Mão Rubra - we. do+Militante+não... · "violento" ou um "terrorista" é uma qualidade que enobrece…

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

MoRubraMiniManualdoMilitantenopacfico

BrevenotadoautorDedicarei este manual para pessoas pelas quais nunca tive o prazer de conhecer ou dialogar, mas que certamentemerecemumespao,mesmoquesingelo,narecentehistriadalutapopulardenossopas.Igor Mendes, Karlayne de Moraes e Elisa Quadros permanecem encarcerados pelo Estado, acusados sob as mais pfias alegaes de terrorismo, vandalismo e outras genricas acusaes. Jovens, que assim como euouvoc,representamalutadeumpovoquenoaceitaasubjugaodasuperestruturacapitalista.Marighella, h quase meio sculo atrs, j afirmava com convico: A acusao de "violncia" ou "terrorismo" sem demora tem um significado negativo. Ele tem adquirido uma nova roupagem, uma nova cor. Ele no divide, ele no desacredita, pelo contrrio, ele representa o centro da atrao. Hoje, ser "violento" ou um "terrorista" uma qualidade que enobrece qualquer pessoa honrada, porque um ato digno de um revolucionrio engajado na luta armada contra a vergonhosa ditadura militar e suas atrocidades.No obstante da luta nos centros urbanos, est o cerco ao movimento campons. Cleomar Rodrigues, dirigente da Liga dos Camponeses Pobres (LCP), assassinado no final do ano de 2014, apenas um entre ascentenasdemilharesquemorreramnasmosdointeressedolatifndioedasgrandeselites.A luta de nossos conterrneos pela soberania do povo brasileiro est no somente nas curtas linhas dos livros de histria dedicadas Joo Cndido, Zumbi dos Palmares, Marighella, Lamarca, Olga ou Prestes, mas sim na realidade de todo e qualquer indivduo oprimido e explorado, para que no final do dia, seu suor seja convertido em um banquete para a burguesia. A luta por um Brasil socialista no permanece apenas nopassado,massefazaindamaisnecessrianopresente.Sem mais retrica ou discursos inflamados, dedico este manual todo trabalhador, campons, operrio, estudante,mulherounegro,quelutanocheiroagonizantedasferidasabertasdeumpassemmemria.Oquecomeaavalerapartirdeagora,aaoenomaisoslivrosouasbelaspalavras...Certamente,umbancoemchamasvalemaisdoquemilpalavrasoucentenasdepanfletos.

MatheusMachadoXavier

ConhecendoasimesmoUm militante de esquerda deve estar sempre ciente de que somente a disciplina, o esforo e principalmente a conscincia revolucionria, de fato levar a objetivos concretos. Nada melhor para iniciar este manual, do quecitarMarighellaemseumemorvelMiniManualdoGuerrilheiroUrbano:

Oguerrilheirourbanonoescolhearbitrariamenteesteouaquelemodelodeao.Algumasaessosimples,outrassocomplicadas.Oguerrilheirourbanosemexperinciatemqueserincorporadogradualmenteemaesouoperaesquecorremdesdeasmaissimplesatasmaiscomplicadas.Comeacommissesetrabalhospequenosatqueseconvertacompletamenteemumguerrilheirourbanocomexperincia.

preciso salientar que antes de qualquer ao ou planejamento, necessrio a organizao de um grupo de intimidade, hierrquico ou no, porm altamente disciplinado e disposto (fsicoideolgico). A execuo de aes individuais so extremamente vlidas, mas lembrese que um lobo solitrio deve ter uma disciplinaredobrada.Mantenhasempreumacadeiadescentralizadadeoutrosmilitantesdispostosalutar.Cada ao de guerrilha urbana ou quaisquer outras atividades polticas no mbito revolucionrio, necessitar de diferentes mtodos ou quantidade de esforo fsico, tcnico ou material para ser aplicado. Algumas mais complicadas, outras mais simples. Se voc ou qualquer outro companheiro de seu grupo de intimidade estiver vivendo na ilegalidade, sob constante vigilncia do Estado ou das foras de represso, esseesforoconsequentementesermaiselevado.OsmtodosrevolucionriosLevando em considerao todos os aspectos necessrios para o entendimento de como deve viver um revolucionrio, as aes a serem tomadas pelos grupos polticos como prxis revolucionria podem ser resumidosemquatrofatores:

Disciplina Contexto Planejamento Ao

Tente basear suas aes seguindo essa lgica: No atue de forma agressiva em um contexto que no o favorea no contexto ou em suas limitaes de disciplina. No atue em um contexto favorvel se voc no possuiroplanejamentonecessrio.Estudeocenriopolticoesocialafundo,paradepoisatuar.

OsobjetivosdomilitantedeesquerdaedaguerrilhaurbanaLeve sempre em considerao que suas aes devem ser legitimadas pela majoritria parcela da populao. No espere iniciar um processo revolucionrio com uma nica organizao agressiva descontextualizadaeagindosemadevidaaprovaopopular.Os cenrios que podem desencadear processos revolucionrios so inmeros e podem variar de um local para o outro, de uma cultura e uma populao para outra. Inflao, fome, crise poltica e representativa, ditaduras, regimes autoritrios ou fundamentalistas, violncia urbana, desemprego, falta de perspectiva ou explorao laboral so os principais problemas geopolticos e sociais que criam ou agravam contextos revolucionrios. Esteja sempre atento para agir quando for preciso. Sem uma causa e um contexto, seus objetivosemetasserosimplesmenteinteiseaindapoderodesfavorecerfuturaslutas.Planeje sempre um objetivo a longo prazo. Estabelea metas e procure trabalhar na divulgao de ideias e na propaganda poltica como elemento crucial do processo de desencadeamento revolucionrio. Utilize da internet, com cautela, para a exposio de ideias, debates e agitao. Apesar deste meio ser o mais prtico, a interao fsica ainda se faz necessria. Seja atravs do dilogo com o trabalhador e o estudante, ouatravsdecartazesderua.Os objetivos devem ser elaborados em conjunto, com devida pesquisa e estudo acerca do contexto e do regime poltico que voc enfrentar. Tais objetivos devem ser esclarecidos para todos os membros da sua organizao e grupo de intimidade, e s ento as aes devem ser planejadas mediante e em cima desses prviosestudoseanlisescontextuais.OterrorismocomoprxisrevolucionriaProblemas polticos, econmicos ou sociais geralmente andam de mos dadas com o aparato repressor da elite financeira e do Estado. Sendo assim, a oportunidade para o dilogo s ser aberta mediante ameaas concretas para com o establishment. O terrorismo poltico surge ento como nica forma de dialtica e negociao entre opressor e oprimido. Explodir uma agncia bancria, queimar um carro de uma emissora corporativista, um monumento ou qualquer outra estrutura fsica e concreta, pode ser, para aqueles submetidoshistricasopresses,anicaalternativaquandoodilogonopossvel.Lembrese que uma populao alienada e atrelada sob uma ideologia humanista para com aqueles que a oprime, no possui instruo suficiente para discernir um simples ato de terrorismo aleatrio de uma ao revolucionria.O terrorismo poltico tem, portanto, a capacidade de influir perdas irreparveis e impactantes ao inimigo, causando terror regional ou generalizado. Essas aes visam geralmente ganhar o inimigo na base do psicolgico e do blefe, a partir da iluso do inimigo interno, camuflado entre uma gigante populao urbana.

MedidasdeseguranaComo j citado anteriormente, um militante deve estar sempre ciente de que suas ideias oferecem perigo ao establishment vigente, sendo assim sua segurana fsica, assim como a de seus companheiros, conhecidos ou familiares, nunca estar totalmente garantida. Para manter essa j desestabilizada segurana, necessrio tomar algumas medidas preventivas e tornlas mais que um hbito. Tornlas tiques rotineiros. Quanto mais repercutido, infame e agressivo for o seu mtodo revolucionrio, maior ser a vigilnciasobreasuacabea.Atualmente a internet o melhor meio de comunicao para ser utilizado entre organizaes polticas ou grupos de intimidade, porm o aparato de vigilncia do Estado permite acompanhar e rastrear qualquer atividade suspeita a partir de pouca ou quase nenhuma tecnologia avanada. Como o devido conhecimento em programao, segurana na web, DW, navegador TOR assim como softwares que dificultam o rastreamento, essa opo tornase vivel, ainda que pouco segura. Se optar por este caminho, exclua toda informao relativa sua identidade pessoal na internet antes de iniciar suas atividades. Nunca utilize seu nome verdadeiro e em hiptese alguma utilize ferramentasmainstream de comunicao, como o Facebook ou provedores de email. Utilizeos somente para divulgao e propaganda. Para comunicao e planejamento interno, a melhor opo so os fruns na Deep Web, mIRC ou redes sociais que tenham um forteesquemadeprivacidadeedeproteodecontedo,comooRiseUpouoDispora.Para a comunicao via celular, opte sempre por modelos antigos e prpagos, pagos em dinheiro vivo e NUNCA em carto de dbito, crdito, cheque ou qualquer outro meio que possua seus dados pessoais. Seja breve em suas mensagens e utilize grias, siglas, abreviaes ou quaisquer outros meios de codificao para dificultar o trabalho das instituies de represso. Tenha sempre um ponto de encontro em casos emergenciais, de preferncia perifricos e afastados do centro urbano, para que no levante suspeita. Tente sempre memorizar seus principais contatos, evitando anotar nmeros telefnicos, dados pessoais ou endereos. Se o fizer, escreva discretamente em bancos pblicos, rvores ou qualquer outro lugaraleatriodefcilacesso.Analise