Click here to load reader

Roberto da Justa Pires Neto Faculdade de Medicina ... · PDF fileNem todas as pessoas infectadas desenvolvem TB doença A maioria (90%) permanece com infecção latente por toda a

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Roberto da Justa Pires Neto Faculdade de Medicina ... · PDF fileNem todas as pessoas...

  • Roberto da Justa Pires Neto

    Faculdade de Medicina

    Disciplina ABS-2

    www.infectologianaufc.blog

  • Introduo

    Transmisso

    Histria natural

    Fatores de risco para infeco

    Fatores de risco para doena

    Epidemiologia no Mundo, Brasil, Cear e Fortaleza

    Vigilncia

    Preveno

    Controle

  • O Mdico e a Tuberculose

    A Formao Mdica e a Tuberculose

    Anatomia

    Histologia

    Microbiologia

    Imunologia

    Patologia

    Epidemiologia, Preveno e Controle

    Clnica

    Farmacologia

  • Doena milenar; Peste Branca

    Robert Koch (1882)

    Sanatrios; STM (1943)

  • 1840 19201860 1900 1940 1960 1980 20001880

    1993: Nmero de casos de TB

    diminui nos EUA devido ao aumento

    do financiamento e reforo de

    medidas de controle

    Anos 70: Maioria

    dos sanatrios para

    TB nos EUA

    fechada

    1884:

    Primeiro

    sanatrio de

    TB

    implantado

    nos EUA

    1865:

    Jean-Antoine

    Villemin

    prova que TB

    contagiosa

    1943:

    Estreptomicina

    (STM) 1a droga

    usada p/ tratar TB

    descoberta

    1882:

    Robert Koch descobre

    M. tuberculosis

    Anos 80: Aumento

    inesperado no

    nmero de casos de

    TB nos EUA

    1943-1952:

    Duas novas drogas

    so descobertas

    para tratar TB: INH e

    PAS

    Tuberculose - Linha do Tempo

  • Complexo Mycobacterium tuberculosis

    M. tuberculosis e M. bovis

    Bacilo de Koch

    Bacilo lcool-cido resistente (BAAR)

    Colorao de Ziehl-Neelsen

    Meio de cultura Lowenstein-Jensen

    Crescimento lento

    Reservatrio Homem, Bovinos

  • Doena contagiosa

    Transmisso atravs do ar (tosse, fala, espirro)

    Porta de entrada: Pulmes

    Partculas respiratrias

    Gotculas; Aerossis

    Transmisso intestinal

    Porta de entrada: TGI

    Derivados do leite no pasteurizado

  • Controle da Tuberculose Integrao Ensino Servio

    Partculas

    levitantes

    A transmisso aergena da TB

    FOCO

    (+++)

    Partculas

    infectantes

    CONTATO

    Partculas

    maiores

  • Controle da Tuberculose Integrao Ensino Servio

    Gotculas

    ncleo

    Implante alveolar de partculas infectantes

    Nidao

    alveolar

  • o A infeco pode ocorrer em qualquer idade

    o Nem todas os expostos se tornam infectados

    o Fatores relacionados a transmisso da TB:

    oPotencial de contgio do caso ndice

    Paciente bacilfero a principal fonte

    oTipo de ambiente onde a exposio ocorreu

    Ambientes fechados, escuros, pouco ventilados

    oDurao da exposio

    oSuscetibilidade gentica

    Tuberculose Transmisso

  • Nem todas as pessoas infectadas desenvolvem TB doena

    A maioria (90%) permanece com infeco latente por toda a vida

    Quando infectada, a pessoa pode desenvolver TB doena em

    qualquer fase da vida

    10% das pessoas infectadas adoecem, metade durante os 2

    primeiros anos aps a infeco e a outra metade ao longo da vida.

    Isto acontece quando o sistema imune no pode mais manter os

    bacilos sob controle e eles se multiplicam rapidamente

    Tuberculose Patognese

  • 100

    85

    15

    54

    23

    8

    2

    9

    4

    77

    11

    N

    Bk+

    Bk

    sem

    confirmao

    Extrapulm.

    Bk+

    Bk

    sem

    confirmao

    Extrapulm.

    15 e +

    85%

    90%

    70%

    30%

    10%

    15%75%

    25%

    20%

    80%

    Pulm.

    Pulm.

    < 15 anos

    Histria natural da doena

  • Masc., 32 anos 2 meses Tosse, febre Anorexia, perda peso Hemopticos HIV negativo Escarro BAAR +++

  • Gerais

    Condies de vida precrias

    reas de grandes concentrao humana

    Ambientes fechados; moradias apinhadas

    Saneamento bsico precrio

    Populaes de baixa renda

    Baixa escolaridade

    Moradores de rua

    Fome e misria

    Dificuldade de acesso a servios de sade

  • Individuais

    Contactantes

    Pessoas que vivem em condies especiais

    Profissionais de sade

    Crianas

    Usurios de drogas injetveis

  • Contactantes

    Famlia

    Trabalho

    Escola

    Condies especiais

    Asilos

    Nursing homes

    Presdios

    Abrigos para moradores de rua

    Centros p/ tratamento drogados

  • Profissionais de sade

    Podem estar expostos a risco aumentado

    Depende do tipo de unidade de sade

    Depende do nmero de indivduos com TB atendidos

    Medidas de controle de infeco hospitalar

    Crianas

    Usurios de drogas injetveis

  • Pessoas vivendo com HIV

    Comorbidades de risco para TB

    Pessoas infectadas por M. tuberculosis h

    menos de 2 anos

    Crianas com menos de 4 anos

    Usurios de droga injetvel

  • Pessoas vivendo com HIV

    HIV = fator de risco mais forte para desenvolvimento de TB

    Principal causa de morte em pessoas com HIV/Aids

    Risco de desenvolver TB de 7 a 10% ao ano

    Comorbidades de risco para TB

    Diabetes, Silicose, Cncer

    Corticosterides e outros imunossupressores

    IRC

    Transplantados

    Desnutrio

  • Crianas com menos de 4 anos

    Sistema imunolgico imaturo

    Usurios de droga injetvel

    Comprometimento secundrio da imunidade

    Prevalncia maior de HIV/Aids

  • Uma das principais causas de morte por DI no mundo

    Cerca de 1/3 da populao mundial est infectada

    A cada ano:

    9 milhes de pessoas desenvolvem tuberculose

    2 milhes de pessoas morrem por TB

    80% dos casos ocorrem em 22 pases

    Atinge a todos os grupos etrios

    > comum entre 15 e 54 anos (economicamente ativos)

    > comum no sexo masculino

  • Global Tuberculosis Report, WHO, 2016

  • Global Tuberculosis Report, WHO, 2016

  • 50 milhes de infectados

    90.000 casos novos/ano; 5.000 bitos/ano

    72.000 casos notificados em 2009

    Subnotificao

    19 pas em nmero de casos

    108 pas em incidncia

    4 causa de morte por doenas infecciosas

    1 causa de morte em pacientes com HIV/Aids

  • Incidncia de TB. Brasil, 1990 a 2014*

    Per 100.000 hab.

    Ano

    Fonte: SES/MS/Sinan e IBGE. * Preliminary data

    51,8

    33,5

    0

    10

    20

    30

    40

    50

    60

    70

    1990

    1992

    1994

    1996

    1998

    2000

    2002

    2004

    2006

    2008

    2010

    2012

    2014

  • Cura e bito dos casos novos TB* e TB/HIV. Brasil, 2001 a

    2007

    0

    10

    20

    30

    40

    50

    60

    70

    80

    2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007

    % cura tb/HIV+ % cura TB % bito tb/HIV+ % bito TB

    *Casos TB, excludos HIV+. - bito encerramento

    FONTE: MS/SVS/SINAN

    Base Atualizada: jul/09

    %

  • Doena de Notificao Compulsria

    Caso suspeito Tosse com expectorao por 3 ou mais semanas

    Febre, perda de peso e apetite; Rx suspeito

    Objetivos principais: Monitorar comportamento da doena

    Indicadores epidemiolgicos

    Indicadores operacionais

    Reduzir transmisso

  • Reduzir transmisso atravs de Diagnstico precoce de TB pulmonar

    Tratamento oportuno de TB pulmonar

    Investigao de SR

    Investigao de contactantes

  • TB menngea

    Objetivos Monitorar o comportamento da doena

    Identificar e investigar casos suspeitos de

    meningite tuberculosa

    Investigar contactantes domiciliares

    Avaliar efetividade da vacinao

    Caso suspeito Todo paciente com sinais e sintomas de meningite

  • Fonte: GT Informao/CTA/PNCT/DEVEP/SVS/MS

  • Vacina BCG

    Faixa etria preconizada: 0 a 4 anos

    Obrigatria para menores de 1 ano

    Preferncia ao nascer; RN > 2 kg

    Proteo contra as formas graves da TB ( TB

    disseminada a TB do SNC)

    Quimioprofilaxia Isoniazida 5 a 10 mg/kg/dia (at 300 mg) 6 meses

  • Interveno nos fatores de risco

    Melhoria das condies de vida

    Acesso ao servio de sade

    Profissionais de sade qualificados

    Investigao de sintomticos respiratrios

    Diagnstico precoce de casos bacilferos

  • Tratamento oportuno

    Tratamento completo

    DOT

    Descentralizao do tratamento

    Aumentar cura; reduzir abandonos e bitos

    Investigao de contactantes

    Participao da sociedade

  • Indicadores

    De busca

    De diagnstico

    De resultado de tratamento

    Alta por cura

    Alta por trmino do tratamento

    Abandono

    Falncia

    bito

    Mudana de diagnstico

    Transferncia

  • HEPATITES VIRAIS

    Roberto da Justa

    www.infectologianaufc.blog

  • Srie Histrica Hepatites Brasil

    Forte tendncia de queda nas notificaes de Hepatite A

    Elevao nas notificaes Hepatite B e C

  • HEPATITES DE

    VEICULAO HDRICA

    A e E

  • HEPATITE A

    Modos de Transmisso

    Fecal Oral:

    gua

    Alimentos crus ou mal cozidos

    Contato intra-familiar ou intra-institucional

    Raramente: sangue

    Sexual oroanal

  • Hepatite A

    Programa Nacional para a Preveno e o Controle das Hepatites Virais

    Benigna na Infncia < 10% ictrico

    Estima-se 1:10000 formas graves na infncia

    Potencialmente grave no Adulto

    > 1% formas graves

Search related