Guaianas 114

  • View
    110

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • ANO 7 - N.o 114 Tiragem 25 Mil | www.fb.com.br/JornalGuaianas | raleste@gmail.com | Tel.: (11) 2031-2364 2 QUINZENA DE FEVEREIRO DE 2015

    Linha 11 do metro LuzGuaianases recebe novo trem

    Atualidade

    Politica

    Balano do CarnavalBrasileiro

    So Paulo, a exemplo de outros grandes cen-tros urbanos mundo afora, no pode prescindir de uma rede prpria para os ciclistas. No entanto muito preocupante a forma improvisada com que a criao de ciclovias e ciclofaixas na cidade vem sendo conduzida pela prefeitura que, deixando o planejamento de lado, optou, equivocadamente, por aes pulverizadas em diversos... Leia na pg 02

    Transparncia nas ciclovias

    Para informao dos nos-sos leitores estamos na presente edio fazendo um balano das ativida-des que fizeram parte da segurana pblica durante o perodo carnavalesco de 2015. Leia na pg 04

    Maior transparncia aosprogramas de

    moradia popular

    Plataforma disponvel na internet oferece informa-es detalhadas sobre lo-cal, andamento da constru-o e populao atendida de cada empreendimento. Todos os interessados em participar do programa ha-

    bitacional devem renovar o cadastro.

    A Prefeitura lanou um novo sistema na internet que permite que qualquer cidado acompanhe o an-damento dos programas de moradia... Leia na pg 03

    Edital de alienao com encargos de terreno de 632 mil m da Cohab na Cidade Tiradentes ser publicado para consulta. Objetivo levar entre 3.000 a 4.000 empregos para regio que s conta com 0,1% das ofertas de trabalho.

    A Prefeitura de So Paulo... Leia na pg 03

    Municpio buscaparceiroprivado para construir centro de servios na CidadeTiradentes

    Entrega faz parte da re-novao da frota da Com-panhia Paulista de Trens Metropolitanos

    A Linha 11-Coral (Luz - Guaianases) da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) ga-

    nhou mais um trem na se-gunda-feira, 23. A entrega completa o lote de nove composies da srie 9000

    em operao. Toda a frota da CPTM est sendo reno-vada e 105 novas composi-es... Leia na pag 04

    Aps enchente, bloco de carnaval protesta em Guaianases

    Matou o rio / transfor-mando em esgoto / bo-tando o pobre pra beber volume morto / agora vem a uma baita taxa / se eu

    protesto me esculacha / e bota choque no meu couro. Foi ao som deste samba-enredo que o bloco Boca de Serebesqu saiu

    s ruas no domingo (15), em Guaianases, zona leste de So Paulo.

    Com a concentrao feita... Leia na pg 02

  • Uma publicao do Grupo Acontece de Jornais e Revista

    As matrias publicadas so de exclusiva responsabilidade dos colaboradores e no representam necessariamente a opinio do Jornal. Os nomes dos colaboradores e representantes comerciais no mantm vnculo empregatcio com a empresa.

    Diretor e Chefe de Redao: Divaldo Rosa MTb: 42.488 Jornalista (fl): Silmara Galvo Nunes Representantes Comerciais: Pastor Odair Designer: Ademir Rodrigues Revisora: Prof. Suseli Corumba Administrao Financeira: Ademir Rodrigues Distribuio: Mart Press Distrib.de Jornais Redao e Publicidade Fone/Fax: 2031-2364 / 2513-0928 Av. Guachos, 166 Cep: 08030-360 Vila Curu - SP - E-mail: raleste@gmail.com (fl = Freelancer)

    Jornal

    SUB PREF. DE GUAIANASESEstr. Guaianases, 2565

    Jd Helena / Guaianases-SP

    BANCA COQUINHORua Hipolito de Camargo, 460

    Guaianases-SP

    BANCA DE JORNAIS A MUSICALRua Salvador Gianetti, 1156

    Guaianases-SP

    BANCA NOVA COQUEIROEstr. Itaquera Guaianases, 2423

    Jd Helena / Guaianases-SP

    BANCA TEMAS E LETRASAv. Salvador Gianetti, 564

    Guaianases-SP

    BANCA COQUINHOR. Hipolito de Camargo, 460

    Guaianases-SP

    Atualidade 2 QUINZENA DEFEVEREIRO DE 2015

    Bola ForaC R N I C APor ALLAN REGIS

    No tempo em que Guaiana-ses no passava de um bairro annimo, escondido do mundo, oferecendo informao apenas atravs da tv ou do rdio, tendo ainda como seu centro uma pequena avenida principal com uma precria passarela que se ligava estao velha e algumas lojinhas, armazns e barbeiros de canto tentando sobreviver, a rua se sobressaia como o nico espao da diverso para a molecada.

    Ruas de terra ainda.

    cuspia o fumo na lixeira e tratava logo de erguer uma garrafa da boa pinga e um pratinho cheio de fatias de mortadela tempera-das com limo, tira gosto irresis-tvel para aqueles que apreciam a marvada, o comerciante fazia questo de erguer os atrativos e gritar com sua voz rouca:

    - Oi, homi! Quem no pi-diu, pida!

    O nosso jogo ia bem, at que um pelintra bbado apareceu em cena e foi avistado por Seu Sebastio que cuspiu o fumo, er-gueu o litro e o pratinho e encheu o pulmo para soltar sua frase que atrairia o fregus pinguo que passava do outro lado da rua vindo de um concorrente.

    O Tatu, um amigo da poca, que nem sei por onde anda, se viu diante de uma chance clara de gol. Aquela que at nossas vs fariam. O gol estava prati-camente feito. Ele entendeu que no poderia parar por nada neste mundo...

    Acabou esbarrando no bba-do, que caiu, deu um chute torto e a bola foi parar na boca de Seu Sebastio que, por sua vez, no conseguiu terminar sua frase:

    - Oi, home, quem no pidiu...

    Puf!Ouviu-se em seguida os ba-

    rulhos das garrafas de vidro se chocando, caindo do balco e se estilhaando no cho.

    Todos os moleques deserta-ram a rua. Ningum ficou para ser castigado.

    Fiquei sabendo s escondi-das que o velho Bastio passou uma semana com a boca incha-da, prometendo que uma bola nunca mais rolaria em frente ao seu boteco. Isso foi cumprido por ele, aquele foi o nosso ltimo jogo por ali.

    E Guaianases cresceu e apareceu...

    At hoje, quando passo em frente ao bar, atualmente de portas fechadas, portas enfer-rujadas pela a ao do tempo, um rfo sem esperana de ser reaberto por um sucessor altura de seu nico e exasperado dono j falecido, lembro da cena que descrevi.

    Olho para o rico asfalto mo-derno e tardio, remendado e esculpido por obras desleixadas, mas que hoje cobre a pobre terra antiga e saudosa, e me pergunto:

    Meu?! Como o Tatu pde perder aquele gol?

    - Asfalto s pros ricos - diziam os politizados.

    Em uma dessas ruas, a Dou-tor Carlos da Costa, para ser mais exato, nossa bola de capo-to rolava arrastando pedregu-lhos e atolava na valeta lateral de onde era muitas vezes tirada fora por pernas e ps que mais pareciam foices ou tacos de golfe.

    - Ranca ela da!- Vai, vai, vai!Vp!!!Lembro que o comerciante

    Sebastio, figura lendria do bairro, sempre ficava de olho em ns, disciplinava avisando-nos, com um sarrafo na mo, para que tomssemos cuidado com o magote de litros de pinga que ele deixava exposto em cima do balco do boteco.

    Seu Sebastio, um sexa-genrio, sertanejo forte, magro e careca, mascador de fumo, usava sempre um chapu pana-m branco e tinha uma locuo prpria, unia os gestos a uma frase que chamava a ateno.

    Quando via um cliente em potencial passar na frente do bar tentando se desviar do que as esposas no aprovam, Sebastio

    CADASTRO ou ATUALIZAO de bancafinanceiro.grupoacontece@hotmail.com

    Matou o rio / transfor-mando em esgoto / botando o pobre pra beber volume morto / agora vem a uma baita taxa / se eu protesto me esculacha / e bota choque no meu couro. Foi ao som deste samba-enredo que o bloco Boca de Serebesqu saiu s ruas no domingo (15), em Guaianases, zona leste de So Paulo.

    Com a concentrao feita a partir das 14h, o bloco teve como tema a crise da gua que afeta So Paulo nos l-timos meses. De acordo com o professor de histria e pu-xador dos Serebesqu, Ireldo Alves, 33, o objetivo do samba levar alguma mensagem de cunho social para que as pessoas possam refletir.

    O Boca de Serebesqu existe desde 2008. Neste ano, os ensaios do grupo aconteceram semanalmente, s quartas e domingos. Alm de usar os instrumentos pr-prios, o grupo tambm contou com a ajuda de outros blocos da periferia, como batucada Popular Carlos Marighela.

    O bloco se reuniu na fren-te da casa do norte Trs Irmos, localizada na rua Cosme Deodato Tadeu. Aos poucos, os membros comea-ram a chegar e, por volta das 15h, os primeiros sons come-aram a ecoar pelo local.

    O trajeto inicial previa a ida at o mercado municipal do bairro. No entanto, ele teve

    As vagas so para capital paulista e cidades das regies de Guarulhos, Osasco, ABCD paulista e Baixada Santista.

    O CIEE est recrutando estudantes para o processo seletivo de estgio do Tribunal Regional do Trabalho da 2 Regio. As 52 oportunidades destinam-se a estudantes matriculados do primeiro ao penltimo semestre de pe-dagogia, e do terceiro ao penltimo semestre de direito, histria, jornalismo e rdio e TV. O recrutamento valer tambm para formao de cadastro reserva, visando o preenchimento de futuras vagas.

    Entre os benefcios previs-tos na Lei do Estgio incluem--se bolsa-auxlio de R$ 771, alm de auxlio-transporte, para jornada diria de 4 horas. As inscries devem ser feitas no site www.ciee.org.br at 3 de maro, s 17h.

    De acordo com Luiz Gus-tavo Coppola, superintenden-

    So Paulo, a exemplo de outros grandes centros urbanos mundo afora, no pode prescindir de uma rede prpria para os ciclistas. No entanto muito preocupante a forma improvisada com que a criao de ciclovias e ciclo-faixas na cidade vem sendo

    Transparncia nas cicloviasconduzida pela prefeitura que, deixando o planejamento de lado, optou, equivocadamen-te, por aes pulverizadas em diversos rgos que no se comunicam entre si. Isso fato incontestvel.

    Com a adeso de 23 ve-readores, protocolei no dia 10 de fevereiro pedido de cons-tituio de Comisso Par-lamentar de Inqurito (CPI) com o objetivo de investigar a implantao de ciclovias e ciclofaixas pela Prefeitura de So Paulo.

    A partir de agora o reque-rimento ser submetido a aprov