Revista literária

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Revista Literária

Text of Revista literária

  • 1. Surgiram na Europa no incio do sculo XX, osquais iniciaram um tempo de ruptura com asestticas precedentes, como o Simbolismo.Nesse perodo, a Europa estava em clima decontentamento diante dos progressos industriais,dos avanos tecnolgicos, das descobertascientficas e mdicas, como: eletricidade, telefone,rdio, telgrafo, vacina anti-rbica, os tipossanguneos, cinema, RX, submarino, produo dofsforo. Ao mesmo tempo, a disputa pelos mercadosfinanceiros (fornecedores e compradores) ocasionoua I Guerra Mundial. Com este clima surgiram ento estas vanguardas. O Brasil, por sua vez, passou de escravocrata paramo de obra livre, da Monarquia para Repblica.So Eles: Futurismo, Expressionismo, Cubismo, Dadasmo, Surrealismo,1

2. Nem So Paulo nem as artes brasileiras voltaro aser as mesmas depois daquelas trs noites de fevereiro de1922. Do palco do Teatro Municipal, sob vaias e insultos,um grupo de artistas e intelectuais lanou o que se poderiachamar de manifesto do Modernismo: A Semana de ArteModerna, que pretendia colocar a cultura brasileira a pardas correntes de Vanguarda do pensamento europeu, aomesmo tempo que pregava a tomada da conscincia da realidade brasileira.Assim tornou-se possvel o surgimento das Revistas emanifestos. Revista Klaxon Mensrio de Arte Moderna(1922-1923); Manifesto da Poesia Pau-Brasil (1924-1925); Verde-Amarelismo (1926-1929); Manifesto Regionalista de 1926; Revista Antropofagia (1928-1929): 2 3. Pau BrasilAntropofagiaO movimento defendia a criaode uma poesia primitivista, construda com A Antropofagia, a exemplo dosbase na reviso crtica de nosso passadorituais antropofgicos dos ndios brasileiros, noshistrico e cultural e na aceitao e valorizao quais eles devoram seus inimigos para lhesdas riquezas e contrastes da realidade e da extrair fora, Oswald prope a devoraocultura brasileiras . simblica da cultura do colonizador europeu, semcom isso perder nossa identidade cultural Em oposio a essas tendncias, os movimentos Verde-Amarelismo e Anta,defendiam um nacionalismo ufanista, com evidente inclinao para o nazifascismo. Dentre os muitos escritores que fizeram parte da primeira gerao do Modernismodestacamos Oswald de Andrade, Mrio de Andrade, Manuel Bandeira, Alcntara Machado, Menottidel Picchia, Raul Bopp, Ronald de Carvalho e Guilherme de Almeida. 3 4. Contexto HistricoCaractersticas Busca do moderno, original e polmico; Nacionalismo em suas mltiplas facetas; O Modernismo teve incio em meio fortalecida Volta s origens e valorizao do ndio ;economia do caf e suas oligarquias rurais. A Verdadeiramente brasileiro;poltica do caf-com-leite ditava o cenrio Lngua brasileira - falada pelo povo naseconmico, ilustrado pelo eixo So Paulo - Minas ruas;Gerais. Contudo, a industrializao chegava ao Pardias - tentativa de repensar a histria e aBrasil em conseqncia da Primeira Guerra literatura brasileiras;Mundial (1914-1918) e ocasionou o processo deurbanizao e o surgimento da burguesia.A postura nacionalista apresenta-se em duas O nmero de imigrantes europeus crescia nas vertentes:zonas rurais para o cultivo do caf e nas zonas Nacionalismo crtico, consciente, deurbanas na mo-de-obra operria. denncia da realidade, identificadoNesta poca, So Paulo passava por diversas politicamente com as esquerdas.greves feitas pelos movimentos operrios de Nacionalismo ufanista, utpico, exagerado,fundamentao anarquista. identificado com as correntes de extremaCom a Revoluo Russa, em 1917, o partido direita.comunista foi fundado e as influncias doanarquismo na sociedade ficavam cada vez menosvisveis. A sociedade paulistana estava bastantediversificada, formada por bares do caf, Principais Obras e Autorescomerciantes, anarquistas, comunistas, burgueses Mrio de Andrade (1893-1945)e nordestinos refugiados na capital. Obras: Amar, Verbo Intransitivo,O Modernismo tem seu marco inicial com a Macunama, Contos Novos.realizao da Semana de Arte Moderna, em Oswaldo de Andrade (1890-1953)fevereiro de 1922, no Teatro Municipal de SoObras: Os condenados, MemriasPaulo. O grupo de artistas formado por pintores, Sentimentais de Joo Miramar, Serafim Pontemsicos e escritores pretendia trazer as influncias Grande e O Rei da Vela (teatro).das vanguardas europias cultura brasileira. Manuel Bandeira (1886-1968)Estas correntes europias expunham na literaturaObras: Carnaval, O ritmo dissoluto,as reflexes dos artistas sobre a realidade social e Libertinagem, Estrela da manh, Estrela dapoltica vivida. Por este motivo, o movimentoTarde, Estrela da Vida Inteira.artstico Semana de Arte Moderna quis trazer a Antonio Alcntara Machado (1901-1935)reflexo sobre a realidade brasileira scio-polticaBrs, Bexiga e Barra Funda e Pathdo incio do sculo XX.Baby.No fundo do Mato-Virgemnasceu Macunama, heri de nossagente. Era preto retinto e filho domedo da noite. Houve um momentoem que o silncio foi to grandeescutando o murmurejo doUraricoera, que a ndiatapanhumas pariu uma crianafeia. Essa criana que chamaram4de Macunama. Mario de Andrade 5. Contexto HistricoContra o saudosismo quetoma conta de Portugal, surgeoutro grupo de situacionistasNo incio do Sc. XX, liderados por Fernando Pessoa,havia um sentimento geral deMrio de S-Carneiro, etc -que no era mais possvel Futurista - que funda uma revistarenovar a arte tradicional. Ascalcada nos ideais do Futurismo:escolas literrias repetiam a "Revista Orpheu", que marca osuas frmulas.incio do Modernismo Portugus A superficialidade conviviae, nele, o incio da primeiracom a crena de que a gerao modernista portuguesa:evoluo tudo comandava e a Gerao Orfeu;pouco cabia ao homemnesse processo.No entanto, um movimento Caractersticasforte e amplo - o Modernismo-viria dar fim a este marasmo A) atitude irreverente em relaoe implantar o inconformismo.aos padres estabelecidos; Modernismo, no foiB) reao contra o passado, oapenas produto de uma clssico e o esttico;evoluo esttica:ele C) temtica mais particular,decorreu de todo um estadoindividual e no tanto universal ede esprito formado pelagenrica;cultura da poca e queD) preferncia pelo dinamismo erepercutiria em todas asvelocidade vitais;artes, integrando literatura, E) busca do imprevisvel e inslitopintura, msica arquitetura,F) absteno do sentimentalismocinema, etc.fcil e falso; A primeiraGuerra G) comunicao direta das idias:Mundial foi o grande divisorlinguagem cotidiana.das guas . H) esforo de originalidade eautenticidade;I) interesse pela vida interior(estados de alma, esprito..)J) aparente hermetismo, expressoindireta pela sugesto e associaoverbal em vez de absoluta clareza.K) valorizao do prosaico e bomhumor;L) liberdade forma: verso livre, ritmolivre, sem rima, sem estrofaopreestabelecida.5