O Precursor

  • View
    29

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

O Precursor. Os Pais. Zacarias (Sacerdote). Isabel (prima de Maria). - PowerPoint PPT Presentation

Text of O Precursor

  • O Precursor

  • Os PaisZacarias (Sacerdote)Isabel (prima de Maria)

  • Moravam na aldeia de Karen, a 7 quilmetros de Jerusalm e, ao tempo, eram bastante velhos e no possuam filhos. Mas no dia em que tocou a Zacarias oferecer os sacrifcios no Altar dos Perfumes dentro do "Santo", tomou ele as brasas rituais, derramou-as sobre o altar e, seguindo o rito, quando as trombetas soaram no adro, verteu sobre as brasas os perfumes e prosternou-se, enquanto os levitas e a multido cantavam o salmo da vinda do Messias. Mas, quando se levantou, viu sua frente um Esprito anglico, e enquanto dominava, a custo, o seu assombro, ouviu que o anjo dizia que lhe nasceria um filho que seria grande aos olhos do Senhor, animado do Esprito de Elias e precursor daquele que estava para vir".

  • Espantado com a apario e duvidando do que via, Zacarias externou sua estranheza, considerando sua avanada velhice e isso levou o Esprito a declarar que ele ficaria mudo e surdo pela sua falta de f, at que o menino nascesse.Havendo, logo depois, morrido Izabel e Zacarias, Joo ficou rfo e foi levado, ento, pelos essnios (a cuja comunidade o sacerdote e sua mulher pertenciam) para o Mosteiro do Monte Hennon, na Fencia, para que se cumprissem tambm as profecias e a "voz clamante", a que elas se referiam, viesse mesmo do deserto e onde, assim como tambm o fazia Jesus, durante 27 anos preparou-se para sua tarefa, aguardando a hora de come-la.

  • Assistncia do Plano Superior

    Os Profetas

  • Joo cresceu cheio de virtudes e, asctico, retirou-se para o deserto (Essnios)

  • Porque ele ser grande diante do Senhor; e no beber vinho nem (outra) bebida inebriante; e ser cheio do Esprito Santo desde o ventre de sua me; e converter muito dos filhos de Israel ao Senhor seu Deus; e ir adiante dele com o esprito e a virtude de Elias. (Lucas 1:15-17).

  • A PREGAO

  • Toda carne como erva (vida efmera) e toda a sua beleza como as flores do campo (fenecem e caem). Mas a palavra de Deus subsiste eternamente.

    Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas... (reforma ntima).

    Quem tem duas tnicas, reparta com o que no tem e quem tiver alimentos, faa o mesmo. (Lucas 3:11).

  • Joo vestia-se com trajes sumrios, seu fsico agigantado e esqueltico, sua aparncia austera mas, sobretudo, suas palavras terrveis e seus olhos chamejantes, produziam enorme impresso.

    Falava do Messias com grande segurana, dando a entender claramente que ele j estava presente e isso bastava para incendiar as imaginaes e acelerar os coraes; por outro lado como essnio que era no pregava contra o thora, limitando-se a exigir pureza e arrependimento.

  • Como falava muito de fogo dizendo: Eu batizo com gua, mas Ele batizar com fogo; alimpar a eira, recolher o trigo ao celeiro e queimar a palha, num fogo que nunca se apaga, cortar a rvore estril e a lanar ao fogo, pensaram que ele era Elias o profeta que fora arrebatado ao cu em um carro de fogo o que queria dizer que o dia terrvel da vinda do Messias tinha chegado.

  • Em toda a Palestina, nessa poca, os judeus se voltavam, cheios de nsia e desespero, para o Messias prometido. J tinha havido a conjuno planetria indicial e o Esperado, no caso de ter nascido, j deveria ser um homem adulto, pronto para assumir sua magnfica tarefa libertadora. E a pergunta insistente era proferida em todas e quaisquer circunstncias: por que ento Ele no aparecia? Por que no empunhava o cetro de comando e expulsava o invasor, libertando Israel? "O povo estava a espera desse grande acontecimento", diz Lucas, e, quando a hora chegou, como a tempestade prestes a desencadear-se sobre a terra envolta em dio, o trovo rolou do deserto, bramindo: "fazei penitncia ... que o machado j est posto raiz das rvores". E as trevas se iluminaram de claridades novas, trazendo s almas multiplicadas esperanas quando a "voz clamante do deserto" acrescentava: "preparai os caminhos do Senhor, aplanai os caminhos ... que o reino dos cus est prximo".

  • As Escrituras diziam que o Messias seria precedido de Elias, o grande profeta da antiguidade, o qual o ungiria e o consagraria. Ora, Joo, como o prprio Jesus confirmou, era a reencarnao de Elias e, assim sendo, as profecias estavam ento recebendo integral cumprimento. Havia quatro sculos que em Israel no aparecia profeta algum. A Divindade guardava silncio e o povo, atemorizado e supersticioso, se voltava, cada vez com mais nsias, para as Esperanas do Messias.

  • E assim, batizando e pregando a penitencia dos pecados e exortando o povo, a purificar seus sentimentos, ia o profeta terrvel descendo o rio, do norte para o sul, at que parou em Bethabara, no deserto da Judia, margem ocidental do Mar Morto; e ali, como em outros lugares por onde passara, formou-se logo um acampamento para abrigar as multides que no cessavam de chegar diariamente para v-lo e ouvi-lo, devido ao prestgio que j adquiria em toda a Palestina.

  • O BATISMO

  • Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. (Joo 1:29)

    Joo no queria batizar a Jesus por no se achar digno disto Deixa por agora, porque assim nos convm cumprir a justia.

    Aps o Batismo Jesus est pronto para iniciar sua Misso.

    necessrio que ele cresa e eu diminua (Joo 3:30)

  • Fazendo-se pequeno e humilde, o homem atrado pela grandeza do corao manso e meigo de Jesus.

    Quanto mais a mensagem de Jesus crescer no corao do homem, mais ele ter diminudo os defeitos que dormitam em sua alma, crescendo assim na qualidade dos sentimentos e da inteligncia como Homem Novo ligado ao Cristo.

  • PRISO E EXECUO

  • Herodes Antipas, governador da provncia, na sua corte luxuosa e pervertida de Tiberades demonstrou desejo de conhecer o profeta severo.

  • O Precursor havia incorrido, dias atrs, no dio de Herodades que, na ocasio, abandonara seu marido Felipe, irmo de Antipas e vivia maritalmente com este. Era mulher inteligente, porm inescrupulosa e muito dada aos costumes libertinos greco-romanos.

  • Como era de se esperar a figura estranha de Joo impressionou profundamente Herodes e sua corte, e Joo, como sempre fazia, falou-lhe das coisas que pregava ao povo e das esperanas do Messias nacional que, reafirmou, j estava presente no Pas.

  • A certo ponto Herodes interrompeu dizendo que sabia da fama que tinha e desejava que ele desse ali, na presena de todos demonstraes de seu poder de profeta.

    Mais valeria o rei entrar, com os outros, no caminho da salvao, fugindo ao pecado do adultrio, pois que no lhe era lcito viver com a mulher de seu irmo.

  • Como judeu, de temperamento mstico, por momentos o rei ficou atemorizado com as ameaas de Joo, porm, insuflado por Herodades, mandou prend-lo e transport-lo mais tarde fortaleza de Macaerus nos limites do deserto.

  • A promessa de Herodes Antpas a Salom.

  • A Degola de Joo Batista X EliasLei de Ao e Reao

  • O Maior profeta precede o maior enviado; aquele a voz, este a ao; um clama, exorta, previne; o outro aplaina as vales, arrasa montes, derriba rvores, e, em sua passagem pela Terra, deixa um caminho firme, vasto, imenso, luminoso, que se eleva morada eterna do Pai!

    Joo batiza com gua os arrependidos, para apagar neles as ndoas dos eleitos; Jesus, com fogo, destri e calcinam as doutrinas humanas que lhes obscurecem as almas; se aquele limpa, o outro alveja, para que o Esprito de Deus reflita neles o amor de Deus e do prximo, que resume a lei e os profetas.In Parbolas e Ensinos de Jesus de Caibar Schutel

  • Joo Batista o smbolo do cristo que se sacrifica pela Verdade. Todavia Joo Batista no sofreu unicamente pela Verdade que pregava. Em virtude da Lei de causa e efeito, apesar do alto grau de espiritualidade que tinha alcanado, Joo teve de passar pela mesma pena que infligira aos outros. a Justia Divina que se cumpre, porm, sempre une a Justia Misericrdia e assim permitiu que Joo resgatasse o passado, trabalhando tambm pelo seu futuro espiritual, com o desempenho de sua tarefa de abrir caminho a Jesus.Tambm a ns dada essa oportunidade: espritos devedores que somos, se bem soubermos aproveitar nossa encarnao, iremos liquidando o passado culposo e construindo um futuro feliz. In O evangelho dos humildes de Eliseu Rigonatti

  • Bibliografia:

    O Redentor - Cap. 16 e 24 - Edgard Armond. - Ed. AlianaA Gnese - Cap. 17 - Allan Kardec - FEBBoa Nova - Humberto de Campos / Chico Xavier - FEBCeleiro de Luz - Roque Jacintho - Ed. Luz no LarO Sublime Peregrino - Ramatis / Herclio Maes - Ed. Freitas BastosA Caminho do Deserto - Emdio S. F. Brasileiro - Ed. UniversoJesus Nazareno - Parte II Pg. 131 a 133 e 179 a 184A Bblia - Lucas 1:5-25, 57-80, 9:7-9, Mateus 14:1-12, Marcos 6:17-29, 9:9-13Jesus de Nazar - Cap. II - Willian Barclay - Livros Abril