Jornal Cidade - Lagoa da Prata - Nº 80 - 16/06/2016

  • Published on
    20-Feb-2017

  • View
    134

  • Download
    3

Transcript

Lagoa da Prata, 16/JUNHO/2016 Ano 4 Edio N 80. Tiragem: 4.000 Exemplares SOBRECAPA PROMOCIONALsicoob.com.br FAA POUPANA NO SICOOB. PROTEO E RENDIMENTOPARA SUAS ECONOMIAS.Poupe no Sicoob Poupe no Sicoob. Seu porquinho ganha vida nova e seu dinheiro, vida longa.Procure o Sicoob Crediprata.SAC: 0800 724 4420 | Ouvidoria: 0800 646 4001Deficientes auditivos ou de fala: 0800 940 0458sicoob.com.br CrediprataLagoa da Prata, 16/JUNHO/2016 Ano 4 Edio N 80. Tiragem: 4.000 Exemplares COTIDIANOLagoa da Prata sai do consrcio que administra o SAMU Pg. 16 E 17ECONOMIAVem a a nova edio do prmio As 100 Melhores Empresas de Lagoa da Prata Pg. 09POLTICACmara Municipal presta homenagem a pessoas que sedestacaram emLagoa da Prata Pg. 06ACESSE NA INTERNET: jornalcidademg www.jornalcidademg.com.brCOTIDIANOCasos confirmados de dengue caem 95% em 2016 Pg. 12Biosev investe em aes de desenvolvimento sustentvel e preservao do meio ambiente Pg. 10 E 11ECONOMIALAGOA DA PRATA TEM MDIA DE 4 ROUBOS E FURTOS POR DIA EM 2016SOCIALConfira os flashes da festa mais esperada do ano, a Explagoa 2016 Pg. 27POLTICAMoema destaque em Prmio da Associao Mineira de Municpios Pg. 08Vtimas de furto relatam o drama de ter a casa arrombada.De acordo com estatsticas da Polcia Civil, foram registrados 625 furtos/roubos em Lagoa da Prata em 2016 PG. 14 E 15EDITORIALE statsticas da Polcia Civil mos-tram que, apesar da sensao de insegurana em que vivemos no momento em Lagoa da Prata, os re-gistros de crime esto dentro da mdia dos ltimos quatro anos. E, se compa-rado com Municpios menores, LP pos-sui uma situao menos preocupante. Na prtica, no dia-a-dia fora das pla-nilhas, a situao no bem assim. Pelo menos nos dois ltimos meses, em que percebemos uma escalada da crimina-lidade, principalmente nos registros de furtos e roubos. Os bandidos esto, a cada dia, mais ousados e confiantes na impunidade. Se so presos, nossa legislao, com suas infindveis brechas, permite que eles sejam soltos. Os policiais, civis e milita-res, se desdobram para fazer o trabalho: faltam estrutura e efetivo. E isso no s um problema de Lagoa da Prata. Be-lo Horizonte tambm padece da falta de policiais nas ruas. Quem tem o hbito de ir capital mineira percebe que o poli-ciamento no centro j no era como an-tes, quando se via um PM em cada esqui-na. A segurana pblica responsabi-lidade do Estado, mas quem escreveu essa norma incutiu uma brecha prova-velmente para fugir do compromisso ao atribuir como responsabilidade de todos. Pois o Estado, mais uma vez, se omite de suas obrigaes ao transferi--las aos Municpios. Os crimes aconte-cem nas cidades, e recaem sobre as pes-soas que vivem nelas encontrar a solu-o para se defender, j que o Estado no se faz presente como seria a sua obriga-o. O Estado tirou do cidado o direito de se defender e portar uma arma de fo-go. O Estado deixou as polcias sucate-adas e com nmero insuficiente para atender a demanda. Nem recursos para o combustvel das viaturas o Estado for-nece. o Municpio quem assume esse nus, e muitas vezes ainda paga o alu-guel das delegacias e quartis e custeia funcionrios administrativos.A CONTA NO FECHA O Estado e a Unio ficam com a maior parte dos impostos pagos pelo cidado e devolvem a ele a menor parte em ser-vios. Na teoria, o cidado j paga, por meio de tributos, para ter uma seguran-a pblica decente. Mas na prtica, ele quem tem de pagar a conta, por meio de seu relacionamento no Municpio, para estar em um ambiente seguro. Dito em outras palavras, h um consenso de que o Municpio deveria investir na Guarda Civil Municipal (GMC) e instalar cme-ras de monitoramento como forma de atenuar a criminalidade. No h dvidas de que estas so medidas necessrias e podem dar resultado. A GMC de Lagoa da Prata um avano em relao s de-mais cidades da regio e o governo mu-nicipal precisa de uma estratgia para que tenhamos uma corporao forte e atuante. Mas que fique claro, para o ci-dado, que ele quem vai pagar a con-ta. Na verdade, pagar pelo servio (ter segurana pblica) duas vezes. Isso, sem contar, os gastos com segurana pesso-al e domstica. A segurana pblica requer uma am-pla discusso. Escrevo apenas como um cidado qualquer, que no tem conhe-cimentos tcnicos da rea, mas anseia por uma cidade com menos violncia. Existem algumas aes da sociedade or-ganizada, como o trabalho do Consep (Conselho de Segurana Pblica), que es-t se articulando e buscando solues. O Consep o responsvel pela articulao, junto ao governo municipal, de armar a GMC. Prefeitura e Associao Comercial se comprometeram a mobilizar uma co-mitiva de Lagoa da Prata para pressionar o Governo de Minas por solues ime-diatas para a segurana pblica, mas, at o fechamento desta edio, no havia perspectiva desse encontro. Algum de-veria assumir a tarefa de organizar essa comitiva no apenas de visitar formal-mente o governador mas de fazer uma grande mobilizao na Cidade Adminis-trativa durante esse encontro, com 200, 300 pessoas. Certamente nossa reivindi-cao chamaria a ateno dos grandes veculos de imprensa do Estado e tera-mos mais chances de xito nessa cruza-da contra a violncia.O Estado no garantea segurana e ocidado paga a contaCARTA DO EDITORJULIANO ROSSIjuliano@jornalcidademg.com.brLagoa da Prata,16/06/20162POLTICAPriorizar um atendimento humanizado o diferencial de nossa gesto, diz a secretria Cali SilvaMais investimentosTendo a humaniza-o do atendimento como prioridade, a Pre-feitura Municipal de La-goa da Prata, atravs da Secretaria de Assistncia Social, em sua atual ges-to, prima por uma pol-tica pblica de articula-o junto s demais pol-ticas e busca assegurar populao o acesso aos di-reitos bsicos do cidado. Temos por objetivo ga-rantir a proteo social famlia, infncia, ado-lescncia, velhice, am-paro s crianas e adoles-centes em situao de vul-nerabilidade e risco social, promoo de integrao ao mercado de trabalho e realidade e promoo de integrao comunidade para as pessoas com defici-ncia e o pagamento de be-nefcios aos idosos e as pes-soas com deficincia. Com uma equipe dinmica de profissionais comprome-tidos com as temticas so-ciais e a demanda do mu-nicpio, investimos des-de 2013 mais de 5% do or-amento do municpio na execuo dos nossos servi-os., disse Cali Silva, secre-tria de Assistncia Social. Cali tambm frisou que em 2015 foram arre-cadados R$ 232 mil a me-nos que o valor previsto e que mesmo assim todos os servios prestados se man-tiveram. Mesmo com o atraso destes repasses dos governos Estadual e Fe-deral nenhum de nossos equipamentos sofreram cortes ou prejuzos em seu atendimento graas aos in-vestimentos com recursos prprios e ao comprome-timento dos nossos profis-sionais, destacou.PUBLIEDITORIALCali Silva, secretria municipal de assistncia socialConselho tutelar O Conselho Tutelar de Lagoa da Prata formado pelos conselheiros Thas Rodarte, Camila Xavier, Iara Olivei-ra, Bianca Soares e Cludio Henrique, que trabalham embasados no Estatuto da Criana e do Adolescente (ECA) sobre a lei federal 8.069/90. O rgo, que aut-nomo, tem por objetivo atender crianas, adolescentes e suas respectivas famlias, oferecendo a eles a requisi-o de servios pblicos nas reas de sade, educao, servio social, previdncia, trabalho e segurana, atra-vs de uma rede entre os programas da assistncia so-cial e o prprio Conselho Tutelar. O trabalho dos con-selheiros desenvolvido durante 24 horas atravs do atendimento em horrio comercial e planto por meio do telefone 3261-1111 ou 9 99139597, que recebem de-nncias annimas. O conselho atende uma mdia de 15 pessoas por dia,Doao de veculos e imveis para entidadesA Associao Francisco de Assis recebeu da Pre-feitura Municipal, atra-vs da Secretaria de Assis-tncia Social, terreno de 1490 m2. Aps ter seu ve-culo roubado o SOS (Servi-o de Obras Sociais) rece-beu da Prefeitura Munici-pal, atravs da Secretaria de Assistncia Social, do-ao de veculo 0 km pa-ra transportar seus ido-sos com mais segurana e conforto.MAIS INVESTIMENTOS ATRAVS DESUBVENES:2011 - R$ 599.394,092012 - R$ 894.857,522013 - R$ 1.066.039,872014 - R$ 1.175.085,142015 - R$ 1.158.628,63HORTABairro Amrico SilvaBairro Santa Eugnia IIBairro MarliaBairro MarliaBairro Sol NascenteBairro Etelvina MirandaBairro Maria Fernanda IBairro GomesLOCALRua Arcos, s/nRua Rev. Messias Leite, s/nRua Antnio Cor. de Oliveira, s/nRua Samuel Bernardes, s/nRua Jovelina Maria, s/nRua Abdala Mamede, s/nRua Santa Catarina, s/nRua Silvrio Rocha, s/nHortas comunitrias O programa beneficia 217 famlias cadastradas e referenciadas no CRAS (Centro de Referncia de Assistncia Social). O ob-jetivo principal do progra-ma a mobilizao comu-nitria no sentido de cons-cientizar sobre a impor-tncia de uma alimenta-o balanceada, aliada a uma economia domsti-ca. Em 2012 foram inves-tidos 10 mil reais, enquan-to que em 2015 foram exe-cutados 32 mil reais.Famlia AcolhedoraO servio de Fam-lia Acolhedora uma alternativa de abrigo, pois um atendimento mais humanizado que a criana ir receber. Nes-te perodo a criana esta-r em famlia e no em uma instituio.Servio de Proteo e Atendimento Integral Famlia (PAIF)O PAIF uma das principais aes de-senvolvidas pelo CRAS. E o Servio de Proteo e Atendimento Integral Fam-lia (PAIF), que visa a proteo das fam-lias, prevenindo a ruptura de laos, pro-movendo o acesso e usufruto de direitos e contribuindo para a melhoria e quali-dade de vida.Programa de erradicao do trabalho infantil (PETI)A Assistncia Social, atravs do CREAS e do servio de forta-lecimento de vnculos, promo-ve aes estratgicas de articu-lao entre a rede socioassisten-cial do SUAS (Sistema nico de Assistncia Social) e s demais polticas. Lagoa da Prata,16/06/20164POLTICAFundo para a Infncia e Adolescncia O 1 encontro empresa-rial de amigos e parceiros da criana e do adolescen-te em Lagoa da teve o ob-jetivo de reunir pequenos, mdios e grandes empre-srios e os seus contado-res para discutirem so-bre o apoio ao Fundo da Infncia e da Adolescn-cia (FIA).Programa ampara mulheres vtimas de violnciaProfissionais do Programa de Atendimento Especia-lizado Famlias Indivduos realizado pelo Centro de Referncia Especializado de Assistncia Social CRE-AS implementaram o Grupo de Apoio s Mulheres V-timas de Violncia Renascidas, que atende mulheres de Lagoa da Prata. As vtimas que participam do progra-ma tem o apoio de psicloga, assistente social e ainda assessoria jurdica.Cinema nos bairrosO cinema nos bair-ros tem como objeti-vo fortalecer os vn-culos comunitrios e familiares e divulgar a campanha de enfren-tamento ao trabalho infantil.Curso de cuidador infantilO curso de cuidador in-fantil visa capacitar pes-soas com conhecimen-tos, habilidades, atitudes e valores necessrios, pa-ra cuidar de bebs e crian-as, zelando pelo seu bem estar geral.O evento beneficente Unidos Por Lagoa beneficiou 13 entidades do municpio.Associao de apoio ao autista (ASAP), AMAVI e AMAVIDAOs CRAS organizam os grupos de gestantes, com o ob-jetivo de instruir as futuras mames. Elas tm orienta-es com diversos profissionais de sade e de assistn-cia social. As mes tambm receberam os kits mater-nidade para auxiliar na chegada do beb.Curso de orientao s gestantesPrograma Bolsa Famlia O Cadastro nico para Programas Sociais rene informaes socioecon-micas das famlias bra-sileiras de baixa renda aquelas com renda men-sal de at meio salrio m-nimo por pessoa. Essas in-formaes permitem ao governo conhecer as re-ais condies de vida da populao e, a partir des-sas informaes, selecio-nar as famlias para diver-sos programas sociais. Em Lagoa da Prata, o total de famlias inscritas no Cadastro nico de 5.110. As famlias recebem benefcios com valor m-dio de R$ 152,93 e o valor total transferido pelo go-verno federal em benef-cios s famlias atendidas alcanou R$ 285.665,00 no ms.Servio de Fortalecimento de vnculos O programa atende crianas e adolescentes de 6 a 15 anos e tem como ob-jetivo ampliar trocas cul-turais e de vivncias, de-senvolver de pertena e de identidade, fortalecer vnculos familiares e in-centivar a socializao e a convivncia comunitria atravs experincias ldi-cas, culturais e esportivas.Centro de Referncia Especializado da Assistncia Social (CREAS)O programa desenvolve um trabalho conjunto envol-vendo o profissional, a famlia e a comunidade, pos-sibilitando que a famlia tenha controle de sua pr-pria situao, adquirindo a oportunidade de pensar em aes e estratgias que propiciaro a proteo de seus membros.Departamentos que passaram por mudana de endereos e ganharam nova mobliaO CRAS do bairro Marlia, CREAS, SAFA (Servio de Acolhimento em Famlia Acolhedora), Conselho Tute-lar, Conselhos Municipais esto em novos endereos com instalaes mais amplas e de fcil acesso aos usu-rios. A Secretaria Municipal de Assistncia Social tam-bm ganhou um novo espao, localizado na Rua 27 de Dezembro, n 108 - Centro (Ao lado da ACE/CDL) J o CRAS do bairro Gomes e o Servio de Convivncia e Fortalecimento de Vnculos ainda esto em proces-so de mudanas.Centro de Referncia de Assistncia Social (CRAS)O municpio de Lagoa da Prata possui trs uni-dades do CRAS, onde ca-da uma composta por uma equipe multidisci-plinar com assistentes so-ciais, psiclogos, e apoio administrativo e opera-cional que desenvolve aes como acompanha-mento psicossocial, pa-lestras, grupos de convi-vncia, capacitao e in-sero produtiva, campa-nhas socioeducativas, en-caminhamentos e acom-panhamento de fam-lias, reunies e aes co-munitrias, articulaes e fortalecimento de gru-pos sociais locais e pol-ticas pblicas. Atualmen-te, o CRAS possui 8.300 famlias referenciadas. Em 2015 foram registra-das mais de 5.400 aes e 2.832 atualizaes cadas-trais.A Secretaria Municipal de Assistncia So-cial uma parceira fundamental para as en-tidades de Lagoa da Prata, sempre de por-tas abertas para nos receber. com satis-fao que em nome da AMAVI agradeo a ateno, carinho, apoio e respeito com os trabalhos desenvolvidos pela InstituioAdriana do Couto Dias Castro,Coordenadora Geral da AMAVIFoi atravs do programa Famlia Acolhe-dora que aprendi o verdadeiro significado da palavra famlia. O programa ajuda mui-tas mes, que assim como eu na poca, no tem o apoio de ningum e no sabia como mudar de vida e dar uma boa educao pa-ra seus filhos. Agradeo todos os profis-sionais do Famlia Acolhedora. Susan Kelem Costa,servidora pblica e famlia acolhidaDepoimentosjornalcidademg.com.br16/06/2016 5POLTICAO Poder Legislativo de Lagoa da Prata realiza anualmente a sesso solene de outorga da Medalha de Honra ao Mrito Municipal, que presta homenagem a homens e mulheres que se destacam ou se destacaram em suas reas de atuao. Veja quem so os agraciados no ano de 2016.DA REDAO contato@jornalcidademg.com.brCmara Municipal presta homenagem a pessoas que se destacaram em Lagoa da PrataCarlos Donizetti Borges Classe AmbientalHomenageado pelavereadora Quelli CoutoDarlen Amorim Classe CulturalHomenageado pelovereador Di-Gianne NunesThais Aparecida Lacerda Vieira Classe ComercialHomenageada pelovereador Adriano MoreiraPaulene Mrcia Andrade e Silva Classe EducacionalHomenageada pelovereador Adriano MoraesWaldemiro Azeredo Teixeira Classe EsportivaHomenageado pelovereador Iraci dos SantosIracy dos SantosClasse RuralHomenageado pelovereador Fortunato do CoutoLindomar Ribeiro dos Santos Classe EmpresarialHomenageado pelovereador Paulo PereiraHemerson Kenedy da Silva Classe ReligiosaHomenageado pelovereador Edmar NunesFrancisco Jos de MirandaClasse VoluntariadoHomenageado pelavereadora Maria Aparecida MarcelinoLagoa da Prata,16/06/20166POLTICAA nova Escola Municipal Afonso Goulart foi inaugu-rada no dia 11 de junho. A uni-dade escolar atende 350 crian-as de 5 a 10 anos e custou aos co-fres pblicos 1 milho e 500 re-ais. Sua construo durou 1 ano e meio e leva o nome do top-grafo Afonso Goulart, que veio para Lagoa da Prata na dcada de 1950 e realizou grandes fei-tos nas rea da educao. Pais, alunos, professores e comunidade se reuniram para a entrega da nova escola. O pre-feito Paulo Csar Teodoro co-memorou a entrega da unida-de. Com muita alegria entre-gamos mais uma obra para a comunidade. Precisvamos dar condies melhores aos estu-dantes do bairro. A antiga esco-la demandava muitas reformas e j no comportava as neces-sidades. Essa nova escola mar-ca essa preocupao que eu e o Roberto temos com a melhoria da educao em Lagoa da Prata, no somente na infraestrutura, mas em condies de funciona-mento e valorizao dos servido-res e dos usurios, afirmou. Morador do bairro Gomes, o vice-prefeito Ismar Roberto des-tacou a sua satisfao em inau-gurar a nova escola obra. H quatro anos, quando eu e o Pau-linho percorremos as ruas pe-dindo o apoio da populao e levando as nossas propostas de governo, o pessoal clamava mui-to por uma melhor qualidade de vida e ns assumimos esse com-promisso. Sabemos o quanto importante realizarmos os so-nhos das pessoas. Ns adquiri-mos um novo mtodo de ensino que est sendo um dos diferen-ciais nas escolas municipais, disse. Autoridades religiosas parti-ciparam da cerimnia de inau-gurao, dentre elas o padre Marcos Tiago, o pastor Vincius Ravane e Monsenhor Eustquio, que falou sobre a importncia da nova escola para a comunida-de. Inaugurar uma escola dar a oportunidade para que as nos-sas crianas cresam no s fisi-camente, mas mentalmente. A grande importncia de uma es-cola formar cidados. Uma es-cola inaugurada traz felicidade no s para os educandos, mas para toda a sua famlia. Eu tenho acompanhado e visitado as esco-las municipais e tenho constata-do uma realidade. H uma har-monia muito grande, destacou.DA REDAO contato@jornalcidademg.com.brObra foi construda com recursos prprios do Municpio. Antiga escola dever abrigar cursos tcnicosBairro Gomes recebe nova escola Afonso Goulart Professores, alunos e famlias lotaram o ptio da nova escola durante a inauguraoRodrigo Gervsio, ao lado do prefeito Paulinho, se formou na Afonso Goulart e hoje faz curso de tcnico em MecnicaMonsenhor Eustquio destacou a qualidade das escolas municipais de Lagoa da PrataFOTOS: ARQUIVO O secretrio munici-pal de sade de Lagoa da Prata, Geraldo de Al-meida, participou do 33 Congresso Nacional de Secretarias de Sade, que aconteceu em Fortaleza, no Cear, entre os dias 2 e 3 de junho. Na oportuni-dade, ele apresentou ini-ciativas exitosas feitas pe-lo Municpio que repercu-tiram em nvel estadual e nacional, como os progra-mas Casa de Apoio e Ouvi-doria da Sade, e a parce-ria com o Ministrio Pbli-co sobre a judicializao das demandas dos usu-rios do servio pblico. Eu apresentei o pro-jeto da Casa de Apoio e o da Ouvidoria foi apresen-tado pela Maria Clia, que trabalha conosco. A par-ceria da judicializao foi mostrada por meio do v-deo gravado pelo Promo-tor Lus Augusto de Rezen-de Pena, disse Almeida. O secretrio tambm participou de seminrios sobre Ateno Bsica e apresentou propostas de alterao do seu funcio-namento, que foram apro-vadas pela assembleia do evento e enviadas ao Mi-nistrio da Sade. Entre essas propostas eu gosta-ria de destacar a desonera-o da folha de pagamen-to da sade. Precisamos in-vestir mais em pessoal, e muitas vezes o municpio fica impedido de fazer isso devido Lei de Responsa-bilidade Fiscal. Outra pro-posta de alterao impor-tante foi a autonomia do gestor em compor a equi-pe de sade, ou seja, com dois mdicos, dois dentis-tas e com mais tcnicos de enfermagem sem alterar a carga horria mnima, que de 40 horas, expli-cou.Promotor fala sobre organizao nas de-mandas de sade em Lagoa da PrataO Promotor de Justia Dr. Lus Augusto Rezende Pe-na afirmou em uma entre-vista concedida assesso-ria de comunicao da Pre-feitura de Lagoa da Prata que a organizao nas de-mandas de sade promo-vida pela Secretaria de Sade facilitou as deman-das judicializadas de exa-mes, consultas, medica-mentos e cirurgias. Em 2011 me deparei com um volume muito grande de demandas de sade judi-cializadas e que esse mo-delo alm de muito desor-ganizado e informal, com-prometia a judicializao da demanda. Diante des-se cenrio, eu senti a ne-cessidade de criarmos um protocolo para formatar o acesso do cidado a essas demandas via Poder Pbli-co, afirmou. Pena ainda destacou que quando o cidado che-ga secretaria para solici-tar a demanda ele j tem todas as informaes ne-cessrias. Hoje, para plei-tear algum desses procedi-mentos, o cidado j che-ga com toda a documen-tao que j foi agilizada na secretaria e ento da-mos prosseguimento pa-ra fins de instaurao de procedimento adminis-trativo e imediatamente se faz a ajuizao. Se a pes-soa tiver uma negativa pe-rante a solicitao ela tam-bm saber o motivo desta e o caminho que ser da-do para fim de judicializa-o. Isso trouxe um bene-fcio muito grande para os usurios e tambm para a administrao, que passa a oferecer um tratamento padronizado para todos, afirmou.DA REDAO contato@jornalcidademg.com.brLagoa da Prata mostra experincias que deram certo, como osprogramas Casa de Apoio e Ouvidoria da Sade. Parceria com oMinistrio Pblico tambm foi destacadaAes da Secretaria Municipal deSade so apresentadas emcongresso nacionalGeraldo de Almeida, secretrio de sade, tambm apresentou propostas de alterao na ateno bsica sadeFOTOS: ARQUIVO A organizao permitiu a desburocratizao e a otimizao do servio pblico de sade, afirma Dr. Luis Augusto jornalcidademg.com.br16/06/2016 7Hoje o municpio de Moema conta com diversas especialidades atendendo diretamente a popula-o! Procure o seu PSF ou a Secretaria de Sade! VEJA OS SERVIOSPRESTADOS:PsiquiatriaObstetrciaGinecologiaUrologiaPediatriaCardiologiaCirurgia Geral,AnestesiologiaOrtopediaReumatologiaMunicpio de Moema se destaca na sadeNo ms de fevereiro o muni-cpio de Moema apresentou o projeto Viva saudvel e sem dengue! e ficou entre os cinco colocados no 33 Congresso da Associao Mineira dos Munic-pios, em Belo Horizonte. O pro-jeto multissetorial, focado em limpeza do meio ambiente, alia-do educao com promoo e preveno em sade, juntamen-te o incentivo a uma alimenta-o saudvel. Este o Prmio Mineiro de Boas Prticas na Ges-to Municipal, Eixo Gesto em Sade e fomos premiados, que demonstra que a prtica leva a excelncia. Um mrito de toda a equipe de Vigilncia Epidemio-lgica e todos os colaboradores do projeto, destaca o secretrio de sade, Guilherme Levy. O projeto comeou a dar os seus primeiros passos no ano de 2010, e por ter um bom poten-cial, foi ampliado pela Adminis-trao 2013/2016 visando a lim-peza mecnica de todos os lo-tes e terrenos baldios com tra-tor e roadeiras manuais e a re-tirada de entulho. Juntamente com esse trabalho, feito em to-dos os bairros, o cidado ainda leva o seu lixo reciclvel e tro-ca por verduras e leguminosas, que so cultivadas dentro do p-tio da epidemiologia, por vas-souras feitas de garrafas plsti-cas e por artesanatos. O restan-te do lixo reciclvel que no po-de ser aproveitado nos artesa-natos e nas vassouras prensa-do e vendido e, posteriormen-te, o recurso revertido para a compra de tinta e insumos para a confeco dos artesanatos. De acordo com o secretrio de sa-de, o projeto totalmente pau-tado na sustentabilidade. Nos-so projeto no gera nus para o municpio e teve adeso em massa da populao. Sabemos que a dengue um dos princi-pais problemas de sade pbli-ca no mundo. Em nosso pas, as condies socioambientais favo-rveis expanso do Aedes ae-gypti possibilitaram a disperso do vetor. Observando tambm que programas essencialmente centrados no combate qumico, com baixssima ou mesmo ne-nhuma participao da comu-nidade, sem integrao interse-torial e com pequena utilizao do instrumental epidemiolgi-co mostraram-se incapazes de conter um vetor com altssima capacidade de adaptao ao no-vo ambiente criado pela urba-nizao acelerada e pelos novos hbitos., afirmou. O projeto que idealizado por Nicolau Gontijo, guarda de endemias e servidor cedido pe-la Funasa, atende toda a popula-o de modo rotativo aos finais de semana e em todos os bairros do municpio.PUBLIEDITORIALPrefeito Julvan Lacerda e parte da equipe de vigilncia epidmiolgica do municpio.Alm de combater a dengue, o projeto estimula a populao a manter lotes, casas e terrenos limpos e ainda se alimentarem melhor.ARQUIVO PREF. MOEMAPOLTICAMais investimentos na sadeUBS Lzaro Lino LacerdaO Consultrio Odontolgico do PSF Lzaro Lino Lacerda j est em pleno funcionamento, com todos os horrios em demanda livre! Faa o seu tratamento dentrio! Basta levar o Carto do SUSPrmio da Associao Mineira de Municpios classificou o municpio como um dos melhores na prtica de gesto em sade de Minas Gerais.Lagoa da Prata,16/06/20168ECONOMIAACE/CDL anuncia a nova edio do prmio empresarial As 100 Melhores Empresas de Lagoa da PrataEntrevistas individuais foram feitas por toda a cidadeO prmio As 100 melhores empresas e profissionais de 2016 um dos mais aguarda-dos pela classe empresa-rial de Lagoa da Prata e j foi anunciado oficialmen-te pela diretoria da ACE/CDL-LP, que pretende en-fatizar cada vez mais a im-portncia dos profissio-nais do municpio. H 3 anos o evento ele-ge as empresas mais lem-bradas em cada segmen-to, atravs de pesquisa re-alizada com consumido-res e empresrios locais por Instituto especializa-do contratado pela ACE/CDL. importante lem-brar que as amostras da pesquisa so realizadas atravs de entrevistas in-dividuais feitas em campo por profissionais treina-dos e no atravs de ques-tionrios distribudos ale-atoriamente, o que sem dvida garante total cre-dibilidade e confiabilida-de no processo, ressalta a assessoria de comunica-o da ACE/CDL. Para esse ano so aguardadas muitas novi-dades como a incluso de novos segmentos, novos prmios de honra ao m-rito, alm de atraes im-perdveis na grande noi-te de entrega dos trofus. imprescindvel home-nagear as empresas e em-presrios que se desta-cam em nosso mercado, Os entrevistados foram procurados em suas resi-dncias e estabelecimentos comerciais e solicita-dos a responder o questionrio. A pesquisa leva em conta a espontaneidade das respostas dos entrevista-dos, ou seja, o respondente no estimulado com op-es de respostas. A premiao, criada em 2014 pela ACE/CDL-LP se mostra cada vez mais forte e mais im-portante para o setor empresarial da cidade. Afinal, que empresa no quer ter a sua marca como a mais re-conhecida, realizada por uma pesquisa sria e pelos seus consumidores?pois sabemos o quanto es-t difcil manter um em-preendimento nos dias de hoje, em meio a essa crise que acreditamos ser mais uma crise moral do que poltica ou financei-ra. Acreditamos que es-te tipo de ao fomenta e reconhece esforos, in-vestimentos e inovaes de nossos empresariados que permanecem firmes nesse cenrio turbulen-to, ressalta o presidente da CDL Paulo Pereira. De acordo com o pre-sidente da ACE, Jos Rai-mundo, o evento se mos-tra mais slido a cada ano. Estamos chegando ao terceiro ano do nosso prmio empresarial e is-so demonstra seu rpido crescimento e respeito adquirido junto aos em-presrios e comunida-de, as pesquisas j esto em fase de finalizao e o grande evento de entre-ga dos prmios, hoje con-siderada uma das festas mais disputadas da noite lagopratense acontecer em setembro em uma be-la noite de gala. A ACE/CDL-LP se or-gulha em conceder o pr-mio As 100 melhores em-presas e profissionais do ano a todos aqueles que, por sua colaborao ao municpio, bom atendi-mento ao pblico, inova-o, profissionalismo e qualidade, alcanaram a excelncia.PUBLIEDITORIALA ACE/CDL realizou em 2015 a cerimnia de entrega da segunda edio do prmio empresarial As 100 Melho-res Empresas e Profissionais de Lagoa da Prata e foi um sucesso. Em uma noite de gala, o evento contou com a participao de diversas autoridades e os homenageados tiveram uma recepo personalizada pela equipe de cerimonial. Este ano o evento trar muitas surpresas e claro, uma noite incrvel de premiaes.FOTOS: ACE-CDLjornalcidademg.com.br16/06/2016 9ECONOMIABiosev investe em aes de desenvolvimento sustentvel e preservao do meio ambienteResponsabilidade Ambiental um conjunto de atitudes, individuais ou empresarias, voltado para o desen-volvimento sustentvel do planeta. Es-tas aes levam em conta o crescimento econmico alinhado proteo do meio ambiente para as geraes atuais e futu-ras, garantindo a sustentabilidade. Neste ano, a Biosev comemora 15 anos de presena em Lagoa da Prata, e ao lon-go desse perodo a empresa vem incorpo-rando polticas de desenvolvimento sus-tentvel na fabricao de seus produtos e processos. A preocupao com a preser-vao do meio ambiente est ligada dire-tamente ao planejamento estratgico da empresa. O Jornal Cidade apurou nesta repor-tagem os principais eixos da poltica am-biental da Biosev: colheita mecanizada, gerao de energia eltrica, aproveita-mento total da cana-de-acar e preser-vao do meio ambiente.COLHEITA100% MECANIZADAA colheita na safra 2016 da Biosev ser 100% mecanizada. A empresa vem inves-tindo h 10 anos na mecanizao do pro-cesso, que oferece maior bem estar po-pulao, tecnificao da mo de obra ne-cessria para a operao de mquinas e equipamentos, traz benefcios ao solo e preserva o meio ambiente. Outro ganho importante para a empresa e a comuni-dade a extino das queimadas. Desde o ano passado, a Biosev, em parceria com a Polcia Ambiental, vem desenvolvendo aes para coibir incndios criminosos. Foi criado um disque-denncia para au-xlio populao, cujo nmero 0800-940-9199. Em entrevista ao Jornal Cidade, o ge-rente agrcola Fernando Bezerra de Pau-la ressalta que a colheita 100% mecaniza-da aumenta a produtividade: A empre-sa no tem interesse em queimar cana, afirma.Quais so as vantagens da colheita mecanizada?Fernando: Os benefcios da colhei-ta crua, como chamada, esto direta-mente ligados ao bem estar da comuni-dade, produtividade do canavial e con-servao do meio ambiente. O colcho de palha deixado sobre o solo protege a terra contra a ao do sol e ventos, con-servando mais umidade, melhorando a fauna microbiana e servindo de fonte de nutrientes e matria orgnica para a cul-tura. Esta palha tambm auxilia na con-servao fsica do solo, evitando eroses. Mantemos a cana mais limpa, o que pos-sibilita gastos menores com herbicida e adubos. Com a colheita totalmente me-canizada, temos mais palha para trazer para a usina, que resulta em mais gerao de energia. Hoje, alm de sermos autos-suficientes, temos capacidade para abas-tecer uma cidade do tamanho de Divin-polis.A colheita mecanizada influencia no resultado da produo?Com a queima da cana, corramos o ris-co de no conseguir abastecer a usina e, consequentemente, produzir menos a-car. Produzindo menos acar, a empresa perde dinheiro. Isso significa que o Mu-nicpio tambm deixa de arrecadar com os impostos que seriam gerados. Repito: a Biosev no tem nenhum interesse em queimar cana porque no vantajoso em termos de negcio. Havia uma apreenso na cidade com relao diminuio da oferta de emprego quando a colheita fosse feita 100% mecanizada. E, felizmen-te, isso no aconteceu, j que a Bio-sev est gerando cerca de 1.800 em-pregos diretos em Lagoa da Prata durante a safra...A empresa vem preparando os colabora-dores desde 2006 sobre essas mudanas. Temos funcionrios que comearam co-mo cortadores de cana e hoje so lderes. A oportunidade de crescimento existe pa-ra as pessoas que querem crescer. Muitos trabalhadores do corte hoje operam m-quinas. Demos a oportunidade a muitas pessoas de se qualificarem, o que resul-ta na melhoria dos seus salrios e da pr-pria qualidade de vida da famlia. No ano passado, a colheita mecani-zada correspondeu a 98%. Mas, mes-mo assim, a populao sentiu, em al-gumas ocasies, os reflexos da fuli-gem proveniente de queimadas. Fo-ram incndios criminosos?Sim. Foram incndios criminosos. Toda vez que algum pratica esse crime, alm de prejudicar o meio ambiente e incomo-dar as pessoas, acarreta prejuzos para o Municpio e para a empresa. Vou explicar. Se eu tenho uma equipe de colaborado-res e mquinas fazendo a colheita numa regio ao norte da indstria, com a cana no ponto certo para o corte, e temos o re-gistro de incncio numa regio ao sul, te-nho que deslocar toda a nossa estrutura (caminhes, mquinas, pessoal) para fa-zer o corte da rea queimada. Geralmen-te essa cana ainda no estava no ponto. Is-so significa mais gastos, menos produtivi-dade e menos impostos para o Municpio. Como feito o monitoramento e combate dos incndios criminosos?A Biosev tem 14 caminhes bombeiros. Alm disso, temos dois veculos que fi-cam 24 horas monitorando as nossas fa-zendas. Tambm existe uma torre de ob-servao, de 30 metros de altura, na qual um colaborador avisa a brigada sobre as queimadas. Se o nosso colaborador ver um foco ou fumaa em rea de cana, APP ou rea de reserva legal, ele aciona a equi-pe para combater o incndio. Essa estru-tura nos custa muito caro e ainda tem o risco de expor nossos colaboradores no combate ao fogo, que muito perigoso. A Biosev tambm se preocupa com a educa-o ambiental. Temos uma parceria com a ASF e vamos fazer uma campanha con-tra o incndio criminoso, com a distribui-o de cartilhas em todas as escolas de La-goa da Prata e Japaraba.PRESERVAO DOMEIO AMBIENTEPara a Biosev, a preservao do meio am-biente um compromisso prioritrio e inegocivel. Todas as questes como re-ciclagem, conservao do solo e da gua, doao de mudas, monitoramento qua-litativo e quantitativo dos recursos hdri-cos e emisses atmosfricas, controle de emisso de resduos e educao ambien-tal so tratados com muita seriedade e procedncia. PROGRAMA RECUPERAANIMAIS SILVESTRESA preservao da biodiversidade outro aspecto importante da responsabilidade ambiental da Biosev. Em 2015 a empre-sa desenvolveu um Programa de Recupe-rao de Animais Silvestres em parceria com o Centro Veterinrio VetLife e Polcia Militar de Meio Ambiente. Os animais fe-ridos so recolhidos e recebem tratamen-to mdico. Posteriormente so soltos em seu habitat natural. Cuidamos dos animais que se aciden-tam na estrada ou nos canaviais e mui-tas vezes nem so acidentados pela pr-pria ao da empresa. No tnhamos ne-nhum suporte a esses animais acidenta-dos na regio. Muitas vezes o animal era queimado ou atropelado nas estradas e rodovias, diz o mdico veterinrio Bru-no Malta, diretor da VetLife. Todo o trata-mento custeado pela Biosev. A maioria dos animais acidentados es-t com fratura nas asas ou patas. J foram recuperados cachorro, tucano, coruja, ga-vio, entre outros bichos. Quando o ani-mal no tem condies de voltar ao seu habitat natural, ele encaminhado para a cidade de Sarzeto, na regio metropoli-tana de Belo Horizonte, onde h um Cen-tro de Triagem de Animais Silvestres (CE-TAS). Neste centro qualquer animal re-ambientalizado, explica Malta. Quem encontrar um animal ferido nas reas de cultivo de cana de abran-gncia da Biosev, pode entrar em con-tato com a Polcia Ambiental, pelo n-mero 3261-1599.PUBLIEDITORIALFernando Bezerra de Paula,Gerente Agrcola da BiosevVeterinrio Bruno e um tucano que j foi devolvido ao seu habitat naturalA colheita da safra 2016 ser totalmente mecanizadaFoto mostra a recuperao de um gavioLagoa da Prata,16/06/201610ECONOMIAREAPROVEITAMENTO DE GUAEm relao ao consumo de gua, um in-sumo estratgico e cada vez mais escas-so, a Biosev investe sistematicamente em tecnologias de recirculao no pro-cesso industrial, tornando seu processo um circuito fechado, que contribui pa-ra a reduo de perdas e possibilitando a reduo do consumo de gua. Tambm utilizada a vinhaa para fertiirrigao do canavial, que o aproveitamento de um resduo do processo. O engenheiro ambiental Jos Lucas explica o processo de reaproveitamento de gua. O principal benefcio a econo-mia de gua, que passa por um sistema de decantao e segue para as caldeiras e lavadores de gases. A perda por evapo-rao compensada pelas torres de res-friamento. Isso permite que possamos usar a gua que perderamos no ar com a evaporao. DOAO DEMATERIAL RECICLVEL A Biosev parceira da Associao dos Ca-tadores de Lagoa da Prata (Ascalp). A enti-dade recebe, semanalmente, a doao de material reciclvel e reaproveitvel. Em 2015, as doaes totalizaram 39,5 tonela-das, beneficiando os 22 associados da As-calp. A doao da Biosev nos ajuda mui-to. muito importante para ns, da As-calp, que as empresas nos destinem es-ses materiais, disse Elvira Amorim, pre-sidente da Associao.CONSERVAO DOSOLO E DA GUAA Biosev realiza periodicamente a an-lise do solo e da gua das reas cultiva-das. O objetivo melhorar a qualidade da terra e evitar o risco de contaminao do lenol fretico. A melhoria do solo importante para o cultivo da cana, pois um solo contaminado no serve para o cultivo. Fazemos o monitoramento das guas subterrneas por meio de quatro poos artesianos, diz Jos Lucas. A qua-lidade das guas dos rios localizados nas reas de cultivo tambm so monitora-das pela empresa. A anlise da gua feita pelo Labora-trio Merieux Nutrisciences, com sede em Chicago, nos Estados Unidos, e pre-sente na China, Brasil, Turquia, frica do Sul e ndia. J a anlise do solo fica sob a responsabilidade do Laboratrio Dinar-do Miranda, considerado um dos melho-res agrcolas do pas. Todos os laboratrios so credencia-dos pelos rgos ambientais brasileiros.DOAO E PLANTIO DE MUDAS A Biosev firmou uma parceria com a As-sociao Ambientalista do Alto So Fran-cisco (ASF) e Associao Ambientalista dos Pescadores do Alto So Francisco (AA-PA), no qual consiste na doao de mu-das e reflorestamento nas reas de APP dos rios da regio. Nos ltimos anos foram doadas 4 mil mudas para a comunidade local e colabo-radores da empresa e feito o plantio de outras 3 mil mudas. A ltima ao acon-teceu na segunda-feira passada (21/06), com o plantio de 350 mudas s margens do Rio So Francisco. Foram plantadas seis espcies diferentes, dentre elas goia-ba, amora, jambolo e oiti. Alm de cola-boradores da empresa, participaram mi-litares da Polcia Ambiental e ambienta-listas. MONITORAMENTO DASEMISSES ATMOSFRICASUm laboratrio externo realiza trs mo-nitoramentos anuais das emisses at-mosfricas. Um aparelho inserido em uma abertura da chamin e capta os ga-ses. De acordo com o engenheiro Jos Lu-cas, a emisso de gases na indstria Bio-sev tem se mantido abaixo dos limites determinados pela legislao federal. A empresa tambm realiza o con-trole de emisso de rudos. O monito-ramento feito duas vezes ao ano pelo Laboratrio Terra, localizado em Goi-nia, com mais de 30 anos de experin-cia no setor agrcola. A anlise feita durante a safra e a entressafra. Os ru-dos gerados por nossa atividade no geram impacto do meio ambiente e es-to dentro dos parmetros estabeleci-dos para os trabalhadores, afirma Jo-s Lucas.GERAO DE ENERGIA ELTRICAE SUBPRODUTOS DA CANADa cana-de-acar aproveita-se praticamente tudo den-tro do processo industrial da Biosev. Alm do acar e etanol, a empresa produz energia a partir da palha da ca-na, com capacidade de suprir as prprias necessidades e abastecer uma cidade com 230 mil habitantes. Outros subprodutos produzidos pela Biosev so:Torta de filtro, que utilizada na adubao dos canaviais Vinhaa - utilizada na irrigao e mantm a umida-de do solo. rica em potssio e possibilita a economia de adubos;SERVIOFale com a Biosev0800-940-9199Polcia Ambiental37 3261-1599Com o objetivo de ser uma empresa susten-tvel, a Biosev realiza o reaproveitamento de gua durante o processo industrial.Caminho da Ascalp faz a coleta semanal de materiais reciclveis e reaproveitveis doados pela BiosevNos ltimos anos a Biosev doou e plantou mais de 7 mil mudas de rvoresJos Lucas, engenheiro ambientaljornalcidademg.com.br16/06/2016 11COTIDIANOviaje pelobrasilcom a cvc.vale muitoe custa pouco.viaje pelo mundo com a cvcem at 12x sem juros.viaje pelo brasilcom preos imperdveis.las vegasDestino com sadas dirias. pacote de 5 dias incluindo: passagem area voando copa e 4 dirias de hospedagem sem caf da manh no Hotel circus circus. vista R$ 1.854 ou 12x sem juros 154 reaisBase: US$ 635. Preo publicado vlido para sada 12/setembro.Prezado cliente: Preo por pessoa em apartamento duplo com sada de Belo Horizonte. Preos, datas de sada e condies de pagamento sujeitos a reajuste e disponibilidade. Condies de pagamento com parcelamento 0+12 no carto CVC Bradesco, 1 + 11 nos demais cartes de crdito ou 1+9 no boleto bancrio. Sujeito a aprovao de crdito. Ofertas vlidas at um dia aps a publicao deste anncio. Preos calculados no dia 15/06/2016 ao cmbio de US$ 1,00 = R$ 2,92. Taxas de embarque cobradas pelos aeroportos no esto includas nos preos e devero ser pagas por todos os passageiros. *Todos os valores dos pacotes CVC so publicados j incluindo taxa de servio, ISS e todos os outros impostos governa-mentais. No esto includos impostos sobre servios extras adquiridos no destino, taxas de turismo cobradas por algumas cidades e taxas de embarque cobradas pelos aeroportos. Descontos mencionados j aplicados no preo do produto.buenos airesDestino com sadas dirias. pacote de 4 dias incluindo: passagem area voando latam e 3 dirias de hospedagem com caf da manh no Hotel unique palcio san telmo. vista R$ 1.062 ou 12x sem juros 88 reaisBase: US$ 364. Preo publicado vlido para sada 08/agosto.porto seguropacote de 8 dias incluindo: passagem area voando Gol, traslados, 7 dirias de hospedagem com caf da manh no Hotel tuareg e passeio pela cidade. vista R$ 678 ou 12x sem juros 56 reaisPreo publicado vlido para sada 25/junho.natalDestino com sadas dirias. pacote de 8 dias incluindo: passagem area voando aZul, traslados, 7 dirias de hospedagem com caf da manh no Hotel aram Residence praia e passeio pela cidade. vista R$ 1.188 ou 12x sem juros 99 reaisPreo publicado vlido para sada 30/julho.maceiDestino com sadas dirias. pacote de 8 dias incluindo: passagem area voando aZul, traslados, 7 dirias de hospedagem com caf da manh no Hotel lagoa mar e passeio pela cidade. vista R$ 1.308 ou 12x sem juros 109 reaisPreo publicado vlido para sada 15/julho.balnerio camboriDestino com sadas dirias. pacote de 6 dias incluindo: passagem area voando Gol, traslados, 5 dirias de hospedagem com caf da manh no Hotel Barra sul e passeio em Blumenau. vista R$ 1.178 ou 12x sem juros 98 reaisPreo publicado vlido para sada 24/julho.loja exclusiva cvc laGoa Da pRataAvenida Brasil, 622 - Centro - (37) 3262-3444 | (37) 3262-2220 (37) 98806-1275 O secretrio munici-pal de Sade, Geraldo de Almeida, afirma que hou-ve um avano no combate doena, mas avisa que os cuidados contra o mosqui-to Aedes Aegipty devem ser constantes. O momen-to de vencermos definiti-vamente quando o ini-migo est fraco, por isso necessrio manter o cuida-do e a ateno no combate ao mosquito transmissor, disse. Almeida ressalta que o envolvimento da popula-o e aes do poder p-blico e da iniciativa pri-vada foram importantes para a queda da incidn-cia da doena. Tivemos uma ampliao da equi-pe de agentes de endemia. Hoje temos 30 profissio-nais. Fizemos uma fisca-lizao mais efetiva com o apoio de 60 agentes co-munitrios de sade. Hou-ve tambm uma mobiliza-o muito grande da popu-lao e das empresas, afir-mou o secretrio. Muitas empresas e ins-tituies em Lagoa da Pra-ta assumiram a luta con-tra a dengue. Lagoacred e Crediprata realizaram di-versas aes e campanhas educativas com o apoio de 20 escolas e o envolvimen-to de mais de 10 mil pesso-as.ZIKA ECHIKUNGUNYADe acordo com a Secretaria Municipal de Sade, no houve registros em Lagoa da Prata de pacientes in-fectados por febre chikun-gunya e zika vrus em 2016, porm, houve uma morte confirmada por dengue. No dia 2 de junho a Se-cretaria de Estado de Sa-de de Minas (SES) divul-gou que quase 500 mil mi-neiros tiveram suspeita de dengue no Estado nes-te ano. Ainda segundo a se-cretaria, 103 pessoas mor-reram por complicaes da dengue e o nmero es-t prximo de superar o recorde de bitos causa-dos pela doena. O recorde aconteceu em 2013, quan-do 117 pessoas perderam a vida por causa da enfermi-dade.Os casos confirmados de dengue em Lagoa da Prata diminuram 95% no primeiro semestre de 2016 em relao ao mes-mo perodo do ano passa-do. Levantamento feito pe-la Secretaria Municipal de Sade, a pedido do Jornal Cidade, aponta que at o dia 13 de junho foram re-gistrados 67 casos confir-mados. Em 2015 foram 1253. Para fins de estatstica oficial, so considerados os doentes que foram tra-tados no sistema pblico de sade e diagnosticados pelo mdico ou que cujos exames laboratoriais fo-ram confirmados pela Fu-ned (Fundao Ezequiel Dias). Os nmeros pode-riam ser mais precisos, j que muitas pessoas conta-minadas se automedicam e se tratam por conta pr-pria em clnicas particula-res. DA REDAO contato@jornalcidademg.com.brSecretrio de Sade alerta que ainda necessrio tomar cuidadoscontra o mosquito transmissorCasos confirmados de dengue caem 95% em 2016Fiscalizao foi intensificada. Os 30 agentes de endemia receberam o apoio de 60 agentes comunitrios de sadeFOTO: JANEANY ALMEIDALagoa da Prata,16/06/201612COTIDIANOVtimas de furto relatam o drama de ter a casa arrombadaNas ltimas semanas em La-goa da Prata tem aumenta-do de forma significativa o regis-tro de furtos e roubos. Os ladres no esto perdoando ningum. So carros tomados de assaltos, comrcios assaltados mo ar-mada, casas invadidas, mulher roubada luz do dia ao sair do trabalho e muitos sonhos des-pedaados. Estatsticas da Pol-cia Civil mostram que de 1 de janeiro a 3 de junho de 2016 fo-ram registrados 513 roubos e fur-tos na cidade, uma mdia de qua-tro ocorrncias por dia . O drama de chegar a sua ca-sa e v-la toda revirada, com a perda de vrios pertences e ob-jetos de valor, retratado por duas pessoas entrevistadas pelo Jornal Cidade que foram vtimas dos assaltantes. Os dois homens pediram para no serem identi-ficados e os chamaremos apenas por Joo e Antnio. Eu estava almoando na ca-sa da minha me. Ao voltar, vi que o porto da minha casa es-tava arrombado e todos os obje-tos jogados ao cho. Minha es-posa estava grvida e comeou a passar mal. A sensao a pior possvel. Tudo que eu falar no chegar perto da sensao de vi-ver aquele momento, desabafa Joo. Os ladres conseguiram tirar o porto eletrnico dos trilhos e arrombaram a fechadura da por-ta da frente. Levaram televiso, joias, dinheiro e objetos pesso-ais. Em seguida, entraram na ca-sa do vizinho ao lado que havia acabado de sair para o trabalho e tambm levaram alguns perten-ces. Como se no bastasse o sus-to e a perda de bens materiais, a ao dos ladres deixou con-sequncias na famlia de Joo. Minha esposa estava grvida e comeou a passar mal. Graas a Deus no perdeu a criana, mas teve que fazer tratamento psico-lgico durante um ano por causa do trauma. Qualquer barulho a gente j imagina que algum es-t entrando na casa. No durmo como antes. Minha casa j tinha cerca eltrica e coloquei monito-ramento. Fiz da minha casa um quartel, no qual eu sou o refm e os bandidos ficam soltos. Preten-do comprar uma arma de fogo e j dei entrada nos procedimen-tos para adquirir legalmente. injusto o bandido estar arma-do e a lei exigir que o cidado de bem esteja desarmado, lamen-ta Joo. Ele diz no ter esperana de que a sensao de insegurana em Lagoa da Prata um dia acabe. Eu acho que as autoridades de segurana tomaro alguma me-dida concreta somente no dia que entrarem na casa delas. Voc s sabe o que quando entram em sua residncia. Graas a Deus eu no estava em casa. Conheo gente que foi assaltada quando estava em casa e foi muito pior. A cidade cresceu. Com o cresci-mento vem muitos benefcios, mas tambm vm coisas ruins, como os bandidos. Tem que ins-talar um batalho de polcia na cidade, tem que ter mais efetivo. A segurana a prioridade da ci-dade neste momento, afirma. Antnio tambm passou por situao semelhante de Joo. Ao final de um dia de trabalho, chegou em casa e viu todos os mveis revirados e o porto ar-rombado. Os ladres levaram di-nheiro e pertences de valor. No se tm notcia se os bandidos fo-ram presos. Outros moradores do bairro tambm foram vtimas de furto. impressionante! Os assaltos acontecem quase sem-pre na mesma hora e nas mes-mas regies. No possvel que a polcia e a justia no consigam tirar esses bandidos de circula-o, desabafa. FORAS DE SEGURANADe acordo com o delegado Dr. Le-onardo Mota, a Polcia Civil tem realizado as investigaes neces-srias para a devida identificao e punio dos autores de crime. As operaes policiais so de-sencadeadas diuturnamente, com o cumprimento de manda-dos de priso e de busca e apre-enso. A cidade de Lagoa da Prata cresceu muito nos ltimos anos e, infelizmente, o nmero de ser-vidores no acompanhou o seu crescimento e, por incrvel que parea, teve seu quadro de servi-dores reduzidos. Mas, apesar de todas as dificuldades encontra-das, trabalham, diuturnamen-te, para realizarem o seu traba-lho da melhor maneira possvel, sempre com a finalidade de pres-tar um servio pblico de quali-dade, em prol do cidado lago-pratense, afirmou. Segundo o comandante da Guarda Municipal, Emerson Sil-va dos Santos, o ideal seria ter um guarda para cada 800 habi-tantes, mas na situao de hoje at um nmero fora da reali-dade. Esperamos trabalhar com um nmero maior para dar esse suporte para Lagoa da Prata. A partir do momento em que es-tivermos armados a populao pode ter certeza de que teremos passado por intensos treinamen-tos na Acadepol (Academia de Polcia), Polcia Federal e prepa-ro psicolgico. questo de ur-gncia a guarda estar armada. O comando da Guarda, os delega-dos, o comando da Polcia Mili-tar esto conversando e daremos uma boa resposta para a popu-lao. Vamos diminuir esses fur-tos, destacou. Francisco Cabral, presiden-te do Consep, tambm desta-cou que algumas medidas esto sendo tomadas para minimizar a questo dos roubos e assaltos em Lagoa da Prata. Alm das medidas que j esto sendo to-madas, a nossa cidade ser colo-cada em um outro patamar de se-gurana pblica com a constru-o do quartel da Polcia Militar em nossa cidade. A PM j dis-pe do terreno prprio e esse um dos nossos projetos mais au-daciosos, frisou. O deputado fe-deral Newton Cardoso Jnior es-t empenhado, junto ao gover-no do Estado, em conseguir os recursos para a construo do quartel. AUMENTO DEPOLICIAIS CIVIS No dia 31 de maio, o superinten-dente da Secretaria de Estado de Defesa Social (SEDS), Andr Pelli, recebeu o vice-prefeito Roberto do Tuim e o deputado Newton J-nior e garantiu que a cidade rece-ber de 6 a 10 novos policiais ci-vis a partir do ms de setembro. Garanto que a solicitao certa-mente ser atendida. Temos cer-ca de 1000 investigadores fazen-do o curso na Academia de Pol-cia Civil e sero designados aps o trmino das Olimpadas. O pe-dido de mais investigadores foi reforado pelo delegado regional Dr. Ivan Jos Lopes.DA REDAO contato@jornalcidademg.com.brFiz da minha casa um quartel, no qual eu sou o refm e os bandidos ficam soltos, lamenta vtima de assalto Dr. Leonardo Mota, delegado da Polcia CivilEmerson Silva dos Santos, comandante da Guarda MunicipalFrancisco Cabral, presidente do ConsepFOTO: JULIANO ROSSIFOTO: RHAIANE CARVALHO ARQUIVO PESSOALARQUIVODe acordo com estatsticas da Polcia Civil, foram registra-dos 625 furtos/roubos em Lagoa da Prata em 2016Lagoa da Prata,16/06/201614COTIDIANOEstamos diante de um momento diferente da segurana em Lagoa da Prata. Esse momento vai passar, afirma Delegado GeralJornal Cidade: O efetivo de Policiais Civis em La-goa da Prata realmente vai aumentar? Dr. Ivan: Sim. Nos prximos dois meses novos investigado-res (que ainda esto no curso de formao na Academia de Pol-cia Civil) devem ser designados para Lagoa da Prata. Ao todo so 1000 novos investigadores j em curso de formao na ACADE-POL e 115 excedentes nomeados pelo Governador no dia 2 de ju-nho deste ano. Alm de 93 no-vos peritos criminais e 34 novos mdicos legistas empossados es-te ano. Estou trabalhando para isso e, sendo realista, acredito que sejam designados algo en-tre 6 a 10 investigadores para La-goa da Prata. A Delegacia de Lagoa da Pra-ta dispe de quantos poli-ciais atualmente? Quantos seriam necessrios para atender toda a populao?Dr. Ivan: Atualmente esto lota-dos na Delegacia de Polcia Civil em Lagoa da Prata 2 delegados, 4 investigadores, 2 escrives , 1 servidor administrativo e mais os servidores administrativos cedidos pela prefeitura e esta-girios remunerados pelo muni-cpio. Foi elaborado um estudo tcnico pelo 7 Departamento de Polcia Civil. Este estudo, que leva em considerao os ndices de criminalidade violenta de ca-da municpio e sua respectiva populao (visando equacionar a demanda de trabalho da insti-tuio em suas diversas verten-tes de atuao na regio: a in-vestigao qualitativa, rotinas de identificao de pessoas, ati-vidades de trnsito, composio de equipes de planto nas sedes de Delegacias Regionais e equi-pe de pronta resposta na sede do departamento), demonstra que, no caso de Lagoa da Prata, atualmente seria razovel a lo-tao total de 15 investigadores, 5 escrives, 3 delegados e 5 ser-vidores administrativos (analis-tas e assistentes). A Prefeitura firmou algum convnio com a polcia em razo da segurana pbli-ca?Dr. Ivan: Sim. Alm do conv-nio celebrado em 31/12/2015, pa-ra cesso de cinco servidores ad-ministrativos, at quatro esta-girios e fornecimento de com-bustvel, material de limpeza e suprimentos; recentemente o municpio de Lagoa da Prata fir-mou um Termo de Convnio de Cooperao Tcnica com a Po-lcia Civil de Minas para, atra-vs da ACADEPOL, possibilitar o treinamento necessrio e aper-feioamento da Guarda Munici-pal, com especial foco no treina-mento de tticas de abordagem, conduo, manejo e emprego de armas de fogo e demais te-mticas pertinentes.O que tem sido feito para mi-nimizar a situao do alto n-dice de roubos e furtos em Lagoa da Prata?Dr. Ivan: O que a Polcia Civil faz, de regra, e por determina-o constitucional, investi-gar. Portanto o que a Polcia Ci-vil tem feito, atravs da Delega-cia de Lagoa da Prata, instau-rar Inquritos Policiais para elu-cidao desses crimes no evita-dos. Ou seja, em matria de Se-gurana Pblica, o papel da Po-lcia Civil repressivo. De for-ma que devem ser exitosas as nossas investigaes (com pro-va da materialidade e indcios suficientes de autoria). E assim sendo, os criminosos podem ser processados e condenados. Em alguns casos at possvel a Pri-so Preventiva, ou seja, priso antes mesmo da condenao, para garantia da ordem pbli-ca, por exemplo (mas no a re-gra). Se condenados eles saem de circulao pelo menos tem-porariamente e com isso pode--se reduzir a criminalidade. Evi-tam-se novas aes criminosas desses indivduos. interessante ressaltar a im-portncia do trabalho preven-tivo, ou seja, do patrulhamen-to ostensivo e quanto mais nu-meroso melhor, de atribuio da Polcia Militar. O que tam-bm permitido Guarda Mu-nicipal, e que, no caso, atuan-te em Lagoa da Prata. Alis, is-so raro. Lagoa da Prata um exemplo. Pouqussimos muni-cpios na regio centro oeste de Minas tm Guarda Municipal. Ressalto a importncia do tra-balho preventivo porque de fa-to melhor prevenir do que re-mediar. Na prtica, quanto me-nos preveno, mais demanda de trabalho para a Polcia Civil e da menor o seu poder de con-centrao em cada caso no evi-tado. Consequentemente, me-nor ser o ndice de apurao. Resultado: mais crime. A Polcia Civil, de forma ge-ral, est atenta situao de La-goa da Prata, articulando apoio de pessoal das unidades poli-ciais vizinhas e fazendo interlo-cuo de informaes com estas para tentar otimizar os resulta-dos. Os policiais civis que temos hoje na cidade esto trabalhan-do muito, fazendo at mais do que o possvel, dentro da legali-dade, claro. J na prxima se-mana a DPC de Lagoa da Prata receber apoio da DPC de Arcos e da DRPC de Bom Despacho. No h, porm, motivo para pnico no caso de Lagoa da Pra-ta. O momento de ateno e ateno est sendo dada pelos rgos de segurana e pelas au-toridades do municpio. Devido ao nmero reduzido de efetivo, em que a polcia tem se concentrado para re-duzir os assaltos?Dr. Ivan: Acrescento, porm, que a Polcia Civil, em Lagoa da Prata, est priorizando os inqu-ritos policiais relativos aos cri-mes violentos. E est concen-trando esforos tambm na re-presso ao trfico de drogas, que, conforme a experincia mostra, fomenta vrios outros tipos de crimes.Exemplo de trabalho desenvol-vido foi a operao deflagrada na cidade h poucos meses. Tra-balho conjunto da Polcia Civil com a Polcia Militar e o Minis-trio Pblico, com apoio do Ju-dicirio. Na ocasio foram em-penhados mais de cem policiais, mais de trinta viaturas e at um helicptero da Polcia Civil. Fo-ram presas 24 pessoas. Vrias operaes semelhantes j acon-teceram este ano em cidades da regio centro oeste.O que mais pode ser feito para auxiliar na questo se-gurana pblica?Dr. Ivan: Alm da necessidade de mais investimentos em Se-gurana Pblica, concordo (um problema no de agora), faz-se necessrio e tambm uma refor-ma da legislao penal e proces-sual penal no Brasil. No falo de previso de penas mais severas, mas da certeza de pena. Perce-bo que a sociedade no aceita mais conviver com essa sensa-o de insegurana e a quase certeza de impunidade da par-te dos bandidos. Da forma como est, diante de tantos institutos despenalizadores e penas alter-nativas, tantas possibilidades de liberdade provisria e tantos re-cursos... a lei no Brasil no ini-be o indivduo com disposio para o crime; no pune e no serve de exemplo, ao contrrio, estimula a escalada do crime e de outro lado desestimula o tra-balho policial. Afinal, os nossos clientes so quase sempre os mesmos.Houve alguma reduo ou aumento de crimes em re-lao a outros anos?Dr. Ivan: Nos ltimos anos hou-ve acentuada reduo no nme-ro de homicdios em Lagoa da Prata (caiu de 8 homicdios em 2013 para 02 ou 03 em 2015, sal-vo engano). Uma das menores taxas de homicdios da regio. E posso dizer que mesmo o nme-ro de roubos (indesejvel e ina-ceitvel, claro) muito menor que o de outras cidades desta re-gio, inclusive algumas cidades com numero bem menor de ha-bitantes. Existe cidade na regio que no chega ao dobro de ha-bitantes de Lagoa da Prata e que registrou 7 vezes mais roubos, infelizmente. Digo isso no pa-ra ficarmos tranquilos, mas pa-ra reflexo. Estamos diante de um momento diferente, diria atpico, da segurana em Lagoa da Prata, mas que no chega ao descontrole. Esse momento vai passar. Devemos ficar realmen-te atentos, sempre. E a comuni-dade deve continuar apoiando os rgos de segurana. Cada um de ns tambm deve assu-mir a responsabilidade social e ainda criar mecanismos de de-fesa do patrimnio particular. Quais os fatores que podem contribuir para um assalto?Dr. Ivan: tambm preciso ter conscincia que existem vrios fatores que contribuem para a criminalidade. Fatores sociais, econmicos e culturais. A pr-pria legislao por demais bene-volente. Assim, no se pode fa-lar em segurana pblica em ca-da municpio de forma isolada, fora do contexto nacional. Cada municpio tem suas peculiarida-des e deve fazer a sua parte (es-pecialmente apoiando as foras de segurana estaduais, criando Guardas Municipais e instalan-do sistema de vigilncia por c-meras). Mas o fenmeno da cri-minalidade mais amplo. A tec-nologia encurtou as distncias. Para o criminoso no existem fronteiras. DA REDAO contato@jornalcidademg.com.brDr. Ivan Jos Lopes, Delegado Geral e Chefe do 7 Departamento de Polcia Civil de DivinpolisFOTO ISMAEL COSTAEm entrevista exclusiva ao Jornal Cidade, Dr. Ivan Jos Lopes reconhece que a cidade passa por uma situao atpica e pede o apoio da comunidade aos rgos de segurana jornalcidademg.com.br16/06/2016 15COTIDIANOLagoa da Prata sai do consrcio que administra o SAMUSecretrio de Sade Geraldo de Almeida, prefeito Paulo Teodoro e assessor Antnio Juarez explicaram, em coletiva de imprensa, os motivos da sada do SAMUFOTO: JULIANO ROSSIFOTO: RHAIANE CARVALHOO prefeito Paulo Teodo-ro convocou uma coleti-va de imprensa no dia 16 de ju-nho (quinta-feira) para explicar os motivos que levaram Lagoa da Prata a sair do CIS-URG (con-srcio de 54 municpios que vi-sa oferecer o Servio de Atendi-mento Mvel de Urgncia SA-MU). Acompanhado do secret-rio de Sade, Geraldo de Almei-da, e do assessor tcnico Ant-nio Juarez de Castro, o chefe do Executivo afirmou, entre outras coisas, que a direo do consr-cio no cumpriu com o acordo firmado inicialmente e colocou em dvida o funcionamento da proposta, j que, segundo eles, a maioria dos municpios no es-t pagando as mensalidades ao rgo. No final da tarde do dia an-terior, profissionais que foram aprovados no processo seletivo feito pelo CIS-URG estiveram na prefeitura, acompanhados pe-los vereadores Quelli Couto, Di--Gianne Nunes, Cida Marcelino e Natinho, na tentativa de bus-car explicaes sobre a sada de Lagoa da Prata do consrcio, j que no foram atendidos pelo prefeito. A nossa reivindicao porque fizemos o processo se-letivo e fomos classificados. Fi-zemos a prova, a capacitao e estvamos apenas aguardando para assinar o contrato. Esta se-mana fomos surpreendidos que a base onde seria o SAMU estava sendo transformada em consul-trio dentrio, afirmou a tcni-ca de enfermagem Marasa Mr-cia Ferreira Silva. EXPLICAESA Administrao Municipal con-vocou uma coletiva de imprensa para explicar os motivos da sa-da de Lagoa da Prata do consr-cio. Participaram o Jornal Cida-de, Jornal O Papel e Rdio Vere-das. Veja a seguir as explicaes do governo. DESCUMPRIMENTODE ACORDO:Quando os municpios inicia-ram as tratativas de implantar o SAMU, de acordo com o pre-feito Paulinho, Lagoa da Prata se-ria contemplada com uma base avanada e se tornaria uma ci-dade plo do SAMU, com ambu-lncia, mdico, tcnicos de en-fermagem e socorrista. Depois o CIS-URG decidiu enviar para Lagoa uma ambulncia simples com tcnicos de enfermagem e motorista, servio inferior ao que j oferecido pelo Resgate Municipal, que conta com m-dico e enfermeiro no transpor-te dos pacientes. Este foi o prin-cipal motivo que teria levado a Administrao Municipal a rom-per com o CIS-URG. INADIMPLNCIADA MAIORIA DOSMUNICPIOS:At dezembro de 2015, Lagoa da Prata pagava, mensalmente, ao SAMU cerca de R$ 2.500. 13 dos 54 municpios estavam em d-bito com o consrcio. Em 2016 o valor da contribuio de La-goa da Prata foi elevado para R$ 12.500 e at o ms de maro apenas 3 municpios estavam em dia com o pagamento de su-as mensalidades, conforme pla-nilha apresentada pelo secret-rio de Sade. Temos vrias ci-dades que at hoje no paga-ram nenhuma parcela. O que vai acontecer com esse consr-cio? O pagamento vai sobrar pa-ra as cidades maiores. O que cus-taria R$ 12 mil por ms passaria para R$ 20 mil, R$ 30 mil, tendo uma ambulncia simples, e ain-da ter a obrigao de dar supor-te para a cidade vizinha, critica o prefeito Paulinho. RESGATE MUNICIPAL:Lagoa da Prata j oferece, segun-do o prefeito Paulinho, o mes-mo servio proposto pelo con-srcio. Estamos prestando es-se servio para a comunidade com toda a qualidade e econo-micidade. Samos de um consr-cio que nos obrigava a atender o cidado de uma cidade vizinha e estamos atendendo o cidado de Lagoa da Prata, que a nossa obrigao. PROCESSO SELETIVODO SAMU:Segundo o prefeito, as pessoas aprovadas no processo seletivo feito pelo CIS-URG podem ser convocadas para trabalhar em qualquer municpio participan-te do consrcio. O fato de a pes-soa ser de Lagoa da Prata no ga-rante a ela o direito de trabalhar em Lagoa da Prata. Ele disse que a Administrao Municipal ir agendar uma reunio com to-das as 12 pessoas aprovadas no processo seletivo do SAMU feito pelo consrcio para explicar os detalhes do relacionamento do municpio com o CIS-URG. INCERTEZA:Eles (CIS-URG ) no esto sen-do claros. Os municpios esto participando sem saber qual ser o futuro do consrcio. La-goa da Prata no participa des-se consrcio mais. O prefeito ainda criticou outros vereado-res que, segundo ele, nunca fo-ram na prefeitura nos ltimos trs anos e agora compareceram querendo confuso. CIS-URG NOCUMPRIU O ACORDO:O assessor tcnico Antnio Jua-rez de Castro afirmou que quan-do iniciaram as conversas en-tre os prefeitos da regio para a formalizao do consrcio, fi-cou decidido que Lagoa da Pra-ta teria uma ambulncia avan-ada com mdico. Ele argumen-tou que a cidade uma das pou-cas da regio que possuem UTI e UPA. Se ns temos um hos-pital de referncia para toda a regio, Lagoa da Prata vai fi-car com uma ambulncia sim-ples?, questionou Castro. De acordo com o prefeito, La-goa da Prata cumpriu com todos os seus deveres enquanto esta-va no CIS-URG. Quem mudou as regras no decorrer do proces-so foram os dirigentes do con-srcio. At ento, Lagoa da Prata teria uma ambulncia avanada que valeria a pena. Quando re-solveram colocar Lagoa da Prata como um apndice, ento no se tornou vantajoso. Iramos gastar um dinheiro desnecessrio, ten-do em vista que j prestamos es-se servio de qualidade. Lagoa da Prata caminha com as prprias pernas, afirmou Paulo Teodoro. LAGOA DA PRATA NO SER PENALIZADA POR SAIR DO CONSRCIO:O secretrio municipal de Sa-de consultou a Secretria de Es-tado de Sade para apurar se o municpio seria penalizado caso se retirasse do CIS-URG. Infor-maram-nos que no haver ne-nhum prejuzo, disse Almeida. O secretrio ainda questionou os critrios tcnicos que leva-ram a diretoria do consrcio a oferecer uma base simples do SAMU a Lagoa da Prata. Temos duas salas vermelhas: uma na UPA e outra no hospital. Temos uma UTI com 10 leitos. E nos ofereceram apenas uma unida-de simples do SAMU. Tem cida-de vizinha, como Luz, que no um suporte de sade desse n-vel, tem uma base com 7 mdi-cos e vrias ambulncias, des-tacou Almeida.Continue lendona pgina ao ladoDA REDAO contato@jornalcidademg.com.brDe acordo com a Administrao Municipal, Consrcio no teria cumprido o acordo feito com Lagoa da Prata e no mostrou garantias de que todos os Municpios pagariam as suas mensalidades de custeio do servioAprovados no processo seletivo feito pelo CIS-URG foram prefeitura e Cmara para reivindicar o incio dos trabalhos do SAMULagoa da Prata,16/06/201616COTIDIANOProfissionais aprovados no processo seletivo do SAMU fizeram o curso de capacitao em Divinpolis.ARQUIVO CIS-URG OESTEO OUTRO LADOA diretoria do CIS-URG Oeste se manifestou por meio de uma nota de esclarecimento enviada ao Jornal Cidade e apresentou as suas alegaes. Leia a ntegra:1. O Cis-Urg Oeste um Consrcio Pblico formado pelos 54 municpios da Regio Ampliada Oeste;2. Este Consrcio foi constitudo pelos Municpios e ratificado por suas respectivas Cmaras Municipais, con-forme preconiza a Legislao Federal;3. O Municpio de Lagoa da Pra-ta, atravs de seus gestores, foi par-ceiro de primeira hora na fundao do Consrcio;4. A definio da Rede Hospita-lar, bem como das ambulncias e seus posicionamentos estratgicos pa-ra atender a Regio Centro Oeste fo-ram resultado de duas Oficinas con-vocadas pela Secretaria de Estado de Sade com a participao dos Muni-cpios: prefeitos, secretrios de sade e ou seus representantes, no tendo nenhuma participao da Direo do Consrcio nessa definio.5. Conforme definido nas Oficinas, convocadas e conduzidas pela SES/MG, a Rede Resposta composta por 18 hospitais e o SAMU com 31 ambu-lncias, sendo 7 USAs (Unidade de Su-porte Avanada, tipo UTI) e 24 USBs (Unidade de Suporte Bsico) e uma Central de Regulao, na cidade de Di-vinpolis, para cobertura de toda regio Centro Oeste. Cabe ressaltar que o SA-MU, alm de fazer o atendimento pr--hospitalar, trabalha com vaga regula-da nos Hospitais da Rede, bem como, ir fazer as transferncias inter hospi-talares de pacientes graves, disponibi-lizando o transporte areo para aqueles que necessitarem;6. Lagoa da Prata, que pertence a Re-gio de Sade de Divinpolis, tem o Hos-pital So Carlos inserido na Rede Res-posta, que, para constituir a SALA VER-MELHA (porta de entrada da urgncia e emergncia), recebe incentivo men-sal de R$ 100.000, 00 (cem mil reais). Este incentivo est sendo recebido pe-lo hospital desde o final de 2014. Na ba-se descentralizada ser disponibilizada uma Ambulncia Bsica (USB) com pro-fissionais exclusivos para atendimento pr-hospitalar, 24 horas por dia;7. Informamos que o que havia si-do acordado com a Secretaria de Sa-de de Lagoa da Prata, inclusive na pre-sena de membros da Secretaria de Es-tado, que vistoriavam a Base Descen-tralizada disponibilizada para o SAMU, no final de maio/2016, de que o muni-cpio manteria suspensa suas mensali-dades ao Consrcio at que se marcas-se a data da inaugurao do SAMU pelo governo do Estado;8. Cabe ressaltar que devido ao tem-po prolongado da implantao, confor-me nos relatou a Secretaria Municipal de Sade de Lagoa da Prata, gerou no municpio uma insatisfao grande, pois teria sido includa no Plano de Governo Municipal a implantao do SAMU. Com a postergao da data de inaugurao, pela Secretaria de Estado de Sade, o Municpio decidiu implantar um Servi-o de Resgate Municipal;9. Por nossa solicitao, ficou a car-go do Gestor municipal de sade agen-dar uma reunio com o Senhor Prefei-to para que pudssemos esclarecer ao mesmo os detalhes sobre a implanta-o do SAMU;10. Na ltima semana fomos surpre-endidos com a notcia da retirada em de-finitivo do Municpio de Lagoa da Pra-ta do Consrcio, uma vez que, apesar da Comunicao por Ofcio da Gesto Municipal (em 2016), havamos trata-do com o Secretrio de Sade, naque-la poca, a necessidade de uma audi-ncia com a Administrao Municipal, para que pudssemos tratar deste as-sunto;11. Como a notcia chegou at os profissionais que prestaram provas para o Processo Seletivo para traba-lhar, especificamente em Lagoa da Prata, os aprovados nos procuraram para saber qual seria o seu futuro;12. Convidados por estes mesmos profissionais, informamos imediata-mente ao Secretrio de Sade que ir-amos at Lagoa da Prata para con-versarmos com a equipe seleciona-da para o SAMU local. Na reunio, avi-samos aos mesmos, que estvamos aguardando uma audincia com a Ad-ministrao Municipal e s ento ter-amos um posicionamento para os se-lecionados.13. Sobre inadimplncia anuncia-da no CisUrg Oeste, podemos afirmar que em 2015, foi consolidada a arreca-dao de mais de 85% do Oramento previsto, e que as inadimplncias dos municpios neste ano de 2016 esto todas negociadas.O que hora aguardamos, respeitosa-mente, um encontro com a Admi-nistrao Municipal para prestarmos os devidos esclarecimentos.NOTA DE ESCLARECIMENTOCONSRCIO INTERMUNICIPAL DE SADE DA REGIO AMPLIADA OESTE PARA GERENCIAMENTO DOS SERVIOS DE URGNCIA E EMERGNCIA CIS-URG OESTEjornalcidademg.com.br16/06/2016 17COTIDIANOO Promotor de Justia Dr. Luis Augusto de Rezende Pena enviou imprensa uma nota de esclarecimento sobre um vdeo que circula na inter-net no qual ele aparece atean-do fogo em parte de um terre-no baldio ao lado do seu imvel residencial. Segue a nota ao lado.DA REDAO contato@jornalcidademg.com.br11 escorpies foram encon-trados na casa do Promo-tor, que ateou fogo localiza-do em uma colnia dos ani-mais localizada em um lote baldio ao lado de seu imvelPromotor envia nota de esclarecimento sobre vdeo em que aparece ateando fogo em terreno baldioARQUIVO PESSOALMINISTRIO PBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS 2 PROMOTORIA DE JUSTIA DA COMARCA DE LAGOA DA PRATA/MG PRAA CORONEL CARLOS BERNARDES, N. 69 BAIRRO CENTRO FRUM LOCAL 35.590-000 LAGOA DA PRATA MG TELEFONE/FAX: (0XX37) 3261-5136/2022 NOTA DE ESCLARECIMENTO O Promotor de Justia da Comarca de Lagoa da Prata/MG, Dr. LUS AUGUSTO DE REZENDE PENA, vem a pblico para prestar esclarecimentos acerca de vdeo recentemente veiculado na rede social Facebook, em que aparece produzindo fogo em terreno no edificado: 1) entre os dias 16/05/2016 e 10/06/2016 foram capturados e exterminados em meu imvel residencial 11 (onze) exemplares do animal aracndeo ESCORPIO, do tipo amarelo, sendo certo que, somente na data de 21/05/2016, durante servio de desinsetizao realizado pela empresa DESINSECTA, foram localizados e exterminados, de uma s vez, 8 (oito) espcimes do mesmo escorpio amarelo, fato que, por si s, j se mostrou bastante a deixar a mim e a minha esposa em estado de mxima apreenso, enquanto pais de duas crianas de 1 (um) e de 4 (quatro) anos de idade; 2) no dia 12/06/2016, em diligncia por mim mesmo realizada no lote no edificado que faz divisa com o meu imvel residencial e que aparece no vdeo propagado no Facebook constatei no apenas indcios de colnia de escorpies, mas tambm pude identificar e exterminar, sem grandes trabalhos de busca, outros 2 (dois) escorpies do tipo amarelo, adultos e de tamanho grande, o que me levou certeza de que os escorpies capturados em minha residncia eram provenientes do dito lote adjacente, no qual havia concentrao considervel de lixo orgnico e inorgnico, propiciando, desta forma, a formao de ambiente favorvel alimentao e reproduo desses animais escorpinicos; 3) em razo desta constatao, ou seja, populao de escorpies instalada no sobredito terreno no edificado, no tive qualquer dvida ou receio em destruir, com o uso de fogo, os possveis focos de habitao desses animais, isto , aqueles pontos de acmulo de material orgnico (folhagem seca) em decomposio, amalgamado a restos slidos de construo civil (entulhos) deixados no lote vago; 4) o fogo produzido, alm de localizado, vale dizer, ateado em pontos certos e determinados, foi inexpressivo, de pouca intensidade e durao, como bem demonstra, alis, o vdeo veiculado no Facebook, de maneira que a afirmao do delator e propagador das imagens de que o Promotor de Justia estaria, naquele contexto, a praticar crime ambiental, revela apenas e to somente o seu errneo e precipitado julgamento pela aparncia, fundado, certamente, em conhecimentos jurdicos adquiridos por ouvir dizer, que flutuam muito bem, por vezes, entre o puro folclore e a sandice, mas que no so condizentes, por isso mesmo, com os cuidados mnimos necessrios para se atribuir a algum a prtica de crime, com todos os gravames da imputao, especialmente porque realizada em veculo de comunicao em massa; MINISTRIO PBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS 2 PROMOTORIA DE JUSTIA DA COMARCA DE LAGOA DA PRATA/MG PRAA CORONEL CARLOS BERNARDES, N. 69 BAIRRO CENTRO FRUM LOCAL 35.590-000 LAGOA DA PRATA MG TELEFONE/FAX: (0XX37) 3261-5136/2022 5) de se registrar, ainda, que o delator agiu de m-f, no por ter divulgado a minha imagem sem autorizao, mas, particularmente, porque editou o vdeo por ele lanado no Facebook, de modo a ocultar parte do dilogo em que fao meno minha condio de Promotor de Justia, no para poder atear fogo em terreno baldio, naturalmente, mas porque o acionamento da polcia militar, anunciado pelo delator no transcurso da discusso, me seria til enquanto Promotor de Justia, inclusive, porque um registro policial da ocorrncia de populao escorpinica em lote urbano me obrigaria, com muito mais razo, adoo de providncias em face da Administrao Municipal, o que de fato ocorreu j no dia 13/06/2016, quando notifiquei o Secretrio Municipal de Sade e o Prefeito Municipal, a fim de que medidas de vigilncia sanitria e de limpeza urbana fossem tomadas, no apenas no caso concreto, mas em todas as situaes anlogas identificadas ou identificveis no Municpio de Lagoa da Prata/MG; 6) no h dvidas, portanto, de que, se crime houve na situao ora analisada, foi ele praticado pelo prprio cinegrafista delator, que, de forma segura e induvidosa, agiu com o ntido propsito de ofender, e efetivamente ofendeu as minhas honras subjetiva e objetiva, bem como a minha condio de agente pblico ocupante do cargo de Promotor de Justia, ao tornar pblicas, em veculo de comunicao e de propagao em massa, imagens em que ele, delator, por conta e risco prprios, imputa a mim a prtica de crime ambiental; 7) registro, por fim, que o juzo crtico final sobre a minha conduta no ser proferido por mim, mas pela Procuradoria-Geral de Justia do Estado de Minas Gerais, rgo constitucionalmente competente para investigar criminalmente os membros do Ministrio Pblico, ao qual j remeti cpia de toda a documentao referente ao caso, inclusive boletim de ocorrncia policial, cuja lavratura foi por fim mesmo solicitada Polcia Militar Ambiental de Lagoa da Prata/MG. Lagoa da Prata, 18 de junho de 2016. Lagoa da Prata,16/06/201618Grupo Anjos da Noite leva alegria e esperana a pacientes do Hospital So Carlos e UPAH oito anos o Grupo Anjos da Noite foi for-mado por voluntrios e pe-la idealizadora e presiden-te Maria Aparecida Mo-rais. O objetivo do proje-to levar alegria e propi-ciar aos pacientes do Hos-pital So Carlos e da Unida-de de Pronto Atendimen-to (UPA) de Lagoa da Prata um momento de descon-trao. Os 15 voluntrios, que se revezam diariamen-te, levam esperana a cer-ca de 120 pessoas, entre pa-cientes, acompanhantes e funcionrios das unidades de sade. Maria Aparecida expli-ca como nasceu o Grupo Anjos da Noite. Quando o Paulo Rodrigues era dire-tor do hospital, ele me con-vidou para ser voluntria, pois ele valorizava esse ti-po de trabalho. Assim, co-meamos e foi s aumen-tando o nmero de volun-trios. Cada um interage com o paciente de uma for-ma, uns vestem de palha-os, mgicos, ciganos, bo-neca, entre outros perso-nagens, que tm por fun-o alegrar o paciente e le-var uma palavra de confor-to. A gente fala que vai le-var alegria para o paciente, mas a gente que sai feliz, afirmou. ANJOSSegundo o paciente Joo Eloi, que luta contra o cn-cer, o grupo realmente re-presenta um anjo na vida das pessoas adoentadas. Eu gostaria de agrade-cer a Deus por existir pes-soas que so anjos aqui na terra. Quando eu falo que pessoas normais tambm podem ser anjos, verda-de. Eu falo isso porque um amigo estava internado no mesmo quarto que eu, no Hospital So Carlos, e iria completar 48 anos. Ele es-tava sozinho, ento eu me solidarizei, pois ele queria uma orao. Foi ento que chamei os Anjos da Noi-te para realizarem esse desejo dele. Agradeo mui-to a Deus por isso, por esse privilgio de ter anjos. Eu gostaria que todos aprovei-tassem e buscassem essa ajuda deles, pois s quem recebe esse cuidado sabe da importncia desse tra-balho, afirmou. Amanda Santos tam-bm voluntria e com apenas 14 anos de idade enfatiza a importncia que o projeto tem em sua vida. Acho muito gratifi-cante fazer este trabalho. Muitas vezes a gente che-ga ao hospital e tem um paciente que se sente soli-trio. isso acontece muito com idosos e eles passam a perceber que no esto es-quecidos. Sempre aconte-ce da gente chegar e ver o quanto eles ficam felizes. Eu me visto de palhaa h quase dois anos e resolvi me vestir assim por gos-tar muito de sorrisos. al-go que no tem como pa-rar, destacou. O voluntrio Edmar Nunes disse que o projeto muito importante para os pacientes e ainda citou um caso especial. Quero agradecer a Deus pelo dom da vida, agradecer Dona Aparecida e Glorinha pe-lo convite para fazer par-te dessa equipe maravi-lhosa, pois sinto um bem enorme em poder fazer as pessoas felizes num mo-mento sensvel, tanto dos pacientes quanto dos seus acompanhantes. Esse ca-so do Eloi nos mostra co-mo podemos ser impor-tantes na vida das pesso-as. Seja voc tambm um anjo na vida das pessoas, seja no hospital, na Vila Vi-centina, no SOS e fazendi-nhas de recuperao. Te-mos muitas outras entida-des que precisam, frisou. Celina Matias se ofe-receu para ser voluntria do Grupo Anjos da Noi-te e j percebeu o resul-tado do trabalho presta-do. Sempre quis partici-par de um grupo assim. E quando soube do traba-lho deles por meio do Fa-cebook, perguntei a eles se eu poderia participar. Ho-je me visto de cigana, prin-cesa e palhaa. A gente v uma pessoa no leito e po-der arrancar um sorriso dela extremamente gra-tificante. Eu saio do hospi-tal mais feliz, afirmou. Os interessados em participar do Grupo An-jos da Noite podem en-trar em contato com Ma-ria Aparecida pelo tele-fone 3261-8691. As visi-tas acontecem a partir das 19h, e, em caso de necessidade, so feitas tambm durante o dia.DA REDAO contato@jornalcidademg.com.brO projeto conta com 15 voluntrios e est aberto para a participao de outros anjos. Na Foto: Amanda Santos, Gilda Castro, Joo Eloi, Celina Matias, Edmar Nunes e Irineu Campos.DIVULGAOCOTIDIANO Lagoa da Prata,16/06/201620COTIDIANODesde o dia 1 de janeiro de 2016, as entidades e as em-presas que realizarem pesquisas de opinio pblica relativas s eleies ou aos candidatos, pa-ra conhecimento pblico, so obrigadas, para cada pesquisa, a registrar no Juzo Eleitoral ao qual compete fazer o registro dos candidatos, com no mni-mo cinco dias de antecedncia da divulgao. A divulgao de pesquisas e testes pr-eleitorais sem o pr-vio registro na Justia Eleitoral constitui infrao punida com multa de R$53.205 a R$106.410. O Promotor de Justia Eleito-ral da Comarca de Lagoa da Pra-ta, Dr. Lus Augusto de Rezende Pena, enviou um comunicado imprensa, no qual faz um alerta aos candidatos s eleies 2016 e aos veculos de comunicao. Leia ao lado:CONSIDERANDO que a divulgao de pesquisa fraudulenta caracteriza crime eleitoral, punido com deteno de 6 (seis) meses a 1 (um) ano, e multa de R$53.205,00 (cinquenta e trs mil du-zentos e cinco reais) a R$106.410,00 (cento e seis mil quatrocentos e dez reais), nos termos do artigo 33, 4, da Lei n 9.504/1997;CONSIDERANDO que o artigo 33, 5, da Lei n 9.504/1997, probe a realizao de enquetes durante o perodo de campanha eleitoral;CONSIDERANDO que o Ministrio Pblico, na defesa do regime democrtico e da lisura do plei-to, prefere atuar preventivamente, contribuindo para que se evitem os atos viciosos das elei-es como os aqui indicados e se produzam resultados eleitorais legtimos;CONSIDERANDO que a RECOMENDAO do Ministrio Pblico instrumento de orientao, que visa a antecipar-se ao cometimento do ilcito e a evitar a imposio de sanes, muitas ve-zes graves, e com repercusses importantes nas candidaturas,RECOMENDA aos rgos de imprensa dos MUNICPIOS DE LAGOA DA PRATA/MG E DE JAPA-RABA/MG (rdios, TVs, jornais e revistas), aos stios eletrnicos e aos provedores locais de con-tedo e de servios de informao e comunicao em geral:1) que se abstenham da divulgao por qualquer meio, ainda que por meros comentrios de pesquisas e testes pr-eleitorais sem que se assegurem da existncia de regular e prvio re-gistro na Justia Eleitoral;2) que se abstenham da divulgao de pesquisas eleitorais sugestivas de fraude e/ou com a aparncia de fraudulentas;3) que se abstenham da realizao e da divulgao de enquetes relacionadas ao processo elei-toral, envolvendo, portanto, o desempenho de candidatos e de partidos,4) que se abstenham da realizao e da divulgao de enquetes relacionadas ao desempenho da Administrao Pblica Municipal (Poderes Executivo e Legislativo), na medida em que, de antemo, j se sabe que agentes polticos atualmente ocupantes de cargos eletivos so poten-ciais candidatos reeleio;5) que enviem Promotoria de Justia Eleitoral as pesquisas que lhes forem apresentadas pa-ra divulgao sem o devido registro ou que tenham a aparncia de fraude. LUS AUGUSTO DE REZENDE PENAPROMOTOR DE JUSTIA ELEITORALDA REDAO contato@jornalcidademg.com.brMulta pode variar de R$ 53 mil a R$ 106 mil e deteno de 6 meses a 1 anoMinistrio Pblico faz alerta sobre divulgao de pesquisa eleitoral sem registro COMUNICADOjornalcidademg.com.br16/06/2016 21GUIA COMERCIAL Lagoa da Prata,16/06/201622O Projeto Locomotiva Cul-tural vem enfrentando difi-culdades para manter os traba-lhos, que consistem em ofere-cer aulas de pintura, desenho, grafite, artesanato e skate. Cer-ca de 300 crianas das escolas municipais Dr. Jacinto Campos e Monteiro Lobato so benefi-ciadas pela iniciativa. As aulas acontecem na sede da Futura. Recebemos no incio do ms cinco ofcios de outras es-colas que desejam o projeto. O nosso desejo estend-lo, mas sem remunerao fica compli-cado, afirmou o artista Silas Cndido, um dos idealizadores do Locomotiva Cultural, que trabalha voluntariamente no projeto. Silas ressaltou que os traba-lhos da Futura continuaro nor-malmente, apenas o Locomoti-va Cultural est sem condies financeiras de dar sequncia s atividades. Projetos como o nosso deveriam ser visto com outros olhos. Com o nosso tra-balho a Fundao Futura foi re-vigorada, pois o Rmulo Valada-res, que o responsvel pelo lo-cal, atendia nas escolas e a sede ficava fechada. Eu e o Diego re-cebemos o convite dele e l de-senvolvemos vrios projetos, destacou. Vrias entidades em Lagoa da Prata esto em dificuldades financeiras devido queda das doaes espontneas e ao atraso nos repasses dos governos esta-dual e federal. Os trabalhos vm sendo mantidos com subsdios do Municpio e com o empenho de centenas de voluntrios, que promovem eventos e aes pa-ra arrecadar recursos. Quem quiser contribuir com o projeto deve ligar para 37 99870-8934 e falar com o Si-las.DA REDAO contato@jornalcidademg.com.brO projeto atende cerca de 300 crianas com aulas de pintura, desenho, grafite, artesanato e skate.Esse projeto no pode parar, pois os alunos amam. Precisamos do proje-to! As mes que trabalham podem ficar mais tranquilas sabendo que os filhos esto aprendendo.Ana Paula Oliveira, me da alu-na Letcia Oliveira, da Escola Monteiro LobatoEsse projeto tem feito grandes coi-sas para as nossas crianas. Temos a maior confiana nos colaborado-res e eles tm o maior carinho com o que fazem.Adriana Carvalho, coordena-dora da Escola Monteiro Lo-batoO projeto na vida da minha filha foi e muito bom. Ela fica muito feliz e tem se desenvolvido muito. A Ana Flvia ama os coordenadores e ela fica triste quando no possvel ir.Sandra Regina, me da aluna Ana Flvia, da escola Monteiro LobatoO projeto trouxe um ganho incal-culvel para as crianas, uma vez que elas podem colocar em prti-ca, atravs dos desenhos e pintu-ras, o que aprenderam dentro da sa-la de aula ou mesmo externar o que sentem. Empresrios, estendam as suas mos! Ns, professores, agra-decemos.Terezinha das Graas San-tos Silva, professora da Esco-la Municipal Jacinto CamposDepoimentosProjeto Locomotiva Cultural corre o risco de acabar porfalta de incentivoCOTIDIANOjornalcidademg.com.br16/06/2016 23SADE E BEM ESTAR Lagoa da Prata,16/06/201624CervelliJUNHO/2016A linha de Genricos Pharlab no para de crescer!A Pharlab vem investindo cada vez mais no lanamento de produtos para melhor atender as necessidades do mercado.Genricos Pharlab, sua sade preciosa para ns! Consulte sempre seu mdico e o farmacutico.www.pharlab.com.brfacebook.com/pharlab@Pharlabpharlab_oficialAnuncio Jornal da Cidade Junho.indd 1 13/06/16 14:02O artista plstico Heleno Nunes fina-lizou a sua mais recente obra: um quadro retra-tando um trabalhador do campo bebendo gua em um riacho. A pintu-ra foi encomendada pe-lo Juiz Dr. Islon Csar Damasceno, e remete infncia dele. Nascido e criado em uma fazenda na zona rural de Biqui-nhas, localizada no Alto So Francisco, perto da represa de Trs Marias, Damasceno tem boas lembranas da juven-tude na roa. E ao con-templar a pintura, lem-bra do cheiro do cam-po e do contato com a natureza. Essa tela re-mete s minhas recor-daes da infncia. Tra-balhei at a adolescn-cia em fazenda. Naque-la lida diria, aps roar o pasto e demais afaze-res junto aos trabalha-dores da fazenda, beba-mos gua no riacho, re-corda o magistrado. Dr. Islon participou, junto ao artista, da com-posio da pintura. Ris-quei trs posies para ilustrar a imagem idea-lizada pelo Dr. Islon. A preocupao maior dele era que consegussemos retratar o movimento da gua. Pintar gua difcil mesmo. Mostrei a ele a tcnica e o con-videi a pintar. O prazer que ele demonstrava ao pintar foi muito grati-ficante para mim, co-menta Heleno Nunes. Damasceno aprecia a arte e a cultura. Ouve msica clssica (erudi-ta, rock e MPB), j leu os principais autores da literatura russa, in-glesa, francesa e brasi-leira, entende de movi-mentos artsticos e gos-ta de artes plsticas. Em seu gabinete, possui du-as telas vindas do Egito h mais de 30 anos. So pinturas feitas em pa-piro que remetem aos tempos dos fars. Pos-sui em sua casa oito te-las criadas por Heleno Nunes. Uma delas foi exposta na Frana. O en-to senador Ronan Tito de Almeida convidou o Heleno para expor seus quadros na Frana e posteriormente adqui-ri essa tela. As pinturas de Heleno so muito pe-culiares, tm traos ca-ractersticos dele. So inconfundveis, disse Damasceno. DETALHES DA OBRAO estilo das obras de He-leno Nunes o expressio-nismo. A tela retrata o h-bito comum na roa, do campesino, num dia de calor forte, tomar gua e lavar o rosto num riacho. Os personagens re-tratados por Heleno Nu-nes possuem as mos e os ps grandes em relao ao corpo, como forma de re-presentao da fora pa-ra vencer as adversida-des cotidianas. No obe-decem a uma rgida pers-pectiva, dando margem para a viso e estilo do ar-tista. Alm das pinturas em tela, o artista lagopraten-se tem se dedicado a pro-duzir animaes no You-Tube, sobre curiosidades de gente famosa. DA REDAO contato@jornalcidademg.com.brHeleno Nunes e o Juiz Dr. Islon DamascenoArtista plstico Heleno Nunes e Juiz Dr. Islon Damasceno criame pintam uma obra de arte sobre um tema que faz parte dahistria pessoal do magistradoUma obra pintada a quatro mosCULTURAjornalcidademg.com.br16/06/2016 25SOCIALCMYCMMYCYCMYKRicardo Freitas se despede dos ouvintes daDivinal Fm e manda recadoOl pessoal, venho comunicar que devido a minha pr-candida-tura a vereador nas prximas eleies, terei de me afastar das mi-nhas atividades de Locutor, que desempenho atualmente na Rdio Di-vinal FM. Esse afastamento obrigatrio por lei, devido minha pr--candidatura. Dia 28/06 ser o meu ltimo programa antes do afas-tamento e de acordo com a lei s posso retornar ao rdio aps as elei-es. com muita honra e f que vou colocar o meu nome para apre-ciao do meu partido com o intuito de ser candidato a vereador. Res-salto que sou pr-candidato e no candidato, pois ainda no aconte-ceu a nossa conveno. A minha inteno nesse momento, comu-nicar aos meus amigos, colegas universitrios, e, principalmente, aos ouvintes da Rdio Divinal FM, que me ouvem e gostam de mim, que somente me afasto momentaneamente do meu trabalho que amo de paixo porque a lei no permite que eu exera a minha funo no pe-rodo de trs meses antes das eleies. Se Deus quiser, a partir do dia 03/10, logo aps as eleies, vitorioso ou no, estarei de volta, fazendo o meu trabalho como sempre fiz, com muito amor, carinho e dedicao sempre em respeito a voc ouvinte. Desde j agradeo a todos e ate l.ALISSON GONTIJOCasamento de Dani e RogrioUniram-se em matrimnio os jovens Rogrio Tom e Danielli Silva. A cerimnia foi realizada no dia 28 de maio, na igreja matriz de So Carlos Borromeu. Felicidades aos recm-casados!Vem a oMoto Sunset 2016!O Moto Sunset 2016 aconte-cer de 1 a 3 de julho na Pra-a dos Trabalhadores. O evento reunir motociclistas de diversos estados do Brasil e contar com shows do Queen Cover, Raul Sei-xas Cover, AC/DC Cover, Arctic Monkeys Cover, Legio Urbana Cover, Mr. Rabit, Volta Eltrica, VHS, mais de 15 shows em dois palcos e tambm ter exposio de carros antigos. Mais informa-es em www.motosunset.com.brLagoa da Prata,16/06/20162615/06 - Wesley SafadoCantando seus maiores sucessos recen-tes, o cantor Wesley Safado agitou o pri-meiro dia da exposio com muito forr eletr-nico e no deixou a galera parar nem um segun-do. Em entrevista ao Sou + Lagoa, o cantor re-lembrou sua primeira passagem por Lagoa da Prata e afirmou que foi um de seus melhores shows do carnaval.16/06 - Matheus e KauanO show de Matheus e Kauan foi sem d-vida o mais apaixonado da ExpLagoa 2016 e fez com que muitos casais assistissem ao show agarradinhos devido ao frio extremo que fazia madrugada afora.17/06 - Jorge e MateusO pblico f da dupla Jorge e Mateus lo-tou o parque de exposies. Um dos sho-ws com mais pblico da histria da ExpLagoa cativou o pblico com seus grandes sucessos. Alm da dupla, os cidados lagopratenses tive-ram a honra de presenciar pela primeira vez em Lagoa da Prata em sua nova fase da carreira, a conterrnea Rafaela Miranda, que com sua incr-vel voz vem fazendo um enorme sucesso Brasil afora ao abrir os shows da dupla Jorge e Mateus.18/06 - Zez Di Camargoe LucianoO ltimo dia da exposio foi fechado com chave de ouro pela dupla Zez Di Camargo e Luciano, que cantou seus maiores sucessos e fez com que a festa fosse comple-ta, reunindo pessoas de todas as idades num show incrvel.A festa mais esperada do ano foi um sucesso. Mesmo no sendo feriado em Lagoa da Prata e com temperaturas muito baixas, os festeiros de planto no deixaram de curtir todos os dias da ExpLagoa 2016. O Sou + Lagoa esteve no evento fazendo uma cobertura completa com fotos e entrevistando os cantores e voc confere um resumo do que aconteceu de melhor na festa.Flashes ExpLagoa 2016FOTO: CLO CASTROFOTO: CLO CASTROFOTO: CLO CASTROLagoa da Prata,16/06/2016COOPERATIVISMOSICOOB CREDIPRATA agora para todosH 27 anos, o Sicoob Crediprata foi fundado para oferecer solu-es financeiras aos produtores rurais de Lagoa da Prata e regio. Em 2003, a cooperativa teve a aprovao para aceitar a participao de pequenas e microempresas e, desde ento, vem a registrar um elevado crescimento, ali-nhado solidez de seu capital, fruto de uma governana corporativa sria e presente no dia a dia dos associados. No dia 30 de abril de 2016, foi apro-vada em assembleia geral e, posterior-mente pelo Banco Central, a admisso de pessoas fsicas (funcionrios de em-presas, profissionais liberais, autno-mos, informais, estudantes, aposen-tados, entre outros). Agora, o Sicoob Crediprata para todos. Mais pesso-as podero ter acesso a linhas de crdi-to, aplicaes financeiras, produtos e servios que a instituio oferece em condies mais vantajosas se compa-radas quelas oferecidas pelo sistema financeiro tradicional. Na entrevista a seguir concedida ao Jornal Cidade, os diretores Antnio Claret e Ivo Jonas Gontijo, falam sobre este momento histrico para o Sicoob Crediprata e os benefcios que a livre admisso ir oferecer para toda a co-munidade de Lagoa da Prata, Esteios, Moema e Japaraba. Quais as vantagens para a pes-soa fsica em se associar ao Si-coob Crediprata?Dentre as diversas vantagens que o SI-COOB CREDIPRATA possui, destaca-mos as excelentes taxas e rendimen-tos praticados, o portflio pleno de produtos, servios e diversas linhas de crdito com as menores taxas da regio, para atender as necessidades dos associados, e o atendimento per-sonalizado dos nossos gerentes e cola-boradores, que esto sempre prontos para atender e auxiliar os associados. Qual o diferencial do Sicoob Cre-diprata para um banco comer-cial?O Sicoob Crediprata uma cooperati-va de crdito que realiza todas as tran-saes de um banco comercial, no en-tanto apresenta diferenas importan-tes, onde o cliente passa a ser associa-do (dono). Portanto uma das formas de concesso do cliente orientado e taxas de juros mais baixas do merca-do. A aplicao financeira remune-rada com boas taxas e os servios so de qualidade e custo reduzido. O Sicoob Crediprata uma Coope-rativa de Credito e o princpio que vi-gora, a multiplicao dos benefcios onde quanto mais pessoas participam mais ser o sonho para todos. As pessoas e empresas que j so associadas so a base de sustentao de nossa cooperativa. Aos novos associa-dos, desejamos as nossas boas-vindas. A partir de agora estamos caminhan-do e construindo juntos uma nova his-tria, na qual, mantidos os princpios do Cooperativismo, ser de sucesso e benefcios, tanto para o associado co-mo para nossas comunidades. Qual o retorno que a pessoa fsi-ca tem ao optar pelo SICOOB CRE-DIPRATA?Um banco comum divide os lucros s entre os acionistas. O resultado nas co-operativas distribudo entre todos os associados ao fim de cada ano. As coo-perativas oferecem os mesmos produ-tos e servios financeiros disponibili-zados pelos bancos, porm, com um custo efetivo muito menor, uma vez que o nosso objetivo promover o cres-cimento de nossos associados. Por is-so oferecemos os melhores produtos e servios pelas menores taxas. A coope-rativa cresce na medida em que os as-sociados tambm crescem. Como as cooperativas de crdi-to podem atuar neste perodo de crise?A crise precisa ser enfrentada de um modo diferente, e para isso, ns expan-dimos a nossa oferta de servios finan-ceiros. Hoje, os nossos associados en-contram uma cooperativa slida que oferece cartes de crdito, consrcios, previdncia e seguros acessveis. O crescimento das cooperativas nos lti-mos anos nos permite manter um re-lacionamento de proximidade com os associados. Assim, conseguimos aten-der suas necessidades, pois conhece-mos a realidade de cada um. Outro ponto importante que, nes-te momento de crise, os bancos dificul-taram a concesso de crdito para as empresas investirem ou at mesmo se manterem no mercado. Alm de au-mentar a burocracia, o crdito no es-t disponvel para todos os empreende-dores. Na cooperativa, como o Sicoob Crediprata, diferente. Temos a mis-so de impulsionar a economia local por meio de concesso de crdito para as empresas e at consultoria tcnica. Porque, alm do desenvolvimento eco-nmico, as cooperativas possuem uma responsabilidade social junto a comu-nidade. Agora, com a Livre Admisso, qualquer pessoa pode se asso-ciar ao Sicoob Crediprata?Sim. Somos uma sociedade de pesso-as fsicas e jurdicas de acesso amplo, e isso uma evoluo muito signifi-cativa para a cooperativa. No impor-ta se voc ganha um salrio mnimo ou um milionrio, voc pode ser s-cio do Sicoob Crediprata. Diferentemente dos bancos, que ao final do ano distribuem os lucros para os seus poucos acionistas, sendo scio de uma cooperativa voc ter o poder de decidir, em assembleia, qual ser a destinao dos resultados finan-ceiros ao final do ano. E parte desse re-sultado, devolvida para o associado. Obrigado pela entrevista. Qual a mensagem final para os leitores do Jornal Cidade? A mensagem final de otimismo e es-perana. O Brasil passa por uma situa-o econmica complicada, mas sabe-mos que ser passageira. E neste cen-rio, o Sicoob Crediprata est de braos abertos para oferecer apoio e solues para o desenvolvimento da empresa e das pessoas. Venha ao Sicoob Credi-prata. Temos certeza de que voc ir se surpreender. Podem contar conosco!PUBLIEDITORIALAntes destinada para produtores rurais e empresas, cooperativa setorna de livre admisso e estende benefcios para pessoas fsicasAntnio Claret Rezende,Diretor FinanceiroIvo Jonas Gontijo,Diretor Administrativo

Recommended

View more >