Click here to load reader

UM PASSEIO PELA HISTÓRIA CRISE DO MUNDO FEUDAL. MUDANÇA DE PARADIGMA. a) superexploração feudal: entre os séc. XI e XIV houve um estrondoso aumento demográfico

  • View
    107

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of UM PASSEIO PELA HISTÓRIA CRISE DO MUNDO FEUDAL. MUDANÇA DE PARADIGMA. a) superexploração feudal:...

  • Slide 1
  • UM PASSEIO PELA HISTRIA CRISE DO MUNDO FEUDAL. MUDANA DE PARADIGMA. a) superexplorao feudal: entre os sc. XI e XIV houve um estrondoso aumento demogrfico e multiplicao da pobreza. Os nobres aumentaram a explorao. Surgem revoltas... diversas..
  • Slide 2
  • B) revoltas camponesas ( servos ) e urbanas ( aprendizes ). Ex. Jacqueries, apelido depreciativo... 20.000 camponeses... Ex. Em Florena ( revoltas urbanas trabalhadores txteis, depois Paris e etc.
  • Slide 3
  • C) retrao econmica e crise demogrfica: alteraes no quadro natural clima, falta de adubo, diminuio da produtividade do solo, esgotamento das fontes minerais, peste... CONSEQUNCIA... retrao do consumo... queda do comrcio...
  • Slide 4
  • TRANSIES... Com a nobreza diluindo-se.... Saindo de cena... Caravaneiros e mercadores compravam terras de senhores falidos... Os especuladores crescem... A burguesia ambiciosa inicia uma grande aproximao com o Rei... O absolutismo est em processo... Inicia-se uma grande formao de monarquias feudais que passam aos poucos a monarquias nacionais...
  • Slide 5
  • Feudalismo em baixa... O clssico modelo feudal est em baixa... As instituies que apoiavam o regime tambm... Leia-se IGREJA. As heresias se intensificam... Os particularismos feudais e o universalismo da igreja foram superados pela centralizao monrquica.
  • Slide 6
  • A burguesia exige uma nova mentalidade... Com a ascenso da burguesia... a mentalidade ( outrora teocntrica ), passa agora a valorizar o homem e suas caractersticas.... o humanismo. Ao mesmo tempo, os Estados se fortalecem... e os reis promovem a consolidao do Estado absoluto, com as seguintes caractersticas:
  • Slide 7
  • Caractersticas do Estado Moderno A) centralizao e unificao administrativa, com a eliminao da autonomia dos poderes locais e das cidades. B) formao de uma burocracia ( pessoas especializadas na funo ). C) formao de um exrcito nacional, normalmente composto por mercenrios.
  • Slide 8
  • D) arrecadao de impostos reais, necessrios para custear as despesas com o exrcito e a burocracia ( Corte). E) Unificao do sistema de pesos e medidas, destacando-se a unificao monetria. F) imposio da justia real, se se sobrepe justia senhorial... lembrar do direito de apelao.
  • Slide 9
  • Confronto... O choque entre o poder do Rei ( em expanso ) e o sempre poder do Papa, aconteceu gradualmente. O poder poltico do Papa est diminuindo... Um nmero expressivo de juristas, telogos, filsofos... Enfim pensadores e escritores de acordo com os interesses dos prprios Estados, preocuparam-se em justificar as origens, as bases e a natureza do poder absoluto.
  • Slide 10
  • Teoria... A) direito divino ( Bodin e Bossuet). O poder real, por ser de origem divina, era sagrado. Revoltar-se contra o rei equivalia a revoltar-se contra Deus... Cabendo ao sdito apenas o papel de obedecer passivamente autoridade real. B) contrato social. No momento da criao do Estado, operou-se um contrato entre governantes e governados. Grotius, por exemplo afirmava que os homens aceitavam submeter-se a uma autoridade soberana porque compreendiam as vantagens naturais....
  • Slide 11
  • Alm de Hugo Grotius, o principalmente representante desta categoria foi HOBBES... em sua obra, o Leviat... O lobo do homem engolindo o prprio homem.... OPA... Mudando.... O FERA DO HOMEM, ENGOLINDO O PRPRIO HOMEM.
  • Slide 12
  • A COROAO DO ABSOLUTISMO Nicolau Maquiavel.... O Prncipe. Parte ele do princpio de que no deve haver limites de ordem tica ou moral s aes do Prncipe. TODOS OS MEIOS QUE O SOBERANO EMPREGAR, VISANDO MANTER A VIDA DO ESTADO, SO VLIDOS POR DEFINIO
  • Slide 13
  • O ESTADO NACIONAL LABORATRIO A Frana ser o Estado Nacional laboratrio do absolutismo... Desde a formao at o apogeu... Lembrar os Capetngios, os Valois, e finalmente os Bourbons, destancando o REI SOL... O ESTADO SOU EU. PETER BURKE ( historiador norte- americano ) e a fabricao do Rei.
  • Slide 14
  • CONEXO: ABSOLUTISMO EXPANSIONISMO MARTIMO. A consolidao da transio do feudalismo ao capitalismo.... No podemos esquecer que existiu um pr-capitalismo chamado mercantilismo. VAMOS ENTENDER A EXPANSO MARTIMA COMO NECESSIDADE. NECESSIDADE DE QU ???? RESOLVER A CRISE, mencionada anteriormente.
  • Slide 15
  • CRISE ??? Crise religiosa com as heresias.... Crise de esgotamente de solo.... Crise de ausncia de servos... ( quase todos morreram com a peste....) Religiosa = novos fiis.... Solo = metais preciosos... para a cunhagem de moedas.... Mo-de-obra = nativos e escravos.
  • Slide 16
  • Para expandir preciso investimento Investimento naval.... Escola de Sagres e suas modificaes tcnico navais: caravela, aperfeioamento da bssola, astrolbio e geografia.... e os contos de Marco Polo. Para investir preciso dinheiro. Porisso a burguesia foi fundamental. Fundamental por qu ? IMPOSTOS... E INTERESSES
  • Slide 17
  • Quem comeou ? Portugal pioneiro. TODO MRITO DINASTIA DA AVIS. Razes do pioneirismo Portugus: A) localizao. B) burguesia atuante... ( judeus ) C) Centralizao do Rei D) progresso nutico Sagres.
  • Slide 18
  • Infra-estrutura A frica serviu como infra-estrutura.... Para estruturar Portugal para vos maiores.... ( sia... em especial A India.) Desde de 1415.... Exclusividade. At que houve concorrncia. IGREJA ESPANHA. BRIGA DE TRATADOS Toledo, Intercoetera e Tordesilhas.
  • Slide 19
  • Consequncias da expanso martima Modificaes no comrcio europeu Revoluo Comercial. Deslocamento do eixo mediterrnico para o Atlntico em escala mundial. Incorporao por parte dos europeus em reas do continente americano, africano e asitico. Declnio econmico das repblicas italianas...
  • Slide 20
  • Revoluo dos preos. Ressurgimento da escravido... Europeizao do mundo. Imprios coloniais... e MERCANTILISMO.....
  • Slide 21
  • VAMOS ENTENDER O MERCANTILISMO Um rei forte, interventor, centralizador e dirigente... que comanda a economia de forma PROTECIONISTA. Nasce a idia de protecionismo e junto com ela algumas caractersticas necessrias para o TODO.
  • Slide 22
  • A) metalismo. B) balana comercial favorvel. Favorvel a quem ??? EUROPA. C) incentivo produo manufatureira D) poltica demogrfica favorvel ( maior produo ) E) protecionismo alfandegrio. F) colonialismo.
  • Slide 23
  • CONFRONTOS Uns mais cedo, outros mais tarde. POTNCIAS MARTIMAS ( Portugal e Espanha ) e os emergentes.... Quem so os emergentes na expanso martima ? Inglaterra e Frana, alm de Holanda. Porque vieram depois ???? Problemas religiosas e confrontos entre eles mesmos...
  • Slide 24
  • Companhias ??? Surgem as Companhias de Comrcio, incentivadas pelo Estado, gerando monoplios. A EUROPA comea a acumular CAPITAL. Este CAPITAL... Ser fundamental para a Revoluo Industrial.
  • Slide 25
  • Vrios tipos de Mercantilismo Mercantilismo espanhol metalista. Mercantilismo Francs industrialista de luxo. Mercantilismo Ingls Industrialista e comercialista. Mercantilismo holands especulativo. Itlia e Alemanha no eram Estados Nacionais, mesmo assim tiveram uma participao.
  • Slide 26
  • Das idias econmicas para as idias culturais Nova concepo na economia e sua conexo com uma nova concepo de homem... O burgus era diferente. Na Itlia isto ficar visvel. Nos sculos XV e XVI a Itlia conheceu um extraordinrio desenvolvimento cultural denominado de Renascimento.
  • Slide 27
  • Fragmentos do Renascimento Nascer de novo... Restaurar... O mundo greco-romano com os problemas do momento contemporneo. No imitao inspirao. Razes: Grande desenvolvimento urbano, estimulando a produo intelectual. Os burgueses tambm sero Mecenas.
  • Slide 28
  • Mudanas... Lembra-se das Universidades que nasceram na Idade Mdia ( atreladas Igreja ) ? Seus currculos foram reformados. Novos estudos foram includos. Uma nova viso de homem: individualista, cheio de vontade, impulsionador do progresso.
  • Slide 29
  • Do teocentrismo para o antropocentrismo. Do coletivismo para o individualismo. Da tradio para o racionalismo. Do ascetismo e misticismo para o hedonismo.
  • Slide 30
  • Tipos de renascimento Artstico. Cultural. Cientfico.
  • Slide 31
  • Ainda mudanas... Surgem as lnguas nacionais... A poca medieval e suas instituies foram satirizadas. As interpretaes religiosas foram superadas por interpretaes cientficas. Surge o mtodo experimental.
  • Slide 32
  • Fatores internos Tradio clssica Romana. Forte presena de cidades porturias ricas nas repblicas itlicas. O papel da imprensa.
  • Slide 33
  • Fatores externos Presena bizantina ( Repblicas Itlicas ) e presena rabe ( Pennsula Ibrica ). Choque cultural.
  • Slide 34
  • Renascimento e sua disseminao Renascimento Ingls. Renascimento Portugus. Renascimento Espanhol. Renascimento nos Pases Baixos. Renascimento Francs.
  • Slide 35
  • Relao do cultural com o religioso REFORMA E CONTRA REFORMA...
  • Slide 36
  • BURGUESIA IMPLACVEL Com todas estas transformaes, a burguesia precisava de mais alguma coisa ? PARTICIPAO POLTICA... NASCEM AS REVOLUES BURGUESAS... INGLESA E FRANCESA...
  • Slide 37
  • FATOR DETERMINANTE O PENSAMENTO ILUMINISTA E SUA PROPOSTA DE LIBERDADE. LIBERDADE ECONMICA; LIBERDADE RELIGIOSA; LIBERDADE DE PENSAMENTO; LIBERDADE POLTICA.