brilhante.Ao escrever a histria do Vira, vira, vira Lobisomem, mame falava um pouco

    de si mesma:Tinha descoberto que era preciso dez vezes sete anos para se construir uma vida

    to preciosa como a prola...Era isso mesmo, a sua vida foi construda com muita dedicao e paixo. Ela era

    um pouco do vira-vira, pois quando criana, amava brincar em cima de uma rvore lendo um livro, amava os animais, as flores, o mar.

    Quando adolescente, era uma excelente ginasta, era escolhida pelos professores para liderar o seu grupo de colegas no colgio Assuno.

    J adulta, escolheu a faculdade de Direito, uma das primeiras alunas da sala entre pouqussimas mulheres... E amava a msica, foi pianista e aplaudida pelo pblico em p no Municipal, ao realizar a sua apresentao. E depois, vocs j sabem...

    Hoje eu posso falar que tudo que mame toca vira prola, como escrevera em seu livro Os dez anezinhos.

    Sim, seus dez dedinhos so mgicos como mos de fada!

    Vera Sampaio Ges

  • Sumrio

    Lcia, Minha Me .................................................................................................................11Lcia Ges Martinez

    Memrias de um antigo editor .......................................................................................... 14Antnio Torrado

    Lcia Pimentel Ges e a paixo pela escrita como acto de partilha ............................. 16Jos Jorge Letria

    Apresentao ........................................................................................................................ 19Maria Zilda da Cunha

    As palavras espacializadas na folha de papel ................................................................... 25Ana Maria Trinconi Borgatto

    Um estilizador sbrio e intenso de dramas familiares .................................................... 37Angelo Caio Mendes Corra Jnior

    Sob o signo das luzes: o ensino no Portugal oitocentista ................................................41Aparecida de Ftima Bueno

    Guimares rosa e o imaginrio infantil no mundo misturado .......................................55Avani Rosa Silva

    Nas asas da vida, nos voos de lobis ..................................................................................69Claudimeiri Nara Cordeiro Kollross

    Entre o ser, o ter e o fazer: uma anlise da obra Z diferente sob a lente daantropologia do sagrado ......................................................................................................83

    Cristiano Camilo Lopes / Juliana Pdua Silva Medeiros

    Consideraes sobre a esttica literria em Paulina ao piano ........................................95Alice Vieira Daniela Yuri Uchino Santos

  • 10

    A temtica da cultura africana e afro-brasileira na literatura Infantil de Jlio Emlio Braz ............................................................................................ 105

    Eliane Debus

    O sabor da fbula uma leitura visual das fbulas de gua e Areia .......................... 117Euclides Lins

    A recriao de Lcia Pimentel Ges a partir do conto popular portugus:Os dez anezinhos da Tia Verde-gua ......................................................................... 139

    Ione Vianna Navajas Dias

    Dessacralizao do texto literrio em Alberto Caeiro .................................................. 151Isaac Newton Almeida Ramos

    Olhar de descoberta na formao de leitores navegativos ........................................... 163Jos Augusto de A. Nascimento

    Lcia Pimentel Ges e a literatura infantil e juvenil brasileira .................................... 177Joseane Maia Santos Silva

    Tramas e suportes: sobreposio e entrelaamento em trs diferentes mdias literatura, quadrinhos e cinema. Um dilogo entre tecnologia e oralidade............... 193

    Las de Almeida Cardoso

    O re-significar do imaginrio em grandes navegaes ................................................ 213Maria Auxiliadora Fontana Baseio / Maria Zilda da Cunha

    Vivendo aventuras, descobrindo olhares........................................................................ 231Maria Cristina Xavier de Oliveira

    A literatura para jovens: do prazer ao conhecimento ................................................... 243Maria da Glria Bordini

    A interdependncia das relaes palavra e imagem na matriz histrico-social do livro ilustrado infantil brasileiro ...................................................................................... 253

    Maria dos Prazeres Mendes / Maria Jos Pdua

    A fatalidade na tragdia Castro, de Antnio Ferreira ................................................... 267Maria Emlia Miranda de Toledo

  • Tecendo Literatura: Entre vozes e olhares

    11

    Livro de imagem: quando a ilustrao se faz dona da palavra .................................... 277Maria Laura Pozzobon Spengler

    Referenciao, interdiscursividade e (re)construo de sentido na fbula deMillr Fernandes ............................................................................................................... 291

    Maria Valria Anderson de Mello Vargas

    Uma reverncia sem a devida curvatura ........................................................................ 305Marlene Barbosa Ferreira

    A interao nas personagens do mundo mgico de Marina Colasanti ...................... 319Mnica S. Silva de Palcios

    Cultura e arte em tempo-de-mutao apocalipse ou gnese? .................................... 327Nelly Novaes Coelho

    gua gua gua palavras ......................................................................................... 333Nery Nice Biancalana Reiner

    De Garrett a Ferreira de Castro: alguns brasileiro ........................................................ 349Paulo Motta Oliveira

    Dilogos entre poeminha em lngua de brincar e Mir ............................................... 361Priscila Barranceiros Ramos Nannini

    Flecha azul, de Lcia Pimentel Ges: transformaes, enfrentamentos, travessias .. 377Regina Silva Michelle

    A maior flor do mundo: metalinguagem e visualidade na literaturainfantil-juvenil de Jos Saramago .................................................................................... 393

    Renata Beatriz Brandespin Colombo

    Letras de samba, modelos de conscincia e discursos populares ............................... 409Ricardo Azevedo

    Ciranda cirandinha: os movimentos de leitura na Infncia de Graciliano Ramos ... 425Sandro Braga

  • Algumas linhas para abordagem da literatura infantil e juvenilna frica de lngua portuguesa ....................................................................................... 441

    Simone Caputo Gomes

    Relaes entre literatura infantil e sade: Lcia Ges brinca de mdicoe no sabe ........................................................................................................................... 457

    Tatiana Piccardi

    A banda e Alegria alegria: a representao da transitoriedadedo mundo moderno .......................................................................................................... 471

    Tereza Maria de Paula Cavalari Telles

    O olhar de descoberta d