Click here to load reader

Programa de Geração de Energia e Saneamento · PDF fileExposição da história do saneamento Página 3 Professor exemplar Página 13 O Programa de Geração de Energia e ... políticas

  • View
    215

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Programa de Geração de Energia e Saneamento · PDF fileExposição...

  • Obras na sededa empresa

    Pgina 5

    Senha eletrnicaPgina 4

    Ano 33 - n 377 - Setembro/2009

    Exposio da histriado saneamento

    Pgina 3

    Professor exemplarPgina 13

    O Programa de Gerao de Energia eSaneamento Ambiental da Sanepar pode ser financiado

    pela Agncia de Cooperao Internacional Japonesa JICA.A proposta foi apresentada em Foz do Iguau aos representantes da

    agncia pelo presidente da companhia Stnio Jacob. Pgina 9

    Programa de Gerao de Energiae Saneamento Ambiental

  • 2

    EDITORIALED

    ITO

    RIA

    L

    A Caixa hoje a principal parceira da Sanepar. Umaparceria que se estende alm dos financiamentos, quehoje transformam o Paran num grande canteiro de obras,para as quais tambm so destinados recursos doBNDES e da Funasa, alm de investimentos prprios daempresa. Desde 2.002, quando foram retomados os fi-nanciamentos com a Caixa, quase R$ 1,2 bilho de reaisj foram investidos no Paran, em saneamento bsico, oque vai nos transformar, at o final do ano que vem, emEstado de referncia no setor.

    Nesta edio, alm de notcias sobre o avano deobras, os leitores tambm vo conhecer outro projeto queest sendo realizado com o aval da Caixa, dirigido di-vulgao da histria do saneamento e, que tambm temcomo parceiro o Tribunal de Justia.

    Trata-se do projeto Dos Pipeiros ao PAC A Revolu-o do Saneamento no Paran, uma exposio itineran-te que vem percorrendo as principais cidades paranaen-ses e que, nesta primeira fase, est sendo exibida nosprdios dos fruns do TJ.

    O material rene fotografias e gravuras que contama histria do saneamento no Paran, desde o incio dacolonizao, em Paranagu. A exposio conta ainda comvdeo e cartilha que narram as dificuldades e a evolu-o do abastecimento pblico, desde o incio do sanea-mento, com a distribuio da gua em pipas, em Para-nagu, at os dias de hoje, com as obras financiadaspelo Programa de Acelerao do Crescimento para osetor de saneamento.

    O projeto possibilita ampliar os conhecimentos da po-pulao sobre a importncia do saneamen-to para a vida das pessoas, especialmentepara a sade. E faz com que a populaodo Estado sinta orgulho da Sanepar, que cada vez mais referncia em saneamento.Fruto do trabalho de cada sanepariano, quea cada novo dia contribui um pouco maispara a melhoria da qualidade de vida demais de oito milhes de paranaenses.

    Stnio Sales JacobPresidente da Sanepar

    Uma parceriaalm das obras

    Viver singular,conviver plural!

    EXPEDIENTE - rgo de Divulgao da Companhia de Saneamento do Paran - Sanepar O jornal editado pela Unidadede Servio de Comunicao Social e distribuido aos empregados da Companhia de Saneamento do Paran (Sanepar) pela Unidade de Servio de InfraestruturaAdministrativa / Malote. Rua Engenheiros Rebouas, 1376 - CEP 80.215-000 - Curitiba - PR - Fone (41) 3330-3085 - E-mail: [email protected]

    Gerente de Comunicao: Nilson Pohl - Edio: Ana Cecilia Pontes de Souza - Redao: ngela Dudczak, Carina Paccola, Carlos Mion, Cludia CardosoAdkins, Diangela Menegazzi, Giovanna Migotto da Fonseca Galleti, Ivanilde Maria Muxfeldt, Marcos Silva, Mnica Venson, Emanuele Campos Miranda e ValtemirSoares Jr. - Fotografia: Joo Henrique Stahlke e arquivo da Sanepar - Diagramao: Projeto Comunicao - Tiragem : 6.700 exemplares

    Corria o ano de 1209 quando aquele filho da cidade deAssis, na Itlia, batizado Joo Batista e Francisco por esco-lha, se converte, ao aproximar-se da pobreza rompendo coma vida mundana. Nasce, ento, So Francisco. De converti-do, torna-se missionrio. Inicia a pregao: preciso saberrenunciar para no escandalizar. A sua Carta aos gover-nantes dos povos, ainda que desconcertante por englobarpoderes temporais e espirituais funda um franciscanismopoltico, no qual se inspiram de bom grado alguns governan-tes contemporneos. A novidade da mensagem de Francis-co, alm de seu estilo de vida e de seu apostolado, est nocomprometimento com seu semelhante e toda a criao, oque voltou a resguardar valores essenciais de um humanis-mo at ento posto a prova.

    fcil chegar a uma concluso aps o prembulo histrico:a de que ultimamente h uma tendncia de as pessoas come-arem a se preocupar mais com as questes socioambientais.Afinal uma nova ordem, um novo modelo de vida surge combase na conscincia da populao questo ambiental. A van-tagem competitiva de uma empresa no esta mais centradasomente na produo em larga escala, mas no consumo cons-ciente que influencia sobremaneira a mudana de um compor-tamento corporativo. Uma vez que a satisfao existencial doempregado deve estar comprometida com a responsabilidadesocial da empresa enquanto ele como cidado.

    Responsabilidade social, capacidade de se ver no outrona medida que a vida no nos pertence, mas somos parte delacoletivamente.

    H uma hesitao maior nessa contemporaneidade mar-cada por um capitalismo excludente e, no qual reside ummelhor ideal de vida quando se volta a questo ambientalcomum a todos. Como nos situamos? Qual o caminho a serseguido? Qual o valor do trabalho?

    Ambigidades parte, Francisco nos mostra que humanida-de se constri no compartilhamento. Que s somos humanoscom outros humanos. Que viver singular, conviver plural.

    Em 03 de outubro de 1226 vem a falecer. Tinha quarentae cincos anos. o padroeiro da Ecologia, cuja data se come-mora em 04 de outubro.

    Louvado sejas tu meu senhor pela irm nossa me a Terraque nos carrega e nos alimenta, que produz a diversidade dosfrutos com as flores matizadas e as ervas.

    Hermes Fonseca FilhoDiretor Administrativo

  • 3

    EMP

    RES

    AEMPRESA

    Dos pipeiros ao PAC A revoluo do saneamento noParan. Este o tema da exposio itinerante realizada pelaSanepar que j passou pelos Fruns de Maring, Londrina,Guarapuava e Cascavel. Por meio de painis, cartilha, vdeoe outros recursos, os visitantes tm oportunidade de conhe-cer uma parte importante da histria do saneamento no ter-ritrio paranaense. A exposio tambm mostra um poucoda evoluo da engenharia sanitria e o desafio de garantiracesso gua tratada e aos servios de coleta e tratamentode esgoto.

    Desde os tempos em que os navios que aportavam emParanagu eram abastecidos de gua potvel e, da mesmaforma, a populao que ao longo dos anos foi ocupando asreas mais distantes do Estado, conta o diretor jurdico daSanepar, Cezar Ziliotto, que prestigiou a abertura das ex-posies nos quatro municpios.

    Para o diretor jurdico esta exposio importante, poisaproxima mais a Sanepar dos vrios pblicos que compeme frequentam os fruns paranaenses. uma tima oportuni-dade para a empresa mostrar o seu papel estratgico na his-tria do saneamento do Estado e todos os investimentos quetm realizado, visando garantir a sade da populao. O di-retor tambm destacou a parceria firmada com o Tribunal deJustia do Paran, na cesso dos espaos, e da Caixa comopatrocinadora.

    Em todos os locais a exposio contou com a presena derepresentantes da Caixa, dos fruns e de colaboradores daempresa. A exposio passa ainda por Foz do Iguau e PontaGrossa.

    HISTRIAdo saneamento no Paran

    Guarapuava

    Londrina

    MaringCascavel

  • 4

    EMPRESAEM

    PR

    ESA

    O sistema de atendimento ao pblicode Cascavel o primeiro a ter em funcio-namento a senha eletrnica para os usu-rios com a utilizao simul-tnea de dois monitores emum nico computador. O ge-renciamento de senhas umadas ferramentas do Sistema deGerenciamento ComercialWeb (SGCWEB), desenvolvidoem parceria pela Unidade de Servio Co-mercial (USCM) e pela Unidade de Tec-nologia da Informao (USTI).

    O coordenador de produo de gua da Sanepar, qumico industrial Age-nor Zarpelon, assumiu, em Braslia, a vaga de membro titular na Cmara Tc-nica do Plano Nacional de Recursos Hdricos (PNRH). Ele o representantedas organizaes tcnicas e entidades de ensino e pesquisa e foi indicado pelaAssociao Brasileira de Engenharia Sanitria e Ambiental (Abes).

    O Plano Nacional de Recursos Hdricos o responsvelpor orientar a aplicao das polticas de recursos hdricosno Brasil, cuja meta principal a gesto integrada das ba-cias hidrogrficas e o aproveitamento eficiente de suasguas, disciplinando os conflitos entre seus vrios usos.

    Na reunio de posse de Agenor foram apresentadas aspolticas do Plano Nacional de Saneamento Bsico (Plan-sab) e do PNRH e as interaes entre estes dois planos. Omandato dos representantes de dois anos.

    Paraguai

    O governo do Paran est prestando as-sistncia tcnica no setor de saneamen-to bsico para o Paraguai. Tcnicos daSanepar realizaram a coleta de gua doLago da Repblica, em Cidade do Leste, eem mais outros nove pontos do munic-pio, solicitados pela prefeitura local, taiscomo hospitais, mercados pblicos e es-colas e rios.

    Avaliao do PNQS

    Profissionais da Assessoria de Planeja-mento Estratgico APE/Qualidade visi-taram as diversas reas das unidadesRegional (URLC) e Industrial (USIDLD) deLondrina. O trabalho uma espcie deauditoria interna que serve de preparaopara a visita dos avaliadores do PrmioNacional de Qualidade em Saneamento(PNQS), prevista para ocorrer at outubro.

    Use o bom sensoO Comit do Programa Use o Bom Sensode Londrina est trabalhando forte naquesto da ordenao e limpeza, tanto

    no ambiente detrabalho quantonos veculos daempresa. J fo-ram promovidasduas atividades: oDia do Descarte eum curso parapreparar novosauditores.

    Rapidas

    Senha eletrnica em CascavelDesde o dia 18 de junho, os usurios

    que procuram o atendimento em Casca-vel esto sendo atendidos de forma mais

    rpida, sem a necessidade doatendente chamar por nomeou nmero. A senha apareceno monitor localizado emfrente s cadeiras, onde tam-bm indica

Search related