Trauma de Torax, Abdome e Extremidades

  • View
    4.201

  • Download
    9

Embed Size (px)

Text of Trauma de Torax, Abdome e Extremidades

TRAUMA DE TRAX, ABDOME E EXTREMIDADES

TRAUMA DE TRAXAs leses de trax so divididas naquelas que implicam em risco imediato vida e que, portanto, devem ser pesquisadas no exame primrio e naquelas que implicam em risco potencial vida e que, portanto, so observadas durante o exame secundrio.

CLASSIFICAO

Quanto ao tipo da leso: Aberto X Fechado Quanto ao agente causal: FAF,FAB,Acidentes automobilsticos e outros. Quanto manifestao clnica: Hemotrax Pneumotrax(Hipertensivo ou no) Tamponamento Cardaco Contuso Pulmonar ou miocrdica Leso de grandes Vasos(aorta ,artria pulmonar, veias cavas). Leso traqueobrnquica Obstruo das vias areas Trax Instvel Quanto ao rgo atingido

MECANISMO DA LESO Trauma

Direto; Trauma por compresso; Trauma por desacelerao; Trauma penetrante.

HEMOTRAX a presena de sangue na cavidade pleural resultante de leses do parquima pulmonar, de vasos da parede torcica ou de grandes vasos como aorta, artria subclvia,pulmonar ou mesmo do corao.

CLASSIFICAO PEQUENO: 300 A 350 ml de sangue drenado. MDIO: 350 A 1500ml de sangue drenado. GRANDE: Maior que 1500 ml.

Hemotrax macio - acmulo de mais de 1500ml na cavidade torcica mais comum ferimentos penetrantes suspeitar quando sinais de choque associado a ausncia MV e/ou macicez percusso tratar inicialmente reposio volume e descompresso torcica. Se o volume drenado for 1500ml sugere necessidade de toracotomia

TRATAMENTOEstabilizao geral do cliente; Entubar os pacientes em choque e insuficincia respiratria; Toracocentese; Insero do tubo torcico; Autotransfuso se a perda de sangue alcanar ou exceder; Terapia IV,atividade fsica,oxigenio e analgsicos; Toracotomia.

PNEUMOTRAX ABERTO

Ferida torcica que promove uma soluo de continuidade entre o ar atmosfrico e cavidade pleural. Quando a abertura deste ferimento maior ou igual a dois teros do dimetro da traquia, o ar passar pela ferida e no pela via area, causando assim insuficincia respiratria.

TRATAMENTO

Entubar, se o paciente instvel ou em insuficincia respiratria; Ocluir o defeito da parede torcica com curativo oclusivo, fixado em 3 lados para servir como uma vlvula. Evitar fixar o curativo nos 4 lados na ausncia de um dreno torcico, o que pode produzir um pneumotrax hipertensivo; Realizar drenagem torcica, evitando colocar o tubo prximo ao ferimento; Realizar toracotomia urgente para tratar leses intratorcicas associadas.

PNEUMOTRAX FECHADO

O ar existente no espao interpleural no comunica com o ar presente nos pulmes;

CAUSADO POR: Uma leso fechada resultante da penetrao de costelas fraturadas nas membranas pleurais;

Por uma sbita compresso da caixa torcica.

TRATAMENTO Imediata

descompresso com agulha calibrosa no segundo espaco interscostal na linha mdio clavicular ou no quinto espaco intercostal na linha axilar anterior; isto converte o pneumotrax hipertensivo em um simples pneumotrax. imediata drenagem torcica fechada

A seguir

TAMPONAMENTO CARDACO

Conceito Presena de lquido na cavidade pericrdica que comprime as cmaras cardacas, promovendo a restrio diastlica, levando assim a um colapso circulatrio .

Manifestaes clnicas Hipotenso sistmica Bulhas cardacas abafadas Distenso venosa jugular

Complicaes Insuficincia cardaca; Edema pulmonar;Choque cardiognico; Morte.

TRAUMA DE ABDOMEA gravidade dos traumatismos abdominais baseia-se especialmente na possvel existncia de uma leso visceral, capaz de produzir alteraes gerais graves como so as hemorragia ou as peritonites. Representa uma emergncia cirrgica.

PELVE FEMININA

PELVE MASCULINA

HISTRIA DO TRAUMAAs informaes colhidas da vtima, as noes da biomecnica do trauma, o estado inicial da vtima no local de atendimento, diagnsticos realizados, a resposta infuso de fluidos no incio e o tempo decorrido desde o trauma iro auxiliar na suspeita de leso abdominal.

BIOMECNICA DO TRAUMA

Quando h uma desacelerao brusca as vsceras abdominais continuam a se movimentar para a frente. Gera-se uma fora de cisalhamento ( tenso gerada por foras aplicadas em sentidos opostos, porm em direes semelhantes) nos locais de fixao dos rgos. O fgado tambm pode sofrer laceraes na regio do ligamento redondo. Isto porque fixado principalmente no diafragma. Como esse msculo possui grande mobilidade, permite a movimentao do fgado para a frente, forando-o contra o ligamento redondo.

SINAIS E SINTOMAS

Todo paciente traumatizado deve ser atendido seguindo-se a sistematizao do exame primrio do Advanced Trauma Life Support (ATLS); Abordagem Inicial inclui aspectos fundamentais no ABCDE: necessidades fisiolgicas imediatas para a sobrevivncia : A: Airway, vias areas e estabilizao da coluna cervical (usar colar cervical, num plano duro, com 2 blocos laterais); B: Breathing; C: Circulation, e ver se h choque; D: Disability: exame neurolgico sumrio); E: Environment: estudar o meio que causou o acidente).

O exame fsico abdominal importante, mas no confivel.

EXAME FSICO Inspeo:

faces anterior e posterior como tambm as ndegas e a regio perineal; permite confirmar a presena ou ausncia de rudos hidroareos; pode demonstrar som timpnico;

Ausculta:

Percusso: Palpao:

rigidez abdominal voluntria pode tornar o exame fsico abdominal no confivel.

A compresso manual das cristas ilacas ntero-superior pode mostrar movimento anormal ou dor ssea; O toque retal deve ser parte obrigatria do exame fsico do paciente politraumatizado; Exame vaginal na mulher; O exame do perneo e do pnis pode demonstrar uretrorragia e hematoma de bolsa escrotal; Ferimentos penetrantes em regio gltea.

CLASSIFICACO DO TRAUMA

FECHADO

ABERTOJulyana Porto

TRAUMA FECHADO

DIRETO

Cinto de Segurana

INDIRETO

Contuso de abdmen;

TRAUMA ABERTO PENETRANTES

Afetam o peritnio, comunicando a cavidade abdominal com o exterior.

PERFURANTES quando o objeto que penetra na cavidade abdominal atinge alguma vscera , lesando rgos e estruturas. As leses abdominais compreendem ruptura ou lacerao dos rgos ocos, fazendo extravasar contedo das vsceras o que provoca a infeco conhecida por peritonite, assim como de estruturas slidas (fgado, bao, pncreas e rins), causando hemorragias internas.

SITUAES CLNICAS RELACIONADASAlterao do nvel de conscincia por traumatismo cranioenceflico, etilismo agudo ou abuso de drogas depressoras do sistema nervoso central; Pacientes com leses da coluna cervical; Fratura costal baixa ou plvica; Anestesia para a realizao de procedimentos cirrgicos extraabdominais.

MEDIDAS AUXILIARES DO EXAME ABDOMINALManter assistncia ventilatria; Cateterizao de veias perifricas; Sondagem vesical de demora; Tratamento do choque e S.N.G.

EXAMES COMPLEMENTARES

Exames radiolgicos: No trauma contuso de abdome identificar a presena de ar livre na cavidade peritoneal; O achado de fraturas das costelas inferiores, da coluna lombar, dos processos transversos de vrtebras lombares e da pelve; Detectar a presena de corpos estranhos radiopacos.

1. 2.

3.

Exames laboratoriais Aparecimento de leucocitose e o aumento da amilase Radiografias contrastadas Ultrassonografia abdominal Tomografia computadorizada Lavado peritoneal diagnstico (LPD) - muito sensvel para a deteco de hemorragia (98%), rpido e simples de ser realizado e no requer equipamento sofisticado. Laparoscopia - Evita laparotomia em mais de dois teros dos pacientes com suspeita de leso intra-abdominal

TRATAMENTO

No operatrio O paciente deve permanecer em observao clnica e, dependendo do potencial para instabilidade hemodinmica, dever ficar em ambiente de terapia intensiva com monitorizaro contnua dos sinais vitais. No deve receber analgsicos e nem antibiticos e estar em jejum por, pelo menos, 12 horas. Cirrgico Os pacientes com sinais de irritao peritoneal, instabilidade hemodinmica ou sangramento retal aps ferimentos penetrantes, por arma branca ou arma de fogo do tronco devem ser encaminhados para explorao cirrgica imediata. Os pacientes com instrumentos empalados no abdome devem ser submetidos laparotomia exploradora para a retirada do mesmo sob viso direta.

TRAUMA DE EXTREMIDADESO trauma musculoesqueltico consiste em leses causadas por trauma que envolvem ligamentos, msculos e os ossos. De maneira geral, a histria e o exame clnico fazem o diagnstico destas leses, que demandam ateno logo que possvel por poderem, quando no adequadamente tratadas, resultar em invalidez permanente ou complicaes decorrentes da hemorragia, principalmente em fraturas mltiplas, da pelve ou bilaterais do fmur.

Devemos nos ater a observar:

Semelhana das extremidades; Sangramentos; Colorao da pele; Escoriaes; Crepitao; Temperatura; Dor; Movimentao ativa e passiva e, sobretudo, pulsos.

Os ferimentos que apresentam maior gravidade e risco de infeco so: Ferimentos

com mais de 6 h de evoluo; Ferimentos contusos, abrases ou avulses; Ferimentos com mais de 1 cm de profundidade; Leses resultantes de projetil de arma de fogo de alta velocidade; Leses resultantes de queimaduras por eletricidade,calor ou frio; Leses com contaminao significativa; Leses com tecido denervado ou isqumico.

SNDROME COMPARTIMENTAL

Tem como causas:

- Esmagamentos; - Fraturas; - Compresso mantida em extremidades de paciente comatoso - Aps restaurao de fluxo em membro previamente isqumico; - Aps o uso de dispositivo pneumtico antichoque, etc.

Sinais e sintomas da Sd compartimental:Dor progressiva e intensa; Diminuio da sensibilidade; Edema e endurecimento; Fraqueza ou paralisia dos msculos envolvidos.

Presso Intracompartimental 35-45 mmHg Comprometimento neuro-vascular indica