Click here to load reader

Pre modernismo e modernismo

  • View
    428

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Pre modernismo e modernismo

  • Literatura BrasileiraO Pr Modernismo O Modernismo e suas fasesProfessora Ivana Mayrinkpt.slideshare.net/ivanamayrink

  • O pr-modernismo no constitui uma escola literria propriamente dita. A primeira conquista ocorrei com a msica popular que adentrou os sales da elite, levando tambm a dana e o folclore do carnaval. Pr-Modernismo (1902-1922)

  • CaractersticasDenuncia da realidade brasileiraRuptura com o passado.Tipos humanos marginalizados: o sertanejo nordestino, o caipira paulista, o suburbano carioca.

  • Principais AutoresNa Prosa:

    Euclides da CunhaGraa AranhaLima BarretoMonteiro Lobato

    Na poesia:

    Augusto dos Anjos Mennotti del Picchia

  • Contexto HistricoBahia Revolta de CanudosCear - Rio de Janeiro A Revolta da ChibataSo Paulo As Greves Operrias

  • Euclides da CunhaDestacou-se com a publicao da obra Os Sertes que o conduziu a Academia Brasileira de Letras e ao Instituto Histrico e Geogrfico Brasileiro.

  • Os Sertes - A Luta (fragmento)Fechamos esse livro. Canudos no se rendeu (....). Eram quatro apenas: um velho, dois homens feitos e uma criana, na frente dos quais surgiam raivisamente cinco mil soldados...

    *

  • Antnio Vicente Mendes Maciel (Antnio Conselheiro)Ento o serto vai virar mar e o mar virar serto.(Profecia de Antnio Conselheiro)

  • Os sertanejos no se renderam e muitos foram degolados

    Guerra de Canudos

  • Prisioneiros de Canudos

  • Cadver de Antnio Conselheiro nico premio

  • Destruio do Arraial

  • O sertanejo , antes de tudo, um forte.A Guerra de Canudos ocorrida entre 1896 e 1897 foi um dos conflitos mais violentos da histria do Brasil.

  • Para Euclides da CunhaAquela campanha foi um refluxo para o passado. E foi, na significao da palavra, um crime. Denunciemo-lo,

  • Cear movimento centrado n figura do padre Ccero Romo Batista

  • Padim CioMorreu em 1934 mas a devoo a ele continua at hoje.

  • Virgolino Ferreira LampioA convite de Padre Ccero recebeu a patente de Capito.

  • Revolta da Chibata 22/11/1910Joo Cndido, o Almirante Negro, lder da Revolta da Chibata.

  • 17 de Novembro de 1910 O marinheiro Marcelino Rodrigues fora punido com 250 chibatadas.

  • O Almirante NegroUm dos sobreviventes da Ilha das Cobras, julgado em novembro de 1912 fora absolvido.

  • Operrios Tarsila do AmaralGreves So Paulo

  • Lima BarretoExplora em suas obras as injustias sociais e s dificuldades das primeiras dcadas da repblica.

    Principais Obras:

    Triste Fim de Policarpo QuaresmaRecordaes do escrivo Isaias Caminha.

  • Lima BarretoSua primeira obra (1909) tem cunho memorialista e excessivamente autobiogrfico.

  • Mestio, pobre e alcolatra O romance descreva vida politica no Brasil aps a proclamao da Repblica tendo como tema central o nacionalismo fantico.

  • Policarpo QuaresmaRetrata o burocrata exemplar, patriota e nacionalista extremado.

  • Major QuaresmaInteressado pela msica, o folclore e o tupi guarani.

  • Triste Fim de Policarpo Quaresma(...) Policarpo Quaresma, funcionrio pblico, cidado brasileiro, vem pedir que o Congresso Nacional decrete o tupi-guarani, como lngua oficial e nacional do povo brasileiro (....)

  • Monteiro LobatoFoi um dos escritores brasileiros de maior prestgio, por causa de sua atuao como intelectual polmico e autor de histrias infantis.

  • UrupsCriou o personagem Jeca Tatu, caipira analfabeto, vagabundo, subnutrido, marginalizado e sujeito a todo tipo de doena, representando o homem tpico do interior do Brasil.

  • Pr-Modernista / Anti-ModernistaMonteiro Lobato caracteriza-se como pr-modernista pelo nacionalismo e pelo tom crtico. Se no contedo se aproximava formalmente, sempre ops ao modernismo com a sua forma de escrita bastante conservadora.

  • Principais ObrasUrups (Contos);Cidades Mortas (Contos);O Escndalo do Petrleo (Romance);Histrias de Tia Nastcia (Infantil);Paranoia ou Mistificao (Artigo);Stio do Pica-Pau Amarelo (Infantil);

  • Stio do Pica Pau Amarelo https://www.youtube.com/watch?v=FiC3BvlXCHQ

    *

  • Paranoia ou MistificaoH duas espcies de artistas:A primeira composta dos que veem normalmente as coisas e em consequncia fazem arte pura (...).

    A outra espcie formada dos que veem anormalmente a natureza, e so frutos de fim de estao, bichados (...)

  • Anita MalfattiEm 12 de dezembro de 1917 realizou uma nica apresentao de seus trabalhos. Monteiro Lobato no foi, no viu e no gostou da exposio.

  • Anita Malfatti A estudante russa

  • Anita Malfatti Vaso com Flores

  • Anita Malfatti A Boba

  • Anita Malfatti A Ventania

  • Anita Malfatti ndia

  • Anita Malfatti Tropical

  • Anita Malfatti O Homem Amarelo

  • Anita Malfatti O Farol

  • Anita Malfatti O Japons

  • Anita Malfatti O Jardim

  • Graa AranhaFoi membro da ABL sem ter, contudo, ter publicado um livro.Abre a Semana de Arte Moderna com a palestra Emoo Esttica na Obra de Arte.Cana (1902)

  • Augusto dos Anjos Poeta do mau gosto, dos vermes do escarro.

    Publicou apenas um livro: Eu em 1912.

  • Semana de Arte Moderna - 1922

  • Alguns Organizadores1.Manuel Bandeira 2. Mrio de Andrade 3. Paulo Prado 4. Graa Aranha 5. Oswald Andrade12345

  • Teatro Municipal de So Paulo

  • Emiliano Di CavalcantiO mundo do artista feito de mulatas, msicos, pescadores, palhaos, meretrizes, circos, mercados, bordis...

  • Emiliano Di CavalcantiDevaneio

  • Emiliano Di CavalcantiDuas Mulheres

  • Emiliano Di CavalcantiMulher e Paisagem

  • Emiliano Di CavalcantiCinco moas de Guaratinguet

  • Emiliano Di CavalcantiMoas com Violes

  • Emiliano Di CavalcantiOnde Eu Era Feliz

  • Emiliano Di CavalcantiCarnaval

  • Emiliano Di CavalcantiPescadores

  • Emiliano Di CavalcantiCasa de Mulheres

  • Modernismo 1 GeraoFase Heroica

  • CaractersticasEsprito polmico e destruidor;Anarquismo: no sabemos discernir que queremos;Busca de originalidade a qualquer preo;Luta contra tradicionalismo;Valorizao potica do cotidiano;

  • Principais AutoresMrio de Andrade;Manuel Bandeira;Oswald Andrade;

  • Mrio de Andrade Obras:H uma gota de sangue em cada poema;Paulicia Desvairada Prefcio Interessantssimo;Macunama (Rapsdia);

  • Lira Paulistana Moa bem tratada,Trs sculos de famlia,Burra como uma porta: Um Amor.

    Mulher gordaa, filOuro por todos os porosBurra como uma porta:Pacincia

  • Macunama Considerada criao mxima de Mrio de Andrade Macunama, o heri sem nenhum carter: a partir desse anti-heri, o povo autor enfoca o ndio amaznico que nasceu preto e ficou branco, sntese do povo brasileiro.https://www.youtube.com/watch?v=nLrMJywIm_E

  • Manuel BandeiraConsiderado o So Joo Batista do ModernismoObras:A Cinza das HorasCarnaval;;Ritmo DissolutoLibertinagem Estrela da Vida Intira

  • Oswald de AndradeFoi um dos introdutores das renovaes artsticas europeias no Brasil.

  • Principais ObrasMemrias Sentimentais de Joo MiramarPau BrasilO Rei da VelaManifesto Pau BrasilManifesto Antropfago

  • o primeiro romance da prosa modernista brasileira.

  • Manifesto da Poesia Pau Brasil

  • Abaporu (1928)Quadro de Tarsila do Amaral que inspirou o Manifesto Antropfago

  • Tarsila do Amaral Embora no tenha participado da Semana de 22 integra-se ao Modernismo que surgiu no Brasil.

  • Tarsila do Amaral Sol Poente

  • Tarsila do Amaral Antropofagia

  • Tarsila do Amaral Mulher

  • Tarsila do Amaral Vendedor de Frutas

  • Tarsila do Amaral Vendedor de Frutas

  • Tarsila do Amaral Lago

  • Tarsila do Amaral Oswald de Andrade

  • ModernismoSegunda Gerao Consolidao (1930-19450

  • CaractersticasEstabilizao das novas conquistas.Preocupao religiosa e filosfica em poesia.Ampliao da temtica que tende para o universal.Romances regionais e sociais.Reao espiritualista (retomada da tradio simbolista).

  • CaractersticasO primeiro romance representativo do regionalismo foi A Bagaceira de Jos Amrico de Almeida, publicado em 1928, verdadeiro marco da histria do Brasil.

  • Sua importncia deve-se a temtica da seca, dos retirantes dos engenhos etc.

  • Principais AutoresProsa:

    Graciliano Ramos Rachel de QueirozJos Lins do RgpGraciliano RamosPoesia:

    Carlos Drummond AndradeCeclia Meireles

  • Considera-se como marco inicial dessa segunda fase potica o livro Alguma Poesia (1930) de Carlos Drummond Andrade

  • Poeta ItabiranoNasceu em Itabira- MG em 31 de outubro de 1902.Morreu no Rio de Janeiro em 17 de Agosto de 1987 poucos dias depois da morte de sua nica filha, a cronista Maria Julieta Drummond Andrade.Fundou com outros autores A Revista , veiculo de afirmao do modernismo em Minas Gerais.Em Sentimento do Mundo, Jos e A Rosa do Povo reafirma a plena maturidade de sua obra.Publica a Revista de Antropofagia de So Paulo o poema No Meio do Caminho que se torna um dos maiores escndalos literrios do Brasil.

  • No meio do caminho tinha uma pedratinha uma pedra no meio do caminhotinha uma pedrano meio do caminho tinha uma pedra.

    Nunca me esquecerei desse acontecimentona vida de minhas retinas to fatigadas.

    Nunca me esquecerei que no meio do caminhotinha uma pedratinha uma pedra no meio do caminhono meio do caminho tinha uma pedra.

Search related