of 54 /54
UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E ENGENHARIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL JÉSSICA BROSEGHINI LOSS DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO E PRODUTIVO DO PIMENTÃO SUBMETIDO A TENSÕES DE ÁGUA NO SOLO Alegre, ES 2017

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ...portais4.ufes.br/posgrad/teses/tese_9847_Jessica Broseghini Loss.pdf · do Espírito Santo (IFES), ... Curva característica de

  • Author
    dothuy

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE...

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPRITO SANTO

    CENTRO DE CINCIAS AGRRIAS E ENGENHARIAS

    PROGRAMA DE PS-GRADUAO EM PRODUO VEGETAL

    JSSICA BROSEGHINI LOSS

    DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO E PRODUTIVO DO PIMENTO

    SUBMETIDO A TENSES DE GUA NO SOLO

    Alegre, ES

    2017

  • JSSICA BROSEGHINI LOSS

    DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO E PRODUTIVO DO PIMENTO

    SUBMETIDO ATENSES DE GUA NO SOLO

    Dissertao apresentada a Universidade Federal do Esprito Santo, como parte das exigncias do Programa de Ps-Graduao em Produo Vegetal, para a obteno do ttulo de Mestre em Produo Vegetal, na linha de pesquisa Recursos Hdricos e Geoprocessamento em Sistemas Agrcolas. Orientador: Prof. Dr. Edvaldo Fialho dos Reis.

    Alegre, ES

    2017

  • Dados Internacionais de Catalogao-na-publicao (CIP)

    (Biblioteca Setorial de Cincias Agrrias, Universidade Federal do Esprito Santo, ES, Brasil)

    Loss, Jssica Broseghini, 1992-

    L881d Desenvolvimento vegetativo e produtivo do pimento submetido a tenses de gua no solo / Jssica Broseghini Loss. 2017.

    53 f. : il.

    Orientador: Edvaldo Fialho dos Reis.

    Coorientador: Gustavo Haddad Souza Vieira.

    Dissertao (Mestrado em Produo Vegetal) Universidade Federal do Esprito Santo, Centro de Cincias Agrrias e Engenharias.

    1. Pimento. 2. Irrigao. 3. Recursos hdricos. 4. Hortalias. I. Reis, Edvaldo Fialho dos. II. Vieira, Gustavo Haddad Souza. III. Universidade Federal do Esprito Santo. Centro de Cincias Agrrias e Engenharias. IV. Ttulo.

    CDU: 63

  • JSSICA BROSEGHINI LOSS

    DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO E PRODUTIVO DO PIMENTO

    SUBMETIDO A TENSES DE GUA NO SOLO

    Dissertao apresentada a Universidade Federal do Esprito Santo, como parte das exigncias do Programa de Ps-Graduao em Produo Vegetal, para a obteno do ttulo de Mestre em Produo Vegetal, na linha de pesquisa Recursos Hdricos e Geoprocessamento em Sistemas Agrcolas.

    Aprovada em 23/02/2017

    BANCA EXAMINADORA

    __________________________________

    Prof. Edvaldo Fialho dos Reis (D.Sc., Engenharia agrcola) CCAE/UFES

    (Orientador)

    __________________________________

    Prof. Gustavo Haddad Souza Vieira (D.Sc., Engenharia agrcola) IFES

    (Coorientador)

    __________________________________

    Prof. Giovanni de Oliveira Garcia (D.Sc., Engenharia agrcola) CCAE/UFES

    __________________________________

    Prof. Camila Aparecida da Silva Martins (D. Sc., Produo Vegetal) CCAE/UFES

  • iv

    Aos meus familiares.

    DEDICO

  • v

    AGRADECIMENTOS

    A Deus, pela coragem, f e fora em todos os momentos;

    Aos meus pais, pelo apoio incondicional e pela ajuda na execuo deste

    trabalho;

    A Universidade Federal do Esprito Santo, pela oportunidade de cursar o

    mestrado no Programa de Ps-graduao em Produo Vegetal, a CAPES pelo apoio

    financeiro e a FAPES pela concesso dos tensimetros e recipientes;

    Ao meu orientador, professor Edvaldo Fialho dos Reis, pela orientao,

    dedicao, compreenso e ensinamentos fundamentais para a realizao deste

    trabalho;

    Ao meu coorientador, professor Gustavo Haddad Souza Vieira, pelo

    acompanhamento e sugestes durante essa realizao;

    Ao professor Ednaldo Miranda de Oliveira, pelo auxlio na utilizao do

    tensimetro;

    Ao professor Joo Nacir Colombo, pelo auxlio na conduo da cultura e

    valiosas contribuies ao estudo;

    Ao tcnico do laboratrio de solos e meio ambiente Elvis Pantaleo Ferreira,

    pela amizade, fora nos momentos difceis e ajuda na execuo deste trabalho;

    Ao tcnico do laboratrio de Fitopatologia Jos Carlos Lambert, pelas

    contribuies ao estudo;

    Ao Instituto Federal do Esprito Santo, campus Santa Teresa, pela oportunidade

    de realizao do trabalho em suas dependncias, bem como a concesso de

    materiais e aos demais servidores que contriburam para a realizao deste trabalho;

    Aos amigos que ajudaram na conduo do experimento, em especial Aroldo,

    Carlos Magno, Emanoel e Guilherme;

    Aos estagirios dos laboratrios Iago, Jos, Luana e Sunciaray, pela ajuda e

    colaborao na realizao deste trabalho;

    Aos amigos Anna Carolyna, Breno, Franciane, Gabriel, Jssica e Maria Ceclia

    por todo o apoio nessa caminhada;

    Enfim, a todas as pessoas que de alguma forma contriburam para realizao

    deste trabalho, muito obrigada!

  • vi

    RESUMO

    LOSS, Jssica Broseghini; M.Sc. Universidade Federal do Esprito Santo Centro de Cincias Agrrias e Engenharias. Fevereiro de 2017. DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO E PRODUTIVO DO PIMENTO SUBMETIDO A TENSES DE GUA NO SOLO. Orientador: Edvaldo Fialho dos Reis. Coorientador: Gustavo Haddad Souza Vieira.

    A reposio de gua no solo, em quantidades adequadas, decisiva para uma boa

    produo de hortalias, sendo assim, so necessrios conhecimentos sobre o

    crescimento e rendimento da cultura do pimento, em diferentes condies. Com o

    objetivo de avaliar os efeitos de tenses de gua no solo sobre o desenvolvimento

    vegetativo e produtivo da cultura do pimento, foi instalado um experimento em

    ambiente protegido, no Instituto Federal do Esprito Santo (IFES), campus Santa

    Teresa, no perodo de maro a outubro de 2016. O experimento foi dividido em duas

    etapas, sendo a primeira a fase vegetativa e a segunda a fase produtiva da cultura do

    pimento. A etapa vegetativa, que compreendeu o perodo do ps-transplantio at a

    primeira colheita, foi realizada em esquema de parcelas subdivididas 5 x 2, nas

    parcelas foram aplicadas tenses de gua no solo em cinco nveis (15, 30, 45, 55 e

    70 kPa) e nas subparcelas estdios da fase vegetativa da cultura em dois nveis, em

    um delineamento inteiramente casualizado, com cinco repeties. A etapa produtiva,

    que compreendeu todo o perodo de colheita, foi realizada em esquema de parcelas

    subdivididas 5 x 12, nas parcelas foram aplicadas tenses de gua no solo em cinco

    nveis (15, 30, 45, 55 e 70 kPa) e nas subparcelas perodos de colheita em doze nveis,

    em um delineamento inteiramente casualizado, com cinco repeties. As variveis

    agronmicas avaliadas foram: altura da planta, dimetro do caule, massa seca da

    parte area, nmero total e comercial de frutos, produo total e comercial de frutos e

    consumo hdrico. A pesquisa permitiu concluir que, para a obteno de maiores

    produes e nmero de frutos e menor incidncia de frutos com podrido apical, as

    irrigaes devem ser realizadas sob a tenso de 15 kPa.

    Palavras-chave: Capsicum annuum L., Irrigao, Recurso hdrico.

  • vii

    ABSTRACT

    LOSS, Jssica Broseghini; M.Sc. Universidade Federal do Esprito Santo Centro de Cincias Agrrias e Engenharias. February, 2017. VEGETATIVE GROWTH AND YIELD OF PEPPERS UNDER DIFFERENT SOIL WATER TENSIONS. Advisor: Edvaldo Fialho dos Reis. Co-advisor: Gustavo Haddad Souza Vieira.

    The replacement of water in the soil, in adequate quantities, is decisive for a good

    production of vegetables, therefore, knowledge about the growth and yield of the

    pepper crop under different conditions is necessary. In order to evaluate the effects of

    soil water stress on the vegetative and productive development of the sweet pepper

    crop, an experiment was set up under greenhouse conditions, at the Instituto Federal

    do Esprito Santo (IFES), campus Santa Teresa, in the period from March to October

    2016. The experiment was divided into two stages, the first being the vegetative phase

    and the second the productive phase of the pepper crop. The vegetative stage covered

    the post-transplanting period until the first harvest, was performed in a 5 x 2 subdivided

    plots scheme, in the plots soil water stresses were applied at five levels (15, 30, 45, 55

    and 70 kPa) and the subplots were two stages of the vegetative phase of the crop, in

    a completely randomized design, with five replications. The productive stage covered

    the entire harvesting period, was performed in a plot of 5 x 12 subdivided plots, in the

    plots soil water stresses were applied at five levels (15, 30, 45, 55 and 70 kPa) and the

    subplots were twelve in a completely randomized design, with five replications. The

    agronomic variables evaluated were plant height, shoot diameter, shoot dry mass, total

    and commercial fruit number, total and commercial fruit production, fruit dry mass and

    water consumption. The research concluded that, in order to obtain higher total and

    commercial yields, number of total and commercial fruits and lower incidence of fruits

    with apical rot, the irrigations must be carried out under the tension of 15 kPa.

    Keywords: Capsicum annuum L., Irrigation, Water resource.

  • viii

    LISTA DE FIGURAS

    Figura 1. Localizao espacial do Municpio de Santa Teresa no Estado do Esprito

    Santo .........................................................................................................................20

    Figura 2. Esquema representativo das etapas do experimento .................................21

    Figura 3. Curva caracterstica de reteno de gua no solo ......................................24

    Figura 4. Esquema representativo da instalao do sistema de irrigao ..................25

    Figura 5. Abertura do orifcio a 0,10m das plantas (A), instalao do tubo (B) ......... 26

    Figura 6. Transplantio das mudas de pimento (A), vista frontal do ambiente protegido

    (B) ..............................................................................................................................27

    Figura 7. Avaliao de altura da planta (A) e dimetro do caule (B), aos 29

    DAT............................................................................................................................28

    Figura 8. Corte das plantas do primeiro estdio da etapa 1 do experimento (A),

    acondicionamento em sacos de papel (B) ..................................................................29

    Figura 9. Altura de planta (cm) em funo dos nveis de tenso de gua no solo (15,

    30, 45, 55 e 70 kPa) ....................................................................................................31

    Figura 10. Plantas murchas de pimento, submetidas a tenso de 70 kPa ...............32

    Figura 11. Dimetro do caule (mm) em funo dos nveis de tenso de gua no solo

    (15, 30, 45, 55 e 70 kPa), aos 29 e 55 DAT..................................................................33

    Figura 12. Massa seca da parte area (g) em funo dos nveis de tenso de gua

    no solo (15, 30, 45, 55 e 70 kPa) .................................................................................35

    Figura 13. Nmero total de frutos por planta, em funo das diferentes tenses de

    gua no solo (15, 30, 45, 55 e 70 kPa) ........................................................................37

    Figura 14. Nmero de frutos comerciais por planta, em funo dos nveis de tenso

    de gua no solo (15, 30, 45, 55 e 70 kPa) ...................................................................38

    Figura 15.Produo Total (g planta-1) em funo dos nveis de tenso de gua no solo

    (15, 30, 45, 55 e 70 kPa) .............................................................................................39

    Figura 16. Produo Comercial (g planta-1) em funo das diferentes tenses de gua

    no solo (15, 30, 45, 55 e 70 kPa) .................................................................................40

    Figura 17. Produo em funo dos perodos de colheita, para cada nvel de tenso

    de gua no solo...........................................................................................................42

  • ix

    Figura 18. Produo em funo dos nveis de tenso de gua no solo, para cada

    perodo de colheita .....................................................................................................43

  • x

    LISTA DE TABELAS

    Tabela 1. Etapas do experimento na cultura do pimento..........................................22

    Tabela 2. Atributos qumicos do Latossolo Vermelho-Amarelo utilizado como substrato

    para cultivo do pimento.............................................................................................22

    Tabela 3. Altura da planta (cm) em funo dos DAT (29 e 55 DAT) ............................33

    Tabela 4. Dimetro do caule (mm) em funo dos dias aps transplantio, para as cinco

    tenses estudadas (15, 30, 45, 55 e 70 kPa) ..............................................................34

    Tabela 5. Massa seca da parte area, aos 29 e 55 DAT.............................................36

    Tabela 6. Consumo hdrico do pimento e intervalo mdio de irrigaes, para cada

    tenso ........................................................................................................................45

  • xi

    SUMRIO

    RESUMO ....................................................................................................................VI

    ABSTRACT ...............................................................................................................VII

    LISTA DE FIGURAS ................................................................................................VIII

    LISTA DE TABELAS ..................................................................................................X

    1 INTRODUO ........................................................................................................13

    2 REVISO DE LITERATURA ..................................................................................15

    2.1 Cultura do Pimento .............................................................................................15

    2.2 Irrigao na Cultura do Pimento .........................................................................16

    2.3 gua no Solo ........................................................................................................17

    2.4 Tensiometria ........................................................................................................18

    3 MATERIAL E MTODOS .......................................................................................20

    3.1 Local do Experimento ...........................................................................................20

    3.2 Delineamento Experimental .................................................................................21

    3.3 Coleta e Caracterizao do Solo ..........................................................................22

    3.4 Curva Caracterstica de Reteno de gua no Solo .............................................23

    3.5 Manejo da Irrigao ..............................................................................................24

    3.6 Conduo do Experimento ...................................................................................26

    3.7 Variveis Agronmicas ........................................................................................28

    3.7.1 Altura da Planta e Dimetro do Caule ................................................................28

    3.7.2 Massa Seca da Parte Area (MSPA) .................................................................28

    3.7.3 Classificao dos Frutos ...................................................................................29

    3.7.4 Nmero de Frutos Total e Comercial .................................................................29

    3.7.5 Produo Total e Comercial ..............................................................................29

    3.7.6 Nmero de Frutos por Perodos ........................................................................29

  • xii

    3.7.7 Consumo Hdrico ..............................................................................................30

    3.8 Anlises Estatsticas ............................................................................................30

    4 RESULTADOS E DISCUSSO ..............................................................................31

    4.1 Altura da Planta ....................................................................................................31

    4.2 Dimetro do Caule ................................................................................................33

    4.3 Massa Seca da Parte Area (MSPA) ....................................................................35

    4.4 Nmero Total de Frutos ........................................................................................36

    4.5 Nmero de Frutos Comerciais ..............................................................................37

    4.6 Produo Total de Frutos .....................................................................................39

    4.7 Produo de Frutos Comerciais ...........................................................................40

    4.8 Produo por Perodos .........................................................................................41

    4.9 Consumo Hdrico .................................................................................................45

    5 CONCLUSES .......................................................................................................46

    REFERNCIAS .........................................................................................................47

    APNDICES ..............................................................................................................52

  • 13

    1 INTRODUO

    O pimento est entre as dez hortalias mais importantes no Brasil em termos

    de valor econmico e tem participao relevante no mercado de olercolas frescas

    (FRIZONNE et al., 2008). A rea cultivada anualmente em torno de 13 mil hectares,

    com produo prxima de 290 mil toneladas de frutos (MAROUELLI; SILVA, 2012).

    No Estado do Esprito Santo, a rea cultivada com pimento em 2015 foi de

    493 hectares, com uma produo de 19.884 toneladas. Os principais municpios

    produtores so Santa Maria de Jetib (6.000 t), Marechal Floriano (4.500 t), Domingos

    Martins (4.240 t), Alfredo Chaves (3.000 t) e Santa Teresa (1.200 t) (INCAPER, 2016).

    A produo de hortalias, diferentemente dos gros, ocupa reas pequenas de

    cultivo, tendo grande insero na agricultura familiar, que marcante no Estado do

    Esprito Santo. O pimento uma cultura de retorno rpido aos investimentos, visto o

    curto perodo para o incio da produo, por isso largamente explorado (CAMPOS

    et al., 2008). Informaes referentes ao manejo da irrigao na cultura do pimento,

    podem maximizar a produo, elevando a renda desses produtores.

    A agricultura irrigada otimiza a produo mundial de alimentos, gerando

    desenvolvimento sustentvel no campo. A gua essencial para o incremento da

    produo das culturas. A prtica da irrigao depende da relao entre cultura, clima

    e solo. Portanto, o manejo de sistemas de produo irrigada, deve levar em conta

    esses fatores, a fim de otimizar a quantidade de gua aplicada nas culturas (MORILO-

    VELARDE, 2010).

    As olercolas so culturas bastante susceptveis s deficincias hdricas,

    principalmente s grandes variaes do nvel de gua no solo, o que limita a

    produtividade de boa qualidade, mas, o excesso tambm pode ser prejudicial. A

    ocorrncia de dficit hdrico compromete a produtividade e a sua qualidade por causa

    do seu ciclo curto e do alto teor de gua em sua constituio. Por isso, qualquer

    ocorrncia de estresse pode levar ao baixo rendimento e prejuzos na produo

    (SILVA et al., 2015).

    A reposio de gua no solo, em quantidades adequadas decisiva para uma

    boa produo (SALOMO et al., 2014). A quantidade de gua influencia nas

    caractersticas morfolgicas e fisiolgicas do pimento. O nmero de flores e frutos e

    o peso mdio dos frutos so menores quando ocorre dficit de gua no solo

  • 14

    (TEODORO et al., 1993). Alm de garantir ganhos de produtividade e melhor

    qualidade de frutos, irrigar de forma correta permite menor ocorrncia de doenas,

    maior eficincia no uso de nutrientes pelas plantas e, muitas vezes, possibilita reduzir

    os gastos de gua e de energia eltrica.

    O manejo da irrigao visa aplicao de gua no solo no momento oportuno

    e em quantidade suficiente para suprir as necessidades hdricas da cultura. Para que

    isso ocorra, h necessidade do uso de mtodos que determinem, direta ou

    indiretamente, a disponibilidade de gua no solo (SANTANA et al., 2004).

    Com o avano de novas tecnologias para a otimizao da irrigao e seu

    manejo, tem-se desenvolvido vrios sensores para a leitura mais detalhada das

    condies do ambiente agrcola. Uma forma indireta de determinar a umidade do solo

    em baixas tenses por meio da tensiometria, sua vantagem o menor custo de

    aquisio, podendo se tornar uma grande ferramenta para o manejo da irrigao,

    acessvel ao produtor (MARQUES, 2013).

    A gua um recurso que est cada vez mais escasso, sendo assim, percebe-

    se a necessidade da otimizao da utilizao dos recursos hdricos na produo de

    alimentos. O pimento sensvel variao de gua no solo durante todo seu ciclo,

    podendo acarretar queda na produtividade e qualidade dos frutos, o produtor

    conhecendo a disponibilidade de gua no solo, utilizar este recurso de forma mais

    eficiente e sustentvel (MAROUELLI; SILVA, 2012).

    Diante do exposto, objetivou-se verificar a influncia de tenses de gua no

    solo, no desenvolvimento e na produtividade do pimento.

  • 15

    2 REVISO DE LITERATURA

    2.1 Cultura do Pimento

    O pimento (Capsicum annuum L.) pertence famlia Solanaceae, possui

    origem americana e ocorre de forma silvestre, desde o Sul dos Estados Unidos at o

    Norte do Chile, compreendendo o Mxico, a Amrica Central e a Amrica do Sul

    (FILGUEIRA, 2008). Os maiores produtores so Mxico, China e Turquia

    (UNLUKARA et al., 2015). No Brasil comeou a ser cultivado em 1920 em So Paulo

    e s em 1940 a cultura se expandiu para as outras regies do pas (ARAGO et al.,

    2012).

    A planta de pimento arbustiva, possui caule semilenhoso, podendo

    ultrapassar um metro de altura. O sistema radicular pivotante e profundo

    (CARVALHO et al., 2016). Suporta uma carga leve de frutos, exige tutoramento

    quando a produtividade elevada. As flores so pequenas, de cor branca, isoladas e

    hermafroditas (FREE, 1993).

    As folhas, sendo uma por n, so alternas com lminas de formatos ovais ou

    elpticas. Os frutos so bagas ocas de formato cnico, cilndrico ou cbico, de cores

    verde, vermelha ou amarela e outras cores quando maduros (FONTES, 2005).

    A produo de frutos por planta pode atingir entre 12 a 15 frutos, com massa

    fresca entre 120 a 200 g, dimetro entre 0,07 a 0,08 m e comprimento entre 0,11 a

    0,14 m. Essas caractersticas variam em funo da variedade, dos tratos culturais, do

    estado nutricional e da necessidade hdrica da planta (FLORES, 2014).

    A propagao feita por sementes. As mudas so produzidas em estufas e

    depois so transplantadas para o campo ou ambiente protegido, quando estiverem

    com sete a oito centmetros de altura e quatro a cinco folhas.

    A temperatura ideal para germinao est entre 25 a 30 C. Para o

    desenvolvimento vegetativo entre 25 e 27 C, durante o dia, e 20 e 21 C durante a

    noite. Para o cultivo protegido, recomenda-se temperatura noturna de 20 C e diurna

    entre 27 e 30 C (FONTES, 2005).

    A umidade relativa do ar ideal para produo de pimento fica entre 50 e 80%.

    Acima do limite superior o ambiente pode favorecer o desenvolvimento de doenas e,

    abaixo, as plantas transpiram acima do normal, ocasionando a queda de gemas e

    flores (FILGUEIRA, 2003).

  • 16

    O ciclo da cultura desde a semeadura at o incio da colheita de frutos verdes

    de aproximadamente 110 dias. A colheita prolonga-se por trs a seis meses,

    dependendo do estado fitossanitrio e nutricional das plantas. A produtividade varia

    de 40 a 60 t ha-1, com a introduo de novos hbridos tende a elevar-se, alm de

    produtividades mais elevadas em ambiente protegido (FILGUEIRA, 2008).

    O cultivo de pimento em ambiente protegido tem se expandido, visto a grande

    produtividade que pode ser alcanada nestas condies, podendo chegar a 150 t ha-

    1, o dobro do que obtido normalmente ao ar livre. Alm disso, a qualidade dos frutos

    melhor, devido proteo contra fatores abiticos, tais como queimadura do sol,

    excesso de chuvas e ataque de insetos (LCIO et al., 2004).

    Solos com pH entre 5,5 e 6,8, com textura mdia e boa drenagem oferecem

    condies timas ao desenvolvimento da planta. Em relao aos macronutrientes, as

    principais exigncias so K, Ca e N. As quantidades requeridas de boro, mangans,

    cobre e zinco so pequenas, podendo causar toxicidade s plantas caso sejam

    aplicados em excesso (FILGUEIRA, 2003).

    2.2 Irrigao na Cultura do Pimento

    A gua essencial para o aumento da produo das culturas, por isso o seu

    uso deve ser feito da melhor forma possvel. Para se obter produes satisfatrias e

    altos rendimentos necessrio conhecimento sobre o crescimento das culturas e seu

    rendimento em diferentes condies (ARAGO et al., 2012).

    A suplementao de gua por meio de irrigaes mostra-se como um fator de

    aumento de produtividade e diminuio de riscos, influenciando na qualidade e

    quantidade de frutos e em outros fatores de produo.

    A ocorrncia de dficit hdrico em hortalias compromete a produtividade e a

    sua qualidade por causa do seu ciclo curto e do alto teor de gua em sua constituio.

    Por isso, qualquer ocorrncia de estresse pode levar ao baixo rendimento e prejuzos

    na produo (SILVA et al., 2015).

    A irrigao indispensvel produo em ambiente protegido, principalmente

    para a cultura do pimento, que altamente exigente em gua, sendo necessrio

    suprimento regular durante todo o seu ciclo (CANTURIO, 2012). Tanto a falta de

    gua no solo, como seu excesso, podem reduzir a produtividade da cultura (SOUZA

    et al., 2011).

  • 17

    O acmulo de gua no solo deve ser evitado para no favorecer o surgimento

    de doenas que podem causar apodrecimento do colo e razes, assim como o

    abortamento e queda de flores (CARVALHO et al., 2011). Segundo Marouelli e Silva

    (2012), as plantas so mais sensveis ao dficit hdrico durante o florescimento, a

    formao e o desenvolvimento dos frutos.

    A falta de gua durante a florao causa reduo no pegamento dos frutos,

    enquanto que durante o incio de frutificao pode restringir a translocao de clcio,

    favorecendo o surgimento de frutos com podrido apical (fundo preto). Condies de

    dficit hdrico podem tambm acarretar problemas de escaldadura de frutos devido

    reduo da cobertura foliar (CANTURIO, 2012).

    A cultura do pimento logo aps o transplantio at o incio do florescimento

    muito pouco exigente em umidade do solo, o maior consumo de gua ocorre na fase

    de florao e frutificao. De acordo com Doorenbos e Kassam (1994), o estgio inicial

    do perodo de florao a fase mais sensvel escassez de gua de forma que o

    esgotamento de gua na zona radicular nesse perodo no deve exceder 25%.

    Carvalho et al. (2013) ao avaliarem o efeito de tenses de gua no solo no

    desenvolvimento da cultura do pimento vermelho em ambiente protegido, verificaram

    que houve efeito significativo do potencial matricial de gua no solo no comprimento,

    dimetro e massa dos frutos. E observaram tambm, que a maior produtividade de

    frutos foi obtida na irrigao com a tenso de gua no solo em 15 kPa.

    2.3 gua no Solo

    Para o estabelecimento de boas prticas agrcolas e a implementao de

    tcnicas de irrigao so necessrios conhecimentos sobre algumas das principais

    propriedades fsico-hdricas do solo, como, densidade do solo, capacidade de campo,

    ponto de murcha permanente, curva caracterstica de reteno de gua, entre outras

    (PDRON et al., 2015).

    A curva de reteno de gua no solo, determina a energia com que a gua est

    retida no solo, o que est diretamente relacionado com a quantidade de gua do

    mesmo, sendo tambm influenciada pelas caractersticas fsicas e qumicas do solo

    (FILGUEIRAS et al., 2016). A partir desta curva possvel determinar a quantidade

    de gua disponvel para as plantas, que definida pela diferena entre a umidade da

    capacidade de campo e de ponto de murcha permanente (REICHARDT, 1987).

  • 18

    A capacidade de campo considera o limite superior de gua disponvel no solo,

    equivale condio de umidade do solo em que a gua se encontra em equilbrio com

    as foras gravitacionais, ou seja, a condio de umidade do solo aps a drenagem

    ter cessado, em um solo previamente saturado por chuva ou irrigao (ANDRADE et

    al., 2008).

    O ponto de murcha permanente usado para representar o teor de gua no

    solo, abaixo do qual a planta no conseguir retirar gua a uma taxa suficiente para

    suprir a demanda atmosfrica, aumentando, a cada instante, a deficincia de gua, o

    que pode acarretar ou no a morte da planta. Se a planta receber irrigao

    imediatamente aps esse estresse, ela poder recuperar a turgidez, mas os danos

    fisiolgicos, com provvel comprometimento da produtividade, j tero acontecido

    (BERNARDO et al., 2006).

    O contedo de gua retido no solo em determinada tenso caracterstica

    especfica de cada solo e resultado da ao conjunta e complexa de vrios fatores.

    Este depende do teor e mineralogia da frao argila, do teor de matria orgnica, das

    diferenas da microestrutura com elas relacionadas (REICHARDT, 1987).

    Para altos contedos de gua, nos quais fenmenos capilares so de

    importncia na reteno de gua, esta depende da densidade do solo e da

    porosidade, enquanto, para menores contedos de gua, em que o fenmeno de

    adsoro domina, depende mais da textura e da superfcie especfica do solo

    (DEMATT, 1988).

    2.4 Tensiometria

    O tensimetro foi desenvolvido em 1922 por Gardner e colaboradores, esse

    aparelho fornece de forma direta a tenso de gua no solo e de forma indireta a

    umidade (COELHO; TEIXEIRA, 2004). constitudo de uma cpsula de cermica

    porosa conectada a um manmetro, atravs de um tubo rgido de PVC, preenchido

    com gua (QUEIROZ, 2007). Os tipos mais utilizados so os com vacumetros

    metlicos, de mercrio e digital (tensimetro + tensmetro digital para leitura)

    (MANTOVANI et al., 2009).

    O princpio de funcionamento do tensimetro baseia-se na formao do

    equilbrio entre a soluo do solo e a gua contida no interior do aparelho. O equilbrio

    ocorre quando a cpsula porosa entra em contato com o solo e a gua do tensimetro

    entra em contato com a gua do solo. Caso a gua do solo esteja sob tenso, ela

  • 19

    exerce uma suco sobre o instrumento, retirando gua deste, fazendo com que a

    presso interna diminua. Como o instrumento vedado, ocorre a formao do vcuo,

    a leitura dessa presso negativa fornece o potencial matricial da gua no solo

    (COELHO; TEIXEIRA, 2004).

    Dentre as vantagens do tensimetro, pode citar que este constitui um aparelho

    simples e de fcil utilizao, apresenta baixo custo, no requer calibrao, fornece

    leituras instantneas, desde que devidamente instalado e manejado.

    O tensimetro permite a leitura da tenso de gua no solo at cerca de 80 kPa.

    Para tenses maiores, observa-se formao acentuada de bolhas de vapor dentro da

    gua sob vcuo, causando cavitao no sistema, o que faz o instrumento parar de

    funcionar. Mesmo cobrindo apenas de 40 a 70% da gua disponvel no solo, os

    tensimetros so recomendados para o manejo de gua na maioria das culturas

    (FLORES, 2014).

    Para o clculo da lmina de gua a ser aplicada por irrigao necessrio que

    se faa a transformao do valor da tenso em porcentagem de gua do solo, por

    meio da curva de reteno de gua do solo. A curva de reteno de gua do solo

    essencial para o estudo das relaes solo-gua, uma vez que a gua no solo est

    ocupando os espaos porosos.

    Para cada tipo de solo tem um volume de reservatrio de gua para as plantas.

    Os solos arenosos possuem elevada macroporosidade, sendo assim, retero

    pequena quantidade de gua, implicando portanto, em irrigaes com maior

    frequncia. J os solos argilosos possuem elevada microporosidade, armazenando

    uma maior quantidade de gua, implicando em maiores intervalos entre as irrigaes

    (SAAD, 2012).

  • 20

    3 MATERIAL E MTODOS

    3.1 Local do Experimento

    O experimento foi conduzido no Instituto Federal de Educao, Cincia e

    Tecnologia do Esprito Santo (IFES), campus Santa Teresa, no municpio de Santa

    Teresa, ES, localizado especificamente na latitude 1948 Sul e longitude 4040 Oeste

    (Figura 1), com 146 m de altitude, no perodo de maro a outubro de 2016.

    Figura 1. Localizao espacial do Municpio de Santa Teresa no Estado do Esprito

    Santo (Ferreira et al., 2016).

    Segundo a classificao de Kppen (1948), o clima da regio Aw,

    caracterizado por ser um clima tropical quente e mido, com inverno seco e vero

    chuvoso. A temperatura mdia anual de 28,0 C e a precipitao anual de 1.078

    mm (NBREGA et al., 2008).

    Utilizou-se ambiente protegido do tipo arco simples, com orientao leste-oeste

    e estrutura metlica, com dimenses de 15 m de comprimento, 7 m de largura, p-

    direito de 3,20 m e altura de arco de 2,10 m, revestida com filme de polietileno de

    baixa densidade (PEBD) de 0,15 mm de espessura e laterais constitudas de tela de

    sombrite de 50%.

  • 21

    3.2 Delineamento Experimental

    O experimento foi dividido em duas etapas, sendo uma a fase vegetativa e a

    outra a fase produtiva da cultura do pimento (Figura 2).

    Figura 2. Esquema representativo das etapas do experimento.

    A primeira etapa (fase vegetativa), que compreendeu o perodo do ps-

    transplantio at a primeira colheita, foi realizada em esquema de parcelas subdivididas

    5 x 2, nas parcelas foram aplicadas tenses de gua no solo em cinco nveis (15, 30,

    45, 55 e 70 kPa) e as subparcelas foram estdios da fase vegetativa da cultura, em

    dois nveis (29 e 55 DAT), em um delineamento inteiramente casualizado, com cinco

    repeties.

    O primeiro estdio compreendeu o perodo do ps-transplantio at a abertura

    da primeira gema floral (29 DAT) e o segundo compreendeu o perodo da abertura da

    primeira gema floral at a primeira colheita (55 DAT).

    A segunda etapa (fase produtiva), que compreendeu todo o perodo de colheita,

    foi realizada em esquema de parcelas subdivididas 5 x 12, nas parcelas foram

    aplicadas tenses de gua no solo em cinco nveis (15, 30, 45, 55 e 70 kPa) e as

    subparcelas foram os perodos de colheita, em doze nveis (62, 69, 76, 83, 90, 97,

    104, 111, 118, 125, 132, 139 DAT), em um delineamento inteiramente casualizado,

    com cinco repeties.

    As parcelas experimentais foram representadas por vasos plsticos com

    capacidade de 50 dm de solo. Na Tabela 1 so apresentadas as pocas de incio e

    final de cada etapa do experimento e sua durao.

  • 22

    Tabela 1. Etapas do experimento na cultura do pimento.

    Fases Fenolgicas Incio (DAT) Final (DAT) Durao (dias)

    Etapa 1 Estdio 1* 10 29 19

    Estdio 2** 29 55 26

    Etapa 2*** 55 139 84

    DAT: Dias aps transplantio; *Ps-transplantio/abertura da primeira gema floral; **Abertura da primeira gema floral/primeira colheita; ***Perodo de colheita.

    3.3 Coleta e Caracterizao do Solo

    O solo utilizado foi proveniente da camada arvel (0 a 0,30 m) de um Latossolo

    Vermelho-Amarelo (EMBRAPA, 2009), coletado na rea agrcola do Instituto Federal

    do Esprito Santo, campus Santa Teresa. O solo foi destorroado, peneirado com malha

    de 4 mm e homogeneizado para preenchimento dos vasos. Uma amostra composta

    foi peneirada em malha de 2 mm para a realizao das anlises de fertilidade e

    granulomtrica.

    O solo foi classificado como textura argilosa, com percentuais de argila, silte e

    areia de 389,7; 146,1 e 464,2 g kg-1, respectivamente. A correo do solo foi feita de

    acordo com a anlise de fertilidade do mesmo (Tabela 2), a calagem foi realizada para

    elevao da saturao por bases para 70% conforme recomendao de Prezotti et al.

    (2007), para tanto aplicou-se em cada vaso 12 g de calcrio com poder relativo de

    neutralizao total (PRNT) de 91% e incubou-se por 30 dias, mantendo-se o solo

    mido nesse perodo.

    Tabela 2. Atributos qumicos do Latossolo Vermelho-Amarelo utilizado como substrato

    para cultivo do pimento.

    pH P K Na Zn Cu B Ca2+ Mg2+ Al3+ H+Al SB V M.O.

    mg dm-3 cmolc dm-3 % Dag kg-1

    5,5 6,0 88,0 6,0 2,8 2,64 0,9 1,37 1,16 0,0 2,3 2,79 54,8 0,37

    pH em gua (1:2,5); P, K, Na, Zn, Cu extrator: Mehlich 1; B extrator: gua quente; Ca, Mg e Al extrator: KCl 1 mol L-1; H + Al extrator: SMP; SB = Soma de Bases Trocveis; V = ndice de saturao de bases; M.O = Matria orgnica oxidao: Na2Cr2O7 4N + H2SO4 10N.

    Aps a calagem, foram incorporados dois litros de esterco bovino curtido, em

    cada vaso. A adubao qumica de plantio, foi realizada diretamente nos vasos, 10

    dias antes do transplantio das mudas, de acordo com a metodologia proposta por

  • 23

    Novais et al. (1991) para ambiente controlado. Foram aplicados 6,46 g de sulfato de

    amnio (20% N), 60 g de superfosfato simples (18% P2O5) e 3,96 g de cloreto de

    potssio (58% K2O).

    Durante a conduo do experimento, foram realizadas adubaes de cobertura

    com base no manual de recomendao de calagem e adubao para o Estado do

    Esprito Santo, 5 aproximao (PREZOTTI et al., 2007).

    3.4 Curva Caracterstica de Reteno de gua no Solo

    Os resultados de reteno de gua no solo, foram obtidos atravs de cmara

    de presso de Richards (RICHARDS, 1949), os mesmos foram ajustados segundo o

    modelo proposto por Van Genuchten (1980), descrito pela Equao 1. Com o auxlio

    do software SWRC (Soil Water Retention Curve), desenvolvido por Dourado Neto et

    al. (2000), obtiveram-se os parmetros da equao de ajuste da curva caracterstica

    de reteno de gua no solo (Figura 3).

    (1)

    Em que:

    v = Umidade a base de volume, em cm3 cm-3;

    r = Umidade residual, em cm3 cm-3;

    s = Umidade de saturao, em cm3 cm-3;

    m = Potencial matricial, em kPa; e

    , m e n = Parmetros do modelo.

  • 24

    Figura 3. Curva caracterstica de reteno de gua no solo.

    3.5 Manejo da Irrigao

    O sistema de irrigao utilizado foi por gotejamento, constitudo por linhas

    principais com cano de PVC de 32 mm e 16 sadas secundrias (mangueiras

    gotejadoras de polietileno de 17 mm), com espaamento de 0,50 m entre gotejadores,

    sendo um emissor por vaso, com vazo de 1,56 L h-1, a presso de servio de 100

    kPa.

    As linhas secundrias possuam vlvulas de gaveta prprias, possibilitando a

    irrigao individualmente. No incio da linha principal estava instalado filtro de disco

    para evitar problemas de obstruo nos emissores, e manmetro para aferio da

    presso de funcionamento do sistema (Figura 4).

    0

    200

    400

    600

    800

    1000

    1200

    1400

    0.16 0.17 0.18 0.19 0.2 0.21 0.22 0.23 0.24 0.25 0.26 0.27

    m

    (kP

    a)

    Umidade (cm cm-)

  • 25

    Figura 4. Esquema representativo da instalao do sistema de irrigao.

    As irrigaes foram realizadas com base na avaliao da tenso de gua no

    solo, determinada atravs de tensmetro de puno digital, aps os tensimetros

    atingirem as tenses propostas, de forma a elevar a umidade do solo a 10 kPa,

    arbitrada como capacidade de campo. Com as tenses observadas, foram

    determinadas as umidades correspondentes, pela curva de reteno de gua no solo.

    De posse dessas umidades e com a correspondente capacidade de campo, foi

    calculado o tempo de irrigao, Equao 2.

    (2)

    Em que:

    Ti = Tempo de irrigao por vaso, horas;

    cc= Umidade volumtrica na tenso requerida (CC), m3 m-3;

    t= Umidade volumtrica atual (tensimetro), m3 m-3;

    Cs = Camada de solo considerada, m;

    Av = rea do vaso, m;

    q = vazo do emissor, m3 h-1; e

  • 26

    ef = eficincia de distribuio.

    Os tensimetros foram instalados nos vasos que compreendiam a segunda

    etapa do experimento, antes do transplantio da cultura. Para tanto, os mesmos foram

    deixados 48 horas com as cpsulas submersas em gua destilada, para a retirada de

    todo ar da cpsula porosa.

    Com o auxlio de um cano de dimetro igual aos tensimetros, fez-se um orifcio

    em cada vaso, posicionado a 0,10 m das plantas e a 0,10 m de profundidade no solo

    (Figura 5), poro equivalente a 50% da profundidade do sistema radicular do

    pimento.

    Figura 5. Abertura do orifcio a 0,10m das plantas (A), instalao do tubo (B).

    3.6 Conduo do Experimento

    O hbrido de pimento utilizado no experimento foi a variedade Impacto, a

    semeadura foi realizada no dia 26 de maio de 2016, em bandeja de isopor com 128

    clulas, na densidade de 1 semente por clula. Para preenchimento das clulas foi

    utilizado substrato comercial.

    A emergncia das plntulas ocorreu 10 dias aps a semeadura (DAS). O

    transplantio foi realizado no dia 13 de Julho de 2016, quando as mudas apresentavam

    seis folhas definitivas (Figura 6).

  • 27

    Figura 6. Transplantio das mudas de pimento (A), vista frontal do ambiente protegido

    (B).

    Nos primeiros 10 dias aps o transplantio no houve diferenciao na irrigao,

    visando o estabelecimento das plantas de pimento. Aps este perodo, deu-se incio

    diferenciao das tenses, onde as irrigaes foram efetuadas quando as tenses

    atingiram 15, 30, 45, 55 e 70 kPa. As tenses foram monitoradas duas vezes ao dia,

    s 08:00 e s 15:00 horas. Logo aps a leitura realizavam-se as irrigaes, caso

    necessrio.

    A fim de auxiliar na sustentao das plantas, foi montado um sistema de

    tutoramento, do tipo espaldeira, com fitilhos de plstico colocados horizontalmente,

    distanciados a 0,15 m no sentido da linha de plantio, com o crescimento das hastes,

    estas foram amarradas.

    Inspees peridicas foram realizadas a fim de se detectar a presena de

    pragas e doenas durante o cultivo. O controle de odio (Oidiopsis taurica) foi realizado

    com pulverizaes semanais de fungicida base de piraclostrobina e metiran.

    Semanalmente foram realizadas pulverizaes com inseticidas base de tiametoxam

    para controle de pragas, dentre elas, mosca branca (Bemisia tabaci) e tripes (Thrips

    tabaci).

  • 28

    3.7 Variveis Agronmicas

    3.7.1 Altura da Planta e Dimetro do Caule

    A altura da planta foi determinada medindo-se a distncia vertical entre a

    superfcie do solo e o pice da planta, com auxlio de uma rgua. Para a determinao

    do dimetro do caule utilizou-se paqumetro, na altura do solo (BILIBIO et al., 2010).

    As avaliaes de altura e dimetro foram realizadas aos 29 e 55 DAT, nas plantas da

    primeira etapa do experimento (Figura 7).

    Figura 7. Avaliao de altura da planta (A) e dimetro do caule (B), aos 29 DAT.

    3.7.2 Massa Seca da Parte Area (MSPA)

    As plantas foram cortadas rentes ao solo, colocadas em sacos de papel,

    pesadas e transferidas para estufa de ventilao forada de ar a 65 C at obteno

    de massa constante (ARAGO et al., 2012). As avaliaes de massa seca da parte

    area foram realizadas aos 29 e 55 DAT, nas plantas da primeira etapa do

    experimento (Figura 8).

  • 29

    Figura 8. Corte das plantas do primeiro estdio da etapa 1 do experimento (A) e

    acondicionamento em sacos de papel (B).

    3.7.3 Classificao dos frutos

    Os frutos foram classificados pelo tamanho, de acordo com as normas vigentes

    no Ministrio da Agricultura (BRASIL, 2001). Os frutos que apresentaram comprimento

    maior ou igual a 60 mm e dimetro maior ou igual a 40 mm foram classificados como

    comerciais e os frutos que apresentaram comprimento menor que 60 mm e dimetro

    menor que 40 mm, ou alguns defeitos graves, tais como frutos murchos, deteriorados,

    malformados, com danos mecnicos, por doenas ou pragas, foram classificados

    como no comerciais.

    3.7.4 Nmero Total e Comercial de Frutos

    A determinao do nmero total e comercial de frutos foi realizada pela

    contagem direta dos mesmos. Os resultados foram expressos em frutos por planta-1.

    3.7.5 Produo Total e Comercial

    Para determinao da produo total e comercial de frutos, os mesmos foram

    colhidos e pesados em balana digital. Os resultados foram expressos em g planta-1.

    3.7.6 Nmero de Frutos por Perodos

    A etapa de colheita teve durao de 84 dias. Para a avaliao do

    comportamento da produo ao longo do tempo, dividiu-se esta etapa em intervalos

    de sete dias, analisando-se o nmero total de frutos em 12 perodos. Os resultados

    foram expressos em frutos por planta-1.

  • 30

    3.7.7 Consumo Hdrico

    Foram determinados o consumo de gua e o intervalo mdio de irrigaes,

    para cada tratamento, durante o perodo experimental.

    3.8 Anlises Estatsticas

    Os resultados obtidos foram submetidos Anlise de Varincia, em nvel de

    5% de significncia. Na primeira etapa do experimento, verificando efeito significativo,

    os dados referentes s tenses foram submetidos anlise de regresso e os dados

    referentes a dias aps transplantio foram submetidos ao teste Tukey, em nvel de 5%

    de probabilidade. Na segunda etapa do experimento, verificando efeito significativo,

    os dados foram submetidos anlise de regresso, em nvel de 5% de probabilidade.

    As anlises estatsticas foram executadas utilizando procedimentos estatsticos

    descritos por BANZATO; KRONKA (2009). A ferramenta utilizada para as anlises foi

    o software estatstico SAEG 9.1.

  • 31

    4 RESULTADOS E DISCUSSO

    4.1 Altura da Planta

    De acordo com a anlise de varincia (Apndice A), verifica-se que tenses de

    gua no solo e dias aps transplantio exercem influncia no ritmo de crescimento das

    plantas, em nvel de 5% de probabilidade. No se observou efeito da interao tenso

    de gua no solo e dias aps transplantio. Na Figura 9 observa-se o estudo da varivel

    altura da planta em funo dos nveis de tenso de gua no solo.

    Figura 9. Altura da planta (cm) em funo dos nveis de tenso de gua no solo (15,

    30, 45, 55 e 70 kPa).

    A altura da planta apresentou comportamento quadrtico em funo do

    aumento da tenso de gua no solo. Houve incremento em altura da planta at a

    tenso de 32,33 kPa (47,51 cm), a partir dessa tenso verifica-se decrscimo da

    varivel analisada. Comparando-se a tenso em que se obteve a mxima altura de

    planta com a tenso de 70 kPa (41,97 cm), observa-se uma reduo de 11,66%.

    Resultados semelhantes so observados no trabalho de Hott (2014), que

    avaliando o efeito de tenses de gua no solo (15, 20, 30, 45 e 60 kPa) no estdio

    produtivo (90 DAT) da cultura do tomate, tambm verificou comportamento quadrtico

    para a mesma varivel estudada, ocorrendo um incremento em altura de plantas at

    23,64 kPa, ocorrendo decrscimo a partir desta tenso.

    ALT = 43.435 + 0.2522T - 0.0039TR = 0.9257

    40

    42

    44

    46

    48

    50

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    Alt

    ura

    da p

    lan

    ta (

    cm

    )

    Tenso de gua no solo (kPa)

  • 32

    A absoro contnua de gua essencial ao crescimento e desenvolvimento

    vegetal, pois a maioria das plantas, em clima tropical, chega a perder mais do que seu

    prprio peso em gua, por dia, em certas condies. O crescimento da planta depende

    da gua absorvida, esta responsvel pela turgescncia celular, que sustenta a

    prpria morfologia de plantas herbceas, e que essencial para o aumento de volume

    celular e crescimento do vegetal (PIMENTEL, 2004).

    As plantas submetidas s maiores tenses de gua no solo receberam

    irrigaes com menor frequncia, permanecendo por longos perodos com baixa

    umidade no solo, podendo ser observado o murchamento das folhas das plantas

    (Figura 10).

    Figura 10. Plantas murchas de pimento, submetidas tenso de 70 kPa.

    Quando uma planta est sob dficit hdrico intenso, os estmatos so fechados

    para reduzir a transpirao, o que tambm reduz a fotossntese e, consequentemente

    a produo de fotoassimilados, reduzindo o crescimento da planta e interferindo na

    produo final.

    Santana et al. (2004) analisaram o efeito de diferentes tenses de gua no solo

    (10, 30, 50 e 70 kPa) e doses de clcio (0, 200, 400 e 600 mg dm-) na cultura do

    pimento, e verificaram que as maiores alturas de plantas ocorreram na tenso de 10

    kPa.

    Bilibio et al. (2010) avaliaram diferentes tenses de gua no solo (15, 30, 45 e

    60 e 80 kPa) em dois estdios fenolgicos da cultura da berinjela e verificaram

  • 33

    resposta linear em relao s tenses de gua no solo. Para cada variao unitria

    crescente da tenso de gua no solo, deu-se uma reduo de 0,4533 cm na altura

    das plantas.

    Na Tabela 3 observa-se o estudo da varivel altura da planta, em funo dos

    dias aps transplantio. Aos 55 DAT as plantas de pimento apresentaram um

    incremento em altura de 57,58% em relao aos 29 DAT.

    Tabela 3. Altura da planta (cm) em funo dos DAT (29 e 55 DAT).

    Varivel 29 DAT 55 DAT

    Altura da Planta (cm) 27,10 A 64,04 B

    Mdias seguidas pela mesma letra no diferem entre si pelo tente de Tukey, ao nvel de 5% de probabilidade.

    4.2 Dimetro do Caule

    De acordo com a anlise de varincia (Apndice A), verifica-se que houve efeito

    da interao tenso de gua no solo e dias aps transplantio, para a varivel dimetro

    do caule, em nvel de 5% de probabilidade. Na Figura 11 observa-se o estudo da

    varivel dimetro de caule em funo dos nveis de tenso de gua no solo, aos 29 e

    55 DAT.

    Figura 11. Dimetro do caule (mm) em funo dos nveis de tenso de gua no solo

    (15, 30, 45, 55 e 70 kPa), aos 29 e 55 DAT.

    DI = 5.9474 + 0.0659T - 0.001T2

    R = 0.9529

    DI = 15.027 - 0.0627TR = 0.8553

    0

    2

    4

    6

    8

    10

    12

    14

    16

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    Di

    metr

    o d

    e c

    au

    le (

    mm

    )

    Tenso de gua no solo (kPa)

    29 DAT

    55 DAT

  • 34

    O dimetro do caule aos 29 DAT apresentou comportamento quadrtico em

    funo do aumento da tenso de gua no solo. Houve incremento em dimetro de

    caule at a tenso de 32,95 kPa (7,03 mm), a partir dessa tenso verifica-se

    decrscimo da varivel analisada. Comparando-se a tenso em que se obteve o

    mximo dimetro de caule com a tenso de 70 kPa (5,66 mm), observa-se uma

    reduo de 19,48%.

    O dimetro do caule aos 55 DAT apresentou comportamento linear decrescente

    em funo do aumento da tenso de gua no solo. Quando comparadas a maior e

    menor tenso estudadas, nota-se que o incremento para essa varivel foi de 24,50%. O

    maior dimetro de caule foi obtido na tenso de 15 kPa, com 14,08 mm.

    Corroborando com este experimento, Oliveira (2009) irrigando com diferentes

    tenses de gua no solo (15, 30, 60 e 120 kPa) a cultura do pepino em ambiente

    protegido, obteve maiores mdias para o dimetro de caule nas menores tenses de

    gua no solo.

    Do mesmo modo, Bilibio et al. (2010), analisando o efeito de diferentes tenses

    de gua no solo (15, 30, 45, 60 e 80 kPa) na cultura da berinjela, afirmam que o

    dimetro do caule apresentou menores valores de acordo com o aumento da tenso

    de gua no solo.

    Na Tabela 4 observa-se o estudo da varivel dimetro do caule, em funo dos

    dias aps transplantio, para cada nvel de tenso de gua no solo. O aumento na

    tenso de gua no solo reduz a disponibilidade hdrica, dessa forma ocorre diminuio do

    dimetro do caule. O dimetro de caule aos 55 DAT se sobressai significantemente aos

    obtidos aos 29 DAT.

    Tabela 4. Dimetro do caule (mm) em funo dos dias aps transplantio, para as cinco

    tenses estudadas (15, 30, 45, 55 e 70 kPa).

    DAT

    Dimetro do Caule (mm)

    Tenso de gua no solo (kPa)

    15 30 45 55 70

    29 6,76 B 6,84 B 7,02 B 6,42 B 5,54 B

    55 13,66 A 14,00 A 12,98 A 11,08 A 10,84 A

    Mdias seguidas pela mesma letra na vertical, no diferem entre si, pelo teste Tukey, em nvel de 5% de probabilidade.

  • 35

    4.3 Massa Seca da Parte Area (MSPA)

    De acordo com a anlise de varincia (Apndice A), verifica-se que tenses de

    gua no solo e dias aps transplantio influenciam significativamente a varivel massa

    seca da parte area, em nvel de 5% de probabilidade. No se observou efeito da

    interao tenso de gua no solo e dias aps transplantio. Na Figura 12 observa-se o

    estudo da varivel massa seca da parte area em funo dos nveis de tenso de

    gua no solo.

    Figura 12. Massa seca da parte area (g) em funo dos nveis de tenso de gua

    no solo (15, 30, 45, 55 e 70 kPa).

    A massa seca da parte area apresentou comportamento linear decrescente em

    funo do aumento da tenso de gua no solo. Quando comparadas a maior e menor

    tenso estudadas, nota-se que o incremento para essa varivel foi de 26,51%. O maior

    acmulo de massa seca da parte area ocorreu na tenso de 15 kPa, sendo 39,38 g.

    Carvalho et al. (2013) avaliaram o desenvolvimento da cultura do pimento

    vermelho sob diferentes tenses de gua no solo (15, 30, 45 e 60 kPa) e verificaram

    que a massa seca de plantas apresentou um decrscimo de 74,39% em funo das

    tenses de gua no solo, quando comparada a tenso de 15 kPa com a tenso de 60

    kPa.

    S (2003) avaliando o desenvolvimento do tomate sob diferentes tenses de

    gua no solo (15, 30, 50, 70, 120 e 170 kPa) verificou que a matria seca da parte

    MSPA = 42.227 - 0.1897TR = 0.9861

    20

    25

    30

    35

    40

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    Massa S

    eca (

    g)

    Tenso de gua no solo (kPa)

  • 36

    area diminuiu linearmente com o aumento das tenses de gua no solo, o

    decrscimo foi de 0,8471 g por unidade de tenso de gua no solo.

    O crescimento das plantas, entendido como o acmulo de massa seca,

    depende quase que inteiramente da fotossntese. Segundo Taiz; Zieger (2004), cerca

    de 90% da massa seca vegetal so originados diretamente da assimilao

    fotossinttica de carbono atravs da fotossntese. O dficit hdrico induz o fechamento

    estomtico na parte area, afetando a fotossntese.

    Sendo assim, as plantas que foram submetidas s maiores tenses de gua no

    solo apresentaram menor acmulo de massa seca, devido, dentre outros fatores,

    reduo da assimilao fotossinttica de carbono ocasionada pelo fechamento

    estomtico.

    Na Tabela 5 observa-se o estudo da varivel massa seca da parte area, em

    funo dos dias aps transplantio. Aos 55 DAT as plantas de pimento apresentaram

    um incremento em massa seca de 91,80% em relao aos 29 DAT.

    Tabela 5. Massa seca da parte area em funo dos DAT (29 e 55 DAT).

    Varivel 29 DAT 55 DAT

    Massa seca (g) 5,16 A 62,98 B

    Mdias seguidas pela mesma letra no diferem entre si pelo teste Tukey, em nvel de 5% de probabilidade.

    4.4 Nmero Total de Frutos

    De acordo com a anlise de varincia (Apndice B), verifica-se que houve efeito

    significativo entre a tenso de gua no solo e o nmero total de frutos por planta, em

    nvel de 5% de probabilidade. O nmero total de frutos apresentou comportamento

    linear em funo do aumento da tenso de gua no solo (Figura 13).

    O nmero de frutos decresceu em funo do aumento da tenso da gua no solo.

    Quando comparadas a maior e menor tenso estudadas, nota-se que o incremento para

    essa varivel foi de 48,31%. O maior valor obtido para nmero total de frutos por planta

    ocorreu na tenso de 15 kPa, sendo 34,42 frutos por planta.

  • 37

    Figura 13. Nmero total de frutos por planta, em funo das diferentes tenses de

    gua no solo (15, 30, 45, 55 e 70 kPa).

    Carvalho et al., (2016) avaliando tenses de gua no solo (15,30, 60 e 120 kPa)

    na cultura do pimento vermelho, tambm constataram o maior nmero de frutos na

    tenso de 15 kPa, havendo um incremento de 60% da varivel, quando comparadas a

    maior e menor tenso estudadas.

    Lima et al., (2013), avaliando tenses de gua no solo (20,40, 60 e 120 kPa)

    no cultivo de pimenta Cayenne tambm observaram tendncia de reduo linear no

    nmero mdio de frutos por planta, em funo do aumento da tenso de gua no solo.

    Um dos principais causadores de estresse nas culturas o dficit hdrico. Este

    acarreta distrbios no desenvolvimento das plantas com reduo da rea foliar,

    consequentemente reduz a taxa fotossinttica. A menor produo de frutos nas

    maiores tenses de gua no solo pode estar relacionada com a menor taxa

    fotossinttica. Alm disso, a ocorrncia de dficit hdrico antes e durante a fase inicial

    de florao reduz o nmero de frutos pelo abortamento das flores (SEZEN et al.,

    2006).

    4.5 Nmero de Frutos Comerciais

    De acordo com a anlise de varincia (Apndice B), verifica-se que houve efeito

    significativo entre a tenso de gua no solo e o nmero de frutos comerciais por planta,

    FT = 38.963 - 0.3024TR = 0.9782

    0

    5

    10

    15

    20

    25

    30

    35

    40

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    Fru

    tos P

    lan

    ta-1

    Tenso de gua no solo (kPa)

  • 38

    em nvel de 5% de probabilidade. O nmero total de frutos comerciais apresentou

    comportamento linear em funo do aumento da tenso de gua no solo (Figura 14).

    Figura 14. Nmero de frutos comerciais por planta, em funo dos nveis de tenso

    de gua no solo (15, 30, 45, 55 e 70 kPa).

    O nmero de frutos comerciais decresceu em funo do aumento da tenso da

    gua no solo. Quando comparadas a maior e menor tenses estudadas, nota-se que o

    incremento para essa varivel foi de 70,34%. O maior valor obtido para nmero total de

    frutos comerciais por planta ocorreu na tenso de 15 kPa, sendo 30,28 frutos por planta.

    Canturio et al. (2014) avaliando a qualidade de frutos de pimento sob

    diferentes doses de silcio (0,0; 4,3 e 8,6 Kg ha-1) e tenses de gua no solo (15, 25,

    35 e 45 kPa), constataram que o nmero de frutos com incidncia de podrido apical

    tende a aumentar seguindo um modelo de regresso exponencial medida que o

    valor de tenso de gua no solo aumenta.

    As plantas so expostas a vrios estresses ambientais, como temperaturas

    altas, falta de gua, alta radiao luminosa e deficincia de nutrientes, causando um

    estresse mltiplo. Dentre estes diferentes estresses, a falta de nutrientes tambm

    frequente quando ocorre dficit hdrico, e ambos os estresses afetam

    significativamente a produtividade agrcola (PIMENTEL, 2004).

    A deficincia hdrica durante a fase inicial de frutificao restringe a

    translocao de clcio nas plantas de pimento (FILGUEIRA, 2008). As principais

    FC = 36.09 - 0.3872TR = 0.9903

    0

    5

    10

    15

    20

    25

    30

    35

    40

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    Fru

    tos C

    om

    erc

    iais

    Pla

    nta

    -1

    Tenso de gua no solo (kPa)

  • 39

    causas de desordem fisiolgica em plantas que causa o aparecimento de podrido

    apical nos frutos so a baixa umidade do solo, maior intensidade de transpirao foliar

    e desequilbrio nutricional, pois, influenciam a absoro, a translocao e o acmulo

    de Ca nas plantas (SAURE et al., 2001).

    Devido ao estresse hdrico as maiores tenses de gua no solo obtiveram baixo

    nmero de frutos comerciais por planta, os frutos apresentaram alta incidncia de

    podrido apical.

    4.6 Produo Total de Frutos

    De acordo com a anlise de varincia (Apndice B), verifica-se que houve efeito

    significativo entre a tenso de gua no solo e a produo total de frutos, em nvel de

    5% de probabilidade. A produo total apresentou comportamento linear em funo

    do aumento da tenso de gua no solo (Figura 15).

    Figura 15. Produo Total (g planta-1) em funo dos nveis de tenso de gua no

    solo (15, 30, 45, 55 e 70 kPa).

    A produo decresceu em funo do aumento da tenso da gua no solo. Quando

    comparadas a maior e menor tenso estudadas, nota-se que o incremento para essa

    PT = 5265.1 - 71.974TR = 0.9606

    0

    1000

    2000

    3000

    4000

    5000

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    Pro

    du

    o

    To

    tal (g

    pla

    nta

    -1)

    Tenso de gua no solo (kPa)

  • 40

    varivel foi de 94,57%. A maior produo de frutos ocorreu na tenso de 15 kPa, sendo

    4.185,49 g planta-1.

    Bilibio et al. (2010), trabalhando com berinjela tambm constataram que a

    tenso de 15 kPa proporciona melhor desempenho produtivo.

    Segundo Carvalho et al. (2016), o dficit hdrico na fase de desenvolvimento da

    cultura em geral tem efeito adverso na produo e a reduo na produtividade mais

    acentuada quando o dficit hdrico continua da fase de florescimento at a colheita.

    4.7 Produo de Frutos Comerciais

    De acordo com a anlise de varincia (Apndice B), verifica-se que houve efeito

    significativo entre a tenso de gua no solo e a produo comercial de frutos, em nvel

    de 5% de probabilidade. A produo comercial apresentou comportamento linear em

    funo do aumento da tenso de gua no solo (Figura 16).

    Figura 16. Produo Comercial (g planta-1) em funo das diferentes tenses de gua

    no solo (15, 30, 45, 55 e 70 kPa).

    Isso demonstra que as menores tenses proporcionaram a maior produo

    comercial e que a maior tenso teve um decrscimo de 92,55% em relao a menor

    PC = 4651.7 - 67.123TR = 0.9532

    0

    1000

    2000

    3000

    4000

    5000

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    Pro

    du

    o

    Co

    merc

    ial

    (g p

    lan

    ta -

    1)

    Tenso de gua no solo (kPa)

  • 41

    tenso para esta varivel. A maior produo comercial de frutos ocorreu na tenso de

    15 kPa, sendo 3.644,85 g planta-1.

    Resultados semelhantes foram encontrados por Santana et al. (2004), que

    avaliando tenso de gua no solo (10, 30, 50 e 60 kPa) na cultura do pimento,

    constataram maior produo total e comercial quando as irrigaes elevavam a umidade

    do solo prximo capacidade de campo (10 kPa).

    4.8 Produo por Perodos

    De acordo com a anlise de varincia (Apndice C), verifica-se que houve efeito

    da interao tenso de gua no solo e perodos de colheita, para a varivel produo

    de frutos, em nvel de 5% de probabilidade. Na Figura 17 observa-se o estudo da

    varivel produo de frutos em funo dos 12 perodos de colheita, para cada nvel

    de tenso de gua no solo.

    Verifica-se que ocorrem diferentes comportamentos na produo de frutos nos

    diferentes nveis de tenso de gua no solo, ao longo do perodo produtivo. A

    produo de frutos por planta apresentou comportamento quadrtico em funo do

    ciclo produtivo, para as tenses de 15, 30 e 70 kPa. Nas tenses de 45 e 55 kPa

    apresentou comportamento mdio, durante todo o ciclo produtivo.

    A tenso com maior produo de frutos por planta, no pico de produo, foi de

    15 kPa, com 531,47 g por planta, no perodo correspondente a 95,14 DAT. Para todas

    as tenses a menor produo observada aos 139 DAT, ltimo perodo do ciclo

    produtivo.

    Na tenso de 70 kPa a maior produo foi obtida no perodo correspondente a

    98 DAT, com 72,18 g por planta. Comparando-se os picos de produo na tenso de

    15 kPa (531,47 frutos) com a de 70 kPa (72,18 frutos), observa-se um incremento de

    86,41% na produo de frutos.

  • 42

    Figura 17. Produo em funo dos perodos de colheita, para cada nvel de tenso

    de gua no solo.

    Na Figura 18 observa-se o estudo da varivel produo de frutos em funo

    dos nveis de tenso de gua no solo, para cada perodo de colheita. Com exceo

    do perodo correspondente a 62 DAT, todos os outros perodos apresentaram

    comportamento linear decrescente, com o aumento da tenso de gua no solo.

    A menor produo de frutos foi obtida no perodo correspondente a 139 DAT,

    com 53,82 frutos por planta. Comparando-se os perodos de mxima e mnima

    produo de frutos, 83 e 139 DAT, respectivamente, observa-se uma reduo de

    88,90% no nmero de frutos por planta.

    PF = - 1147.4 + 35.511T - 0.1919TR = 0.8787

    0

    200

    400

    600

    62 69 76 83 90 97 104 111 118 125 132 139

    Pro

    duo (

    g p

    lanta

    -1)

    DAT

    15 kPa

    PF = - 375.33 + 16.016T - 0.0918TR = 0.8151

    0

    200

    400

    600

    62 69 76 83 90 97 104111118125132139

    Pro

    duo (

    g p

    lanta

    -1)

    DAT

    30 kPa

    Y = = 129.72

    0

    200

    400

    600

    62 69 76 83 90 97 104 111 118 125 132 139

    Pro

    duo (

    g p

    lanta

    -1)

    DAT

    45 kPa

    Y = = 105.1

    0

    200

    400

    600

    62 69 76 83 90 97 104111118125132139

    Pro

    duo (

    g p

    lanta

    -1)

    DAT

    55 kPa

    = - 431.12 + 9.9868T - 0.0495TR = 0.7917

    0

    200

    400

    600

    62 69 76 83 90 97 104 111 118 125 132 139Pro

    duo (

    g p

    lanta

    -1)

    DAT

    70 kPa

  • 43

    Continua...

    Figura 18. Produo em funo dos nveis de tenso de gua no solo, para cada

    perodo de colheita.

    PF = 286.85+ 0.0717T -0.0623T2

    R = 0.9283

    0

    200

    400

    600

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    Pro

    du

    o

    (g

    pla

    nta

    -1)

    Tenso de gua no solo (kPa)

    62 DAT

    PF = 519.02 -7.8023T R = 0.9707

    0

    200

    400

    600

    0 10 20 30 40 50 60 70 80pro

    du

    o

    (g

    pla

    nta

    -1)

    Tenso de gua no solo (kPa)

    69 DAT

    PF = 534.06 -7.5353T R = 0.8405

    0

    200

    400

    600

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    Pro

    du

    o

    (g

    pla

    nta

    -1)

    Tenso de gua no solo (kPa)

    76 DAT

    PF = 604.15 -7.9305T R = 0.9979

    0

    200

    400

    600

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    Pro

    du

    o

    (g

    pla

    nta

    -1)

    Tenso de gua no solo (kPa)

    83 DAT

    PF = 593.89 -7.8934T R = 0.9305

    0

    200

    400

    600

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    Pro

    du

    o

    (g

    pla

    nta

    -1)

    Tenso de gua no solo (kPa)

    90 DAT

    PF = 538.02 -6.6328T R = 0.9736

    0

    200

    400

    600

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    Pro

    du

    o

    (g

    pla

    nta

    -1)

    Tenso de gua no solo (kPa)

    97 DAT

  • 44

    Continuao...

    PF = 467.92 - 6.2026T R = 0.9172

    0

    200

    400

    600

    10 20 30 40 50 60 70 80

    Pro

    du

    o

    (g

    pla

    nta

    -1)

    Tenso de gua no solo (kPa)

    104 DAT

    PF = 561.23 -8.2622T R = 0.8644

    0

    200

    400

    600

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    Pro

    du

    o

    (g

    pla

    nta

    -1)

    Tenso de gua no solo (kPa)

    111 DAT

    PF = 421.48 -5.8975T R = 0.8384

    0

    200

    400

    600

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    Pro

    du

    o

    (g

    pla

    nta

    -1)

    Tenso de gua no solo (kPa)

    118 DAT

    PF = 263.08 -3.4966T R = 0.9595

    0

    200

    400

    600

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    Pro

    du

    o

    ( g

    pla

    nta

    -1)

    Tenso de gua no solo (kPa)

    125 DAT

    PF = 250.97 -3.5784T R = 0.9919

    0

    200

    400

    600

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    Pro

    du

    o

    (g

    pla

    nta

    -1)

    Tenso de gua no solo (kPa)

    132 DAT

    PF= 135.04 -1.5896T R = 0.7873

    0

    200

    400

    600

    0 10 20 30 40 50 60 70 80

    Pro

    du

    o

    (g

    pla

    nta

    -1)

    Tenso de gua no solo (kPa)

    139 DAT

  • 45

    4.10 Consumo Hdrico

    A produo, o consumo hdrico aps o incio da diferenciao das tenses e o

    intervalo mdio de irrigaes para cada nvel de tenso de gua no solo, so

    apresentados na Tabela 6.

    Tabela 6. Produo, consumo hdrico do pimento e intervalo mdio de irrigaes,

    para cada tenso.

    Tenso (kPa)

    Massa dos Frutos (Kg planta-1)

    Consumo Hdrico (mm)

    Intervalo mdio de irrigao (dias)

    15 4.451,51 519,85 1,25

    30 3.050,71 448,80 1,60

    45 1.556,64 360,43 3,75

    55 1.261,2 350,90 4,5

    70 531,2 327,50 5

    O consumo hdrico foi decrescente em funo do aumento da tenso de gua

    no solo, isso se deve ao fato de que nas maiores tenses de gua no solo as irrigaes

    ocorriam com menor frequncia.

    A maior lmina de gua aplicada foi de 519,85 mm para a tenso de 15 kPa, a

    produo obtida nesta tenso foi de 4.451,51 Kg planta-1. A menor lmina aplicada foi

    de 327,50 mm para a tenso de 70 kPa, onde a produo foi de 531,2 Kg planta-1.

    Comparando-se a produo obtida na maior e menor tenso estudadas, onde

    houve uma reduo de 37% no volume de gua aplicada, observa-se uma queda de

    88,06% na produo de frutos.

  • 46

    5 CONCLUSES

    No estdio vegetativo da cultura do pimento os nveis de tenso de gua no solo

    influenciam o desenvolvimento da cultura. Menores tenses de gua no solo

    proporcionam melhor desenvolvimento vegetativo das plantas de pimento.

    Para a obteno dos maiores valores de nmero total e comercial de frutos por

    planta, produo total e comercial de frutos por planta, as irrigaes devem ser

    realizadas com a tenso de gua no solo em 15 kPa.

    Plantas de pimento irrigadas na tenso de gua no solo em 15 kPa

    apresentam o pico de produo no perodo correspondente aos 92,52 DAT, com 4,25

    frutos por planta, 42,86% a mais do que o obtido no pico de produo das plantas

    irrigadas na tenso de gua no solo em 70 kPa.

    A tenso de gua no solo de 15 kPa consome 37% a mais de gua do que a

    tenso de 70 kPa, porm, produz 88,06% a mais.

  • 47

    REFERNCIAS

    ANDRADE, C. L. T.; BORGES JNIOR, J. C. F.; COUTO, L. Caractersticas fsico-hdricas e dinmica de gua no solo. In: ALBUQUERQUE, P. E. P.; DURES, F. O. M. Uso e manejo de irrigao. Braslia, DF: Embrapa Informao Tecnolgica, 2008. p. 403-419.

    ARAGO, V. F.; FERNANDES, P. D.; FILHO, R. R. G.; CARVALHO, C. M.; FEITOSA, H. O.; FEITOSA, E. O. Produo e eficincia no uso de gua do pimento submetido a diferentes lminas de irrigao e nveis de nitrognio. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada, v. 6, n. 3, p. 207-216, 2012.

    BANZATO, D. A.; KRONKA, S. do N. Experimentao agrcola. 4. ed. Jaboticabal: FUNEP, 2009.

    BERNARDO, S.; SOARES, A. A.; MANTOVANI, E. C. Manual de irrigao. 8. ed. Viosa, MG: Ed. UFV, 2006. 625 p.

    BILIBIO, C.; CARVALHO, J. A.; MARTINS, M.; REZENDE, F. C.; FREITAS, E. A.; GOMES, L. A. A. Desenvolvimento vegetativo e produtivo da berinjela submetida a diferentes tenses de gua no solo. Revista Brasileira de Engenharia Agrcola e Ambiental, v. 14, n. 7, p. 730-735, 2010.

    BRASIL. Ministrio da Agricultura. Legislao aplicada agricultura: Classificao de produtos vegetais. Disponvel em: . Acesso em: 10 nov. 2015.

    CAMPOS, V. B.; OLIVEIRA, A. P.; CAVALCANTE, L. F.; PRAZERES, S. S. Rendimento do pimento submetido ao nitrognio aplicado via gua de irrigao em ambiente protegido. Revista de Biologia e Cincias da Terra, v. 8, n. 2, p. 72-79, 2008.

    CANTURIO, F. S. Produo de pimento submetido a estresse hdrico e silicato de potssio em cultivo protegido. 2012. 107 p. Dissertao (Mestrado em Cincias Agrrias) - Universidade Federal de Uberlndia, Uberlndia, 2012.

    CARVALHO, J. A.; REZENDE, F. C.; AQUINO, R. F.; FREITAS, W. A.; OLIVEIRA, E. C. Anlise produtiva e econmica do pimento-vermelho irrigado com diferentes lminas, cultivado em ambiente protegido. Revista Brasileira de Engenharia Agrcola e Ambiental, Campina Grande, v. 15, n. 6, p. 569-574, 2011.

    CARVALHO, J. A.; REZENDE, F. C.; OLIVEIRA, E. C.; AQUINO, R. F. Pimento cultivado em ambiente protegido sob diferentes tenses de gua no solo. Revista Engenharia na Agricultura, v. 23, n. 3, p. 236-245, 2016.

    CARVALHO, K. S.; KOETZ, M.; POLIZEL, A. C.; CABRAL, C. E. A.; SILVA, C. R. M. Cultivo de pimento vermelho submetido tenses de gua no solo. Enciclopdia Biosfera, Goinia, v. 9, n. 16, p. 659-667, 2013.

    http://agridata.mg.gov.br/legislacao/classificacao_cer.../laclassprodvegetalpimentao.nthttp://agridata.mg.gov.br/legislacao/classificacao_cer.../laclassprodvegetalpimentao.nt

  • 48

    COELHO, S. L.; TEIXEIRA, A. S. Avaliao do tensimetro eletrnico no monitoramento do potencial matricial de gua no solo. Engenharia Agrcola, Jaboticabal, v. 24, n. 3, 2004.

    DEMATT, J. L. I. Manejo de solos cidos dos trpicos midos: regio amaznica. Campinas: Fundao Cargill, 1988. 215 p.

    DOORENBOS, J.; KASSAM, A. H. Efeito da gua no rendimento das culturas. Campina Grande: UFPB, 1994. 306 p.

    DOURADO-NETO, D.; NIELSEN, D. R.; HOPMANS, J. W.; REICHARDT, K.; BACCHI, O. O. S. Software to model soil water retention curves (SWRC, version 2.00). Scientia Agrcola, Piracicaba, v. 57, n. 1, p. 191-192, 2000.

    EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solo. Sistema brasileiro de classificao de solos. Rio de Janeiro. EMBRAPA-SPI. 2009, 412 p.

    FERREIRA, E. P.; OLIVEIRA, E. M.; ROSADO, T. L.; SPERANDIO, G. L. S. Projeto de recuperao de rea degrada PRAD. Instituto Federal de Educao, Cincia e Tecnologia do Esprito Santo, Campus Santa Teresa, 2016.

    FILGUEIRA, F. A. R. Novo manual de olericultura: Agrotecnologia moderna na produo e comercializao de hortalias. Viosa: Editora UFV, 2008. 421 p.

    FILGUEIRA, F. A. R. Solanceas. 1. ed. Lavras: Editora UFLA, 2003. 333 p.

    FILGUEIRAS, R.; OLIVEIRA, V. M. R.; CUNHA, F. F.; MANTOVANI, E. C.; SOUZA, E. J. Modelos de curva de reteno de gua no solo. Irriga, Botucatu, v. 1, n. 1, p. 115-120, 2016.

    FLORES, D. S. Manejo da irrigao sobre as caractersticas morfolgicas e produtividade do pimento em ambiente protegido. 2014. 70 p. Dissertao (Mestrado em Horticultura Irrigada) Universidade do Estado da Bahia, BA, 2014.

    FONTES, P. C. R. Olericultura: teoria e prtica. 1. ed. Viosa: Editora UFV, 2005. 486 p.

    FREE, J. B. Insect pollination of crops. 2. ed. London: Academic Press, 1993. 684 p.

    FRIZONNE, J. A.; GONALVES, A. C. A.; REZENDE, R. Produtividade do pimento amarelo, Capsicum annuum L., cultivado em ambiente protegido, em funo do potencial mtrico de gua no solo. Acta Scientiarum, Maring, v. 23, n. 5, p.1111-1116, 2008.

    HOTT, M. O. Desenvolvimento do tomateiro cultivado sob diferentes tenses de gua no solo. 2014. 57 p. Dissertao (Mestrado em Produo Vegetal) Universidade Federal do Esprito Santo, Centro de Cincias Agrrias, ES, 2014. INCAPER. Sntese da produo agropecuria do Espirito Santo 2015/2016. Vitria, ES: Incaper, 2016. 116 p.

  • 49

    KOPPEN, W. Climatologia: con um estudio de los climas de la tierra. Mexico: Fondo de cultura economica, 1948. 478 p.

    LIMA, E. M.; CARVALHO, J. A.; REZENDE, F. C.; THEBALDI, M. S.; GATTO, R. F. Rendimento da pimenta Cayenne em funo de diferentes tenses de gua no solo. Revista Brasileira de Engenharia Agrcola e Ambiental, v. 17, n. 11, p. 1181-1187, 2013.

    LCIO, A. D.; MELLO, R. M.; STORCK, L.; CARPES, R. H.; BOLIGON, A. A.; ZANARDO, B. Estimativa de parmetros para o planejamento de experimentos com a cultura do pimento em rea restrita. Horticultura Brasileira, v. 22, n. 4, p. 766-770, 2004.

    MANTOVANI, E. C.; BERNARDO, S.; PALARETTI, L. F. Irrigao: princpios e mtodos. 2. ed. Viosa, MG: UFV, 2009. 355 p.

    MARQUES, M. A. D. Lminas e frequncia de irrigao para a cultura do tomateiro tipo Grape, em Casa Nova, BA. 2013. 91 p. Dissertao (Mestrado em Engenharia Agrcola) Universidade Federal do Vale do So Francisco, campus Juazeiro-BA, 2013.

    MAROUELLI, W. A.; SILVA, W. L. C. Irrigao na cultura do pimento. Braslia: Embrapa Hortalias, 2012. 20 p. (Circular Tcnica, 101).

    MORILLO-VELARDE R. Water management in sugar beet. Sugar Tech. p. 299-304, 2010. NBREGA, N. E. F.; SILVA, J. G. F.; POSSE, S. C. P.; RAMOS, H. E. A. Classificao Climtica e Balano Hdrico Climatolgico para a Regio Produtora de Uva do Municpio de Santa Teresa ES. In: XX Congresso Brasileiro de Fruticultura Vitria/ES, 2008. NOVAIS, R. F.; NEVES, J. C. L.; BARROS, N. F. Ensaio em ambiente controlado. In: OLIVEIRA, A. J.; GARRIDOW, W. E.; ARAUJO, J. D.; LOURENO, S. Mtodos de pesquisa em fertilidade do solo. Braslia: EMBRAPA-SAE, 1991. p. 189-254.

    OLIVEIRA, E. C. Manejo de irrigao da cultura do pepino japons (Cucumis sativus L.) em ambiente protegido. 2009. 108 p. Dissertao (Mestrado em Engenharia agrcola) Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2009.

    PADRN, R. A.; NOGUEIRA, H. M. C. M.; CERQUERA, R. R.; ALBINO, G. D.; Nogueira, C. U. Caracterizao fsico-hdrica do solo argissolo amarelo para estabelecimento de projeto e manejo da irrigao. Acta Iguazu, v. 4, n. 1, p. 36-47, 2015.

    PIMENTEL, C. A relao da planta com a gua. Seropdica, RJ: Edur, 2004. 191 p.

    PREZOTTI, L. C.; GOMES, J. A.; DADALTO, G. G.; OLIVEIRA, J. S. de. Manual de recomendao de calagem e Adubao para o Estado do Esprito Santo 5 aproximao. Vitria, ES, 2007. 305p.

    https://www.bdpa.cnptia.embrapa.br/busca?b=ad&id=475055&biblioteca=vazio&busca=autoria:%22KOEPPEN,%20W.%22&qFacets=autoria:%22KOEPPEN,%20W.%22&sort=&paginacao=t&paginaAtual=1

  • 50

    QUEIROZ, T. M. Desenvolvimento de um sistema automtico para irrigao de preciso em piv central. 2007. 147 p. Tese (Doutorado em irrigao e drenagem) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiros, Piracicaba, 2007.

    REICHARDT, K. A gua em sistemas agrcolas. So Paulo, 1987. 188 p.

    RICHARDS, L. A. Methods of measuring soil moisture tension. Soil Science, Madison, v. 68, p. 85-112, 1949.

    RINALDI, M. M.; SANDRI, D.; RIBEIRO, M. O.; AMARAL, A. G. Caractersticas fsico-qumicas e nutricionais de pimento produzido em campo e hidroponia. Cincia e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 28, n. 3, p. 558-563, 2008.

    ROSELINO, A. C.; SANTOS, S. A. B.; BEGO, L. R. Qualidade dos frutos de pimento (Capsicum annuum L.) a partir de flores polinizadas por abelhas sem ferro (Melipona quadrifasciata anthidioides Lepeletier 1836 e Melipona scutellaris Latreille 1811) sob cultivo protegido. Revista Brasileira de Biocincias, Porto Alegre, v. 8, n. 2, p. 154-158, 2010.

    SAAD, A. M. Uso de tensimetro de faixas em piv central. Disponvel em: Acesso em: 12/11/2016.

    SALOMO, L. C.; CANTUARIO, F. S.; PEREIRA, A. I. A.; SCHWERZ, T.; DOURADO, W. S. Influncia do turno de rega na eficincia do uso da gua de irrigao e na produtividade de plantas de alface cultivadas em ambiente protegido. Enciclopdia Biosfera, Goinia, v. 10, n. 18, p. 2029-2039, 2014.

    S, N. S. A. Cultivo do tomateiro (Lycopersicon esculentum Mill.) em ambiente protegido sob diferentes tenses de gua no solo. 2003. 71 p. Dissertao (Mestrado em Engenharia Agrcola) Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2003.

    SANTANA, M. J.; CARVALHO, J.A.; FAQUIM, V.; QUEIROZ, T.M. Produo do pimento (Capsicum annuum L.) irrigado sob diferentes tenses de gua no solo e doses de clcio. Cincia e Agrotecnologia, v. 28, n. 6, p.1385-1391, 2004.

    SAURE, M. C. Review. Blossom-end rot of tomato (Lycopersicon esculentum) a calcium- or a stress-related disorder? Scientia Horticulture, v. 3, n. 90, p. 193-208, 2001. SEZEN, M.S.; YAZAR, A.; EKER, S. Effect of drip irrigation regimes on yield and quality of field grown bell pepper. Agricultural Water Management, Amsterdam, v. 81, n. 1-2, p.115-131, 2006. SILVA, A. O.; de FRANA, . F.; BASSOI, L. H., KLAR, A. E. Desenvolvimento de cultivares de beterraba sob diferentes tenses da gua no solo. Horticultura Brasileira, v. 33, n. 01, p. 12-18, 2015. SILVA, J. S.; CAMPECHE, L. F. S. M.; BARBOSA, D. F.; LIRA, R. M.; BARNAB, J. M. C.; SOUZA, D. H. S. Monitoramento de umidade do solo em videira utilizando tensimetria. Revista Geama, Recife, v. 2, n. 1, setembro, 2015.

  • 51

    SOUZA, A. P.; PEREIRA, J. B. A.; SILVA, L. D. B.; GUERRA, J. G. M.; CARVALHO, D. F. Evapotranspirao, coeficientes de cultivo e eficincia do uso da gua da cultura do pimento em diferentes sistemas de cultivo. Acta Scientiarum, Maring, v. 33, n. 1, p. 15-22, 2011.

    TAIZ, L.; ZIEGER, E. Fisiologia Vegetal. 3. ed. Porto Alegre: E. Artmed S.A., 2004. 719 p.

    TEODORO, R.E.F.; OLIVEIRA, A.S.; MINAMI, K. Efeitos da irrigao por gotejamento na produo de pimento (Capsicum annuum L.) em casa de vegetao. Scientia Agricola, Piracicaba, v. 50, n. 2, p. 327-343, 1993.

    UNLUKARA, A.; KURUN, A.; CEMEK, B. Green long pepper growth under different saline and water regime conditions and usability of water consumption in plant salt tolerance. Journal of agricultural sciences, v. 21, n. 2, p. 167-176, 2015.

    VAN GENUCHTEN, M. Th. A closed-form equation for predicting the hydraulic conductivity of unsaturated soils. Soil Science Society of America Journal, Madison, v. 44, n. 5, p. 892-898, 1980.

    VAN RAIJ, B. Fertilidade do solo e adubao. Piracicaba: CERES/POTAFOS, 1991. 343 p.

  • 52

    APNDICES

    Apndice A. Anlise de varincia referente as variveis altura da planta (AP),

    dimetro do caule (DC) e massa seca da parte area (MSPA), avaliadas aos 29 e 55

    DAT, em cinco tenses de gua no solo (15, 30, 45, 55 e 70 kPa), na etapa 1 do

    experimento (Fase vegetativa).

    *: Significativo em 5% de probabilidade; ns: No significativo em 5% de probabilidade.

    Apndice B. Anlise de varincia referente as variveis nmero total de frutos (NF),

    nmero de frutos comerciais (NFC), produo de frutos (PF) e produo de frutos

    comerciais (PFC), em cinco tenses de gua no solo (15, 30, 45, 55 e 70 kPa).

    *: Significativo em 5% de probabilidade. ns: No significativo em 5% de probabilidade.

    Fonte de Variao

    GL

    Quadrados Mdios

    AP DC MSPA

    Tenso (T) 4 53,4700* 8,0528* 166,8654*

    Erro A 20 11,1000 1,5229 46,4076

    Tempo (DAT) 1 17.057,04* 444,0200* 41.789,98* Interao (T x DAT) 4 8,0200ns 2,4410* 104,8129ns

    Erro B 20 5,5000 0,7303 45,5925

    CV % 5,1464 8,9993 19,816

    Fonte de Variao

    GL

    Quadrados Mdios

    NF NFC PF PFC

    Tenso (T) 4 213,8400* 346,3400* 0,123359* 0,108117*

    Resduo 20 13,78 10,5400 271.356,6 258,828

    CV % 14,299 16,700 24,003 28,818

  • 53

    Apndice C. Anlise de varincia referente a varivel produo por perodo (PP),

    avaliada em 12 perodos de colheita, em cinco tenses de gua no solo (15, 30, 45,

    55 e 70 kPa).

    *: Significativo em 5% de probabilidade. ns: No significativo em 5% de probabilidade.

    Fonte de Variao

    Quadrado Mdio

    GL NFP

    Tenso (T) 4 1028479*

    Erro A 20 22563,06

    Perodos de colheita (PC) 11 102196,0*

    Interao (T x PC) 44 16085,57*

    Erro B 220 7408,63

    CV % 47,654