LISTA ENEM (ANO 2014) FILOSOFIA / .PROF. FERNANDO MEIRELLES Página 1 de 12 LISTA ENEM (ANO 2014)

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of LISTA ENEM (ANO 2014) FILOSOFIA / .PROF. FERNANDO MEIRELLES Página 1 de 12 LISTA ENEM (ANO 2014)

  • PROF. FERNANDO MEIRELLES

    Pgina 1 de 12

    LISTA ENEM (ANO 2014) FILOSOFIA / SOCIOLOGIA 1. (Enem 2014)

    No centro da imagem, o filsofo Plato retratado apontando para o alto. Esse gesto significa que o conhecimento se encontra em uma instncia na qual o homem descobre a a) suspenso do juzo como reveladora da verdade. b) realidade inteligvel por meio do mtodo dialtico. c) salvao da condio mortal pelo poder de Deus. d) essncia das coisas sensveis no intelecto divino. e) ordem intrnseca ao mundo por meio da sensibilidade. 2. (Enem 2014) Alguns dos desejos so naturais e necessrios; outros, naturais e no necessrios; outros, nem naturais nem necessrios, mas nascidos de v opinio. Os desejos que no nos trazem dor se no satisfeitos no so necessrios, mas o seu impulso pode ser facilmente desfeito, quando difcil obter sua satisfao ou parecem geradores de dano. EPICURO DE SAMOS. Doutrinas principais. In: SANSON, V. F. Textos de filosofia. Rio de Janeiro: Eduff, 1974. No fragmento da obra filosfica de Epicuro, o homem tem como fim a) alcanar o prazer moderado e a felicidade. b) valorizar os deveres e as obrigaes sociais. c) aceitar o sofrimento e o rigorismo da vida com resignao. d) refletir sobre os valores e as normas dadas pela divindade. e) defender a indiferena e a impossibilidade de se atingir o saber. 3. (Enem 2014) A filosofia encontra-se escrita neste grande livro que continuamente se abre perante nossos olhos (isto , o universo), que no se pode compreender antes de entender a lngua e conhecer os caracteres com os quais est escrito. Ele est escrito em lngua matemtica, os caracteres so tringulos, circunferncias e outras figuras geomtricas, sem cujos meios impossvel entender humanamente as palavras; sem eles, vagamos perdidos dentro de um obscuro labirinto. GALILEI, G. O ensaiador. Os pensadores. So Paulo: Abril Cultural, 1978. No contexto da Revoluo Cientfica do sculo XVII, assumir a posio de Galileu significava defender a a) continuidade do vnculo entre cincia e f dominante na Idade Mdia. b) necessidade de o estudo lingustico ser acompanhado do exame matemtico. c) oposio da nova fsica quantitativa aos pressupostos da filosofia escolstica. d) importncia da independncia da investigao cientfica pretendida pela Igreja. e) inadequao da matemtica para elaborar uma explicao racional da natureza. 4. (Enem 2014) o carter radical do que se procura que exige a radicalizao do prprio processo de busca. Se todo o espao for ocupado pela dvida, qualquer certeza que aparecer a partir da ter sido de alguma forma gerada pela prpria dvida, e no ser seguramente nenhuma daquelas que foram anteriormente varridas por essa mesma dvida. SILVA, F. L. Descartes: a metafsica da modernidade. So Paulo: Moderna, 2001 (adaptado). Apesar de questionar os conceitos da tradio, a dvida radical da filosofia cartesiana tem carter positivo por contribuir para o(a) a) dissoluo do saber cientfico.

  • PROF. FERNANDO MEIRELLES

    Pgina 2 de 12

    b) recuperao dos antigos juzos. c) exaltao do pensamento clssico. d) surgimento do conhecimento inabalvel. e) fortalecimento dos preconceitos religiosos. 5. (Enem 2014) Panayiotis Zavos quebrou o ltimo tabu da clonagem humana transferiu embries para o tero de mulheres, que os gerariam. Esse procedimento crime em inmeros pases. Aparentemente, o mdico possua um laboratrio secreto, no qual fazia seus experimentos. No tenho nenhuma dvida de que uma criana clonada ir aparecer em breve. Posso no ser eu o mdico que ir cri-la, mas vai acontecer, declarou Zavos. Se nos esforarmos, podemos ter um beb clonado daqui a um ano, ou dois, mas no sei se o caso. No sofremos presso para entregar um beb clonado ao mundo. Sofremos presso para entregar um beb clonado saudvel ao mundo. CONNOR, S. Disponvel em: www.independent.co.uk. Acesso em: 14 ago. 2012 (adaptado). A clonagem humana um importante assunto de reflexo no campo da biotica que, entre outras questes, dedica-se a a) refletir sobre as relaes entre o conhecimento da vida e os valores ticos do homem. b) legitimar o predomnio da espcie humana sobre as demais espcies animais no planeta. c) relativizar, no caso da clonagem humana, o uso dos valores de certo e errado, de bem e mal. d) legalizar, pelo uso das tcnicas de clonagem, os processos de reproduo humana e animal. e) fundamentar tcnica e economicamente as pesquisas sobre clulas-tronco para uso em seres humanos. 6. (Enem PPL 2014) Os movimentos sociais do sculo XXI, aes coletivas deliberadas que visam transformao de valores e instituies da sociedade, manifestam-se na e pela internet. O mesmo pode ser dito do movimento ambiental, o movimento das mulheres, vrios movimentos pelos direitos humanos, movimentos de identidade tnica, movimentos religiosos, movimentos nacionalistas e dos defensores/proponentes de uma lista infindvel de projetos culturais e causas polticas. CASTELLS, M. A galxia da internet: reflexes sobre a internet, os negcios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003. De acordo com o texto, a populao engajada em processos polticos pode utilizar a rede mundial de computadores como recurso para mobilizao, pois a internet caracteriza-se por

    a) diminuir a insegurana do sistema eleitoral. b) reforar a possibilidade de maior participao qualificada. c) garantir o controle das informaes geradas nas mobilizaes. d) incrementar o engajamento cvico para alm das fronteiras locais. e) ampliar a participao pela soluo da escassez de tempo dos cidados. 7. (Enem PPL 2014)

    As redes sociais tornaram-se espaos importantes de relacionamento e comunicao. A charge apresenta o impacto da internet na vida dos indivduos quando faz referncia

    a) ampliao do poder dos clrigos no controle dos fiis. b) adequao dos ritos sacramentais ao cotidiano. c) perda de privacidade em ambiente virtual. d) reinterpretao da noo de pecado. e) modernizao das instituies religiosas.

  • PROF. FERNANDO MEIRELLES

    Pgina 3 de 12

    8. (Enem PPL 2014) Sempre teceremos panos de seda E nem por isso vestiremos melhor Seremos sempre pobres e nuas E teremos sempre fome e sede Nunca seremos capazes de ganhar tanto Que possamos ter melhor comida. CHRTIEN DE TROYES. Yvain ou le Chevalier au lion (1177-1181). Apud MACEDO, J. R. A mulher na Idade Mdia. So Paulo: Contexto, 1992 (adaptado). O tema do trabalho feminino vem sendo abordado pelos estudos histricos mais recentes. Algumas fontes so importantes para essa abordagem, tal como o poema apresentado, que alude

    a) insero das mulheres em atividades tradicionalmente masculinas. b) ambio das mulheres em ocupar lugar preponderante na sociedade. c) possibilidade de mobilidade social das mulheres na indstria txtil medieval. d) explorao das mulheres nas manufaturas txteis no mundo urbano medieval. e) servido feminina como tipo de mo de obra vigente nas tecelagens europeias. 9. (Enem PPL 2014) Maria da Penha Voc no vai ter sossego na vida, seu moo Se me der um tapa Da dona Maria da Penha Voc no escapa O bicho pegou, no tem mais a banca De dar cesta bsica, amor Vacilou, t na tranca Respeito, afinal, bom e eu gosto [...] No vem que eu no sou Mulher de ficar escutando esculacho Aqui o buraco mais embaixo A nossa paixo j foi tarde [...] Se quer um conselho, no venha Com essa arrogncia ferrenha Vai dar com a cara Bem na mo da Maria da Penha ALCIONE. De tudo o que eu gosto. Rio de Janeiro: Indie; Warner, 2007. A letra da cano faz referncia a uma iniciativa destinada a combater um tipo de desrespeito e excluso social associado, principalmente, (s)

    a) mudanas decorrentes da entrada da mulher no mercado de trabalho. b) formas de ameaa domstica que se restringem violncia fsica. c) relaes de gnero socialmente construdas ao longo da histria. d) violncia domstica contra a mulher relacionada pobreza. e) ingesto excessiva de lcool pelos homens. 10. (Enem PPL 2014)

  • PROF. FERNANDO MEIRELLES

    Pgina 4 de 12

    As figuras indicam mudanas no universo feminino, como a

    a) decadncia da Monarquia, revelada pela apario solitria e informal das nobres. b) reduo na escolaridade, simbolizada pela vida dinmica e sem dedicao leitura. c) ampliao do status, conferida pela passagem do local rstico para os jardins do palcio. d) incluso na poltica, representada pela diferena entre o espao privado e o espao pblico. e) valorizao do corpo, salientada pelo uso de roupas mais curtas e pela postura mais relaxada. 11. (Enem 2014) Parecer CNE/CP n 3/2004, que instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educao das Relaes tnico-Raciais e para o Ensino de Histria e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Procura-se oferecer uma resposta, entre outras, na rea da educao, demanda da populao afrodescendente, no sentido de polticas de aes afirmativas. Prope a divulgao e a produo de conhecimentos, a formao de atitudes, posturas que eduquem cidados orgulhosos de seu pertencimento tnico-racial descendentes de africanos, povos indgenas, descendentes de europeus, de asiticos para interagirem na construo de uma nao democrtica, em que todos igualmente tenham seus direitos garantidos. BRASIL. Conselho Nacional de Educao. Disponvel em: www.semesp.org.br. Acesso em: 21 nov. 2013 (adaptado). A orientao adotada por esse parecer fundamenta uma poltica pblica e associa o princpio da incluso social a a) prticas de valorizao identitria. b) medidas de compensao econmica. c) dispositivos de liberdade de expresso. d) estratgias de qualificao profissional. e) instrumentos de modernizao jurdica. 12. (Enem PPL 2014) Desde 2002, o Instituto do Patrimnio Histrico e Artstico Nacional (lphan) tem registrado certos bens imateriais como patrimnio cultural do pas. Entre as manifestaes que j ganharam e