UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE HEIDY JAIME LEMOS¢  HEIDY JAYME LEMOS FAVELA: UM ESPA£â€O

  • View
    0

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE HEIDY JAIME LEMOS¢  HEIDY JAYME LEMOS FAVELA:...

  • UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

    INSTITUTO DE HUMANIDADES E SAÚDE DE RIO DAS OSTRAS

    DEPARTAMENTO INTERDISCIPLINAR DE RIO DAS OSTRAS

    CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

    HEIDY JAYME LEMOS

    FAVELA:

    UM ESPAÇO DE COMBATE E ALTERNATIVA CULTURAL

    Rio das Ostras

    2018

  • HEIDY JAYME LEMOS

    FAVELA:

    UM ESPAÇO DE COMBATE E ALTERNATIVA CULTURAL

    Trabalho de conclusão de curso

    apresentado ao curso de graduação

    em Serviço Social da Universidade

    Federal Fluminense - campus Rio

    das Ostras, como requisito parcial da

    avaliação para obtenção do título de

    bacharel em Serviço Social.

    Orientador: Prof. Dr. Edson Teixeira

    da Silva Junior

    Rio das Ostras

    2018

  • HEIDY JAYME LEMOS

    FAVELA: UM ESPAÇO DE COMBATE E ALTERNATIVA CULTURAL

    Trabalho de conclusão de curso

    apresentado ao curso de graduação

    em Serviço Social da Universidade

    Federal Fluminense - campus Rio

    das Ostras, como requisito parcial da

    avaliação para obtenção do título de

    bacharel em Serviço Social.

    Aprovada em de de .

    BANCA EXAMINADORA

    _____________________________________________

    Prof. Dr. Edson Teixeira da Silva Junior

    Orientador

    _____________________________________________

    Prof. Dr. Felipe Mello da Silva Brito

    Examinador

    ___________________________________________

    Ms. Débora Spotorno Machado Moreira Ferreira

    Examinador

  • A favela, nunca foi reduto de marginal

    Ela só tem gente humilde Marginalizada

    E essa verdade não sai no jornal

    A favela é, um problema social

    A favela é, um problema social

    Sim, mas eu sou favela

    Posso falar de cadeira

    Minha gente é trabalhadeira

    Nunca teve assistência social

    Ela só vive lá

    Porque para o pobre, não tem outro jeito

    Apenas só tem o direito

    A salário de fome e uma vida normal.

    (Bezerra da Silva)

  • AGRADECIMENTOS

    Difícil seria em uma única nota agradecer a tantas pessoas. No entanto, dediquei

    esse momento para lembrar todos àqueles que fizeram parte desse processo tão insano

    de viver anos de formação em um único semestre.

    A meus pais pelo apoio e incentivo de sempre, em especial a Lethícia, minha

    “doce criança” pelos ensinamentos diários.

    Aquele que me acompanhou durante todo o meu processo, com quem construí

    uma relação sólida de amizade e afeto: Edson, meu orientador e mestre. Intelectual

    exemplar que eu tanto admiro e sou fã pela capacidade de refletir sobre diversos

    assuntos. Foi um leitor questionador, incentivador e sensível aos contratempos que me

    acompanharam nessa jornada. Obrigada pela orientação, por partilhar comigo parte

    desse vasto conhecimento e, especialmente pela paciência.

    A Felipe Brito pelas contribuições com disciplinas tão enriquecedoras, e por me

    dar o privilégio de compor a minha banca.

    As amigas: Lúcia, Cléa, Renata, Dani e Anderson meu parceiro de estágio e de

    resistência. Pessoas com quem pude contar nos melhores e piores momentos. Desejo

    que cada conquista nossa, se torne uma citação da nossa trajetória.

    Foi com ela que eu aprendi que ser Assistente Social é poder ser sensível a dor

    do outro, que ele pode se emocionar com as histórias de vida de cada um. Débora

    Spotorno, a quem carinhosamente chamo de “foguetinho” uma supervisora e uma amiga

    que levarei para a vida.

    A Eloíza Rodrigues, pelas trocas, pelos debates e ensinamentos que tive no

    projeto de extensão “Educando para Saúde” sem dúvida, foi uma experiência única.

    A toda equipe da Conae, especialmente a Eliana Ribeiro pelo carinho e ao

    Instituto Federal Fluminense Campos Macaé, que não só me acolheu como também

    contribuiu para a minha formação.

    A Omar Brito, fotógrafo do Favelagrafia que mesmo sem me conhecer, partilhou

    comigo suas preciosas imagens.

  • RESUMO

    Falar sobre a cultura proveniente dos espaços periféricos bem como da criação de

    projetos culturais nas favelas e morros da cidade do Rio de Janeiro como uma forma de

    viabilizar oportunidades aos seus moradores para demonstrarem seus talentos, e como

    eles enxergam o espaço onde vivem, foi necessário buscar através de conceitos teóricos

    de pesquisadores e estudiosos do assunto. Para tanto, foi fundamental pesquisar sobre a

    origem dos meios de produção na sociedade capitalista e o surgimento das classes

    sociais, para compreender o desenvolvimento das favelas cariocas. Este estudo procurou

    analisar as formas usadas por projetos culturais voltados aos moradores desses

    territórios para superar estigmas criados nas favelas da cidade. Com isso, pretende-se

    revelar como esses projetos culturais, podem ser de suma importância para os talentos

    existentes e ocultos nessas comunidades. Essas manifestações culturais são permeadas

    por traços de negação, mas também de aceitação da cultura dominante.

    Palavras-chave: Neoliberalismo. “Questão social”. Favela. Cultura.

  • ABSTRACT

    Talking about the culture coming from the peripheral spaces as well as the creation of

    cultural projects in the favelas and hills of the city of Rio de Janeiro as a way of

    providing opportunities to its inhabitants to demonstrate their talents, and how they see

    the space where they live, was necessary search through theoretical concepts of

    researchers and scholars of the subject. In order to do so, it was fundamental to

    investigate the origin of the means of production in capitalist society and the emergence

    of social classes in order to understand the development of the favelas in Rio. This

    study sought to analyze the forms used by cultural projects aimed at the inhabitants of

    these territories to overcome stigmas created in the favelas of the city. With this, it is

    intended to reveal how these cultural projects can be of great importance for the talents

    existing and hidden in these communities. These cultural manifestations are permeated

    by traces of denial, but also of acceptance of the dominant culture.

  • SUMÁRIO

    Introdução........................................................................................................................ 09

    1. Capitalismo e “questão social”................................................................................... 12

    1.1. Breves considerações sobre o Neoliberalismo........................................................... 12

    1.2. O desenvolvimento do Neoliberalismo na América Latina ..................................... 17

    1.3. O Neoliberalismo e seus rebatimentos na vida da classe Trabalhadora..................... 17

    1.4. As manifestações da questão social no Brasil........................................................... 20

    1.5. A “questão social” e o espaço urbano...................................................................... 28

    2. O processo histórico sobre a origem das favelas na cidade do Rio de Janeiro............... 33

    2.1. A formação dos espaços periféricos nas áreas urbanas da cidade............................... 33

    2.2. A favela, o processo de urbanização e as contra- reformas........................................ 36

    3. Cultura e suas expressões nas favelas cariocas.............................................................. 44

    3.1. As manifestações culturais na era da globalização..................................................... 44

    3.2 As expressões das classes populares no espaço urbano.............................................. 48

    3.3 A favela sob o olhar dos seus moradores................................................................... 50

    Considerações finais........................................................................................................ 63

    Referências bibliográficas............................................................................................... 66

  • 9

  • 9

  • 9

    INTRODUÇÃO

    O trabalho de pesquisa apresentado é o resultado das indagações que surgiram

    ao longo da vivência em algumas comunidades do estado do Rio de Janeiro. Várias

    inquietações surgiram ao longo dos anos: o motivo pelo qual todos os anos, no verão,

    havia o corte no abastecimento de água, obrigando os moradores, na grande maioria

    formada por mulheres e crianças a caminharem quilômetros para ter acesso a uma bica

    de uso coletivo. Numerosas famílias se dividiam em cubículos sem infraestrutura e sem

    condiçõe