Sueli Maria Coelho

  • View
    226

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Sueli Maria Coelho

  • Sueli Maria Coelho

    SUELI MARIA COELHO

    EESSTTUUDDOO DDIIAACCRRNNIICCOO DDOO PPRROOCCEESSSSOO DDEE EEXXPPAANNSSOO GGRRAAMMAATTIICCAALL EE LLEEXXIICCAALL DDOOSS IITTEENNSS TTEERR,, HHAAVVEERR,, SSEERR,, EESSTTAARR EE IIRR NNAA LLNNGGUUAA

    PPOORRTTUUGGUUEESSAA

    BELO HORIZONTE FACULDADE DE LETRAS DA UFMG

    2006

  • Sueli Maria Coelho

    1

    SUELI MARIA COELHO

    EESSTTUUDDOO DDIIAACCRRNNIICCOO DDOO PPRROOCCEESSSSOO DDEE EEXXPPAANNSSOO GGRRAAMMAATTIICCAALL EE LLEEXXIICCAALL DDOOSS IITTEENNSS TTEERR,, HHAAVVEERR,, SSEERR,, EESSTTAARR EE IIRR NNAA LLNNGGUUAA

    PPOORRTTUUGGUUEESSAA

    Tese apresentada ao Programa de Ps-Graduao em Estudos Lingsticos da Faculdade de Letras da UFMG, como um dos requisitos para obteno do Ttulo de Doutor em Lingstica. rea de concentrao: Lingstica Orientador: Prof. Dr. Lorenzo Teixeira Vitral

    BELO HORIZONTE FACULDADE DE LETRAS DA UFMG

    2006

  • Sueli Maria Coelho

    2

    Universidade Federal de Minas Gerais

    Faculdade de Letras

    Programa de Ps-Graduao em Letras: Estudos Lingsticos

    Tese intitulada Estudo diacrnico do processo de expanso gramatical e lexical dos itens TER, HAVER,

    SER, ESTAR e IR na Lngua Portuguesa, de autoria da doutoranda Sueli Maria Coelho, aprovada pela

    banca examinadora constituda pelos seguintes professores:

    _____________________________________________________________

    Prof. Dr. Lorenzo Teixeira Vitral FALE/UFMG Orientador

    _____________________________________________________________

    Prof. Dr. Maria Antonieta Amarante de Mendona Cohen FALE/UFMG

    ______________________________________________________________

    Prof. Dr. Evelyne Jeanne Andre Angle Madeleine Dogliani FALE/UFMG

    _______________________________________________________________

    Prof. Dr Ilza Maria de Oliveira Ribeiro UFBA

    ________________________________________________________________

    Prof. Dr. Luiz Carlos Travaglia ILEEL/UFU

    _______________________________________________

    Prof. Dr. Fbio Alves

    Coordenador do Programa de Ps-Graduao em Letras: Estudos Lingsticos

    FALE/UFMG

    Belo Horizonte, de junho de 2006

    Av. Antnio Carlos, 6627 Sala 4039 Belo Horizonte, MG 31270-901 Brasil tel.: (31) 3499-5492 fax: (31) 3499-5113

  • Sueli Maria Coelho

    3

    AAGGRRAADDEECCIIMMEENNTTOOSS

    AA Deus, que me concedeu sabedoria para conduzir esta pesquisa e serenidade para

    enfrentar os desafios que a cada passo se postavam em meu percurso.

    AA minha famlia, que sempre me apoiou e me incentivou em todos os meus projetos,

    fazendo-me acreditar nos meus sonhos e na minha capacidade de superar obstculos.

    AAOO meu orientador, Prof. Dr. Lorenzo Teixeira Vitral, pela forma sbia com que me

    conduziu para a consecuo dos meus objetivos, mostrando-se sempre indescritivelmente

    disponvel e amvel.

    AAOOSS professores Maria Terezinha de Brito e Henrique Carivaldo de Miranda Neto e ao

    Revmo. Pe. Sebastio dos Reis Pereira, Magnfico Reitor do Seminrio Maior Dom Jos Andr

    Coimbra da Diocese de Patos de Minas, pelas valiosas discusses filosficas que muito

    contriburam para a elucidao de questes complexas e obscuras.

    AAOO professor Ms. Ronaldo Pereira Caixeta e a Walter Antnio Caixeta, pela prestimosa

    contribuio estatstica, sem a qual no seria possvel a anlise quantitativa aqui empenhada.

    professora Dr. ngela Vaz Leo, por se mostrar to solcita em compartilhar comigo

    seu vasto conhecimento sobre a Lngua Portuguesa, especialmente na leitura dos textos arcaicos.

    amiga Mnica Soares de Arajo Guimares, que jamais se mostrou impaciente frente s

    interminveis consultas acerca das vicissitudes da Lngua Inglesa e cujos comentrios mostraram-

    se providenciais na leitura dos textos tericos.

    AAOOSS professores Agenor Gonzaga dos Santos e Ricardo Rodrigues Marques cujas

    lucubraes me despertaram para reflexes antes impensadas.

  • Sueli Maria Coelho

    4

    AA todos os professores que se dispuseram a participar da minha banca avaliadora,

    dividindo comigo sua experincia e conhecimento. Em especial, Prof. Dr. Maria Antonieta

    Amarante de Mendona Cohen e ao Prof. Dr. Luiz Carlos Travaglia cujas indicaes

    bibliogrficas mostraram-se muito pertinentes e preciosas.

    professora Dr. Jnia Martins Ramos cujas consideraes e sugestes apresentadas

    durante o exame de qualificao muito me enriqueceram e auxiliaram.

    Fundao Educacional de Patos de Minas na pessoa de seu Pr-Reitor de Planejamento,

    Administrao e Finanas, Prof. Ms. Milton Roberto de Castro Teixeira, pelo apoio financeiro

    concedido aos meus deslocamentos em busca da qualificao.

    Diretora da Faculdade de Filosofia, Cincias e Letras de Patos de Minas, Prof. Neusa

    Helena de Queiroz Borges, pelo incentivo, pela compreenso e pelo apoio que me dispensou ao

    longo desses quatro anos de curso.

    s minhas amigas Adriana de Lanna Malta Tredezini e Gisele Carvalho Arajo Caixeta,

    pessoas com quem partilhei dvidas e angstias.

    AA todos aqueles que, direta ou indiretamente, contriburam para a realizao deste

    trabalho e cujos nomes possam ter sido, injustamente, olvidados.

  • Sueli Maria Coelho

    5

    Fazer diacronia confrontar falas de agora e

    outrora, na continuidade tradicional. (...)

    configurar a imagem evolutiva da lngua, feita de

    moldes mentais, exibindo-lhe a sucesso

    diacrnica dos estados sincrnicos.

    (Jos Loureno de Oliveira, 2002, p. 163)

    Para entender a constncia do modo, a direo

    concreto abstrato, a marcha volitivo intelectivo,

    cumpre admitir que a hominidade um princpio

    que cresce tanto no tempo individual de cada um,

    dentro da sociedade, como no tempo social do

    grupo, dentro da humanidade.

    (Jos Loureno de Oliveira, 2002, p. 199)

  • Sueli Maria Coelho

    6

    RREESSUUMMOO

    Estudou-se, numa perspectiva diacrnica, o processo de expanso gramatical dos itens

    TER, HAVER, SER, ESTAR e IR na Lngua Portuguesa. A partir da proposio de uma

    metodologia quantitativa de estudo da gramaticalizao numa abordagem formalista, buscou-se

    estudar o processo pelo qual os verbos plenos vo, ao longo do tempo, assumindo gradativamente

    funes gramaticais, o que lhes permite tramitar do lxico para a gramtica, constituindo

    perfrases verbais. Analisou-se ainda, paralelamente a esse fenmeno, o processo de

    expanso/restrio semntica por que vo passando esses verbos ao longo de seu percurso

    diacrnico, o que se relaciona no apenas ao processo de gramaticalizao da forma, mas tambm

    ao seu processo de (des)lexicalizao. Para a consecuo dos objetivos propostos, selecionaram-

    se corpora compostos de doze textos de gneros textuais distintos, sendo cada perodo da Lngua

    Portuguesa arcaico, moderno e contemporneo representado por quatro textos de tamanhos

    aproximados. Os critrios de anlise foram divididos em dois grupos interdependentes: (a) anlise

    da freqncia do item e (b) estudo de fatores semnticos, sintticos e morfofonmicos.

    Inicialmente, computou-se em cada texto a freqncia total de ocorrncia de cada uma das formas

    verbais selecionadas para o estudo. A seguir, procedeu-se tabulao de suas freqncias

    lexicais, comparando-as com suas freqncias gramaticais ao longo dos trs perodos, aplicando-

    se, para mensurar o grau de significncia dos valores obtidos, o teste estatstico de aderncia do

    Qui-Quadrado. Empreendeu-se, a seguir, a anlise semntica das ocorrncias lexicais registradas,

    buscando identificar os semas de cada uma das formas verbais analisadas ao longo da histria da

    lngua. O objetivo da anlise de tais semas foi verificar o grau de abstrao do verbo medida

  • Sueli Maria Coelho

    7

    que seu processo de gramaticalizao se expande. Vencida essa etapa, passou-se anlise dos

    contextos sintticos de ocorrncias das formas, com vistas a identificar os principais fatores

    responsveis por gerir a seleo das formas passveis de co-ocorrerem com os auxiliares

    estudados nas perfrases verbais. Por fim, teceram-se algumas consideraes acerca da perda de

    material fnico dos itens em processo de gramaticalizao. Os resultados obtidos demonstraram

    que todos os cinco verbos analisados encontram-se gramaticalizados na Lngua Portuguesa desde

    o perodo arcaico e que muitos deles ainda esto em processo de franca expanso na lngua. Alm

    disso, os dados coletados permitiram o entendimento de que a gramaticalizao e a lexicalizao

    so processos lingsticos paralelos e que, como tais, no se determinam. Assim, o fato de

    determinada forma verbal j se ter gramaticalizado no impede, tampouco favorece seu processo

    de expanso e/ou restrio nos domnios do lxico. Outra generalizao extrada da anlise

    empreendida refere-se ao fato de que as perfrases verbais resultam no apenas da tramitao de

    itens do lxico para a gramtica, mas tambm de um processo de acentuao da gramaticalidade

    de itens que se movem de um estgio menos gramatical para outro mais gramatical.

    PALAVRAS-CHAVE: Gramaticalizao. Diacronia. Forma lexical. Forma gramatical. Perfrase

    verbal.

  • Sueli Maria Coelho

    8

    AABBSSTTRRAACCTT

    The grammatical expansion of the items TER, HAVER, SER, ESTAR e IR (HAVE,