Revista plataforma 3 edi§£o

  • View
    231

  • Download
    8

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Revista plataforma 3ª edição

Text of Revista plataforma 3 edi§£o

  • 1

  • 2

  • 3

  • 4

    REVISTA PLATAFORMA

    RJNEWS Informao Comrcio e Servios de Edio

    de Jornais Ltda

    CNPJ 04.536.054/0001-27

    Av. Cristvo Barcelos, 131 - Centro

    (Praa So Pedro) - Rio das Ostras/RJ

    Tiragem

    10.000 exemplares / Copies

    Circulao

    Rio de Janeiro, Maca, Rio das Ostras, Casimiro de

    Abreu e Campos do Goytacazes

    Diretor Geral

    Roger Vilela

    Diretor Executivo

    Luiz Claudio Coelho Vieira

    Diretora de Redao

    e Comercial /

    Rafaela Azevedo - DRT: JP 1336 RN

    Gerente Financeira

    Raphaela Freitas

    Editor

    Magno Lopes

    Jornalista

    Carolina Gomes

    Estagiria

    Las Barcelos

    Fotgrafo

    Gilismar Correa / Samuel Rocha

    Projeto Grfico e Diagramao

    Alexandre Albuquerque

    Revisor

    Maurcio Marques

    Tradutor

    William Santiago

    Assessor de Logstica

    Alexandre Fausto

    Atendimento Comercial

    Aline Rodrigues, Leandra Soares, Michelle Neto e

    Ronaldo Lima

    Contatos

    (22) 2020-0400

    contato@rjnews.com.br

    OO aquecimento do setor de petrleo e gs, com o aumento da produo e com a explo-rao do pr-sal, exige, tanto da iniciativa pri-vada quanto dos governos, investimentos em vrios outros setores. Neste ano, a indstria naval, por exemplo, vai receber R$ 41 milhes em investimentos para novas tecnologias e equipamentos. Por causa disso, como em uma reao em cadeia, os profissionais desse setor buscam qualificao, j que esta indstria deve gerar at 2025, segundo nmeros do Sinaval, 24 mil novos postos de trabalho.

    Esta edio da Revista Plataforma descreve no s este cenrio, mas retrata os inves-timentos dos setores porturios feitos no Estado do Rio de Janeiro, por meio de uma entrevista exclusiva com o secretrio estadual de Desenvolvimento Econmico, Julio Bueno. O veculo traz ainda matrias sobre as mu-danas na certificao no trabalho de acesso por cordas, mostra o tratamento de resduos nas plataformas e revela as novas tecnologias de produtos voltados para o setor onshore e offshore. Como em todas as edies, abor-daremos ainda uma profisso de importncia para o setor.

    No deixamos de fora as informaes sobre as feiras Navalshore e OTC Brasil que vo atrair milhares de pessoas ao Rio de Janeiro nos prximos meses.

    Boa leitura a todos!

    .

    Soldador em alta no mercado...................16

    Entrevista: Jlio Bueno ....................................... 06

    Conscincia ambiental nas plataformas . 10

    Navalshore estimula o setor com discusses tcnicas ...................................................12

    Novas regras para o trabalho em altura . 22

    Investimentos em pesquisas cientficas ...... 24

    Petrleo em Foco .................................................. 25

    Editorial

    Estabilidade, rapidez e recuperao nas novas ncoras ............................................................. 28

    Hidrojateamento sustentvel ........................... 32

    Petrleo e Gs Atualidades ............................... 35

    Embarcaes destinadas ao pr-sal .............. 36

    procura de melhorias para o setor .......... 38

    Absoro de impacto no atracamento

    martimo ... 26

  • 5

  • 6

    Entrevista

    Jlio Bueno

    Jlio Bueno engenheiro metalrgico formado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e funcionrio de carreira da Petrobras. Especializou-se em Engenharia de Inspeo. Foi diretor e presidente do Inmetro e presidente da Petrobras Distribuidora. Atualmente atua como secretrio de Estado de Desenvolvimento Econmico, Energia, Indstria e Servios do Rio de Janeiro.

    Em entrevista exclusiva Revista Plataforma, o se-cretrio falou um pouco sobre a atual situao da indstria naval no pas,

    especialmente no estado do Rio de Janeiro. Ele destacou os investimentos e toda a reestruturao que foi feita para o setor h alguns anos e que esto surtindo efeito notrio com a expanso dos estaleiros e do setor como um todo. Os novos portos do Estado, como o de Maca e o polmi-co Porto do Au tambm foram temas abordados na entrevista. Alm disso, os leiles do pr-sal e a atual e futura situao de explorao e produo offshore tambm foram discutidos.

    Fotos: Divulgao

  • 7

    PLATAFORMA: Como voc avalia a situao naval do Estado e do pas?

    JLIO BUENO: A Indstria Naval passou por um perodo de recupe-rao nos ltimos dez anos, baseada principalmente na poltica de contedo nacional, que incentivou a construo de petroleiros e plataformas, alm de sondas de perfurao, mais recentemente. Por ser o bero da indstria na-val, com toda a histria da cadeia concentrada aqui, e ainda pela proximida-de com as atividades petroleiras das bacias de Campos e agora de Santos, o Rio de Janeiro diretamente influenciado por essa melhora na cadeia como um todo. Houve a recuperao de estaleiros, a atrao de fornecedores e subfornecedores. Agora a hora de olhar para a competitividade do setor. Muito me preocupa a reserva de mercado no Brasil. preciso saber se as empresas sobrevivem sem essa reserva de mercado. Acho que a poltica de contedo nacional deveria ter um perodo pr-determinado para que todos se preparassem para serem competitivos em nvel mundial.

    PLATAFORMA: Quais as aes do governo para o setor naval?

    JLIO BUENO: A principal ao do Governo do Estado hoje, por meio de nossa secretaria e de suas empresas vinculadas (AgeRio e Codin), criar o ambiente favorvel para a atrao dos diversos elos da cadeia do setor de petrleo e gs natural para o Estado. Para isso, sem deixar outros segmen-tos de lado, estamos focados num programa especfico voltado ao setor de subsea, que identificamos como potencial para a atrao de negcios. So quase US$ 100 bilhes em encomendas at 2020 nessa categoria de equipa-mentos submarinos para as atividades de explorao de petrleo e gs natu-ral no Brasil. E o Rio de Janeiro tem a vocao natural para ser a sede dessas empresas, devido a sua proximidade fsica com a atividade, alm da elevada qualificao da mo de obra e tambm por concentrar aqui as principais empresas do setor, o que facilita, tanto na interlocuo, quanto na troca de experincias para desenvolvimento de inovao tecnolgica. Vale lembrar a existncia do Parque Tecnolgico do Rio de Janeiro, que j considerado o maior polo concentrador de atividades de inovao tecnolgica voltada ao setor de petrleo e gs natural.

    PLATAFORMA: Como est a situao dos portos do estado?

    JLIO BUENO: Muito bem! As ativida-des porturias no Estado esto em constante crescimento. Tivemos aumento no volume de importaes, aumento de cargas embarcadas e, especificamente no porto do Rio, um enorme crescimento no embarque de equipamentos offshore, j ultrapassando Maca nesse quesito, pela primeira vez na histria. Temos tambm uma srie de investimentos sendo feitos em ter-minais privados como o Porto do Au, no Nor-te Fluminense, o Porto do Sudeste, da LLX, na regio de Itagua, e ainda teremos o Terminal Ponta Negra. Com isso o Rio oferece um dife-rencial logstico na atratividade de investimen-tos. Alm disso, importante lembrar que o Porto do Rio um dos maiores arrecadadores de ICMS do estado: R$ 1,67 bilho em 2010, o terceiro maior porto gerador de ICMS do pas. At 2015, o Porto na regio do Caju receber muitos investimentos no mbito da expanso de suas atividades. A ampliao do Terminal da Libra e da Multiterminais, da base de apoio offshore da Petrobras, das operaes da Bri-clog pela Brasco e a reativao dos estaleiros Inhama (antigo Ishibras) e Caneco iro fazer do Porto do Rio o segundo porto nacional em volume de movimentao de contineres, alm de aumentar em 143% o volume movimentado no perodo de sete anos.

    PLATAFORMA: Sobre o Porto de Maca, voc acha que o projeto vai ser concretizado em quanto tempo?

    JLIO BUENO: Estamos atentos mo-vimentao do projeto e otimistas com sua realizao. Acompanhamos de longe o proces-

    Muito me preocupa a reserva

    de mercado no Brasil.

    preciso saber se as empresas sobrevivem sem essa reserva de

    mercado

    ...o Rio de Janeiro tem a vocao natural para ser a sede dessas

    empresas, devido a sua proximidade

    fsica com a atividade, alm da elevada

    qualificao da mo de obra e tambm por

    concentrar aqui as principais empresas

    do setor ...

  • 8

    so, o empreendimento privado, e conta com a doao de um terreno da prefeitura em rea bem localizada, prximo ao distrito industrial da Codin. Maca merece ter um porto e acreditamos que ele dever sair do papel e se viabilizar em breve. A empresa recentemente divulgou que aguarda licenciamento ambiental para este ano e pretende comear as obras no prximo ano, para comear a operar em 2017.

    PLATAFORMA: Sobre o porto do Au, voc havia afirmado que o porto vai sair. Com que custos o porto vai se concretizar?

    JLIO BUENO: O Porto do Au certamente vai sair. Alis, j est saindo. Na ltima semana de julho j tivemos o primeiro embarque de tubos flexveis para a rea do pr-sal, feito pela Technip, que est instalada no Au. Tambm temos l o minerioduto da Anglo American, que assim que comear a operar vai abrir espao para pelo menos uma pelotizadora. O porto como um todo um grande investimento que vai se concretizar no longo prazo. Talvez num prazo mais longo do que se estava imaginando, mas eu no tenho nenhuma dvi-da sobre os benefcios que trar para a regio. Na verdade, esses benefcios j esto vindo com a gerao de empregos diretos e indiretos, melhora na renda local, maior qualifi-cao dos jovens para que eles se preparem para atender melhor a demanda que surgir das empresas instaladas nos prximos anos na rea do distrito industrial de So Joo da Barra, administrado pela Codin.

    PLATAFORMA: Como voc acha que o pr-sal favorece a indstria naval?