Click here to load reader

Oficina Jogos e Brinquedos

  • View
    1.482

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Slides para a oficina de Jogos e Brinquedos, ministrada no 1º Integra Design — semana acadêmica dos cursos de Design da UFPEL e do IFSUL.

Text of Oficina Jogos e Brinquedos

  • 1. Oficina deMinistrante: Tiago H. Ribeiro

2. O jogo maisantigo que a cultura. 3. O que umjogo? Processo ou resultado Ao ativa ou passiva Histria 4. O jogo um processo significante.No rola chamar de instinto,vontade ou esprito. algo que possui um significado. 5. A essncia do jogo est nodivertimento. 6. Est fora daesfera humana.No puramente mecnico. algoimaterial. 7. Quando criou a linguagem, o homem comeou a brincar com essa faculdade.Com a metafora surgiu o primeiroJogo de palAvraS 8. E eis que surge omito ... e logo depois, o culto e o ritual 9. Caractersticasfundamentaisdos jogos 10. Jogo atividade voluntria. Sujeito a ordens, deixa de ser jogo 11. LiberdadeSeduo 12. Prazer 13. Jogo no vida corrente.Nemvida real 14. Evaso para uma outra esfera temporal.umoutromundo 15. Todo jogo pode a qualquer momento absorver completamenteo jogador.Huizinga, 1990. 16. Isso diferente de o jogo no seralgo srio ou inferior. Jogo desinteressado. Est fora da satisfao imediata das necessidades. Jogamos porque fomos cativados.Fascinados. 17. Jogo cria ordem e ordem.Desobedecer esta ordem estraga o jogo 18. H umarelao ntimaentre jogo eesttica 19. Equilbrio 20. Compensao 21. Contraste e variao 22. Unio 23. E desunio tambm 24. Regrasoferecemritmo e harmonia 25. Jogo tenso. Mas tambm soluo 26. Embora esteja acima de bem ou mal, h certo valor tico no jogo. 27. iluso.No respeitar regras priva o jogo da(inlusio, illudere, inludere = em jogo) 28. Quem no respeita as regras um desmancha-prazeres. O jogador que blefa, entretanto, visto de modo diferente. 29. Jogos geram comunidadesde jogadores. O jogo permanecedepois do jogo 30. Questo de identidade, cultura e sociedade. O eles e o ns. 31. Jogos permitemtornar-se outro 32. Dois aspectos fundamentaisdos jogosUma luta por alguma coisaa representao de alguma coisa 33. Esses aspectos tambmpodem se confundirA representaoA luta porde uma luta representar melhor 34. BRINo que umQUEDO? 35. regrasEst livre dePode ser experimentado vrias vezes,de vrias formas diferentes. 36. Os vrios papisde uma vidanormal 37. Pai de D, B e C Esposo de Dona MProprietrio do Apartamento L Funcionrio da Empresa S Dr. A - Mdico Namorado de RAluno Z, W, V Mora em Y Filho X A 38. Com tantos papis assumidos quem o exemplo de verdade? 39. Todas as identidades requisitam tempo. 40. A ludicidade, aexpresso criativa,o jogar e o brincarso alimentos parao eu original 41. O que d para fazer nesse tempo? 42. Prefira umhobbyao invs de umpassatempo. 43. Atividade sem esforo fsico. 44. No use esse tempo para assistir nada.Isso tambm passatempo.Lembre das crianas:imaginam algo, pensam nos meiose partem para a ao. 45. Uma atividademanual umatima escolha. 46. vocS escolha o quecurtiria fazer. Quanto mais desnecessrio para o mundo, melhor. Aqui ele no seu pblico-alvo. 47. TROproduzaFUS 48. Finalidade prtica do hobbyFazer voc se manter bem e vivo nomeio da tormenta. 49. HUIZINGA, Johan.Homo Ludens:o jogo como elemento da cultura.So Paulo. Editora Perspectiva.1990.RODARI, Gianni. Gramtica da Fantasia So Paulo. Editora Summus. 1999.Livrosrecomendados 50. JUNIOR, Lucio Abbondati e ABBONDATI, Lucia Vasconcellos. Jogos & solues interativas:sua importncia para o universo corporativo, a educao, a sade e as relaes interpessoais no sculo XXI. Rio de Janeiro. Qualitymark Editora. 2007.SCHILLER, Friedrich.A educaoesttica dohomem.So Paulo. Iluminuras. 1990. Livros recomendados 51. GADAMER, Hans G.A arte comojogo, smboloe festaRio de Janeiro. Tempo Bras. 1985. MUNARI, Bruno.Das coisasnascem as coisasSo Paulo. Martins Editora. 1981.Livrosrecomendados 52. sitesaltamenterecomendadosilhadotabuleiro.com.brludomania.com.brtroisstudio.blogspot.com.brrpgista.com.brdefensoresdetoquio.comboardgamegeek.comeaitemjogo.blogspot.com.br 53. obrigado.Muito, mas muito Mesmo!