TURISMO SUSTENTVEL - ?dulo-7-Gest£o-de...  Ariane Jan©r, Armando Cypriano Pires, Carlos Alberto

  • View
    217

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of TURISMO SUSTENTVEL - ?dulo-7-Gest£o-de...  Ariane Jan©r, Armando Cypriano Pires,...

  • MANUAL DE MELHORES PRTICAS PARA O ECOTURISMO TURISMO SUSTENTVEL

    Gesto de empreendimentos tursticos

  • APRESENTAO

    ORGANIZADOR Roberto M. F. Mouro PRODUO EXECUTIVA Lindamara Soares ESTAGIRIO Bruno Bourrus Magioli Maia

    PROJETO GRFICO Imaginatto Design e Marketing ILUSTRAES Jos Carlos Braga REVISO AnaCris Bittencourt e Marcelo Bessa FOTO DA CAPA Roberto M. F. Mouro

    CONSELHO DELIBERATIVO

    Roberto Leme Klabin Presidente

    Cludio Benedito Valladares Pdua Vice-presidente

    MEMBROS VOGAIS

    Acadmico

    Benjamin Gilbert Fundao Oswaldo Cruz

    Jos Augusto Cabral Consultor

    Paulo Eugenio Oliveira UFU

    Ambientalista

    Garo Batmanian WWF/Brasil

    Ibsen de Gusmo Cmara FBCN

    Jean Marc von der Weid AS-PTA

    Nurit Bensusan ISA

    Empresarial

    Jos Luiz Magalhes Neto Grupo Belgo Mineira

    Roberto Konder Bornhausen Unibanco

    Roberto Leme Klabin RK Hotis e Turismo Ltda

    Roberto Paulo Cezar de Andrade Brascan

    Governamental

    Joo Paulo Capobianco MMA

    MEMBROS SUPLENTES

    Acadmico

    Cludio Valladares Pdua UnB

    Keith Spalding Brown Junior Unicamp

    Paulo Nogueira Neto USP

    Roberto Brando Cavalcanti UnB

    Ambientalista

    Clvis Borges SPVS

    Jean-Pierre Leroy Fase

    Jos Adalberto Verssimo Imazon

    M Dores V. C. Melo Soc. Nordestina de Ecologia

    Empresarial

    Edgar Gleich Consultor

    Guilherme Peiro Leal Natura Cosmticos

    Juscelino Martins Martins Comrcio & Servio Distribuio S.A.

    Maria Mercedes von Lachmann Grupo Lachmann

    Governamental

    Paulo Kageyama MMA

    Ronaldo Weigand Junior MMA

    SECRETARIA EXECUTIVA

    Pedro Leito Secretrio Geral

    FUNBIOFundo Brasileiro para a BiodiversidadeLargo do Ibam 01, 6 andarHumait - Rio de Janeiro, RJ - 22.271-020(21) 2123-5300www.funbio.org.br

    SECRETARIA EXECUTIVA

    Maria Clara Soares Coordenadora de programas Funbio

    Roberto M. F. Mouro Diretor tcnico programa MPE | Ecobrasil

    CONSULTORES

    Ariane Janer Ecobrasil | Bromlia

    Marcos Borges Ecobrasil | Grupo Nativa

    COMIT TCNICO

    Ariane Janer Ecobrasil | Bromlia

    Jeane Capelli Pen Rain Forest Alliance

    Marcos M. Borges Ecobrasil | Grupo Nativa

    Mrio Mantovani SOS Mata Atlntica

    Oliver Hillel U. N. Environment Program

    Rogrio Dias Cerrado Ecoturismo

    Snia Rigueira Terra Brasilis

    Werner Kornexl Banco Mundial

    EQUIPE TCNICA

    Luciana Martins Gerente de programa

    Maria Aparecida Arguelho Coordenadora de campo

    Marcos Amend Coordenador de campo

    Valria Braga Coordenadora tcnica

    Michele Ferreira Assistente de programa

    APOIO

    Marcus Vincius C. Pires Assistente administrativo

    Estagirios

    Brbara Nunes, Daniel Soares , Flvia Bichara

    Mensageiro

    Claudio Silvino

    Corpo tcnico - Autores e instrutores

    Ana Cludia Lima e Alves, Ana Elisa Brina, Ana Maria Saens Forte,

    Ariane Janr, Armando Cypriano Pires, Carlos Alberto Mesquita,

    Cludia de Sousa, Dante Buzzetti, Equipe Tamar, Evandro Ayer,

    Fbio de Jesus, Fbio Ferreira, Fbio Frana Arajo,

    Fbio Vieira Martinelli, Fernanda Messias, Gerson Scheufler,

    Humberto Pires, Jean Dubois, Jeane Capelli Pen, Leonardo Vianna,

    Liana S, Lucila Egydio, Luiz Gustavo Barbosa, Marcelo Oliveira,

    Marcelo Skaf, Mrcia Gomide, Maria Aparecida Arguelho,

    M das Graas Poncio, Maria Clara Soares, Mrcio Viana,

    Marcos Martins Borges, Marcos Nalom, Paul Dale, Paulo Bidegain,

    Paulo Boute, Paulo Dvila, Pedro Bezerra, Renato de Jesus,

    Roberto M.F. Mouro, Rogrio Dias, Rogrio Zouein,

    Rui Barbosa da Rocha, Salvador Silva, Sandro Sfadi,

    Sebastio Alves, Srgio Pamplona, Snia Elias Rigueira,

    Suzana Sperry, Tasso de Azevedo, Waldir Joel de Andrade

    Ecobrasil | MPEMelhores Prticas para o EcoturismoRua Visconde de Piraj 572, 2 andarIpanema - Rio de Janeiro, RJ - 22.410-002Tel: (21) 2512-8882www.ecobrasil.org.brwww.mpe.org.br

    M294 Manual de melhores prticas para o ecoturismo /

    Organizador: Roberto M. F. Mouro. - Rio de

    Janeiro: FUNBIO; Instituto ECOBRASIL,

    Programa MPE, 2004.

    93p. : il ; 21 cm

    1. Ecoturismo Manual. I. Ttulo.

    CDD: 338.47

  • ESTE MANUAL UM DOS PRODUTOS DO PROGRAMA MELHORES PRTICASPARA O ECOTURISMO, PROMOVIDO PELO

    EM PARCERIA COM

    APOIO

    Montcamp Equipamentos Wllner Outdoors

  • Fundo Brasileiro para a Biodiversidade

    (Funbio) uma organizao no-governa-

    mental, criada em outubro de 1995, cuja

    misso apoiar aes estratgicas de conservao e

    uso sustentvel da biodiversidade no Brasil. Com esse

    fim, o Funbio capta e gere recursos financeiros, esti-

    mulando o desenvolvimento de iniciativas ambien-

    tais e economicamente sustentveis. Sua atuao

    pautada na Conveno da Diversidade Biolgica,

    acordo internacional assinado durante a Rio 92.

    O Funbio dirigido por um conselho delibera-

    tivo, formado por lideranas dos segmentos ambi-

    entalista, empresarial, acadmico e governamental.

    operado por um comit executivo, seis comisses

    tcnicas e uma secretaria executiva que conta com

    profissionais de diferentes reas.

    Ao longo de oito anos de trabalho, o Funbio

    apoiou mais de 60 iniciativas nas reas de conser-

    vao, agrobiodiversidade, manejo florestal no-

    madeireiro, manejo florestal madeireiro, manejo

    de recursos pesqueiros, ecoturismo e Agenda 21

    local, totalizando um desembolso de aproximada-

    mente US$ 7,1 milhes at o ano de 2003. Seu p-

    blico-alvo o setor produtivo brasileiro, bem como

    organizaes no-governamentais e associaes

    comunitrias comprometidas com o desenvolvi-

    mento sustentvel, alm das comunidades locais

    beneficirias de suas aes.

    O ecoturismo comeou a ser investigado como

    rea potencial de trabalho para o Funbio em 1999,

    dentro do Programa de Estudos Estratgicos.

    A pesquisa constatou carncia na rea de capacita-

    o de profissionais que atuam em empreendimen-

    tos de ecoturismo.

    A resposta a esse problema foi o desenvolvi-

    mento do Programa MPE, com o objetivo de defi-

    nir um conjunto de melhores prticas que sir-

    vam de referncia para projetos de ecoturismo no

    Brasil. Este manual que voc tem em mos um

    dos frutos desse trabalho.

    Pedro Leito

    Secretrio Executivo

    0

  • APRESENTAO

    O conceito de sustentabilidade, proposto pela Co-

    misso Brutland no informe Nosso futuro co-

    mum (1987), despertou um intenso processo de

    discusso. Diferentes interpretaes vm sendo for-

    muladas desde ento, trazendo vises de mundo

    por vezes conflitantes e bastante diversas. Uma

    contribuio inequvoca trazida pelo conceito de

    sustentabilidade foi o reconhecimento da neces-

    sidade de integrar a dimenso ambiental ao con-

    ceito de desenvolvimento. A Rio 92 trouxe o de-

    safio de estabelecer uma srie de acordos volta-

    dos a enfrentar a destruio do planeta, bem como

    de integrar a participao dos cidados como fa-

    tor fundamental para o alcance do desenvolvimen-

    to em bases sustentveis.

    O reconhecimento da finitude dos recursos

    naturais do planeta trouxe tona uma questo

    fundamental. Se os recursos so limitados, que

    valores, deveres e obrigaes devem regular a dis-

    tribuio e o acesso aos recursos disponveis?

    Considerando que os pases ricos, com menos de

    20% da populao mundial, consomem 80% dos

    recursos mundiais, enquanto os pases mais po-

    bres consomem apenas 2% dos recursos, falar em

    sustentabilidade nos conduz necessidade de

    repensar o modelo de desenvolvimento em cur-

    so, que vem gerando no apenas um padro de

    produo e de consumo excludente do ponto de

    vista social, como tambm insustentvel do pon-

    to de vista ambiental.

    Aps 12 anos da Rio 92, apesar de no se re-

    gistrarem avanos significativos no enfrentamen-

    to das questes estruturais de eqidade socioam-

    biental essenciais para garantir a sustentabilidade

    do desenvolvimento, verifica-se o nascimento de

    um sem-nmero de novas organizaes, propos-

    tas e iniciativas voltadas para a conservao e o

    uso sustentvel de recursos naturais, que buscam

    conciliar o desenvolvimento econmico com a

    justia social e a sustentabilidade ambiental.

    Desenvolvimento sustentvel

  • Neste contexto, situam-se os esforos para o

    desenvolvimento de um modelo de turismo soci-

    almente responsvel. O turismo sustentvel utili-

    za o patrimnio natural e cultural, incentiva sua

    conservao e busca a formao de uma consci-

    ncia ambientalista, promovendo o bem-estar das

    populaes envolvidas. Por esse motivo, vem des-

    pontando como importante aliado na conserva-

    o do meio ambiente e como alternativa econ-

    mica que estimula a incluso social. O Brasil um

    pas extremamente rico em recursos e em belezas

    naturais, possui entre 15% e 20% da biodiversi-

    dade e 13% da gua doce do mundo e abriga enor-

    me diversidade cultural. O aproveitamento desse

    potencial por meio do desenvolvimento de estra-

    tgias que fortaleam o turismo participativo, so-

    lidrio e sustentvel , sem dvida, uma grande

    oportunidade para o pas.

    Maria Clara Couto SoaresCoordenadora de Programas Funbio

  • A idia bsica que, medida que o Pro-

    grama MPE seja implementado, ajustado e ree-

    ditado com prticas propostas aplic